The words you are searching are inside this book. To get more targeted content, please make full-text search by clicking here.
Discover the best professional documents and content resources in AnyFlip Document Base.
Search
Published by elita.bertoldo, 2021-10-23 14:34:18

Livro de contos árabes 5ºanoE

5ºE- contos árabes

1


2

Apresentação

No projeto “Nas noites árabes” os alunos entraram em contato com
diferentes contos árabes e analisaram suas características, ampliando seu repertório
de contos conhecidos.

Conhecer diferentes culturas é importante para quem está tratando de
entender o mundo em que vive. Desta forma, este trabalho permitiu aos alunos
perceberem que diferentes costumes e valores têm sua razão de ser em
determinados contextos históricos e sociais. Ampliaram assim, a visão sobre o
mundo e aprenderam a respeitar tais valores.

Aos alunos, foi contada a história de Sherazade, esposa do sultão mais
temido da literatura, porque se casava e matava a esposa no dia seguinte. Quando
chegou a vez de Sherazade, ela, muito esperta, começou a lhe contar histórias, uma
por noite, interrompendo a narrativa no momento mais curioso. Assim, ele acabava
por não matá-la, pois queria ouvir o final no dia seguinte. Isso durou mil e uma
noites...

O desafio dos alunos foi produzir mais um conto que poderia integrar esta
coletânea, considerando as características deste gênero narrativo.

Em paralelo, realizaram leituras a respeito dos lugares, povos árabes,
cenários, personagens, com vistas à ampliação do universo cultural e
contextualização das narrativas, além de valorizarem a oralidade como forma de
transmissão de saberes por meio de seus belos contos.

Este livro de contos de autoria é o resultado desse trabalho. Embora os
contos tenham sido objeto de inúmeras revisões e aprendizagens, estão
preservadas as características próprias da escrita nesta fase, representando os
avanços dos alunos até aqui.

5º ano - 2021

3

4

Introdução

Passadas mil e uma noites desde que Sherazade começou a contar suas
histórias ao sultão Shariar, ele, muito desanimado por achar que não escutaria mais
os contos, perguntou se ela ainda tinha histórias para lhe oferecer.

̶ Senhor, tenho sim mais algumas histórias para lhe entreter, apenas
esqueci-me de contá-las anteriormente. Vejo que estás convencido de não matar
mais tuas mulheres. É verdade?

̶ Sim, é verdade. Suas histórias me ensinaram lições de vida. Agora sei que
estava sendo egoísta quando matei tantas mulheres. Sinto-me culpado pelos meus
atos. Quero continuar ouvindo suas maravilhosas histórias, que tanto me encantaram.

̶ Tenho aqui algumas histórias contadas por pessoas muito especiais na
minha vida, que sei que me acompanharam em todas essas noites que passamos
juntos. Vou contá-las agora, então.

Com essas palavras, Sherazade iniciou sua primeira narrativa...

5

6

Sumário

Os três ladrões e o encantamento do reino ………………………………..………8
A princesa sequestrada …………………………….…………………………..…….13
Califa e a caverna dos gênios…………………………………………………..…….14
O sultão e sua princesa …………………………………………………………........17
Os dois gênios e Altair ………………………………………………………….....….19
A princesa e o colar mágico …………………………………………………..…..….22
O gênio artesão ……………………………………………………………………..….23
Morgiana e o roubo da bola de cristal ……………………………………………..25
Uma apenas ……………………………………………………………………………..27
Aisha e a gangue ……………………………………………………………………....29
O rei e sua gênia………………………………………………………………………...31
A garota encantadora ………………………………………………………………...34
Saad Ali Muhammad, Morgiana Dinazard e o Djinns ……………….……………35
O retorno do pássaro falante ……………………………………………………….38
Tijolo, lampião e os brincos ……………………………………………………..….40
A princesa e a lâmpada ……………………………………………………………...42
A luta de Mima……………………………………………………………………...….44
O anel mágico ………………………………………………………………………...46
A luneta mágica ……………………………………………………………………....48
A princesa e os elementos mágicos ……………………………………………...50

7

Os três ladrões e o encantamento do reino

Clara Buso da Silva Pereira

Ao anoitecer, Dinazarde bateu na porta do quarto do sultão e de sua irmã
Sherazade, e perguntou:

- Por deus, maninha, se não estiver dormindo, será que poderia contar uma
de suas belas histórias?

Sherazade perguntou ao sultão se ele deixaria, pois seria uma história nova.
Ele falou:

- Se é uma história nova, então eu permito.

- A história se chama Os três ladrões e o encantamento do reino.

Há muito e muito tempo, em um reino muito distante, em Bagdá, havia um
menino chamado Cassim e ele vivia com o seu único amigo que era na verdade um
papagaio chamado Alí.

Todos adoravam ele, quase sempre lhe davam comida e cobertores para não
passar frio e fome em sua pequena e gelada casa.

Um dia, Cassim foi passear na rua e viu ladrões tentando roubar uma coisa
muito importante para o reino, ao tentar impedir os ladrões acabaram pegando ele e
o seu pássaro e os colocaram em um saco.

Um tempo depois, os ladrões o jogaram no meio do deserto. Cassim o agarrou
e um deles falou em um berro:

- Hassan, cuidado para não cair do cavalo!!!

O menino desesperado por não ter comida e principalmente água para beber
foi caminhando. Sem prestar atenção no caminho, pisou em um colar, e quando o
pegou estava cheio de areia e Cassim passou o dedo. Era uma jóia azul brilhante e
majestosa. Quando ele esfregou duas vezes, um grande cachorro preto saiu dele e
disse:

- Quem ousa interromper a soneca de Hussen? Eu estava tendo um sonho
muito maravilhoso, em que fui escolhido para ser o bichinho mágico de estimação
da princesa e você me interrompeu. Porque você tá me olhando assim? Eu estava
tomando sopa, tem sopa no meu focinho?

Ele se aproximou do rosto do menino e Cassim disse:

- Sai fora!!! Quem é você? - perguntou Cassim espantado.

- Eu so um gênio. Nunca ouviu a história do Alladin e o gênio da lâmpada?

8

O menino não falou nada.

- Não ? Nada? Esquece!!! - disse o gênio.

- Você tem quatro desejos, deseje com atenção. Não pode me pedir para
alguém amar você. Pegue este livrinho porque você não me conhece - continuou o
gênio.

O menino leu a história do livrinho que o gênio o deu, onde explica o que é um
gênio, já que o menino não sabia o que era.

- Então você é mágico?

- Você tá me zuando, né?! Não aprendeu nada com o livrinho que eu te dei!

- Só aprendi que você tem que me conceder 4 desejos e que você não pode
forçar ninguém a me amar.

O gênio e o menino ficaram conversando enquanto na aldeia onde Cassim
morava todos estavam preocupados com o desaparecimento do menino, e
impressionados com a coragem de impedir os ladrões de roubar a jóia mais
importante do reino de Bagdá.

Quando Cassim já tinha entendido um pouco da história dos gênios, o incrível
cachorro mágico perguntou se ele já tinha um desejo. O menino falou que achava
que sim então:

- Eu desejo que você me leve de volta para a minha casa.

- Desejo feito. Puf!

Uma fumaça surgiu e o menino estava na casa dele num piscar de olhos. O
gênio disse:

- Cassim, agora serei sincero. Esta casa é muito gelada.

- Pegue estes cobertores. O pessoal me dá esses cobertores, as noites aqui
são bem frias mesmo.

- Quer algo para comer ou beber? Hoje me deram tâmaras, quibes, água e
suco.

- Cassim posso lhe fazer uma pergunta?

- Mas é claro, Hussen.

- Se o povo não te desse nada disso, como você acha que sobreviveria?

- Eu não sei de verdade meu amigo, às vezes eu acho que eu tenho muita
sorte em o povo me dar todas essas coisas e gostarem de mim, se não eu estaria
perdido nas ruas de Bagdá.

9

- Nossa, você sabe se expressar bem, amigo.

- Agora vamos dormir para ter muita energia amanhã.

Enquanto isso, em uma caverna bem distante no deserto, os ladrões Hassan,
Sadi, e Saad, estavam procurando o que roubaram e então perceberam que quando
jogaram o menino no deserto seu objeto foi junto. Era um colar de pedra azul.
Quando voltaram ao local, o menino tinha desaparecido. Desconfiaram que o
menino já tinha passado o dedo na joia do colar e pedido ao gênio para voltar para
o lugar onde morava, mas eles não sabiam onde o menino morava.

No dia seguinte, os ladrões se disfarçam e perguntaram para um mercador
onde Cassim morava e então o mercador perguntou:

- Quem é você?

Então um dos ladrões falou:

- Eu sou um dos primos de Cassim.

Hassan, que depois de muito tempo de viagem queria visitar seu primo
querido, o mercador, nem desconfiou e falou que ele morava em uma casinha
minúscula no final da rua. Então, Hassan agradeceu e foi até lá. Deu a sorte de
Cassim não estar em casa, e viu que ele tinha deixado o colar em cima da cama,
pegou o objeto e foi embora.

Quando Cassim voltou não estava achando seu colar, revirou a casa inteira e
foi até a rua e o mesmo mercador falou:

- Por onde andou Cassim? Todos estavam preocupados com o seu
desaparecimento neste bairro. Como foi a visita de seu primo Hassan?

- Que primo? Não tenho primo chamado assim... o que você disse? Você disse
Hassan?

- É! Um homem que passou aqui e falou que era seu primo.

- Ali Hassan era o nome de um dos ladrões que me sequestrou quando eu
tentei impedir o roubo de um colar que era mágico. Ai meu Alá! Ele pegou meu
colar.

Enquanto isso, os ladrões usavam o colar.

- Muito bem, Hassan, agora o esfregue.

- Tá bom meu irmão tenha calma.

Então Hassan esfregou o colar e o gênio saiu de dentro dele.

- Oi, Cassim precisa de mim. Espera um pouco … Você não é o Cassim!

10

- Gênio, não me faça esperar, quero fazer meu primeiro desejo.

- Como quiser, mestre.

- Quero que coloque um feitiço em todo o reino para que todos me obedeçam
e para eu ser rei de toda Bagdá.

- Seu desejo é uma ordem mestre, pronto seu desejo se tornou realidade.

Mas o gênio não havia feito em todos do reino, pois não enfeitiçou Cassim e a
princesa. Logo que os três ladrões foram embora para ver se o gênio tinha feito o
seu trabalho direito, o menino entrou na caverna e tomou o seu pertence de volta,
esfregou o seu dedo na jóia, o gênio saiu e disse:

- Ao seu dispor mestre.

- É você! Que bom , Cassim. Aquele homem já estava me assustando!!!

- Hussen, você tem que falar para mim com muita sinceridade. Eles fizeram
algum desejo?!!!

- Sim, Cassim. Eles desejaram um encantamento para o povo do reino fazer
tudo que eles quiserem, para então a princesa se casar com o mais velho e virar rei,
mas eu livrei você e ela do feitiço, senão ele iria conseguir, então não temos muito
tempo até eles perceberem que a princesa não está enfeitiçada. Temos que ir
depressa para você desejar desfazer o feitiço no reino, vamos logo para sair dessa
caverna, está me dando arrepios!

- É, vamos ir embora e chegar antes deles.

Então, eles chegaram no palácio antes dos ladrões e foram falar com a
princesa sobre o que estava acontecendo. Ela entendeu tudo e se juntou a eles
para lutar contra os vilões. Logo em seguida, os ladrões entraram no palácio já
sabendo que tinham roubado o seu colar e que as pessoas estavam no local onde
ele estava. Encontraram-se no meio do pátio do palácio, com o feitiço os ladrões
tinham chamado os guardas.

Para iniciar, o gênio fez a magia contrária pelo desejo do menino e então os
guardas capturaram o mais novo, o Saad. Depois, a princesa pegou um dos vasos
que havia no lugar e jogou na cabeça do Sadi. Por último, Hassan pegou uma das
espadas de uma estátua de metal e começou a batalhar com Cassim. O grande
vilão feriu o braço de Cassim, mesmo assim, usando apenas o braço direito, Cassim
conseguiu vencê-lo, então os três foram presos.

Cassim usou o seu terceiro desejo e pediu ao gênio que tudo voltasse ao
normal. Então todas as pessoas pararam de seguir as ordens de Hassan.

Saiu em todos os jornais a notícia que o incrível menino pobre, porém corajoso
e o mais adorado pelo público, conseguiu não só batalhar, mas também vencer e

11

prender os três vilões mais procurados. O herói de Bagdá também foi pedido em
casamento pela princesa.

Quando Cassim foi fazer o último pedido ele falou exatamente assim:
- Hussen, eu me diverti tanto com você que meu último desejo é que você vire
meu animal de estimação mágico e da princesa como no seu sonho de quando eu
te conheci.
- Nossa, Cassim, muito obrigado mesmo por se importar tanto comigo.
Então... desejo concedido! Eu sou seu novo animal de estimação.
Rompeu a aurora e Dinazarde disse:
- Nossa maninha, mas que história emocionante.
- Se gostou dessa, espere só pela próxima.

12

A princesa sequestrada.

Davi Cardoso

- Por favor, irmã, conte uma de suas belas histórias - disse Dinazarde.

Sherazade aceitou e começou a contar a história.

Em um belo dia, uma princesa que vivia presa em seu castelo decidiu sair
para brincar escondida, pois seu pai não a deixaria. Mas uma coisa que a princesa
não esperava, é que ela seria sequestrada.

O Sultão chamou um homem bem simples que se chamava Nasrudin, o rei o
ameaçou dizendo que, se ele não achasse a princesa Aisha, ele iria o matar, então
Nasrudin foi a procurar.

Quando já estava andando por muito tempo no deserto, Nasrudin encontrou
um camelo e do lado do camelo uma bússola, mas era uma bússola mágica, que
apontava onde a princesa estava. Ele pegou sua mochila, montou no cavalo e
seguiu a sua rota. A bússola estava apontando para uma floresta, e para entrar, teve
de deixar seu camelo.

Nasrudin andou por um tempo e achou um obstáculo, pois deparou-se com
um caminho de cobras, pegou um graveto, duas pedras e fez fogo, jogou o fogo nas
cobras e passou por elas.

Havia uma caverna onde a princesa Aisha estava presa, onde estava
também o homem que sequestrou a princesa. Ele pegou um facão, cortou a jaula de
bambu, salvou a princesa e juntos voltaram para o palácio.

O sultão decidiu fazer um banquete de boas vindas para a princesa, no
banquete tinha quibe e esfiha.

O Sultão achou que o
Nasrudin era digno de se
casar com a princesa, então
os dois se casaram.

Sheherazade falou:

- Essa história
acabou, mas a história de
amanhã vai ser muito legal
igual essa.

13

Califa e a caverna dos gênios

Eduarda Micheletti

Na noite seguinte, Dinarzade disse à irmã quando foi para cama com o
Shariar: “Por Deus maninha, se não estiver dormindo, conte uma de suas belas
histórias”. Disse Sherazade “Só se o sultão deixar”. O Sultão disse: “Sim”.

Tudo começou há muito tempo atrás, com um homem chamado Califa. Ele e
sua família eram pobres, e tentavam de tudo para conseguir uma vida melhor. Um
dia, enquanto Califa estava tentando conseguir dinheiro, viu dois homens
conversando sobre uma caverna cheia de obstáculos, armadilhas, desafios e
gênios! Também falaram que dentro dela havia um anel, mas não era um anel
comum… Era um anel que dava o poder de liderança. Na hora que Califa ouviu
“liderança” já ficou animado e foi para casa correndo falar para sua família sobre o
que ouviu.

Depois que falou para sua família todos gostaram da história, porém eles não
entenderam aonde Califa queria chegar.

Então ele explicou:

- Com esse anel nós podemos ficar ricos e liderar o reino!

- Mas como? Esse anel deve ser impossível de conseguir - disse a mãe dele.

- Impossível não é! Mas difícil deve ser…- disse o Califa desanimado.

O menino ficou com isso na cabeça a tarde inteira, não prestava atenção em
nada, só ficava pensando no anel… Na hora de dormir, ele teve a brilhante ideia de
fugir e ir até a caverna onde o anel ficava, pegou suas coisas, se arrumou, pulou
sua janela e foi caminhando lentamente até o rio onde tinham canoas para ele ir até
o anel.

Quando chegou no rio, encontrou um homem que só tinha um olho e uma
perna de madeira. Quando Califa o viu, ficou assustado, mas tomou coragem
porque parecia que o homem estava dormindo. Quando foi pegar a canoa que
estava logo atrás do homem… Ele tocou em Califa e falou:

- Ei, ei, ei pode ficar bem paradinho aí - falou o homem.

Califa ficou assustado, porém falou o porquê ele tinha que esperar.

O homem então respondeu:

- Ora bolas! Você não viu a placa? Está escrito que precisa pagar - disse o
homem.

14

- Me desculpe, senhor, não olhei. E ainda mais, eu estou sem dinheiro…
Você poderia abrir uma exceção?

Depois de insistir muito o homem então falou:

- Ok, ok! Mas eu que irei levá-lo.

Califa então aceitou e sentaram-se os dois na canoa, pegaram os

remos e a corda. Quando já estavam prontos para ir, o homem pediu para Califa
falar onde seria o local que ele queria ir. Então Califa o respondeu:

- Ah, na verdade tinha me esquecido, me desculpe. Vou para a caverna dos
gênios.

O homem derrubou os remos no chão assustado e falou:

- Você deve ser muito corajoso, menino.

- Por que senhor?

- Você não sabe?

- O que? Claro que eu sei que tem muitos obstáculos e…- disse o Califa
sendo interrompido pelo homem.

- Não meu jovem, não é isso. Vou te contar uma coisa…Parece que não, mas
vários jovens como você tentaram ir lá para conseguir o anel e nunca mais voltaram!
Ninguém sabe o que aconteceu, se morreram ou se se perderam.

Califa ficou com medo, mas falou que conseguiria, e seria o primeiro homem
a passar pelos obstáculos e chegar lá.

Então assim eles seguiram o caminho sem olhar para trás. Assim que
chegaram, amarraram uma ponta da corda no barco e a outra ponta em um tronco.
Califa deu de cara com a caverna e tomou o maior susto. A caverna era maior do
que ele imaginava, mas tomou coragem, deu tchau para o homem e entrou na
caverna. Quando entrou lá, se deparou com pedras voadoras, uma longe da outra e
percebeu que ele chegou ao primeiro desafio.

No desafio 1 Califa tinha que pular de pedra em pedra. Este era o desafio do
gênio do Nojo, pois os gênios tinham humores! Califa achou moleza mas o
sentimento não era nada bom, já que o gênio colocou comidas nojentas nos
obstáculos. Ele quase vomitou, mas conseguiu e assim passou para outra.

Na próxima fase, haviam dois gênios: O da alegria e o da raiva, nesta fase os
obstáculos iam caindo e era necessário ir correndo! Os sentimentos de raiva e

15

alegria vão disputando. A raiva vai tentar fazer você desistir e a alegria o contrário.
Califa quase desistiu mas ele conseguiu passar para última fase.

No último desafio foram TODOS repetindo TODOS os gênios e atrapalhando
ele, pois na última fase o anel ficava em uma pedra atrás dos gênios. Havia
chegado a hora da vitória! Califa levou alguns socos e chutes mas...Ele conseguiu!
Pegou o anel e saiu correndo! Mostrou para o homem e ele não acreditou:

- Meus parabéns garoto!-disse
- Obrigada senhor - falou Califa agradecendo.
E assim eles voltaram para casa e o jovem surpreendeu a todos. Depois
disso, ele virou o rei e conseguiu salvar sua família!
Então a aurora alcançou Sherazade e ela parou de falar. A mente do rei
Shariar ficou ocupada com o restante da história e, nessa primeira manhã,
Dinazarde disse à irmã: “Como são belas e espantosas as suas histórias!”.
Respondeu Sherazade: “Isso não é nada perto do que vou contar na próxima noite,
caso eu viva e este rei me poupe. A continuação da história é melhor e mais
espantosa do que o relato de hoje”. E o rei pensou: “Por Deus que eu não a matarei
até escutar o restante da história. Mas na próxima noite eu a matarei”.

16

O sultão e sua princesa

Felipe Naranjo

Há muitos anos, no palácio de Bagdá, vivia o sultão Habbib, cansado de se
sentir muito sozinho, começou a procurar uma noiva para se casar. Só que ele tinha
um problema, ele era horroroso, feio e muito gordo. Ele passava o dia todo
comendo esfiha, kibe, charuto de folha de uva, homus e todas as comidas árabes
que traziam pra ele.

Ele ficava muito sozinho e muito triste, para que ninguém percebesse, ele
demonstrava uma maldade para que os outros tivessem medo dele, mas logo
depois ele se arrependia.

Ele pediu a Alá para arrumar uma noiva que gostasse da verdade dele.

Todos os dias aparecia uma pretendente, mas o sultão percebia que todas queriam
saber só do dinheiro dele. Até que um dia, o sultão pediu tanto que Alá mandou uma
lâmpada mágica. Ele abriu a lâmpada e dela saiu o gênio Hassam, que viu a tristeza
e a bondade por trás da feiura do sultão.

O Sultão pediu para o gênio um grande amor, mas o gênio exigiu uma
condição. Queria que ele fosse bondoso com o povo e que parasse de reclamar.

Ele aceitou e a partir daquele dia abriu a porta do palácio para distribuir
esfihas e kibes para o povo, depois disso ele foi ficando feliz com a sua atitude e viu
que era mais importante ser querido do que ser temido.

Depois de meses, o sultão ficou
contente por ver o povo feliz e nem percebeu
que todos os dias a filha do sapateiro ia no
palácio e ficava encantada com a bondade
dele, o nome dela era Jasmine.

Certo dia, eles se encontraram dentro
do palácio e ela agradeceu ao sultão por tudo
o que ele fazia pelo povo.

O sultão ficou muito feliz por ela ter
falado aquilo, mas ficou mais feliz ainda por ela
ter olhado pra ele com carinho apesar de sua
aparência monstruosa.

Dias depois, o sultão convidou ela para
jantar no palácio, e ela foi. Nessa noite eles se
apaixonaram. O gênio Hassan sempre vendo
tudo, viu que o sultão cumpriu suas condições.

17

Em uma determinada noite, o sultão pediu Jasmine em casamento e ela
aceitou. Fizeram uma festa no palácio em Bagdá, e o gênio Hassan transformou o
sultão Habbib em um lindo príncipe, alto e forte, e eles tiveram muitos filhos.

E assim termina essa história, o sultão Habbib e Jasmine foram felizes para
sempre.

18

Os dois gênios e Altair

Felipe Sato

Certo dia, um homem chamado Hassan estava em uma venda, achou
algumas esfirras e disse:

- Quanto custa uma esfirra de frango?

E o vendedor chamado Ferdinando disse:

- Mas essas esfirras são mágicas!

Hassan respondeu:

- Quanto custa?

- 235.100 libras - respondeu Ferdinando.

Uma pessoa que não deu para ver direito, passou, pegou a esfirra e saiu
correndo em direção ao deserto “Da Areia Mágica”.

Hassan perguntou o que a esfirra faz, Ferdinando respondeu:

- Da três desejos para a pessoa

Hassan respondeu:

- Por que isso não está protegido?

Ferdinando respondeu :

- Porque alguém colocou aqui, e agora tá aqui, ué!!!.

Hassan interrompeu disse:

- Vamos pegar a esfirra!.

Enquanto isso, Altair tinha desejado que fosse o homem mais poderoso e rico
do mundo. O gênio era invisível e não conseguiu fazer nada.

Hassan e Ferdinando já estavam muito cansados e queriam chegar até a
areia mágica pra fazer tudo, e derrotar Altair. Já estavam quase morrendo quando
acharam uma sopa de coelho, viram que havia um coelho de verdade lá e o coelho
disse:

- Você despertou o coelho gênio, peça 3 desejos.

Hassan disse com medo:

- Queríamos virar mais fortes que Altair.

19

O gênio respondeu:

- Altair? Ele não pode ser superado, mas posso fazer você ter o mesmo
poder que ele.

Hassan perguntou:

- Mas por que?.

- Porque ele está com a areia mágica - respondeu o gênio.

- Nesse caso, vamos no deserto! - disse Ferdinando muito determinado.

Após andarem muito, chegaram onde o Altair estava.

Hassan disse:

- Gênio, desejo pegar a areia sem que Altair veja.

Mas Altair tinha percebido que eles estavam lá, e disse:

- Saiam daqui!

Altair golpeou Ferdinando e Hassan deixando eles não conseguindo se
mover, mas Hassan conseguiu pegar a super areia mágica, e conseguiu batalhar
com Altair, mas mesmo assim Ferdinando e o gênio foram derrotados. No final, o
gênio pensou em matar seu oponente.

Altair foi jogado para outra dimensão, pois o gênio não poderia matar
pessoas.

Estavam voltando para a casa, mas Ferdinando não resistiu e acabou
morrendo. Hassan viu Ferdinando morrendo e tentou dar comida ao seu amigo, mas
ele não aguentou.

Hassan viu que tinha uma vendinha e entrou lá, viu que tudo estava destruído
o vendedor disse:

- Altair passou por aqui e destruiu tudo.

O vendedor em seguida pediu ao gênio para reconstruir o lugar, e o gênio
consertou, mas esse foi o último desejo de Hassan, mas ele não sabia e continuou
com a sua vida.

Perdeu a água, chamou o gênio mas ele não estava ali então percebeu que
era o último desejo e viu uma quitanda, a venda de Ferdinando.

Voltou para casa cansado, e com sua atitude todos gostaram dele e logo se
tornou rei, fez um velório para Ferdinando e viveu por muito tempo.

Um dia em seu trono se perguntou ``e Altair?''.

20

Enquanto isso, Altair estava na mesma dimensão do gênio, escalando a
dimensão escura e sombria para fugir, e disse:

- Eu vou conseguir!
Lembrou do coelho mágico e pediu que voltasse para casa, mas não
conseguiu, o gênio o empurrou, e caindo Altair pensou:
- Irei morrer…
Mas caiu e nada aconteceu, só voltou para o mesmo lugar frio e escuro.

21

A Princesa e o Colar Mágico

Fernanda Ruy

Na noite seguinte, Dinarzade disse à irmã quando foi para cama com o
Shariar: “Por Deus maninha, se não estiver dormindo, conte uma de suas belas
histórias”. Disse Sherazade “ Só se o sultão deixar”. Sultão disse: “Sim”.

Disse Sherazade: “Em uma manhã, há muitos e muitos anos atrás vivia uma
família muito feliz, mas o sultão escondia um segredo. O segredo do rei era que no
seu passado tinha uma menina que gostava dele, chamava-se Morgiana, só que ele
gostava da mãe de sua filha, ele se casou com ela, e Morgiana jurou vingança à sua
adversária, dizendo que iria fazer mais. O rei tinha medo que um dia Morgiana
voltasse, pois era uma bruxa má muito esperta, feia, nariguda e muito perigosa, e
para continuar sua vingança se transformou em uma das criadas de Jasmim, filha
do rei.

Enquanto Jasmin tomava banho, Morgiana deixou um colar mágico e foi
embora, quando a princesa saiu do banho viu aquele colar lindo e logo quis colocar,
quando colocou o colar se transformou em um pássaro e saiu voando.

O Sultão procurou e procurou pela sua filha, mas não a encontrou. Cansado
de procurar, foi à varanda de seu palácio e disse: “Eu convoco um concurso, quem
achar minha filha se casará com ela”. Todos os homens começaram a procurá- la.
Se passam anos e anos e ninguém achou a princesa, até que um dia aparece
Alladin, um homem esperto, bonito e bondoso. Ele ouve sobre o tal concurso, não
perde tempo e começa a procurar.

Alladin chama a princesa e vem um pássaro até ele,
e começa a falar tudo o que aconteceu. Alladin e o
pássaro voltam para o castelo. O sultão usa um anel
mágico que desfaz transformações e o pássaro vira
Jasmin, todos vão atrás de Morgiana e sultão chama Aisha
para ajudar, ela é uma feiticeira e fiel ao sultão.

Depois de muito tempo acham Morgiana, ela e
Aisha começam a brigar, com muito esforço, Aisha
transforma Morgiana em um camelo, e o com medo Morgiana sai correndo.

Seis meses depois Jasmin e Alladin se casam.

Aurora alcança Sherazade e Dinarzade diz: “Como é bela sua história
maninha”. Ela respondeu “Isso não é nada perto da história que contarei amanhã, é
a mais bela, mais espantosa - isso se me o sultão preservar e não me matar. O rei
pensou “Por Deus que não a matarei até que me conte a história.”

22

O gênio artesão

Gabriel Sarlo

Na noite seguinte, Dinarzade disse à irmã Sherazade quando foi para a cama
com o rei Shariar: Por Deus, maninha, se você não estiver dormindo, conte-nos uma
de suas belas histórias. Ela respondeu: Sim, vou contar uma história chamada O
gênio artesão.

- Meu filho, onde está indo? - Perguntou a mãe de Youssef.

- Estou indo para o oásis pegar água - Respondeu Youssef.

- Que Alá esteja com você - Falou a mãe de Youssef preocupada.

Alguns minutos depois, Youssef chegou no oásis e encheu alguns copos, em
seguida, percebeu uma luz dentro da água, pensou um pouco e pulou para pegar a
luz. Percebeu que o oasis era bem mais fundo do que pensava e estava ficando
sem ar, mesmo assim não quis subir e continuou a descer. Quando pegou a luz,
imediatamente ela se transformou em uma lâmpada e Youssef foi teletransportado
para perto de um coqueiro que, de repente, foi cortado por um guarda do Reino
Yadi, que falou:

- Menino do céu! Não me dê um susto desse, pensei que ia te matar.

Youssef sem prestar atenção no que o senhor gritou:

- Eu tô vivo! vgbfd

- Ué menino, você era um fantasma?

- Não, eu tinha pulado no oásis e estava ficando sem ar - Respondeu
Youssef.

- Mas porque pulou então? - perguntou o senhor.

- É porque tinha visto isso aqui de cima - falou Youssef mostrando a lâmpada
que estava seca para o senhor, que disse logo em seguida:

- Menino, isso é uma lâmpada mágica.

Youssef respondeu com dúvida.

- Não é não! Você está tentando me enganar, né?

- Não, menino, isso é realmente uma lâmpada mágica.

- Bom, então, moço, quanto vale?

23

- Você está louco? Tem um gênio aí dentro.
- Como faz para ele sair? -respondeu Youssef com uma cara confusa .
- Menino, você nunca ouviu uma história, não? -respondeu o homem
pensando que todo mundo já tinha escutado a história dos gênios.
- Não, mas responde como faz para ele sair desta lâmpada.
- Tá bom! É só esfregar a lâmpada.
Depois do senhor falar como faz para o gênio sair da lâmpada o Youssef
esfregou a lâmpada e um gênio saiu e falou:
- Você é meu amo e tem três pedidos.
Logo em seguida, Youssef desesperado porque tomou um susto gritou:
- Volte!
No mesmo instante o gênio voltou para lâmpada e o senhor falou:
- Ei, menino, quer ganhar um bom dinheiro?
Youssef como não tinha muito dinheiro e, não é todo dia que alguém
pergunta isso, imediatamente falou:
- Claro que sim, mas como?
- Bom menino, acho que você percebeu que sou um guarda do reino Yadi, e
tenho certeza que meu sultão vai lhe dar um bom dinheiro em troca dessa lâmpada.
Depois do senhor falar isso, eles montaram no camelo do guarda e foram
para Yadi quando chegaram...
Rompeu a aurora e Sherazade parou de contar a história.

24

Morgiana e o roubo da bola de cristal

Gabriel Soares Teles

Na noite seguinte, Dinarzade disse à irmã Sherazade quando foi para a cama
com o rei Shariar: Por Deus, maninha, se você não estiver dormindo, conte-nos uma
de suas belas histórias. Ela respondeu: Sim, vou contar uma história Morgiana e o
roubo da bola de cristal

Há muito tempo, na cidade de Damasco, uma moça chamada Morgiana
estava sendo perseguida, por saber informações que não deveriam ser sabidas, e
haviam ladrões para proteger essas informações porém, como ela sabia delas, ela
percebeu que estava sendo perseguida.

Então, a moça saiu de sua cidade e foi para outra. E no deserto dessa outra
cidade havia um vendedor de móveis e ele falou:

- Minha senhorita, o que você gostaria de comprar, alguma coisa temos
sofás, tapetes, mesas, cadeiras e muito mais!

- Eu estava procurando uma coisa diferente para minha casa !

Morgiana sabia que naquela loja não havia só móveis, estava tentando
somente distrair o vendedor.

- Ah, então vou deixar a senhorita ver o que te interessa e depois me chame.

- Tudo bom, sem problemas - Morgiana foi até o interior da loja pegou uma
bola de cristal, e imediatamente escondeu a bola em suas roupas e foi para o centro
da loja. Disse para o vendedor:

- Senhor, não achei o que estava procurando, mas obrigada. Até mais.

Morgiana saiu da loja, se escondeu, e viu os ladrões que a perseguiam. Em
seguida, ela viu a bola de cristal e percebeu que se ela não saísse dali eles a
pegariam, então ela saiu rapidamente.

O dono da loja foi ver sua bola e percebeu que ela não estava lá. Ele saiu da
loja e foi procurar Morgiana. Depois de muito procurar ela, na volta para sua loja, ele

25

bateu de frente com a moça que, imediatamente agarrou ela pelos braços, ele
perguntou:

- Porque, senhorita, roubaste minha bola de cristal? O que eu fiz para
roubar-me ?

- Porque, uns ladrões estão me perseguindo e se eu não fugir eles me
matam, então tive que roubar isso para ver o que aconteceria.

- Muito bem, dessa vez eu a deixo ir, mas da próxima você não escapa !!!
Então foi assim que.. Morgiana foi para muito muito longe, onde os ladrões
nunca a perseguiam, se por acaso, eles estiverem muito perto, ela pegaria a bola de
cristal e iria para um outro lugar bem longe.
Rompeu a aurora e Sherazade prometeu contar uma história ainda mais
interessante na noite seguinte.

26

Uma apenas

Gabriela Quevedo Marcondes Cesar

Na noite seguinte Dinarzade pedi-o pior mais uma história:

Querida irmã, se estiver acordada por favor conte-me uma história.

E Sherazade respondeu:

- Claro, mas só se o rei permitir.

- Que você comece e termine essa história essa madrugada.

Em uma cidade no deserto seco, bem bonita e simples, com muitas regras
controladoras morava uma menina, chamada Anaia, muito bonita e atenciosa,
porém com uma classe financeira muito baixa, nessa cidade havia classes sociais
de sete (os mais pobres) até o um (os reis, rainhas e milionários).

A Anaia fazia parte da classe número 6, que faltava comida, a menina era
pintora, e muito esforçada porém o salário não era dos melhores, era baixo mas
mesmo a menina tendo afazeres para sustentar a família, continuava sendo
adorável e atenciosa.

Em um simples jantar familiar sua mãe foi até Anaia e a disse:

- Minha querida filha, li no jornal que o príncipe Taibe abriu um concurso, em
busca de uma esposa, minha filha por favor inscreva-se, falta comida em nossa
mesa e se vira-se princesa não faltaria mas nada a você.

E ela respondeu com uma cara de quem não gostou da ideia:

- Mamãe, gosto de minha vida assim junto de você, minha irmã Lily e o papai,
jamais me afastaria de vocês para virar uma princesa.

Seu pai levantou da cadeira, segurou Anaia e disse:

- Minha filha preenche esse formulário e se inscreva, não temos mais
condições para sequer termos comida amanhã, minha filha, é sua chance, não se
importe com a gente.

- Mas papai eu não deixaria vocês e de qualquer maneira eu jamais venceria,
nem chego perto do padrão de beleza daqui, sou ruiva e cheia de sardas meus
olhos são bonitos, verdes mas o resto eu não gosto muito.

E logo em seguida Lily respondeu:

- Olha, irmã, eu sou linda e olha... somos muito parecidas.

E Lily estava certa elas eram lindas e tinham mais beleza ainda por dentro.

27

E assim Anaia escreveu-se com muita dor no coração.
Depois de um tempo, Anaia foi andar em seu bairro, caiu em uma bola muito
bonita e brilhante. Anaia olhou fixamente para a bola de cristal e viu ela mesma
voltando para sua casa, achou estranho e mágico, em exatos cinco minutos ela
voltou para a casa e estava exatamente como a bola de cristal havia mostrado a ela
5 minutos mais cedo. Anaia logo desvendou que aquilo era uma bola mágica e a
usou para ver se venceria o concurso, e se viu vencendo, assim em cinco minutos
isso aconteceu, Anaia venceu o concurso, mas não queria ser princesa e muito
menos ser tratada em diferente, por isso, assim disse tudo que sentia ao príncipe:
- Prazer, como você deve ter notado sou Anaia, não tenho muito dinheiro
para sustentar minha família, por isso me inscrevi, mas não gostaria de ser
princesa, será que o senhor poderia fazer algo por mim?
- Claro, vejo nos teus olhos sinceridade e esforço, por isso te deixarei com os
benefícios, podemos ser como irmãos, mas apenas se você aceitar, claro.
A menina com os olhos brilhando, com um sorriso imenso, respondeu:
- É claro que eu aceito, vou chamar minha família.
E Anaia foi, sua família estava muito bem em relação a financeiro e felicidade
daí em diante, e Anaia teve finalmente seus felizes para sempre.

28

Aisha e a gangue

Gustavo de Costa Camargo

“Querida irmã você pode contar uma de suas belas histórias para que nós
possamos passar o cerão desta noite?”

- Com muito gosto e honra. Há muitos e muitos anos, em uma aldeia, existia
um homem chamado Aisha, ele era um homem de poucas palavras, mas era um
homem muito bondoso, tinha uma vida boa de mercador.

Estava de noite quando ele encontrou um homem que tentou o roubar. Aisha
ameaçou o bandido com uma faca no bolso, só que sem querer ele tropeçou e
matou o bandido. Quando ele foi olhar o pescoço do homem, ele tinha um símbolo
de uma gangue que era a mais procurada do mundo, ele saiu correndo para casa,
chegando por lá ele viu o mordomo dele e disse:

-Tranque as portas e fechem as janelas!

E ele perguntou:

- Por que, meu amo?

Ele falou:

- Agora não importa, só tranquem a porta e fechem as janelas.

Depois de se acalmar ele disse:

- Eu matei um bandido da gangue mais perigosa do mudo, mas foi sem
querer

E ele disse:

- Meu amo, durma aqui uma noite e amanhã vá para casa de um parente.

E ele disse:

- Tá bom.

Quando ele estava indo dormir, os bandidos raptaram Aisha.Colocaram ele
em um saco e jogaram em uma caverna. Aisha conseguiu se soltar, mas era tarde
ele já estava na caverna, com fome foi procurar comida. Estava andando quando
achou um lugar cheio de ouro e mais pedras preciosas, mas lá no pico de uma torre
de ouro tinha um anel. Ele pegou o anel e do lado tinha uma luneta e resolveu
pegar. Sem comida começou a chorar e do anel saiu um gênio cujo a pele era
amarela. O gênio disse:

- Qual é o seu pedido?

Aisha perguntou:

29

- Como assim?
Rompeu a aurora e Sherazade parou de contar a história.

30

O rei e sua gênia

Laís Pisaniello

Na noite seguinte, Dinazarde disse a irmã Sherazade:

- Por Deus maninha, conte-nos uma e suas belas histórias e Sherazade
disse:

- Nesta noite, eu vou contar uma bela história chamada O rei e sua fada e
Sherazade começou:

Existia um rei e seu pai, seus nomes eram Rei Zayn e seu pai Samir.

Os dois eram muito poderosos e governavam seu reino de um jeito justo, seu
pai queria que Zayn se casasse com a melhor dama de todas, uma dama que fosse
elegante, bonita e respeitosa. Seu pai decidiu fazer um baile para ver se encontrava
a melhor dama para seu filho. Havia duas mulheres no reino que eram exemplares
e muito bonitas, seus nomes eram: Aisha e Safira.

A notícia do baile se espalhou, porém somente Aisha e Safira foram
convocadas para disputar o trono junto de Zayn. As duas comparecem belíssimas.
O vestido de Safira era branco com estampas azuis claras, já o vestido de Aisha era
inteiro preto com estrelas na maior parte do vestido.

O baile começou e entraram muitos convidados, Aisha e Safira ficaram o
tempo todo conversando com Samir, pai de Zayn que, em um determinado
momento, se aproximou para perguntar algo a seu pai, então Samir aproveitou e
apresentou as damas para seu filho, em seguida, pediu um minuto para elas e saiu
com seu filho, Samir falou bem baixinho no ouvido de seu filho:

- Filho, a Safira é perfeita para você, mas devemos esperar até o final para
escolhermos.

Zayn concordou com o pai que deveriam esperar até o final da festa para a
escolha, pois, na verdade, havia gostado mais de Aisha e foi aproveitar a festa.

Depois de algumas horas, começou a música e a cantoria, as pessoas
estavam animadas e dançando, de repente, uma música lenta começou a tocar,
Aisha dançou com o rei, porém ele não mostrou muito interesse, mas continuou,
avistou que Zayn estava dançando com a Safira, e por isso, ficou feliz, pois era ela
que ele queria para ser a esposa de seu filho. Safira realmente era bem bonita,
quadril pequeno, cabelos longos e escuros, olhos azuis como o céu e dentes
brancos como as nuvens.

O baile acabou, o rei Samir escolheu Safira para seu filho e disse para Aisha.

Me desculpa, mas você não merece meu filho, então peço que se retire.

31

Aisha, com lágrimas nos olhos falou:

- Eu entendo meu rei, por isso me retiro.

E saiu chorando, porém, por dentro sorria, pois sabia que algo ia mudar. De
repente, ela virou uma gênia, sua pele meio azul, antenas verdes e asinhas brancas
como a neve, estava mais calma e começou a cantar.

No castelo Safira disse ao rei:

- Você não ficou feliz com a escolha de seu pai, certo?

Zayn gaguejou:

- N...não, me desculpa.

- Vá, vá atrás dela - disse Safira.

O rei não pensou duas vezes e saiu correndo. Seu pai até tentou perguntar o
por que da pressa, porém Zayn não respondeu nada, só correu, gritando pelo nome
de Aisha por muitas vezes, porém não obteve nenhuma resposta e Zayn começou a
ficar preocupado. Durante o caminho, avistou uma gênia, ele não reconheceu quem
era e perguntou a ela:

- Desculpa te incomodar, queria te perguntar se você viu uma mocinha com o
nome de Aisha, ela tem uma voz fininha, um vestido preto, com estrelas na maior
parte dele, cabelos longos e muito bela.

A gênia respondeu com um sorriso enorme em seu rosto:

- Eu sou a Aisha, meu rei! E se transformou de volta em uma dama com seu
vestido preto, Zayn pegou Aisha e lhe deu um abraço falando:

- Não importa o que meu pai pensa, mas eu escolho você.

No dia seguinte, o casamento entre o rei e Safira estava marcado. Zayn
combinou Aisha o que ela teria que fazer para que o casamento não se realizasse.
E foi o que fez, na hora do sim, Aisha interferiu falando:

- Eu protesto.

Todos ficaram sem saber o que fazer e Safira respondeu:

- Aisha venha aqui…

O público ficou surpreso pensando que a Safira iria dar um chilique, mas lhe
deu um abraço e falou que ela merecia o rei mais que ela mesma, então ela
perguntou ao príncipe se ele concordava e ele concordou, o casamento foi
cancelado e mudou para o próximo dia, porém com Aisha. Samir não gostou nada
do que havia acontecido, porém não tinha escolha.

32

O casamento foi realizado na floresta e ocorreu tudo do jeito que eles
planejaram, enfim se casaram. Depois de uns anos, tiveram duas filhas, as duas
tinham anteninhas e manchinhas azuis em seus corpos, cabelos ruivos com mechas
brancas, eram as menininhas mais lindinhas do mundo.

A aurora alcançou Sherazade que disse:
- Fim desta história, porém amanhã tem uma outra de suspense, mais
interessante e ainda mais surpreendente.

33

A garota encantadora

Lorena Caldeira Iak

Na noite seguinte, Dinarzade foi até a irmã que iria dormir e disse:
- Por favor, maninha, se não estiver dormindo, nos conte uma de suas belas
histórias para que atravessem o serão desta noite.
- Sim irei contar uma nova história, de uma família dividida.
Há muito tempo atrás, existia um sultão que procurava uma mulher para ser
a sua esposa. Então decidiu que iria pedir para seus guardas procurarem a mulher
mais linda e educada e trazer ela ao castelo. E como foi pedido, os guardas fizeram.
Trouxeram a garota mais bonita que encontraram, ela tinha seus cabelos castanhos
com poucas mechas loiras, brilhantes olhos azuis. O sultão ficou maravilhado com a
beleza e delicadeza da garota e então se aproximou dela e disse:

- Olá, garota, qual é seu nome?

- Oi, meu nome é Laila sultão, mas por que estou aqui?

- Você está aqui porque será minha esposa.

- Esposa? Por que serei sua esposa?

- Porque você é uma garota encantadora, delicada e linda.

- Tá, mas quando iremos nos casar?

- Na próxima semana.

Se passou uma semana eu Laila casou- se com o sultão, foi um lindo
casamento.

Rompeu a aurora e Sherazade precisou parar de contar a história deixando o
sultão curioso.

34

Saad Ali Muhammad, Morgiana Dinazard e o Djinns

Lorenzo Brambilla de Albuquerque

- Maninha, se você estiver acordada pode nos contar uma história - dizia
Dinazarde na porta - Por favor, suas histórias são espetaculares, vai, você conta pra
mim irmãzinha querida. Eu quero muito ouvir você falando sobre suas histórias
Sherazade, e aí você deixa?

Depois de um tempo Sherazade respondeu:
- Claro, mas na próxima não insista desse jeito, eu sempre contarei pra você,
qualquer hora tá bom, chame o Shariar, para eu contar a história pra você e para o
ele, ok?
Dinazarde concordou e foi chamar o Shariar. Quando ele chegou ela disse
que seria uma grande jornada em sua mente, então era melhor se preparar!
‘’Saad Ali Muhammad e Morgiana Dinazard eram dois jovens, mais ou menos
com uns 15 anos de idade, eles eram nobres e grandes amigos desde a infância
porque eram os únicos que não tinham amigos e os dois gostavam das mesmas
coisas. Eram malandros e inseparáveis, sempre enganavam alguém toda hora em
que acontecia algo. Eles moravam em uma cidade no Oeste Árabe, bem pequena,
mas com vários problemas relacionados com Saad Ali Muhammad e Morgiana
Dinazard, tinham até rivais que os irritavam, mas eles sempre enganavam eles.

Naquela época, ouviam - se relatos de um tipo de gênio, não sabia se o gênio
era verdadeiro, não sabia o que ele queria, não sabia se ele era do bem ou do mal,
apenas sabiam algumas informações. Deram o nome de Djinns, sabiam suas
características, ele era meio cinza, tinha vários colares no corpo, também tinha um
manto no pescoço, tinha pulseiras nas mãos, era bem forte, tinha olhos brancos,
possuía uma lâmpada mágica que saia de dentro uma energia forte que mantinha
ele vivo, ele não tinha pernas então ele flutuava com seu poder. Ele passava por
locais aleatórios escondido, mas raramente viam ele. E um dia ele estava
passeando pela cidade, quando viu duas pessoas enganando sem esforço, três
meninos que estavam lhe incomodando. Ele viu que eles eram muito espertos, até
mais espertos do que ele, o gênio mais esperto e sábio dos deuses árabes. Então, o
Djinns ficou atrás da moita, a ponto de estudá-los, conhecê-los melhor. Ele estava
lá, ouvindo a conversa :

- Ei, para com isso, você não me enganará agora, eu não vou aceitar! - dizia

35

um dos meninos - Você se verá comigo quero ver você aqui às 3 horas da tarde.
- Não - dizia Saad - eu não aceito.
Então, os meninos disseram o que eles queriam para um encontro frente a

frente no canto de um mato bem grosso a ponto de alguém ser socado, em !?
Então Morgiana disse que era melhor deixar uma vela no lugar que eles

queriam, e esperar a cera da vela acabar, ela dizia que era muito mais rápido e
prático.

Então, Morgiana disse o plano para Saad e ele foi buscar uma vela para
colocar onde os meninos queriam. Ele apagou a vela para a cera nunca apagar. Ao
fazer isso, também colocou um led laranja da cor do fogo, para que quando os
meninos passassem não notassem e ficariam até a noite, porque com certeza eles
aceitariam, então eles rodiaram até perceber que seria uma luzinha.

Então foi bem isso que aconteceu, eles só perceberam a noite, que não foi
verdade. Então com seu poder, o Gênio pegou suas informações, sobre os meninos,
assim percebeu que eram astutos, mas tinham um ponto fraco, se eles ficassem
separados não enganavam ninguém.

Então o Gênio se transformou em uma coruja para que Saad Ali, que era
obcecado por animais, seguisse - o, sendo desse jeito deixaria o perdido. Então,
Saad, se perdeu e o Gênio se transformou de novo, agora sendo Ali, para que
Morgiana nem reparasse. Depois, na noite de lua cheia, o Djinns foi, e a menina
nem reparou. Até que, o menino tentou e tentou e com esforço, conseguiu, sair do
lugar escuro que o Gênio o colocou, mas estava EXAUSTO!!! Foi descansar,
avisando a Dinazard. Ela sacou tudo, entendeu na hora que Saad estava em sua
casa não em seu lado. Então, chamou o menino'' Verdadeiro ‘’ para bolar um plano.
Ela falou ao Gênio que iria ao banheiro, e o Gênio não percebeu nada de estranho.
Foi lá falar com Saad, a menina bolou seu plano e, pronto! Ele ficou muito bem
organizado. Até que...

A aurora se rompeu e a história não deu tempo de acabar, então Sherazade
disse que não daria para contar o resto mas disse que a próxima história seria
demais.

36

37

O retorno do pássaro falante

Lorenzo Carvalho Munhoz

Ficou de noite e Dinazarde disse:
- Por deus maninha, se você estiver escutando eu, por favor conte-me uma
de suas histórias.
- E claro que vou contar uma história para vocês, mas, será uma história
diferente hoje. Será sobre uma garota e um garoto que encontram com um pássaro
falante.
- UAUUU!
- A história começa quando Saad e Aladin estavam na vila com sua mãe,
então ela disse:
- Crianças podem ir ao mercado, pois preciso de mais vegetais para a nossa
comida que vou preparar.
- Tá bom, mamãe. -disse o irmão Aladin.
De repente, apareceu sua irmã mais nova, Saad. Ela fala:
- Posso ir com você irmão ? Por favor, por favor, por favor.
- Está bem, só não grite lá e nem pegue coisas sem minha permissão.
- Oba.
Eles pegaram o camelo do pai emprestado e foram ao mercado.
Agora que eles compraram os vegetais era hora de ir para casa.
Mas se esqueceram de onde ficava sua casa !!!
Por onde eles foram andando, andando, andando, até … PUF dentro de uma
casa o chão dela se abriu, mas quando eles abriram os olhos eles viram muitos
tesouros.
Mas eles mais gostaram do pássaro e do bracelete, justo aqueles dois.
Quando a irmã colocou o bracelete a irmã tossiu e chão jogou eles para cima.
E eles estavam prestes a morrer, até POW... eles caíram como se caíssem
em uma cama.
Um som vindo de longe com o pôr do sol, 39 ladrões e 1 mago muito
malvado atacou eles.
O pássaro falante acordou e falou:
- Olá, mestres, sou seu pássaro falante. Qual é o desejo de vocês? Só que
meus desejos não conseguem uma pessoa se apaixonar pela outra ou reviver
alguém.

38

E Saad disse:
- Nós queremos voltar para...
- RÁ, a ave é minha e me dê esse bracelete se não você verá a ira de
RASSAN!!!!
Mas quando ele vestiu os dois itens o mago acabou morrendo com tanto
poder.
Os 39 ladrões se assustaram e fugiram.
Eles pegaram a ave o bracelete e Saad disseram:
- Desejamos voltar para casa.
Estava quase de noite e eles voltaram para casa com a ave, o bracelete, e
os vegetais.
E foi nessa hora que aurora alcançou Sherazade e Dinazarde Falou:
- Nossa maninha como são legais suas histórias.
- Mas na próxima eu vou contar uma história muito mais legal que essa, se o
Shariar me deixar viva.
E Shariar pensou:
- Vou deixar ela viva mais uma vez, mas na próxima história ele irá morrer.

39

Tijolo, lampião e os brincos

Luiza Miyuki Tanaka Marçal

Na noite seguinte, Dinarzade disse à irmã Sherazade quando esta foi para a
cama com o rei Shariar: “Por Deus, maninha, se você não estiver dormindo,
conte-nos uma de suas belas histórias para que atravessemos o serão desta noite”.
O rei disse: “Que seja o restante da história do mercador”. Ela disse: “Sim”.

- Em uma cidade, em um deserto simples bem bonito, tinha uma princesa
chamada Laila, que precisava de um empregado.

Em um belo dia, a Laila teve a brilhante ideia de colocar cartazes pela cidade
em que ela morava.

Nos cartazes estavam escritos assim: Traga para a princesa o objeto mais
precioso que te dará um emprego.

- Pronto, agora é só esperar os manifestantes - disse Laila.

É claro que muita gente quis, pois era uma princesa e um castelo, mas só três
foram escolhidos pois muita gente se manifestou.

Passaram dois dias, e os selecionados foram para o castelo se apresentar. E
o rei Habib deu um tempo de 24 horas para acharem os objetos.

O primeiro se chamava Zayn e lembrou que sua avó tinha um tijolo mágico e
então disse:

- Pronto, já tenho meu objeto, tenho certeza que vou ser o escolhido.

O segundo se chamava Kalil, seguiu para o caminho da feira de objetos
antigos e exclusivos, quando chegou lá se deparou com brincos mágicos e lindos e
tinha certeza que a princesa ia amar e ele ia ser o escolhido.

Já o terceiro se chamava Youssef, e foi na feira de relíquias, e encontrou um
lampião mágico e tinha certeza que ele seria o escolhido.

Passaram 24 horas, todos chegaram na floresta perto do castelo, e por
incrível que pareça todos os três manifestantes se encontraram, cada um
apresentou para os outros seu objeto.

Zayn apresentou seu objeto que era um tijolo mágico e ele disse:

- O meu tijolo mágico faz com que a pessoa que subir em cima dele consiga
andar para onde quiser.

Já Kalil apresentou seu objeto que é um brinco e ele disse:

- O meu brinco faz com que a pessoa que colocar ele possa ser curada.

40

Youssef apresentou seu objeto que era um lampião mágico e ele disse:
- O meu lampião quando acende você vê como a pessoa que você está
pensando está no exato momento, vou aproveitar e ver a princesa. Por Alá, a
princesa está desmaiada.
- Vamos no meu tijolo, sobe aqui!! - disse Zayn.
Depois de 2 minutos chegaram no castelo, subiram no quarto da princesa e o
Kalil furou a princesa com seus brincos, depois da princesa acordar ela soube de
tudo e não conseguiu escolher entre os três.
- Não consigo escolher entre vocês, então todos estão contratados.
No fim todos os objetos eram úteis.
Então a aurora alcançou Sherazade e ela parou de falar. E, como bem
amanheceu e o dia clareou, sua irmã Dinarzade disse: “Como é admirável e
espantosa sua história!”. Ela respondeu: “Na próxima noite eu irei contar-lhe algo
mais espantoso e admirável do que isso”.

41

A princesa e a lâmpada

Mariana Soares Magalhães Rodrigues

Bem perto da noite, Dinazade bateu na porta e disse:
- O Minha querida irmã poderia me contar uma de suas belas histórias?
- Claro, minha querida irmã- respondeu Sherazade.
Há um tempo atrás, havia uma bela princesa, que era aprisionada no castelo
por seu pai, ele maltratava seu povo aprisionava sua filha. Certo dia, a princesa
conseguiu fugir do castelo, andando e andando no deserto, pisou em algo duro. Foi
checar e viu que era uma lâmpada que estava coberta de areia. Então ela esfregou
a lâmpada, subiu uma fumaça rosa, quando a fumaça se abaixou saiu uma gênia e
disse:
- Como eu posso te ajudar? -argumentou a genia.
- Quem é você? -perguntou a princesa.
- Meu nome é Jasmine, sou uma gênia que pode realizar qualquer desejo -
respondeu a genia.
- Bom, meu nome é Aisha, se você pode realizar desejos você pode me
ajudar?
- Sim, qual é seu primeiro desejo?-perguntou a genia.
-Primeiro eu gostaria de comida, desde que eu fugi do castelo, estou
morrendo de fome !-respondeu a princesa.
- Seu pedido e uma ordem.
- Wow parece tão real!-argumento a princesa.
- Mas é real!-respondeu a gênia.
- Bom, voltando ao assunto, você tem mais 2 desejos.
- Por que você fugiu do seu castelo, você tinha todo o luxo do mundo.
- Bem, eu fugi por causa do meu pai, ele é muito mal.
- Bom, vejamos quais são os 2 últimos desejos?- perguntou a genia.
- Antes dos desejos eu vou para a cidade. Você vem? -perguntou a princesa.
- Se você achou minha lâmpada eu tenho que te seguir.
Chegando na cidade, a princesa fez seu segundo desejo.
- Jasmine!- falou a princesa.

42

- Já vai fazer seu segundo desejo?
- Sim. -respondeu a princesa.
- Bom, eu desejo que todo meu povo tenha liberdade.
- Concedido-respondeu a gênia.
Após esse ato, todos os cidadãos foram livres.
- Você só tem mais um desejo.
- Agora nós vamos para o castelo tenho que resolver conflitos com meu pai! -
argumentou a princesa.
Chegando no castelo, Aisha entrou pela janela de onde saiu e foi onde seu pai
estava.
- Também estou vendo que você tem uma lâmpada com bastante valor.
- Eu não vou dar, jasmine eu quero fazer meu terceiro desejo.
- Qual é?-perguntou a gênia.
- Quero que meu pai saia do castelo e nunca mais entre.
- Concedido!
Então a aurora alcançou Sherazade e ela parou de falar. E, como bem
amanheceu e o dia clareou, sua irmã Dinarzade disse: “Como é admirável e
espantosa sua história!”. Ela respondeu: “Na próxima noite eu irei contar-lhe algo
mais espantoso e admirável do que isso”.

43

A luta de Mimara

Nicolle Haddad Mitsuiuqui

No dia seguinte, a Dinazarde, irmã da Sherazade, bateu na porta e disse:
- Irmã, você poderia contar uma de suas belas histórias para que
atravessamos o serão desta noite ?
O rei respondeu:
- Pode ser.
Então Sherazade começou a história.
- Há milhares de anos, na Turquia, um país que fica no Oriente Médio e que
possui muitas culturas e hábitos que pertencem a sua região, passou por uma
situação que fez quase com que sua população acabasse, porém, graças a
Maimara isso não aconteceu.
Havia uma pequena cidade chamada Gecekondu, e essa cidade estava
passando por uma situação muito complicada, onde devido a sua pobreza e a falta
de acesso à saúde, grande parte de seus habitantes começou a adoecer. O
problema não era exatamente eles estarem adoecendo, e sim que muitas dessas
doenças que eles pegaram não tinham cura.
Um certo dia, Maimara, filha de Harum, foi à loja de seu pai, já que ele era
mercador, com a intenção de procurar algo que ajudasse as pessoas a melhorarem.
Logo ao entrar na loja viu algo brilhando, ela seguiu até lá e viu que era um colar
muito bonito, mas ela não sabia exatamente qual era a função dele, então foi até o
livro de magias, procurou uma foto da joia e quando achou, viu que ele tinha o poder
de teletransportar qualquer objeto que você desejasse para sua frente em poucos
segundos. Após saber para que ele servia, decidiu colocar ele e pediu que seu pai e
toda sua cidade se curassem através do remédio que o colar traria, mas isso não foi
possível, porque o remédio não poderia fazer isso; todos se curariam apenas com
um grande poder que talvez alguém possuiria.
Depois disso, Maimara ficou muito chateada e achou que nunca mais as
pessoas ficariam melhor. Até que um dia, estava fazendo compras e ouviu alguém
falando sobre uma tal de luneta que poderia trazer em instantes a seu lado qualquer
pessoa que você desejasse, mas para chegar até ele era necessário passar por
vários desafios, o que não seria nada fácil.
No dia seguinte, a filha do mercador foi novamente até a loja procurar por um
tapete mágico que levaria ela até a caverna que estava com a luneta. Dito isso,
Maimara pegou suas coisas, porque a viagem seria longa, e com muita
determinação começou o passeio com muita esperança. Alguns dias depois, ela
finalmente chegou no lugar que acharia o que queria, logo que entrou na escura
caverna ficou muito assustada, mas não iria desistir, então seguiu o caminho e logo
chegou num lugar iluminada que no centro estava com a procurada luneta. Logo
que Maimara chegou perto do objeto, ouviu uma voz dizendo que para ela conseguir
a luneta, seria necessário convencer de que ela teria uma ótima utilidade, então a
filha de Harum disse:

44

- Eu sou Maimara, filha de um pobre mercador, vivo numa cidadezinha bem
pobre aqui da Turquia, e venho atrás dessa luneta porque procuro um jeito de curar
seus habitantes de diversas doenças que eles pegaram nesses últimos tempos. Eu
imploro!! Sem essa luneta vou perder muitas pessoas da minha terra.

Com seu discurso, Maimara finalmente conseguiu chegar até a luneta e com
muita alegria pegar ela. Após isso a moça voltou rapidamente para casa, e
chegando lá pegou a luneta, apontou ela para a região que a pessoa que
aparecesse gostaria, olhou em seu buraquinho e disse:

- Desejo que a Deusa Alá apareça ao meu lado imediatamente.
Dito e feito, em segundos Alá estava a seu lado, e com isso e com todo seu poder,
conseguiu finalmente curar seu pai e todas aquelas pessoas que também estavam
doentes e quase a falecer.

Depois disso a sociedade passou a melhorar aos poucos e cada dia que se
passava eles iam se levantando e passando a serem novamente uma cidade
pobre, porém muito feliz. Para comemorar essa vitória e todas essas curas e
melhoras, decidiram organizar uma grande festa com muita comida, dança e
música. Depois desse dia todas as pessoas de Gecekondu viveram muito contentes
até hoje em dia.

Sherazade terminou a história e disse:
- Essa foi a história da Luta de Maimara, mas na próxima noite eu vou contar
uma história mais agradável, mais alegre, mais interessante, se o sultão deixar.
O sultão disse:
- Se é tão agradável, alegre e interessante, pode ser, mas na próxima noite
não vai ter mais histórias.

45

O anel mágico

Rafaela Donola Dall'anese

Na noite seguinte, Dinarzade disse à irmã Sherazade quando esta foi para a
cama com o rei Shariar: “Por Deus, maninha, se não estiver dormindo, conte-nos
uma de suas belas histórias para que atravessemos o serão desta noite”.
Sherazade disse: "A história que contarei hoje será muito mais emocionante,
intrigante, mais espantosa e mais bela do que as outras."

Em um palácio muito bonito, rico e grande em Bagdá, vivia com seu cachorro
Ali e seu pai Habib, um sultão muito rico e poderoso, uma princesa chamada Aisha,
cuja mãe tinha morrido a pouco tempo.

Aisha e seu pai ficaram muito tristes, mas pouco tempo depois, Habib já iria
se casar com Morgiana. Ela e sua filha Jasmine iriam morar com ele e Aisha.

Logo quando se conheceram, Jasmine e Aisha já viraram grandes amigas,
elas tinham muito em comum, eram bem inteligentes, simpáticas e muito divertidas.
Mas Morgiana não gostava nada dessa amizade.

Morgiana tinha muita inveja da princesa, pois ela tinha uma vida perfeita, e
então começou a maltratá-la colocando-a para baixo, fazendo chantagem e
obrigando ela a fazer coisas que nunca precisou fazer.

O cachorro percebeu a maldade em Morgiana e começou a mordê-la muito,
mas o sultão trancou Ali em um quarto muito escuro e frio do palácio, quase sem
água e comida.

Jasmine tentou avisar ao sultão que Aisha estava sendo maltratada, porém
ele achou que Morgiana seria incapaz de fazer algo do tipo com sua filha.

Morgiana odiava mais a princesa, pois sua filha não estava do seu lado.
Então ela pensou: "Já que tenho esse anel mágico, vou transformar a princesa em
uma cabra, mas ninguém pode desconfiar de nada."

Na madrugada, Aisha foi transformada em uma cabra, mas Habib descobriu,
e soube também que ele iria ser transformado em um camelo na manhã seguinte.

Quando Morgiana voltou a dormir, Habib achou o anel e o escondeu.

Na manhã seguinte, Morgiana perguntou com medo:

- Querido, você viu o meu anel? Eu estava com ele ontem!

Habib respondeu mostrando o anel:

- Esse?

Então ela respondeu mais nervosa ainda:

46

- Sim. Você pode me devolver? Eu estava procurando.
Rapidamente Habib pegou o anel, a transformou em uma cabra, a colocou
para fora de casa e destransformou sua filha.
- Obrigada pai! -exclamou Aisha.- Mas cadê minha madrasta?
- É uma longa história. -respondeu Habib. - Eu quase esqueci de contar,
Jasmine irá morar com a gente.
- Que legal! -disseram Aisha e Jasmine juntas.
- Habib foi destrancar o cachorro que foi muito recompensado e todos ficaram
felizes.
Irrompendo, a aurora alcançou Sherazade, que se calou e interrompeu a
história. Disse-lhe sua irmã Dinazarde: “Como é bela sua história, maninha”. Ela
respondeu: “Isso não é nada perto da história que eu vou lhes contar na noite
seguinte, e que é mais bela, mais espantosa, mais agradável, mais emocionante,
mais saborosa e mais atraente do que a de hoje, isso se o vizir me preservar e não
me matar”.
Ansioso por ouvir a história do dia seguinte, o vizir pensou: “Por Deus que
não ireis matá-la até ouvir a história que ela me contará na noite seguinte”. E logo
saiu para cuidar de seu reino e tomar suas decisões; O vizir ficou intrigado
esperando a história do dia seguinte.

47

A Luneta Mágica

Rafaella Mendes

Dinarzade disse à irmã Sherazade quando esta foi para a cama com o rei
Shariar: “Por Deus, maninha, se você não estiver dormindo, conte-nos uma de suas
belas histórias para que atravessemos o serão desta noite”. O rei disse: “Que seja
uma história bem legal e divertida”. Ela disse: “Sim”.

Em um dia muito ensolarado, Aisha e Morgiana, duas melhores amigas de 11
anos, foram brincar no deserto perto do palácio de Aisha em Bagdá.

Elas foram brincar de esconde-esconde e era a vez de Aisha se esconder de
Morgiana. Ela se escondeu bem no final do deserto, essa parte do deserto era vazia
e escura. Morgiana procurou, procurou e nada de encontrar sua amiga. Ela ficou
rapidamente preocupada e foi embora sem Aisha, que continuou esperando ser
encontrada. Uma hora depois, Aisha cansou de ficar a esperando e foi procurar
Morgiana.

Depois de muito tempo, de caminhada, Morgiana chegou na casa de Aisha
para avisar os pais dela, estava muito assustada querendo a encontrar, então
lembrou que Aisha tinha uma luneta que mostrava se a outra pessoa estava bem ou
mal, e então foi logo para o quarto e pegou a luneta para conseguir a encontrar.

Quando ela achou Aisha, viu que estava em perigo, e disse a família de sua
amiga:

- Aisha está em perigo! Se perdeu no meio do deserto.

Logo, todos já estavam preocupados e a caminho do deserto para
encontrá-la.

No fim do dia, Aisha já estava em sua casa jantando e contando todos os
detalhes do que tinha acontecido para sua família.

Então a aurora alcançou Sherazade e ela parou de falar. E, como bem
amanhecesse e o dia clareasse, sua irmã Dinarzade disse: “Como é
admirável e espantosa sua história!”. Ela respondeu: “Na próxima noite eu irei
contar-lhe algo mais espantoso e admirável do que isso”.

48

49

A princesa e os elementos mágicos

Raphaela Moreira Gavazzi

Dinazarde disse:
- Por Deus, maninha conte uma de suas belas histórias.
Sherazade começou a contar.
- Há muitos anos, em um palácio próximo ao deserto vivia uma princesa,
chamada de Jasmine e sua criada Morgiana.
Mas o que Jasmine não sabia era que Morgina não era de boa confiança. No
mesmo dia a princesa foi andar a camêlo no deserto mais próximo, enquanto
Morgiana bolava um plano para derrubar a princesa e assumir o poder.
Morgiana foi ao deserto procurar objetos mágicos e achou uma caverna que
por dentro tinha um brilho tão forte, mas entrou lá e achou coisas tão preciosas, só
que tinha três objetos que lhe chamaram muita atenção eram uma lâmpada, um
tapete voador e uma bola de cristal, pegou todos eles e voltou ao palácio.
Quando Jasmine estava dormindo, Morgiana passou a noite toda bolando um
plano. No dia seguinte logo no café da manhã Morgiana mandou o tapete voador
ficar em cima da princesa de forma com que ela não respirasse e assim foi o tapete,
Jasmine gritava por socorro, mas os guardas o tiraram de lá.
A segunda etapa do plano era com a bola de cristal vigiar Jasmine e assim
foi, mas o que Morgiana não sabia era que a princesa também tinha uma bola de
cristal e também vigiou Morgiana, pois estava desconfiada.
A terceira etapa do plano era esfregar a lâmpada para acordar o gênio e
assim foi Morgiana, logo que o gênio saiu ele disse:
- Fiquei cinco mil anos dentro dessa lâmpada!
- O gênio!- disse Morgiana surpresa.
- Então você tem três pedidos, quais vão ser?- perguntou o gênio.
- O meu primeiro desejo é ter damascos mágicos envenenados.- disse
Morgiana.
E assim fez o gênio.
No café da manhã na mesa da princesa tinha um damasco com com um
veneno que prendia a respiração por cinco segundos.
Antes de comer o damasco cheirou ele para ver se estava estragado e o
cheiro estava estranho e por sorte não comeu.

50


Click to View FlipBook Version
Previous Book
เล่มรายงานการฝึกประสบการณ์-4105-8003-เเมคคา
Next Book
TUGASAN 47: BACAAN SUKU KATA TERTUTUP S/L/M