The words you are searching are inside this book. To get more targeted content, please make full-text search by clicking here.
Discover the best professional documents and content resources in AnyFlip Document Base.
Search
Published by Smart Support, 2021-01-12 09:33:22

Revista AMRIGS 61 Nº1

Revista AMRIGS 61 Nº1

BL ISSN 0102 – 2105 – VOL. 61 – Nº1: 1-95 – JAN.-MAR. 2017

EDITORIAL

Do que é feito um bom Médico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3

Antonio Carlos Weston

ARTIGOS ORIGINAIS

Risco cardiovascular em meninas com pubarca precoce isolada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

Deisi Maria Vargas, Thamy Bruno do Nascimento, Tuami Vanessa Werlel, Gabriela Gondin Paulo

Insatisfação com a imagem corporal em adolescentes na cidade de Farroupilha, RS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

Fabiane Carraro, Ricardo Rodrigo Rech, Bruna Frata, Ricardo Halpern, Francine Zanol, Abel Roberto Colognese, André Luis Possa, Gerard Maurício Martins Fonseca

“Pulmão 192”: Modelo de referenciamento de pacientes com lesões pulmonares para serviço terciário em um município da região
metropolitana de Porto Alegre, RS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

Airton Schneider, Bibiana Borges Manna, João Augusto Argenton Zortéa, Laura Zaparoli Zanrosso

Leucemia mieloide aguda: avaliação citogenética e implicação prognóstica – revisão de casos atendidos em Hospital Geral do
Rio Grande do Sul . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Diniz Brum Lamaison, Denise Ramos de Almeida, Robinson José Kaczmarck

Toxoplasmose em parturientes de um Hospital do Sul de Santa Catarina, Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

Martina Tierling Martinelli, Raphaela Mazon Zapelini, Betine Pinto Moehlecke Iser, Helena Caetano Gonçalves, Aline Goetten

Perfil epidemiológico de puérperas com quadro de depressão pós-parto em unidades de saúde de um município da Serra
Catarinense, SC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

Marco Antonnio Rocha dos Santos, Everley Rosane Goetz, Gustavo Pires Sicco, Henrique Gaspar Sabatini Fernandes, Michelle Medeiros,
Natália Elisa Boing Melo, Vanessa Freitas Bratt

Prevalência de sintomas para transtornos alimentares em escolares de 11 a 15 anos da rede municipal de ensino da cidade de Nova
Petrópolis, RS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

Agnes Margarete Ludewig, Ricardo Rodrigo Rech, Ricardo Halpern, Francine Zanol, Bruna Frata

Aspectos epidemiológicos dos condrossarcomas – experiência do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital São Lucas
da PUCRS, Porto Alegre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

Pedro Matzenbacher Brito, Mateus Quadrado Massafra, Vinícius Duval da Silva, Carlos Luiz Reichel, Carlos Daniel de Garcia Bolze, Osvaldo André Serafini

Fatores associados à ressecção incompleta do câncer não melanoma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

José Luiz Pedro Missio, Anderson Ricardo Ingracio, Maurício Carvalho, Niandra Sartori, Giovani Dani Benvenutti

Benefícios do tratamento fonoaudiológico hospitalar em pacientes em uso de via alternativa de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

Carlos Eduardo Sartori Fernandes, Franciele Pereira Simor, Lisiane Lieberknecht Siqueira, Gabriela Decol Mendonça, Ronan Mattos Mezzalira

RELATOS DE CASOS

Correção cirúrgica monocular em exotropias de grande ângulo: estudo de casos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

Mariana Fernandez Simão, James da Costa Marchiori

Síndrome de Rendu-Osler-Weber: relato de caso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

José Luiz Pedro Missio, Anderson Ricardo Ingracio, Maurício Carvalho, Tuane Colles

Schwannoma nasal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

Luciane Mazzini Steffen, Priscila de Jesus Pires, Nédio Steffen, Marina Neves Cavada, Aline Silveira Martha

Relato de caso de falha terapêutica por não adesão ao tratamento antirretroviral em adolescente HIV por transmissão vertical:
revisão de como identificar e agir nessa situação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

Tamires Farina Menegat, Luiza Soster Lizott, Julio Massuo Makimori, Pablo Sebastian Velho

Xantoma disseminado: relato de caso e revisão da literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

Laura de Mattos Milman, Renata Hübner Frainer, Ana Letícia Boff

ARTIGO DE REVISÃO

Atuais diretrizes do rastreamento do câncer colorretal: revisão de literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76

Francielle Grivot Santa Helena, Luciano Pinto de Carvalho, Márcio Rahel Farias Guimarães, Bruna Miranda

ARTIGO ESPECIAL

Perfil epidemiológico das gestantes HIV positivas e de seus recém-nascidos em um hospital de referência no interior do Rio Grande
do Sul no período de 2012-2013 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

Nágila Simon Ziebell, Angélica Cristine Feil, Fabiani Waechter Renner

INSTRUÇÕES REDATORIAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

SUMMARY

EDITORIAL

What’s a good Doctor made of? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3

Antonio Carlos Weston

ORIGINAL PAPERS

Cardiovascular risk in girls with isolated premature pubarche . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

Deisi Maria Vargas, Thamy Bruno do Nascimento, Tuami Vanessa Werlel, Gabriela Gondin Paulo

Body image dissatisfaction in adolescents in Farroupilha, RS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

Fabiane Carraro, Ricardo Rodrigo Rech, Bruna Frata, Ricardo Halpern, Francine Zanol, Abel Roberto Colognese, André Luis Possa, Gerard Maurício Martins Fonseca

Lung 192”: a model for referral of patients with lung lesions to a tertiary service in a city of the Metropolitan Region of Porto
Alegre, RS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

Airton Schneider, Bibiana Borges Manna, João Augusto Argenton Zortéa, Laura Zaparoli Zanrosso

Acute myeloid leukemia: cytogenetic evaluation and prognostic implication – a review of the cases seen at a General Hospital of Rio
Grande do Sul . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Diniz Brum Lamaison, Denise Ramos de Almeida, Robinson José Kaczmarck

Toxoplasmosis in parturients in a hospital in South Santa Catarina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

Martina Tierling Martinelli, Raphaela Mazon Zapelini, Betine Pinto Moehlecke Iser, Helena Caetano Gonçalves, Aline Goetten

Epidemiological profile of puerperal patients with postpartum depression in health units of a city in the Santa Catarina
mountain range . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

Marco Antonnio Rocha dos Santos, Everley Rosane Goetz, Gustavo Pires Sicco, Henrique Gaspar Sabatini Fernandes, Michelle Medeiros,
Natália Elisa Boing Melo, Vanessa Freitas Bratt

Prevalence of symptoms for eating disorders in schoolchildren aged 11 to 15 years of the municipal school system of the city
of Nova Petrópolis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

Agnes Margarete Ludewig, Ricardo Rodrigo Rech, Ricardo Halpern, Francine Zanol, Bruna Frata

Epidemiological aspects of chondrosarcomas – the experience of the orthopedy and traumatology service of the São Lucas Hospital
of PUCRS, Porto Alegre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

Pedro Matzenbacher Brito, Mateus Quadrado Massafra¹, Vinícius Duval da Silva, Carlos Luiz Reichel, Carlos Daniel de Garcia Bolze, Osvaldo André Serafini

Factors associated with incomplete resection of non-melanoma cancer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

José Luiz Pedro Missio, Anderson Ricardo Ingracio, Maurício Carvalho, Niandra Sartori, Giovani Dani Benvenutti

Benefits of hospital speech therapy in patients using alternative feeding route . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

Carlos Eduardo Sartori Fernandes, Franciele Pereira Simor, Lisiane Lieberknecht Siqueira, Gabriela Decol Mendonça, Ronan Mattos Mezzalira

CASE REPORTS

Monocular surgical correction in wide-angle exotropias: case studies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

Mariana Fernandez Simão, James da Costa Marchiori

Rendu-Osler-Weber Syndrome: a case report . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

José Luiz Pedro Missio, Anderson Ricardo Ingracio, Maurício Carvalho, Tuane Colles

Nasal Schwannoma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

Luciane Mazzini Steffen, Priscila de Jesus Pires, Nédio Steffen, Marina Neves Cavada, Aline Silveira Martha

Case report of therapeutic failure due to non-adherence to retroviral treatment in HIV adolescent by vertical transmission: a review
of how to identify and proceed in this situation . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

Tamires Farina Menegat, Luiza Soster Lizott, Julio Massuo Makimori, Pablo Sebastian Velho

Disseminated xanthoma: a case report and literature review . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

Laura de Mattos Milman, Renata Hübner Frainer, Ana Letícia Boff

REVIEW ARTICLE

Current guidelines for screening colorectal cancer: a review of the literature . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76

Francielle Grivot Santa Helena, Luciano Pinto de Carvalho, Márcio Rahel Farias Guimarães, Bruna Miranda

SPECIAL ARTICLE

Epidemiological profile of HIV positive pregnant women and their newborns in a reference hospital in the interior of Rio Grande do
Sul in the 2012-2013 period . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

Nágila Simon Ziebell, Angélica Cristine Feil, Fabiani Waechter Renner

WRITING INSTRUCTIONS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

EXPEDIENTE

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO RIO GRANDE DO SUL
Entidade filiada à Associação Médica Brasileira – AMB
Fundação em 27/10/1951 – Av. Ipiranga, 5311
CEP 90610-001 – Porto Alegre – RS – Brasil
Tel.: (51) 3014-2001 / www.amrigs.org.br

DIRETORIA DA AMRIGS 2014/2017
Presidente: Dr. Alfredo Floro Cantalice Neto
Vice-presidente: Dr. Jair Rodrigues Escobar
Diretor Administrativo: Dr. Arthur da Motta Lima Netto
Diretor de Finanças: Dr. Marcelo Scarpellini Silveira
Diretor do Exercício Profissional: Dr. Jorge Utaliz Guimarães Silveira
Diretor de Assistência e Previdência: Dr. Geraldo Vargas Barreto Vianna
Diretora de Normas: Dra. Lizete Pessini Pezzi
Diretor de Comunicação: Dr. Jorge Alberto Bianchi Telles
Diretor de Integração: Dr. Bernardo Avelino Aguiar
Diretor da UniAMRIGS: Dr. Antonio Carlos Weston
Diretor de Patrimônio: Dr. Dirceu Francisco de Araújo Rodrigues

REVISTA DA AMRIGS
Editor Executivo: Prof. Dr. Antonio Carlos Weston
Editor Associado: Prof. Dr. Airton Tetelbom Stein
Editora Honorífica: Profa. Dra. Themis Reverbel da Silveira

Conselho Editorial Internacional: Missão
Eduardo De Stefani (Livre Docente, Universidad de la República, Montevidéu, Uruguai), Juan Pablo Horcajada Gallego (Professor “Transmitir aos médicos
Doutor, Chefe da Seção de Medicina Interna/Doenças Infecciosas do Hospital Universidad Del Mar / Barcelona / Espanha), Héctor informações úteis para sua
Geninazzi (Professor Associado de Cirurgia Digestiva, Montevidéu, Uruguai), Lissandra Dal Lago (Research Fellow – Breast Cancer prática diária e possibilitar aos
Group at European Organization of Research and Treatment of Cancer – EORTC – Bruxelas, Bélgica), Ricard Farré (Research pesquisadores, particularmente
Fellow – Universidade de Leuven – Bélgica), Tazio Vanni (Research Fellow – International Agency for Research on Cancer/WHO) os mais jovens, a divulgação
dos seus trabalhos de
Conselho Editorial Nacional: pesquisa.”
Airton Tetelbom Stein (Professor Doutor, Departamento de Medicina Preventiva / UFCSPA), Altacílio Aparecido Nunes (Pro-
fessor Doutor, Departamento de Medicina Social – Faculdade de Medicina / USP – Ribeirão Preto), Antonio Nocchi Kalil (Chefe
do Serviço de Cirurgia Oncológica da Santa Casa de Porto Alegre, Professor Associado de Cirurgia da UFCSPA), Antonio Pazin
Filho (Professor Doutor, Departamento de Clínica Médica – Faculdade de Medicina/ USP – Ribeirão Preto), Bruno Zilberstein
(Professor Dr. Livre Docente e Prof. Associado do Departamento de Gastroenterologia da Faculdade de Medicina da USP),
Edson Zangiacomi Martinez (Professor Doutor, Departamento de Medicina Social – Faculdade de Medicina / USP – Ribeirão
Preto), Eduardo Barbosa Coelho (Professor Doutor, Departamento de Clínica Médica – Faculdade de Medicina / Coordena-
dor Unidade de Pesquisa Clínica HCFMRP-USP/Ribeirão Preto), Eduardo Linhares Riello Mello (PhD, Cirurgia Abdominal do
Instituto Nacional de Câncer – INCA), Felipe J. F. Coimbra (Diretor do Departamento de Cirurgia Abdominal do AC Camargo
Cancer Center), Geraldo Druck Sant’Anna (Professor, Disciplina de Otorrinolaringologia, UFCSPA), Gustavo Py Gomes da
Silveira (Professor Titular de Ginecologia da UFCSPA), Ilmar Köhler (Professor Doutor / Departamento de Cardiologia da Fa-
culdade Medicina da ULBRA), Joel Alves Lamounier (Professor Doutor /Departamento de Pediatria – Faculdade de Medicina/
USP – Ribeirão Preto), Julia Fernanda Semmelmann Pereira-Lima (Professora Adjunta Serviço de Endocrinologia da UFCSPA),
Júlio Cezar Uili Coelho (Professor Doutor, Professor Titular do Departamento de Cirurgia da Universidade Federal do Paraná),
Laercio Gomes Lourenço (Professor Adjunto, Doutor em Cirurgia pela Universidade Federal de São Paulo – Coordenador da
Equipe), Lauro Wichert-Ana (Professor Doutor, Departamento de Neurologia e Medicina Nuclear – Faculdade de Medicina/
USP – Ribeirão Preto), Leo Francisco Doncatto (Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica
e pelo Conselho Federal de Medicina, Doutorado em Medicina, Clínica Cirúrgica pela PUCRS), Lissandra Dal Lago (Research
Fellow – Breast Cancer Group at European Organization of Research and Treatment of Cancer – EORTC – Bruxelas, Bélgica),
Luane Marques de Mello (Professora Doutora, Departamento de Clínica Médica – Faculdade de Medicina/USP– Ribeirão Preto),
Marcelo Carneiro (Professor, Departamento de Infectologia, Faculdade de Medicina/Universidade de Santa Cruz, RS), Maria
Helena Itaqui Lopes (Professora Doutora, Faculdade de Medicina da UCS), Paulo Augusto Moreira Camargos (Professor Doutor,
Departamento de Pediatria – Faculdade de Medicina/ USP – Ribeirão Preto), Paulo Kassab (Professor Livre Docente do Depar-
tamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo), Paulo Pimentel de Assumpção (Professor
Doutor, Núcleo de Pesquisas em Oncologia, UFPA), Ramiro Colleoni (Professor Adjunto – Departamento de Cirurgia – Escola
Paulista de Medicina / UNIFESP), Ricard Farré (Research Fellow – Universidade de Leuven – Bélgica), Sandra Maria Gonçalves
Vieira (Professora Doutora, Departamento de Pediatria, Chefe da Unidade de Gastroenterologia Pediátrica Hospital de Clínicas
de Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul), Suzana Arenhart Pessini (Doutora em Patologia, UFCSPA), Themis
Reverbel da Silveira (Professora Doutora, Departamento de Pediatria, Gastroenterologia Pediátrica, UFRGS), Renato Borges
Fagundes (Professor Doutor, Departamento de Clínica Médica da UFSM-RS, Pesquisador Colaborador do NIH/NCI, EUA), Wil-
son Luiz da Costa Junior (Doutor em Oncologia, Cirurgião Oncológico Titular do Departamento de Cirurgia Abdominal, A. C.)

Equipe administrativa: Ivan Carlos Guareschi (Gerente Executivo), Revista da AMRIGS
Claudia Cristina Schmaedecke (Assistente Administrativo), Daniel Bueno (Tradutor) VOL. 61 – Nº 1: 1-95 – JAN.-MAR. 2017

Revisão: Press Revisão
Editoração: Imagine Design
Comercialização e contato: AMRIGS
Fones: (51) 3014-2016 ou (51) 3014-2024

[email protected]

Indexada na base de dados LILACS.
Filiada à ABEC.



EDITORIAL

Do que é feito um bom Médico

Ao longo dos muitos anos de profissão que já tenho, Ao longo da carreira, surgem alguns sinais de que es-
tive a grata oportunidade de conhecer muitos colegas. Mui- tamos indo bem. O reconhecimento dos pacientes é um
tos deles tornaram-se amigos e um número bastante signi- deles, talvez o mais importante. Esse reconhecimento vem
ficativo, verdadeiros irmãos de convivência e compartilha- de várias formas, como a verbalização do agradecimento
mento do cotidiano da profissão e da vida. ou o encaminhamento de um amigo ou familiar. Os nossos
colegas também, por via direta ou indireta, sinalizam algu-
Com muitos desses colegas, conversei sobre a nossa ma coisa. Comentários com pacientes em comum ou com
profissão. Alguns me relataram as dificuldades provenien- outros colegas eventualmente chegam ao conhecimento e
tes das más condições de trabalho, da falta de recursos e da podem ser um dado importante.
baixa remuneração. Outros colocaram projetos, ideias e so-
nhos a serem desenvolvidos a curto, médio ou longo prazo. A Associação Médica Mundial fez uma pesquisa com
Por várias vezes, discutimos casos de pacientes, sim, mé- muitos pacientes com esta pergunta que aparentemente é
dico está sempre pensando em trabalho. Nessas ocasiões, simples: Como reconhecemos um bom médico? E as res-
sempre havia um tom de satisfação por um diagnóstico postas vieram da seguinte forma – os quesitos mais impor-
difícil que foi feito, ou por um tratamento bem-sucedido. tantes são por ordem:
Mas, em outras ocasiões, o relato era de frustração pelo
fato de que, mesmo com todo o empenho, as coisas não 1) Cuidado com o paciente; 2) Ética; 3) Conhecimento
tinham sido como o esperado e o sucesso não veio. Abate- científico.
mo-nos psicologicamente e, às vezes, fisicamente quando
não somos bem-sucedidos. Esta é a nossa profissão. Por Por estranho que possa parecer, para os pacientes o
vezes alegre, por vezes muito difícil. Sabíamos disso quan- conhecimento científico vem em terceiro lugar. Mas o im-
do entramos nela. portante é entender que esses três fatores devem andar em
conjunto e é necessário que estejam integrados.
Apesar dessa diversidade de situações apresentadas,
nunca conheci sequer um colega que não gostasse de ser DR. ANTONIO CARLOS WESTON
reconhecido como um bom médico. No fim de tudo, essa Editor Executivo da Revista da AMRIGS
é a nossa meta. Esse é o nosso sonho.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 3, jan.-mar. 2017 3

ARTIGO ORIGINAL

Risco cardiovascular em meninas com pubarca precoce isolada

Cardiovascular risk in girls with isolated premature pubarche

Deisi Maria Vargas1, Thamy Bruno do Nascimento2, Tuami Vanessa Werlel2, Gabriela Gondin Paulo3

RESUMO
Introdução: Pubarca precoce é o aparecimento de pelos pubianos antes dos 8 anos em meninas e dos 9 anos em meninos, sendo mais
frequente em meninas. Entre suas etiologias, a adrenarca precoce é a mais comum. A literatura traz associações entre pubarca precoce
e fatores de risco para doenças cardiovasculares Objetivos: O presente estudo pretende avaliar os fatores de risco para doenças car-
diovasculares em meninas com pubarca precoce isolada. Métodos: Trata-se de um estudo observacional utilizando dados secundários
extraídos de prontuários médicos de 41 meninas com diagnóstico de pubarca precoce isolada entre 1999 e 2013, acompanhadas em
policlínica universitária na área de endocrinologia pediátrica. As variáveis de estudo foram: peso, estatura, índice de massa corporal,
pressão arterial, peso ao nascimento, idade óssea, dislipidemia, glicemia e insulina de jejum e androgênios basais. Resultados: A mé-
dia de idade foi de 7,8±1,4 anos. A frequência de excesso de peso foi de 42,1%, baixo peso ao nascimento de 13,1%, pressão arterial
elevada de 17,3% e elevação de colesterol total em 45,8%. A idade óssea foi superior à cronológica em 81,8%. Não foram verificadas
hiperinsulinemia nem resistência insulínica. O hiperandrogenismo acometeu aproximadamente um terço das pacientes. Conclusões:
A maioria das pacientes apresentou ao menos um fator de risco para doença cardiovascular, sendo os mais prevalentes o excesso de
peso e a dislipidemia. Aproximadamente 1/3 das pacientes apresentavam hiperandrogenismo.
UNITERMOS: Fatores de Risco, Doenças Cardiovasculares, Adrenarca, Excesso de Peso, Hiperandrogenismo.

ABSTRACT
Introduction: Premature pubarche is the appearance of pubic hair before 8 years in girls and 9 years in boys, being more frequent in girls. Among its
etiologies, precocious adrenarche is the most common. The literature shows associations between precocious pubarche and risk factors for cardiovascular diseases.
Aim: This study intends to evaluate the risk factors for cardiovascular diseases in girls with isolated premature pubarche. Methods: This is an observa-
tional study using secondary data extracted from medical records of 41 girls diagnosed with early pubarche between 1999 and 2013, followed by a university
polyclinic in the area of pediatric endocrinology. The study variables were weight, height, body mass index, blood pressure, birth weight, bone age, dyslipidemia,
glycemia, and fasting insulin and basal androgens. Results: Mean age was 7.8 ± 1.4 years. The frequency of overweight was 42.1%, low birth weight
13.1%, high blood pressure 17.3%, and total cholesterol elevation 45.8%. Bone age was higher than chronological age in 81.8%. No hyperinsulinemia
and insulin resistance were observed. Hyperandrogenism affected approximately one-third of the patients. Conclusions: Most patients presented at least
one risk factor for cardiovascular disease, the most prevalent being overweight and dyslipidemia. Approximately 1/3 of the patients had hyperandrogenism.
KEYWORDS: Risk Factor, Cardiovascular Diseases, Adrenarche, Overweight, Hyperandrogenism.

INTRODUÇÃO valo de tempo, problemas como desnutrição infantil são
Devido ao fenômeno conhecido como transição nu- substituídos por obesidade nos adultos (1). Sendo assim,
diversos fatores de risco para doenças cardiovasculares
tricional, no qual ocorre uma inversão dos problemas (DCVs) se iniciam ou são adquiridos na infância, perma-
nutricionais de uma determinada população em um inter- necendo até a idade adulta (2). Além da obesidade, várias

1 Doutora em Pediatria.
2 Acadêmica de Medicina
3 Médica residente em Pediatria.

4 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 4-9, jan.-mar. 2017

RISCO CARDIOVASCULAR EM MENINAS COM PUBARCA PRECOCE ISOLADA Vargas et al

outras condições que podem ser associadas aos fatores peso ao nascimento (PN), idade gestacional, idade óssea,
de risco para DCV podem iniciar na infância (3), como a colesterol total (CT), lipoproteína de alta densidade (HDL),
pubarca precoce (PP). lipoproteína de baixa densidade (LDL), triglicerídeos
(TGC), glicemia em jejum, insulina de jejum, 17-hidroxi-
Sabe-se que as DCVs têm grande importância para -progesterona (17OHP), androstenediona (DELTA 4), sul-
a Saúde Pública. Foi causa do óbito de 17,3 milhões de fato de dehidroepiandrosterona (DHEA-S), testosterona
pessoas no mundo no ano de 2008 e, no Brasil, correspon- total (TT), dislipidemia, hipereandrogenismo, hiperinsuli-
deu a 32% dos óbitos, o equivalente a 267.496 mortes (4). nemia e resistência insulínica (RI). A altura foi aferida com
Nesse âmbito, há consenso para a importância de adotar um estadiômetro de parede do tipo Harpenden-Holtain e
precocemente estratégias de atenção integral para preven- o peso, em uma balança antropométrica. Estatura, peso e
ção dessas doenças (5). IMC foram transformados em escore-z para normatização
por sexo e idade. Foi considerado sobrepeso um escore-z
Os fatores de risco para as DCVs incluem hipertensão entre +1 e +2 e como obesidade, um escore-z ≥+2. A ida-
arterial sistêmica, tabagismo, hipercolesterolemia, diabetes de óssea presente nos prontuários foi avaliada pelo mesmo
mellitus, idade avançada, sexo masculino, história familiar, médico assistente através dos critérios de Grewlich em Pyle.
sedentarismo, estresse emocional e obesidade (6). É impor- Considerou-se baixo peso ao nascimento um PN ≤2500 g.
tante ressaltar que a hiperinsulinemia é um fator de risco
independente em indivíduos não diabéticos com ou sem Considerou-se fator de risco cardiovascular a presença
resistência à insulina (RI). Tem um papel importante no de glicemia de jejum alterada, presença de RI, PA elevada,
desenvolvimento de dislipidemia através do aumento da dislipidemia e excesso de peso. Quanto ao perfil lipídico, fo-
síntese hepática de VLDL, da diminuição do HDL e do ram considerados valores desejáveis para CT < 150mg/dL,
aumento do colesterol e triglicerídeos, e contribui para a LDL-c< 100mg/dL, HDL-c> ou igual a 45mg/dL e TGL
hipertensão arterial. < 100mg/dL, conforme Diretriz de Prevenção de Ateros-
clerose na Infância e Adolescência (10). Foi considerada
A PP tem como principal causa a adrenarca precoce, dislipidemia a alteração de, pelo menos, um valor do per-
a qual decorre da maturação precoce da zona reticular do fil lipídico. Para a classificação de glicemia, foi considerado
córtex adrenal. Outras causas de PP são puberdade preco- grupo de risco cardiovascular as meninas que apresentaram
ce central, PP idiopática, hiperplasia adrenal congênita não glicemia de jejum maior que 126mg/dl, já que os valores
clássica e tumores produtores de androgênios (8). de corte padronizados pela American Diabetes Association
estão entre 100 – 126mg/dl (11). Para determinação da RI,
Apesar de a PP ter sido considerada uma patologia be- utilizou-se o método da homeostase glicêmica (HOMA –
nigna por muito tempo, sabe-se hoje que está relacionada a IR), considerando RI valores superiores a 3,16 (10). A hi-
alterações metabólicas e hormonais na adolescência e na ida- perinsulinemia foi definida como insulina de jejum maior
de adulta (9). Além disso, a literatura aponta a necessidade de que 15 mU/L e o hiperandrogenismo níveis séricos de TT,
mais estudos sobre a associação entre PP e fatores predispo- DHEA-S, androstenediona e 17-OHP acima do valor de re-
nentes a DCVs. Dessa forma, este estudo objetiva verificar a ferência para a faixa etária e sexo. Considerou-se adrenarca
frequência de fatores de risco para DCVs em meninas com precoce níveis séricos de DHEA-S superiores a 40 mcg/dl
pubarca precoce atendidas em uma policlínica universitária. (8). A PA foi aferida durante consulta com esfigmomanô-
metro de mercúrio. Foi considerada pressão arterial elevada
MÉTODOS quando a pressão sistólica ou a diastólica foi igual ou supe-
Trata-se de um estudo observacional utilizando dados rior ao percentil 95 para a idade, sexo e estatura, e pressão
arterial limítrofe (pré-hipertensão) quando o percentil da
secundários extraídos de prontuários médicos de crianças pressão sistólica ou diastólica esteve entre os percentis 90 e
e adolescentes do sexo feminino com o diagnóstico de PP 95, de acordo com a I Diretriz de Prevenção da Ateroscle-
acompanhadas na Policlínica da Universidade de Blume- rose na Infância e Adolescência.
nau (FURB), Santa Catarina, na área de Endocrinologia
Pediátrica entre os anos de agosto 1999 e março de 2013. A análise foi feita através de estatística descritiva e apli-
A amostra constituiu-se de 41 pacientes (88% dos casos cação de testes estatísticos. O teste U de Mann-Whitney
identificados), cujos prontuários médicos apresentaram foi utilizado para comparar médias de insulina de jejum das
registros de dados clínicos e bioquímicos necessários à meninas com excesso de peso e peso normal. O estudo foi
aplicação dos critérios diagnósticos de PP. Considerou-se aprovado pelo Comitê de Ética em Humanos da Universi-
PP o aparecimento de pelos pubianos antes dos 8 anos de dade de Blumenau, SC.
idade cronológica, com idade óssea paralela à idade crono-
lógica ou ±1 ano e androgênios basais normais. Quando a RESULTADOS
paciente não preenchia esses critérios, foi solicitado teste Identificaram-se 45 pacientes com PP, sendo que 4
de estímulo adrenal com ACTH exógeno para exclusão de
hiperplasia adrenal congênita. prontuários não foram encontrados, resultando em 41

As variáveis de estudo foram: peso, estatura, Índice de
Massa Corporal (IMC), pressão arterial (sistólica e diastólica),

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 4-9, jan.-mar. 2017 5

RISCO CARDIOVASCULAR EM MENINAS COM PUBARCA PRECOCE ISOLADA Vargas et al

meninas. Destas, 4 não retornaram com os exames solici- são. A frequência de excesso de peso foi de 42,09%, sendo
tados. Houve registro de estágio puberal de 40 meninas. 26,31% de sobrepeso e 15,78% de obesidade.
Em relação aos pelos pubianos, 35 meninas (87,5%) apre-
sentavam-se em estágio P2 na avaliação inicial e 5 (12,5%) A idade óssea foi encontrada em 33 prontuários, sendo
meninas estavam em estágio P3. Sete (17,5%) meninas que em 27 (81,8%) a idade óssea era superior à idade cro-
apresentavam desenvolvimento de mamas no momento nológica, 4 (12%) pacientes apresentavam idade óssea igual
do diagnóstico. Nesses casos, a confirmação da PP (mo- à idade cronológica e em 2 (6%) pacientes, a idade óssea
tivo da consulta) foi realizada pela história clínica através era inferior à cronológica. A média da idade óssea foi de 8,7
da investigação da evolução temporal dos caracteres se- anos. A classificação do perfil lipídico em relação aos valo-
xuais secundários. res de normalidade é mostrada na Tabela 2. Cinco meninas
(13,1%) tiveram baixo peso ao nascimento. Na Tabela 3,
As características clínicas e bioquímicas do grupo es- são apresentados os resultados em relação ao hiperandro-
tudado encontram-se na Tabela 1. As taxas de insulina genismo e, na Tabela 4, os resultados referentes aos fatores
estavam disponíveis em 23 prontuários e os valores de de risco cardiovascular encontrados.
glicemia em 25 prontuários, sendo que a HOMA-IR foi
calculada nas pacientes que possuíam o resultado de ambos DISCUSSÃO
os exames. Nenhuma das pacientes apresentou valores de As DCVs representam hoje uma das principais causas
insulina acima de 15 µIU/ml e nem HOMA-IR acima de
3,16, cujo valor mínimo foi 0,3 e máximo 3. Apesar dis- de óbitos em adultos em todo o mundo. Nesse contexto,
so, o grupo com excesso de peso (sobrepeso e obesidade) um aumento na frequência de fatores de risco cardiovas-
apresentou níveis de insulina de jejum superior ao grupo cular acarreta em aumento da incidência e mortalidade das
sem sobrepeso (7,3 ±4,2 vs 4,3 ± 2,8; p < 0,05). Os níveis DCVs, uma vez que 75% a 80% dos pacientes com doença
glicêmicos apresentaram-se dentro da normalidade. Quan- arterial coronariana apresentam fatores de risco (6), o que
to à pressão arterial, 12 pacientes não possuíam registro no reforça a importância de adotar desde cedo estratégias de
prontuário. Logo, das 29 pacientes restantes, 24 (82,7%) atenção integral para prevenção dessas doenças (5). Além
apresentaram níveis normais, 3 (10,3%), pré-hipertensão e disso, o controle dos fatores de risco deve ser realizado de
2 (7%) tiveram valores de PA compatíveis com hiperten- forma precoce, haja vista que alguns deles podem incidir
precocemente (12). Excesso de peso e dislipidemia foram
Tabela 1 – Características clínicas e bioquímicas. os fatores de risco para DCVs mais frequentes encontra-
dos neste estudo.
Variável Média
Idade (anos) 7,8 ± 1,4 O excesso de peso (sobrepeso ou obesidade) ocorreu
Peso (escore-Z) 0,78 ± 1,24 em 47,36% da amostra, valor superior às estimativas de
Altura (escore-Z) 0,53 ± 1,22
IMC (escore-Z) 0,74 ± 1,11 Tabela 3 – Classificação dos níveis séricos dos androgênios basais
Pressão arterial sistólica (mmHg) 110,0 ± 10,4 em relação aos valores de referência.
Pressão arterial diastólica (mmHg) 70,0 ± 9,4
Glicemia (mg/dL) 81,0 ± 4,3 Classificação Normal (%) Elevado (%)
Insulina (μU/mL) 5,1 ± 2,7 Testosterona total 62,8 37,2
HOMA-IR 1,1 ± 0,6 Sulfato de dehidroepiandrosterona 67,6 32,4
Colesterol total 162,2 ± 65,7 17-hidroxi-progesterona 51,4 48,6
LDL-colesterol 96,7 ± 63,3 Androstenediona 64,9 35,1
HDL-colesterol 54,4± 18,8
Triglicerídeos 69,3 ± 25,9 Tabela 4 – Frequência dos fatores de risco cardiovascular.

Tabela 2 – Classificação do perfil lipídico em relação aos valores de Fator de risco Frequência Relativa (%)
referência. Excesso de peso (IMC) 42,1
Pressão arterial limítrofe 10,3
Classificação Baixo (%) Desejável (%) Acima do Pressão arterial elevada 6,9
desejável (%) Colesterol total limítrofe 25,0
Colesterol total - 54,2 Colesterol total elevado 20,8
LDL-colesterol - 68,0 45,8 LDL limítrofe 24,0
HDL-colesterol 24,0 76,0 32,0 LDL elevado 8,0
Triglicerídeos - 92,0 HDL baixo 24,0
- Triglicerídeos elevados 8,0
8,0

6 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 4-9, jan.-mar. 2017

RISCO CARDIOVASCULAR EM MENINAS COM PUBARCA PRECOCE ISOLADA Vargas et al

excesso de peso na população geral pediátrica de Blume- cronológica da criança (8). Observou-se uma proporção
nau. Em 2001, Bramorski (13) encontrou prevalência de considerável de meninas com 17-OHP elevada, conforme
12,5% de excesso de peso avaliando crianças nas escolas de já descrito anteriormente (23). A 17-OHP também é con-
Blumenau. Recentemente, um estudo realizado em crian- siderada um marcador para PP (18).
ças com mais de dez anos na área de abrangência de quatro
estratégias de saúde da família mostrou uma prevalência de Há evidências de prevalência aumentada de hiperin-
26,8% de excesso de peso (14). Outros estudos nacionais sulinemia em adolescentes com história prévia de PP,
e internacionais constataram que a frequência de obesida- estando esta diretamente associada ao grau de excesso
de em crianças com PP é maior do que a observada na dos androgênios (3,24,25,26).. Essas adolescentes apre-
população geral pediátrica (15,16,17,18). Por outro lado, o sentam RI de início na pré-puberdade, quando a PP é
excesso de peso na infância pode predispor à PP em indiví- diagnosticada, e a hiperinsulinemia parece contribuir para
duos suscetíveis a ela, especialmente nas crianças nascidas o hiperandrogenismo (25). Assim como outros estudos
com baixo peso (17). nacionais (15,27), não se observaram casos de hiperin-
sulismo nem RI na amostra estudada. Todas as meninas
A literatura mostra que a obesidade na infância é o mais estudadas apresentaram níveis séricos de insulina dentro
importante fator de risco conhecido para DCVs na vida da normalidade. No entanto, como média, a insulina foi
adulta (12). Desde 1980, a prevalência da obesidade dupli- superior nas meninas com PP e excesso de peso quan-
cou em todo o mundo. Em 2008, cerca de 1,5 bilhão de do comparado àquelas com IMC adequado. Essa asso-
adultos estavam acima do peso, sendo as mulheres as mais ciação também se verifica em crianças sem PP (28). Um
atingidas, e, em 2010, aproximadamente 43 milhões de estudo comparativo realizado por Vieira et al (27) com
crianças menores de 5 anos também já estavam acima do 21 meninas com PP demonstrou que tanto meninas por-
peso. Atualmente, em torno de 65% da população mundial tadoras de PP quanto meninas do grupo controle apre-
vive em países onde o sobrepeso mata mais do que o baixo sentam níveis insulinêmicos dentro da normalidade, ape-
peso (19). No Brasil, a Pesquisa de Orçamentos Familiares sar da média de insulina das portadoras de PP ter sido
(POF) de 2008-2009 (20), realizada em parceria com o Ins- mais alta. Em avaliação de crianças eutróficas, encontrou
tituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), reve- como média uma HOMA-IR de 1,1±1,7, semelhante aos
lou que a obesidade tem crescido rapidamente nos últimos valores encontrados na amostra estudada (1,2±0,91) (28).
anos no país, tanto nos adultos quanto nas crianças. É pro- A impossibilidade de acessar a HOMA-IR em metade dos
vável que o aumento nos índices de obesidade observado casos estudados pode ter prejudicado a análise deste pa-
em todo o mundo e em todas as faixas de idade reflita em râmetro, ou a faixa etária das meninas incluídas no estudo
um aumento nos índices de obesidade nas meninas com ainda não é compatível com a presença de RI. Ibanez et
PP, talvez elevando-o para acima dos 50,0%. al demonstraram que as taxas de RI tendem a ser maiores
em pacientes mais velhas (3). É possível que o desenvol-
A dislipidemia foi constatada em uma parcela consi- vimento de excesso de peso preceda o aparecimento da
derável da amostra estudada. O CT estava acima dos ní- RI, sendo assim este aspecto será observado em meni-
veis desejados em 45,8% das meninas, valor superior aos nas mais velhas ou ainda na idade adulta no contexto da
36% encontrados por Bramorski (13) ao examinar crianças síndrome metabólica ou da síndrome dos ovários poli-
hígidas. Os valores de LDL também estiveram mais fre- císticos. Diferentes características antropométricas e/ou
quentemente elevados em relação às crianças hígidas blu- populacionais também poderiam justificar tais diferenças.
menauenses analisadas por Bramorski (32% versus 26%).
Outros estudos evidenciaram perfil lipídico associado a A hipertensão arterial, embora predominante na ida-
DCVs em meninas com PP (3,15,21,22). Níveis elevados de adulta, não é desprezível nas crianças e adolescentes,
de LDL, VLDL e TG estiveram associados à hiperinsuli- prevalecendo em 1% da população pediátrica brasileira
nemia, indicando que os componentes da síndrome meta- (29). Este estudo evidenciou alteração de pressão arterial
bólica já aparecem durante a infância, e que as pacientes em 17,3% da amostra no momento do diagnóstico da PP.
com PPI possuem um perfil lipídico aterogênico. Valores Ibañez et al avaliaram vários fatores de risco cardiovascular
elevados de TG e baixos de HDL foram menos frequentes em 81 pacientes com história de PP, comparando esses da-
na amostra estudada em comparação ao CT e LDL. dos com um grupo controle (3). A PA, tanto sistólica como
diastólica, não foi diferente entre os grupos. Este estudo
Os androgênios basais da maioria das meninas en- comparou médias e não categorizou os valores de PA em
contravam-se dentro dos valores normais. No entanto, adequada ou não conforme padrões de referência para ida-
a maioria dos casos estudados preencheu critérios para de e estatura. Em escolares de oito a 15 anos de Blumenau,
adrenarca precoce. A adrenarca precoce é a causa mais descreve-se uma frequência de hipertensão e pré-hiperten-
comum de PP e se caracteriza pela elevação precoce da são de 15,8% (30). Meninas brasileiras com PP não apre-
secreção de andrógenos de origem adrenal. Acredita-se sentaram PAS ou PAD diferente do grupo controle (27).
que esse fenômeno relacione-se com alterações da ati-
vidade enzimática da adrenal, com aumento da ativida- Observou-se que em alguns casos a PP esteve associa-
de das enzimas 17,20-liase e 17-hidroxilase, resultando da à aceleração da idade óssea. Há estudos que mostram
em níveis elevados de DHEA e seu sulfato para a idade resultados semelhantes (18,31,32). Apesar da aceleração da

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 4-9, jan.-mar. 2017 7

RISCO CARDIOVASCULAR EM MENINAS COM PUBARCA PRECOCE ISOLADA Vargas et al

idade óssea estar presente na PP, essas crianças apresentam vascular em crianças e adolescentes da rede de ensino da cidade de
a puberdade ocorrendo na faixa etária considerada normal Maceió. Arq Bras Cardiol São Paulo. 2005; 84:387-392.
com estatura final dentro do esperado (15,31). 7. Borges MF, Paula F, Nomeline MB, Tavares FS, Fonseca ER, Ferrei-
ra BP, Mendonça BB. Pubarca precoce: estudo retrospectivo clínico
Fatores perinatais, como a restrição de crescimento in- e laboratorial. Arq Bras Endocrinol Metab. 2000; 44:405-412.
trauterino e o baixo peso ao nascer, têm sido relacionados 8. Rosenfield RL. Premature adrenarche. UpToDate, 2014 [acesso em
ao aparecimento de PP. Meninas com baixo peso ao nascer 2014 abril 30]. Disponível em: http://www.uptodate.com/contents.
podem desenvolver adrenarca amplificada acompanhada, 9. Alves M, Costa C, Correia C, Neves C, Carvalho D, Fontoura M.
ou não, por PP, que pode vir acompanhada por hiperinsuli- Pubarca precoce: Um diagnóstico de exclusão. Rev Port End Diab
nemia, hiperandrogenismo e ovários policísticos (17,33,34). Metab Portugal. 2011; 6:64-75.
Em meninas brasileiras com PP, descreve-se uma taxa de 10. SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. I Diretriz de
baixo peso ao nascer de 12% (16), dado semelhante aos Prevenção da Aterosclerose na Infância e na Adolescência. Arq Bras
13,1% encontrados neste estudo. Esses números não são Cardiol São Paulo. 2005; 85:3-36 (supl 6).
muito diferentes da taxa de 10% de baixo peso ao nascer 11. AMERICAN DIABETES ASSOCIATION. Standarts of medical
descrito para a população brasileira (35). care in diabetes. Diabetes Care. 2011; 34.
12. Gama SR, Carvalho MS, Chaves CRMM. Prevalência em crianças de
Os resultados observados são similares aos descritos em fatores de risco para as doenças cardiovasculares. Cad Saúde Públi-
estudos nacionais realizados em outras regiões brasileiras. ca. 2007; 23:2239-2245.
Estes, evidenciam dados que justificam a necessidade de 13. Bramorski MA. Perfil lipídico e prevalência de hipercolesterolemia
avaliar e monitorar os parâmetros antropométricos e me- em estudantes de Blumenau – SC. Dissertação de Mestrado – Uni-
tabólicos neste grupo de meninas, no intuito de realizar versidade Federal de Santa Catarina, Brasil, 2003. 58p.
intervenções precoces para o controle do peso corporal e 14. Vargas DM, Medeiros ACF, Klieman E,. Eberhardt ICS, Piesanti
lipídeos séricos, pois a obesidade e a dislipidemia na infân- VJ,. Pasa SK, Silva CRD, Simão VM. Prevalence of excess weight in
cia são importantes fatores de risco para a ocorrência de adolescents at primary health care units in South Brazil. Horm Res
DCVs na vida adulta, e estão presentes com maior frequên- Paediatr 2015;84(suppl 1):437.
cia neste grupo específico. Além disso, hiperinsulinemia e 15. Ferran K, Paiva IA, Garcia LS, Gama MP, Guimarães MM. Iso-
resistência insulínica são características comuns em mulhe- lated premature pubarche: report of anthropometric and metabol-
res com hiperandrogenismo, e, embora não se tenham ob- ic profile of a brazilian cohort of girls. Horm Res Pediatr. 2011;
servado tais caraterísticas nas meninas estudadas, um terço 75:367-373.
delas apresentava hiperandrogenismo. 16. Teixeira RJ, Coelho RA, Perecmanis T, Madeira IR, Bordallo MAN.
Prevalência de obesidade e baixo peso ao nascer na pubarba preco-
CONCLUSÕES ce. Arq Bras Endocrinol Metab. 2003; 47:166-170.
A maioria das meninas diagnosticadas com PP apresen- 17. Neville KA, Walker JL. Precocious pubarche is associated with
SGA, prematurity, weight gain, and obesity. Arch Dis Child. 2005;
tou pelo menos um fator de risco para DCVs. Os fatores 90:258-261.
de risco identificados foram o excesso de peso (sobrepeso 18. Eyzaguirre FC, et al. Pubarquia precoz: experiência en 173 casos.
e obesidade), dislipidemia e pressão arterial elevada, sendo Rev Méd Chile. 2009; 137:31-38.
o excesso de peso o mais prevalente. 19. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity and overweight.
[acesso em 2011 nov 13]. Disponível em: http://www.who.int/me-
A adrenarca precoce foi a principal causa da PP e diacentre/factsheets/fs311/en/.
aproximadamente 1/3 das meninas avaliadas apresentou 20. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTI-
hiperandrogenismo. O excesso de peso associou-se com CA. POF: desnutrição cai e peso das crianças brasileiras ultrapas-
insulina sérica maior, não sendo observados casos com hi- sa padrão internacional. [acesso em 2011 nov 11]. Disponível em:
perinsulismo ou RI na avaliação inicial. http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visu-
aliza.php?id_noticia=1699&id_pagina=1.
REFERÊNCIAS 21. Ghizzoni L, Gasco V. Premature Pubarche. Horm Res Pediatr.
2010; 73:420-422.
1. Batista FM, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências 22. Ibánez L, Potau N; Zegher F. Endocrinology and metabolism after
regionais e temporais. Cad Saúde Pública. 2003; 1:181-191. premature pubarche girls. Acta Pediatr Suppl. 1999; 433:73-77.
23. Armengaud JB, Charkaluk ML, Trivin C, Tardy V, Bréart G, Brauner
2. Rabelo LM. Fatores de risco para doença aterosclerótica na adoles- R, Chalumeau M. Precocious pubarche: distinguishing late-onset
cência. J Ped Porto Alegre. 2001; 77:153-164 (supl 2). congenital adrenal hyperplasia from premature adrenarche. J Clin
Endocrinol Metab. 2009; 94:2835-2840.
3. Ibánez L, Potau N, Chacon P, Pascual C, Carrascosa A. Hyperinsu- 24. Teixeira RJ, Ginzbarg D, Freitas JR, Fucks G, Silva CM, Bordallo
linaemia, dyslipaemia and cardiovascular risk in girls with a history MAN. Globulina ligadora dos hormônios sexuais e proteína liga-
of premature pubarche. Diabetol Bristol. 1998; 41:1057-1063. dora 1 do IGF-1: marcadores para resistência à insulina na pubarca
precoce?. Arq Bras Endocrinol Metab. 2003; 47:261-265.
4. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Cardiovascular diasese. 25. Yarak S, Bagatin E, Hassun KM, Parada MOAB, Filho ST . Hipe-
[acesso em 2011 nov 10]. Disponível em: http://www.who.int/car- randrogenismo e pele: síndrome do ovário policístico e resistência
diovascular_diseases/en/. periférica à insulina. An Bras Dermatol. 2005; 80:395-410.
26. Evliyaoglu O, Berberoglu M, Adiyaman P, Aycan Z, Ocal G . Evalu-
5. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Prevenção clínica de doença cardio- ation of insulin resistance in Turkish girls with premature pubarche
vascular, cerebrovascular e renal crônica. Cad Atenção Básica Brasí- using the homeostasis assessment (HOMA) model. Turk J Ped.
lia. 2006. 2007; 49:165-170.
27. Vieira RA Satler F, Firpo C Spritzer PM. Estudo do risco cardiovascu-
6. Silva MAM, Rivera IR, Ferraz MRMT, Pinheiro AJT, Alves SWS, lar de meninas com pubarca prematura. [acesso em 2013 junho 28].
Moura AA, Carvalho ACC. Prevalência de fatores de risco cardio- 28. Mieldazis SFA, Azzalis LA, Junqueira VBC, Souza FIS, Sarni ROS,
Fonseca FLA. Avaliação do hiperinsulinismo em amostra de crian-
ças pré-puberes. J Ped. 2010; 86:245-249.
29. Salgado CM, Carvalhães JTA. Hipertensão Arterial da Infância. J
Ped. 2003; 79:115-124.
30. Paquisi FC, Vargas DM. Prevalência de pré-hipertensão e hiperten-
são em crianças e adolescentes de uma escola de Blumenau, Santa
Catarina, Brasil. Arq Catarin Med 2012;41(3):60-64.

8 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 4-9, jan.-mar. 2017

RISCO CARDIOVASCULAR EM MENINAS COM PUBARCA PRECOCE ISOLADA Vargas et al

31. Battaglia C, Regnani G, Mancini F, Iughetti L, Bernasconi S, Volpe 35. UNICEF-partos prematuros. Disponível em http://www.unicef.
A, Flamigni C, Venturoli S. Isolated premature pubarche: ultrasono- org/brazil/pt/media_25849.htm. Acesso em 01 de fevereiro de
graphic and colordoppler analysis-A longitudinal study. J Clin En- 2015.
docrinol Metab. 2002; 87:3148-3154.
 Endereço para correspondência
32. Accetta SG. Pubarca precoce isolada ou associada à hiperplasia Deisi Maria Vargas
adrenal congênita não clássica em meninas: parâmetros clínicos e Rua Klara Hering, 298
endocrinológicos. [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal 89.010-560 – Blumenau, SC – Brasil
do Rio Grande do Sul – UFRGS; 2002.  (47) 3321-0277
[email protected]
33. Leite F. Influência da restrição de crescimento intra-uterino na idade Recebido: 5/2/2016 – Aprovado: 25/3/2016
de menarca: estudo de coorte em nascidos vivos de Ribeirão Preto
de 1978/9. [Dissertação]. Ribeirão Preto: Faculdade de medicina de
Ribeirão Preto – USP; 2008.

34. Ibánez L, Jiménez R, Zegher F. Early puberty-menarche after
precocious pubarche: relation to prenatal growth. J Pediatr. 2006;
117:116-122.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 4-9, jan.-mar. 2017 9

ARTIGO ORIGINAL

Insatisfação com a imagem corporal em adolescentes
na cidade de Farroupilha, RS

Body image dissatisfaction in adolescents in Farroupilha, RS

Fabiane Carraro1, Ricardo Rodrigo Rech2, Bruna Frata3, Ricardo Halpern4, Francine Zanol3,
Abel Roberto Colognese1, André Luis Possa1, Gerard Maurício Martins Fonseca5

RESUMO
Introdução: O objetivo deste estudo foi verificar a prevalência da insatisfação com a imagem corporal em adolescentes na cidade
de Farroupilha, RS. Métodos: Foram avaliados neste estudo 886 adolescentes com idade entre 11 e 14 anos. Foi utilizada para ava-
liação a escala de nove silhuetas. Também foi verificada a prevalência em relação ao sexo, idade, exercícios fora do horário escolar
e estado nutricional pela circunferência da cintura. Resultados: O estudo apresentou prevalência de insatisfação de 73,6% entre os
adolescentes. Os meninos apresentaram menor prevalência em relação às meninas. Conclusão: A prevalência de insatisfação com a
imagem corporal estudada é elevada e deve ser motivo de preocupação pela sociedade em questão. Sugerem-se programas que visem
à prevenção e promoção da saúde dos adolescentes em idade escolar nos temas avaliados.
UNITERMOS: Imagem Corporal, Insatisfação Corporal, Adolescentes.

ABSTRACT
Introduction and aim: This study was designed to find the prevalence of dissatisfaction with body image in adolescents in the city of Farroupilha, RS.
Methods: This study evaluated 886 adolescents aged 11 to 14 years. The scale of nine silhouettes was used for evaluation. We also checked the prevalence
in relation to gender, age, exercise out of school hours, and nutritional status by waist circumference. Results: The prevalence of body image dissatisfaction
among adolescents was 73.6%. The boys had a lower prevalence than the girls. Conclusion: The prevalence of body image dissatisfaction found here is high
and should be cause for concern. Programs should be suggested to prevent and promote the health of school-aged adolescents in the evaluated topics.
KEYWORDS: Body Image, Body Dissatisfaction, Adolescents

INTRODUÇÃO e à insatisfação com o próprio corpo (2). Ela pode ser
A imagem corporal envolve a percepção em relação definida como a maneira com que cada indivíduo vê seu
próprio físico, não apenas o corpo, mas um todo que vai
ao tamanho e formas corporais, conjuntamente com os sendo construído ao longo da vida, envolvendo aspectos
sentimentos que essa imagem ocasiona ao indivíduo (1). sociais, sexuais e fisiológicos (3).
Os adolescentes têm que lidar com algumas transforma-
ções já esperadas para essa fase, e deparam-se com os A imagem corporal abrange três principais aspectos: a
padrões de beleza estipulados pela mídia, família, amigos, percepção a respeito do próprio corpo, incluindo o tama-
sociedade, que podem levar à insegurança, à ansiedade nho e peso corporal; uma visão de sua satisfação (ou não)
com seu próprio corpo, e o aspecto social, que engloba o

3 Graduado em Educação Física, Universidade de Caxias do Sul (UCS).
2 Doutor em Ciências da Saúde, UCS.
1 Estudante de Fisioterapia.
4 Doutor em Pediatria, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA).
5 Doutor, UCS.

10 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 10-13, jan.-mar. 2017

INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES NA CIDADE DE FARROUPILHA, RS Carraro et al

que o indivíduo realiza ou não em função de sua aparência Foram usados os seguintes critérios de inclusão: ter ida-
física, ou seja, se há limitações em função disso (3). Imagem de entre 11 e 14 anos, não ser portador de qualquer com-
corporal distorcida ou insatisfação com o corpo envolve plicação que impeça a prática de atividades físicas, concor-
fatores como a própria experiência do corpo, ou seja, a ma- dar em participar voluntariamente do estudo e apresentar o
neira de enxergar seu peso e forma do seu corpo, fatores termo de consentimento livre e esclarecido assinado pelos
afetivos, os quais envolvem preocupações e sentimentos pais ou responsáveis legais.
infelizes sobre o corpo, e componentes comportamentais
que estão relacionados ao controle de peso corporal e ao Foi utilizado um questionário autoaplicável para a ava-
fato de não querer mudar aquele peso (4). liação da idade, sexo e prática de exercício (Sim ou Não)
fora do horário escolar.
A literatura vem apresentando dados epidemiológicos
importantes a respeito da insatisfação com a imagem cor- Para avaliar a insatisfação com a imagem corporal,
poral. Hong et al (2015), em um estudo com adolescentes utilizou-se a escala de 9 silhuetas (Children’s Figure Rating
coreanos, de 10 a 24 anos, revelaram que, dos 3227 adoles- Scale), proposta por Tiggerman e Wilson-Barret (1998).
centes estudados, a maior prevalência de imagem corpo- Essa escala contém 9 silhuetas numeradas, com extremos
ral distorcida foi em meninas de 10 a 12 anos, chegando de magreza e gordura com altura estável, e é apresentada
a 53,3%. Assim como na pesquisa de Miranda et al (2014), separadamente, segundo o sexo. A criança seleciona a figu-
realizada no município de Zona da Mata, Minas Gerais, foi ra compatível com seu tamanho na primeira escala apre-
encontrado maior risco de insatisfação corporal em adoles- sentada e na segunda escala, ela seleciona qual a figura que
centes que apresentavam sobrepeso ou obesidade. Dos 445 gostaria de se parecer. O grau de insatisfação com o corpo
adolescentes avaliados, 76,2% mostraram-se insatisfeitos e é dado pela diferença entre as figuras real e ideal, sendo que
gostariam de uma silhueta diferente. os valores poderiam variar de -8 a 8. Consideram-se satis-
feitas as crianças que tiverem grau zero como resultado da
O sentimento negativo sobre o próprio corpo, nes- diferença entre as figuras real e ideal na escala de imagem
ta fase da vida, pode gerar ansiedade, compulsão ou até corporal. Crianças com grau diferente de zero são conside-
mesmo uma desordem mental, podendo desencadear pro- radas insatisfeitas com seu corpo.
blemas futuros pela busca de um corpo idealizado. Dietas,
medicamentos, procedimentos estéticos, ou mesmo trans- Para a medida da circunferência da cintura, foi utilizada
tornos alimentares visando à mudança corporal são gera- fita métrica de marca Sanny. A medida foi obtida posicio-
dos a partir de uma negação com seu próprio corpo (2). nando a fita métrica na menor circunferência da cintura
entre a crista ilíaca e a última costela (5). Para a classificação
Diante do exposto, o objetivo deste estudo foi verificar da obesidade abdominal, foi empregada a proposta de Mc-
a prevalência de insatisfação com a imagem corporal em Carthy et al (2001).
escolares de 11 a 14 anos, em escolas municipais na cidade
de Farroupilha no Rio Grande do Sul. A equipe avaliadora foi composta por dez avaliadores.
Toda equipe realizou o treinamento para a padronização
METODOLOGIA das avaliações, em que foi confeccionado um manual para
Este estudo está alinhado a um projeto maior intitulado as avaliações. Fizeram parte do treinamento a apresentação
da proposta do estudo, a leitura do questionário e estudo-
“Obesidade, insatisfação com a imagem corporal e trans- -piloto. O estudo-piloto foi feito com 15 crianças de uma
tornos alimentares em uma coorte de escolares na Serra escola municipal da cidade de Caxias do Sul, que não en-
Gaúcha”. Trata-se de um estudo epidemiológico transver- trou na amostra final do estudo.
sal, que foi realizado na cidade de Farroupilha, RS, nos me-
ses de agosto a outubro de 2014. Após a definição da amostra, a equipe entrou em conta-
to com as escolas para a apresentação do estudo e entrega
A população-alvo foram os escolares entre 11 e 14 anos do termo de consentimento livre e esclarecido. Após essa
matriculados no turno diurno das escolas da rede pública tarefa, foi marcada uma nova data para a avaliação. Somen-
de ensino da cidade de Farroupilha, RS, no ano de 2014. te foram avaliados os escolares que se enquadraram nos
A população total de escolares na faixa etária estipulada critérios de inclusão, que apresentaram o termo de consen-
(segundo a Secretaria Municipal de Educação da cidade) é timento preenchido e assinado pelo responsável legal, além
de 2.415 estudantes. Optou-se para o cálculo do tamanho da voluntariedade dos escolares. As avaliações ocorreram
de amostra uma prevalência de 50%. Com um intervalo de nas escolas em horário de aula.
confiança de 95% e um erro-padrão de 3%, seria necessá-
rio examinar um mínimo de 679 escolares. Antecipando-se Os dados foram armazenados em um banco de dados
a possíveis perdas e recusas e para um melhor controle dos formatado em EPIDATA. Após, o banco foi exportado
fatores de confusão, foi utilizado um efeito de delineamen- para o programa SPSS versão 20, no qual foi analisado.
to 1,3. Desta forma, o número mínimo de avaliados seria Inicialmente, foi feita uma análise descritiva, e, após, uma
de 883 escolares. Para o cálculo do tamanho da amostra, análise bivariada entre as variáveis independentes e os
utilizou-se o software estatístico EPI INFO 6.0. desfechos.

Foram distribuídos termos de consentimento livre e es-
clarecido para todas as crianças que fizeram parte da amos-
tra. Somente depois de devolvido o termo de consenti-

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 10-13, jan.-mar. 2017 11

INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES NA CIDADE DE FARROUPILHA, RS Carraro et al

mento, com a assinatura dos pais ou responsáveis, é que as Em um estudo feito na Malásia, com 39.819 adolescentes,
crianças foram avaliadas. Além do consentimento dos pais, Zainuddin et al (2014) avaliaram a percepção dos jovens
as crianças tiveram que concordar em participar volunta- sobre seu próprio corpo e encontraram uma prevalência de
riamente do estudo. O projeto também passou pela apro- 53,3% jovens que sentiram que seu peso não era normal.
vação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Claro et al (2012) citaram a adolescência como uma fase
Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), de mútuas mudanças, em que nossas ideias, pensamentos
com número de parecer 1312/11 e cadastro 741/11. e decisões são formados. Toda e qualquer influência pode
levar os jovens a ter uma visão distorcida da real situação.
RESULTADOS A exemplo disso, temos a influência da mídia e das redes
Foram avaliados, na cidade de Farroupilha, 886 alunos sociais sobre a imagem corporal, onde a valorização do
corpo magro é bastante acentuada.
da rede municipal de ensino, que apresentavam idade entre
11 e 14 anos, sendo 436 (49,2%) do sexo feminino e 450 No presente estudo, a prevalência de insatisfação com
(50,8%) do sexo masculino. A média de idade dos escola- a imagem corporal foi maior nas meninas (77,5%) em rela-
res foi de 12,96 anos. As demais características da amostra ção aos meninos (69,8%). Shirasawa et al (2015) avaliaram
estão apresentadas na Tabela 1. 1.731 alunos, de 12 e 13 anos, em que os adolescentes do
sexo masculino tenderam a subestimar seu peso, enquanto
Os meninos apresentaram menores prevalências as adolescentes do sexo feminino eram mais propensas a
(RP=0,66) de insatisfação em relação às meninas. Os esco- superestimar seu peso corporal. Fortes, Meireles, Neves,
lares que não praticavam exercícios fora do horário escolar Almeida, e Ferreira (2014), em seu estudo somente com
tiveram maior prevalência (RP=1,40) de insatisfação, as- adolescentes do sexo feminino, entre 12 e 17 anos, encon-
sim como aqueles que apresentaram obesidade abdominal traram uma prevalência de 30,6% de insatisfação corporal
(RP=4,31). Os demais resultados da análise bivariada estão e 56% de baixa autoestima entre as participantes do estudo.
mostrados na Tabela 2. Hong et al (2015), em estudo com 3.227 jovens coreanos,
de 10 a 24 anos, verificaram uma prevalência de imagem
DISCUSSÃO corporal distorcida maior no sexo feminino (51,2%), em
O presente estudo encontrou uma prevalência de insa- relação ao sexo masculino (49,7%). Vries et al (2015), em
um estudo longitudinal, observaram que sites de redes so-
tisfação com a imagem corporal em 73,6% dos alunos ava- ciais podem ter um papel negativo em relação à imagem
liados. Miranda et al (2014) obtiveram resultados próximos corporal de adolescentes, e que as meninas visitam mais
em seu estudo nas cidades rurais de Minas Gerais, onde redes sociais e apresentam um nível de insatisfação corpo-
76,2% apresentaram insatisfação corporal, ou desejo de ral maior que os meninos, uma vez que os comentários a
uma silhueta diferente. Entre eles, 44,4% desejavam uma respeito da aparência nas redes sociais afetam mais a auto-
silhueta menor e 29,7%, uma silhueta maior que a atual. estima das meninas. Teeni-Hararia, e Eyalb (2015) também

Tabela 1 – Características da Amostra N° (%) Tabela 2 – Análise bivariada entre imagem corporal e variáveis
  independentes
Sexo
Feminino 436 (49,2%) Satisfeitos Insatisfeitos RP IC de
Masculino 450 (50,8%) 95%
Sexo
Idade   0,49 -
11 anos 90 (10,2%) Feminino 98 (22,5%) 338 (77,5%) 0,66 0,90
12 anos 203 (22,9%) Masculino 136 (30,2%) 314 (69,8%)
13 anos 242 (27,3%) 0,66 -
14 anos 351 (39,6%) Idade 1,25

Imagem corporal   11 e 12 anos 74 (25,3%) 219 (74,7%) 1,03 -
Satisfeitos 234 (26,4%) 13 e 14 anos 0,91 1,89
Insatisfeitos 652 (73,6%)
160 (27%) 433 (73%) 2,76 -
Exercício fora da escola   6,73
Sim 460 (52%) Exercício fora da escola
Não 425 (48%)
Sim 136 (29,6%) 324 (70,4%)
Estado nutricional pela cintura   1,40
Medida adequada 639 (72,1%)
Obesidade abdominal 247(27,9%) Não 98 (23,1%) 327 (76,9%)

Estado nutricional pela cintura

Medida adequada 209 (32,7%) 430 (67,3%) 4,31

Obesidade abdominal 25 (10,1%) 222(89,9%)

RP= Razão de Prevalência; IC= Intervalo de Confiança

12 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 10-13, jan.-mar. 2017

INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES NA CIDADE DE FARROUPILHA, RS Carraro et al

abordaram sobre a influência da mídia em adolescentes e As altas prevalências de insatisfação com a imagem cor-
observaram que os personagens da televisão são importan- poral encontradas podem ser consideradas como um pro-
tes referências aos adolescentes e servem como compara- blema, e acreditamos que devem ser tomadas medidas para
ção em relação ao seu próprio corpo. prevenção, através de programas que visem à promoção da
saúde, em especial ao que se relaciona com a percepção da
Os escolares que relataram não praticar exercício fora imagem corporal.
do horário escolar apresentaram maiores prevalências REFERÊNCIAS
(RP=1,40) de insatisfação em relação àqueles que prati-
cavam exercícios fora da escola. Kopcakova et al (2014) 1. Miranda VPN, Conti MA, Bastos RR, Laus MF, Almeida SS, Ferrei-
avaliaram a insatisfação corporal e a relação com o nível ra MEC. (2014). Imagem corporal de adolescentes de cidades rurais.
de atividade física em estudantes adolescentes de 11 a 15 Ciência & Saúde Coletiva, 19(6):1791-1801.
anos, e afirmaram que a diferença entre os sexos ocorreu
em todas as variáveis, ou seja, meninos relataram a prática 2. Claro RM, Santos MAS, Campos MO. Imagem corporal e atitu-
de mais atividade física, apresentaram maior satisfação com des extremas em relação ao peso em escolares brasileiros (PeNSE
a imagem de seu corpo e possuíam um IMC mais elevado 2012). Rev Bras Epidemiol SUPPL PeNSE 2014; 146-157.
em relação às meninas. Kantanista et al (2015) também ob-
servaram, em seu estudo com 3.249 adolescentes, que as 3. Santos CF, Castro IRR, Cardoso LO, Tavares LF. (2014, jul/set).
meninas praticavam menos atividades físicas e tinham um Concordância e associação entre diferentes indicadores de imagem
grau de insatisfação corporal maior em comparação aos corporal e índice de massa corporal em adolescentes. Rev Bras Epi-
meninos. Este estudo também justifica que na adolescên- demiol.; 747-760.
cia o corpo sofre mudanças, como aumento de tecido adi-
poso e IMC, levando, consequentemente, a uma imagem 4. Hong S, Jung Y, Kim MD, Lee C, Hyun MY, Bahk WM, Yoon B, Lee
corporal negativa, e, devido a este aumento de peso, causa K. (2015). Prevalence of distorted body image in young Koreans
desconforto para algumas atividades físicas, o que acarreta and its association with age, sex, body weight status, and disordered
na diminuição da prática das mesmas. eating behaviors. Neuropsychiatric Disease and Treatment 2015:11.

No estudo em questão, os escolares com obesidade 5. McCarty D, Jarret KV, Crawley HF. (2001). The development of
abdominal apresentaram quatro vezes mais prevalência waist circunference percentiles in British children aged 5.0 – 16.9 y.
(RP=4,31) de insatisfação com a imagem corporal em rela- European Journal of Clinical Nutrition, v. 55, p. 902-907.
ção àqueles com medida da cintura adequada. Goldschmidt
et al (2015), ao investigar o índice de sobrepeso, constataram 6. Zainuddin AH, Manickam MA, Baharudin A, Omar A, Cheong
que, dos 4.776 jovens por eles avaliados, 553 (34%) estavam SM, Ambak R, Ahmad MH, Ghaffar AS. (2014). Self-Perception of
acima do peso, e relatavam comportamentos desordenados Body Weight Status and Weight Control Practices Among Adoles-
em comer. Danis et al (2014), em um estudo qualitativo so- cents in Malaysia. Asia-Pacific Journal of Public Health.
bre a insatisfação corporal em adolescentes obesos do meio
rural, observaram que a obesidade impacta na autoestima e 7. Shirasawa T, Ochiai H, Nanri H, Nishimura R, Ohtsu T, Hoshino
na aparência dos jovens, em que os relatos principais foram H, Tajima N, Kokaze A. (2015). The relationship between distorted
a respeito de as roupas não servirem, não gostarem de se ver body image and lifestyle among Japanese adolescents: a population-
no espelho, da comparação com os colegas e as limitações -based study. Archives of Public Health 73:32.
a várias atividades, como brincadeiras e atividades esporti-
vas. Kantanista et al (2015) verificaram em seu estudo que os 8. Fortes LS, Cipriani FM, Coelho FD,  Paes ST, Ferreira MEC.(2014)
adolescentes com peso mais elevado são considerados, por A autoestima afeta a insatisfação corporal em adolescentes do sexo
seus colegas, menos qualificados para atividades esportivas, feminino?. Rev Paul Pediatr.
sendo assim rejeitados nas atividades em grupos.
9. Vries D A, Peter J, Graaf H, Nikken P. (2015). Adolescents’ Social
O presente estudo apresenta como limitação a causali- Network Site Use, Peer Appearance-Related Feedback, and Body
dade reversa presente nos desenhos transversais. Dissatisfaction: Testing a Mediation Model. J Youth Adolescence.

CONCLUSÃO 10. Teeni-Hararia T, Eyalb K. (2015). Liking Them Thin: Adolescents’
O presente estudo investigou a prevalência de insatisfa- Favorite Television Characters and Body Image. Journal of Health
Communication, 20:607-615.
ção corporal entre adolescentes na cidade de Farroupilha
no Rio Grande do Sul, tendo encontrado um percentual 11. Kopcakova J, Veselska ZD, Geckova AM, Dijk JP, Reijneveld SA.
elevado de insatisfação entre os escolares. (2014). Is Being a Boy and Feeling Fat a Barrier for Physical Acti-
vity? The Association between Body Image, Gender and Physical
O estudo também aponta relações entre a insatisfação Activity among Adolescents. Int. J. Environ. Res. Public Health.
com a imagem corporal e sexo, exercícios fora do horário
escolar e estado nutricional pela medida da cintura. 12. Kantanista A, Osinski W, Borowiec J, Tomezak M, Król-Zielinska
M. (2015). Body image, BMI, and physical activity in girls and boys
aged 14-16 years. Body Image 15 40-43.

13. Goldschmidt AB, Wall MM, Loth KA, MPH, RD, Neumark-Sztai-
ner D. (2015). Risk Factors for Disordered Eating in Overweight
Adolescents and Young Adults. Journal of Pediatric Psychology.

14. Danis A, Bahar NM, Isa KA, Adilin H.(2014) Body Image Pers-
pectives among Obese Adolescents in Rural Environment Setting.
Procedia – Social and Behavioral Sciences, 436 – 442.

 Endereço para correspondência
Bruna Frata
Rua Sinimbu, 1346/61
95.020-001 – Caxias do Sul, RS – Brasil
 (54) 99221-8202
[email protected]
Recebido: 11/6/2016 – Aprovado: 28/7/2016

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 10-13, jan.-mar. 2017 13

ARTIGO ORIGINAL

“Pulmão 192”: Modelo de referenciamento de pacientes
com lesões pulmonares para serviço terciário em um município

da região metropolitana de Porto Alegre, RS

Lung 192”: a model for referral of patients with lung lesions to a
tertiary service in a city of the Metropolitan Region of Porto Alegre, RS

Airton Schneider1, Bibiana Borges Manna2, João Augusto Argenton Zortéa3, Laura Zaparoli Zanrosso4

RESUMO
Introdução: O câncer de pulmão é a neoplasia com maior letalidade entre homens e mulheres. Apresenta um curso bastante agressi-
vo, mais da metade dos pacientes apresentam metástases a distância na época do diagnóstico. Objetivo: Descrever modelo de abor-
dagem de pacientes com lesão pulmonar assintomática em rede atenção primária do município de Canoas, RS, com referenciamento
direto para serviço terciário, a fim de diminuir o tempo entre a identificação e o diagnóstico da lesão pulmonar. Métodos: Estudo des-
critivo, transversal e prospectivo, em que foram analisados 76 pacientes com nódulos pulmonares, em período de 12 meses, de março
de 2013 a março de 2014. Realizado no Serviço de Cirurgia Torácica do Hospital Universitário Ulbra/Mãe de Deus, no município de
Canoas, RS. Resultados: Dentre os 76 pacientes avaliados, 40 (53%) eram do sexo feminino e 36 (47%), masculino. A média de idade
foi de 58,5 anos. Desses, 20 (26%) tiveram o diagnóstico de câncer de pulmão. Dos 20 pacientes operados por carcinoma brônquico,
a média foi de 67 anos. Dentre os nódulos suspeitos, 40,7% estavam localizados no lobo superior direito. Dentre os pacientes diag-
nosticados com neoplasia pulmonar, apenas dois foram encaminhados para lobectomia com classificação TNM maior que T2N1MO.
Somente um caso não era carcinoma brônquico. Conclusões: Os resultados demonstram que a operabilidade neste período mudou
de 12% para 34,2% (p<0,001). Um novo protocolo foi proposto para pacientes com lesões pulmonares.
UNITERMOS: Neoplasias Pulmonares, Neoplasias Pulmonares/Cirurgia, Neoplasias Pulmonares/Diagnóstico.

ABSTRACT
Introduction: Lung cancer is the most lethal neoplasm in men and women. It presents a very aggressive course, and more than half of the patients present
distant metastases at the time of diagnosis. Aim: To describe an approach model to patients with asymptomatic pulmonary lesion in a primary care network
in the city of Canoas, RS, with direct referral to tertiary care, in order to reduce the time between identification and diagnosis of lung injury. METHODS:
This is a descriptive, cross-sectional and prospective study, in which 76 patients with pulmonary nodules were studied in a 12-month period from March 2013
to March 2014. It was performed at the Thoracic Surgery Service of the University Hospital Ulbra/Mãe de Deus, in the city of Canoas, RS. Results:
Of the 76 patients evaluated, 40 (53%) were female and 36 (47%) male. The mean age was 58.5 years. Of these, 20 (26%) had the diagnosis of lung
cancer. Of the 20 patients operated on for bronchial carcinoma, the mean age was 67 years. Of the suspected nodules, 40.7% were located in the right upper
lobe. Among the patients diagnosed with lung neoplasm, only two were referred for lobectomy with TNM classification higher than T2N1MO. Only one case
was not bronchial carcinoma. Conclusions: The results show that operability in this period changed from 12% to 34.2% (p <0.001). A new protocol
was proposed for patients with pulmonary lesions.
KEYWORDS: Lung Neoplasms, Lung Neoplasms/Surgery, Lung Neoplasms/Diagnosis.
1 Chefe do Serviço de Cirurgia Torácica no Hospital Universitário da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra).
2 Cirurgiã Geral, com formação no Hospital Universitário da Ulbra.
3 Médico Residente em Cirurgia Geral no Hospital Universitário da Ulbra.
4 Médica Residente em Medicina de Emergência no Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre, RS.

14 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 14-18, jan.-mar. 2017

PULMÃO 192”: MODELO DE REFERENCIAMENTO DE PACIENTES COM LESÕES PULMONARES PARA SERVIÇO TERCIÁRIO... Schneider et al

INTRODUÇÃO suficiente em pacientes muito jovens ou naqueles portado-
O câncer de pulmão é a neoplasia com maior letalidade res de múltiplas comorbidades, sendo potenciais complica-
dores quando submetidos a cirurgias para ressecções (19).
entre homens e mulheres, sendo responsável, anualmente,
pelo maior número de óbitos (1). Tem um curso bastante Há recomendação de rastreamento do câncer de pul-
agressivo, sendo que mais de 50% dos pacientes apresen- mão em pacientes entre 50 e 79 anos de idade, com his-
tam metástases a distância na época do diagnóstico e so- tória de tabagismo, e pacientes com história de câncer de
brevida média de 14% em cinco anos (1,2). Hoje, apenas pulmão, pois possuem um risco muito alto de desenvolver
20 - 25% dos tumores de pulmão são potencialmente curá- um segundo tumor até os 79 anos, afirmando que o câncer
veis no momento do diagnóstico (1). de pulmão se tornou uma epidemia, e a radiografia de tórax
como rastreamento dos nódulos é ineficaz na redução da
Ao longo dos anos, avanços em procedimentos cirúrgi- mortalidade por essa doença, porém reafirma a eficácia da
cos, radioterapia e quimioterapia ocorreram; no entanto, a TC no aumento da sobrevida (20).
taxa de sobrevida, em longo prazo, permanece baixa (4,5).
A cirurgia de ressecção é a única forma de tratamento com Quanto ao desfecho de cirurgia de ressecção tardia, de-
impacto na sobrevida (6), embora o diagnóstico tardio da finida como um procedimento feito oito semanas após os
neoplasia e as próprias consequências da ressecção cirúr- achados radiológicos sugestivos de neoplasia para tumores
gica impeçam, muitas vezes, essa abordagem, daí a impor- de não pequenas células em estágio I a curto e longo prazo,
tância do diagnóstico precoce do câncer de pulmão (1,2). foi identificada associação com maior número de ressec-
Aliada a esses dois fatores, há a baixa resolutividade de ções sublobares, pneumonia, necessidade de transfusão de
métodos de imagem simples, como a radiografia de tórax, sangue, insuficiência respiratória, reintubação, aumento da
principalmente se observada por médico não treinado para mortalidade nos primeiros 30 dias (21).
identificar pequenas lesões suspeitas (4,5).
Em modelo de rastreio de lesões suspeitas de neoplasia
O temeroso desinteresse do paciente fumante em sa- em TC: LungRADS, foi avaliada a incidência de interven-
ber a natureza da doença também dificulta o diagnóstico, ção cirúrgica em doença benigna em pacientes classifica-
considerando a conhecida relação e importância epidemio- dos como de alto risco para tumor de pulmão. Dentre os
lógica do consumo do tabaco para o desenvolvimento do 1654 pacientes avaliados, 25 (1,5%) foram submetidos a
câncer (2,7,8,9). Esses fatores explicam os baixos índices procedimentos que incluíram mediastinoscopia, fibrobron-
de operabilidade e de cura no câncer de pulmão (6). coscopia, videotoracoscopia e toracotomia. Desses, apenas
quatro pacientes tinham doença benigna, o que demons-
A busca por estratégias que possibilitem realizar o trou risco de 0,24% de cirurgia para doença benigna nesse
diagnóstico em estágios iniciais se justifica pela baixa cura- método de rastreio (22). 
bilidade de métodos adjuvantes, como quimioterapia e
radioterapia (10). O uso da radiografia de tórax como ras- No presente estudo, os autores desenvolveram uma
treamento permitiu a realização de diagnóstico mais preco- nova forma de abordagem do paciente que procura a
ce e, consequentemente, uma maior possibilidade de res- Unidade Básica de Saúde e tem identificado uma lesão
secção. Contudo, não se observou redução na mortalidade pulmonar. Essa abordagem inclui, basicamente, uma linha
em longo prazo (10,11). direta de consulta com um especialista, para tentar dimi-
nuir o espaço de tempo entre a queixa ou a consulta e seu
Com o advento da tomografia computadorizada (TC) diagnóstico. Esse trabalho visa validar e avaliar esse novo
helicoidal de baixa dose, o panorama do rastreamento modelo simplificado de consulta imediata com um especia-
do câncer de pulmão sofreu considerável mudança, pois lista, para casos suspeitos de câncer de pulmão.
esse exame detecta muitos tumores em estágios iniciais,
passíveis de ressecção (12-17). Além disso, a TC de tórax MÉTODOS
usada como rastreamento para o câncer de pulmão tem Estudo analítico, transversal e prospectivo, no qual
demonstrado reduzir a mortalidade em 20% (18).
foram analisados 76 casos distintos de pacientes com nó-
A Fleischner Society, em 2005, propôs um guideline de dulos pulmonares em radiografia torácica, no período de
rastreamento para o manejo de pequenos nódulos pulmo- março de 2013 a março de 2014. O estudo foi realizado
nares (< 8mm de diâmetro) detectados pela TC. A análise é no Serviço de Cirurgia Torácica do Hospital Universitário
baseada no tamanho do nódulo e nos fatores de risco para Ulbra/Mãe de Deus, na cidade de Canoas, RS. Todos os
malignidade. Com o aumento do tamanho do nódulo, há pacientes incluídos no estudo participaram de forma vo-
uma maior probabilidade de malignidade. Os pacientes ta- luntária e receberam orientações sobre os procedimentos
bagistas têm um alto risco de desenvolvimento de carcino- diagnósticos e terapêuticos. 
mas avançados, pela sua maior taxa de crescimento, quan-
do comparados aos tumores de não fumantes. Já a conduta Foram incluídos pacientes com mais de 35 anos, fu-
para nódulos acima de 8mm inclui o segmento com TC mantes, que procuraram atendimento em atenção primária
contrastada, PET, biópsia percutânea e ressecção. Embora e que, durante a investigação, tiveram a identificação por
tenha sido correlacionado o aumento da idade com o po- exame de imagem de um nódulo de pulmão. Esses foram
tencial de malignidade, o manejo conservador geralmente é

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 14-18, jan.-mar. 2017 15

PULMÃO 192”: MODELO DE REFERENCIAMENTO DE PACIENTES COM LESÕES PULMONARES PARA SERVIÇO TERCIÁRIO... Schneider et al

imediatamente encaminhados para avaliação do Núcleo O presente trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética
Avançado de Cirurgia de Tórax (NACT), através de agen- em Pesquisa da Ulbra, protocolo 11103012.6.0000.5349. To-
damento telefônico direto e posterior avaliação do pacien- dos os dados de identificação dos pacientes foram mantidos
te, no máximo em 48 horas, sem sistema de triagem. em completo sigilo pelos autores. Foi fornecido um termo
de consentimento livre e informado a todos os pacientes.
Após a consulta, era fornecido um relatório médico
ao paciente para ser entregue ao médico que encaminhou RESULTADOS
o caso. Foram avaliados 76 pacientes no período de um ano,

A coleta de dados foi feita através da aplicação de um sendo 40 do sexo feminino e 36 do sexo masculino. Du-
breve questionário com perguntas fechadas e da análise rante esse período, os participantes mantiveram o acompa-
dos laudos dos exames de imagem do tórax. As informa- nhamento proposto (5 consultas). Do total de pacientes,
ções foram incluídas em um único banco de dados. Os pa- 20 (26,3%) tiveram o diagnóstico confirmado de câncer.
cientes foram avaliados quanto à idade, ao sexo, ao tempo Dentre os nódulos suspeitos avaliados em atenção primá-
de evolução do nódulo, ao tabagismo e às características ria e encaminhados para o NACT, 40,7% estavam localiza-
dos nódulos nos exames de imagem. dos no lobo superior direito. Os demais dados analisados
encontram-se na Tabela 1. 
No NACT, a abordagem dos casos de nódulos pul-
monares envolveu diferentes especialistas. A análise de ra- Após a avaliação, 18 pacientes foram imediatamente
diografias ou tomografias anteriores, formato, localização, tratados com ressecção, por apresentarem nódulo novo
presença de calcificações e número de nódulos encontra- quando comparado a radiografias anteriores. Onze nódulos
dos foram aspectos importantes na interpretação dos exa- eram carcinoma e um tumor carcinoide. Seis apresentaram
mes diagnósticos. A biópsia, quando indicada, foi realizada diagnóstico de doença benigna, cinco por tuberculose e um
no NACT, através de dois procedimentos: a broncoscopia por histoplasmose. Vinte e sete pacientes receberam alta,
ou a punção do nódulo guiada por TC. A opção de não rea- pois o nódulo tinha características de doença benigna, defi-
lizar a biópsia e fazer apenas o acompanhamento periódico nidas como calcificação, nódulo bem delimitado ou já exis-
destes nódulos foi frequente. Tal decisão só foi possível tente em exames anteriores. Esses foram contrarreferen-
após uma análise cuidadosa e detalhada de cada caso.  ciados à atenção primária para acompanhamento e retorno
com radiografia anual. Permaneceram em acompanhamen-
Todo o processo é representado pela Figura 1.  to 31 pacientes. Desses, 11 realizaram nova radiografia sim-
A digitação do banco de dados foi feita no programa ples de tórax em 90 dias, a qual não apresentou alterações.
Microsoft Office Excel 2007, pelos pesquisadores. Todos A TC foi escolhida para melhor elucidação de imagem em
os dados foram conferidos com os questionários originais 20 pacientes. Desses, a cirurgia foi proposta em dez casos,
da coleta, individualmente. Esses dados foram testados pela dos quais oito foram diagnosticados portadores de carci-
Anova, com dados históricos de consultas e de diagnóstico
de casos de câncer anual, com índice de significância esta- Tabela 1 – Nódulos vistos à radiografia simples na UBS
tística menor que 0,05. Finalizado o controle de qualidade,
os dados que tiveram algum equívoco foram conferidos Localização Pacientes (n) (%)
novamente nos questionários originais.  Lobo superior direito 31 40,7%
Quanto à análise estatística, os dados foram apresenta- Lobo superior esquerdo 18 23,6%
dos segundo a frequência absoluta e relativa da população Lobo inferior direito 15 19,7%
estudada em cada variável.  Lobo inferior esquerdo 3 3,9%
Lobo médio 6 7,9%
Pré-visita IGN 3 3,9%
(Unidade Básica de Saúde) Total 76 100%

48h Tabela 2 – Principais localizações após diagnóstico de malignidade
Consulta NACT
(Diagnóstico)

7 dias Localização Paciente (n) (%)
Lobo superior direito 8 40%
Seguimento Lobo superior esquerdo 7 35%
(Manejo) Lobo inferior direito 4 20%
Lobo médio 1 5%
Figura 1 – Processo em etapas do Pulmão 192 Total 20 100%

16 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 14-18, jan.-mar. 2017

PULMÃO 192”: MODELO DE REFERENCIAMENTO DE PACIENTES COM LESÕES PULMONARES PARA SERVIÇO TERCIÁRIO... Schneider et al

Tabela 3 – Classificação dos pacientes quanto ao TNM desfecho final, demonstrou que o rastreamento anual
com TC pode detectar estágios iniciais do câncer de pul-
Classificação TNM Pacientes (n) mão, prevenindo em até 80% o índice de mortalidade por
T1N0M0 8 esse tipo de tumor (24,25).
T2N0M0 10
T3N1M0 2 No presente estudo, 50% dos pacientes rastreados com
Total 20 TC estavam aptos à ressecção no momento do diagnóstico.
Desses, apenas 20% apresentaram estadiamento além de
noma brônquico e dois portadores de hamartomas. Dentre T2N0M0, dado que está de acordo com a literatura. Ava-
os pacientes com diagnóstico de doença maligna, apenas liar um paciente de forma protocolar e imediata, utilizando
dois foram encaminhados para a lobectomia com classifi- uma linha direta do médico da atenção primária, fez com
cação TNM maior que T2N1MO. O estadiamento com- que vários fatores contribuíssem para um tão expressivo
pleto está na Tabela 3. Todos, exceto um caso, eram casos aumento da operabilidade. Pressupõe-se que pode haver
de carcinoma brônquico. Dos dez restantes, oito evadiram um viés nestes números, pois, com a facilidade de aces-
e dois seguem em acompanhamento. so ao serviço de cirurgia torácica, casos que estavam es-
perando encaminhamentos mais diversos como oncologia,
A idade foi um fator importante para doença maligna. pneumologia e cirurgia oncológica puderam ser encami-
A média de idade da amostra foi de 58,5 anos. A média de nhados imediatamente. No NACT, o estadiamento clínico
idade dos pacientes submetidos à cirurgia foi de 67 anos. e a avaliação do risco cirúrgico ocorreram no prazo máxi-
O grupo que não foi operado apresentou média de idade mo de 7 dias.
de 55 anos (p<0,001).
Talvez, o fator mais importante tenha sido a linha di-
Esses dados de operabilidade diferem absolutamente reta de encaminhamento, a qual criou adesão de todos os
dos dados históricos de Canoas, onde 11,5% dos pacientes envolvidos ao projeto. Em uma realidade na qual o fator
eram submetidos à cirurgia. No período do estudo, o índi- humano faz a diferença, nenhum exame complementar
ce de ressecabilidade foi de 34,2%. substituirá a avaliação do especialista, que deve ser dispo-
nível e ter, no seu arsenal, ferramentas e uma equipe que
DISCUSSÃO proporcione ao paciente fumante, com uma lesão pulmo-
Desde a publicação de trabalhos que desencorajavam o nar, segurança na decisão a ser tomada. O acompanhamen-
to desses casos será fundamental para testar o protocolo
uso de radiografia de tórax como método de rastreamen- quanto à modificação da sobrevida em câncer de pulmão.
to para câncer de pulmão em 1984, a comunidade mé- Através desse novo enfoque, os pacientes com câncer de
dica, atenta aos baixos índices de cura desse câncer, tem pulmão na cidade de Canoas, RS contam agora com um
demonstrado preocupação com o diagnóstico precoce. A panorama modificado.
TC de tórax com baixa dose de irradiação se mostrou
superior à radiografia, com redução de 20% na mortali- CONCLUSÃO
dade por esse tipo de câncer (18). Métodos promissores, Os resultados demonstraram que a operabilidade das
como o PETSCAN e a mensuração de compostos orgâ-
nicos voláteis, ainda carecem de comprovação científica lesões pulmonares identificadas neste período aumentou
(23,24). Devido às altas taxas de mortalidade pelo câncer de 12% para 34,2% (p<0,001). Pode-se afirmar que o en-
de pulmão, estratégias vêm sendo estudadas para que o caminhamento direto para o especialista, que dispõe de to-
diagnóstico dessas lesões seja feito em fases precoces e mografia de baixa dosagem para acompanhamento, é um
haja maior possibilidade de ressecção e, evidentemente, fator decisivo para aumentar o índice de operabilidade e
maior chance de cura. Com o surgimento de novas téc- cura do paciente com neoplasia pulmonar. Um número
nicas de exames para identificação precoce de nódulos maior de trabalhos será necessário para criar evidência de
pulmonares como a tomografia helicoidal, PETSCAN, que o encaminhamento direto do clínico ao cirurgião torá-
exames do escarro e da mucosa brônquica por exalação cico é fator decisivo, junto com métodos de rastreamento
do ar, a criação de novos protocolos de rastreamento vol- para maior operabilidade em câncer de pulmão.
tou a ser um assunto muito discutido (11-19).
REFERÊNCIAS
O rastreamento com tomografia computadorizada
(TC) helicoidal de baixas doses reduziu  a taxa de mor- 1. Jemal A, Siegel R, Xu J, Ward E. Cancer statistics, 2010. CA Cancer
talidade pelo câncer de pulmão, quando comparada à ra- J Clin 2010; 60:277-300. Erratum, CA Cancer J Clin 2011; 61:133-
diografia de tórax(18). A média do acompanhamento dos 134.
pacientes desse estudo foi de 40 meses. Em 85% deles, o
diagnóstico foi feito no estágio 1. Cabe ressaltar que esse 2. Zamboni M. Epidemiologia do câncer de pulmáo, J. Pneumologia
estudo foi criticado por inúmeros vieses, porém, como vol.28 no.1 São Paulo Jan./Feb 2002.

3. Hoggart C, Brennan P, Tjonneland A, et al. A risk model for lung
cancer incidence. Cancer PrevRes (Phila) 2012;5:834-846.

4. Berlin NI, Buncher CR, Fontana RS, Frost JK, Melamed MR. The
National Cancer Institute Cooperative Early Lung Cancer Detec-

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 14-18, jan.-mar. 2017 17

PULMÃO 192”: MODELO DE REFERENCIAMENTO DE PACIENTES COM LESÕES PULMONARES PARA SERVIÇO TERCIÁRIO... Schneider et al

tion Program: results of the initial screen (prevalence): early lung 18. Veronesi G, Maisonneuve P, Spaggiari L, et al. Diagnostic perfor-
cancer detection: introduction. Am Rev Respir Dis 1984; 130:545-9. mance of low-dose computed tomography screening for lung can-
5. NCCN Clinical Practice Guidelines in Oncology; Lung Cancer cer over five years. J Thorac Oncol 2014.
Screening Version 1.2012. Fort Washington: National Comprehen-
sive Cancer Network; 2011. 19. MacMahon H, Austin JK, Gamsu G, et al. Guidelines for manage-
6. Wright CD, Wain JC, Grillo HC. Pulmonary lobectomy patiente care ment of small pulmonary nodules detected on CT scans: a state-
pathway: a model to control cost and maintain quality. Ann Thorac ment from the Fleischner Society. Radiology 2005; 237:395-400.
Surg 1997; 299-302.
7. Tylecote FE. Cancer of the lung. Lancet 1927. 20. Jaklitisch MT, Jacobson FL, Austin JHM, Field JK, et al. The Ameri-
8. Fleckseder R. Ueber den Bronchialkrebs uns einge seiner Entstehu- can Association for Thoracic Surgery guidelines for cancer screen-
ngsbedingungen. Munch Med Wochenschr 1936;36:1585-93. ing using low-dose computed tomography scan for lung cancer sur-
9. Wynder EL, Graham EA. Tobacco smoking as a possible etiologic vivors and othes high-risk groups. J Thorac Cardiovasc Surg 2012;
factor in bronchogenic carcinoma. JAMA 1950; 143:329-36. 144:33-8.
10. Jaklistch MT, Jacobson FL, Austin JHM, Field JK, et al. The Amer-
ican Association for Thoracic Surgery guidelines for lung cancer 21. Samson P, Patel A, Garrett T, Crabtree T, Kreisel D, Krupnick AS,
screening using low-dose computed tomography scan for lung can- Patterson GA, Broderick S, Meyers BF, Puri V. Effects of Delayed
cer survivors and other high-risk groups. J Thorac Cardiovasc Surg Surgical Resection on Short-Term and Long-term Outcomes in
2012; 144: 33-38. Clinical Stage I Non-Small Cell Lung Cancar. Ann Thorac Surg.
11. Aberle DR, Adams AM, Berg CD, et al. Reduced lung cancer mor- 2015 Jun; 99(6):1906-12.
tality with low-dose computed tomographic screening. N Engl J
Med 2011. 22. Walker BL, Williamson C, Regis SM, McKee AB, DAgostino RS,
12. Field JK, Smith RA, Aberle DR, et al. International Association for Hesketh PJ, Lamb CR, Flacke S, Wald C, McKee BJ. Surgical Out-
the Study of Lung Cancer Computed Tomography Screening Work- comes in a Large, Clinical, Low-dose Compured Tomographic
shop 2011 report. J Thorac Oncol 2012;7:10-19. Lung Cancer Screening Program. Ann Thorac Surg 2015 Out;
13. McWilliams A, Tammemagi MC, et al. Probability od Cancer in Pul- 100(4):1218-23.
monary Nodules Detected on First Screening CT. N Engl J Med
2013; 369:910-9. 23. Ashraf H, Dirksen A, Loft A, et al. Combined use of positron emis-
14. Schumer EM, Trivedi JR, van Berkel V, Black MC, Li M, Fu XA, sion tomography and volume doubling time in lung cancer screen-
Bousamra M. High sensitivity for lung cancer detection using analy- ing with low-dose CT scanning. Thorax 2011; 66:315-319.
sis of exhaled carbonyl compounds. J Thorac Cardiovasc Surg 2015
Dez: 150(6:1517-24. 24. Church TR, et al. Results of Initial Low-Dose Computed Tomo-
15. Santos RS, Franceschini J, Kay FU, Chate RC, Costa Junior S, de graphic Screening for Lung Cancer. N Engl J Med 2013; 368:1980-
Oliveira FN, et al. Low-dose CT screening for lung cancer in Brazil: 91.
a study protocal. J Bras Pneumol. 2014 Mar-Abr; 40(2):169-9.
16. Aberle DR, Adams AM, Berg CD, et al. Reduced lung cancer mor- 25. Henschke CI, Yankelevitz DF, Libby DM, et al. Survival of patients
tality with low-dose computed tomographic screening. N Engl J with stage 1 lung cancer detected on CT screening. N Engl J Med
Med 2011; 365:395-409. 2006; 355: 1763-71.
17. Fontana RS, Sanderson DR, Woolner LB, Taylor WF, Miller WE,
Muhm JR, et al. Screening for lung cancer: a critique of the Mayo  Endereço para correspondência
Lung Project. Cancer 1991; 67(Suppl): 1155-64. João Augusto Argenton Zortéa
Rua Doutor Alcides Cruz, 80/1.402
90.630-160 – Porto Alegre, RS – Brasil
 (51) 3330-5474
[email protected]
Recebido: 15/6/2016 – Aprovado: 28/7/2016

18 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 14-18, jan.-mar. 2017

ARTIGO ORIGINAL

Leucemia mieloide aguda: avaliação citogenética
e implicação prognóstica – revisão de casos atendidos

em Hospital Geral do Rio Grande do Sul

Acute myeloid leukemia: cytogenetic evaluation and prognostic implication –
a review of the cases seen at a General Hospital of Rio Grande do Sul

Diniz Brum Lamaison1, Denise Ramos de Almeida2, Robinson José Kaczmarck1

RESUMO
Introdução: Análise do perfil citogenético de pacientes com Leucemia mieloide aguda (LMA) e correlação com dados clínico-epi-
demiológicos e seus respectivos prognósticos. Métodos: Busca de registros nos prontuários de pacientes com diagnóstico de LMA
no período de janeiro de 2009 a dezembro de 2014. Mensurou-se o perfil citogenético da amostra, estratificando-a por faixa etária e
classificação conforme FAB e OMS para posterior correlação dos dados de prognóstico e distribuição epidemiológica obtidos com
os dados disponíveis na literatura médica atual. Resultados: Foram selecionados 38 pacientes para análise, com idades entre 1 e 84
anos. Todos os pacientes possuíam cariotipagem e 76,3% apresentavam alterações citogenéticas; 13 pacientes apresentavam cariótipo
favorável (CF), 14, cariótipo intermediário (CI), 10, cariótipo desfavorável (CD) e 1 apresentava LMA secundária. No grupo com
CF, a média de idade foi de 25 anos (p=0,0151); no grupo com CD, foi de 39,8%. No grupo com CF, 69,2% obtiveram remissão
completa com protocolo de tratamento; no grupo com CI, 18,18% obtiveram a remissão completa, e por fim, no grupo com CD
nenhum caso obteve remissão completa. Houve tendência à plaquetopenia mais significativa no grupo com CI. Conclusão: Ficou
nítida a correlação das alterações citogenéticas observadas com sua respectiva importância prognóstica, corroborando a necessidade
da determinação do cariótipo para o adequado manejo dos pacientes com LMA.
UNITERMOS: Leucemia Mieloide Aguda, Citogenética, Prognóstico.

ABSTRACT
Introduction: An analysis of the cytogenetic profile of patients with acute myeloid leukemia (AML) and correlation with clinical and epidemiological
data and their respective prognoses. Methods: Search of records in the medical charts of patients diagnosed with AML from January 2009 to December
2014. The cytogenetic profile of the sample was measured by stratifying it by age group and classification according to FAB and WHO for subsequent cor-
relation of prognostic and epidemiological distribution data obtained from the available data of the medical literature. Results: Thirty-eight patients were
selected for analysis, ranging from 1 to 84 years of age. All patients had karyotyping and 76.3% presented cytogenetic alterations; 13 patients had favorable
karyotype (FK), 14 intermediate karyotype (IK), 10 unfavorable karyotype (UK), and 1 had secondary AML. In the FK group, the mean age was 25
years (p = 0.0151); in the UK group, 39.8%. In the FK group, 69.2% achieved complete remission with treatment protocol; in the IK group, 18.18% had
complete remission, and finally, in the UK group, no case achieved complete remission. There was a trend towards more significant thrombocytopenia in the
IK group. Conclusion: The correlation of the observed cytogenetic changes with their respective prognostic importance was clear, corroborating the need to
determine the karyotype for an adequate management of patients with AML.
KEYWORDS: Acute Myeloid Leukemia, Cytogenetics, Prognosis.

1 Acadêmico de Medicina da Universidade de Passo Fundo (UPF), Passo Fundo, RS. 19
2 Médica hematologista do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) e professora titular de Hematologia/Hemoterapia da UPF.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 19-24, jan.-mar. 2017

LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA: AVALIAÇÃO CITOGENÉTICA E IMPLICAÇÃO PROGNÓSTICA - REVISÃO DE CASOS ATENDIDOS... Lamaison et al

INTRODUÇÃO em uma proporção superior a 20%, juntamente à imunofe-
A leucemia mieloide aguda (LMA) se manifesta como notipagem e citogenética (5).

um grupo de processos neoplásicos heterogêneos, carac- Posteriormente, as informações foram agrupadas em
terizado por proliferação e acúmulo de células hemato- planilha do Excel para análise de dados multivariada (Ano-
poiéticas imaturas dos precursores mieloides na medula va), tentando-se atingir os objetivos do estudo. Dentre es-
óssea. Essas células neoplásicas gradualmente substituem tes, estão a mensuração do perfil citogenético dos pacientes
e inibem o crescimento e a maturação dos precursores eri- com LMA no período descrito, a estratificação dos pacien-
troides, mieloides e magacariocíticos, interferindo, de tal tes conforme classificação FAB e classificação da OMS, a
forma, na hematopoiese (1,2). caracterização dos casos de LMA (quanto ao sexo, à idade,
à profissão e à procedência), e ainda a comparação do per-
Acredita-se que a etiologia das leucemias se constitui fil laboratorial no diagnóstico (eritrograma, leucograma e
por um processo de múltiplos passos, a partir de lesão ge- plaquetas), bem como evolução e resposta ao tratamento.
nética, a qual requer a suscetibilidade de uma célula proge-
nitora hematopoiética (3). RESULTADOS
Foram contabilizados 53 pacientes diagnosticados com
A análise citogenética é a componente-chave para ava-
liação de todos os pacientes com diagnóstico ou suspeita LMA no período de 6 anos; destes, 15 não preencheram os
de LMA, sendo um marcador prognóstico bem definido critérios de inclusão devido à escassez de dados nos pron-
(3). Usando técnicas de bandeamento, 50 a 60% dos pa- tuários, estimando-se uma perda de 28,3%. Foram analisa-
cientes com LMA têm anormalidades no cariótipo. Se- dos, portanto, 38 pacientes.
gundo estudos do grupo Medical Research Council (MRC),
pode-se estratificar o prognóstico da seguinte forma: Na Tabela 1, encontra-se o perfil epidemiológico, bem
como de prognóstico favorável, consideram-se as anor- como a citogenética e os níveis de hemoglobina, leucó-
malidades simples ou conjuntas, tais como t(8;21), inv(12) citos totais e plaquetas no momento do diagnóstico de
(p13;q22), t(16;16)(p13;q22), t(15;17)(q24.1;q21.1); como cada caso. A média de idade foi de 38,3 anos (variando
prognóstico desfavorável as alterações envolvendo os de 1 a 84 anos). Em relação ao sexo, totalizavam 21 ho-
cromossomos 3, 9, 11, 20, 21, del (5q), -5, del(7q), -7 e mens (55,3%) e 17 mulheres (44,7%). No que tange à
cariótipos complexos, e, por fim, como prognóstico in- ocupação, constavam entre os pacientes do estudo 11 es-
termediário, as anormalidades que não se enquadram em tudantes (28,9%), 7 agricultores (18,3%), 5 serviços gerais
favorável e desfavorável (4). (13,2%), 5 não se aplicam (13,2%), 3 professores (7,9%),
3 do lar (7,9%), 2 domésticas (5,3%) e 2 comerciantes
Objetiva-se neste estudo elucidar-se o perfil citogenéti- (5,3%). Cabe esclarecer que os classificados como “não
co dos pacientes portadores de LMA admitidos no Hospi- se aplicam” são aqueles pacientes com faixa etária muito
tal São Vicente de Paulo, Passo Fundo, RS, do ano de 2009 jovem ou devido a outras incapacidades.
a 2014, além de outras variáveis clínico-laboratoriais como
idade, sexo, profissão, procedência, nível de hemoglobina e Dos 38 pacientes, 100% obtiveram cariótipo; em 6
leucometria, para que se observem suas correlações com o casos, não foram obtidas metáfases, tendo sido, portan-
prognóstico e o desfecho dos casos. to, excluídos da análise. Destes 38, 29 apresentavam alte-
rações de cariótipo, totalizando 76,3%. Nesse contexto,
MÉTODOS os pacientes foram subdivididos em 4 grupos: Carióti-
Através de um estudo Observacional Analítico do tipo po favorável (CF) – t(8;21), inv(12)(p13;q22), t(16;16)
(p13;q22), t(15;17)(q24.1;q21.1); Cariótipo desfavorável
Transversal, realizou-se busca, nos arquivos do Serviço (CD) – alterações envolvendo os cromossomos 3, 9, 11,
de Arquivo Médico e Estatística (SAME) do Hospital São 20, 21, del (5q), -5, del(7q), -7 e cariótipos complexos;
Vicente de Paulo, de pacientes com diagnóstico de LMA Cariótipo intermediário (CI) – anormalidades que não se
admitidos neste mesmo hospital, de janeiro de 2009 a de- enquadram em favorável e desfavorável – e, por fim, o
zembro de 2014. Dentre os critérios de inclusão, levou-se grupo de LMA secundária (LS).
em consideração a consistência do prontuário no que diz
respeito aos dados de identificação do paciente, ao diag- Conforme o Gráfico 1, pode-se observar que, no
nóstico laboratorial periférico (hemograma) e plaquetas, intervalo da faixa etária entre 0 e 30 anos, 56,25% dos
ao exame morfológico medular (medulograma) e à imu- casos se enquadravam em cariótipo favorável, 12,5% em
nofenotipagem, identificando-se clonalidade dos precur- cariótipo intermediário, 25% em cariótipo desfavorável
sores mieloides com marcação específica e citogénetica e 6,25% como LMA secundária. Já no intervalo entre 31
com bandas G. e 60 anos, 25% apresentavam cariótipo favorável, 50%
cariótipo intermediário e 25% cariótipo desfavorável. Fi-
O diagnóstico estabeleceu-se a partir do estudo do san- nalmente, em relação ao intervalo de 61 a 90 anos, 10%
gue periférico, aspirado medular e biópsia de medula óssea, apresentavam cariótipo favorável, 60% cariótipo interme-
com contagem hipercelular às custas de células blásticas diário e 30% desfavorável.

20 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 19-24, jan.-mar. 2017

LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA: AVALIAÇÃO CITOGENÉTICA E IMPLICAÇÃO PROGNÓSTICA - REVISÃO DE CASOS ATENDIDOS... Lamaison et al

Tabela 1 – Descrição das características biológicas dos pacientes

Nº Sexo Idade Profissão Citogenética Hemoglobina Leucócitos totais Plaquetas (3.190 –
(anos) (4,7 – 14,4g/dL) (719 – 193.000/mm³) 383.000/mm³)

1 F 83 Agricultor 46, XX [27] 7,3 23.000 63.000

2 F 77* Do lar 46, XX [22] 5,2 10.610 18.000

3 M 29 Estudante T(15;17), hipodiploidias, hiperdiploidias 6,7 59.000 72.900

4 M 46 Professor 47, XY, t(12;17)(q14;q12)[29]/46, XY, t(1;21) 9,3 193.000 388.000
(q41;q22), t(6;18)p22;p13); t(12;17)(q14;q12)

5 M 77 Agricultor 44-50; XY; -4; -6; +7; -8; -9; -10; +10; +11; 12p-; 4,7 4.207 23.000
-14; +16; +17; +19; 20q-[12cp]/46,XY[05]

6 F 37 Agricultor 46; XX; inv(9)(p12q12)[05]/46; XX[19] 9,3 13.800 128.000

7M 45 Serviços Gerais 46, XY; inv(16)(p13q22)[06]/47, t(1;21) 10,9 18.300 42.000
(p36;q22), +8, in(16)(p13;q22)[22]

8 F 31 Professor 46, XX, t(15;17) 11,4 1.200 137.000

9 F 47 Do lar 47; XX; +8; t(15;17) [25] 14,2 6.700 96.000

10 M 14 Estudante 46, XY, t(15;17) [05]/46, XY [20] 5,6 4.500 20.000

11 F 11 Estudante 47, XX, t(6;9)(p23;q34), +8[20] 8 1.769 46.000

12 F 23 Estudante 46, XX, i(9)(q10)[09]/46, XX[23] 9,6 2.900 270.000

13 M 16 Estudante 46, XY, t(15;17)(q22;q11) [04]/46, XY [27] 7,3 16.700 56.000

14 M 11 Estudante 46, XY, t(15;17)(q22;q11) 5,6 12.400 32.000

15 F 2* Não se aplica 46, XX, t(10;11) 5,9 5.750 115.000

16 M 35* Agricultor 46, XY, inv(16) 9,8 193.000 50.000

17 M 1 Não se aplica 46, XY, del(7)(q32)[10]/46, XY[15] 7,4 47.280 102.000

18 M 84* Comerciante 46, XY, add(6q), i(17q), del(18)(q12), del(20q)[24] 13,1 8.300 180.000

19 M 61 Não se aplica 46, XY, t(8;21)(q24;q22)[25] 13 9.700 28.500

20 M 60 Serviços gerais 46, XY [30] 6.9 61.700 23.000

21 M 22 Estudante 46, XY, t(8;21)(q22;q22)[22], del(9) (q22q34)[22] 5,2 45.300 45.000

22 M 65 Agricultor 47, XY, +8[16]/46, XY[10] 6,6 32.200 85.000

23 F 34 Do lar 46, XX, t(17;18)(p13;q12)[26] 8 719 20.000

24 M 57 Não se aplica 46, XY[20] 9,9 8.300 86.300

25 M 13* Estudante 46, XY, t(15;17)(q22;q11)[16] 5,2 1.690 3.190

26 M 63* Agricultor 46, XY[30] 5,9 2.300 51.000

27 M 18 Estudante 46, XY, t(15;17)(q22;q11)[16] 10 8.960 383.000

28 M 72* Serviços gerais 45, XY, del(5)(q12q33), -21[16] 14,3 3.000 92.000

29 F 9 Não se aplica 46, XX, t(15;17) (q22;q11)[20] 9,8 5.171 14.000

30 F 30* Doméstica 47, XX, +8[24] 8,9 26.300 47.000

31 F 16* Doméstica 46, XX, t(15;17)(q22;q11)[24] 7 87.070 223.000

32 F 31 Comerciante 46, XX [23] 10,7 39.400 46.000

33 M 16 Estudante 46, XY [24] 8,3 66.710 63.000

34 M 78* Serviços gerais 46, XY [30] 9,1 3.100 8.000

35 F 33* Agricultor 46, XX[27] 7,1 159.090 97.000

36 F 64* Serviços gerais 46, XX[20] 5,7 32.290 28.000

37 F 9* Estudante 46, XX, t(15;17)(q22;q11-21)[18] 10,3 68.800 43.000

38 F 38 Professor 46, XX, t(15;17)(q22;q11)[20] 10,2 28.200 8.930

M – Masculino; F – Feminino; Óbito em decorrência da patologia de base

Além disso, os casos foram classificados conforme tegorias morfológicas homogêneas e correlacionadas, em
proposta do French-American-British cooperative group (FAB), vários estágios, com a citogenética, etiologia e prognóstico.
o qual envolve, primeiramente, morfologia, citoquímica e No Gráfico 2, pode-se observar que a classificação FAB
imunofenotipagem (6). Dessa maneira, são definidas ca- se estende do M1 ao M7. O perfil de casos do presente

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 19-24, jan.-mar. 2017 21

LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA: AVALIAÇÃO CITOGENÉTICA E IMPLICAÇÃO PROGNÓSTICA - REVISÃO DE CASOS ATENDIDOS... Lamaison et al

trabalho aponta que na faixa etária entre 0 e 30 anos hou- ticas recorrentes, principalmente na faixa etária entre 0 e
ve predomínio do subtipo M3, representando 9 entre 17 30 anos, equivalendo a 11 dos 17 casos (64,7%). Há, tam-
casos, o equivalente a 52,9%. Já no intervalo de 31 a 60 bém, um único caso de LMA secundária à transformação
anos, ocorreu mais equilíbrio na proporção de subtipos, mielodisplásica nesta mesma faixa etária, e que corres-
como, por exemplo, 27,2% como M3, 18,2% como M2, pondeu a 5,9%.
M4 e M5, e a porcentagem restante correspondendo aos
demais subtipos. Por fim, no intervalo 61 a 90 anos, ob- Em relação aos desfechos dos pacientes observados, na
serva-se semelhante equilíbrio do intervalo anterior, com Tabela 2 pode-se constatar que nos de cariótipo favorável,
20% sendo M2 e M5, 30% M6, nenhum caso do subtipo todos receberam quimioterapia de indução (n=13); destes,
M3, e a porcentagem restante, também, correspondendo 69,2% (n=9) receberam tratamento adequado atingindo
aos demais subtipos. remissão, 7,7% (n=1) mostraram-se como LMA refratária
ao tratamento e 23,1% (n=3) evoluíram para óbito devi-
No mesmo Gráfico 2, há também a estratificação dos do a intercorrências durante o tratamento. No grupo de
casos de acordo com a classificação da OMS, a qual in- prognóstico intermediário, 78,6% (n=11) receberam qui-
corpora a clínica na definição. Percebe-se, então, nítida mioterapia de indução; destes, 18,18% (n=2) evoluíram
sobreposição do subtipo LMA com alterações citogené- com remissão completa, 45,45% (n=5) distribuídos em

10 12
10
Nº de casos8
Nº de casos68
6
M14
M22
M30
M4
M54
M62
LLLMMMAALLAcsMLeoMdiAfMAmm.AMAmmmiTCMMaantt7R...MA

Classificação FAB e OMS

0 31 aos 60 61 aos 90 0 aos 30 anos 31 aos 60 anos 61 aos 90 anos
0 aos 30 Idade (anos)

Cariótipo favorável Cariótipo desfavorável Gráfico 2 – Estratificação dos pacientes conforme classificação FAB
Cariótipo intermediário LMA secundária e OMS x idade

Gráfico 1 – Distribuição dos pacientes por idade e cariótipo LMA ACR – LMA com Alterações Citogenéticas Recorrentes; LMA TM – LMA secundária à Trans-
formação Mielodisplásica; LMA MMA – LMA Mielomonocítica; LMA sem mat. – LMA sem matu-
ração; LMA com mat. – LMA com maturação; LMA dif. min. – LMA com diferenciação mínima.

Tabela 2 – Comparação entre taxa de remissão e cariótipo

Dados Cariótipo favorável Cariótipo intermediário Cariótipo desfavorável LMA secundária
Caso (n) 13 14 10 1
Relação H:M
Idade (anos) 1,6:1,0 1,0:1,0 1,5:1,0 0,0:1,0
Hemoglobina (g/dL) 25 51,85 39,8 9
Leucometria (mm³) 7,81 ± 1,642 9,8
Plaquetas (mm³) 8,51 ± 3,095 47.051,4 ± 56.613,69 9,25±2,892
Quimioterapia indução 26.940 ± 27.574,26 48.950 ± 26.727,8 29.830,6 ± 55.902,84 5.171
Remissão completa 88.347,7 ± 102.875,8 11 (78,6%) 138.600 ± 107.995,6 14.000
Remissão parcial/LMA refratária 2 (18,18%) 1 (100%)
Morte 13 (100%) 5 (45,45%) 8 (80%)
9 (69,2%) 4 (36,36%) + 3 0 (0%) 0
1 (7,7%) 7 (87,5%) 1 (100%)
3 (23,1%) 1 (12,5%) + 2
0

Cariótipo favorável- t(8;21), inv(12)(p13;q22), t(16;16)(p13;q22), t(15;17)(q24.1;q21.1); Cariótipo desfavorável- alterações envolvendo os cromossomos 3, 9, 11, 20, 21, del (5q), -5, del(7q), -7
e cariótipos complexos; Cariótipo intermediário - anormalidades que não se enquadram em favorável; LMA secundária (LS). Relação H:M – Relação Homem: Mulher. Índices hematimétricos

(Hemoglobina, Leucócitos e Plaquetas): Média aritmética seguida de desvio padrão. Morte: primeiro algoritmo referente à terapia de indução e segundo algoritmo referente a óbito por condições

clínicas que impediam terapêutica.

22 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 19-24, jan.-mar. 2017

LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA: AVALIAÇÃO CITOGENÉTICA E IMPLICAÇÃO PROGNÓSTICA - REVISÃO DE CASOS ATENDIDOS... Lamaison et al

remissão parcial ou LMA refratária, 36,36% (n=4) evo- grande parte dos estudos sugere que os adultos mais ve-
luíram para óbito após indução e, ainda, 3 pacientes per- lhos tem menores chances de alcançar remissão comple-
tencentes a esse grupo foram impossibilitados de receber ta e sobrevida livre de doença (9). Em nossa realidade, a
indução pelas condições clínicas. Por fim, no grupo de ca- presença de alterações citogenéticas sugestivas de bom
riótipo desfavorável, 80% (n=8) receberam indução; des- prognóstico, tais como t(8;21), inv(12)(p13;q22), t(16;16)
tes, nenhum caso evoluiu para remissão completa, 87,5% (p13;q22) e t(15;17)(q24.1;q21.1) (6), foi significativamente
(n=7) evoluíram como LMA em remissão parcial ou LMA mais encontrada na faixa etária mais jovem, cuja média de
refratária, 12,5% (n=1) para óbito pós-indução e 2 pacien- idade foi de 25 anos, equivalendo a 56,26% do total das
tes foram impossibilitados de receber terapêutica devido às alterações de cariótipo. Não obstante, não se exclui a pos-
condições clínicas. sibilidade dessas alterações em faixas etárias maiores, mas
ocorrem em menor frequência, por exemplo, em 10% dos
Através da análise multivariada (Anova), concluiu-se pacientes com idade entre 60 e 90 anos. Além disso, por
que os valores hematimétricos não se mostraram com fim, encontrou-se correlação estatística significativa entre
diferença estatisticamente significativa entre os grupos. menor idade e melhor prognóstico, valor p=0,0151.
Comparando os valores de hemoglobina entre os grupos,
encontrou-se p=0,418. No que diz respeito aos leucócitos A presença de alterações envolvendo os cromossomos
totais, obteve-se p=0,543, com leve tendência a maior leu- 3, 9, 11, 20, 21, del (5q), -5, del(7q), -7 e cariótipos comple-
cocitose no grupo de prognóstico intermediário. Já na con- xos implica em prognóstico desfavorável (10). Na realida-
tagem de plaquetas, obteve-se p=0,065, com plaquetopenia de estudada, essa afirmação confirmou-se, visto que, dos
mais significativa também no grupo de prognóstico inter- pacientes que apresentavam essas alterações, 80% recebe-
mediário. Finalmente, em relação à idade no momento do ram indução quimioterápica, mas nenhum obteve remissão
diagnóstico, houve diferença significativamente estatística, completa; destes, 87,5% evoluíram para remissão parcial e
com p=0,0151, sendo a média da idade menor no grupo de LMA refratária.
prognóstico favorável em relação aos demais.
Achados deste estudo reforçam que a incidência da ca-
DISCUSSÃO tegoria M3 (FAB) aumenta durante a segunda década de
Estima-se que haja 10.500 novos casos de LMA por ano vida e tem seu platô na faixa etária dos adultos jovens (11).
Em nossa análise, verificou-se que 52,9% dos casos M3 se
nos EUA, e sua incidência tem permanecido estável nas últi- encontravam na faixa etária de 0 a 30 anos e outros 27,2%
mas décadas. A LMA corresponde a 90% de todas as leuce- na faixa etária de 31 a 60 anos.
mias agudas nos adultos, mas a apenas 13% dos casos de leu-
cemia em jovens com até 10 anos, sendo ligeiramente mais Em relação à classificação da OMS, encontramos o
comum no sexo masculino (7). Em concordância com isso, subtipo LMA com alterações citogenéticas recorrentes em
o presente estudo concluiu que a média de idade dos pacien- 44,7% da nossa amostra total. Esses achados vão de encon-
tes analisados foi de 38,3 anos, sendo a LMA realmente mais tro ao proposto pela literatura, que afirma que a presença
incidente em adultos. Além disso, constatou-se na população de LMA com alterações citogenéticas recorrentes ocorre
estudada, também, incidência de 55,3% no sexo masculino, em aproximadamente 11% do total de casos de LMA (12).
confirmando as estatísticas globais.
CONCLUSÃO
Trazendo à discussão a questão ocupacional, a exposi- O presente estudo concedeu-nos melhor entendimento
ção crônica a agentes químicos também está associada com
o desenvolvimento de LMA. Nesse contexto, o benzeno é da realidade epidemiológica dos casos de LMA em nossa
o agente químico mais estudado (8). Em nosso estudo, a região, especialmente no Serviço de Hematologia do Hos-
ocupação na área da agricultura teve destaque, o que suge- pital São Vicente de Paulo, através da observação da con-
re a necessidade de estudos que comprovem nexo causal formidade dos dados obtidos com os dados presentes na
entre essa atividade e fatores de exposição no respectivo literatura médica atual.
ambiente de trabalho em nossa região.
Além disso, permitiu-nos constatar a correlação entre
A análise citogenética das células em metáfase é com- as alterações citogenéticas encontradas em pacientes com
ponente-chave para a avaliação de todos os pacientes com diagnóstico de LMA e seus respectivos prognósticos, res-
diagnóstico ou suspeita de LMA. Utilizando-se técnicas saltando a importância da avaliação do cariótipo durante o
de bandeamento, 50 a 60% dos pacientes com LMA têm manejo desses casos.
anormalidades no cariótipo (4). No estudo em questão, ob-
tiveram-se alterações citogenéticas em 76,3% dos casos – REFERÊNCIAS
vale ressaltar que todos os pacientes da pesquisa obtiveram
citogenética conclusiva. 1. MEYERS, C. A.; ALBITAR, M.; ESTEY, E. Cognitive impairment,
fatigue, and cytokine levels in patients with acute myelogenous leu-
Por mais que ainda não se tenha definição extremamen- kemia or myelodysplastic syndrome. Cancer, v. 104, n. 4, p. 788-93,
te clara da relação entre prognóstico e idade de diagnóstico, Aug 15 2005. ISSN 0008-543X (Print) 0008-543X (Linking). Dispo-
nível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=
Retrieve&db=PubMed&dopt=Citation&list_uids=15973668 >.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 19-24, jan.-mar. 2017 23

LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA: AVALIAÇÃO CITOGENÉTICA E IMPLICAÇÃO PROGNÓSTICA - REVISÃO DE CASOS ATENDIDOS... Lamaison et al

2. DEKKER, A. W. et al. Meningeal involvement in patients with ristics, 1997-2002. Cancer Causes Control, v. 19, n. 4, p. 379-90,
acute nonlymphocytic leukemia. Incidence, management, and pre- May 2008. ISSN 0957-5243 (Print) 0957-5243 (Linking). Disponível
dictive factors. Cancer, v. 56, n. 8, p. 2078-82, Oct 15 1985. ISSN em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retri
0008-543X (Print) 0008-543X (Linking). Disponível em: < http:// eve&db=PubMed&dopt=Citation&list_uids=18064533 >.
www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=Pub 9. CHELGHOUM, Y. et al. Influence of cigarette smoking on the
Med&dopt=Citation&list_uids=4027935 >. presentation and course of acute myeloid leukemia. Ann Oncol, v.
13, n. 10, p. 1621-7, Oct 2002. ISSN 0923-7534 (Print)0923-7534
3. GAO, Q. et al. Susceptibility gene for familial acute myeloid leu- (Linking). Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/en-
kemia associated with loss of 5q and/or 7q is not localized on the trez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt=Citation&li
commonly deleted portion of 5q. Genes Chromosomes Cancer, st_uids=12377652 >.
v. 28, n. 2, p. 164-72, Jun 2000. ISSN 1045-2257 (Print) 1045-2257 10. FIALKOW, P. J. et al. Clonal development, stem-cell differentiation,
(Linking). Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/en- and clinical remissions in acute nonlymphocytic leukemia. N Engl
trez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt=Citation&li J Med, v. 317, n. 8, p. 468-73, Aug 20 1987. ISSN 0028-4793 (Print)
st_uids=10825001 >. 0028-4793 (Linking). Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.
gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt=Citatio
4. HAFERLACH, T. et al. Global approach to the diagnosis of leuke- n&list_uids=3614291 >.
mia using gene expression profiling. Blood, v. 106, n. 4, p. 1189-98, 11. LEITH, C. P. et al. Acute myeloid leukemia in the elderly: assess-
Aug 15 2005. ISSN 0006-4971 (Print) 0006-4971 (Linking). Dispo- ment of multidrug resistance (MDR1) and cytogenetics distinguish-
nível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd= es biologic subgroups with remarkably distinct responses to stan-
Retrieve&db=PubMed&dopt=Citation&list_uids=15878973 >. dard chemotherapy. A Southwest Oncology Group study. Blood,
v. 89, n. 9, p. 3323-9, May 1 1997. ISSN 0006-4971 (Print) 0006-
5. CRANE, M. M. et al. Correlation between selected environmen- 4971 (Linking). Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/
tal exposures and karyotype in acute myelocytic leukemia. Cancer entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt=Citation&li
Epidemiol Biomarkers Prev, v. 5, n. 8, p. 639-44, Aug 1996. ISSN st_uids=9129038 >.
1055-9965 (Print) 1055-9965 (Linking). Disponível em: < http:// 12. DORES, G. M. et al. Acute leukemia incidence and patient survival
www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=Pub among children and adults in the United States, 2001-2007. Blood,
Med&dopt=Citation&list_uids=8824367 >. v. 119, n. 1, p. 34-43, Jan 5 2012. ISSN 1528-0020 (Electronic) 0006-
4971 (Linking). Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/
6. ROSENBAUER, F.; TENEN, D. G. Transcription factors in mye- entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt=Citation&li
loid development: balancing differentiation with transformation. st_uids=22086414 >.
Nat Rev Immunol, v. 7, n. 2, p. 105-17, Feb 2007. ISSN 1474-1733  Endereço para correspondência
(Print) 1474-1733 (Linking). Disponível em: < http://www.ncbi. Diniz Brum Lamaison
nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt Rua Uruguai, 1920/902
=Citation&list_uids=17259967 >. 99.010-111 – Passo Fundo, RS – Brasil
 (54) 99133-3182
7. GRIMWADE, D. et al. Refinement of cytogenetic classification in  [email protected]
acute myeloid leukemia: determination of prognostic significance Recebido: 22/6/2016 – Aprovado: 28/7/2016
of rare recurring chromosomal abnormalities among 5876 younger
adult patients treated in the United Kingdom Medical Research
Council trials. Blood, v. 116, n. 3, p. 354-65, Jul 22 2010. ISSN 1528-
0020 (Electronic) 0006-4971 (Linking). Disponível em: < http://
www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=Pub
Med&dopt=Citation&list_uids=20385793 >.

8. YAMAMOTO, J. F.; GOODMAN, M. T. Patterns of leukemia in-
cidence in the United States by subtype and demographic characte-

24 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 19-24, jan.-mar. 2017

ARTIGO ORIGINAL

Toxoplasmose em parturientes de um
Hospital do Sul de Santa Catarina, Brasil

Toxoplasmosis in parturients in a hospital in South Santa Catarina

Martina Tierling Martinelli1, Raphaela Mazon Zapelini2, Betine Pinto Moehlecke Iser3, Helena Caetano Gonçalves3, Aline Goetten1

RESUMO
Introdução: Atualmente, ainda existe uma alta incidência de infecção pelo Toxoplasma gondii durante o período gestacional, comparada
com as demais doenças infecciosas que atingem as parturientes. Assim, este estudo visou identificar a presença de infecção aguda
ou tardia pelo Toxoplasma gondii em gestantes e correlacioná-la à soropositividade para o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV).
Métodos: Estudo transversal realizado com gestantes atendidas em um hospital do Sul de Santa Catarina, de agosto de 2015 a janeiro
de 2016. Os dados foram coletados a partir de uma cópia do cartão das gestantes vinculado ao prontuário. Resultados: O estudo ava-
liou dados de 676 gestantes. A idade variou de 14 a 44 anos, sendo o grupo de 20 a 29 anos o mais prevalente (51,6%). Os resultados
positivos para IgG, acompanhados de resultado negativo para IgM, corresponderam a um total de 175 (25,8%) gestantes. 420 (62,1%)
pacientes possuíram resultados IgG negativos. 16 (2,3%) pacientes tiveram anticorpos IgM positivos. Destas, 04 pacientes possuíam
IgG negativos e 12 IgG positivos. 2 (0,3%) pacientes tiveram resultado positivo para infecção pelo HIV. Não houve associação esta-
tisticamente significativa entre IgM positivo e infecção pelo HIV, pesos alterados dos recém-nascidos e prematuridade. Conclusão:
Verifica-se que há um elevado número de pacientes susceptíveis à infecção pelo T. gondii durante a gestação e, consequentemente, ao
risco elevado de transmissão intraútero. Para o melhor conhecimento sobre as consequências desta infecção em parturientes, seria
necessário o acompanhamento dos recém-nascidos por um longo período.
UNITERMOS: Toxoplasmose, Gestantes, HIV, Diagnóstico, Estudos Epidemiológicos.

ABSTRACT
Introduction: Currently, there is still a high incidence of Toxoplasma gondii infection during the gestational period, compared to other infectious diseases
that affect parturients. This study was designed to identify the presence of acute or late infection by Toxoplasma gondii in pregnant women and to correlate it
with seropositivity for Human Immunodeficiency Virus (HIV). Methods: A cross-sectional study was carried out with pregnant women seen at a hospital
in southern Santa Catarina from August 2015 to January 2016. Data were collected from a copy of the pregnant women's card attached to the chart. Re-
sults: The study evaluated data from 676 pregnant women. Their age ranged from 14 to 44 years, with the group of 20-29 years old being the most prevalent
(51.6%). The positive results for IgG accompanied by a negative result for IgM, amounted to a total of 175 (25.8%) women. 420 (62.1%) patients had
negative IgG results. 16 (2.3%) patients had positive IgM antibodies. Of these, 4 patients had negative IgG and 12 positive IgG. Two (0.3%) patients tested
positive for HIV infection. There was no statistically significant association between positive IgM and HIV infection, altered weights of the newborns, and
prematurity. Conclusion: There is a high number of patients susceptible to infection by T. gondii during pregnancy and, thus, to a high risk of intrauterine
transmission. For better knowledge about the consequences of this infection in parturients, it would be necessary to monitor the newborns for a long period.
KEYWORDS: Toxoplasmosis, pregnant women, HIV, diagnosis, epidemiological studies.

1 Acadêmica do curso de Medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). 25
2 Graduada em Direito. Estudante de Medicina.
3 Professora de Epidemiologia no curso de Medicina da Unisul.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 25-29, jan.-mar. 2017

TOXOPLASMOSE EM PARTURIENTES DE UM HOSPITAL DO SUL DE SANTA CATARINA, BRASIL Martinelli et al

INTRODUÇÃO 2015 a janeiro de 2016. Embora não seja o único hospital
A infecção pelo Toxoplasma gondii, se adquirida durante do município, o local estudado é o serviço de maior abran-
gência regional, pois é referência para atendimento terciá-
a gestação, pode trazer graves consequências ao desen- rio de toda a região da Associação de Municípios da Região
volvimento do feto. Existem, basicamente, três fatores de Laguna, composta por 13 municípios, incluindo aten-
relacionados ao risco de adquirir toxoplasmose durante o dimentos particulares, convênios e SUS. Foram coletadas
período gestacional, quais sejam: a prevalência na comu- informações de todas as pacientes gestantes que realizaram
nidade, o número de contatos com uma fonte de infec- seus partos neste serviço no período do estudo.
ção e o número de mulheres susceptíveis (não imunizadas
por infecção prévia) (1). Assim, a prevenção da infecção Foram incluídas no estudo gestantes submetidas aos
primária durante a gravidez baseia-se em evitar fontes de partos vaginal ou cesáreo, no serviço de saúde e período
infecção. Nos dias atuais, as informações acerca dos fa- supracitados. Por outro lado, foram excluídas as parturien-
tores de risco para infecção tornaram-se mais acessíveis. tes que não tiveram informações acerca dos testes soroló-
Entretanto, estudos sistemáticos não encontram evidên- gicos nos prontuários.
cias de que essas informações alterem o comportamento
das mulheres durante a gravidez (2). Os dados foram coletados a partir de uma cópia do
cartão das gestantes, em que foram extraídas as seguintes
Por outro lado, uma vez diagnosticada a doença em informações: idade da paciente, estado civil, idade gesta-
fase aguda, deve-se submeter a gestante à terapia medica- cional, peso do recém-nascido, resultados dos testes soro-
mentosa imediata, a qual pode reduzir significativamente a lógicos para diagnóstico de toxoplasmose, bem como para
transmissão vertical ou as sequelas para o recém-nascido detecção do HIV.
(3). No Brasil, a toxoplasmose congênita é responsável por
altos níveis de doença ocular. Diferentemente de países da Para o diagnóstico de infecção aguda, a triagem so-
Europa e da América do Norte, isso ocorre provavelmente rológica é a mais indicada, e o marcador mais utilizado
pela predominância de parasitas mais virulentos em cidades é o anticorpo antitoxoplasma da classe IgM. Em certas
brasileiras (4,5). Diante da gravidade da doença congênita, situações, torna-se necessária a realização de exames con-
é imprescindível realizar o pré-natal no primeiro trimestre firmatórios, tendo em vista a frequência alta de resultado
da gestação, para que seja possível identificar precocemen- falso-positivo de IgM. Portanto, caso haja anticorpos IgM
te os casos agudos de toxoplasmose gestacional e, também, positivo e IgG negativo, deve-se realizar a pesquisa de
as pacientes que se encontram susceptíveis (6). IgA que, se positiva, confirma a infecção aguda (6,8,9).
Ademais, se houver anticorpos IgM e IgG positivos e a
A infecção materna em pacientes imunocompeten- gestação tiver menos de 16 semanas, deve-se realizar o
tes, geralmente, é assintomática ou os sintomas são ines- teste de avidez de IgG. Se este for baixo, pode-se estar
pecíficos (1). Contudo, em pacientes imunodeprimidas, diante de uma infecção aguda. Na presença de alta avi-
podem existir graves complicações e consequências (7). dez, deve-se considerar uma infecção antiga (cicatriz so-
Diante disso, a toxoplasmose em gestantes tornou-se rológica), não havendo necessidade de tratamento. Nos
ainda mais importante com o aparecimento da infecção exames realizados após 16 semanas de gestação, não há
pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e com necessidade do teste de avidez, pois, mesmo que esta seja
incremento do número de transplantes, além de outras alta, não descartaria infecção adquirida durante a gestação
condições imunodepressoras. (1,9). Ocorre que, no presente estudo, consideraram-se
os resultados IgM positivos como supostas infecções re-
Desse modo, tendo em vista a prevalência elevada, nos centes, sem corroborá-los com o teste de avidez de IgG
dias atuais, de parturientes susceptíveis à infecção pelo e com a dosagem de IgA, uma vez que essas informações
Toxoplasma gondii, bem como a alta incidência de infecção não estavam presentes nos prontuários das gestantes.
aguda durante o período gestacional, comparada com as
demais doenças infecciosas que atingem as pacientes ges- As informações coletadas foram exportadas para uma
tantes e, ainda, o fato de propiciarem taxas elevadas de planilha do programa Microsoft Office Excel 2007, de
morbidade em mulheres e, principalmente, em neonatos, domínio público. A análise estatística foi feita com o au-
este estudo visou identificar a presença de infecção aguda xílio do software Statistical Product for Service Solutions (SPSS
ou tardia pelo Toxoplasma gondii em gestantes e correlacio- for Windows v 20 Chicago, IL, USA). As variáveis quan-
ná-la à soropositividade para o Vírus da Imunodeficiência titativas foram descritas por medidas de tendência central
Humana (HIV) em um Hospital do Sul de Santa Catarina. e dispersão, de acordo com a normalidade dos dados. As
variáveis qualitativas foram descritas por meio de fre-
METODOLOGIA quência (%) e intervalo de confiança (IC) de 95%. Os
Trata-se de um estudo observacional do tipo transver- testes de associação que foram utilizados foram o Qui-
quadrado para as variáveis qualitativas e o teste t-Student
sal, em que foram estudadas gestantes atendidas em um para as análises quantitativas. O nível de significância
Hospital do Sul de Santa Catarina, no período de agosto de adotado foi de 5%.

A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pes-
quisa da Universidade do Sul de Santa Catarina, sob o pa-

26 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 25-29, jan.-mar. 2017

TOXOPLASMOSE EM PARTURIENTES DE UM HOSPITAL DO SUL DE SANTA CATARINA, BRASIL Martinelli et al

recer número 1.056.142. Foram garantidos a confiabilidade culturais em cada região ou população estudada. Já a inci-
dos dados e o sigilo das informações, sem a identificação dência de infecção materna durante a gestação varia de 1
dos participantes, respeitando-se os preceitos éticos da Re- a 8 em cada 1000 gravidezes (1). No noroeste do Paraná,
solução 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde. Foram observou-se 1,1% de positividade para o IgM e 59% para
analisados os dados já coletados referentes às parturientes IgG (14); em Londrina, 1,8% para IgM e 67% para IgG
e seus bebês, registrados em prontuários médicos, após au- (15); em Goiânia, 0,7% para IgM e 67,7% para IgG (16);
torização fornecida pelo guardião responsável por estes. em São José do Rio Preto, 3,4% para IgM e 62% para
IgG (17); e, em Caxias do Sul, verificou-se frequência de
RESULTADOS IgM de 1,8% (18). Isso demonstra que, entre as gestantes
Foram analisados dados de 676 gestantes. Dentre es- incluídas neste estudo, há uma menor frequência de con-
tato prévio com o T. gondii em relação à média nacional.
tas, a idade variou de 14 a 44 anos, sendo o grupo de 20 a Similarmente aos resultados encontrados em nosso
29 anos o mais prevalente (51,6%). Com relação ao esta- estudo, outros autores constataram baixa soroprevalência
do civil, 544 (80,5%) gestantes eram casadas, 124 (18,3%) do anticorpo IgG – em torno de 10 a 30% – em regiões
encontravam-se solteiras, 04 (0,6%) estavam divorciadas da América do Norte, Sul da Ásia e Norte da Europa (19-
e 01 (0,1%) era viúva. De acordo com a idade gestacio- 21). Por outro lado, os resultados sorológicos da presente
nal, 64 (13,9%) gestantes tinham uma gestação pré-termo pesquisa demonstraram positividade alta para anticorpos
(< 37 semanas) e não houve nenhum caso de pós-termo do tipo IgM, comparados a certas regiões do Brasil, como
(> 42 semanas). Londrina, Goiânia e Caxias do Sul.

Com relação aos exames sorológicos utilizados para Outro aspecto relevante detectado no presente estudo
identificação de toxoplasmose, 69 (10,2%) não possuíam foi que mais da metade das parturientes (62,1%) foi susce-
dados a respeito da detecção de anticorpos IgG, e 70 tível à primo-infecção pelo Toxoplasma gondii e, consequen-
(10,3%) não tiveram informações acerca da detecção de temente, ao risco de transmissão fetal. Este resultado res-
anticorpos IgM, ambos utilizados para diagnóstico, res- salta a importância da triagem pré-natal na identificação de
pectivamente, de infecção tardia e recente pelo Toxoplasma pacientes com risco de infecção aguda na gestação.
gondii. Os resultados positivos para IgG, acompanhados
de resultado negativo para IgM, os quais são considerados A toxoplasmose congênita secundária à reinfecção é um
indicativos de cicatriz sorológica e imunização à doença, evento raro, principalmente quando associada a mulheres
corresponderam a um total de 175 (25,8%) gestantes. 420 imunocompetentes. Durante as três últimas décadas, no
(62,1%) pacientes possuíram resultados IgG negativos. 16 mundo todo, esse fenômeno foi relatado e confirmado em
(2,3%) pacientes tiveram anticorpos IgM positivos. Destas, seis gestantes que apresentavam testes previamente com-
04 pacientes possuíam IgG negativos e 12 IgG positivos. patíveis com a infecção passada por toxoplasmose (22).
E, em relação aos resultados de sorologia que identifica Nos casos de parturientes imunocompetentes com cicatriz
infecção pelo HIV, 61 (9%) pacientes não possuíam tais sorológica, isto é, com anticorpos IgG positivos, raramente
registros e 02 (0,3%) tiveram resultado positivo. haverá transmissão fetal intraútero (1). Entretanto, mulhe-
res imunocomprometidas como, por exemplo, as mulheres
Acerca do perfil dos recém-nascidos, a informação do infectadas pelo HIV, principalmente aquelas com grave de-
peso foi encontrada em 675 prontuários. Destes, 34 (5%) pressão do sistema imunológico (como, por exemplo, as
tiveram macrossomia (peso>4000g) e 75 (11,1%) estavam portadoras da síndrome da imunodeficiência adquirida),
abaixo do peso (peso<2500g). A média de peso foi de 3125 g, podem ter reativação da infecção latente durante a gestação
sendo que o menor valor encontrado foi de 665g e o maior (23). Apesar de diversas literaturas mostrarem uma asso-
de 4535g. E, quanto ao tipo de parto, 437 (64,6%) pacien- ciação entre a soroprevalência pelo HIV e pelo Toxoplasma
tes tiveram parto cesariano. gondii, sugerindo que as pacientes imunodeprimidas pos-
suem uma maior chance de reinfecção (24,25), no presente
Não houve associação estatisticamente significativa en- estudo não foi possível encontrar associação estaticamente
tre IgM positivo e infecção pelo HIV, pesos alterados dos significativa entre ambas as soropositividades, talvez pelo
recém-nascidos ou prematuridade. fato de apenas 02 (0,3%) pacientes possuírem infecção
pelo HIV. Um estudo realizado na Etiópia também não
DISCUSSÃO verificou associação (26).
A soroprevalência de toxoplasmose na população em
A toxoplasmose na gestação pode gerar graves con-
geral varia entre 40% e 80% (10,11). Uma prevalência mo- sequências, principalmente ao feto, tais como: aborta-
derada (30% a 50%) foi encontrada em regiões Central mento, restrição de crescimento intrauterino, prematu-
e Sul da Europa, e uma soroprevalência elevada (>50%) ridade e baixo peso. Contudo, no presente estudo, não
foi verificada em países da América Latina e em outros foi constatada associação estatisticamente significativa
da África (12,13). Essa grande variação encontrada pode entre prematuridade e baixo peso com as gestantes que
ser explicada pelos diferentes fatores socioambientais e possuíam positividade para anticorpos IgM. Tal asso-
ciação também não foi encontrada em outros estudos

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 25-29, jan.-mar. 2017 27

TOXOPLASMOSE EM PARTURIENTES DE UM HOSPITAL DO SUL DE SANTA CATARINA, BRASIL Martinelli et al

realizados em hospitais públicos do Rio de Janeiro e do Brazilian pigs identifies genetically divergent strains. Vet Parasitol
Maranhão (27-29). 2011;175:33.
5. Silveira C, Belfort R, Muccioli C, Abreu MT, Martins MC, Victora C,
Além dos possíveis danos citados anteriormente, são et al. A follow-up study of Toxoplasma gondii infection in southern
relatadas várias outras consequências ao recém-nascido, Brazil. Am J Ophthalmol 2001;131:351.
como: coriorretinite, estrabismo, icterícia e hepatomegalia 6. Montoya JG, Liesenfeld O. Toxoplasmosis. Lancet 2004;363:1965-
(30). Porém, tendo em vista que no presente trabalho não 76.
houve seguimento dos recém-nascidos, não foi possível 7. Guerina, N G. Lee, J. Lynfield, R. Congenital toxoplasmosis: clinical
observar tais agravos. Ademais, em partos que oferecem features and diagnosis. Up to date, 2014 sep.
algum tipo de risco de vida à gestante ou ao feto, a alterna- 8. Gagne SS. Toxoplasmosis. Prim Care Update 2001;8:122-4.
tiva terapêutica relacionada ao parto cesáreo é, sabidamen- 9. Brasil. Ministério da Saúde. Gestação de alto risco: manual técnico.
te, uma opção a ser considerada. No entanto, tal decisão Brasília, DF. 2010;5.
depende de cada caso, tendo a indicação de conduta de- 10. Rey LC, Ramalho ILC. Seroprevalence of toxoplasmosis in Fortale-
pendente de vários outros fatores. A priori, não é eviden- za, Ceará, Brazil. Ver Inst Med Trop 1999;36:171-4.
ciada em estudos a relação da toxoplasmose gestacional a 11. Coelho RAL, Kobayashi M, Carvalho Junior LB. Prevalence of IgG
um tipo específico de parto, podendo o maior número de antibodies specific to toxoplasma gondii among blood donos in Re-
cesáreas verificadas no presente estudo ser justificado por cife, Northeast Brazil. Ver Inst Med Trop São Paulo;45:229-31.
outros fatores, como a presença de uma outra patologia 12. Bollani L, Stronati M. II neonato con toxoplasmosi congenita: clini-
que a indicasse ou em função da preferência da gestante ou ca, terapia e follow-up. JPNIM. 2014;3
do manejo do serviço de maternidade a que ela pertence. 13. Robert-Gangneux F, Dardé ML. Epidemiology of and diagnostic
strategies for toxoplasmosis. Clin Microbiol Rev. 2012; 25:264-296
CONCLUSÃO 14. Ferezin RI1, Bertolini DA, Demarchi IG. Prevalence of positive so-
Verifica-se que há um elevado número de pacientes rology for HIV, hepatitis B, toxoplasmosis and rubella in pregnant
women from the northwestern region of the state of Paraná. Rev
suscetíveis à infecção pelo T. gondii durante a gestação e, Bras Ginecol Obstet. 2013 Feb;35(2):66-70.
consequentemente, ao risco elevado de transmissão in- 15. Reiche EMV, Morimoto HK, Farias GN, Hisatsugu KR, Geller L,
traútero. O objetivo principal do rastreamento é justa- Gomes ACLF, et al. Prevalência de tripanossomíase americana, sífi-
mente a identificação dessas pacientes para seguimento lis, toxoplasmose, rubéola, hepatite B, hepatite C e da infecção pelo
posterior, o qual visa à prevenção da infecção aguda por vírus da imunodeficiência humana, avaliada por intermédio de tes-
meio de medidas de prevenção primária, assim como a tes sorológicos, em gestantes atendidas no período de 1996 a 1998
detecção precoce da infecção materna, com o intuito de no Hospital Universitário Regional Norte do Paraná. Rev Soc Bras
prevenir a transmissão fetal ou proporcionar tratamento Med Trop. 2000;33(6):519-27.
caso haja contaminação intraútero. 16. Sartori AL, Minamisava R, Avelino MM, Martins CA. Triagem
pré-natal para toxoplasmose e fatores associados à soropositivi-
Para o melhor conhecimento sobre as consequências dade de gestantes em Goiânia, Goiás. Rev Bras Ginecol Obstet.
que a toxoplasmose pode causar, não apenas intraútero, 2011;33(2):93-8.
mas também pós-nascimento, seria necessário o acompa- 17. Gonçalves MAS, Matos CCB, Spegiorin LCJF, Oliani DCMV, Olia-
nhamento dessas crianças por um longo período. Além ni AH, Mattos LC. Seropositivity rates for toxoplasmosis, rubella,
disso, é relatado, por exemplo, que a toxoplasmose con- syphilis, cytomegalovirus, hepatitis and HIV among pregnant wo-
gênita tem relação com a incidência de infecção primária men receiving care at a public health service. Braz J Infect Dis.
em grávidas, a idade gestacional na qual a grávida adquire 2010;14(6):601-5.
a infecção e as medidas de saúde públicas instituídas para 18. Madi JM, Souza RS, Araújo BF, Oliveira Filho PF, Rombaldi RL,
prevenção, detecção e tratamento da infecção durante a Mitchell C, et al. Prevalence of toxoplasmosis, HIV, syphilis and
gestação. Pode-se perceber que o acompanhamento das rubella in a population of puerperal women using Whatman 903®
sorologias durante a gestação é imprescindível para que filter paper. Braz J Infect Dis. 2010;14(1):24-9.
estudos possam avaliar e correlacionar dados para melhor 19. Lopes AP, Dubey JP, Dardé ML, Cardoso L. Epidemiological re-
avaliarem o percurso da doença. view of Toxoplasma gondii infection in humans and animals in Por-
tugal. Parasitology. 2014;
REFERÊNCIAS 20. Mohamed K, Kodym P, Maly M, Rayah IEL. Detection of acute
toxoplasmosis in rural women in Sudan using different diagnostic
1. Gilbert R, Petersen, E. Toxoplasmosis and pregnancy. Up to date. tests. Afr J Microbiol Res. 2013;7: 5227-5233.
2014. 21. Robert-Gangneux F, Dardé ML. Epidemiology of and diagnostic
strategies for toxoplasmosis. Clin Microbiol Rev. 2012;25:264-296.
2. Di Mario S, Basevi V, Gagliotti C, Spettoli D, Gori G, DAmico R, et 22. Elbez-Rubinstein A, Ajzenberg D, Dardé ML, Cohen R, Dumètre
al. Prenatal education for congenital toxoplasmosis. Cochrane Da- A, Yera H, et al. Congenital toxoplasmosis and reinfection during
tabase Syst Rev 2013. pregnancy: case report, strain characterization, experimental model
of reinfection, and review. J Infect Dis 2009;199:280.
3. Lago EG, Oliveira AP, Bender AL. Presence and duration of an- 23. Desmonts G, Couvreur J, Thulliez P. Congenital toxoplasmosis: 5
ti-Toxoplasma gondii immunoglobulin M in infants with congenital cases of mother-to-child transmission of pre-pregnancy infection.
toxoplasmosis. J Pediatr 2014; 90:363-369 Presse Med 1990; 19:1445.
24. Sitoe SP1, Rafael B, Meireles LR, Andrade HF Jr, Thompson R.
4. Frazão-Teixeira E, Sundar N, Dubey JP, Grigg ME, de Oliveira FC. Preliminary report of HIV and Toxoplasma gondii occurrence in
Multi-locus DNA sequencing of Toxoplasma gondii isolated from pregnant women from Mozambique. Rev Inst Med Trop Sao Paulo
2010 Nov-Dec;52(6):291-5.
25. Ouermi D, Simpore J, Belem AM, Sanou DS, Karou DS, Ilboudo
D, et al. Co-infection of Toxoplasma gondii with HBV in HIV-
-infected and uninfected pregnant women in Burkina Faso. Pak J
Biol Sci 2009 Sep 1;12(17):1188-93.
26. Endris M, Belyhun Y, Moges F, Adefiris M, Tekeste Z, Mulu A,
et al. Seroprevalence and Associated Risk Factors of Toxoplasma
gondii in Pregnant Women Attending in Northwest Ethiopia. Iran J
Parasitol 2014 Sep;9(3):407-14.
27. Jones J, Lopes A, Wilson M. Congenital toxoplasmosis. Am Fam
Physician 2003;67:2131-8.

28 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 25-29, jan.-mar. 2017

TOXOPLASMOSE EM PARTURIENTES DE UM HOSPITAL DO SUL DE SANTA CATARINA, BRASIL Martinelli et al

28. Pessanha TM, Carvalho M, Pone MVS, Junior SCG. Abordagem  Endereço para correspondência
diagnóstica e terapêutica da toxoplasmose em gestantes e as reper- Raphaela Mazon Zapelini
cussões no recém-nascido. Rev. paul. pediatr 2011;341-347. Rua Recife, 498/601
88.705-720 – Tubarão, SC – Brasil
29. Teixeira CJ, Gontijo SM, Castro AM. Prevalência de toxoplasmose  (48) 8824-4800
em gestantes atendidas em dois centros de referência em uma cida-  [email protected]
de do Nordeste, Brasil. Rev. Bras. Ginecol. Obstet 2015;37(2):64-70. Recebido: 5/7/2016 – Aprovado: 28/7/2016

30. Sociedade Brasileira de Infectologia. Toxoplasmose. Disponível em:
<http://www.infectologia.org.br/posts-224/>. Acesso em: 22 de
março de 2016.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 25-29, jan.-mar. 2017 29

ARTIGO ORIGINAL

Perfil epidemiológico de puérperas com quadro
de depressão pós-parto em unidades de saúde
de um município da Serra Catarinense, SC

Epidemiological profile of puerperal patients with postpartum depression in
health units of a city in the Santa Catarina mountain range

Marco Antonnio Rocha dos Santos1, Everley Rosane Goetz2, Gustavo Pires Sicco1, Henrique Gaspar Sabatini Fernandes1,
Michelle Medeiros1, Natália Elisa Boing Melo3, Vanessa Freitas Bratt1

RESUMO
Introdução: Foi realizada uma pesquisa acerca do perfil epidemiológico de depressão pós-parto em um município de médio porte
da Serra Catarinense, SC. Teve como principal objetivo traçar e analisar o perfil epidemiológico da população de puérperas atendi-
das pelas Unidades de Saúde pesquisadas. É uma patologia que pode comprometer os cuidados da mulher consigo mesma e com o
recém-nascido, implicando em vários aspectos psicossociais entre mãe e bebê. A prevalência de depressão pós-parto parece variar
tanto em números quanto em apresentação dos sintomas de acordo com as diferentes populações. Metodologia: A pesquisa deu-se
por corte transversal dos dados obtidos através da aplicação da Escala de Depressão Pós-natal de Edimburgo, de um questionário
estruturado e análise das informações encontradas nas pacientes puérperas atendidas pelas unidades pesquisadas. Foram incluídas na
pesquisa pacientes que tiverem dado a luz em um período menor ou igual a 6 meses, de qualquer faixa etária e que sejam atendidas
pelas Unidades de Saúde pesquisadas durante o período da coleta de dados. Resultados: Os resultados foram obtidos a partir de
uma amostra de 40 entrevistas feitas em três unidades de saúde. A prevalência de possíveis diagnósticos de depressão pós-parto foi de
40%, e os principais fatores relacionados foram tabagismo, nível elevado de estresse e má relação com o pai da criança. Sugerem-se
novas pesquisas com mais sujeitos e maior tempo de amostragem para que mais diferenças significativas possam ser examinadas.
UNITERMOS: Depressão pós-parto, Epidemiologia, Fatores de risco.

ABSTRACT
Introduction: A survey was carried out on the epidemiological profile of postpartum depression in a medium-sized city of the Santa Catarina mountain
range. Its main aim was to find and analyze the epidemiological profile of the population of puerperal patients seen at the Health Units surveyed. Postpartum
depression is a disorder that can compromise the mother’s care with herself and the newborn, implying in several psychosocial aspects between mother and
baby. The prevalence of postpartum depression seems to vary both in numbers and in the presentation of symptoms according to the different popula-
tions. Methods: A cross-sectional study of the obtained data was performed by administering the Edinburgh Postnatal Depression Scale and a structured
questionnaire, and by analyzing the information from the puerperal patients visiting the units surveyed. Included in the study were patients who had given
birth within a period of less than or equal to 6 months of any age group and who were seen at the Health Units surveyed during the data collection period.
Results: The results were obtained from a sample of 40 interviews carried out in three health units. The prevalence of possible diagnoses of postpartum
depression was 40% and the main related factors were smoking, high stress level, and poor relation with the child’s father. Further research with more subjects
and longer sampling time is suggested so that more significant differences can be examined.
KEYWORDS: Postpartum depression, epidemiology, risk factors.
1 Acadêmico de Medicina da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac).
2 Doutora em Psicologia. Professora das Faculdades do Instituto de Ensino Superior do Goiás (Iesgo).
3 Graduação em Ciências Biológicas.

30 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 30-34, jan.-mar. 2017

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PUÉRPERAS COM QUADRO DE DEPRESSÃO PÓS-PARTO EM UNIDADES DE SAÚDE... Santos et al

INTRODUÇÃO Por ser o momento em que a mãe irá expor suas dú-
A depressão maior e demais transtornos psiquiátricos vidas, questionamentos e aflições sobre a maternidade, os
atendimentos de pré-natal e de puericultura se configuram
que se apresentam no período pós-parto são um campo em momentos capitais para o rastreio da depressão. É im-
de trabalho e pesquisa ainda pouco explorados. Doenças portante a valorização das queixas trazidas pela gestante ou
psiquiátricas pós-parto são uma área pouco reconhecida e pelas puérperas desde a primeira consulta e explorar sua
tratada, e pouco pesquisada (1). evolução ao longo das consultas (2).

Os transtornos psiquiátricos durante a gravidez e puer- É importante enfatizar que o tratamento para a depres-
pério são comuns, porém pouco diagnosticados e subvalo- são não influi na gestação e nos cuidados com o recém-
rizados na prática clínica (2). A depressão maior é a prin- -nascido, como a amamentação. Em verdade, ele evita reci-
cipal causa de incapacidade em todo o mundo e afeta uma divas; evita internações desnecessárias; permite experiência
em cada 33 crianças e um em cada oito adolescentes, de emocional positiva da maternidade; preserva a amamen-
acordo com a National Mental Health Association (3). tação, auxiliando no vínculo mãe/filho; preserva o com-
portamento emocional e cognitivo do recém-nascido. Não
O conhecimento a respeito da prevalência de depressão há indícios de teratogenicidade para os psicofármacos.
pós-parto (DPP) faz-se necessário por ela ser uma doença Suas concentrações plasmáticas quando da amamentação
incapacitante, o que acaba comprometendo os cuidados da encontram-se em níveis não tóxicos (à exceção dos dia-
mulher consigo mesma no pós-parto e com o recém-nasci- zepínicos, os quais podem causar sonolência no lactente).
do, implicando em vários aspectos psicossociais entre mãe Eletroconvulsoterapia não apresenta contraindicação e
e bebê. A qualidade do relacionamento da mãe com o filho está indicada no insucesso de outras terapias (5).
é afetada. Há um menor interesse pelas relações sociais e
pela brincadeira da criança. (4) A escala utilizada para rastreio de depressão pós-parto
é a Escala de Depressão Pós-natal de Edimburgo (EPDS,
É importante o rastreio das gestantes e das puérpe- em inglês). O modelo utilizado na pesquisa foi validado
ras com sintomas depressivos, uma vez que é estimado no Brasil. (6).
“que 25 a 35% das mulheres desenvolvam sintomas de-
pressivos na gestação e que até 20% das gestantes po- Foi realizado um estudo comparativo entre a EPDS
dem apresentar critérios diagnósticos de depressão” (2), e e uma entrevista psiquiátrica estruturada (Mini-Plus 5.0),
muitos episódios de depressão que acontecem no período sendo esta utilizada como padrão ouro, e chegou-se à con-
pós-parto têm um início insidioso três ou quatro meses clusão de que as propriedades psicométricas da EPDS ga-
após o nascimento da criança (1). rantem que ela é um bom instrumento para a triagem de
transtorno depressivo maior pós-parto, o que justifica seu
A gravidez acaba por se tornar uma experiência extre- uso no SUS para garantir o reconhecimento, o diagnóstico
mamente individualizada para a mulher, e, apesar da ideia e possibilitar o tratamento da doença (7).
de que ela é um período repleto de felicidade e alegria,
não é o panorama encontrado em todas as gestantes. Nes- Formulou-se a hipótese inicial de que os fatores de ris-
se ponto, mulheres que já apresentaram uma patologia co trazidos pela literatura seriam encontrados em maior
psiquiátrica em outras gravidezes possuem chances muito prevalência nas pacientes que apresentassem um possível
maiores de adoecerem novamente. Aproximadamente 60 diagnóstico de DPP. A necessidade de dados a respeito
a 80% das mulheres que apresentaram doenças psiquiátri- dessa patologia motivou essa pesquisa. Dados atualizados
cas em partos anteriores voltam a apresentar a patologia da população local podem ajudar a elucidar em quais gru-
em partos seguintes (5). pos sociais há uma maior probabilidade do desenvolvimen-
to da doença, auxiliando na elaboração de um plano de
Vale ressaltar que “o parto não é agente causal dos prevenção e tratamento nas unidades de saúde em que a
transtornos psiquiátricos do puerpério, mas representa, pesquisa será feita.
efetivamente, fator de risco para o seu aparecimento ou
para a reagudização de doenças preexistentes” (5). Os objetivos que nortearam a realização da pesquisa fo-
ram: traçar o perfil epidemiológico da DPP nas Unidades
Os critérios para o diagnóstico de depressão devem es- de Saúde pesquisadas; comparar os fatores de risco trazi-
tar presentes há pelo menos duas semanas. São eles: (a) dos pela literatura e analisar sua correlação com o que é re-
humor deprimido, quase diariamente; (b) diminuição do latado pelas entrevistadas; proporcionar o rastreio de pos-
interesse ou do prazer na maioria das atividades; (c) per- síveis casos comunitários de depressão não tratada e, com
da não programada de peso, considerada por 5% do peso isso, encaminhar as pacientes para tratamento adequado.
corporal; (d) alterações de padrão de sono; (e) agitação e/
ou lentificação física, da fala ou do pensamento; (f) fadiga MÉTODOS
e cansaço quase diariamente; (g) sentimentos inadequados O delineamento da pesquisa deu-se por corte transver-
de culpa e menos valia; (h) diminuição da concentração e
indecisão; (i) ideação com ou sem tentativas de suicídio sal dos dados obtidos através da aplicação da Escala de
e pensamentos sobre morte frequentemente (3). Nota-se Depressão Pós-natal de Edimburgo e de um questionário
ainda a redução do interesse sexual, retraimento social, cri-
ses de choro e alterações de ritmos circadianos (2).

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 30-34, jan.-mar. 2017 31

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PUÉRPERAS COM QUADRO DE DEPRESSÃO PÓS-PARTO EM UNIDADES DE SAÚDE... Santos et al

estruturado e da análise das informações encontradas nas de tendência central, com auxílio do software Statistical Pa-
pacientes puérperas das Unidades de Saúde pesquisadas. ckage for the Social Science, versão 20.0.

Foram pesquisadas três Unidades Básicas de Saúde de RESULTADOS
um município de médio porte da Serra Catarinense, SC. Participaram deste estudo 40 puérperas que tenham

A pesquisa abrangeu pacientes que deram a luz a um dado a luz em um período igual ou menor a seis meses.
bebê nos últimos seis meses e que eram atendidas pelas A Tabela 1 ilustra o perfil etário das participantes, das
Unidades de Saúde pesquisadas. Não foi colocada nenhu- crianças e de seus pais.
ma exigência de idade, tendo em vista a variação apresen-
tada nesse critério pela população-alvo, bem como a exis- Diante da análise dos dados, percebeu-se que a faixa
tência de fatores de risco apresentados pela literatura que etária das participantes variou entre 17 anos e sete meses e
variam de acordo com a faixa etária. 41 anos e um mês, média de 26 anos, prevalecendo um nú-
mero maior de puérperas entrevistadas com a faixa etária
A presente pesquisa foi financiada pela Universidade de 20 a 32 anos. As crianças tiveram uma idade média pou-
do Planalto Catarinense (Uniplac), através de aprovação no co mais de três meses, com variação entre um e seis meses.
edital nº 127/2013 para Grupos de Pesquisa. A idade média dos pais foi de 29 anos, com variação entre
17 anos e seis meses e 46 anos e cinco meses, com a maio-
O período de coleta dos dados deu-se entre os meses de ria incluída entre 21 e 37 anos. Entre as 40 entrevistadas, 37
setembro e dezembro de 2013. responderam ser casadas, duas solteiras e uma viúva.

As pacientes ou seus responsáveis (caso a mesma tenha A constituição familiar mais prevalente foi a família nu-
idade inferior a 18 anos) que autorizaram a participação clear, definida aqui por mãe, pai e filhos, com um total de
no estudo assinaram o Termo de Consentimento Livre e 24 casos (60% da amostra). Em seguida, a constituição de
Esclarecido (TCLE). O projeto fora submetido ao Comitê família extensa, aqui definida por família nuclear acrescida de
de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEP) da Uni- parentes do primeiro grau de um dos cônjuges; tal configu-
versidade do Planalto Catarinense (Uniplac). ração ficou com sete casos (17,5%). A família monoparental
maternal apareceu em dois casos (5%). Dentre as participan-
Foram incluídas na pesquisa as puérperas, pacientes que tes, 12 estavam tendo seu primeiro filho (30%), enquanto as
tiverem dado a luz em um período menor ou igual a seis demais (28 entrevistadas, 70%) já haviam tido outros.
meses, de qualquer faixa etária, e que sejam atendidas pelas
Unidades de Saúde participantes durante o período de se- O nível educacional foi questionado. No caso das mães,
tembro a dezembro de 2013. 37,5% possuíam como maior grau educacional o ensino
fundamental ou fundamental incompleto; 50% haviam
Foram excluídas da pesquisa as puérperas que não se cursado o ensino médio; 12,5% cursaram o ensino supe-
enquadraram nos critérios de inclusão. Excluir-se-iam tam- rior. Os pais apresentavam a seguinte distribuição: 37,5%
bém os casos em que a paciente não desejasse participar, com fundamental ou fundamental incompleto; 45% com
ou que seus responsáveis legais não autorizassem; porém, ensino médio ou médio incompleto; 15% com superior ou
tal caso não aconteceu. superior incompleto; apenas um dos casos (2,5%) não teve
nenhuma escolaridade.
A coleta de dados ocorreu após a assinatura do TCLE
pela paciente ou pelo responsável. Na sequência, aplicou-se Entre as mulheres, a profissão mais citada foi trabalha-
a Escala de Depressão Pós-Natal de Edimburgo – EPDS dora do lar (30%); auxiliar administrativa e de produção
– e o questionário estruturado confeccionado para a pre- também aparecem com destaque. 80% das entrevistadas
sente pesquisa. relatam que não estão trabalhando no momento. Entre os

A EPDS apresenta uma graduação de pontos, a qual Tabela 1 – Perfil etário das puérperas, crianças e pais
varia de acordo com as alternativas escolhidas pela pa-
ciente. A graduação varia de 0 a 30 pontos, sendo que Média Qual a idade Qual a idade Qual a idade
uma pontuação igual ou superior a 10 indica uma possível Mediana da mãe? da criança? do pai?
depressão e foi usado como ponto de corte. O item 10 Moda 26,05 29,32
da escala avalia a existência de pensamentos suicidas, e a Desvio-Padrão 26,57 0,03 29,05
escolha de qualquer valor maior do que zero foi conside- Idade Mínima 18,11(a) 0,03 20,11(a)
rada positiva para ideação suicida. Idade Máxima 6,35 0,01 8,22
17,07 0,02 17,06
Com o questionário, pretendeu-se avaliar os principais fa- 41,01 0,01 46,05
tores de risco relatados pela literatura e obter mais informa- 0,06
ções sobre a amostra pesquisada. As variáveis presentes no
questionário eram: idades da mãe e pai da criança, constitui- N = 40
ção familiar, profissão de ambos, renda familiar, auxílio para Fonte: Elaborada pelos autores da pesquisa.
cuidados com o bebê, relação com o pai da criança, nível de
estresse, histórico pessoal de sintomas depressivos, histórico
familiar de depressão, uso de drogas (lícitas ou não), planeja-
mento ou não da gestação, desejo ou não de ter a criança.

Foram realizadas análises estatísticas descritivas, obser-
vadas através da distribuição de frequências e de medidas

32 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 30-34, jan.-mar. 2017

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PUÉRPERAS COM QUADRO DE DEPRESSÃO PÓS-PARTO EM UNIDADES DE SAÚDE... Santos et al

homens, não houve grande predomínio de uma profissão. sentaram escore de possível diagnóstico de DPP. O uso de
O destaque fica por conta de trabalhadores braçais que outras drogas fora negado por todas as participantes. Tam-
exercem função de pintor, pedreiro, marceneiro, etc. 12,5% bém 12,5% (5 participantes) afirmaram dificuldade para
não estão trabalhando no momento. engravidar, e 22,5% (9 entrevistadas) relataram histórico
pessoal de abortamentos. A gestação fora planejada por 17
A renda familiar aproximada mais presente ficou entre das entrevistadas (42,5%). Após a descoberta da gestação,
um e dois salários mínimos (62,5%); 15% relatam que a ela não fora desejada por três das entrevistadas.
família ganha menos de um salário mínimo; 20% entre três
e quatro; e apenas uma entrevistada (2,5%) relatou que a A Tabela 2 ilustra o número de possíveis diagnósticos
família ganha mais de cinco salários mínimos. de DPP. Tal consideração é feita com um valor somatório
igual ou maior a 10 na EPDS.
Histórico pessoal de depressão foi relatado por 10 en-
trevistadas (25%). Sintomas depressivos em outras ges- O item 10 da EPDS se presta a avaliar a existência de
tações foram relatados por oito das entrevistadas (20%). pensamentos suicidas ou de autoflagelamento por par-
Entre aquelas que obtiveram valor igual ou superior a 10 te da puérpera. Foram considerados marcações positivas
na EPDS, as porcentagens eram, respectivamente, 29% e para esses comportamentos caso a entrevistada marcasse
23,5%. Além disso, 17 pacientes (42,5%) apresentaram his- a alternativa e valor igual ou superior a um. Na Tabela 3,
tórico de depressão em parentes do primeiro grau. ilustram-se os achados dessa análise.

Dentre as entrevistadas, 75% relataram que receberam DISCUSSÃO
ajuda da família no cuidado com o bebê. Mesma porcenta- Boa parte dos sintomas depressivos associados ao puer-
gem informava ter boa relação com o pai da criança. Dentre
aquelas que obtiveram escore maior de 10 na EPDS, a por- pério pode ter resolução espontânea em até 6 meses, moti-
centagem de boa relação com o pai da criança caía para 65%. vo pelo qual escolhemos o primeiro semestre como corte
cronológico do nosso estudo (2).
O nível de estresse foi questionado e as seguintes op-
ções foram apresentadas às entrevistadas: muito baixo; A prevalência de possível diagnóstico de DPP foi de
baixo; alto, ou muito alto. Das entrevistadas, (12) 30% da 40%. A literatura especializada traz uma variação média de
amostra relataram estresse muito baixo, mesmo núme- 8 a 20%. Com base nessa diferença expressiva de preva-
ro que apontou níveis baixos e altos. A opção de estresse lência, os autores imaginam que quatro aspectos possam
muito alto foi escolhida por 4 participantes (10%). Dentre estar implicados: a amostragem relativamente pequena; a
as entrevistadas com possível diagnóstico de DPP, o nível ausência de dados sobre a prevalência de DPP, especial-
de estresse considerado alto foi visto em 47% e muito alto mente no Brasil; o fato de que as literaturas são de origem
em apenas uma das participantes (5,8%). A Figura 1 ilustra internacional, ou se baseiam em estudos internacionais em
essas relações. seus dados; e o fato de que no estudo no Brasil (7) ficou

Sete das entrevistadas informaram usar tabaco durante
a gestação e no período pós-parto; dentre elas, cinco apre-

Tabela 2 – Valor categorizado na EPDS

50% Negativo Frequência Porcentagem Porcentagem
45% Possível diagnóstico acumulada
40% Total 24 60,0 60,0
35% 16 40,0
30% 40 100,0 100,0
25%
20% N = 40
15% Fonte: Elaborada pelos autores da pesquisa
10%
Tabela 3 – Valor categorizado do item 10 (ideação suicida)
5%
0% Amostragem geral Pacientes com possível DPP Frequência Porcentagem Porcentagem
Alto Muito alto 32 80,0 acumulada
Muito baixo Baixo Negativo
80,0
Possível ideação
suicida 8 20,0 20,0

Figura 1 – Nível de estresse relatado: Amostragem Geral x Possível Total 40 100,0 100,0
diagnóstico de DPP
N = 40
N=40 Fonte: Elaborada pelos autores da pesquisa
Fonte: Elaborada pelos autores da pesquisa

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 30-34, jan.-mar. 2017 33

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PUÉRPERAS COM QUADRO DE DEPRESSÃO PÓS-PARTO EM UNIDADES DE SAÚDE... Santos et al

comprovado que a EPDS é um instrumento de validade ratura, de fato, se mostraram presentes na amostragem.
de triagem para o SUS e, como característica marcante dos As equipes de saúde das Unidades pesquisadas foram avisa-
testes de triagem, primar pela sensibilidade e pelo reconhe- das das puérperas que obtiveram um escore maior de 10 na
cimento de grande número de casos, pode acabar por in- EPDS e tomaram as providências cabíveis; a maioria delas
cluir alguns chamados falsos positivos, de modo que uma não havia sequer a suspeita de DPP. Portanto, conclui-se
entrevista especializada é sempre importante no correto que os objetivos foram satisfatoriamente atingidos com a
estabelecimento do diagnóstico. amostragem coletada.
REFERÊNCIAS
Apesar da amostragem limitada, pode-se chegar a al-
gumas conclusões: a maioria das participantes possuía um 1. Parry, BL. Síndromes Psiquiátricas Pós-parto. In: Kaplan, HI.; Sa-
companheiro fixo, em uma constituição de família biparen- dock, BJ. Tratado de Psiquiatria. 6ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas;
tal (em que mãe e pai residem juntos). Os homens são os 1999, 1134-1141.
maiores responsáveis pelo aporte financeiro, mesmo fora
do período gestacional e pós-parto. 2. Ruano, R et al. Intercorrências clínico-cirúrgicas: Doenças Psiqui-
átricas. In: Zugaib, M (Comp.). Zugaib Obstetrícia. 2ª ed. Barueri:
Alguns pontos que podem ser correlacionados ao qua- Manole; 2012, 995-1008.
dro de DPP foram o tabagismo (29,4%); nível elevado de
estresse (52,8%); relação conflituosa com o pai da criança 3. Wharton, RN. Transtornos Afetivos. In: Rowland, Lewis P. (Comp.).
(35%). A literatura coloca esses e outros fatores de risco Merritt Tratado de Neurologia. 11ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara
relacionados ao risco de DPP (1,2,5). Koogan; 2007, 1043-1049.

A média de idade geral da amostra foi de 26 anos; a 4. Cunningham, FG et al. Williams Obstetrícia. 20ª ed. Rio de Janeiro:
média de idade das entrevistadas com possível diagnóstico Guanabara Koogan; 2000.
de DPP foi praticamente igual (25,9), o que não corrobora
com os autores citados anteriormente em que a pouca ida- 5. Loreto, V. Transtornos Psiquiátricos. In: Netto, HC; Sá, RA (Comp.).
de da mãe constituiu um fator de risco para o desenvolvi- Obstetrícia Básica. 2ª ed. São Paulo, SP: Atheneu; 2007, 447-455.
mento do transtorno depressivo.
6. Santos, IS. et al. Validation of the Edinburgh Postnatal Depression
No entanto, por tratar-se de um estudo de corte trans- Scale (EPDS) in a sample of mothers from the 2004 Pelotas Birth
versal, não fica clara a relação temporal entre os fatores Cohort Study. Cad. Saúde Pública, 2007, v. 11(23), 2577-88. Dispo-
apresentados anteriormente e o transtorno depressivo. nível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n11/04.pdf>. Aces-
so em: 11 nov. 2012.
Evidencia-se com a presente pesquisa a necessidade de
novos estudos com amostragem mais propícia a apresentar 7. Figueira, P et al. Escala de Depressão Pós-natal de Edimburgo
diferenças estatísticas. Isso implicará, necessariamente, em para triagem no sistema público de saúde. Rev Saúde Públ, 2009,
um tempo maior de coleta dos dados. 43(1) p.79-84. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsp/
v43s1/744.pdf/>. Acesso em: 12 ago. 2012.
Pode-se concluir que o perfil epidemiológico neces-
sitaria de mais entrevistas para ser atendido. Foi possível  Endereço para correspondência
notar que alguns dos fatores de risco trazidos pela lite- Marco Antonnio Rocha dos Santos
Rua Cel. Cordova, 914
88.502-001 – Lages, SC – Brasil
 (49) 99914-9969
[email protected]
Recebido: 11/7/2016 – Aprovado: 28/7/2016

34 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 30-34, jan.-mar. 2017

ARTIGO ORIGINAL

Prevalência de sintomas para transtornos alimentares
em escolares de 11 a 15 anos da rede municipal
de ensino da cidade de Nova Petrópolis, RS

Prevalence of symptoms for eating disorders in schoolchildren aged 11 to 15 years
of the municipal school system of the city of Nova Petrópolis

Agnes Margarete Ludewig¹, Ricardo Rodrigo Rech², Ricardo Halpern³, Francine Zanol4, Bruna Frata4

RESUMO
Objetivo: Verificar a prevalência de sintomas para Transtornos Alimentares (TA) em escolares de 11 a 15 anos da rede municipal de
ensino da cidade de Nova Petrópolis, RS. Métodos: Foi realizado um estudo transversal com 323 escolares (população na faixa etária).
Para avaliação dos sintomas para TA, utilizou-se o teste de atitudes alimentares (EAT 26). Resultados: A prevalência de sintomas
para TA foi de 21,7%. A insatisfação com a imagem corporal foi de 79,3%. Os escolares insatisfeitos apresentaram quase o triplo de
chances de estarem com os sintomas em relação aos satisfeitos. Conclusões: As prevalências de sintomas para TA e a insatisfação
com a imagem corporal da população estudada encontram-se elevadas e devem ser motivo de preocupação dos profissionais de saúde.
UNITERMOS: Transtornos Alimentares, Imagem Corporal, Adolescentes.

ABSTRACT
Aim: To determine the prevalence of symptoms for Eating Disorders (ED) in schoolchildren aged 11 to 15 years of the municipal school system of the
city of Nova Petrópolis, RS. Methods: A cross-sectional study was conducted with 323 schoolchildren (population in the age group). To evaluate for ED
symptoms, the Eating Attitudes Test (EAT 26) was used. Results: The prevalence of symptoms for ED was 21.7%. Dissatisfaction with body image was
79.3%. The dissatisfied schoolchildren were nearly three times more likely to have symptoms than satisfied ones. Conclusions: The prevalence of symptoms
for BP and the dissatisfaction with body image in the studied population are high and should be a matter of concern to health professionals.
KEYWORDS: Eating Disorders, Body Image, Teens.

INTRODUÇÃO das mulheres e dos homens, a insatisfação corporal tem se
Os adolescentes são influenciados por fortes tendên- tornado cada vez mais comum (2). Nessa situação, podem
surgir os Transtornos Alimentares (TA), ou seja, quando
cias sociais e culturais que promovem a busca pelo corpo existe a busca por um corpo considerado atraente e social-
ideal, e esse perfil pode introduzir no púbere uma alimen- mente aceito (3).
tação inadequada ou até mesmo transtornos alimentares
(1). Uma vez que o ideal de magreza e corpo escultural Na maioria das vezes, o perfil dos pacientes com TA é
proposto é uma impossibilidade biológica para boa parte de adolescentes do sexo feminino, raça branca, e alto nível
socioeconômico-cultural. Porém, atualmente, o diagnóstico

¹ Professora de Educação Física, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS, Brasil. 35
² Doutor em Ciências da Saúde, UCS.
³ Doutor em Pediatria, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil.
4 Acadêmica de Fisioterapia, UCS.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 35-39, jan.-mar. 2017

PREVALÊNCIA DE SINTOMAS PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ESCOLARES DE 11 A 15 ANOS DA REDE MUNICIPAL... Ludewig et al

também é dado para menores do sexo masculino, raça ne- O presente estudo foi realizado na cidade de Nova Pe-
gra, pré-adolescentes, em pacientes com nível socioeconô- trópolis, localizada na encosta superior da região serrana
mico-cultural baixo (4), e ainda para os de idade entre 12 e do nordeste do estado do Rio Grande do Sul, distante a 80
25 anos (5). km de Porto Alegre e a 35 km de Caxias do Sul. Tem uma
área de 291,300 km² (PREFEITURA NOVA PETRÓPO-
Os adolescentes buscam fugir do sofrimento e tentam LIS, 2011). A cidade conta com uma população de 20.126
controlar seus corpos e seus desejos. Os jovens tentam habitantes (IBGE, 2014).
buscar a autonomia, a sociedade define e normatiza seus
corpos (6), e é na adolescência que a prevalência para os Trata-se de um estudo epidemiológico transversal, que
sintomas de TA ocorre cada vez mais (7). utilizou os seguintes critérios de inclusão:

Dentro dos TAs, estão a Anorexia Nervosa (AN) e a Bu- – idade dos escolares entre 11 e 15 anos; – não
limia Nervosa (BN), as quais têm como características em portadores de qualquer complicação que impedisse a
comum a preocupação excessiva com o peso e com a for- prática de atividades físicas; – voluntariedade; – e apre-
ma do corpo. Existe um medo muito grande de engordar, sentação do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido
levando a dietas restritivas e/ou utilização de métodos ina- (TCLE) assinado pelos pais ou responsáveis legais.
propriados, sempre em busca do corpo perfeito (8). Alguns
dos critérios para o diagnóstico da AN são a existência de Os escolares foram avaliados nos meses de abril e maio
uma supervalorização do corpo, a distorção do peso real e de 2014. Foi utilizado um questionário autoaplicável para
da forma corporal, medo intenso de engordar e a negação avaliar os sintomas para TA, insatisfação com a IC, bullying,
da magreza. Já na BN, são a importância excessiva com o sexo e idade. O questionário foi aplicado na sala de aula em
peso e a preocupação com a forma corporal na avaliação de horário de aula, foi elaborado pelos autores e testado em
si mesmo (9). A detecção precoce dos TAs melhora as possi- um estudo-piloto com 15 crianças que não entraram na
bilidades de tratamento e aprimora o prognóstico, reduzindo amostra final do estudo. O estudo-piloto procurou avaliar
o risco de desenvolver uma condição crônica na idade adulta o entendimento dos instrumentos de avaliação por parte
(10). Os adolescentes veem como perfeito o físico imposto dos sujeitos de pesquisa. Nenhum problema foi verificado
e rotulado na televisão, nas fotografias, nos filmes e espelhos com a realização do estudo-piloto.
de academia. Esse ideal é quase inatingível, e eles acabam
recusando seus corpos, levando à insatisfação corporal, e Na avaliação dos sintomas para TA, utilizou-se o teste
cada vez mais a figura do corpo humano vista como a ideal de atitudes alimentares (EAT 26), o qual foi traduzido e
passou a ser a de um corpo magro e esguio (11). validado na população de adolescentes brasileiros por Bi-
ghetti (15). O EAT 26 avalia os riscos de se desenvolver
Em estudo realizado em Gran Canária, Espanha, o comportamento e atitudes típicos de pacientes com ano-
risco de desenvolver sintomas para TA foi de 27,4% em rexia ou bulimia nervosa. O instrumento é constituído por
ambos os sexos, e de 20,6% em homens adolescentes (12). 26 questões e apresenta seis opções de resposta. O ponto
Nos Estados Unidos, as estimativas de prevalência de TA de corte estabelecido foi de 21 pontos ou mais para EAT+
são, respectivamente, de 9% e 1,5% entre as mulheres e 3% (com sintomas para TA).
e 5%, entre os homens (13). Já no Brasil, em estudo feito
na cidade de São Pedro da Serra (Rio Grande do Sul), a Para a avaliação da insatisfação com a IC, foi utilizada a
prevalência de sintomas para TA foi de 14,9% (14). escala de nove silhuetas (Children’s Figure Rating Scale) (16).
A insatisfação com a imagem corporal foi constatada pela
O contexto sociocultural e o momento de transforma- diferença entre as figuras real e ideal, onde os discentes
ção psíquica e social que os jovens passam podem se tornar com resultado diferente de zero foram considerados insa-
fatores que modulam ou impactam esses púberes, dando tisfeitos com sua IC.
lugar a uma gênese de transtornos alimentares (2). Tendo
em vista a situação preocupante envolvendo a saúde cole- Para a avaliação do bullying, foi utilizado o questionário
tiva no que diz respeito aos TAs, o objetivo deste estudo Kidscape. Para a definição do desfecho, utilizou-se a questão
foi verificar a prevalência de sintomas para TA em uma que identifica quantas vezes o escolar sofreu algum tipo de
população de estudantes pertencentes a escolas municipais intimidação, sendo considerado Bullying quando aconteceu
na cidade de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul. Como mais de uma vez no último mês (vítima de bullying) (17).
objetivos específicos, buscou-se avaliar as possíveis asso-
ciações entre o desfecho e imagem corporal, sexo, idade e A equipe avaliadora foi composta pelos autores do es-
vítimas de bullying. tudo e por cinco colaboradores estudantes de Educação
Física. Toda equipe realizou treinamento para aplicação do
MÉTODOS questionário e distribuição do manual do avaliador. Em re-
Este estudo faz parte de um projeto maior denominado lação aos aspectos éticos, foram distribuídos TCLEs para
todos os adolescentes que fizeram parte da amostra. Além
“Obesidade, insatisfação com a imagem corporal e transtornos ali- de obterem o consentimento dos pais, os escolares partici-
mentares em uma coorte de escolares na Serra Gaúcha”. pantes da amostra concordaram em participar voluntaria-
mente do estudo. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo
Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de
Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), com núme-
ro de parecer 1312/11 e cadastro 741/11.

36 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 35-39, jan.-mar. 2017

PREVALÊNCIA DE SINTOMAS PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ESCOLARES DE 11 A 15 ANOS DA REDE MUNICIPAL... Ludewig et al

Após a coleta dos dados, os mesmos foram digitados DISCUSSÃO
em um banco formatado em EPIDATA. Depois da veri- O presente estudo encontrou 21,7% dos escolares com
ficação da consistência dos mesmos, estes foram exporta-
dos para o programa IBM-SPSS versão 20 pelo qual foram sintomas para transtornos alimentares. Em comparação
analisados. Foi realizada análise descritiva e bivariada (teste com estudantes da cidade de Salvador, Bahia, em estudo da
qui quadrado de Pearson) entre as variáveis independentes mesma categoria, com 365 escolares de 7 a 14 anos da rede
e o desfecho. pública, foi identificada prevalência para sintomas de TA
em 23% (18). Já em Recife, Pernambuco, em uma amostra
RESULTADOS de 300 adolescentes da faixa etária de 10 a 17 anos, o resul-
Foram avaliados 323 escolares entre 11 e 15 anos, de um tado encontrado foi de 32,3% (19). Na cidade de São Pedro
da Serra, RS, em uma população de 154 escolares de 11 a
total de 345. Doze escolares não apresentaram o Termo de 14 anos, foram encontrados 14,9% de escolares com sin-
Consentimento Livre e Esclarecido assinado pelos pais ou tomas para TA (14). É nesta fase da adolescência onde se
responsáveis, e 10 escolares se recusaram a participar do mostra mais comum a necessidade de inclusão e aceitação
estudo. A média de idade foi de 13,05 anos (DP=1,06), e
a amostra ficou igualmente distribuída por sexo com 163 Tabela 1 – Características dos escolares de Nova Petrópolis
meninas (50,5%) e 160 meninos.
Sexo Frequência Percentual
A prevalência de sintomas para transtornos alimentares Feminino
encontrada foi de 21,7%, e 79,3% dos escolares avaliados Masculino 163 50,5
apresentaram insatisfação com a IC. A Tabela 1 apresenta 160 49,5
as demais características da amostra. Idade
11 23 7,1
A Tabela 2 apresenta os resultados da análise bivariada 12 83 25,7
entre os sintomas para transtornos alimentares e as variá- 13 92 28,5
veis independentes. Somente a insatisfação com a imagem 14 104 32,2
corporal teve associação significante (p<0,05) com os sin- 15 21 6,5
tomas. Os escolares insatisfeitos apresentaram quase o tri-
plo de chances de estarem com os sintomas em relação aos Insatisfação com a Imagem Corporal 67 20,7
satisfeitos. Apesar da não associação significativa, as meni- Satisfeitos 256 79,3
nas e os escolares mais velhos (13, 14 ou 15 anos) tiveram Insatisfeitos
maiores prevalências de sintomas em relação aos meninos 275 85,1
e aos escolares mais novos, respectivamente. Vítimas de Bullying 48 14,9
Não
Em relação ao bullying, não foi encontrada associação Sim
significante (p>0,05) com os sintomas, porém a prevalên-
cia de sintomas para transtornos alimentares foi maior nas
vítimas em relação às não vítimas.

Tabela 2 – Análise bivariada entre os sintomas e as variáveis independentes

Sintomas para Transtornos Alimentares

Sem Sintomas Com Sintomas RP IC de 95%
0,61 0,35 - 1,04
Sexo 121 (74,2%) 42 (25,8%) 1,40 0,78 - 2,53
Feminino 132 (82,5%) 28 (17,5%) 2,79 1,21 - 6,43
Masculino 1,08 0,52 - 2,26
87 (82,1%) 19 (17,9%)
Idade 166 (76,5%) 51 (23,5%) 37
11 e 12 anos
13, 14 e 15 anos 60 (89,6%) 7 (10,4%)
193 (75,4%) 63 (24,6%)
Insatisfação com a Imagem Corporal
Satisfeitos 216 (78,5%) 59 (21,5%)
Insatisfeitos 37 (77,1%) 11 (22,9%)

Vítimas de Bullying
Não
Sim

RP = razão de prevalências; IC = intervalo de confiança.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 35-39, jan.-mar. 2017

PREVALÊNCIA DE SINTOMAS PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ESCOLARES DE 11 A 15 ANOS DA REDE MUNICIPAL... Ludewig et al

a partir dos padrões impostos pela sociedade, tornando-se uma ameaça para o bem-estar e que os adolescentes que
um precursor dos transtornos alimentares pelos adolescen- estão mais insatisfeitos com a sua aparência física apre-
tes que se consideram fora deste padrão (19). sentam um risco maior de sofrer depressão, transtornos
alimentares e baixa autoestima (28). A relação entre a IC
Encontramos neste estudo 79,3% dos escolares insa- e os TAs vem despertando interesse de diversos pesquisa-
tisfeitos com sua imagem corporal. Na cidade de Pelotas, dores (29). E são vários os fatores apontados na literatura
RS, foram avaliados 4.358 indivíduos de 14 a 15 anos, onde como indicadores para a ocorrência do desenvolvimento
58% estavam insatisfeitos com a sua Imagem Corporal de algum TA.
(20). Em estudo realizado com 1.417 adolescentes na ci-
dade de Caxias do Sul, RS, com idade entre 11 e 14 anos, a Estudos indicam que diversos fatores influenciam e de-
prevalência de insatisfação com a imagem corporal foi de terminam o desenvolvimento da imagem corporal e pre-
71,5% (21). Em estudos feitos em 24 países do mundo, os dispõem a transtornos alimentares. Em relação à raça, ado-
maiores índices foram encontrados na República Tcheca lescentes brancos apresentaram maior autoestima, melhor
(61,8%), Eslovênia (56,8%) e Itália (55,2%) (22). Os dados IMC e menor risco a transtornos alimentares (30). Portan-
citados levam à conclusão de que a IC é estruturada na to, as diferenças étnicas e culturais influenciam as atitudes
adolescência por ser o período em que o corpo está em e os comportamentos dos adolescentes. Outro fator a ser
constante modificação, e essa insatisfação é decorrente da destacado seria o período inicial da puberdade, quando as
não aceitação do corpo quando os adolescentes não se sen- alterações morfológicas e psicossociais são mais eviden-
tem adequados com o padrão corporal estabelecido pela tes, o que reflete na preocupação com a imagem corporal
mídia e pela sociedade (23). (29). E é nessa fase marcada por questões que vão além de
mudanças biológicas ou de uma simples faixa etária, per-
Não foi encontrada associação significativa entre os passada pela situação de gênero, classe social e contextos
sintomas para TA e o sexo no estudo em questão, porém socioculturais, que se pode inferir maior risco ao desen-
vale ressaltar que as meninas apresentaram prevalência volvimento de TAs, correlacionados com sua insatisfação
maior em relação aos meninos. Em estudo realizado em com a imagem corporal.
Cundinamarca, Colômbia, participaram 937 jovens de 12 a
20 anos, e 84% dos adolescentes diagnosticados com pre- No presente estudo, não foi encontrada associação
valência de sintomas para TA também eram mulheres (24). significativa entre as vítimas de bullying e os TA, o que
Os TAs são mais comuns em mulheres do que em homens, corrobora com os resultados de um estudo realizado na
e acredita-se que sua causa é relacionada, em parte, por fa- cidade de São Pedro da Serra, RS, onde também não houve
tores biológicos e hormonais (25) e pela maior pressão que associação significativa entre os sintomas para TA, sexo e
as mulheres sofrem em relação ao padrão de corpo perfeito idade; no entanto, observou-se uma maior prevalência nas
ditado pela sociedade (26). meninas e nos escolares mais velhos (14). Em Minas Ge-
rais, relataram predominância de sintomas para TA no sexo
Também não foi encontrada associação entre a idade e feminino (31). Na Argentina, as meninas apresentaram as
os sintomas para TAs, contudo, os escolares mais velhos maiores prevalências de sintomas para TA, assim como
apresentaram prevalências maiores do que os mais novos. grande parte dos estudos publicados na literatura atual
Resultado que corrobora com um estudo na cidade de Cun- (32). Um dos motivos para essa maior incidência pode ser
dinamarca, Colômbia, o qual também apresentou maior pre- explicado pela supervalorização do corpo magro, conside-
valência de sintomas nos escolares mais velhos (44,8%) (24) rado este um atributo para a beleza feminina (14).
e no estudo de Salvador, BA (18). Conforme os escolares
vão ficando mais velhos, aumentam os interesses pelo sexo Como limitações do presente estudo, podemos citar o
oposto e a necessidade pela busca de um corpo mais aceito viés de memória no EAT 26 e a causalidade reversa presen-
pela sociedade. Esses fatores podem contribuir para o apa- te nos estudos transversais.
recimento de TA nas idades mais tardias da adolescência (2).
CONCLUSÕES
No presente estudo, os escolares insatisfeitos com Esse foi o primeiro estudo que avaliou questões da saú-
sua imagem corporal tiveram quase o triplo de chances
(RP=2,79) de estarem com os sintomas em relação aos de nos escolares da cidade de Nova Petrópolis. Não foi
satisfeitos. Em estudo realizado com 325 adolescentes de encontrada associação significativa entre os sintomas para
11 a 14 anos, da cidade de Santa Maria, RS, os sintomas TA e o sexo; apesar disso, as meninas apresentaram preva-
de TAs apresentaram associação com a IC. Os escolares lência maior em relação aos meninos. Não foi encontrada
que não estavam satisfeitos, ou seja, 80%, tiveram riscos ao associação entre a idade e os sintomas para TA, porém, os
desenvolvimento para TA (11). Os resultados encontrados escolares mais velhos tiveram prevalências maiores do que
em Xalapa e Veracruz, no México, em amostra com 298 os mais novos, os escolares insatisfeitos com sua IC apre-
alunos de 13 e 14 anos, nos permitem afirmar que a insatis- sentaram quase o triplo de chances de estarem com os sin-
fação com a IC e a relação com os TA mostram uma rela- tomas em relação aos satisfeitos. Sendo este um primeiro
ção positiva, além de o índice de prevalência para sintomas passo para a pesquisa sobre os temas abordados na cidade
de TA ser baixo, apenas 8% (27). Estudos demonstram que
um alto nível de insatisfação com o corpo pode significar

38 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 35-39, jan.-mar. 2017

PREVALÊNCIA DE SINTOMAS PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM ESCOLARES DE 11 A 15 ANOS DA REDE MUNICIPAL... Ludewig et al

de Nova Petrópolis, RS, sugere-se que mais estudos sejam 18. ALVES E, VASCONCELOS FAG, CALVO MCM, NEVES J. Pre-
realizados, preferencialmente longitudinais ou de interven- valência de sintomas de anorexia nervosa e insatisfação com a ima-
ção, para que se possam estabelecer melhores associações gem corporal em adolescentes do sexo feminino do Município de
entre as variáveis estudadas e outras possíveis causas. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de
Janeiro, v.24, n.3: 503-512, 2008. Acesso em 20/07/2015.
REFERÊNCIAS
19. SILVA, Tatiana Araújo Bertulino da. Prevalência de sintomas de
1. VALE, A. M. O; KERR, L. R. S; and BOSI, M. L. M. “Compor- transtornos alimentares e insatisfação corporal em jovens reci-
tamento de risco para transtornos do comportamento alimentar fenses. 2012. 154 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-graduação em
entre adolescentes do sexo feminino de diferentes estratos sociais Neuropsiquiatria e Ciência do Comportamento, Universidade Fede-
do Nordeste do Brasil”. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 16, pp. ral de Pernambuco, Pernambuco, 2012. Acesso em 12/11/2015.
121-132, Set 2011. Acesso em 07/10/2015.
20. DUMITH SC, MENEZES AMB, BIELEMANN RM, PETRES-
2. RIBEIRO, Karla Carolina Silveira; SILVA, Josevânia da; SANTOS, CO S, SILVA ICM, LINHARES RDS, AMORIM TC, DUARTE
Marcela Silva dos. Vulnerabilidade aos Transtornos Alimentares em DV, ARAÚJO CLP, SANTOS JV: Insatisfação corporal em adoles-
Adolescentes: fatores que afetam a satisfação com o corpo. Investiga- centes: um estudo de base populacional. Ciência & Saúde Coleti-
ção Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa En Salud, va. v.9, nº17, p.2499-2505, 2012. Acesso em 21/11/2015.
Paraíba, v. 1, p.328-332, jul. 2015. Semestral. Acesso em 22/10/2015.
21. FINATO S, RECH RR, MIGON P, GAVINESKI IC, TONI V,
3. WESTMORELAND, Patricia; KRANTZ, Mori J.; MEHLER, HALPERN R. Insatisfação com a imagem corporal em escolares do
Philip S.. Medical Complications of Anorexia Nervosa and Bulimia. sexto ano da rede municipal de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul.
The American Journal Of Medicine, p. 1-8. maio 2015. Acesso Rev Paul Pediatr, v.1, n.31, p.65-70, 2013. Acesso em 22/07/2015.
em 07/08/2015.
22. SABBAH H, VEREECKEN CA, ELGAR FJ, NANSEL T, AAS-
4. BORGES NJBG, SICCHIERI JMF, RIBEIRO RPP, MARCHINI VEE K, ABDEEN ZD, OJALA K, AHLUWALIA N, MAES
JS, SANTOS JES. Transtornos Alimentares: quadro clínico. Me- L. Body weight dissatisfaction and communication with parents
dicina, Ribeirão Preto, Simpósio: T 39 (3), 340-8. Cap. 4. 2006. among adolescents in 24 countries: international cross-sectional
Acesso em 22/10/2015. survey .BMC Public Health, 2009, http://www.biomedcentral.
com/1471-2458/9/52 Acesso em 22/10/2015.
5. SOUZA AA, SOUZA JC, HIRAI ES, ALMEIDA H, SOUZA LN.
Estudo Sobre a Anorexia e Bulimia Nervosa em Universitárias. Psic. 23. FROIS E, MOREIRA J, STENGEL M. Mídias e a imagem corpo-
Teor. E pesq. V. 27 nº 2, p. 195-198, 2011. Acesso em 12/11/2015. ral na adolescência: o corpo em discussão. Psicologia em Estudo,
2011. Acesso em 01/08/2015
6. BITTENCOURT LJ, ALMEIDA AR; Transtornos Alimentares:
patologia ou estilo de vida? Psicol e Sociedade, periódico revisado 24. ORTÍZ SP, CARO JM, MESA CL. Factores de riesgo de los trans-
por pares; vol. 25, 2013, p 220-229. Acesso em 22/10/2015. tornos de la conducta alimentaria en jovenes escolarizados en Cun-
dinamarca, Colombia. Rev. Colomb. Psiquiat, v. 39, n.2, 2010.
7. PINHEIRO NP. Classificação e Diagnóstico de Transtornos Ali- Acesso em 09/09/2015.
mentares na Infância: Nem DSM, nem CID-10. Psicologia em
Pesquisa, UFJF , v.1, nº 5, p 61-67, 2011. Acesso em 13/08/2015. 25. QUINTON SJ, SMITH AR, JOINER T. Personality and In-
dividual Differences. v.51, n.4, p. 402-405, 2011. Acesso em
8. PENZ LR, BOSCO SMD, VIEIRA JM. Risco para desenvolvimen- 04/08/2015.
to de transtornos alimentares em estudantes de Nutrição. Scientia
Medica, v.3, nº18 p.124-128, 2008. Acesso em 05/10/2015. 26. DUTRA, J.R. ; SOUZA, S. M. F. ; PEIXOTO, M.C.. A influência
dos padrões de beleza veiculados pela mídia, como fator decisório
9. CAMPANA A. Preocupação e insatisfação com o corpo, checagem na automedicação com moderadores de apetite por mulheres do
e evitação corporal em pessoas com transtornos alimentares. Ribei- município de Miracema-RJ. Revista Transformar, Itaperuna Rj, v.
rão Preto, v. 22, nº 53, 2012. Acesso em 03/12/2015. 5, n. 2, p.194-213, maio 2015. Acesso em 09/07/2015.

10. BEZANCE J, HOLLIDAY J, Adolescents with Anorexia Nervosa 27. GONZÁLEZ MAM, VIVEROS GRO. Trastorno Alimentario y su
Have Their Say: A Review of Qualitative Studies on Treatment and Relación con la Imagen Corporal y la Autoestima en Adolescentes.
Recovery from Anorexia Nervosa. Eur. Eat. Disorders Rev. v.21, Ter. Psicol. Santiago, v.27, n.2, dic. 2009. Acesso em 12/09/2015.
p. 352–360, John Wiley & Sons, Ltd and Eating Disorders Associa-
tion, 2013. Acesso em 22/07/2015. 28. ZORDAO, Olivia Pizetta et al. Association of body image and eat-
ing disorders in adolescents in Minas Gerais (Brazil). Nutrición
11. SCHERER FC, MARTINS CR, PELEGRINI A, MATHEUS SC, Clínica y Dietética Hospitalaria, [s.l.], n. 35, p.48-56, 2015. SED-
PETROSKI EL, Imagem corporal em adolescentes: associação CA. DOI: 10.12873/352pizetta. Acesso em 02/11/2015.
com a maturação sexual e sintomas de transtornos alimentares. J.
Bras. Psiquiatr. V.59 n.3, p.198-202, 2010. Acesso em 05/09/2015. 29. MARTINS CR, PELEGRINI A, MATHEUS SC e PETROSKI
EL. Insatisfação com a imagem corporal e relação com estado nu-
12. ÁLVAREZ-MALÉ, María Luisa; CASTAÑO, Inmaculada Bautista; tricional, adiposidade corporal e sintomas de anorexia e bulimia
MAJEM, Lluis Serra. Prevalencia de los trastornos de la conducta alimen- em adolescentes. Rev. Psiquiatr. Rio Gd. Sul. V.32, nº1, p. 19-23,
taria en adolescentes de Gran Canaria. Nutricón Hospitalaria, Gran 2010. Acesso em 12/10/2015.
Canária, Espanha, v. 5, n. 31, p.2283-2288, 2015. Acesso em 23/11/2015.
30. GITAU, T.M, MICKLESFIEL LK, PETIFFOR JM, NORRIS
13. HUDSON J, HIRIPI E, HARRISON G. POPE Jr., KESSLER RC. AS. Changes in Eating Attitudes, Body Esteem and Weight Con-
The Prevalence and Correlates of Eating Disorders in the National trol Behaviours during Adolescence in a South African Cohort. J
Comorbidity Survey Replication. Biological Psychiatry. 2007. Aces- Child Adolesc Ment Health. 2014;26(3):193-205. Acesso em
so em 03/09/2015. 02/08/2015.

14. FRANÇA JP, DEUNER J, HALPERN R, RECH RR. Sintomas 31. VILELA JEM, LAMOUNIER JA, FILHO MAD, NETO JRB,
para transtornos alimentares em escolares da rede pública de São HORTA GM. Transtornos alimentares em escolares. J. Pediatr. Rio
Pedro da Serra, RS. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, v.3, n.57, de Janeiro, v.80 n.1, Jan./Feb. 2004. Acesso em 10/08/2016
p.175-179, jul-set. 2013. Acesso em 10/10/2015.
32. BAY LB, HERSCOVICI CR, PHD, KOVASLSKYS I, BERNER E,
15. BIGHETTI F. Tradução e validação do Eating Attitudes Test ORELLANA L, BERGESIO A. Alteraciones alimentarias en niños
(EAT-26) em adolescentes do sexo feminino na cidade de Ribeirão y adolescentes argentinos que concurren al consultorio del pediatra.
Preto-SP. Dissertação de Mestrado – Escola de Enfermagem Arch. argent. pediatr. 2005; 103(4): 305. Acesso em 03/12/2015.
de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Ribeirão Pre-
to-SP, p.123, 2003. Acesso em 22/10/2015.  Endereço para correspondência
Francine Zanol
16. TIGGEMAN M, Wilson-Barret E. Children’s figure ratings: rela- Rua Luiz Bolson, 140/140
tionship to self-steem and negative stereotyping. Int J Eat Disord, 95.060-440 – Caxias do Sul, RS – Brasil
v.23 n.3, p.8-83, 1998. Acesso em 17/09/2015.  (54) 99989-8545
[email protected]
17. KIDSCAPE: preventing bullying-protectin children. Disponível Recebido: 13/7/2016 – Aprovado: 28/7/2016
em http://www.kidscape.org.uk/. Acesso em: 25 de junho de 2013.
Acesso em 12/08/2015.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 35-39, jan.-mar. 2017 39

ARTIGO ORIGINAL

Aspectos epidemiológicos dos condrossarcomas –
experiência do Serviço de Ortopedia e Traumatologia
do Hospital São Lucas da PUCRS, Porto Alegre

Epidemiological aspects of chondrosarcomas – the experience of the orthopedy
and traumatology service of the São Lucas Hospital of PUCRS, Porto Alegre

Pedro Matzenbacher Brito¹, Mateus Quadrado Massafra¹, Vinícius Duval da Silva²,
Carlos Luiz Reichel3, Carlos Daniel de Garcia Bolze4, Osvaldo André Serafini5

RESUMO
Introdução: Condrossarcomas correspondem a 18% das tumorações ósseas malignas e podem apresentar comportamento agressivo,
além de um mau prognóstico. Uma avaliação atualizada quanto às suas características e uma revisão da literatura que aborda o assunto
são de grande valia. Este trabalho visa demonstrar o padrão epidemiológico e fisiopatológico dos casos de condrossarcoma envolvi-
dos. Métodos: Foram incluídos 32 pacientes diagnosticados e acompanhados no Hospital São Lucas da PUCRS entre 2004 e 2015 e
que tiveram seus prontuários revisados. Resultados: Com discreta prevalência entre as mulheres (59,3% dos casos), obteve-se média
etária geral de 53,5 anos de idade. Uma fração de 37,5% dos pacientes apresentou metástases, cujo local de acometimento principal foi
o pulmão. Quanto ao sítio primário, Ilíaco e ossos longos foram os mais envolvidos. Em comparação com estudos epidemiológicos
realizados em outros países, os resultados aqui presentes obtiveram sincronia em alguns quesitos, como idade, local de manifestação
primária ou do sítio de metástase. Já quanto ao gênero dos pacientes envolvidos e às características histológicas, algumas divergências
foram detectadas. Conclusões: Ao avaliar condrossarcomas, o perfil populacional da região avaliada deve ser levado em consideração,
gerando variações nos levantamentos epidemiológicos obtidos.
UNITERMOS: Condrossarcoma, Neoplasia, Ortopedia, Pulmão.
ABSTRACT
Introduction: Chondrosarcomas correspond to 18% of malignant bone tumors and may present aggressive behavior in addition to a poor prognosis.
An up-to-date assessment of their characteristics and a review of the literature that deals with the subject are valuable. This work aims to demonstrate the
epidemiological and pathophysiological pattern of the cases of chondrosarcoma involved. Methods: Thirty-two patients diagnosed and followed up at the
São Lucas Hospital of PUCRS between 2004 and 2015 were included and their records were reviewed. Results: With a slight prevalence among women
(59.3% of the cases), the mean age was 53.5 years old. A fraction of 37.5% of the patients had metastases, whose main site affected was the lung. As for
the primary site, the iliac and long bones were the most involved. Compared with epidemiological studies conducted in other countries, the results reported here
were synchronized in some aspects, such as age, place of primary manifestation or site of metastasis. However, regarding the gender of the patients involved
and the histological characteristics, some divergences were detected. Conclusions: When assessing chondrosarcomas, the population profile of the evaluated
region should be taken into account, generating variations in the epidemiological surveys obtained.
KEYWORDS: Chondrosarcoma, Neoplasm, Orthopedics, Lung.

¹ Acadêmicos da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
² Especialista em anatomia patológica e citopatológica pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, chefe do Serviço de Anatomia Patológica e

Citopatológica do Hospital São Lucas (HSL), da PUCRS.
3 Especialista em anatomia patológica pelo Hospital Lazarotto, especialista em gastroenterologia pelo Hospital Santa Casa de Misericórdia de Porto

Alegre, professor titular da PUCRS.
4 Mestre em Cirurgia pela PUCRS e Médico Assistente do Grupo de Tumores Ósseos do HSL-PUCRS.
5 Especialista em cirurgia oncológica ortopédica pela Associação Brasileira de Oncologia Ortopédica e chefe do Grupo de Quadril e Tumores

Ósseos do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do HSL-PUCRS.

40 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 40-44, jan.-mar. 2017

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DOS CONDROSSARCOMAS – EXPERIÊNCIA DO SERVIÇO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA... Brito et al

INTRODUÇÃO Alegre, RS. Foram selecionados pacientes com diagnóstico
Os condrossarcomas correspondem a 18% das tumora- histológico (por biópsias) de condrossarcoma, confirma-
do pelo Departamento de Patologia da instituição entre os
ções ósseas malignas (1). Esse tipo de tumor ósseo caracteri- anos de 2004 e 2015. Após excluir do estudo os pacientes
za-se pela produção de tecido condroide e osso imaturo que cujos prontuários eram incompletos ou continham infor-
se prolifera através do estroma celular (5). Segundo a literatu- mações insuficientes, chegou-se ao número de 32 casos.
ra, essas neoplasias afetam mais comumente os homens em Todos os pacientes do estudo seguiram em acompanha-
uma proporção de 2:1 e, em geral, surgem a partir da quarta mento com os serviços de Ortopedia e/ou Oncologia do
década de vida (6), embora diversos estudos epidemiológicos Hospital São Lucas.
mostrem que esses dados podem variar. Com quatro subti-
pos histológicos (convencional, este podendo ser hialino ou RESULTADOS
mixoide; de células claras; desdiferenciado e mesenquimal), os Dos 32 pacientes com seus respectivos prontuários ava-
condrossarcomas podem, frequentemente, gerar metástases
e possuir um prognóstico reservado, sendo muito agressivos liados, 13 (40,6%) eram do sexo masculino e 19 (59,3%)
se maiores de 10 centímetros. O subtipo desdiferenciado, em do feminino. Entre os homens, cinco (38,4%) do total de
sua definição proposta pela Organização Mundial da Saúde 13 pacientes apresentaram metástases durante seu acompa-
(OMS), compreende um sarcoma altamente anaplásico, jus- nhamento médico. Já entre as mulheres, sete (36,8%) das
taposto a um condrossarcoma maligno de baixo grau ou bor- 19 pacientes apresentaram metástases. A Tabela 1 mostra
derline, ocorrendo uma transição abrupta entre os dois com- a graduação histológica dos casos avaliados. Já a Tabela 2
ponentes (14). Já para o subtipo mesenquimal, foi proposta, aborda o subtipo histológico das tumorações. Vale ressaltar
pela mesma entidade, a seguinte definição: “Um tumor ma- que os tumores desdiferenciados correspondem a 10% de
ligno, caracterizado pela presença de áreas dispersas de carti- todos os condrossarcomas, e o prognóstico, nesses casos,
lagem mais ou menos diferenciada, juntamente com tecido é ruim, tendo em vista o padrão agressivo que apresentam,
mesenquimatoso de células redondas ou células fusiformes, além da sobrevida de apenas 10% em dois anos se na pre-
altamente vascularizadas, em geral, com padrão hemangiope- sença de metástases (8). Tumores mesenquimais são mais
ricitomatoso”(14). O outro subtipo não convencional, o de raros e igualmente agressivos (8).
células claras, é definido como um tumor cartilaginoso raro
de baixo grau de malignidade, caracterizado por células re- Pela Tabela 3, tem-se as médias etárias dos pacientes
dondas com citoplasma visivelmente claro ou vacuolado, pela avaliados, separadas por graduação histológica e subtipo
OMS (14). Outra forma de classificar condrossarcomas é pela histológico. O único paciente que recebeu o subtipo de
graduação histológica. Variando entre G1 (baixo grau), G2
(grau baixo-intermediário) e G3 (alto grau), utiliza-se o pa- Tabela 1 – Graduação Histológica
drão citológico, como características nucleares ou a presen-
ça de calcificações na amostra, para se obter a tal graduação Graduação Histológica
(14). Em sua graduação G3, chegam a apresentar sobrevida G1 9 (28,1%)
de 43% em 5 anos (6). Para Evans et al, a sobrevida em cinco G2 12 (37,5%)
anos para os graus 1, 2 e 3 é de 90%, 81% e 43%, respectiva- G3 11 (34,4%)
mente. Quando se considera a sobrevida em dez anos, esses
números caem para 83%, 64% e 29% (7). Os condrossarco- Tabela 2 – Subtipo Histológico
mas são, portanto, uma condição com elevada morbimortali-
dade se não diagnosticados e tratados prontamente. Convencional Subtipo Histológico
Desdiferenciado 24 (75%)
OBJETIVO Mesenquimal 4 (12,5%)
Este estudo objetiva demonstrar o padrão epidemioló- Células Claras 3 (9,4%)
1 (3,1%)
gico e fisiopatológico dos 32 casos de pacientes portadores
de condrossarcoma atendidos no Hospital São Lucas da Tabela 3 – Idade (em anos)
PUCRS em Porto Alegre, RS, assim como comparar tais
dados aos fornecidos em trabalhos internacionais e nacio- Idade (em anos)
nais existentes.
Media geral 53,5 (27-79)
MÉTODOS G1 50,4 (27-69)
Este estudo foi conduzido no Serviço de Ortopedia e G2 52,5 (29-76)
G3 57,0 (31-79)
Traumatologia do Hospital São Lucas da PUCRS, em Porto

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 40-44, jan.-mar. 2017 41

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DOS CONDROSSARCOMAS – EXPERIÊNCIA DO SERVIÇO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA... Brito et al

Tabela 4 – Metástase Tabela 6 – Tratamentos realizados

Convencional Metástase Tratamentos realizados
Células Claras
Desdiferenciado 6 (50%) Ressecção + endoprótese 12 (40%)
Mesenquimal 1 (8,3%)
2 (16,7%) Apenas ressecção 9 (30%)
3 (25%)
Amputação 4 (13,3%)

Tratamento apenas paliativo 5 (16,7%)

Tabela 5 – Local da primeira lesão DISCUSSÃO
Ao comparar os dados coletados para este estudo com
Local da primeira lesão
os disponíveis na literatura e em estudos epidemiológicos
Crânio 1 realizados em outros países, pôde-se perceber diversas seme-
Ilíaco 7 lhanças e algumas divergências. No que se refere ao gênero
Tíbia 5 dos pacientes, este estudo observou uma discreta prevalên-
Fíbula 1 cia feminina, com 59,3% dos casos, muito semelhante ao
Fêmur 6 valor determinado por DelaGarza-Montano et al. em estudo
Úmero 7 realizado no México, o qual evidenciou o predomínio entre
Tórax 3 as mulheres com 56,6% dos seus pacientes (3). Em opo-
Escápula 1 sição, os estudos de Giuffrida et al. de 2009 (9), Rizo-Rios
Quirodáctilo 1 et al. de 2007 (10), Whealan et al. de 2011 (2) e de Hung
et al., de 2014 (1), demonstram achados epidemiológicos
Células Claras como diagnóstico tinha 49 anos de idade. compatíveis com um predomínio significativo entre os ho-
Já a média de idade entre aqueles pacientes portadores de mens. Já Tom Grotmol et al. sugerem aumento significativo
metástase foi de 53,4 anos. da incidência de condrossarcomas em mulheres entre 20 e
69 anos (aproximadamente 50% de aumento da incidência
No presente estudo, observou-se que, dos 32 casos, no período de 1986 a 2005, com valores variando de 0,17
12 apresentaram metástase a distância, correspondendo a para 0,27 caso por 100.000 habitantes nos Estados Unidos)
37,5% do total. Destes, três casos se apresentavam em G2 (4). No mesmo trabalho, não se observou aumento nas ta-
na graduação histológica e os outros nove em G3. A Tabela xas de incidência entre os homens no mesmo período (4).
4 demonstra o acometimento metastático nos pacientes em O estudo ainda associa tal aumento de casos femininos com
questão em uma subdivisão dentre o subtipo histológico. o advento dos anticoncepcionais orais e terapias de reposi-
Na Tabela 5, estão descritos os locais de acometimento tu- ção hormonal pós-menopausa (4). Dados como envelheci-
moral primário dos pacientes avaliados. Vale ressaltar que mento populacional, padrão de desenvolvimento nacional e
a descrição de “tórax” abrange tanto arcos costais quanto o uso de contraceptivos orais devem ser levados em conside-
o esterno. Outro dado de extrema importância avaliado ração em estudos complementares para que se possa traçar o
foi o local das metástases que os pacientes apresentaram. perfil epidemiológico quanto ao sexo dos pacientes portado-
O sítio mais acometido foi o pulmão. Presente em nove res de condrossarcoma na população brasileira.
dos 12 pacientes com implantes a distância, o órgão está
acometido em 75% dos casos. Outros locais com implan- A presença de metástases, quando comparamos os indi-
tes neoplásicos foram: recidiva óssea (três casos), pâncreas víduos de diferentes sexos no estudo, não chega a números
e retroperitônio (cada um com dois pacientes acometidos), significativos para que se possa determinar algum predo-
além do fígado, que teve lesão identificada em apenas um mínio. Homens apresentaram 38,4% de evolução para im-
paciente do estudo. plantes a distância, enquanto mulheres mostraram 36,8%
de incidência deste tipo de lesão.
Quanto ao tratamento, 30 pacientes foram manejados
pelo Serviço. Os dois pacientes restantes não possuíam Na literatura, não é relatada metástase no grau I, porém
registros de tratamentos realizados pelo HSL-PUCRS. A os graus II e III apresentam taxas de 10 e 71%, respectiva-
Tabela 6 mostra como foram abordados. Avaliando-se os mente (7). Já no presente estudo, os resultados se mostra-
prognósticos, pôde-se notar que quatro pacientes foram a ram um pouco diferentes: para o G2, 25% dos pacientes
óbito durante a internação na instituição. Outros 6 pacien- apresentaram metástases; já para os pacientes classificados
tes portadores de doença avançada também vieram a falecer, como G3, 81,8% deles tiveram este tipo de lesão a distân-
perdendo o seguimento terapêutico. Totalizando 10 mortes, cia. Tal divergência pode estar relacionada ao n pequeno
conclui-se que 33,3% dos 30 casos manejados pelo Serviço deste trabalho.
foram a óbito. Os demais pacientes seguem em acompanha-
mento ou tiveram seu acompanhamento já descontinuado. No que se refere à faixa etária dos pacientes estuda-
dos, a média geral foi de 53,5 anos de idade. Além disso,

42 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 40-44, jan.-mar. 2017

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DOS CONDROSSARCOMAS – EXPERIÊNCIA DO SERVIÇO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA... Brito et al

é possível observar médias ascendentes ao se comparar dentre os 11 pacientes com lesão a distância (13), gerando
os casos de diferentes graduações histológicas, com G1, uma proporção de 81,8%.
G2 e G3, apresentando resultados de 50,4, 52,5 e 57,0
anos de idade, respectivamente. DelaGarza-Montano et A respeito da decisão quanto à conduta terapêutica,
al. mostraram idade média de 49,22 (6-88) na população constatou-se um elevado percentual de pacientes aptos ao
mexicana (3), muito próximo aos resultados aqui descri- manejo cirúrgico com intenção curativa. Apenas 16,7%
tos. Entre os norte-americanos, Grotmol et al. sugeriram dos casos foram diretamente encaminhados para o trata-
um aumento da incidência desta patologia diretamente mento paliativo.
proporcional à idade dos pacientes, com um platô aos 65
anos de idade (4) , média mais avançada quando compa- CONCLUSÃO
rada com a encontrada no Brasil, provavelmente devido Ao se comparar os dados coletados para este estudo
à maior proporção de idosos naquele país. Na Inglaterra,
Whelan et al. afirmaram que, além de serem mais comuns com os disponíveis na literatura e em levantamentos epi-
após os 40 anos de idade, os condrossarcomas são raros demiológicos realizados em outros países, pôde-se per-
antes dos 20 anos (2), o que condiz com o panorama des- ceber que, em alguns aspectos, a amostra avaliada estava
ta dissertação, visto que o paciente mais jovem incluído em sincronia com os estudos já existentes e, em outros,
neste estudo tinha 27 anos no momento do seu diagnós- nem tanto. Dados vinculados a características populacio-
tico. Em estudo realizado em Taiwan, Hung et al. calcu- nais, como sexo e idade dos pacientes envolvidos, foram os
laram taxas de incidência de acordo com grupos etários. critérios de avaliação que mais obtiveram variações quan-
De 0 a 24 anos, a taxa de incidência foi de 0,45 caso por do contrapostas a dados de diferentes nações. Além disso,
milhão de habitantes desta faixa etária. De 25 a 59 anos, observaram-se significativas diferenças quanto à graduação
a taxa foi de 1,60 por milhão. Já em pacientes com 60 histológica ao comparar os dados obtidos aos fornecidos
anos ou mais, a incidência subiu para 2,37 casos por mi- por Björnsson et al. Tais resultados antagônicos podem ser
lhão, mesmo com um n inferior aos casos entre 25-59 atribuídos ao n pequeno e a possível viés de seleção do
anos que, naturalmente, equivalem a uma parcela superior presente estudo. O perfil populacional da região avaliada,
do número de habitantes deste país (1). Tais resultados que varia em faixa etária e nível de desenvolvimento huma-
encontram-se em sincronia com os achados encontrados no local, deve estar diretamente vinculado aos padrões de
em outros estudos de diferentes países. manifestação dos condrossarcomas.

Björnsson et al, em revisão de 338 pacientes em REFERÊNCIAS
1998, alegaram que, de acordo com a graduação histo-
lógica, 60,9% dos seus casos encontravam-se em Grau 1. Hung GY, Horng JL, Yen HJ, Yen CC, Chen WM, Chen PC, Wu
1, 35,3% em Grau 2 e 3,2% em Grau 3 (11) . Dos 32 HT, Chiou HJ. Incidence patterns of primary bone cancer in
pacientes que receberam graduação histológica pelo Taiwan (2003-2010): a population-based study. Ann Surg Oncol.
Departamento de Patologia da instituição, 9 (28,1%) 2014;21(8):2490-8.
receberam a graduação G1, 12 (37,5%) encontravam-se
no estágio G2, e 11 (34,4%) foram diagnosticados 2. Whelan J, McTiernan A, Cooper N, Wong YK, Francis M, Vernon
como G3. Embora em sincronia no que diz respeito S, Strauss SJ. Incidence and survival of malignant bone sarcomas in
à prevalência dos casos G2, o atual estudo observou England 1979-2007. Int J Cancer. 2012;131(4):508-17.
um volume maior de casos G3 e menor de pacientes
com graduação histológica G1, diferentemente do que 3. DelaGarza-Montano P, Villasenor EE, Dominguez RR, Lopez VM,
sugeriram Björnsson et al. Luna AA, Rodriguez AA, Cazares DG, Carlos A,Hernandez-Perez
AD, Bandala C. Epidemiological aspects of osteosarcoma, giant cell
Em uma breve avaliação sobre os sítios de acome- tumor and chondrosarcoma musculoskeletal tumors – experience
timento das lesões primárias e das metástases dos con- of the National Rehabilitation Institute, Mexico City. Asian Pac J
drossarcomas, este artigo demonstra que o tal tumor teve Cancer Prev. 2015;16(15):6451-5.
preferência em acometer ossos pélvicos, além dos longos.
Dentre os locais de foco primário da lesão observados, 4. Anfinsen KP, Devesa SS, Grotmol T. Age-period-cohort analysis
ilíaco, fêmur, tíbia, úmero e costelas compreendem 87,5% of primary bone cancer incidence rates in the United States (1976-
dos casos estudados. Tais dados estão em consonância 2005). Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2011;20(8):1770-7.
com o que descreve a literatura. Os sítios mais comuns
do esqueleto são os ossos da pelve (sendo o ílio o mais 5. Maes P, Brichard B, Vermylen C. Primary and secondary osteosar-
frequentemente envolvido), seguidos do fêmur proximal, coma of the face: a rare childhood malignancy. Med Pediatr Oncol.
úmero proximal, fêmur distal e costelas (8,12). O local 1998;30:170-4.
de acometimento metastático mais comum foi o pulmão,
com 75% dos casos de lesão a distância, achado muito 6. Robbins SL, Kumar V, Abbas AK, Fausto N, editors. Patologia:
próximo ao encontrado por Ozaki et al. em 1996, cujos bases patológicas das doenças. 8ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010.
pacientes com mestástase pulmonar somaram 9 casos,
7. Evans HL, Ayala AG, Romsdahl MM. Prognostic factors in chon-
drosarcoma of bone. Cancer. 1977;40:818-31.

8. Fletcher CDM, Unni KK, Mertens F, editors. World Health Or-
ganization classification of tumours – pathology and genetics of
tumours of soft tissue and bone. Lyon: IARC Press; 2002.

9. Giuffrida AY, Burguento JE, Koniaris LG. Chondrosarcoma in the
United States (1973-2003): an analysis of 2890 cases from SEER
database. J Bone Joint Surg Am. 2009;91:1063-72.

10. Rizo-Rios P, Colindres MIS, Pinon GV. Registro hospitalario de
cancer: compendio de cancer 2000-2004. Revincan. 2007;2:203-87.

11. Björnsson J, McLeod RA, Unni KK, Ilstrup DM, Pritchard DJ.
Primary chondrosarcoma of long bones and limb girdles. Cancer.
1998;83:2105-19.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 40-44, jan.-mar. 2017 43

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DOS CONDROSSARCOMAS – EXPERIÊNCIA DO SERVIÇO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA... Brito et al

12. Forones NM, Filho RJG, Tadokoro H, Freire CAR, Schor N,editor.  Endereço para correspondência
Guia de medicina ambulatorial e hospitalar de oncologia – UNI- Pedro Matzenbacher Brito
FESP/Escola Paulista de Medicina. São Paulo: Manole; 2004. Rua Cel. Gomes de Carvalho, 289
91.920-650 – Porto Alegre, RS – Brasil
13. Ozaki T, Hillmann A, Lindner N, Blasius S, Winkelmann W. Metasta-  (51) 3333-2424
sis of chondrosarcoma. J Cancer Res Clin Oncol. 1996;122(10):625-8.  [email protected]
Recebido: 17/7/2016 – Aprovado: 28/7/2016
14. Schajowicz F, Sundaram M, Gitelis S, McDonald DJ. Neoplasias ós-
seas e lesões pseudotumorais: patologia, radiologia, tratamento. 2ª
ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2000.

44 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 40-44, jan.-mar. 2017

ARTIGO ORIGINAL

Fatores associados à ressecção incompleta
do câncer não melanoma

Factors associated with incomplete resection of non-melanoma cancer

José Luiz Pedro Missio1, Anderson Ricardo Ingracio2, Maurício Carvalho2, Niandra Sartori2, Giovani Dani Benvenutti3

RESUMO
Introdução: Analisar fatores associados e taxa de positividade de margem cirúrgica após ressecção primária de Câncer de Pele Não
Melanoma (CNM). Métodos: Estudo transversal, quantitativo, realizado mediante a revisão de prontuários de pacientes submetidos
à ressecção cirúrgica de carcinoma basocelular (CBC) e espinocelular (CEC) de pele. Foram estudadas as seguintes variáveis: idade,
tipo de câncer, localização, diâmetro, variante histológica, presença de ulceração, presença e ressecção de lesões associadas e presença
de comprometimento de margens cirúrgicas. Resultados: Foram inclusos 183 paciente no estudo. Destes, 130 eram CBC (71%) e
53 eram CEC (29%). A taxa global de comprometimento de margem foi de 13,1%, sendo 21 CBC (16%) e 3 CEC (5,66%). Margens
cirúrgicas positivas estiveram mais associadas a lesões do tipo CBC (p<0,05) e em lesões localizadas em nariz e pálpebra (p<0,05).
Presença de ulceração, diâmetro das lesões e variante histológica não foram associadas a uma maior taxa de ressecções incompletas.
Conclusão: Nossa taxa global de ressecção incompleta de Câncer de Pele (CNM) apresenta-se semelhante ao encontrado na literatu-
ra. Lesões por CBC ou localizadas em nariz e pálpebra têm maiores taxas de positividade de margem após ressecção primária.
UNITERMOS: Não Melanoma, Margem Cirúrgica, Ressecção Incompleta.

ABSTRACT
Introduction: To analyze associated factors and surgical margin positivity rate after primary resection of Non-Melanoma Skin Cancer (NMC). Meth-
ods: A cross-sectional, quantitative study was carried out by reviewing medical records of patients submitted to surgical resection of basal cell carcinoma
(BCC) and squamous cell carcinoma (SCC) of the skin. The following variables were studied: age, type of cancer, location, diameter, histological variant,
presence of ulceration, presence and resection of associated lesions, and presence of surgical margins involvement. Results: 183 patients were included in
the study. Of these, 130 were BCC (71%) and 53 were SCC (29%). The overall rate of margin involvement was 13.1%, of which 21 were CBC (16%)
and 3 SCC (5.66%). Positive surgical margins were more associated with BCC lesions (p <0.05) and lesions located in the nose and eyelid (p <0.05).
Presence of ulceration, lesion diameter and histological variant were not associated with a higher rate of incomplete resections. Conclusion: Our overall
rate of incomplete resection of Skin Cancer is similar to that found in the literature. Lesions by BCC or located in the nose and eyelid have higher rates of
margin positivity after primary resection.
KEYWORDS: Non-melanoma, Incomplete Excision, Surgical Margin.

INTRODUÇÃO a pele ser um órgão extenso e heterogêneo, o câncer pode
Segundo estatísticas do Instituto Nacional do Câncer ser segregado em três principais linhagens: correspondendo
a 70% dos casos, o carcinoma basocelular (CBC); 25%, o
(INCA), o câncer de pele é a neoplasia maligna mais carcinoma espinocelular (CEC); 4% dos casos, o melano-
incidente em todo o Brasil. Basicamente, em decorrência de ma. Ao todo, estima-se que, em 2012, ocorreram ao redor

1 Médico pela Universidade de Caxias do Sul (UCS).
2 Cirurgião Plástico.
3 Médico.

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 45-50, jan.-mar. 2017 45

FATORES ASSOCIADOS À RESSECÇÃO INCOMPLETA DO CÂNCER NÃO MELANOMA Missio et al

de 130 mil novos casos, e destes, 91 mil tenham como diag- Muito frequentemente, antes da origem de um CEC,
nóstico histopatológico o CBC e 32 mil, o CEC. Sabida- aparecem lesões pré-malignas chamadas de ceratoses actí-
mente, o câncer de pele afeta com maior incidência os es- nicas. Elas podem involuir ou servir como substrato para
tados do sul do Brasil, em decorrência da origem histórica transformação maligna, haja vista que, em pessoas com
caucasiana da população, que, por não dispor de uma pro- múltiplas lesões dessa categoria, 6 a 10% irão evoluir com
dução de melanina tão acentuada, a qual confere foto-pro- algum CEC. As lesões mais agressivas do câncer se locali-
teção, se destaca em termos de alta incidência. Estimativas zam em face e pescoço, porém, possuem uma taxa de me-
para 2012 apontaram uma incidência de 78 casos para cada tástases em follow-up de 5 anos, na média de 5%. As lesões
100 mil habitantes no Rio Grande do Sul, e 110 casos/100 geralmente se configuram como pápulas ou placas, rígidas,
mil para Santa Catarina, a maior taxa do país (1). rosáceas, e ulceração pode estar presente (19).

O CBC experimenta um aumento de sua incidência O tratamento dos carcinomas cutâneos, como o CBC,
pelo mundo, ao redor de 10% ao ano (2-6), e figura atual- pode ser cirúrgico ou não cirúrgico. As técnicas cirúrgicas
mente como um dos cânceres que acometem o ser huma- incluem curetagem e cauterização (excisar o tumor e parar
no menos estudado até hoje (3). Sabe-se que a queimadura o sangramento com a cauterização), criocirurgia (com ni-
solar durante a infância ou adolescência é mais importante trogênio líquido) e a Microcirurgia de Mohs (procedimento
que o tempo cumulativo de exposição aos raios ultraviole- cirúrgico no qual o câncer é ressecado por camadas, com
ta, em termos de fatores de risco (2,4,7-8). Ainda, tipos de auxílio do microscópio). As técnicas não invasivas incluem
pele Fitzpatrick 1 e 2, ruivos, sardas na infância, histórico 5-Fluorouracil tópico, imiquimod tópico, radioterapia e
familiar de câncer de pele, sexo masculino, imunodeficiên- ácido betulínico (2). A principal vantagem da excisão cirúr-
cia decorrente de SIDA ou transplante de órgãos, expo- gica é que as margens da peça excisada podem ser histolo-
sição a arsênico e radiação ionizante, especialmente entre gicamente avaliadas se estão livres de doença, ou não (20).
pacientes que receberam radiação para acne figuram entre Não há indicações precisamente definidas, entretanto, mui-
outros possíveis fatores de risco para CBC (2,4,9-13). Estu- tos médicos indicam ressecção tumoral nessas condições:
do recente com 95 mil profissionais da saúde sugere que o
grupo sanguíneo não O (A, B e AB) teria menos chance de • 5 mm de diâmetro em áreas de alto rico (nariz, lábios,
desenvolver o CBC (14). O metabolismo lipídico (ingesta periorbital, face);
de altos teores lipídicos e perfil lipídico) foi cogitado para
interferir no desenvolvimento do CBC, porém, foi descar- • 1 0 mm de diâmetro em outras áreas da cabeça e do
tado categoricamente em estudos posteriores (15-16). pescoço;

O CBC é um tumor com características de crescimento • 20 mm de diâmetro em todas as outras áreas (excluin-
lento, indolor, mas com grande potencial de destruição lo- do mãos e pés). (21)
cal e altas taxas de morbidade. É uma neoplasia com raras
chances de metástases (16-18), entre 0,0028 e 0,55% (2). Os tumores grandes são mais bem tratados com a ex-
As áreas de maior aparecimento de lesões, entre 80 e 90% cisão cirúrgica ou pela cirurgia de Mohs. Tratamentos que
dos casos, são a cabeça e o pescoço (2,7,10,17). Os subtipos não controlam margens do tumor como a criocirurgia, a
mais prevalentes de CBC incluem o nodular, pigmentado, quimioterapia tópica e a radioterapia são associados com
superficial e metatípico. Há características clínicas específicas a recorrência tardia e mais extensa da doença (21). Oca-
para cada subtipo, contudo, a sensibilidade e a especificidade sionalmente, margens positivas podem ocorrer, apesar
são baixas, e o exame anatomopatológico para diagnóstico, da seleção apropriada dos tumores para excisão e o uso
requerido. O tipo nodular mais prevalente surge em forma adequado das margens. A maioria dos consensos da lite-
de lesão em cúpula, com bordas peroladas ou róseas, seme- ratura sobre o tempo de recorrência e a frequência em
lhante à do molusco contagioso, podendo ter sangramento que acontecem tem sido publicada por cirurgiões plásti-
ao centro da pápula e posterior cicatrização. O tumor cresce cos e gerais. A taxa de recorrência varia de 33% a 50%,
perifericamente, promovendo retração cutânea e telangiec- com variação de 18 a 24 meses (22). Porém, a decisão de
tasias; já o subtipo superficial se caracteriza por uma placa reintervir deveria ser comentada individualmente a cada
eritemato-escamativa bem delimitada e de bordas elevadas; a paciente, levando em conta as preferências do paciente, a
variante pigmentada apresenta-se com depósito de melanina idade, a saúde geral, a localização do tumor, dentre outros
e de bordas translucentes e elevadas; no entanto, o subti- fatores. Geralmente, uma reintervenção imediata é reco-
po metatípico não possui características bem definidas que mendada, pois o tumor residual pode crescer potencial-
permitam uma avaliação semiológica. mente para um tumor ainda maior que o original, fazen-
do com que seja necessária uma cirurgia maior do que a
Tanto quanto o CBC, o CEC está aumentando em ter- que seria necessária caso a reintervenção tivesse sido feita
mos de incidência. Em termos de fatores de risco já com- imediatamente (20, 22). Todavia, não há consenso sobre a
provados, figuram a exposição à radiação violeta como melhor decisão quando há margens histopatologicamen-
carcinógeno principal, infecção pelo vírus HPV (papiloma- te positivas. Alguns autores preferem acompanhamento
-vírus), xeroderma pigmentoso, arsênico, transplante de ór- clínico, outros, reintervenção com ampliação de margens.
gãos, imunossupressão e exposição à radiação ionizante (19). Paradoxalmente, em muitos casos, após exames histopa-
tológicos de lesão novamente ressecada, o tumor residual
não pode ser detectado (22).

46 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 45-50, jan.-mar. 2017

FATORES ASSOCIADOS À RESSECÇÃO INCOMPLETA DO CÂNCER NÃO MELANOMA Missio et al

Em se tratando da questão das margens cirúrgicas, a cirurgias de ressecção do carcinoma basocelular e as ca-
delimitação delas no câncer de pele deve levar em conside- racterísticas acerca da lesão. Essa situação ainda não foi
ração não só a delimitação clínica do tumor, mas também investigada em nosso meio, e merece atenção, visto que é
a presença ou não de estruturas anatômicas de importância bastante incidente, e não temos dados que descrevam se o
funcional ou estética na vizinhança do mesmo (23). No nosso serviço é eficaz no manejo dessa doença, caracterís-
caso do CBC, em que a maior parte das lesões ocorre em tica essa passível de intervenções futuras, porém, carente
face, a presença de lesões localizadas em nariz ou ao redor de evidências científicas que a determinem.
da órbita ocular deve ser avaliada levando em questão as
estruturas adjacentes, as quais podem causar sequelas inde- METODOLOGIA
sejáveis, se considerarmos apenas as margens de segurança
preestabelecidas (23-24). Não há consenso sobre as mar- Objetivos do Estudo
gens cirúrgicas mais adequadas em CBCs. Alguns autores Acreditamos que haja um número importante de
indicam margem cirúrgica de 4 mm, sempre que possível margens cirúrgicas comprometidas na ressecção primária
(2). Para CBCs nodulares bem definidos e de tamanho me- de câncer de pele não melanoma, e que variáveis a serem
nor ou igual a 2 cm, margens de 2 a 5 mm parecem ser ade- estudadas, como localização primária da lesão, diâmetro e
quadas. Margens de 10 mm ou mais podem ser necessárias tipo histológico, sejam possíveis associações que possam
nos casos de CBCs metatípicos, de lesões maiores de 2 cm, estar ligadas ao comprometimento das margens cirúrgicas.
lesões com padrão de crescimento histológico agressivo Delineamento do Estudo
(micronodular ou infiltrativo), CBCs superficiais ou lesões O presente se configura como estudo transversal,
recorrentes. No caso de lesões nodulares maiores de 2 cm, quantitativo, realizado mediante a revisão de prontuários
ocorre disseminação subclínica variável, o que impossibilita do Hospital Geral de Caxias do Sul. Como critérios
a criação de recomendações rígidas no que diz respeito às de inclusão, foram analisados todos os prontuários de
margens cirúrgicas adotadas para a ressecção (20). Também pacientes operados pelo serviço de Cirurgia Plástica do
vale a pena lembrar que as margens cirúrgicas não se refe- hospital, no período de janeiro/2003 a abril/2011, os quais
rem apenas às margens laterais dos tumores, mas também possuíram o diagnóstico anatomopatológico de carcino-
às profundas. A questão da profundidade ideal de excisão ma basocelular ou carcinoma espinocelular. Pacientes que
é importante nas lesões maiores, uma vez que é bastante possuíram dados incompletos foram excluídos do estudo,
incomum que pequenos CBCs primários penetrem os te- bem como portadores de Síndrome do Nevo Basocelular
cidos profundamente (20). Podem ser considerados fatores e laudos anatomopatológicos realizados sob a técnica de
de risco para o comprometimento de margens cirúrgicas congelação. A prevalência foi determinada com base no
após ressecção tumor maior de 2 cm e tipos histológicos número global de laudos anatomopatológicos de ressec-
infiltrativo e metatípico (24). A presença de margens com- ção de carcinoma basocelular e espinocelular em relação
prometidas, após a ressecção, não implica necessariamente aos que se apresentaram com margens comprometidas, no
doença recidivante, já que esses resquícios de tumor podem período respectivo do estudo. Para tanto, 183 laudos foram
ser destruídos pela reação inflamatória e reparativa cicatri- incluídos em nosso estudo.
cial, a qual ocorre após a cirurgia. Em um trabalho de Koçer Variáveis estudadas
et al, 50 pacientes com 57 CBCs foram tratados através de Serão analisadas as seguintes variáveis: idade, tipo de
excisão cirúrgica das lesões, e acompanhados por até dois câncer, localização, diâmetro, variante histológica, presença
anos após o procedimento. Foram utilizadas margens ci- de ulceração, presença e ressecção de lesões associadas e
rúrgicas de 2 mm a 20 mm, de acordo com o tamanho, a presença de comprometimento de margens cirúrgicas.
localização anatômica, e características macroscópicas das Depois, aplicar-se-ão testes estatísticos para, possivelmen-
lesões, sendo que excisões com margens cirúrgicas de 3 mm te, descrever associações entre estas e um maior número de
e 5 mm somaram mais de 50% dos casos. Das 57 lesões ex- comprometimento de margens cirúrgicas.
cisadas, 53 estavam livres de tumor residual, sendo que, das Para categorização estatística, dividimos a variável idade
4 lesões sem margens livres de tumor, 3 delas apresentavam em faixas etárias, quais sejam: < 45 anos; 45-50; 51-59; 60-
células tumorais na margem cirúrgica profunda. 69; 70-75; >75. A variável localização da lesão foi dividi-
da em: nariz; pálpebra; cabeça e pescoço; tórax; membros.
Alguns poucos trabalhos publicados na literatura se O diâmetro da lesão foi dividido em faixas: < 0,5 cm; 0,5-
prestaram a analisar associações entre margens cirúrgicas 1,0 cm; 1,1-1,5 cm; 1,6-2,0 cm; > 2,0 cm. As variantes his-
comprometidas após a ressecção do CEC e fatores de tológicas para o CBC foram: nodular, superficial, infiltrati-
risco. Em um estudo, determinou-se que cirurgiões mais
treinados possuem taxas de margens positivas menores
(25). Sexo masculino, grandes lesões e localização genital
e membros inferiores também podem estar relacionados a
um maior risco para excisão incompleta do tumor.

Dado o exposto, a pesquisa aqui proposta visa a
determinar a prevalência de margens comprometidas em

Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 45-50, jan.-mar. 2017 47

FATORES ASSOCIADOS À RESSECÇÃO INCOMPLETA DO CÂNCER NÃO MELANOMA Missio et al

vo, pigmentado, esclerodermiforme e metatípico. Já o CEC o teste qui-quadrado de Pearson. Será adotado nível de sig-
foi dividido em: bem, moderadamente e pouco diferencia- nificância (alfa) de 5%.
do; in situ; acantolítico.
Propriedade de Informações
Aspectos Éticos Como autor principal, temos a pesquisadora Niandra
Os princípios éticos fundamentais foram rigorosamente Sartori. Coautores, Giovani Dani Benvenutti, Daniel Bara-
respeitados no estudo, o qual foi submetido ao Comitê de zzetti e Andreia Klein. Como orientador, prof. Dr. Ander-
Ética em Pesquisa da Faculdade Nossa Senhora de Fátima. son Ricardo Ingracio.
Por se tratar de um estudo com coleta de dados de pron-
tuários, foi dispensada a necessidade do Termo de Con- RESULTADOS
sentimento Livre Esclarecido, e substituição do mesmo Entre os 183 pacientes, 111 (60,7%) eram do sexo mas-
pelo Termo de Compromisso para Utilização de Dados de
Prontuários Médicos, entregues ao Comitê de Ética. Ainda, culino e 72 (39,3%) do sexo feminino, com a maior parte
tendo em vista que os pesquisadores se comprometeram dos pacientes variando na faixa etária compreendida entre
em manter as informações colhidas em sigilo e por se tra- 60 e 69 anos.
tar de uma revisão de prontuários, a qual não oferta risco
imediato a outrem, não há nenhum malefício potencial aos Foram ressecadas 183 neoplasias, sendo 130 (71%)
sujeitos da pesquisa. O projeto foi aprovado, sob número do tipo CBC e 53 (29%) do tipo CEC. A localização das
CAAE - 0010.0.401.000-11. lesões e o comprometimento de margens cirúrgicas estão
Análises Estatísticas descritos na Tabela 1. Do total de lesões, obtivemos uma
A análise estatística foi feita com auxílio do programa prevalência global de 13,1% de margens comprometidas.
IBM SPSS® (Statistical Package for the Social Sciences) 19.0 for Em se tratando somente das 130 ressecções por CBC,
Windows (IBM, Chicago, IL, USA). Foram comparadas as obtivemos 21 (16%) lesões com margens comprometidas. 
variáveis analisadas com o comprometimento de margem
cirúrgica. Na análise simples, foi aplicado o teste T de Stu- Tabela 3 – Variante histológica e Comprometimento de margens
dent para a comparação das variáveis contínuas simétricas, cirúrgicas
e o teste U de Mann-Whitney, para as variáveis contínuas as-
simétricas. Na comparação entre proporções, foi realizado Subtipo Margens Margens
Comprometidas Livres
Tabela 1 – Localização das lesões e Comprometimento de margens Nodular 59
cirúrgicas Infiltrativo 11 23
Superficial 6 20
Local Margens Margens Livres Pigmentado 2 1
Comprometidas Esclerodermiforme 0 1
Nariz 29 Metatípico 1 2
Pálpebra 8 8 Pouco diferenciado 1 3
Cabeça e Pescoço 3 84 Moderadamente diferenciado 0 15
Tórax 11 16 Bem diferenciado 1 24
Membros 2 22 In situ 1 9
0 0

Obs.: Não houve significância estatística.

Obs.: Houve significância estatística entre o fato de a lesão estar localizada em nariz e pálpe- Tabela 4 – Lesões associadas e Comprometimento de margens
bra e a ocorrência de margens cirúrgicas comprometidas. (p<0,05) cirúrgicas

Tabela 2 – Idade de acordo com a faixa etária 17 Tipo da Lesão Margens Margens Livres
17 Comprometidas
< 45 anos 37 CBC 42
45-50 anos 32 CEC 12 10
51-60 anos 37 Ceratose Actínica 1 5
61-69 anos 43 Outras 1 11
70 75 anos Ausente 0 91
> 75 anos 10

Obs.: Não houve associação estatisticamente significante. Ainda, outras lesões são compos-
tas por nevo melanocítico, cisto infundibular e ceratose seborreica.

48 Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 61 (1): 45-50, jan.-mar. 2017


Click to View FlipBook Version
Previous Book
Be The Light by Sadhana Production
Next Book
Modul Materi Kata Kunci, Pubertas,dan Interval Nada