The words you are searching are inside this book. To get more targeted content, please make full-text search by clicking here.
Discover the best professional documents and content resources in AnyFlip Document Base.
Search
Published by Luiz Gabriel da Silva, 2019-05-17 10:32:21

Sociologia - Segmento 6_Novo

Sociologia - Segmento 6_Novo

APOSTILA DE SOCIOLOGIA
AULA 6

1

AULA 06 – CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS

Raça e etnia

A questão étnica na Sociologia.
Embora a categorização de indivíduos em

raça e etnia seja amplamente utilizada, tanto
em diagnóstico quanto na pesquisa científica,
seus significados são frequentemente
confundidos ou mesmo desconhecidos no meio
acadêmico.

Nas Ciências

Sociais, por

exemplo, existe

forte tendência e

entendimento sobre

o uso dela e suas

implicações sociais.

Ao longo da história,

é de conhecimento

Disponível em geral que o conceito
https://www.proenem.com.br
de raça foi

comumente usado

2

para segregar indivíduos e fortalecer
argumentos de ‘classes’ de seres humanos
melhores ou piores. Ainda que biologicamente
não existam fundamentos da separação dos
seres humanos em classes diferentes,
socialmente essa foi a base para tentar legitimar
o preconceito e a violência étnica, inclusive com
o uso de pseudociências, como a frenologia. No
frame abaixo, o personagem interpretado por
Leonardo DiCaprio explicita os pensamentos
supostamente científicos.

Disponível em http://www.shoujo-cafe.com. Acesso em 15 de maio, 19.

3

A maioria dos autores tem conhecimento

de que raça é um termo não científico que

somente pode ter significado biológico quando

o ser se apresenta homogêneo, estritamente

puro; como em algumas espécies de animais

domésticos. Essas condições, no entanto, nunca

são encontradas em seres humanos.

O genoma

humano é

composto de 25 mil

genes. As diferenças

mais aparentes(cor

da pele, textura dos

cabelos, formato do

nariz) são

determinadas por

um grupo Disponível em
insignificante de genes. https://www.novaescola.com.br

As diferenças entre um negro africano e um

branco nórdico compreendem apenas 0,005%

do genoma humano. Há um amplo consenso

entre antropólogos e geneticistas humanos de

4

que, do ponto de vista biológico, raças humanas
não existem.

A escravidão era vista como um fenômeno
natural das sociedades, pois as convenções
indicavam que o indivíduo oriundo do
continente africano era uma raça mais
preparada para o serviço braçal e a própria
servidão. Ainda que soe absurdo, durante
séculos essa forma de pensamento foi
perpetuada, sendo apoiada inclusive pela Igreja
Católica – que condenava a escravidão indígena,
mas buscava legitimar a negra, uma vez que
essa não poderia ser convertida ao cristianismo.

Mais recente e tão conhecido quanto, os
discursos nazistas e neonazistas ganharam força
no século XX e foram capazes de avançar no
tempo mesmo com a derrocada dos seus
principais líderes – conceitualmente, é o mesmo
racismo de antes, mas com uma roupagem
nova. A Ku Klux Klan nos Estados Unidos e o
fenômeno do Apartheid na África do Sul
(findado formalmente no início dos anos 90)

5

demonstram que as ideias segregatórias
perpetuam no imaginário popular.

Portanto, o termo ‘raça’ é, além de
legitimador de discursos cruéis, é reducionista
pois tende a compreender o ser humano pela
sua cor de pele.

O novo conceito, ETNIA, (“gentio”,
proveniente do adjetivo grego ethnikos) se
torna muito mais completo e coerente com o
que a racionalidade humana representa:
engloba questões culturais, geográficas,
políticas, sociais, religiosas entre outras que
expõe as raízes de um povo. Nessa linha, ser
negro (por exemplo) não é somente ser uma
pessoa com pele escura, mas descendente de
um povo com riquezas culturais ímpares e um
valor de nação diversa.

Histórico e classificação de raça

A primeira classificação racial dos homens
foi a “Nouvelle division de la terre par les
différents espèces ou races qui lhabitent” (Nova
divisão da terra pelas diferentes espécies ou

6

raças que a habitam) de François Bernier,
publicada em 1684.

Em 1790, o primeiro censo americano
classificou a população em homens brancos
livres, mulheres brancas livres e outras pessoas
(nativos americanos e escravos). Já o censo de
1890 classificou a população utilizando termos
como: branco, preto, chinês, japonês e índio.
Carolus Linnaeus (1758), criador da taxonomia
moderna e do termo Homo sapiens,
reconheceu quatro variedades do homem:

1) Americano (Homo sapiens americanus:
vermelho, mau temperamento, subjugável);

2) Europeu (europaeus: branco, sério,
forte);

3) Asiático (Homo sapiens asiaticus:
amarelo, melancólico, ganancioso);

4) Africano (Homo sapiens afer: preto,
impassível, preguiçoso).

7

As concepções acima descritas são
expressões estereotipadas de diversas
populações, com evidente tendência da visão
positiva sobre o povo europeu.

No Brasil, de acordo com o IBGE
(InstitutoBrasileiro de Geografia Estatística), o
censo demográfico do ano 2.000 investigou a
raça ou cor da população brasileira através da
autoclassificação em: branco, preto, pardo,

indígena ou amarelo.

8

Há muito na literatura a respeito de
classificações raciais; no entanto, são
contraditórias entre si. Uma recente pesquisa
comparou a exatidão da classificação de raça e
etnia através do autorrelato do indivíduo
questionado e a impressão do questionador.

Os resultados mostraram que a percepção
do questionador quanto à raça do entrevistado
era mais precisa para pretos e brancos,
enquanto em relação a outras raças, em muitos
casos, os questionadores tinham dúvidas a
respeito da raça do indivíduo e a classificavam
como “desconhecida”.

Assim, concluiu-se que a raça e/ou etnia do
indivíduo deveria ser obtida por autorrelato e
não a partir da opinião do questionador, pois a
classificação étnico-racial foi mais precisa
através da autoqualificação.

Etnia e Desigualdade.

Na primeira parte da apostila,
compreendemos o quanto um termo foi usado
ao longo da história e de diferentes maneiras,

9

para justificar práticas discriminatórias,
sobretudo contra o povo africano.

Nessa seção, vamos compreender que as
desigualdades étnicas são mais complexas que
a expressão do preconceito apenas. Há uma
estrutura social que foi montada ao longo da
história que causa um enorme prejuízo a
determinados segmentos da sociedade,
inclusive os grupos étnicos.

Sabemos que indígenas e negros são mais
vulneráveis à essas condições socioeconômicas
prejudicadas por questões que passam pela
cultura e chegam até nas posturas de governo
que impediam a ascensão dessas pessoas.

10

A tabela produzida pelo Instituto Brasileiro
de Geografia e Estatística (IBGE) demonstra que
a maioria das pessoas consideram que as
questões raciais podem influenciar sua
interação com a sociedade.

No estudo a seguir, percebemos um
aspecto do mercado de trabalho e das políticas
salariais que demonstram desigualdade.

O rendimento dessa faixa da população é
fundamentado também no acesso desses à

11

educação escolar – dos níveis mais
fundamentais à pós graduação. Menor acesso à
educação de qualidade acaba por resultar em
formação menor/pior e consequentemente a
ocupação de postos no mercado de trabalho de
serviços braçais e/ou com as menores
remunerações. Essa, por sua vez, influencia
diretamente o acesso à direitos fundamentais,
como saúde, educação, moradia, segurança
alimentar entre outros.

Conflitos étnicos.
Para entender melhor quais são os

conflitos étnicos e culturais na África,
vamos entender o que são conflitos étnicos
e o que são conflitos culturais:

Conflito étnico é um termo sociológico
para definir qualquer conflito de natureza
violenta, bélica, ou militar entre dois ou
mais grupos étnicos, grupos ou seja, de

12

pessoas de diferentes origens culturais,
religiosas, raciais ou geográficas.

Conflitos culturais nascem de questões
de disputa pelo poder, de sentido e de
questões econômicas que as culturas
produzem e diferentemente administram.

O continente africano é palco de uma
série de conflitos, consequência da
intervenção colonialista, principalmente
no fim do século XIX e início do século XX,
ou seja, faz pouquíssimo tempo. Esse
processo interferiu diretamente nas
condições políticas, econômicas e sociais
da população africana.

Como já vimos, a divisão territorial do
continente teve como critério apenas os
interesses dos colonizadores europeus,
desprezando as diferenças étnicas e
culturais da população local. Diversas

13

comunidades, muitas vezes rivais, que
historicamente viviam em conflito, foram
colocadas em um mesmo território,
enquanto grupos de uma mesma etnia
foram separados.

Novos países se formaram sobre a
mesma base territorial construída pelos
colonizadores europeus, desrespeitando a
cultura e a história das comunidades,
consequentemente inúmeros conflitos
étnicos pela disputa de poder foram
desencadeados no interior desses países.

Outro fator agravante para o
surgimento desses conflitos na África se
refere ao baixo nível socioeconômico de
muitos países e à instalação de governos
ditatoriais. E até crianças são forçadas a
odiarem os diferentes grupos étnicos.

14

São vários os conflitos no continente
africano, o que é pior, muitos deles estão
longe de um processo de pacificação. A
maioria é motivada por diferenças étnicas,
é o que acontece em Ruanda, Mali,
Senegal, Burundi, Libéria, Congo e Somália,
por exemplo.

Outros por disputas territoriais como
Serra Leoa, Somália e Etiópia; Também por
questões religiosas, é o que acontece na
Argélia e no Sudão.

Tudo isso é consequência das políticas
colonialistas dos países desenvolvidos, que
após sugarem a riqueza desse povo,
abandonaram o continente, tirando a
cultura do povo local.

Os conflitos raciais atualmente
persistem também em outros continentes.
No caso estadunidense, existem protestos
que ganham expressão off-line e online,

15

como o “Black Lives Matters”, (Vidas
negras importam, em tradução livre

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 Santos, Diego Junior da Silva, et al. "Raça

versus etnia: diferenciar para melhor

aplicar." Dental press j. orthod.(Impr.) 15.3

(2010): 121-124.

 RODRIGUES, Lucas de Oliveira. "Raça e

etnia"; Brasil Escola. Disponível em

<https://brasilescola.uol.com.br/sociologi

a/raca-etnia.htm>. Acesso em 15 de maio

de 2019.

 SOUZA, J. Raça ou classe? Sobre a

desigualdade brasileira. In. Revista Lua

Nova. São Paulo: CEDEC – USP, 2005, n. 65,

mai-ago. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sc

i_arttext&pid=S0102-

4452005000200003&lng=en&nrm=iso

16


Click to View FlipBook Version
Previous Book
Greenwood Guide
Next Book
17_May_2019_Essential_College_Info