The words you are searching are inside this book. To get more targeted content, please make full-text search by clicking here.
Discover the best professional documents and content resources in AnyFlip Document Base.
Search
Published by Carlos 8enrique86, 2019-05-30 14:05:17

Ed Física módulo 6 - Ginástica

Ed Física módulo 6 - Ginástica

Módulo 6 –
Educação Física

1

Módulo 6 – EDUCAÇÃO FÍSICA

GINÁSTICA

A ginástica é um Desporto que envolve a
prática de uma série de movimentos que
exigem força, flexibilidade e coordenação
motora. Ela se desenvolveu a partir dos
exercícios físicos que eram feitos pelos
soldados da Grécia antiga, incluindo
habilidades para montar e desmontar num
cavalo, e habilidades semelhantes às
executadas num circo. Naquela época, os
ginastas praticavam o esporte nus (gymnos
– do grego, nu), nos chamados gymnasios,
patronados pelo deus Apolo. O esporte só
voltou a ser retomado com ênfase no final
do século XVIII na Europa com a Escola
Alemã, de movimentos lentos e ritmados, e
com a Escola Sueca, que introduziu
aparelhos na prática do esporte.

2

A história da Ginástica confunde-se com a
história do homem. A Ginástica entendida
por Ramos (1982: 15) como a prática do
exercício físico “vem da Pré-história, afirma
na Antiguidade, estaciona na Idade Média,
fundamenta-se na Idade Moderna e
sistematiza-se nos primórdios da Idade
Contemporânea”. No homem pré-histórico a
atividade física tinha papel relevante para
sua sobrevivência, expressa principalmente
na necessidade vital de atacar e defender-
se. O exercício físico de caráter utilitário e
sistematizado de forma rudimentar era
transmitido através das gerações e fazia
parte dos jogos, rituais e festividades.

Na antiguidade, principalmente no Oriente,
os exercícios físicos aparecem nas várias
formas de luta, na natação, no remo, no
hipismo, na arte de atirar com o arco, como
exercícios utilitários, nos jogos, nos rituais
religiosos e na preparação guerreira de
maneira geral. Na Grécia nasceu o ideal da

3

beleza humana (corpos esculturais e
musculosos), o qual pode ser observado
nas obras de arte espalhadas pelos museus
em todo o mundo, onde a prática do
exercício físico era altamente valorizada
como educação corporal em Atenas e como
preparação para a guerra em Esparta. O
fato de ser Grécia o berço dos Jogos
Olímpicos, disputados 293 vezes durante
quase 12 séculos (776 a. C. 393 d. C.),
demonstra a importância da atividade física
nesta época.

Em Roma, o exercício

físico tinha como

objetivo principal a

preparação militar e

num segundo plano a

prática de atividades

desportivas como as

corridas de carros e

os combates de

gladiadores que

4

estavam sempre ligados às questões
bélicas. Recordações das magnificas
instalações esportivas desta época como as
termas, o circo, o estádio, ainda hoje
impressionam quem os visita pela
magnitude de suas proporções.

Ginástica competitiva

A ginástica é definida como forma de
exercícios sistemáticos e tem geralmente
propósito competitivo. A ginástica de modo
geral reúne as modalidades competitivas
reconhecidas pela Federação Internacional
de Ginástica, são elas: Aeróbica Esportiva,
Esportes Acrobáticos, Trampolim, Ginástica
Rítmica e Artística.
● Ginástica artística

A Ginástica Olímpica é um conjunto de
exercícios corporais sistematizados,
aplicados com fins competitivos, em que se

5

conjugam a força, a agilidade e a
elasticidade. A ginástica artística foi a
primeira ramificação da ginástica. É um
esporte que é realizado em aparelhos
oficiais. Requer força, agilidade,
coordenação, controle do corpo,
flexibilidade, equilíbrio, elegância e graça. A
ginástica olímpica baseia-se na evolução
técnica de diversos exercícios físicos. Para
os homens, as provas são: barra fixa, barras
paralelas, cavalo com alças, salto sobre o
cavalo, argolas e solo. As mulheres
disputam exercícios de solo (com fundo
musical), salto sobre cavalo (de 1,10 m de
altura, na horizontal), barras assimétricas
(de 2,30 m e 1,50 m de altura), e trave de
equilíbrio (de 10 cm de largura e 5 metros
de comprimento).

6

Aparelhos masculinos:

7

8

Aparelhos femininos:

9

Aparelhos femininos e masculinos: salto
sobre e o cavalo e solo

10

 Ginástica Rítmica

A ginástica rítmica é um esporte em que as
ginastas devem executar uma série que
combina elementos corporais e de dança
com o uso de um dos cinco aparelhos: arco,
bola, corda, fitas e maças. Nos Jogos
Olímpicos, a competição é disputada
apenas por mulheres, nas categorias
individual e em conjuntos. Na disputa
individual, as ginastas apresentam quatro
séries, uma com cada aparelho
estabelecido para a competição; na disputa
em conjuntos, cinco ginastas apresentam
uma série com um aparelho e uma série
com a combinação três mais dois. Uma
banca de arbitragem estabelece a
pontuação das atletas com base na
dificuldade da série, na sua execução e no
seu conteúdo artístico. A nota de dificuldade
depende dos elementos que compõem a

11

série; a nota de execução depende da
forma como o ginasta efetivamente realiza
os movimentos e a manipulação dos
aparelhos, com base na beleza artística, na
música e na sincronia das ginastas. Para
cada um dos aparelhos de apresentação,
são estabelecidos grupos corporais
obrigatórios que devem compor a série
(como saltos, rotações e equilíbrios) e tipos
específicos de manipulação do aparelho
(como lançamentos e recuperações,
balanceios e movimentos em oito). Durante
a apresentação dos exercícios, as ginastas
devem buscar utilizar todo o tablado e usar
os aparelhos como se fossem uma
extensão do próprio corpo. Caso a ginasta
saia da área de apresentação durante a
série ou lance o aparelho para fora da área
delimitada, ela recebe dedução em sua
pontuação.

12

13

 Ginástica de trampolim

A ginástica de trampolim é um esporte no
qual o ginasta deve executar uma série
ininterrupta de dez saltos acrobáticos em
um trampolim. Uma banca de arbitragem
estabelece a pontuação do atleta com base

14

na dificuldade da série, na sua execução e
no tempo que o atleta despende no ar,
chamado de tempo de voo. A nota de
dificuldade depende da composição dos
elementos que fazem parte da série e a nota
de execução depende da forma como o
ginasta efetivamente realiza os movimentos
no trampolim. Além disso, o tempo de voo,
medido por um aparelho eletrônico,
completa a avaliação do ginasta. Presente
na competição desde os Jogos Olímpicos
de Sidney 2000, a ginástica de trampolim
conta com os eventos individual feminino e
individual masculino. Na etapa
classificatória, cada atleta deve apresentar
duas séries de dez elementos, uma
obrigatória, com elementos pré-
estabelecidos, e uma série livre, na qual os
elementos da série obrigatória não podem
ser repetidos. Os oito atletas com a maior

15

somatória se classificam para a final, onde
executam uma nova série livre.

16

Ginástica não competitiva
- Ginástica Circense: consiste em exercitar
movimentos de flexibilidade poucos
comuns e geralmente é mais usado em
espetáculos de circo;

- Ginástica cerebral: praticada através de
exercícios e movimentos coordenados do
corpo que, executados de maneira
apropriada, acessam e estimulam partes
específicas do cérebro;

- Ginástica laboral: geralmente praticada
no ambiente de trabalho para funcionários,
durante o horário de trabalho, para se
evitar lesões de esforços repetitivos;

17

- Ginástica localizada de academia: são os
exercícios feitos em academias que ajudar
o condicionamento físico e também
emagrecer e para alguns também o
fortalecimento muscular.
Hidroginástica: melhora a capacidade
aeróbica e cardiorrespiratória e como o
nome já diz é uma ginástica praticada na
agua;

18

19

 Ginástica para todos

De acordo com as informações da
Confederação Brasileira de Ginástica a
“Ginástica Para todos" é uma modalidade
bastante abrangente que, fundamentada
nas atividades ginásticas, valendo-se de
vários tipos de manifestações, tais como
danças, expressões folclóricas e jogos,
expressos através de atividades livres e
criativas, objetiva promover o lazer
saudável, proporcionando bem estar
físico, psíquico e social aos praticantes,
favorecendo a performance coletiva,
respeitando as individualidades, em
busca da auto superação pessoal, sem
qualquer tipo de limitação para a sua
prática, seja quanto às possibilidades de
execução, sexo ou idade, ou ainda quanto
à utilização de elementos materiais,
musicais e coreográficos, havendo a
preocupação de apresentar neste

20

contexto, aspectos da cultura nacional,
sempre sem fins competitivos."

21


Click to View FlipBook Version
Previous Book
IRWA Chapter 1 Past Presidents Luncheon
Next Book
Biblical extension