The words you are searching are inside this book. To get more targeted content, please make full-text search by clicking here.
Discover the best professional documents and content resources in AnyFlip Document Base.
Search
Published by hmilheiro, 2018-05-21 15:03:24

AutoSport_2108

AutoSport_2108

#2108 O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES 40
ANO 40
anos
23/05/2018
>> autosport.pt
2,35€ (CONT.)

DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES

NEUVILLEVODAFONE RALLYDE PORTUGAL
VENCE

RALI DE PORTUGAL +/

ARMINDO HYUN>D>AEISATRVEEINACDERA
ARAÚJO >> MC-SAPRORROTSCNOOMPÓDDOIIOS
VENCE >> ODGEIVEIRDEOTAAANCAIKDFEONRTAE
CPR
MOTO2 MIGUELOLIVEIRA
PÁG. 12 SOBEA2º NO CAMPEONATO

FINS DE SEMANA PERFEITOS

L’AND VINEYARDS | MONTEMOR-O-NOVO | ALENTEJO

www.hoteisdecampo.pt

3

I/ I N S TA N TÂ N E O SIGA-NOS EM EDIÇÃO

#2108
23/05/2018

f l> > a u t o s p o r t . p t
facebook.com/autosportpt twitter.com/AutoSportPT

ROMAGEM O ponto de encontro é em Louredo da Ribeira, um dos locais de passagem da caravana do Rali de Portugal durante a disputa José Luís Abreu
do troço de Vieira do Minho. São perto de 40, mas levam comida para 400. O convívio dura um dia, mas precisariam de uma semana para
esgotar o stock de bebidas. Nem o pai de Sébastien Ogier faltou… DIRETOR-EXECUTIVO

S/ SEMÁFORO EM DIRETO [email protected]
a passada
PARADO A ARRANCAR A FUNDO “Estou muito satisfeito com o semana, em
primeiro pódio no WRC. Demorei conversa com
Hayden Paddon Teemu Suninen Grande segurança quase um ano mas consegui!” um amigo que
desperdiçou mais mostrou no Rali de dos WRC. O brutal constrói roll
uma oportunidade na Portugal que está acidente de Meeke Teemu Suninen a subir degraus bars, fiquei a
na forja mais um saber um pouco mais
Hyundai finlandês-voador prova-o! “Todos sabíamos que o Teemu sobre estes elementos
chegaria ao pódio brevemente e fundamentais no desporto
O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES NA ERA DIGITAL ele mereceu-o totalmente. Tenho automóvel. Ouvi também
a certeza que será o primeiro de histórias de pessoas que
Siga-nos nas redes sociais e saiba muitos”, Malcolm Wilson preferem arriscar a vida
tudo sobre o desporto motorizado no para gastarem umas boas
computador, tablet ou smartphone via “Esta vitória é a justa centenas de euros a menos.
facebook (facebook.com/autosportpt), recompensa para toda a equipa Espero que todos os outros
twitter (AutosportPT) ou em e para os meus mecânicos e que trabalham nesta
>> autosport.pt engenheiros em particular”, área tenham a mesma
consciência desse meu
Álvaro Parente, que venceu no Pirelli amigo e defendam esses
Challenge ‘artistas’ deles próprios.
Tudo isto a propósito do
“Peço desculpa a toda a impressionante acidente de
equipa, que merecia muito Kris Meeke em Amarante.
mais. Mas, ao mesmo tempo, Estava a ver pela TV, e
estou muito agradecido por pareceu-me no momento
terem construído um carro tão mais uma saída, igual
forte”, Kris Meeke, depois do seu a várias outras que já
tínhamos visto este ano.
acidente no Rali de Portugal Só que este acidente foi
muito mais do que isso.
Encontrei Mads Ostberg
quando me dirigia para a
motorhome da Citroën,
e ele saía da ‘tenda’ onde
estava guardado o C3 WRC
de Meeke. Perguntei-lhe
se estava mau, a cara dele
‘disse’ tudo. Vi o carro e
é impressionante como
Meeke e Nagle dali saíram
sem lesões. É preciso
agradecer à FIA ser tão
exigente a este nível. Nem
imaginamos as vidas que já
foram salvas.

4 WRC/
CAMPEONATO DO MUNDO DE RALIS - VODAFONE RALLY DE PORTUGAL

RENMIEUUPVPOIOLRRLTEÚULGTAILMO
Thierry Neuville conseguiu a sua segunda vitória da temporada
no WRC e estreou-se a ganhar o Vodafone Rally de Portugal,
capitalizando o despiste de Sébastien Ogier na sexta-feira. O belga

da Hyundai lidera o Mundial depois de ter sido o mais forte num
rali duro e onde Elfyn Evans e o jovem Teemu Suninen também

colocaram os Ford da M-Sport no pódio

Martin Holmes e José Luís Abreu
[email protected]

FOTOGRAFIA @WORLD/ANDRÉ LAVADINHO, MARTIN HOLMES, ZOOM MOTORSPORT / ANTÓNIO SILVA, RICARDO OMS PHOTOS E OFICIAIS

Q uatro edições, quatro ven- os candidatos à vitória. A 52.ª edição Hayden Paddon, sofreu um acidente corde de triunfos no Rali de Portugal,
cedores diferentes. Ainda do Rali de Portugal voltou a afirmar que deixou o i20 WRC a bloquear a saiu de estrada a baixa velocidade na
ninguém conseguiu repetir a prova nacional como uma das me- estrada, obrigando à neutralização da PE5 (Viana do Castelo 2), ficando com o
a vitória no Vodafone Rali de lhores do calendário mundial, quer do especial de Ponte de Lima. Mas antes Ford preso numa vala. Ogier e Latvala
Portugal desde que a prova do ponto de vista desportivo, quer ao nível disso, a prova portuguesa já tinha ainda conseguiram regressar à prova
ACP Motorsport regressou da organização, que teve inclusive ficado sem três dos mais fortes can- em Rally2, ao contrário do azarado
à região Norte. Em 2015, Jari-Matti de transportar dois pilotos (Meeke e didatos à vitória: Ott Tänak, que vinha Tänak. A partir daí Thierry Neuville
Latvala e a Volkswagen triunfaram no Paddon) para o hospital por precaução. de um triunfo claro na Argentina, ficou pressentiu a enorme oportunidade de
regresso do rali aos troços nortenhos; Na sexta prova do WRC assistiu-se de fora com o radiador do seu Toyota passar para a frente do campeonato
em 2016 foram Kris Meeke e a Citroën a uma exibição madura de Neuville, partido na PE2, a primeira passagem e desta feita esteve imune a erros,
a ganharem; no ano passado Sébas- que soube quando atacar e quando por Viana do Castelo; Jari-Matti La- controlando as operações para vencer
tien Ogier deu a vitória à M-Sport e preservar a mecânica do i20 WRC nas tvala também não passou do troço com 40 segundos de vantagem sobre
empatou com Markku Alén nos livros duras classficativas de terra da região. seguinte, em Caminha, onde partiu a Elfyn Evans. Foi a oitava vitória da
da História; este ano foram Thierry Neuville passou para a frente do rali na suspensão dianteira direita do Yaris carreira do belga no WRC e a segunda
Neuville e a Hyundai a reinarem num sétima especial, quando o seu com- WRC; Sébastien Ogier, que tentava da temporada, depois do triunfo na
rali duro e cheio de peripécias entre panheiro de equipa e anterior líder, desempatar com Markku Alén no re- Suécia. Ainda mais importante para

Neuville, os 29 pontos acumulados em se decisiva quando lhe ganhou nada 8 dar nas vistas nos campeonatos de
Portugal – 25 da vitória e quatro na menos do que 29 segundos nas duas karting na Finlândia. Lappi também
Power Stage – permitem-lhe passar passagens pelos 37,6 quilómetros do NÚMERO DE VITÓRIAS NO WRC fechou o rali em grande pois foi es-
para a frente do Campeonato do Mundo troço de Amarante, no sábado, prati- DE THIERRY NEUVILLE, QUE SE ESTREOU magou o recorde da histórica espe-
após seis provas, com 19 pontos de camente sentenciando aí o rali. Outro NO CAMPEONATO PRINCIPAL EM 2012, cial de Fafe, que é agora de 6m33,2s,
avanço sobre Ogier. piloto da M-Sport em destaque foi COM O JUNIOR TEAM DA CITROËN e garantiu os cinco pontos extra da
Teemu Suninen, que se mostrou rápido Power Stage, na frente de Neuville.
DOIS FORD NO PÓDIO e sobretudo muito forte a resistir à O finlandês da Toyota foi prejudicado
Elfyn Evans, que se estreou a ganhar pressão de Esapekka Lappi e Dani Sor- por um amortecedor traseiro partido
no WRC no ‘seu’ Rali de Gales/GB, em do no último terço da prova. Estes três na sexta-feira que o fez perder o con-
outubro, voltou aos bons resultados no pilotos entregaram-se a uma batalha tacto com os primeiros. Apesar de um
Campeonato do Mundo depois de um intensa pelo derradeiro lugar do pódio forcing final, o compatriota Suninen
início de época algo discreto. Sempre e o facto de Suninen ter batido os seus resistiu à pressão. A par disso, Lappi
consistente, Evans ainda ameaçou dois rivais, mais experientes, é um feito ainda sofreu uma penalização de 10
dar luta a Neuville até ao final do rali, de registo para este jovem de 24 anos segundos por um toque nos pneus
mas o belga deu uma estocada qua- que, tal como Lappi, até começou por da Porto Street Stage, terminando no

WRC/
CAMPEONATO DO MUNDO DE RALIS

6 VODAFONE RALLY DE PORTUGAL 6 D E 1 3

M/ MOMENTO F/ FIGURA

A primeira passagem pelos 37,6 Naturalmente, Thierry Neuville foi o
quilómetros de Amarante, no sábado homem em destaque nesta 52.ª edição
de manhã, aumentou a diferença do Rali de Portugal e ninguém merece
entre Neuville e Evans de 12,7s para mais louros do que o belga. Tanto
29,9s. Na segunda passagem por pela prova madura e consistente que
esse troço, a diferença entre ambos fez, como pelo facto de ter colocado
subiu para 39,8s com o rali a ficar o campeonato a seu favor quando
praticamente decidido no sábado ao estamos prestes a concluir a primeira
final da tarde. metade da temporada.

+/ MAIS os pilotos voltaram a ficar rendidos à >> autosport.pt
experiência.
PÚBLICO EXEMPLAR 7
Mais uma vez, o Rali de Portugal provou A CLÁSSICA DE FAFE
que é um dos maiores fenómenos Não é possível falar de locais COMENTÁRIO
de massa do desporto nacional e o emblemáticos sem referir a DO VENCEDOR
público português também voltou a classificativa de Fafe e a massa
mostrar-se à altura das exigências de humana que, mais uma vez, emoldurou THIERRY NEUVILLE
um Campeonato do Mundo FIA. Não aqueles 11,18 kms que fazem parte da
se registaram incidentes de maior história dos ralis mundiais. As duas Normalmente, Thierry Neuville
com o público nesta edição e, tal passagens por Fafe, especialmente não é dos pilotos mais expan-
como Michèle Mouton afirmou, a FIA aquela que tinha pontos em disputa, sivos do Mundial de Ralis, mas
considera exemplar o comportamento foram um espetáculo único para quem a felicidade do belga era bem
dos adeptos portugueses. viu ao vivo ou na televisão. visível no final de uma prova in-
tensa e onde o seu grande rival
SUPER ESPECIAIS DE LOUSADA E SUNINEN CONFIRMA TALENTO dos últimos anos acabou por
PORTO Já tinha prometido na Polónia e claudicar. “Acho que podemos
Multidões, cenários emblemáticos, na Finlândia, em 2017, mas foi em estar orgulhosos do que fize-
espetáculo dentro e fora das Portugal que Suninen subiu ao pódio mos aqui”, referiu o piloto da
classificativas. Foram assim as duas pela primeira vez na sua curta carreira Hyundai no final da Power Stage
Super Especiais do Rali de Portugal, a no WRC. O finlandês de 24 anos de Fafe, onde o segundo lugar
de abertura, na pista de Lousada, e a precisou de sete ralis no escalão lhe garantiu mais quatro pontos
Porto Street Stage, este ano com um máximo para chegar ao pódio e a extra, a juntar aos 25 da vitória
novo percurso. Os adeptos vibraram e sua ascensão já faz lembrar a do no rali. “Toda a equipa fez um
compatriota Lappi, o que significa que excelente trabalho, o carro
a Finlândia tem dois valores seguros funcionou bem e nós tentámos
no WRC... e com Kalle Rovanperä a sobretudo ser consistentes.
caminho. Ganhar aqui é sempre especial.
Temos muitos portugueses na
-/ MENOS tinha perdido José Pedro Fontes, equipa e hoje vai de certeza ha-
que nem conseguiu sair da partida ver uma grande festa”, afirmou
HECATOMBE NA SEXTA-FEIRA cerimonial em Guimarães. o belga pouco depois do ‘banho’
Tänak foi o primeiro candidato à de multidão de Fafe.
vitória a ficar fora de prova, logo MEEKE E PADDON Curiosamente, esta foi a oitava
na primeira especial ‘a sério’ do EM MAUS LENÇÓIS vitória do piloto de 29 anos
rali (PE2). No troço seguinte, a O futuro de Meeke e Paddon na Citroën (completa 30 anos no próximo
Toyota ficou sem outro dos seus e Hyundai ficou comprometido com mês) no principal escalão do
pilotos quando Latvala partiu a os despistes de ambos no Rali de WRC, ele que nunca repetiu
suspensão dianteira direita. Duas Portugal. O norte-irlandês, conhecido o triunfo em qualquer prova.
classificativas depois, foi a vez do pela sua inconsistência e excesso de Alemanha, Sardenha, Córsega,
pentacampeão do Mundo, Ogier, fogosidade, conseguiu partir o roll-bar Argentina, Polónia, Austrália,
cometer um erro pouco habitual do seu C3 WRC num capotanço na Suécia e, agora, Portugal já es-
que levou a uma saída a baixa PE12 (Amarante 1), numa altura em que tão no palmarés de Neuville mas
velocidade. O ‘loop’ de sexta-feira já rodava no sétimo lugar, sobretudo o belga não promete ficar por
à tarde terminou com o grave devido aos furos. aqui. E não há maior motivação
acidente de Paddon na PE7, que Já o neozelandês regressava ao do que liderar o campeonato
deixou o Hyundai a bloquear a Mundial depois do quinto lugar na na frente do pentacampeão do
estrada e que obrigou o neozelandês Suécia e era o comandante do rali Mundo, Ogier...
a ser transportado para o hospital. quando deitou tudo a perder na PE7
Pelo meio, o pelotão português já (Ponte de Lima 2), onde sofreu um
acidente que obrigou à neutralização
da prova. E logo num rali onde tinha
sido nomeado pela Hyundai para
pontuar para os Construtores...

quinto posto. Dani Sordo, que também tou violentamente na PE12. Meeke, que mas apostava em atacar na Power
foi penalizado em 10 segundos por ter tinha vencido em Portugal em 2016, era Stage. Só que Ogier não conseguiu
levado um conjunto de pneus à frente nessa altura o segundo melhor piloto terminar esse troço de Fafe nos cinco
na Porto Street Stage, colocou o seu da Citroën, atrás do regressado Mads mais rápidos. Contas feitos, o francês
Hyundai no quarto lugar. O espanhol Ostberg, que terminaria em sexto e tem agora uma desvantagem de 19
não estava nomeado pela Hyundai na frente de Craig Breen, que no final pontos para Neuville no campeonato,
para pontuar para o Mundial de Cons- seria sétimo. Ainda pior foi o desfe- mas sabendo que o belga terá de abrir
trutores mas também voltou a ficar cho final para Sébastien Ogier, com a estrada no Rali de Itália – Sardenha,
algo aquém de Neuville em termos o pentacampeão do Mundo a sair de de 7 a 10 de junho. Para além disso, a
de andamento puro. O evento foi um Portugal sem qualquer ponto. Depois M-Sport utilizou uma ‘brecha’ no regu-
dos piores do ano para a Citroën, que do ligeiro erro que o colocou fora de lamento, com o francês a ‘desistir’ na
ficou sem Kris Meeke após mais um estrada na sexta-feira, o francês cor- ligação, podendo dessa forma utilizar
excesso do norte-irlandês, que capo- reu sem qualquer objetivo no sábado um motor novo em Itália.

WRC/
CAMPEONATO DO MUNDO DE RALIS

8 VODAFONE RALLY DE PORTUGAL 6 D E 1 3

M-SPORT FORD WORLD RALLYTEAM
DUPLO PÓDIO NO AZAR DE OGIER

Com Malcolm Wilson ausente no circuito de sobretudo pela forma como resistiu à ainda não está completamente adaptado
Silverstone, a acompanhar as operações da M- pressão de Lappi e Sordo. O finlandês, cujo ao estilo de condução do Fiesta deste ano
Sport na Velocidade, a equipa britânica acabou melhor resultado em 2018 tinha sido o oi- mas recebeu um importante tónico de
por sair de Portugal com razões para estar tavo lugar na Suécia, chegou a admitir que confiança em Portugal.
satisfeita, embora o seu ‘ponta de lança’ tenha
tido uma prova para esquecer. Sébastien Ogier
explicou a saída de estrada na sexta-feira: “Foi
um ressalto que estava no interior da curva e
que estava assinalado nas nossas notas. In-
felizmente, eu optei por manter o acelerador a
fundo porque queria manter a velocidade para
a curva seguinte mas o impacto no ressalto
partiu a direção e já não havia nada a fazer.”
Com isto, Ogier andou durante todo o sábado
a poupar pneus e material para a Power Stage
de domingo, enquanto Elfyn Evans e Teemu
Suninen esforçavam-se por colocar pressão
nos Hyundai. O galês ainda chegou a estar a
apenas 7,3s de Thierry Neuville mas perdeu
muito tempo nas duas passagens pela Porto
Street Stage, no final da etapa de sexta-feira,
e sobretudo nas duas passagens pela clas-
sificativa de Amarante, da qual saiu já a quase
40s do belga. Ainda assim, Evans conquistou
o seu melhor resultado da época até ao mo-
mento, depois do quinto lugar na Córsega.
Suninen, por outro lado, conseguiu o melhor
resultado da sua carreira e impressionou

TOYOTA GAZOO RACINGWORLD RALLYTEAM
LAPPI SALVOU A HONRA

Depois da exibição na Argentina, a Toyota era segundos por ter tocado nos pneus da es- sendo claramente o mais rápido na Power completamente no limite durante um dia
uma forte candidata à vitória em Portugal, pecial portuense. Quando teve o seu Yaris Stage de Fafe, onde conseguiu um tempo e meio. Queria pelo menos o pódio mas
sobretudo porque Ott Tänak tinha mostrado WRC em perfeito estado, o mais jovem histórico: 6m33,2s. o Teemu esteve muito bem e merece-o”,
uma rapidez impressionante na América dos finlandeses mostrou um andamento “Nunca tinha atacado tanto na minha concluiu o piloto da Toyota, que é agora o
do Sul e porque Jari-Matti Latvala já tinha promissor e venceu duas classificativas, carreira”, revelou Lappi no final. “ Andei quinto classificado do Mundial.
vencido a prova portuguesa em 2015. Só que
tanto o estónio como o veterano finlandês
ficaram KO nos dois primeiros troços a
sério do rali. Tänak começou por ganhar a
popular Super Especial na pista de Ralicross
de Lousada, na quinta-feira, confirmando
o seu bom momento de forma. Só que logo
na primeira especial de sexta-feira, Viana
do Castelo 1, o Fiesta de Sébastien Ogier
arrastou duas enormes pedras para o troço
e Tänak não conseguiu evitar um violento
embate que acabou por partir o radiador do
Yaris WRC. Latvala também não passou do
troço seguinte, com a suspensão dianteira
direita partida, o que deixava Esapekka Lappi
como único representante da equipa liderada
por Tommi Mäkinen.
Lappi também não foi muito feliz pois
demorou a encontrar o set up ideal na
sexta-feira de manhã e depois à tarde
partiu um amortecedor traseiro e teve
de disputar quatro especiais (incluindo
a Porto Street Stage) nessas condições,
sendo penalizado no final do rali em 10

>> autosport.pt

9

HYUNDAI SHELLMOBISWORLD RALLYTEAM
NA MÓ DE CIMA

Além da vitória indiscutível de Thierry Neu- Andreas Mikkelsen também teve um rali da luta pelos primeiros lugares, com a
ville, o resultado de conjunto da Hyundai com problemas, sobretudo de direção as- Hyundai a retirar depois potência ao i20
no Vodafone Rali de Portugal poderia ter sistida, ainda na sexta-feira. O norueguês WRC para que Mikkelsen conseguisse
sido ainda melhor, caso Dani Sordo, Andre- teve mesmo de usar o Rally 2 e ficou fora chegar ao final do rali.
as Mikkelsen e Hayden Paddon tivessem
concretizado o andamento que evidenci-
aram ao longo da prova. Tanto o espanhol
como o neozelandês passaram pelo
comando do rali mas Paddon viria a sofrer
um acidente na segunda passagem pela
classificativa de Ponte de Lima, na sexta-
feira à tarde, para a qual entrou como líder
do rali. O ex-campeão do PWRC, que já não
corria no WRC desde o Rali da Suécia, em
fevereiro, teve de ser transportado para
o hospital onde passou uma noite em
observação. Paddon continua sem sorte
no Rali de Portugal pois em 2016 o seu
Hyundai i20 WRC tinha ardido nesta prova
e no ano passado teve de desistir duas
vezes com problemas mecânicos. Quanto
a Sordo foi penalizado em 10 segundos por
embater nos pneus da Porto Street Stage
e ainda partiu o pára-brisas no domingo,
quando tentava a todo o custo chegar ao
terceiro lugar. O espanhol terminou no
quarto posto e garantiu mais três pontos
extra na Power Stage.

CITROËN TOTAL ABU DHABI WRT
CONTINUA O PESADELO

A Citroën vinha de um Rali da Argentina onde o representante da Citroën, vindo a terminar no Craig Breen terminou logo atrás do experiente tivas para salvarem a sua época, que neste
melhor que conseguiu foi um sétimo lugar por sexto posto final, naquela que foi apenas a norueguês mas os responsáveis da Citroën momento de salda por dois pódios (Breen na
parte de Kris Meeke, mas o Rali de Portugal sua segunda prova no WRC em 2018. terão urgentemente de encontrar alterna- Suécia e Meeke no México) em seis provas.
não correu muito melhor à equipa francesa.
A vitória de Meeke em Portugal em 2016, já
nesta versão do Rali de Portugal, abria boas
perspetivas de um resultado animador e
o certo é que o norte-irlandês passou pelo
comando da prova duas vezes: após ser o mais
rápido na PE3 (Caminha 1) e quando venceu
a PE5 (Viana do Castelo 2). Só que na PE6, a
segunda passagem pelo demolidor troço de
Caminha, Meeke sofreu um furo ao km 3 da
especial e o pneu chegou ao final da classifi-
cativa completamente destruído, obrigando
o piloto da Citroën a ceder 18,5s e o comando
da prova. Tudo piorou quando Meeke ficou
sem pneus em bom estado para completar
a etapa, disputando as duas passagens pela
Porto Street Stage sem pneu na roda traseira
esquerda. Uma opção para a dupla da Citroën
que guardou um pneu danificado na mala para
conseguir chegar até ao parque de assistên-
cia na Exponor no final do dia.
Só que Meeke viria a sofrer um violento capo-
tanço no final da manhã de sábado, na PE12,
destruindo por completo o seu C3 WRC, ao
ponto do roll bar ter cedido. O piloto acabou no
hospital e Mads Ostberg ficou como o melhor

WRC/
CAMPEONATO DO MUNDO DE RALIS

10 V O D A F O N E R A L LY D E P O R T U G A L 6 D E 1 3

FIA REJEITA APELO DA M-SPORT SOBRE
PENALIZAÇÃO DE OGIER NO MÉXICO

A FIA rejeitou o apelo da M-Sport sobre a penalização de A M-Sport foi chamada para uma audiência em Paris no RADSTRÖM
10 segundos atribuída a Sébastien Ogier pelos comis- início do mês mas foi informada pela FIA na passada TRIUNFA NO WRC3
sários do Rali do México, devido ao toque do penta- quinta-feira que o seu apelo foi rejeitado. Recorde-se
campeão do Mundo numa chicane da Power Stage. Essa que, em fevereiro, Ogier tinha penalizado propositada- Denis Radström venceu a competição do
penalização custou quatro pontos a Ogier, que desceu do mente antes da Power Stage na Suécia para obter uma WRC3 e Junior WRC no Vodafone Rali de
segundo para o sétimo lugar da especial, apesar de ter posição de partida mais favorável, vindo a conquistar Portugal, com uma vantagem que não deixa
ganhado o rali. quatro pontos nessa especial. dúvidas sobre quem foi o piloto mais forte
na categoria dos Ford Fiesta R2T: mais de
14 minutos sobre o segundo classificado,
o italiano Enrico Oldrati. A competição
dos mais jovens pilotos do Mundial esteve
animada até ao final da manhã de sábado,
quando apenas 1,2s separavam o então líder,
Emil Bergkvist, de Radström, com o estónio
Ken Torn no terceiro lugar a pouco mais de
20s do comando. Só que Bergkvist capotou
na PE12, a segunda passagem por Amarante,
e Torn também desistiu com um braço de
suspensão partido. Isto deixou Radström
completamente isolado no comando. O
jovem piloto garantiu assim a segunda
vitória da temporada, pois já tinha ganhado
em ‘casa’, na Suécia. O neozelandês David
Holder completou o pódio, atrás de Oldrati.

CHILE E JAPÃO SÃO POSSIBILIDADES PARA 2019

Oliver Ciesla, responsável máximo do a lista de países que querem integrar
WRC Promoter, confirmou ao AutoSport o WRC é muito maior do que era há
que o calendário do campeonato poderá cinco anos. Nem todos os eventos têm
ser alargado a novos países já em 2019. o nível que nós esperamos. A China, por
“Hoje, se perguntarem a 100 pessoas exemplo, ainda não tem um organizador
na Europa se têm interesse no desporto que possa garantir os requisitos que
motorizado, 30 dirão que sim. Se formos pretendemos num local tão estratégico
para a América do Sul, 44 dirão que para nós. Estivemos no Chile duas vezes
sim. Mas não estamos em África e não em observação e eles organizaram um
estamos na Ásia. Há espaço para novos excelente evento candidato. O Japão
mercados no calendário. Mercados também pode ser uma opção para 2019,
onde os automóveis ainda podem ser até porque eles têm a experiência do
vendidos a um jovem, enquanto os passado e nós, enquanto Mundial, temos
jovens na Europa estão mais preocu- que ter um rali na Ásia. Também há ab-
pados com o seu telemóvel”, analisou ertura do Governo do Quénia para voltar
o alemão. “Hoje em dia um evento do a ter um evento do WRC e estivemos a
WRC garante, em média, 40 por cento observar um rali nacional que nos sur-
de espetadores vindos do estrangeiro, preendeu positivamente e que poderá
que chegam a um país ou a uma região e ser hipótese para 2020. A Índia, a Malá-
que geram milhões de euros de retorno sia e Coreia do Sul são outras opções a
financeiro e publicitário. Neste momento longo prazo”, referiu Oliver Ciesla.

>> autosport.pt

11

TIDEMAND COMO VI C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S
REFORÇA O RALI
COMANDO VODAFONE RALI DE PORTUGAL 6 DE 13
DO WRC2 JOSÉ LUÍS ABREU
18/05 A 20/05/2018
A prova do WRC2 em Portugal acabou Mas que grande Rali de
por ser ganha pelo líder do campeonato, Portugal. Um evento que 1583,08 KM 358,19 KM 1.º DIA 2.º DIA 3.º DIA
Pontus Tidemand, que tinha perdido deixou público, organizador,
mais de um minuto com um furo na FIA e Promotor imensamente DISTÂNCIA 20 TROÇOS
sexta-feira. A recuperação do piloto felizes. Se estivéssemos em
oficial da Skoda foi auxiliada pelos furos Hollywood e fosse escrito PROVA CARRO
sofridos no último troço de sábado um argumento ‘vencedor’, TEMPO/DIF.
por Stéphane Lefebvre, que liderava a não seria muito diferente. 1º THIERRY NEUVILLE/NICOLAS GILSOUL
competição com o novo Citroën DS3 R5. Foi igualado o recorde de 2º ELFYN EVANS/DANIEL BARRITT HYUNDAI I20 WRC 49M46,6S
Nessa altura, já Gus Greensmith tinha 11 vencedores diferentes 3º TEEMU SUNINEN/MIKKO MARKKULA FORD FIESTA WRC + 40,0S
desistido com a suspensão do seu Ford de troços, isto quando os 4º DANI SORDO/CARLOS DEL BARRIO FORD FIESTA WRC + 47,3S
Fiesta R5 partida, depois do britânico WRC’17 são apenas 13. Ott 5º ESAPEKKA LAPPI/JANNE FERM HYUNDAI I20 WRC + 1M00,9S
também ter passado pelo comando do Tänak e Hayden Paddon 6º MADS OSTBERG/TORSTEIN ERIKSEN TOYOTA YARIS WRC + 1M04,7S
WRC2 na sexta-feira. Assim, Tidemand bateram quando lideravam, 7º CRAIG BREEN/MARTIN SCOTT CITROËN C3 WRC + 3M33,5S
ganhou pela terceira vez consecutiva o que acrescenta sempre 8º PONTUS TIDEMAND/JONAS ANDERSSON CITROËN C3 WRC + 5M23,0S
este ano, depois do segundo lugar na sensação à prova; houve 9º LUKASZ PIENIAZEK/PAVEL MAZUR SKODA FABIA R5 + 4M10,8S
Suécia e dos triunfos no México e na mudança de líder em todas 10º STÉPHANE LEFEBVRE/GABIN MOREAU SKODA FABIA R5 + 16M17,3S
Argentina, onde teve um excelente duelo as sete primeiras especiais (…) CITROËN C3 R5 + 6M34,3S
com o jovem Kalle Rovanperä, ausente do rali; o até então líder do 14º ARMINDO ARAÚJO/LUÍS RAMALHO
em Portugal. O polaco Lukasz Pieniazek campeonato somou zero HYUNDAI I20 R5 + 2M35,3S
(Skoda) terminou no segundo lugar, e pontos, mas ainda assim
Lefebvre completou o pódio na frente do a sua equipa, a M-Sport, PE VENCEDORES DE PE
Hyundai de Pierre-Louis Loubet. colocou dois carros no pódio. CAUSA
Foi a primeira vitória de PE THIERRY NEUVILLE
PORTO STREET Neuville e da Hyundai no Rali ABANDONOS LÍDERES ESAPEKKA LAPPI
STAGE FOI UM de Portugal, um evento que, SÉBASTIEN OGIER
SUCESSO desde que rumou ao Norte, OTT TÄNAK PE2 RADIADOR OTT TÄNAK PE1 KRIS MEEKE 5
nunca repetiu um vencedor HAYDEN PADDON PE7 ACIDENTE ELFYN EVANS 2
Carros do WRC num cenário em- (Latvala, Meeke Ogier e agora KRIS MEEKE PE12 ACIDENTE HAYDEN PADDON PE2 E PE6 DANI SORDO 2
blemático, milhares de espetadores Neuville). O primeiro dia foi YAZEED AL-RAJHI PE18 AVARIA OTT TÄNAK 2
num (novo) percurso feito para o es- quase calamitoso para a KRIS MEEKE PE3 E PE5 HAYDEN PADDON 2
petáculo e, segundo um estudo do Nú- Toyota, com os abandonos de 1
cleo de Investigação do ISAG, cerca Tanak e Latvala, que Esapekka DANI SORDO PE4 1
de 15 milhões de retorno económico Lappi mitigou com o seu 1
direto para a cidade. Foi assim o resultado final. Na Citroën, THIERRY NEUVILLE PE7 A PE20
balanço da Porto Street Stage, que outra má prova, mas os
este ano só foi condicionada pela ‘deuses’ estiveram com Kris Monte Carlo
neutralização do rali na classificativa Meeke e Paul Nagle, aquando Suécia
anterior, Ponte de Lima 2. Referências do seu acidente, basta ver o México
portuenses dos ralis, como Pedro Ma- estado em que ficou o carro. França
tos Chaves e Fernando Peres, também Se todas as provas do WRC Argentina
deram espetáculo ao ‘passearem’ devolvessem ‘ação’ como o Portugal
alguns convidados em dois Mitsubishi Rali de Portugal, o promotor Itália
Lancer Evo IX, contribuindo para um não precisava de inventar Finlândia
evento que começa a tornar-se um mais nada… Alemanha
ícone do Rali de Portugal. Espanha
Turquia
Grã-Bretanha
Austrália
TOTAL

PILOTOS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

1. NEUVILLE THIERRY 10+4 25+2 8+2 15 18+5 25+4 - - - - - - - 119

2. OGIER SÉBASTIEN 25+1 1+4 25+4 25+3 12+4 0 - - - - - - - 100

3. TÄNAK OTT 18+0 2+1 0+5 18+1 25+2 0 - - - - - - - 72

4. SORDO DANI NT 0 18 12 15 12+3 - - - - - - - 60

5. LAPPI ESAPEKKA 6+0 12+5 0 8+5 4 10+5 - - - - - - - 55

6. MIKKELSEN ANDREAS 0+3 15+3 12+1 6 10+3 0 - - - - - - - 54

7. EVANS ELFYN 8+0 0 0 10 8 18+1 - - - - - - - 45

8. MEEKE KRIS 12+5 0 15 2+2 6+1 0 - - - - - - - 43

9. LATVALA JARI-MATTI 15+2 6+0 4+3 NT 0 0 - - - - - - - 31

10. BREEN CRAIG 2+0 18+0 0 0 0 6 - - - - - - - 26

10. SUNINEN TEEMU 0 4+0 0 0 2 15+2 - - - - - - - 23

11. ØSTBERG MADS 0 8+0 0 0 0 8 - - - - - - - 16

12. LOEB SÉBASTIEN 0 0 11 0+4 0 0 - - - - - - - 15

13. TIDEMAND PONTUS 0 0 6 0 1 4 - - - - - - - 11

14. PADDON HAYDEN 0 10+0 0 0 0 0 - - - - - - - 10

MARCAS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

1. HYUNDAI 14 40 30 27 33 31 - - - - - - - 175

2. M-SPORT FORD WRT 33 10 29 35 22 33 - - - - - - - 162

3. TOYOTA 33 20 14 26 31 16 - - - - - - - 140

4. CITROËN 18 28 25 10 12 18 - - - - - - - 111

WRC2 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

1 TIDEMAND PONTUS - 18 25 - 25 25 - - - - - - - 93

2 KOPECKÝ JAN 25 - - 25 - - - - - - - - 50

3 GUS GREENSMITH - - 18 18 4 40

4 PEDRO HELLER - 15 15 1 31

5 LUKASZ PIENIAZEK 2 10 18 30

12 CPR/
CAMPEONATO DE PORTUGAL DE RALIS - RALI DE PORTUGAL

Vodafone Rally de Portugal foi o novo Citroën C3 R5, naquela que era a
o quarto desafio do ano para estreia competitiva em terra do modelo
os concorrentes do Campeo- francês. Só que o carro recusou-se a pegar
nato de Portugal de Ralis. Tal à saída do Parque Fechado da partida em
Guimarães, e por isso o rali da dupla da
TRIUNFO E comojátinhasucedidonos Citroën Vodafone Team terminou logo
ali. Também candidatos à luta pelos lu-
OAçores, alguns dos principais gares cimeiros do CPR, Manuel Castro/
protagonistas da competição optaram Luís Costa viram o seu Hyundai i20 R5
por deixar esta prova de fora das suas apresentar graves problemas de caixa na
escolhas, mas ainda assim o plantel era ligação para Guimarães, pelo que também
eles ficaram imediatamente pelo caminho.
LIDERANÇA rico,aindaqueissonãotenhasucedido Na super especial de Lousada, Joaquim
por muito tempo. A culpa? Contratempos Alves brilhou com o Skoda Fabia R5 ao
mecânicos e pequenos e grandes azares vencer o troço, mas tal foi Sol de pouca
que rapidamente dizimaram o plantel ao dura, já que na primeira especial do dia
Armindo Araújo e Luís Ramalho venceram a prova do CPR ponto de ter bastado chegar à segunda seguinte, Viana do Castelo, a um ligeiro
inserida no Rali de Portugal, no que representa o seu segundo especialparaapenasdoispilotosestarem toque seguiu-se um enorme capotanço
que deixou muito mal tratado o carro.
triunfo em três eventos disputados. Miguel Barbosa foi segundo na luta pela liderança. Por isso, e por exclusão de partes, foram
e levou a luta quase até ao fim... As duplas Armindo Araújo/Luís Rama- Armindo Araújo e Miguel Barbosa a re-
servar para si as despesas da luta pela
lho e Miguel Barbosa/Hugo Magalhães dianteira do CPR e a verdade é que houve
emoção e incerteza até ao último troço.
José Luís Abreu levaramatéàderradeiraespecialdaprova
[email protected] doCPR(PE12)adisputapelotriunfo.An-

FOTOGRAFIA ZOOM MOTORSPORT/ANTÓNIO SILVA; AIFA/JORGE CUNHA; RICARDO OMS PHOTO E BERNARDO PÓVOAS tes disso, cedo ficaram pelo caminho os
outros dois principais candidatos à luta
pelos lugares cimeiros. José Pedro Fontes e
Paulo Babo estreavam no Rali de Portugal

AÇÃO E REAÇÃO >> autosport.pt

Na manhã da ronda pelos troços de Viana 13
do Castelo, Caminha e Ponte de Lima, Mi-
guel Barbosa errou na afinação do Skoda, COMENTÁRIO
com Armindo Araújo a aproveitar para DO VENCEDOR
somar, chegando ao final da manhã com
31.9s de avanço. Só que Barbosa alterou ARMINDO ARAÚJO
as especificações do seu carro e durante
a tarde foi recuperando terreno paulati- Armindo Araújo e Luís Ramalho
namente, chegando ao fim do dia apenas asseguraram no Rali de Por-
a 9.3s do piloto do Team Hyundai Portugal, tugal o seu segundo triunfo
facto que deixava tudo em aberto para a consecutivo, e com isso ascend-
decisiva manhã de prova. Aí, apostado em eram ao comando do Campeona-
não permitir maior aproximação, Araújo to de Portugal de Ralis. A dupla
foi buscar mais 7.7s e chegou a Amarante do Hyundai i20 R5 liderou desde
17.0s na frente. a PE2, realizando uma prova de
Os quase 40 km da especial deixavam gestão, e atacando só quando
tudo em aberto, mas nos parciais cedo se foi necessário: “As coisas estão
percebeu que algo se passara com Barbo- a correr bem, a Hyundai tem
sa. O piloto da BP Ultimate Vodafone Skoda feito um excelente trabalho, a
Team tinha acumulado terra no radiador vitória de Mortágua motivou
do seu carro, e o líquido de refrigeração muito a equipa, viemos para o
do motor do Fabia subiu para tempera- Rali de Portugal com objetivos
turas muito altas, o que levou Barbosa a bem claros, que era amealhar o
maior número de pontos e ser-
mos os melhores portugueses
no final, fizemos uma excelente
operação para o CPR. Cumpri-
mos à risca a estratégia que
delineamos à partida, foi uma
prova muito dura e longa, mas
o Hyundai i20 R5 esteve sempre
em grande nível e toda a equipa
fez um excelente trabalho. É
ótimo voltar a vencer e chegar a
líder do campeonato”, disse.

cpr/

14 C A M P E O N A T O D E P O R T U G A L D E R A L I S 4 D E 9

tratar de assegurar ‘um pássaro na mão’, campeonato só agora chegou a meio. vagar andou na sua carreira. Terminou a CupIbérica, a prova dos 2WD ficou muito
o segundo lugar, ao invés de ‘deixar dois Contas rápidas, Armindo Araújo passa 11m03s de Barbosa. No quarto lugar ficou marcada por essa competição, já que os
no céu a voar’. para o comando da competição com 66,15 Daniel Nunes, que venceu as duas rodas pilotos olharam maioritariamente para
Ironicamente, Araújo teve nesse mesmo pontos, Ricardo Moura mantém-se com motrizes. Enquanto andou, António Dias aí, sendo que o CPR2 foi uma... con-
troço problemas com os travões e pensou 54,35 - mas no futuro se fizer será so- não rodava longe de Salvi, mas na PE5 a sequência. Tal como referimos noutro
que o triunfo estava ‘condenado’. Mas não mente uma prova ou outra - e no terceiro quebra de um braço de suspensão do Sko- lado desta reportagem, Pedro Antunes
estava, e a dupla do Team Hyundai Por- lugar está agora Miguel Barbosa, com da Fabia R5 levou-o ao abandono. Assim, e desistiu cedo e Gil Antunes foi líder en-
tugal venceu a prova do CPR e ascendeu 53,65 pontos. apesar de muitos problemas durante o rali, quanto Daniel Nunes não recuperou do
com isso ao comando do campeonato. Alfredo Barros foi quinto, terminando na atraso inicial, mas na PE3 o piloto do
As coisas terminaram ali em termos de LÁ LONGE... frente do segundo melhor ‘sobrevivente’ Peugeot 208 R2 já liderava e já daí não
CPR, mas tanto Araújo como Barbosa Daqui para a frente, ‘outro’ CPR. O lá de nas duas rodas motrizes, Gil Antunes. O saiu até final.Dosrestantesportugueses
foram até ao fim do rali, onde o piloto do trás. Partindo para a estrada bem mais piloto do Peugeot 208 R2 competiu na que terminaram o Rali de Portugal (mas
Hyundai i20 R5 se tornou pela oitava vez atrás, os restantes pilotos do CPR pas- nova Peugeot Rally Cup Ibérica, onde foi não contaram para o CPR) falamos noutro
o melhor português no Rali de Portugal. saram um calvário de maus pisos. Nada segundo, mas assegurou um bom triunfo lado, sendo que João Fernando Ramos
Portanto, ‘venceu duas vezes’. que não esperassem, mas, por exemplo, nos 2WD nacionais. Pelo caminho ficaram abandonou já perto do fim. O Campeonato
Quanto a Barbosa, este segundo lugar Diogo Salvi confessou no final que obteve ainda Joana Barbosa e Sofia Mouta. de Portugal de Ralis regressa dentro de
reaproxima-o da luta pelo título, pois o um pódio no CPR no rali em que mais de- Tendo em conta a estreia da Peugeot Rally três semanas com o Rali Vidreiro.

>> autosport.pt

15

+/ MAIS (Mitsubishi Lancer Evo X), Francisco
Teixeira (Škoda Fabia R5) e Pedro
ATÉ AO FIM Rodrigues (Subaru Impreza WRX STi).
Com maiores ou menores dificuldades,
há sempre que salientar os portugueses RICARDO MARQUES
que chegaram ao fim numa prova do O piloto de Vieira do Minho fez um
WRC tão complicada como o Rali de rali em crescendo, evidenciando um
Portugal. Para além do pódio ocupado andamento cada vez melhor: “Só guiei
por Armindo Araújo, Miguel Barbosa o carro no shakedown, fizemos uma
e Diogo Salvi, destaque ainda para boa prestação, concentrados, e a
Alfredo Barros (Ford Fiesta R5), Ricardo pouco e pouco a andar cada vez melhor.
Marques (Hyundai i20 R5), José Barbosa Estava parado desde ano passado, não
conduzia um motor turbo há anos, mas
diverti-me e foi muito emocionante
passar em Vieira do Minho. Foi muito
especial correr na minha terra.”

-/ MENOS PE2 foi um ‘tiro’ para Joaquim alves:
“Começámos bem em Lousada, e
MANUEL CASTRO E O AZAR no segundo dia entrámos bem, mas
‘Menos’ não pela prestação do piloto, demos um pequeno toque num zona
mas pelo azar que não o larga. Tem rápida e não conseguimos evitar uma
sido demais, mas Manuel Castro é um saída de estrada. Capotámos. Não
resistente: “A sorte não quis uma vez estava nos planos, mas as corridas
mais nada comigo. Tínhamos tudo bem são assim, agora há que levantar a
preparado, mas infelizmente quando cabeça e pensar no próximo”.
saímos para Guimarães os dentes
da embraiagem do veio primeiro da CPR PARTIDO AO MEIO
caixa cederam. Estamos desiludidos Sabemos que as regras da FIA são
e tristes, mas os ralis são mesmo rígidas a esse nível, e só a intervenção
assim.” da FPAK permitiu ter quatro pilotos
do CPR logo a seguir aos WRC2, mas
JOAQUIM ALVES NEM AQUECEU partir o CPR ao meio deixa sempre um
De mais rápido na PE1 ao abandono na sabor bem amargo a quem sai a ‘fava’
de ficar lá atrás. É excelente o CPR
no Rali de Portugal, mas há aspetos
negativos.

M/ MOMENTO Depois de Armindo Araújo ter chegado
F/ FIGURA ao final da primeira manhã de prova com
31.9s de avanço para Miguel Barbosa,
e deste ter recuperado durante a tarde
colocando a diferença em 9.3s, o facto
de Armindo Araújo ter reagido nos dois
primeiros troços do segundo dia tornou
muito difícil a reação de Barbosa.
Decidiu-se aí a questão...

Depois de todas as dificuldades que teve
na primeira prova em Fafe, Armindo Araújo
e a sua equipa puseram mãos ao trabalho.
O piloto surgiu em Mortágua bem mais
competitivo, confirmando com o triunfo no Rali
de Portugal que é um sério candidato ao título.
A forma como geriu a sua prova, sabendo das
dificuldades do rali, foi decisivo. A experiência
de muitos anos de WRC ajudou...

cpr/

16 C A M P E O N A T O D E P O R T U G A L D E R A L I S 4 D E 9

venceram especiais. Na primeira ronda
pelos troços, Bassas andou perto da
frente, ascendendo à liderança na se-
gunda passagem por Viana do Castelo,
quando boa parte da concorrência já
tinha enfrentado dificuldades, posição
que não mais largou até ao Porto Street
Stage. No pódio ficaram ainda Daniel
Nunes/Rui Raimundo e os britânicos
Cameron Davies/Max Freeman, curio-
samente, representantes dos três países
na competição.

PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA ALTOS E BAIXOS

BASSAS FAZ HISTÓRIA Depois de Pedro Antunes, líder dos 2WD
no CPR, ter vencido em Lousada, um
O espanhol Josep Bassas, filho do antigo e já falecido piloto de Ralis com o mesmo nome, despiste tirou-o de prova. Diogo Gago
tornou-se no primeiro vencedor da nova Peugeot Rally Cup Ibérica, uma competição que assumiu a posição ao vencer em Via-
na do Castelo, mas um furo atrasou-o,
coloca frente a frente os melhores pilotos ibéricos, e não só, dos Peugeot 208 R2 passando Cameron Davies para a frente,
onde estava a meio do dia, detendo uma
Está dado o tiro de partida para vantagem de 26,01s face ao espanhol
esta importante competição Josep Bassas, com Gago a 34.8s. O es-
levada a cabo pela Peugeot panhol venceu no regresso a Viana do
Portugal e Espanha, com apoio Castelo, passando para o comando da
técnico e logístico da Sports & prova, que manteve na segunda pas-
You. 21 equipas não faltaram à sagem por Caminha. Gago desistia aí,
chamada e o palco foi de exceção: os e depois da anulação da passagem por
difíceis troços da primeira etapa do Ponte de Lima (acidente de Hayden Pa-
Rali de Portugal. ddon no WRC) os pilotos dos Peugeot
Com o testemunho de muito público na 208 R2 deixavam tudo por decidir na
estrada, a dupla espanhola Josep Bas- Porto Street Stage, mas os 2m01,3s a
sas/Manuel Munoz Castilla foi quem que Daniel Nunes estava de Bassas
levou a melhor, numa prova que teve eram demasiado para qualquer volte
diversos líderes. Pedro Antunes foi face no Porto.
o primeiro, a que se seguiram Diogo Daniel Nunes foi o mais rápido na primei-
Gago, o inglês Davies Cameron e, por ra passagem, mas Bassas não errou e
fim, Pep Bassas. Cinco pilotos distintos venceu a competição na geral e também
a classe Júnior. “Foi uma vitória muito
C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S especial, sabíamos que podíamos andar
na frente e ganhar foi muito importante
1.º JOSEP BASSAS/MANUEL MUNOZ CASTILLA (ES) 1H56M58,9S porque não temos muitos patrocinado-
res e o prémio de 5000€, mais 1000€
2.º DANIEL NUNES/RUI RAIMUNDO (PT) A 1M36,1S por ter ganhado a classe Júnior, vai aju-
dar-nos para cumprir a época”, disse
3.º CAMERON DAVIES/MAX FREEMAN (GB) A 3M51,0S Bassas. Já Daniel Nunes, que terminou
em segundo, também se mostrou satis-
4.º ROBERTO BLACH NUNES/JOSE MURADO GONZALEZ (ES) A 6M16,5S feito: “Estivemos na luta pela vitória até
final, isto apesar de ter tido dois furos
5.º JUAN MANÁ/BORJA ODRIOZLA TORRE (ES) A 7M17,3S na primeira passagem por Viana do
Castelo e em Ponte de Lima. Na segunda
6.º IVAN MEDINA HERRERA/YERAY MUJICA EUGENIO (ES) A 7M57,5S passagem por Caminha partimos um
amortecedor”. Muitos contratempos
7.º JOÃO ALVES/JOSÉ RODRIGUES (PT) A 10M19,2S mas um bom resultado. Cameron Da-
vies terminou no pódio, enquanto os
8.º PAULO MOREIRA/MARCO MACEDO (PT) A 14M18,4S espanhóis Roberto Blach e Juan Maná
encerraram, respetivamente, o top 5. Na
9.º RUI CARVALHO/JORGE CARVALHO (PT) A 15M10,7S classe ‘Ladies’ destacou-se a britânica
Nabila Tespar. Pelo caminho ficaram
10.º ALBERTO SAN SEGUNDO/JUAN LUÍS GARCÍA (ES) A 16M35,5S Pedro Antunes/Paulo Lopes (PT); Jan
SolansBalbo /Mauro Barreiro Zas (ES);
11.º NABILA TEJPAR/RICHARD BLISS (GB) A 17M27,7S Álvaro Pérez/Brais Mirón (ES); Ramon
Cornet/Dani Noguer Sanchez (ES); Dio-
12.º MIGUEL LOBO/MARCO MACEDO (PT) A 25M36,6S go Soares/Luís Rodrigues (PT); Diogo
Gago/Miguel Ramalho (PT); Francisco
13.º HUGO LOPES/ALBERTO SILVA (PT) A 32M28,1S Dorado/Roi Terrente Perez (ES); Ricardo
Sousa/Luís Marques (PT). A competição
prossegue no Rali de Castelo Branco,
prova de asfalto que se realiza nos dias
30 de junho e 1 de julho.

MIGUEL BARBOSA SEGUNDO C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S >> autosport.pt

Miguel Barbosa e Hugo Magalhães voltaram a evidenciar no Rali de Portugal o RALI DE PORTUGAL 4 DE 9 17
andamento já visto em Fafe e Mortágua, o qual lhes permitiu levar a luta pelo
triunfo até ao último troço. Porém, um contratempo mecânico na derradeira 18/05 e 19/05/2018 2.º DIA
especial impediu-os de lutar até ao fim, tendo a dupla que se contentar com o
segundo lugar no CPR: “Escolhemos mal os pneus e afinações no primeiro dia, 699,24 KM 229,34 KM 1.º DIA
recuperámos muito à tarde (ndr.: de uma desvantagem de 31.9s para 9.3s), e
deixámos tudo em aberto para o segundo dia. Aí, começámos por perder seis DISTÂNCIA 12 TROÇOS
segundos, mas a especial de Amarante permitia-nos acreditar que poderíamos
fazer a diferença, no entanto o sobreaquecimento do motor (ndr.: devido a terra PROVA CARRO
que se acumulou no radiador) levou-nos a ter que gerir para assegurar a posição. TEMPO/DIF.
Foi pena, mas parabéns ao Armindo e ao Luís. Contudo, este segundo lugar reforça 1 ARMINDO ARAÚJO/LUIS RAMALHO
a nossa posição no campeonato”, disse. 2 MIGUEL BARBOSA/HUGO MAGALHÃES HYUNDAI I20 R5 2:40:54.8S
3 DIOGO SALVI/JORGE HENRIQUES ŠKODA FABIA R5 +2:57.7S
4 DANIEL NUNES/RUI RAIMUNDO ŠKODA FABIA R5 +14:01.4S
5 ALFREDO BARROS/VÍTOR OLIVEIRA PEUGEOT 208 R2 +17:36.2S
6 GIL ANTUNES/DIOGO CORREIA FORD FIESTA R5 +18:04.6S
7 NABILA TEJPAR/RICHARD BLISS RENAULT CLIO RS R3T +24:15.1S
PEUGEOT 208 R2 +38:12.3S

ABANDONOS PE VENCEDORES DE PE
CAUSA
MANUEL CASTRO PE
JOSÉ P. FONTES LÍDERES
ANTÓNIO DIAS PE1 CX. VEL. PE 1 A. ARAÚJO 6
PEDRO MEIRELES PE1 PROB. ELÉT. J. ALVES PE 2 A 12 M. BARBOSA 5
JOAQUIM ALVES PE5 AVARIA A. ARAÚJO
JOANA BARBOSA PE10 CX. VEL.
JOÃO F. RAMOS PE10 ACID. J. ALVES 1
PE10 ACID.
PE16 AVARIA

CITROËN C3 R5
DE FONTES COM
ESTREIAADIADA

O novo Citroën C3 R5 da Citroën um carro que está numa fase de
Vodafone Team recusou-se a arrancar desenvolvimento. O que se passou faz
no Parque Fechado da partida do rali parte desse desenvolvimento e é por
em Guimarães, com José Pedro Fontes isso que ainda não se está a entregar
a ficar de imediato fora de prova: carros a clientes. De qualquer forma,
“Enquanto matematicamente for as indicações foram muito boas,
possível vamos continuar a preparar penso que vamos ter um produto
os ralis e a lutar para tentar ganhar. fantástico. Agora vamos preparar o
Não depende só de nós, mas o que asfalto, um piso que gosto e onde me
aconteceu em Guimarães faz parte sinto à vontade. Vamos tentar dar a
do passado. Gostaria de agradecer volta ao jogo.”
a confiança que a Citroën Racing
depositou em nós, ao confiar-nos

PEDRO MEIRELES AZARADO

O CPR perdeu um dos seus maiores de Pedro Meireles ficou danificada: “Foi
protagonistas logo no primeiro troço do azar, fiz o salto tal como no ano passado,
segundo dia quando, após um salto, a mas se calhar este ano estava diferente.
caixa de velocidades do Skoda Fabia R5 Fomos até ao fim devagar, mas a caixa
estava rachada e a perder óleo. Foi
pena, era um rali em que depositávamos
esperanças. Agora vem a fase de asfalto,
o Skoda não será tão competitivo como
na terra, as coisas ficam mais difíceis
em termos de campeonato, mas vamos
trabalhar e evoluir o carro ao máximo para
tentarmos estar competitivos e discutir
os ralis. Não vai ser fácil, mas vamos
trabalhar para isso”, disse.

F1/18
FÓRMULA 1

“QUO VADIS” José Manuel Costa uma australiana com raízes... em Itália,
[email protected] mais exatamente, na Calabria, come-
DANIEL çou a carreira em 2005, com 15 anos, na
Com um sorriso desarmante e Western Australian Formula Ford, depois
com a mania de beber champa- de passar pelos karts.
Ganhou a F3 internacional em 2009, foi
nhe pela bota do pé direito com segundo na Fórmula Renault 3.5 em 2010
e entrou na Toro Rosso em 2012. Com a
que acaba de fazer mais de 300 saída de Mark Webber, Ricciardo tomou
o seu lugar em 2014 e, desde essa altura
quilómetros ao volante de um tem feito um excelente trabalho na Red
Bull, tendo sido terceiro no Mundial de
Fórmula 1, Daniel Ricciardo é um 2014 e de 2016 e este ano já venceu uma
RICCIARDO? australiano que chegou à Fórmula 1 pela corrida. Aliás, o australiano triunfou em
porta da HRT no já distante ano de 2011, já seis das nove corridas que a Red Bull ven-
depois de ser piloto de testes da RedBull ceu desde 2014.
em 2009 e 2010. O nascido em Perth, filho Perante isto, não seria de esperar que
de um italiano nascido na Sicilia (Giuseppe Christian Horner e Helmut Marko tudo
'Joe' Ricciardo) que se mudou para a ter- fizessem para segurar este piloto, mais
experiente e fiável, ao lado do intempes-
ra dos cangurus para casar com Grace, tivo Max Verstappen? Porém, o contra-
to de Ricciardo vai terminar no final da
Quando há pilotos em final de contrato, a 'silly season' ganha outra
cor. No caso, Daniel Ricciardo não sabe o que o destino lhe reserva,
numa incógnita que a todos percorre...

>> autosport.pt

19

temporada ao contrário do que suce- a Mercedes. Porém, já este ano, os media na Fórmula 1, o que poderia ser o garan- ço, assegurando sem problemas o final
deu com Verstappen, que viu o seu con- italianos 'puxaram a brasa à sua sardi- te de futuro para a Ferrari depois da saí- da era Vettel na Ferrari. Talento não falta
trato renovado e enriquecido, numa de- nha', e contando que Kimi Räikkönen da de Vettel. A escolha de Ricciardo faria ao monegasco!
monstração clara que a Red Bull tem no está a caminho da reforma, afirmaram todo o sentido, pois é um piloto de classe,
holandês nascido na Bélgica o seu piloto que Ricciardo já tinha assinado com a qualidade e nada complicado, divertido e E ENTÃO A MERCEDES?
número um. Não espanta, assim, que o Scuderia. Nada de muito novo porque há que não cria problemas mesmo quando
australiano não se sinta em casa e que muito tempo que se fala da reedição da as coisas ficam azedas. Finalmente, a sua A cadeira da Mercedes parece ser a mais
tenha naturais ciúmes da relação entre dupla Sebastien Vettel/Daniel Ricciardo, ascendência italiana seria garantia de de- desejável. Lewis Hamilton acabará, cedo
a equipa e Verstappen. Então, que pode o agora de vermelho vestidos. Perante tudo fesa por parte dos media transalpinos que ou tarde, por assinar um novo contrato,
australiano fazer? Por incrível que possa isto e por causa de uma Toro Rosso algo o tornariam um dos seus. Mas... pelo que o austríaco terá apenas de deci-
parecer a melhor opção de Ricciardo é... chocha em termos de talento atrás do Sebastien Vettel não deseja ter a seu lado dir se troca, ou não, o segundo piloto que
ficar na Red Bull! Eu explico. volante, Christian Horner teve de dizer alguém que em 2014 foi mais rápido que entrou na equipa de emergência devido
que a prioridade da equipa Red Bull era o quatro vezes campeão do Mundo e que ao abandono de Nico Rosberg. E caso de-
FERRARI E MERCEDES? manter a relação com Ricciardo. lhe pode fazer frente, até pelo sangue ita- cida trocar Valteri Bottas por outro piloto,
Olhando assim, preocupar-nos com o liano que lhe corre nas veias. O alemão é o estará a prejudicar-se já que o finlandês é
Quando Toto Wolff admitiu a determinada futuro de Daniel Ricciardo não faz sen- menino querido dos italianos, mas a che- agenciado por uma empresa ligada a Toto
altura que Daniel Ricciardo seria um óti- tido, pois o australiano tem as principais gada de um australiano com raízes tran- Wolff mas que está no nome e com gestão
mo candidato ao lugar ao lado de Lewis equipas a corteja-lo e tem a possibilidade salpinas poderia desequilibrar a balança. da sua esposa, Susie Wolff. Naturalmente
Hamilton, caso a Mercedes sentisse a de escolher onde vai ter sucesso. Porém... Como Räikkönen é descomplicado, não que ninguém quer acreditar que seja só
necessidade de pescar fora do seu lago não é bem assim e se analisarmos, melhor, exige mediatismo e confina-se ao seu por isso que Toto Wolff vai manter tudo
de talentos espalhado por várias disci- o que se passa na Mercedes e na Ferrari papel de segundo piloto, Vettel prefere o igual na Mercedes.
plinas de monolugares e não só, logo se talvez o que reluz não seja ouro, mas pe- finlandês a seu lado – mesmo não tendo Seja como for, nunca mencionando que
disse que o destino do australiano seria chisbeque que 'empurra' Ricciardo para nenhuma relação para lá da de trabalho desejava despejar Bottas, o austríaco
os braços de Christian Horner e para mais com Räikkönen – do que trazer para den- de 46 anos, ex-piloto e dono de 30% da
uns anos a ter de lidar com o Max 'cabeça tro de casa o 'lobo' australiano. Mercedes AMG Petronas Formula One
de vento' Verstappen. Mas, podem dizer, se Maurizio Arrivabene Team, sempre disse que caso precisasse
quiser trazer Ricciardo para Maranello, o de um piloto tinha Esteban Ocon e George
RÄIKKÖNEN SAI, alemão só tem de aceitar. O problema é Russell como pilotos capazes de assumir
que segundo alguns observadores mais o volante do segundo Mercedes. Mas es-
OU NÃO, DA FERRARI? próximos da equipa italiana, Sebastien tas escolhas comportam alguns riscos.
Vettel tem alargada influência nas deci- O mais jovem Russell, campeão da GP3
Olhando para os resultados da Ferrari, sões da Scuderia Ferrari, nomeadamente, e atualmente na F2, dificilmente poderá
Kimi Räikkönen, apesar dos seus 38 anos, nos pilotos da equipa. E como o principal estar no Mercedes em 2019 porque se-
está a fazer, até agora, uma temporada objetivo de Arrivabene é manter Vettel ria arriscado colocar um estreante num
muito sólida, apontando alguns ser este o satisfeito para evitar que ele possa de- carro ganhador. Pode acabar com a car-
melhor ano de sempre desde que regres- bandar para a Mercedes, por exemplo, afi- reira do piloto e não oferecer resultados
sou à Scuderia, curiosamente, no mesmo gura-se como difícil que Ricciardo possa palpáveis, pelo que não será, nunca, op-
ano emqueRicciardoentrounaRed Bull. seguir para Fiorano em 2019. Até porque ção para 2019. Por outro lado, Ocon é um
Reeditar a dupla de pilotos da RedBull em se for mantida a atual situação em 2019, enorme talento, sim, mas a verdade é
2014 trazendo para dentro da equipa diri- Charles Leclerc pode amadurecer mais que na comparação com Sergio Pérez, o
gida por Maurizio Arrivabene o piloto que um ano na Sauber-Ferrari e depois to- francês nunca derrubou o mexicano, tal
nesse ano foi mais rápido que Vettel, seria mar o lugar de Kimi Räikkönen, já com como Bottas nunca derrotou Hamilton.
um bom estímulo para o alemão. dois anos de Fórmula 1 debaixo do bra- Ora se Ocon não parece ser um talento
Ricciardo tem apenas 28 anos e tem do tamanho de Hamilton, tal como suce-
pela frente duas mãos cheias de anos

F1/
FÓRMULA 1

20

de com Bottas, faria algum sentido trocar
o finlandês pelo francês? Claro que não!
Contas feitas, Toto Wolff só tem duas op-
ções: ou renova mais uma temporada com
Valteri Bottas ou tenta ir buscar Daniel
Ricciardo para o colocar ao lado de Lewis
Hamilton.
Recuemos no tempo até 2008 quando
Valteri Bottas e Daniel Ricciardo eram
adversários na Fórmula Renault 2.0
WEC. O segundo tinha o apoio da Red
Bull e ganhou a competição face a um
finlandês tímido que suscitava mais
dúvidas que certezas apesar de uma
carreira muito sólida no karting, com
vários títulos. Por seu turno, Bottas ga-
nhou, nesse ano, a F. Renault 2.0 NEC e a
F.Renault 2.0 Eurocup. E no seu palma-
rés constam as vitórias na GP3 em 2011
e no GP Masters F3 em 2010.
Ainda assim, Ricciardo subiu mais de-
pressa na hierarquia graças ao apoio
da Red Bull.
Fica a pergunta do milhão de euros:
é Daniel Ricciardo melhor que Valteri
Bottas? É o australiano um piloto mais

>> autosport.pt

21

completo ou um melhor piloto de testes CAIR NOS BRAÇOS DE HORNER bre a sua decisão, Carlos Sainz Jr. acaba- Esta segunda hipótese é terrivelmente
que o finlandês? Nãoéumarespostafácil. rá por acordar mais um ano de emprés- arriscada, pois não há garantias da equi-
Ricciardo é impressionante em veloci- OU 'VOAR' PARA OUTRO LADO? timo com a Renault e o responsável da pa britânica crescer no sentido certo e
dade pura e ultrapassar é uma ciência Red Bull ficaria limitado a Pierre Gasly ou se Fernando Alonso não sair em 2019, a
sem segredos para o australiano. Perante tudo isto, restam poucas dúvi- Brendon Hartley. O que seria uma situa- escolha entre McLaren e Red Bull é um
Já o finlandês destaca-se pela sua calma das sobre as opções de Daniel Ricciardo. ção agradável para o espanhol pois o filho bocadinho como escolher o fogo ou a fri-
gélida e pela sua capacidade de cumprir Afinal, são menos do que se poderia pen- de Carlos Sainz já deixou nas entrelinhas gideira, pois o espanhol não é pera doce.
voltas rápidas consecutivas com dife- sar e não será verdade que ele já tenha e em declarações a alguns jornalistas Percebe-se, agora, porque razão é que o
renças mínimas. assinado seja porque equipa for, Ferrari espanhóis que não está muito interes- australiano andou as primeiras semanas
Os dois têm feitios totalmente diferen- ou Mercedes. Por tudo isto, fica claro que sado em ser cordeiro sacrificial de Max do campeonato de 2018 bem menos sor-
tes, mas, naquilo que interessa, Valteri o mais provável é o australiano manter- Verstappen, lembrando aqui a péssima ridente que em 2017, ciente que, infeliz-
Bottas e Daniel Ricciardo equivalem-se. -se na Red Bull Racing. relação entre o espanhol e o holandês mente, não controla o seu destino e que
Perante isto, qual seria o interesse em Claro que isso implica que o australiano quando os dois estiveram na Toro Rosso. os seus desejos podem não ser concre-
trocar Bottas por Ricciardo? Valerá a tenha de engolir muitos sapos e sujeitar- Ora se Verstappen é o menino querido tizados num futuro próximo. Estar farto
pena arriscar a paz interna existente -se ao domínio de Max Verstappen. Terá de Horner e de Markko, Sainz Jr seria da Red Bull e de Max Verstappen e ter na
entre a vedeta Hamilton e o cinzento de manter-se numa equipa onde não sempre relegado para segundo plano. sua mão a carta de alforria, mas perce-
Bottas e perder o trabalho perfeito que se sente acarinhado – o caso de Baku Contas feitas, Daniel Ricciardo, 134 GP ber que se calhar tem de ficar onde não
ambos fazem durante os fim de sema- é mais que evidente – com uma esco- disputados, seis vitórias e uma pole posi- está confortável e onde não o desejam
na de corridas, sem haver ganhos ou lha de motorização que não assegura tion, terá de decidir entre ficar na RedBull ardentemente, será muito complicado.
perdas em termos de rapidez? competitividade até ao final da validade Racing Team num lugar subalterno de Mais ainda quando aos 28 anos e com
Não me parece que Toto Wolff queira ar- deste regulamento, em 2020, e que não Max Verstappen, ou arriscar algo ou- ânsia de ser campeão do Mundo, perce-
riscar tudo com uma troca que não lhe lhe dará condições de lutar pelo título de sado que pode ter decisiva influência ber que não terá carro para isso nos anos
oferece vantagens palpáveis, por isso campeão do Mundo. na sua carreira. mais próximos. As próximas semanas
a decisão do responsável da Mercedes Claro que Ricciardo vai tentar protelar a E algo ousado seria aproveitar o lugar de vão ser interessantes, mas parece cada
será, certamente, prolongar o contrato decisão sobre ficar ou sair da Red Bull, Carlos Sainz Jr. na Renault ou tentar fi- vez mais que Daniel Ricciardo continuará
com Valteri Bottas. mas Christian Horner não quer correr car com um lugar na McLaren-Renault. a beber Red Bull até ao final de 2020.
o risco de ficar 'pendurado'. Porque se
Ricciardo não der, cedo, indicações so-

F1/
FÓRMULA 1

22

MQUEAMRÉ IO
ISOLA?

Os mais atentos conhecem-no como o responsável máximo
da Pirelli, mas sabe que nas horas vagas é um bombeiro
voluntário que conduz ambulâncias? E que chegou a ser
piloto nas horas vagas?

José Manuel Costa À procura de um emprego, candida- ta da operação da Pirelli, conquistou o ça de piloto e arregimentou o seu colega
[email protected] tou-se a uma vaga na Pirelli e durante campeonato em 2005 e passou para o da Pirelli, Matteo Braga, como navega-
a entrevista veio à colação o facto de departamento dos ralis. Seria em 2011 dor. Fez alguns ralis e como respon-
“Cresci a ver a Fórmula 1 na te- Mario Isola ter feito competição, não só que Mario Isola assumiria o cargo de sável do programa de ralis das Pirelli
levisão e assim que tive ida- no karting. Dias depois, um dos pilotos diretor das operações da Pirelli para passou por diversos países, elegendo
de, comecei a pedir, insisten- de testes da Pirelli abandonou a em- monolugares, incluindo a F1, GP2 e GP3. México, Croácia e China como das me-
temente, ao meu pai que me presa e Isola recebeu um telefonema a Quanto Paul Hembrey abandonou a ges- lhores provas.
comprasse um kart. Depois de pedir-lhe que se apresentasse na pista tão quotidiana do programa Pirelli F1, Já depois de ter assumido o papel de líder
muita insistência, comprámos de testes da Pirelli de Vizzola. foi o italiano o escolhido para ocupar o da Pireli na Fórmula 1, Mario Isola expe-
um kart velho e barato e aprendi muito. “Cheguei lá e deram-me a escolher um lugar do britânico. rimentou o Autocross. Gostou muito da
Correu tão bem que o meu pai decidiu BMW ou um Volvo. Escolhi o carro sue- experiência e quer muito voltar a sentir
comprar-me um kart a sério.” Foi assim co pois era um tração dianteira e seria KARTING, RALIS E AUTO CROSS as emoções da competição.
que começou a paixão de Mario Isola mais fácil para mim. Não faço a mínima
pela competição automóvel. O italiano ideia se fiz tudo bem ou não, mas um par O resumo da carreira de Mario Isola UMA FIGURA DISCRETA QUE
competiu durante 10 anos no karting e de semanas depois, telefonaram-me e como piloto fala do karting, mas o italia-
a partir daí as corridas nunca deixaram fiquei com o emprego de piloto de testes no esteve em outras disciplinas. O sonho É BOMBEIRO VOLUNTÁRIO!
de fazer parte da sua vida. Chegou a lu- da Pirelli”, lembra Mario Isola. da Fórmula 1 esteve sempre presente
tar com pilotos do calibre de Max Papis Começou no departamento de pesqui- na mente do jovem italiano, desde que Mario Isola, 48 anos, é um homem culto
e conheceu muitos pilotos que fizeram sa e desenvolvimento de produtos para seguia, atentamente, as corridas junto que se passeia pelo paddock da Fórmula
carreira na competição automóvel. carros de estrada e só mais tarde (2003) do seu pai. O caminho do karting tinha 1 de forma discreta, mas com o charme
“O karting foi muito divertido e apren- é que passou para o departamento de esse objetivo, mas após 10 anos per- típico dos italianos: cabelo meio grisalho
di muito e se nunca cheguei a um ní- competição desenvolvendo os pneus cebeu que não tinha talento suficiente apuradamente penteado, polo cinzento
vel de topo, o conhecimento adquirido para o campeonato FIA GT Series. Mario para ser campeão no karting, quanto e calças negras.
ajudou-me bastante no lugar que hoje Isola chegava onde sempre quis estar: mais chegar lá, e aprendeu a gostar Está há 22 anos na Pirelli - nunca co-
ocupo”, reconhece Mario Isola. Mas mais ligado à competição! dos ralis. Daí a querer experimentar nheceu outro emprego – e depois de
curiosa foi a forma como o italiano che- Depois de ter ajudado a desenvolver foi um fósforo. terminada a sua carreira no karting,
gou à Pirelli. os pneus dos GT e de ter tomado con- Admirador da coragem e do talento dos pendurou o capacete, cumpriu o serviço
pilotos de ralis, Mario isola tirou a licen- militar e formou-se como engenheiro
mecânico na sua Milão natal.

>> autosport.pt

23

Passou muito tempo a castigar carros Segundo ele, este é um trabalho de pai-
de série nas pistas da Pirelli para levar xão. Mas que requer alguma perícia
aos limites os pneus que iriam ser usa- e formação específica. “Temos à nos-
dos nos carros de estrada. sa responsabilidade quatro médicos,
A sua tenacidade e qualidade levaram- o sinistrado e ainda um familiar, todos
-no para a área de desenvolvimento eles dependentes do condutor da am-
onde foi responsável por muitos dos bulância. Além disso, temos de ser fluí-
pneus de inverno da Pirelli. dos e suaves na condução, respeitan-
Como já referimos, Mario Isola entrou do os sinais de trânsito, pois se matar
para o departamento de competição alguém por desrespeitar a sinalização,
com o projeto da Pirelli para os GT. serei o culpado!”
Foi assim que conheceu Giorgio Por tudo isto, Mario Isola decidiu criar
Ascanelli, o antigo engenheiro de pista um curso de condução para condutores
de Ayrton Senna na McLaren e que pas- de ambulâncias que emprega uma cen-
sou pela direção técnica da Toro Rosso. tena de instrutores que se espalham por
Antes disso, Ascanelli foi o responsável toda a região da Lombardia. Este curso
pelo projeto Maserati MC12 para os GT e criado por Mario Isola já treinou mais de
utilizou pneus Pirelli desenvolvidos por cinco mil condutores!
Mario Isola. Segundo o italiano, Ascanelli A sua discrição e humildade tem per-
não era um homem fácil, mas a expe- mitido que Mario Isola tenha recebido
riência dele ajudou, muito, Mario Isola. elogios de todos os quadrantes e mesmo
Como referimos acima, Isola passou pe- quando decidiu aumentar o arco-íris dos
los ralis e assegurou o projeto da Pirelli pneus Pirelli para a Fórmula 1, o coro de
quando foi fornecedor único do Mundial críticas subiu de tom e atingiu um nível
de Ralis entre 2008 e 2010, antes de pas- que Isola conseguiu controlar e amainar
sar para os monolugares da GP3, depois sem grandes problemas, sendo claro e
GP2 e, finalmente, F1 em 2011 quando a conciso na sua argumentação.
Bridgestone decidiu sair de cena. Durante os fim de semana de competi-
Quando não está no seu gabinete na ção, Mario Isola passeia pelo paddock
sede da Pirelli ou a viajar para os Grandes da Fórmula 1 espalhando charme.
Prémios, Mario Isola não esquece as Quando não num qualquer lado do
suas responsabilidades sociais e cum- mundo ou não está a trabalhar na for-
pre turnos noturnos como voluntário ma de melhorar a competitividade da
nos bombeiros, conduzindo uma am- Fórmula 1, cumpre turnos noturnos que
bulância. Algo que o responsável máxi- começam às sete da tarde e terminam
mo da Pirelli na Fórmula 1 faz há quase às cinco da manhã, conduzindo ambu-
três décadas. lâncias em Milão.

24 WTCR/
WTCR / TCR EUROPE
UMA PAUSA
NOREINADO
DOS HYUNDAI
Zandvoort recebeu mais uma fantástica ronda
do WTCR e TCR Europe, com o BoP a mostrar
que pode ser a sorte de uns e o azar de outros

Fábio Mendes tume no VW Golf, sempre no top 10, en- da 2 com o registo de 1:43.994, seguido viu Thompson oferecer o segundo lugar
[email protected] quanto os Hyundai ficavam muito longe de Huff e Shedden. O melhor Honda foi o ao jovem que luta pelo título, tendo admi-
dos primeiros lugares, um sinal claro de de Guerrieri, em 5º, enquanto Comte fez tido que teria inclusive oferecido a vitória
Na quarta ronda da época, o que o BoP tinha feito o trabalho preten- o 9º tempo e Thompson ficou com a pole se fosse o caso, uma vez que não está a
WTCR deslocou-se até ao mí- dido (talvez bem demais). para a corrida 2. tempo inteiro. Comte conquistou a sua
tico traçado de Zandvoort, com A luta na qualificação 1 foi intensa. A segunda corrida desta jornada deu-nos primeira vitória no WTCR e Ehrlacher deu
uma agenda que prolongou-se Ehrlarcer e Guerrieri foram ocupando o um desfecho surpreendente e impen- novo passo importante na luta pelo título.
de sábado até segunda feira, primeiro lugar da tabela, mas Vernay e sável antes do início do fim de semana. Na terceira corrida o triunfo foi para Jean-
algo pouco usual. Com nova al- Huff meteram-se nesta disputa, que aca- Aurelien Comte, que tinha evidenciado Karl Vernay, que dominou de fio a pavio no
teração anunciada, sabia-se que o BoP iria bou por sorrir a ‘Huffy’, com o registo de um excelente andamento até então e já seu Audi RS 3 LMS, terminando na frente
ser, mais uma vez, o tema em destaque. 1:43:945, seguido de Ehralacher, Shedden tinha subido ao pódio, não desperdiçou do Volkswagen de Rob Huff, com Frédéric
As duas primeiras tentativas de ajustar a (que se juntou à luta pelos lugares cimeiros a oportunidade de tentar a vitória e al- Vervisch a completar o pódio. Esteban
performance dos carros não impediram perto do fim) Vernay e Lessennes. Comte cançou o primeiro triunfo do 308 TCR. Guerrieri aguentou a pressão de Gordon
o domínio dos Hyundai, e assim foi feita continuava a dar nas vistas e ficava em O francês teve nova largada imparável Shedden e terminou em quarto, enquanto
uma nova alteração, com a diminuição da sétimo lugar. Fora do top 10 ficavam os e Thompson não teve argumentos para o homem da Münnich, Yann Ehrlacher, foi
potência dos carros coreanos em 2,5% e Alfa Romeo e os… Hyundai, sem capaci- segurar o primeiro lugar. O francês do- sexto e com isso segurou a liderança do
um aumento drástico da altura ao solo, dade para lutar por mais. minou a prova de princípio ao fim, com a campeonato. O fim de semana foi desas-
100 mm, mais 20 que os Honda e mais 30 A corrida 1 ficou marcada pelo inciden- ajuda de Pepe Oriola que seguia em ter- troso para os Hyundai com Yvan Muller
que as restantes máquinas. Os Honda ga- te ente Yvan Muller e Norbert Michelisz ceiro e segurava os ímpetos de Ehlarcher, e Norbert Michelisz a rumarem ás boxes
nharam mais 20 kg e o resto da concor- logo no começo da prova, com o húngaro Bennani, Shedden e Guerrieri. A pressão quando rodavam no final da grelha. Thed
rência perdeu peso. Quanto aos pesos a atirar Yvan para cima das proteções da de Ehlacher surtiu efeito e Oriola cedeu o Björk foi o melhor dos Hyundai, termi-
de compensação (atribuídos apenas no pista. Huff não conseguiu segurar a lide- terceiro posto ao francês que pouco depois nando em… 15º. Agora, venha Vila Real.
WTCR mediante as performances dos rança no arranque e Ehrlarcher ficou com
carros), não houve alterações e os i30 N o primeiro posto, com Comte logo atrás,
TCR mantiveram os 60 Kg, os Honda 20Kg que teve uma largada espetacular, se-
e os restantes ficaram a zero. Dificilmente guindo-se Huff e Shedden. O top 4 man-
os Hyundai não iriam perder performan- teve-se inalterado até ao final, mesmo de-
ce com estas alterações e a teoria trans- pois das bandeiras vermelhas mostradas
formou-se em realidade logo nos primei- para retirar o Hyundai de cima dos rails.
ros treinos. Vernay fechou o top 5 e mais uma vez os
Os Honda da Münnich tomaram conta Hyundai ficavam fora do top 10. Ehlacher
das operações nos treinos livres, com festejou a segunda vitória e Comte o pri-
Ehrlacher a ser o mais rápido no TL1 e meiro pódio da Peugeot.
Guerrieri a não se ficar atrás no TL2. Os A qualificação para as corridas de segunda
Audi apareciam também com bom an- feira não teve um cenário muito diferente
damento e a maior surpresa era feita por da primeira, mas desta vez foi o Audi de
Aurelien Comte (Peugeot), que fez o quarto Jean Karl Vernay a fazer o melhor tempo
tempo no TL1 e a terceira melhor marca (penalizado para a corrida 2 por troca de
no TL2. Rob Huff era o suspeito do cos- motor), conseguindo a pole para a corri-

>> autosport.pt

25

TCR EUROPE
PORTUGUESES NOVAMENTE
COM PRESTAÇÕES MERITÓRIAS

C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S O fim de semana em Zandvoort foi de Para os portugueses a primeira sessão Hyundai de Reece Barr a ser atirado
grande festa, com muitas corridas, foi de adaptação a uma pista ainda violentamente contra as proteções da
WTCR HONDA 14 VOLTAS muitas demonstrações e até a presença desconhecida, com Mora a fazer o 16º pista. Igor Stefanovski, (Hyundai) ao
CORRIDA 1 PEUGEOT +1.217 de vários pilotos e ex-pilotos de F1. O tempo no TL1 e Abreu o 20º. O cenário tentar evitar males maiores, foi contra
01 YANN EHRLACHER VOLKSWAGEN +1.566 TCR Europe também fez parte desta melhorou muito no segundo treino, com Julian Briché (308 TCR) ficando este
02 AURÉLIEN COMTE AUDI +1.879 festa, naquela que foi a sua segunda Mora a conseguir um lugar no top 10 e duo também fora de prova. Van Lagen
03 ROBERT HUFF AUDI +2.440 jornada, que voltou a contar com uma Abreu a ficar em 13º. Um sinal claro de fez um mau arranque e foi Mikel Azcona
04 GORDON SHEDDEN HONDA +5.280 delegação portuguesa, ‘chefiada’ por evolução dos pilotos. a ficar com o primeiro posto, de onde
05 JEAN-KARL VERNAY HONDA +5.816 Francisco Abreu (Peugeot) e Francisco Na qualificação, a Q1 foi dominada por nunca mais saiu. Depois da má largada,
06 ESTEBAN GUERRIERI VOLKSWAGEN +6.665 Mora (Hyundai). Van Lagen, que, a jogar em casa, não Van Lagen conseguiu recuperar até ao
07 TOM CORONEL AUDI +7.044 A primeira sessão de treinos livres quis deixar de mostrar o seu valor. Stian terceiro lugar, não conseguindo passar
08 MEHDI BENNANI AUDI +8.120 teve como destaque Jaap Van Lagen, Paulsen (Cupra) e Kris Richard (Hyundai) por Tassi, que ficou com o segundo.
09 NATHANAËL BERTHON substituto de Jean Karl Vernay, que eram os homens que acompanhavam o Para os pilotos portugueses foi uma
10 AURÉLIEN PANIS PEUGEOT 14 VOLTAS não pôde participar no TCR Europe holandês de perto para a Q2 (reservada excelente corrida, com Mora a fazer
CORRIDA 2 HONDA +4.757 por via dos regulamentos. O holandês para os 12 melhores da Q1), que não uma recuperação notável, acabando no
01 AURÉLIEN COMTE HONDA +5.255 tratou de justificar a escolha e logo no teve nenhum representante luso. Abreu nono lugar, depois de arrancar quase
02 YANN EHRLACHER CUPRA +6.657 primeiro treino fez a melhor marca ao fez o 15º tempo e Mora ficou-se pelo 18º do fundo da grelha, equanto Abreu
03 JAMES THOMPSON VOLKSWAGEN +7.120 volante do Audi da WRT. Mikel Azcona registo, um resultado modesto para as conseguiu um muito positivo 11º lugar,
04 PEPE ORIOLA AUDI +7.458 (Cupra) fez o segundo melhor tempo capacidades dos nossos pilotos. Van com o Peugeot a mostrar cada vez mais
05 MEHDI BENNANI HONDA +8.086 e Cedric Piro (Honda) fechava o top 3. Lagen conseguiu a pole nos últimos andamento.
06 GORDON SHEDDEN VOLKSWAGEN +9.198 Na segunda sessão de treinos, foi a fez instantes da Q2 com o tempo de Na corrida 2 Danny Kroes largava da
07 ESTEBAN GUERRIERI AUDI +9.567 de Borkovic colocar o seu Hyundai no 1:44.546, destronando Azcona. pole mas foi ultrapassado na largada
08 ROBERT HUFF CUPRA +9.988 topo da tabela, seguido de muito perto A corrida 1 ficou marcada por um e depois de muita luta nos lugares
09 FRÉDÉRIC VERVISCH por Van Lagen e Attila Tassi (Honda). incidente logo na largada, com o da frente foi Josh Files que emergiu
10 JOHN FILIPPI AUDI 15 LAPS como líder de onde nunca mais saiu.
CORRIDA 3 VOLKSWAGEN +1.199 Borkovic teve um problema com o carro
01 JEAN-KARL VERNAY AUDI +3.065 e foi obrigado a regressar às boxes e
02 ROBERT HUFF HONDA +4.405 Van Lagen, que tinha largado de nono,
03 FRÉDÉRIC VERVISCH AUDI +5.019 começava a sua recuperação que só
04 ESTEBAN GUERRIERI HONDA +6.869 terminou no segundo lugar. Kroes ficou-
05 GORDON SHEDDEN PEUGEOT +7.804 se pelo terceiro posto. Destaque para o
06 YANN EHRLACHER VOLKSWAGEN +12.298 incidente que envolveu Nagy e Paulsen,
07 AURÉLIEN COMTE HONDA +14.241 com o último a acabar fora de prova.
08 MEHDI BENNANI CUPRA +18.718 Mora e Abreu voltaram a fazer uma
09 JAMES THOMPSON excelente corrida e ambos terminaram
10 PEPE ORIOLA nos pontos. Mora foi 8º (largou de 17º)
e Abreu fechou o top10 (largou de 14º).
TCR EUROPE Excelentes prestações dos pilotos
CORRIDA 1 lusos.
01 MIKEL AZCONA
02 ATTILA TASSI CUPRA 12 LAPS
03 JAAP VAN LAGEN HONDA +1.806
04 JOSH FILES AUDI +2.188
05 DUŠAN BORKOVIC HONDA +5.352
06 STIAN PAULSEN HYUNDAI +5.956
07 DÁNIEL NAGY CUPRA +10.652
08 DANNY KROES HYUNDAI +12.978
09 FRANCISCO MORA CUPRA +13.052
11 FRANCISCO ABREU HYUNDAI +14.112
CORRIDA 2 PEUGEOT 308 TCR +20.237
1 JOSH FILES
2 JAAP VAN LAGEN HONDA CIVIC TYPE R 25:25.863S
3 DANNY KROES
4 ATTILA TASSI AUDI RS3 LMS +14 4.296
5 KRIS RICHARD
6 MIKEL AZCONA CUPRA TCR BENELUX +7.408
7 JENS RENO MØLLER
8 FRANCISCO MORA HONDA CIVIC TYPE R FK7 TCR +7.844
9 DÁNIEL NAGY
10 FRANCISCO ABREU HYUNDAI I30 N TCR +8.208

CUPRA TCR +8.593

HONDA CIVIC TYPE R FK7 TCR +13.149

HYUNDAI I30 N TCR +13.759

HYUNDAI I30 N TCR +18.274

PEUGEOT 308 TCR +19.080

FE/26
FÓRMULA E - BERLIM

DOMÍNIO
ABSOLUTO

DAAUDI

Daniel Abt conseguiu o máximo de pontos possíveis em Berlim,
numa prova dominada pela Audi, que alcançou a dobradinha

Rodrigo Fernandes sição. Esta é apenas a segunda vez na vermos em conta que faltam apenas A três corridas do fim temos Vergne
[email protected] história da Fórmula E em que existe três corridas para o fim da temporada. com 162 pontos, Sam Bird com me-
uma dobradinha e, curiosamente, a António Félix da Costa teve mais uma nos 40 e Felix Rosenqvist já está a
N um fim de semana mar- primeira tinha sido já este ano, na cor- corrida complicada, sendo apenas o 76 pontos da frente. Nas equipas, a
cado pelo regresso de Nico rida de Santiago do Chile, conseguida 15º classificado. O piloto português TECHEETAH é a lider com 205 pontos,
Rosberg aos monolugares, pela TECHEETAH. não conseguiu fazer melhor em pista, a Audi, com este excelente resultado,
com o Campeão do Mundo Jean-Éric Vergne, líder do campeonato, depois de ter arrancado de 17º, nova- é segunda, com 161 pontos, menos 44
de Fórmula 1 de 2016 a exi- conseguiu o lugar mais baixo do pódio mente devido à parca competitividade que os líderes. Em terceiro está a DS
bir o novo Formula E (GEN2), – aumentando a sua liderança para 40 do seu carro. Virgin Racing, com 139 pontos.
Berlim recebeu a caravana da compe- pontos – terminando na frente de Sam A qualificação em Berlim deu-nos um A próxima corrida é na Suíça, em
tição, e a Audi dominou a prova, que Bird. O francês teve uma corrida mais momento histórico: todos os 20 pilo- Zurique, naquele que será o primei-
terminou com uma ‘dobradinha’, a vol- animada, com várias lutas, começan- tos ficaram em menos de um segundo. ro evento em circuito, em 60 anos, no
ta mais rápida e a pole position. Daniel do logo pela partida, ao perder o seu De Daniel Abt (1:09.472s) a Nico Prost, país helvético. A prova está marcada
Abt ‘tudo levou’ e com isso, pontuação lugar para Jerome D’Ambrosio, ape- último, distaram 0.998s. para 10 de junho.
máxima. Lucas di Grassi foi segundo, sar de o ter recuperado rapidamente.
contribuindo para o excelente resul- Pouco depois acabou por perder duas
tado de conjunto da Audi: “É muito posições e perto do meio da corrida
especial. Andava à espera deste mo- passou Sebastien Buemi. Já depois da
mento há algum tempo e sentia que paragem, ultrapassou também Oliver
isto ia acontecer. Conseguir uma do- Turvey, para chegar ao terceiro lugar:
bradinha é especial para a Audi e para “Parabéns ao pessoal da Audi e ao
todos na equipa”, disse Abt. Daniel, sei o quão bem sabe vencer
O alemão dominou a corrida de fio a em casa. Penso que vou mudar a mi-
pavio, aproveitando a pole position, e nha nacionalidade, porque parece que
apenas a paragem na boxe lhe causou os pilotos da casa vencem. A corrida
algumas dores de cabeça, uma vez que correu-me muito bem, tornei-a fácil.
perdeu três segundos para di Grassi, Já sabia desde os treinos que os ho-
com a margem a descer para menos mens da Audi estavam bem. No geral,
de um segundo. O brasileiro nunca estou muito satisfeito”, disse Vergne.
conseguiu desafiar o seu colega, mas Bird foi apenas sétimo, um mau re-
também não teve oposição à sua po- sultado para a luta pelo título, se ti-

>> autosport.pt

27

ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA

É FRUSTRANTE...

António Félix da Costa
voltou a sofrer do mal
habitual, o facto de o
monolugar da Andretti
ser pouco competitivo
face aos adversários.
Como sempre, o piloto
luso bem tentou, mas
terminou a corrida
apenas na 15ª posição,
com o seu novo colega
de equipa, Stephane
Sarrazin, a terminar em
20º e último colocado.
Desde cedo que ficaram claras, mais uma vez, as dificuldades da MS&AD Andretti,
e logo nos treinos livres se percebeu que seria mais um fim de semana frustrante:
“Fizemos o melhor possível, senti de facto que potenciámos ao máximo o nosso
carro. É frustrante terminar em 15º e sentir que não dava mesmo mais, mas neste
momento pura e simplesmente não temos performance para mais e por isso claro
que não estamos contentes. No desporto mais do que falar, importante é continuar a
trabalhar focado, pois temos ainda três corridas para terminar a temporada e como
piloto profissional que sou, irei dar sempre o máximo para ajudar a equipa”, referiu o
piloto oficial da BMW, que confirmou ainda: “Estamos a trabalhar arduamente no novo
carro para a época 2018/2019, onde a BMW estará oficialmente representada aqui na
Fórmula E, pelo que acredito que o futuro vai ser bom!”, disse.

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O

1º DANIEL ABT AUDI SPORT ABT SCHAEFFLER 55:35.546S

2º LUCAS DI GRASSI AUDI SPORT ABT SCHAEFFLER +6.758S

3º JEAN-ERIC VERGNE TECHEETAH +12.894S

4º SEBASTIEN BUEMI RENAULT E.DAMS +17.282S

5º OLIVER TURVEY NIO FORMULA E TEAM +19.620S

6º MITCH EVANS PANASONIC JAGUAR RACING +24.586S

7º SAM BIRD DS VIRGIN RACING +34.610S

8º MARO ENGEL VENTURI FORMULA E TEAM +37.814S

9º ANDRE LOTTERER TECHEETAH +44.359S

10º NICK HEIDFELD MAHINDRA RACING +45.931S

15º ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA ANDRETTI FORMULA E +52.715S

CAMPEONATO

PILOTOS

JEAN-ÉRIC VERGNE TECHEETAH 162 PONTOS
122
SAM BIRD DS VIRGIN RACING 86
85
FELIX ROSENQVIST MAHINDRA RACING 82

DANIEL ABT AUDI SPORT ABT SCHAEFFLER

SEBASTIEN BUEMI RENAULT E.DAMS

EQUIPAS

TECHEETAH 205

AUDI SPORT ABT SCHAEFFLER 161

DS VIRGIN RACING 139

MAHINDRA RACING 108

PANASONIC JAGUAR RACING 96

RENAULT E.DAMS 89

VENTURI FORMULA E TEAM 56

NIO FORMULA E TEAM 45

DRAGON 26

ANDRETTI FORMULA E 20

28 CPVT/
CAMPEONATO DE PORTUGAL DE VELOCIDADE E TURISMO/TCR PORTUGAL EM BRAGA

O REGRESSO algo reduzidas, sempre evidenciaram ideia pareceu ser do agrado de muitos
ÀS PISTAS que havia potencial e que o futuro po- e o promotor resolveu continuar com a
deria ser risonho. No entanto, em 2018 iniciativa. Nesta categoria podem correr
Depois de sete meses de interrupção, o Campeonato o início do campeonato ficou marcado carros de turismo, passando pelos GT,
de Portugal de Velocidade está de regresso às pistas. por indefinições. Por altura do arran- Super Seven e carros Híbridos assim
A primeira ronda deveria ter decorrido no Estoril, no mês que do CPVT, agendado para o Estoril, como elétricos.
passado, mas os atrasos no fecho dos projetos das equipas e eram muito poucas as participações É com esta reformulação, um pouco
dos pilotos levaram a uma remodelação do campeonato, confirmadas. O promotor do campeo- a contraciclo, tendo em conta a forma
que agora começa, no circuito Vasco Sameiro, em Braga nato, juntamente com a FPAK, resol- como os TCR vão solidificando a sua
veu atender aos pedidos das equipas presença nos campeonatos nacionais
Fábio Mendes e dos pilotos, que se debatiam com um pouco por todo o lado, que o Circuito
[email protected] dificuldades em fechar os orçamen- Vasco Sameiro, em Braga, irá receber o
tos para a época, retirando um evento primeiro Racing Weekend do ano, nos
Desde a introdução da regula- do calendário, que ficou apenas com dias 26 e 27 de maio.
mentação TCR em Portugal quatro datas, todas elas em formato A prova será organizada pelo Clube
que temos tido campeona- Double Sprint (duas corridas por fim Automóvel de Vila Real, depois do Clube
tos com boas corridas, bons de semana, de 25 minutos cada). Automóvel do Minho não ter chegado a
pilotos e boas máquinas. A Com isto, conseguiu-se uma diminui- acordo com a administração do circuito.
fórmula parecia ter todos os ção da exigência financeira e aumen-
ingredientes para resultar a médio pra- taram-se as hipóteses de aparecimen- PROMOTOR CONFIANTE
zo e embora as grelhas tenham sido to de mais projetos, numa tentativa de
conseguir o desejado aumento do nú- Em declarações ao AutoSport, Nuno
mero de carros em pista. Outra das so- Couceiro, responsável pela Full even-
luções implementadas foi a junção dos tos, afirmou estar prevista a presença
SuperCars (que fizeram a sua primeira de 14 carros em pista em Braga, estan-
e única aparição no ano passado em do neste momento sete carros inscri-
Vila Real), com os TCR. Os SuperCars tos para fazer a época toda do nacional
foram um novo conceito que pretendeu de velocidade. Ciente dos desafios que
trazer às pistas máquinas diversas, al- a organização deste campeonato en-
gumas das quais já não tinham lugar frenta, Couceiro estava otimista para
nas categorias vigentes dos nacionais este início de campeonato: “Certamente
de velocidade e que agora podem par- que gostaríamos de ter mais carros,
ticipar no nacional de velocidade. A mas tendo em conta as circunstân-
cias, não é mau. Temos de ter a noção

>> autosport.pt

29

H/ H O R Á R I O

SÁBADO, 26 DE MAIO

14:10-14:30 CPVT + SUPERCARS TREINO LIVRE 1

14:40-15:05 CPVL TREINO LIVRE

15:15-15:40 CPVC+CPVC 1300 TREINO LIVRE

15:50-16:10 CPVT + SUPERCARS TREINO LIVRE 2

16:20-16:40 CPVL QUALIFICAÇÃO

16:50-17:15 CPVC+CPVC 1300 QUALIFICAÇÃO

17:25-18:00 CPVT + SUPERCARS QUALIFICAÇÃO

DOMINGO, 27 DE MAIO

09:00-09:15 CPVT + SUPERCARS WARM UP

09:25-09:40 CPVL WARM UP

09:50-10:05 CPVC+CPVC 1300 WARM UP

10:15-10:40 CPVT + SUPERCARS CORRIDA 1

11:00-11:25 CPVL CORRIDA 1

11:45-12:10 CPVC+CPVC 1300 CORRIDA 1

14:10 14:35 CPVT + SUPERCARS CORRIDA 2

14:55 15:20 CPVL CORRIDA 2

15:40 16:05 CPVC+CPVC 1300 CORRIDA 2

que outros campeonatos também co- pois são as mesmas que enfrentamos. ção à nova máquina, mas pretende por peram-se lutas acesas em pista como
meçaram com um número reduzido Da nossa parte, estamos a fazer esfor- certo fazer um bom uso dela já nesta as que pudemos ver na primeira ronda.
de carros, por isso não temos motivos ços no sentido de aumentar o retorno, primeira prova. Por fim, a presença do Nos Clássicos a primeira prova do ano
para desanimarmos e encaramos este com a transmissão em streaming das Campeão em título, Francisco Mora, é ficou marcada pelos duelos entre João
ano com o mesmo otimismo. Sabemos corridas e estamos a trabalhar para o outro dos pontos a realçar. Mora está Macedo e Silva e Carlos Vieira, atual
que o panorama da velocidade não é o conseguir o mais brevemente possível. apostado em continuar no TCR Europe, campeão nacional de ralis, que já tinha
ideal neste momento, pois o dinheiro O ideal era conseguir trazer mais pes- onde tem dado nas vistas, mas não re- participado no ano passado numa pro-
não abunda, embora haja cada vez mais soas às pistas, para poderem sentir de cusou a hipótese de estar presente no va dos Clássicos. A luta entre o Porsche
oferta, mas temos de ter a paciência e perto as corridas, mas tem sido cada campeonato que dominou nos últimos 911 RSR e o Ford Escort RS1600 ani-
a resiliência para continuarmos a fazer vez mais difícil convencer as pessoas dois anos, regressando assim aos co- mou as bancadas e deu um colorido
o melhor possível, para que o campeo- a deslocarem-se aos circuitos, quando mandos do seu Leon TCR. O horário pre- ainda maior às provas com uma vitó-
nato se consolide. Enquanto promoto- podem ver as provas a partir de casa. visto para a prova conta com três ses- ria para cada. Nos Clássicos 1300 foi
res do campeonato tentamos sempre Vamos continuar com o nosso traba- sões de treinos privados de 20 minutos Carlos Santos (Datsun 1200) a vencer
inserir os pilotos em provas com gran- lho, da mesma forma que temos feito na manhã de sábado, duas sessões de a primeira prova e Bruno Pires (Datsun
de prestígio. Os nossos pilotos podem até agora, e os frutos hão-de aparecer.” treinos livres, também com 20 minutos 1200) a repetir o mesmo feito na se-
fazer parte de grandes eventos como de duração, e já perto do final da tar- gunda. Nos Legends tivemos também
o GT Open, o WTCR e o ELMS, o que é ‘EUROPEUS’ EM BRAGA de a sessão de treinos cronometrados boas corridas, com destaque para Pedro
claramente um esforço muito grande, de 35 minutos. Para domingo, teremos Alves, que dominou de fio a pavio a
mas que para nós faz sentido para va- Dos pilotos presentes em Braga des- uma sessão de Warm Up ao início da primeira corrida do ano ao volante do
lorizar o campeonato.” tacam-se Rafael Lobato e Francisco manhã, seguida da primeira corrida do Saxo Cup. Na segunda prova tivemos
Nuno Couceiro afirmou que a única Abreu, que vão estar aos comandos fim de semana. Depois da pausa para a vitória de Fernando M. Gaspar, em
coisa que queria para poder ter o cam- de um dos novos Peugeot 308 TCR. almoço as máquinas do CPVT regres- BMW 325i, após desclassificação de
peonato que deseja era um maior apoio Abreu tem estado a participar no TCR sam à pista para a Corrida 2. Nuno Figueiredo, que havia cruzado a
dos patrocinadores, que atualmente es- Europe, onde continua a crescer e a fa- linha de meta em primeiro com o seu
tão cada vez mais virados para outros zer evoluir a nova máquina francesa, LEGENDS E CLÁSSICOS Volvo 850 T5 Estate. As máquinas dos
desportos, nomeadamente o futebol: que se vai estrear oficialmente em solo Clássicos e dos Legends seguirão o
“Gostava que houvesse uma mudan- nacional. Rafael Lobato irá para a sua NÃO FALTAM À FESTA mesmo formato do CPVT, com três
ça de mentalidades em Portugal, que terceira máquina TCR e quererá chegar sessões de treinos privados no sába-
se deixasse de ver tanto futebol e que ao título que tem escapado até agora. Como não poderia deixar de ser, os do de manhã, duas sessões de treinos
olhassem com mais atenção para o au- Gustavo Moura é outro dos pilotos que Legends e os Clássicos também es- livres e uma de treinos cronometrados
tomobilismo, que nos tem dado muitas reforça a sua presença, com o Audi R3 tarão em pista, para a segunda par- durante a tarde. Para domingo estão
alegrias. Entendemos perfeitamente LMS que levou a Paul Ricard no início ticipação de 2018, depois da presença agendadas as duas corridas, uma de
as dificuldades que os pilotos sentem deste mês, também no TCR Europe. O destes dois campeonatos no Estoril. manhã e outra à tarde.
piloto está ainda em fase de ambienta- As listas de inscritos neste caso são
bem recheadas, como é habitual, e es-

N/30
NOTÍCIAS

ÁLVARO PARENTE
VOLTA A VENCER

Álvaro Parente triunfou numa das corridas do Pirelli World D epois de alguns azares nas até ao sexto posto final.
Challenge, que se realizou no passado fim de semana em provas anteriores, com al- Na segunda corrida arrancou da
guns acidentes bem feios pole, ao ter feito a volta mais rá-
Bowmanville, no Canadá pelo meio, sempre por culpa pida na primeira corrida, e não
José Luis Abreu alheia, Álvaro Parente regressou deu qualquer possibilidade à con-
ás vitórias. Apesar de algumas corrência: “Finalmente tivemos
[email protected] dificuldades com a chuva, o por- um dia sem contrariedades anor-
tuguês qualificou-se no sétimo mais. O Bentley Continental GT3
LEIA E ACOMPANHE TODAS posto. Na primeira corrida, só é muito competitivo nesta pista,
AS NOTÍCIAS EM AUTOSPORT.PT quando o asfalto principiou a secar
o Bentley Continental GT3 come-
çou a ‘andar’. Depois de trocar de
pneus, caiu para 10º, mas impôs
um grande ritmo e logrou subir

THE GIRLS ON VELOSO MOTORSPORT
TRACK KARTING VENCE NO CER-GT
CHALLENGE FOI
UM SUCESSO Teve lugar no Motorland-Alcañiz a segunda Car e isso impediu-nos de tentar melhor.
jornada do CER-GT 2018, com a Veloso Na corrida de domingo tudo correu bem
A primeira prova do The Girls On Track, idênticos”, referiu Ni Amorim, presidente Motorsport a vencer na Categoria C2. Os e chegámos ao final no terceiro lugar,
realizada em Matosinhos, foi um da FPAK, que recebeu por parte da FIA obreiros desta prestação foram Pedro vencendo a Categoria C2 e registando a
verdadeiro sucesso. Cerca de 100 jovens largos elogios à organização e sucesso Marreiros e Nuno Batista, com a dupla lusa melhor posição possível em termos de
participaram no evento que visava do evento. do Porsche 911 GT3 Cup a concluir as duas geral, face à superior performance dos
promover o desporto automóvel junto do A participante mais rápida na iniciativa corridas com uma vitória e um segundo carros adversários. Saímos daqui ainda
público feminino. Portugal foi o primeiro foi Matilde Fidalgo, seguida de Carolina lugar, resultados que se traduziram na mais motivados e reforçámos a nossa
país, de oito abrangidos pelo projeto, que Pedrosa, no segundo lugar, e Anabela quinta e terceira posições absolutas: posição na luta pelo título, cumprindo na
colocou de pé o evento. Teles, em terceiro. “Estamos muito satisfeitos com os integra todos os objetivos que tínhamos”,
Organizado pela FPAK em parceria O The Girls on Track Karting Challenge resultados conseguidos. A equipa fez mais disseram Nuno Batista e Pedro Marreiros.
com a FIA, o dia foi de verdadeiro é uma competição de kart para jovens uma vez um grande trabalho e conseguiu Ao contrário da dupla do Porsche, Patrick
desafio, experimentação e adrenalina. com ou sem experiência na modalidade. uma excelente afinação para o Porsche, Cunha e Jorge Rodrigues voltaram a ver
As melhores três classificadas dos Consiste em efetuar um percurso o mais pelo que andámos desde logo a rodar nos a sorte virar-lhes as costas, com um
dois eventos em Portugal têm acesso rápido possível e destacar-se entre as lugares cimeiros. Chegámos cedo ao quinto toque de um adversário, ainda durante a
direto à final em Le Mans, França, em demais, não só pela rapidez, mas também lugar, mas um acidente levou à interrupção primeira qualificação, a deixar o Maserati
2019: “Espero que o sucesso deste pela determinação e motivação. No da corrida depois de um período de Safety GranTurismo MC GT4 fora de combate para
evento se traduza efetivamente num final das duas edições em Portugal - a o que restava do fim de semana.
aumento do número de mulheres no segunda está prevista para Lisboa, em Azar também para Edgar Florindo, que
desporto automóvel. Foi esse o mote data a definir - serão escolhidas as três depois de registar uma boa evolução
e a mensagem que procurámos passar melhores. nos treinos livres e cronometrados, onde
ao longo do The Girls On Track. O nosso conseguiu o sétimo tempo entre os TCR em
desporto é para todos sem diferença de ambas as sessões, acabou por ficar fora
género. Vamos ter um segundo evento e de prova logo na primeira volta da corrida
esperamos que adesão e sucesso sejam inaugural, com o carro a ficar irrecuperável
para a segunda corrida a disputar no
Domingo.

>> autosport.pt

31

BLANCPAIN GT SERIES ENDURANCE CUP
EM SILVERSTONE MIGUEL RAMOS
E RUI ÁGUAS EM DESTAQUE

mas mesmo quando podíamos destruíram o nosso carro, sem Foi positiva a prestação dos dois pilotos uma ligeira saída de pista do Giuseppe. No
lutar pelo primeiro lugar no sába- qualquer responsabilidade minha. portugueses presentes na segunda prova da global, foi muito positiva a nossa prestação
do, a chuva não nos ajudou. Com Esta vitória é a justa recompensa Blancpain GT Series Endurance Cup, que teve em Silverstone e quase que subimos ao pódio.
o asfalto seco pudemos mostrar para toda a equipa e para os meus lugar em Silverstone. Acho que na próxima prova, daqui a 15 dias, em
toda a nossa competitividade e mecânicos e engenheiros em par- Miguel Ramos, que agora divide o Lamborghini França, poderemos consegui-lo”, disse Miguel
conquistar o primeiro triunfo da ticular”, disse Álvaro Parente. A Huracan GT3 nº 27 do Lazarus Team com Ramos.
temporada. Já merecíamos este próxima ronda do Pirelli World Fabrizio Crestani e Giuseppe Cipriani, terminou Já Rui Águas dividiu um Mercedes AMG GT3 da
resultado. Passámos por uma fase Challenge disputa-se no próximo a corrida no quarto lugar da classe, não Pro-Am com Kriton Lendoudis e Saud Al Faisal,
complicada, com incidentes que fim de semana, em Lime Rock. muito longe do pódio. Depois das sofríveis terminando em 10º da sua classe.
sessões de treinos livres na sexta e no A prova foi ganha por Mathhieu Vaxiviére, Jake
sábado, a equipa acertou com o set up para Dennis e Nicki Thiim, no nº 76 Aston Martin
a qualificação, o que lhes permitiu alcançar V12 Vantage da R-Motorsport, que terminaram
a quarta posição na grelha e ter uma boa 10.947s na frente do Mercedes-AMG GT3
prestação na corrida. Aliás, o próprio Miguel nº 88 da Mercedes-AMG Team Akka ASP de
Ramos manifestava esse mesmo sentimento Tristan Vautier, Adam Christodoulou e Raffaele
logo após o término da prova: “Fizemos uma Marciello.
revolução no alinhamento e conseguimos uma Contudo, este resultado pode sofrer
boa afinação para a qualificação. O carro ficou alterações pois o nº 76 quebrou os
muito bom em termos de comportamento, regulamentos quanto à telemetria, foi enviado
mas, infelizmente, ainda sem velocidade de para o fim da grelha, apelou, partiu da pole,
ponta. De qualquer modo, já descobrimos a venceu a corrida, mas agora há que esperar
razão, e, na próxima prova, devemos ter esse pela decisão final.
problema resolvido. A corrida correu muito A próxima prova da Blancpain GT Series Endur-
bem, exceto uma das trocas de pilotos, na ance Cup terá lugar entre 1 e 3 de junho, em
qual perdemos um pouco mais de tempo, e Paul Ricard. RF

MIGUEL MATOS DTM MERCEDES BRILHA EM LAUSITZRING
COM DOIS PÓDIOS NA G1 SERIES
A segunda ronda do DTM decorreu obrigando à entrada do Safety Car.
Miguel Matos correu na G1 Series, em Magione, Itália, obtendo dois pódios, um segundo em Lausitzring e mais uma vez os fãs Pouco depois foi a vez de Rast apanhar
lugar na primeira corrida e um terceiro na segunda. Desta forma, somou pontos ficaram bem servidos em ação e emoção. um dos maiores sustos da sua carreira,
importantes para o campeonato. Nesta competição que se corre com monolugares Os Mercedes foram mais rápidos nas com o seu Audi a capotar, depois de um
equipados com motores Aprilia de 210 cv para um peso de 390 kg, o jovem luso, que primeiras sessões de treinos livres e foi toque, danificando irremediavelmente
já tinha conquistado a pole-position e garantido um terceiro lugar na jornada de mesmo Lucas Auer a conquistar a pole a máquina, sem consequências para o
inaugural, disputada no Autódromo de Varano, voltou a estar em evidência. O português para a muito atribulada corrida 1. Jamie piloto. Eduardo Mortatra foi o vencedor
foi o segundo mais rápido na qualificação, terminando a corrida na mesma posição, Green não conseguiu evitar o toque em desta corrida seguido de Glock e Eng.
na frente do italiano Andrea Fontana, tendo a vitória ficado na posse de Yarin Stern. Nico Muller, que ficou parado no arranque, Nenhum Audi entrou no top 10.
Fontana impôs-se na Corrida 2, Stern foi segundo e Miguel Matos, que apesar de
ter sofrido um toque, ainda conseguiu recuperar até à terceira posição. “Consegui Philipp Eng foi o piloto que conquistou
garantir o segundo lugar na Corrida 1, mas foi difícil. O carro estava a escorregar muito a pole para a BMW, mas na corrida 2
de traseira e por isso não estava muito rápido. A Corrida 2 foi um pouco complicada. não conseguiu suster os ataques de
Durante todo o fim de semana não conseguimos acertar bem com a afinação e tive de Paffett e Wehrlein e foi caindo na tabela.
me esforçar bastante para acompanhar os pilotos da frente. Para além disso, sofri um Paffet manteve a liderança até ao final,
toque que dificultou ainda mais a minha corrida, mas somámos pontos importantes”, conquistando a segunda vitória de um fim
disse Miguel Matos. de semana brilhante para a Mercedes,
seguido de Wittmann e Wehrelin, de re-
gresso aos pódios no DTM. Para aAudi foi
um fim de semana horrível com apenas
dois carros no top 10 na corrida 2. FM

>>motosport.com.pt MOTO GPFRANÇA

CLASSE
À PARTE

Pelo terceiro Grande Prémio consecutivo o campeão do
mundo em título cantou vitória e solidificou a sua liderança

do campeonato. O triunfo em Le Mans, onde já não vencia
desde 2014, carimba a atual superioridade do binómio

Marc Márquez/Honda que deixa a concorrência com muitas
dificuldades para contrariar este domínio. Pelo meio

assistimos, ainda, ao reencontro, perante todas as câmaras,
de Marc Márquez e Valentino Rossi no pódio, onde foi bem
visível o distanciamento entre os dois

ACOMPANHE TODA A INFORMAÇÃO Alexandre Melo cuito de Bugatti-Le Mans, voltámos
DIARIAMENTE EM MOTOSPORT.COM.PT [email protected] a assistir a uma nova manifestação
de autoridade por parte do piloto de
H á 15 dias tinha dito que, no atual Cervera. É verdade que os abandonos,
MotoGP, Marc Márquez está uns por queda, de Andrea Dovizioso e do
furos bem acima da concorrên- herói local, Johann Zarco, ajudaram a
cia de peso com que partilha a simplificar a equação, mas nada tira
pista. Uma superioridade que permite o mérito ao que fez Marc Márquez.
até ao piloto espanhol chegar à vitória Após a primeira fase da corrida saltou
em circuitos onde ultimamente tem para a liderança, ao ultrapassar Jor-
sentido mais dificuldades. Primeiro ge Lorenzo, e ‘disse’ aos seus rivais:
Jerez e agora Le Mans. adeus, vamo-nos encontrar no pódio.
No Grande Prémio de França, no cir- Pódio esse que consagrou a sua 38ª

33

ao ficar em segundo garantiu o seu C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O posições até ver a bandeira de xadrez
primeiro pódio da época bem como em sexto. Como já foi referido, o seu
da Pramac Racing. MOTOGP (HONDA) 41M.49.773S colega, Andrea Dovizioso, somou o se-
Este foi mais um ‘grito’ à estrutura 1º MARC MÁRQUEZ (DUCATI) + 2.310S gundo abandono consecutivo, depois
da Ducati, no que diz respeito ao pi- 2º DANILO PETRUCCI (YAMAHA) + 5.350S de ter sofrido uma queda momentos
loto que deve ficar ao lado de Andrea 3º VALENTINO ROSSI (DUCATI) + 6.314S a seguir a ter saltado para o primeiro
Dovizioso em 2019, isto numa fase em 4º JACK MILLER (HONDA) + 7.419S lugar. ‘DesmoDovi’, vice-campeão do
que ‘Dovi’ renovou por mais dois anos 5º DANI PEDROSA mundo em 2017, está já a 49 pontos de
o seu contrato. Marc Márquez quando na entrada do
vitória na classe maior, igualando o O pódio ficou completo com Valentino CAMPEONATO 95 PTS campeonato na Europa era o coman-
registo de Casey Stoner. Mas mais Rossi, que confirmou as já esperadas 1º MARC MÁRQUEZ 59 PTS dante. Um montanha bem alta tem
importante do que isso, permitiu-lhe melhorias da Yamaha após o ‘desas- 2º MAVERICK VIÑALES 58 PTS agora para escalar.
cimentar em 26 pontos a sua vantagem tre’ vivido em Jerez de la Frontera. 3º JOHANN ZARCO 56 PTS Nesta passagem do Mundial por Le
para o segundo classificado do cam- O experiente piloto italiano realizou 4º VALENTINO ROSSI 54 PTS Mans, palavra ainda para o guerreiro
peonato, Maverick Viñales. Quer dizer uma corrida sólida, isto apesar de não 5º DANILO PETRUCCI Cal Crutchlow. Depois de sofrer uma
que, após cinco rondas, Marc Márquez ter tido argumentos para incomodar aparatosa queda na qualificação e
pode já ficar em branco numa corrida Danilo Petrucci na luta pelo segundo mente muito em baixo, tal como em ter passado a noite de sábado para
que manterá sempre o primeiro lugar lugar. O terceiro lugar de Rossi fez com 2015 a seguir ao famoso ‘Sepang Clash’. domingo numa unidade hospitalar,
do campeonato. Um importante ‘plus’ que este subisse ao pódio com Marc O australiano Jack Miller confirmou em Le Mans, foi declarado apto para
mental face aos rivais e numa fase tão Márquez, naquela que foi a primeira a boa forma da Pramac Racing em Le correr e fechou o fim de semana com
precoce da temporada. aparição pública destes dois ‘monstros’ Mans, ao ser quarto, na sua melhor um saboroso oitavo lugar. Logo atrás
Fora do planeta Marc Márquez o me- após o polémico incidente no Grande classificação até ao momento em 2018, ficou Maverick Viñales, que voltou a
lhor foi o ‘privado’ Danilo Petrucci, que Prémio da Argentina, em Termas de enquanto Dani Pedrosa, que teve um não ter vida fácil.
Río Hondo. fim de semana difícil, fechou o top Já entre os estreantes o mais forte foi
No Parque-Fechado e durante a ceri- cinco. Seguiu-se Jorge Lorenzo, que Hafizh Syahrin, em 12º. O seu colega
mónia do pódio foi claramente visível à semelhança de outras ocasiões, fez na Yamaha Tech 3, Johann Zarco, fez
o grande distanciamento entre os dois uma corrida de mais para menos. Isto sonhar os franceses com a pole posi-
pilotos, mostrando que a sua relação porque liderou a primeira fase da con- tion, mas na corrida não conseguiu o
está, e como já era esperado, nova- tenda, mas depois foi perdendo ritmo e remate final.

34 MOTO2FRANÇA

>>motosport.com.pt

MANTER
A CONSISTÊNCIA

Num circuito tradicionalmente difícil para o seu lado, Miguel Oliveira conseguiu ‘salvar mais difícil que tínhamos marcado no
os móveis’ ao ser sexto no Grande Prémio de França. Resultado que permitiu ao piloto calendário. Já está feita e vamos atrás
português somar pontos importantes e subir mais um lugar no campeonato, sendo agora de um bom resultado em Mugello”,
disse o vice-campeão do mundo de
segundo. O vencedor da corrida, Francesco Bagnaia, continua no primeiro lugar Moto3 em 2015.

Alexandre Melo Na quinta corrida da época, Oliveira do campeonato, a 26 pontos do líder, AMEAÇA ITALIANA
[email protected] ainda chegou a rodar em quinto, mas Francesco Bagnaia.
foi em sétimo que esteve grande parte “Estou satisfeito com o nosso sexto Quanto à vitória ficou pela terceira
Q uer seja em Moto3 ou agora da prova, não mostrando a sua KTM lugar porque melhorámos comparati- vez, em 2018, nas mãos de Francesco
no seu consulado em Moto2, a ter ritmo para voos mais altos. vamente ao ano passado e porque es- Bagnaia. O homem da Sky VR46 tem
verdade é que Miguel Oliveira Na última fase da prova, superou tamos em segundo do campeonato, o sido a grande figura deste arranque
nunca se deu muito bem com Romano Fenati para subir a sexto e que é importante. O problema para nós de época e com uma nova corrida ir-
ares de La Sarthe, mais con- terminou a corrida a ‘morder os calca- foi, no início da corrida, outros pilotos repreensível selou mais um triunfo. A
cretamente do circuito de nhares’ de Xavi Vierge, que foi quinto, terem maior aderência e conseguirem continuar neste ritmo, Bagnaia será o
Bugatti-Le Mans. Basta olhar para o após excelente recuperação, pois foi ser mais rápidos. Faltou-nos velocida- grande rival de Miguel Oliveira até ao
desempenho de 2017, onde foi somente forçado a partir do 35º e último lugar da de. No final consegui pilotar ao ritmo próximo mês de novembro.
17º, naquele que foi o pior resultado grelha. Para Miguel Oliveira ficou mais dos pilotos da frente, mas já foi tarde Em segundo ficou Álex Márquez, que
entre as corridas que terminou na uma exibição consistente, sempre demais. Ainda assim, falta-nos algo. garantiu o terceiro pódio do ano. O
temporada transata. tendo a consciência de não cometer Felizmente a equipa está a trabalhar irmão mais novo de Marc Márquez
Este ano, desde o primeiro treino livre excessos que deitassem tudo a perder. de forma empenhada. Agora temos um realizou uma corrida sólida, mas pro-
que Miguel Oliveira, apesar de não Este sexto lugar traduziu-se pelo seu teste, antes da prova em Mugello, que blemas de motor na fase final da prova
estar 100% confortável com a sua melhor resultado, até ao momento, tenho a certeza que será bom para nós. colocaram o espanhol em sobressal-
moto, tentou ‘segurar as pontas’. Na em Le Mans, o que aliado ao abando- Tanto para mim, pessoalmente, como to. Apesar do susto conseguiu trazer
qualificação obteve o 10º tempo, o que no de Lorenzo Baldassarri, permitiu para a moto, pois queremos dar um a sua Kalex são e salva até ao fim.
abria boas perspetivas para a corrida, ao piloto luso subir ao segundo lugar passo em frente. Le Mans era a prova O pódio ficou completo com o outro
apesar do lugar não ser o melhor. piloto da Marc VDS, Joan Mir. Na sua
quinta corrida em Moto2, conquistou o
primeiro pódio na categoria e mostrou
que é preciso contar com ele durante
a época.

35

MOTO3FRANÇA

LOTARIA FRANCESA

Como sucede quase sempre na categoria mais baixa do Marcos Ramírez foi terceiro e mais uma vez ganhou esta
Mundial, a luta pela vitória envolveu um elevado número posição na ‘secretaria’, numa corrida que teve três KTM
de pilotos, no caso, 9, e prolongou-se até à bandeirada nas três primeiras posições, tal como em Jerez.
de xadrez. No Grande Prémio de França, em particular, A corrida, em Le Mans, ficou ainda marcada pela queda
só ficámos a conhecer o vencedor já depois da corrida e consequente abandono, nos últimos metros da última
terminada. volta, de Marco Bezzecchi e Jorge Martín. Os dois pilotos
Tudo porque Fabio di Giannantonio, o piloto que cruzou estavam a discutir a primeira posição com Giannantonio,
a meta em primeiro, foi penalizado inicialmente em três no Raccordement, quando foram ao chão. Para Martín foi
segundos (depois foram apenas dois) por, de acordo com o segundo abandono consecutivo, enquanto Bezzecchi,
a Direcção de Corrida, ter cortado, durante a contenda, a apesar deste infortúnio, manteve o comando do
curva 9 do circuito de Bugatti-Le Mans quando estava a campeonato com quatro pontos de vantagem para Fabio
discutir uma posição com Jakub Kornfeil. di Giannantonio.
Assim o piloto da Gresini caiu para o quarto lugar e a Outro momento quente da prova foi protagonizado por
vitória foi, inesperadamente, parar aos braços de Albert Jakub Kornfeil. Quando, após a queda de Enea Bastianini,
Arenas, que somou o primeiro triunfo no Mundial. O seu no início da recta da meta o piloto checo não evitou a
colega na Ángel Nieto Team, Andrea Migno, foi segundo, Kalex do italiano e passou por cima desta. Mesmo assim
o que permitiu uma saborosa dobradinha à equipa conseguiu ‘aterrar’ de forma espectacular a sua KTM na
espanhola. Pelo segundo Grande Prémio consecutivo, gravilha e sem consequências.

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O

MOTO3

1º ALBERT ARENAS (KTM) 37M40.056S
+ 0.160S
2º ANDREA MIGNO (KTM) + 0.709S
+ 2.305S
3º MARCOS RAMÍREZ (KTM) + 5.487S

4º FABIO DI GIANNANTONIO (HONDA)

5º NICCOLÒ ANTONELLI (HONDA)

CAMPEONATO

1º MARCO BEZZECCHI 63 PTS

2º FABIO DI GIANNANTONIO 59 PTS

3º ARÓN CANET 56 PTS

4º JORGE MARTÍN 55 PTS

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O 5º ANDREA MIGNO 45 PTS

MOTO2 (KALEX) 40M.40.162S
1º FRANCESCO BAGNAIA (KALEX) + 2.709S
2º ÁLEX MÁRQUEZ (KALEX) + 4.865S
3º JOAN MIR (KALEX) + 7.041S
4º MARCEL SCHRÖTTER (KALEX) + 9.811S
5º XAVI VIERGE (KTM) + 9.943S
6º MIGUEL OLIVEIRA
98 PTS
CAMPEONATO 73 PTS
1º FRANCESCO BAGNAIA 67 PTS
2º MIGUEL OLIVEIRA 64 PTS
3º ÁLEX MÁRQUEZ 58 PTS
4º LORENZO BALDASSARRI
5º MATTIA PASINI

Nota ainda para o positivo quarto lugar
de Marcel Schrötter, que, durante todo
o fim de semana, mostrou uma com-
petitividade não muito habitual e com
isso conseguiu, até ao momento, o seu
melhor resultado em Moto2. No plano
negativo ficaram Lorenzo Baldassarri
e Mattia Pasini, dois dos principais
pilotos do campeonato, que não soma-
ram pontos, pois não evitaram quedas
durante a corrida.

>>motosport.com.pt

TRIUMPH

» TIGER 800 XCA 2018

THE ULTIMATE GLOBE TROTER

O tricilíndrico da nova Triumph Tiger 800 versão XCA tem
agora um binário mais presente a baixos e médios regimes,
tornando a sua condução mais suave e confortável.
Com a evolução na proteção aerodinâmica e na eletrónica,
agora com seis modos de condução, a nova Tiger 800
adapata-se a qualquer tipo de condução e em qualquer
tipo de terreno, garantindo sempre altas prestações
com um nível de segurança acrescido

Pedro Rocha dos Santos podemos dizer com segurança que “não toque do pé nas passagens. Este ano por dois defletores laterais, pelas li-
[email protected] seriam a mesma coisa“. a primeira velocidade é agora mais nhas da cúpula em torno dos faróis e
Bom, é certo que a Tiger 800 goza já de curta para obtermos maior controle e pelo formato do próprio depósito. Na
Quando ensaiamos uma enorme reputação e depois de termos resposta a baixa velocidade. posição mais alta, para circularmos a
Maxitrail carregamos quase ensaiado antes, propositadamente, a Ao subirmos para a Tiger 800 XCA, de velocidades superiores em auto-estra-
sempre connosco uma inter- sua irmã mais potente, a Tiger 1200 imediato percebemos que a mesma da, a proteção aerodinâmica é bastante
rogação: Se de repente deci- XCA, quisemos perceber o que, no herdou tecnologia desenvolvida para eficiente. Já em todo-o-terreno, onde a
disse largar tudo e partir por essencial, para além da cilindrada, a 1200. O painel de informação TFT a atenção está mais concentrada numa
esse mundo fora, durante um as difere, e qual das duas seria mais cores é idêntico, e os ajustes são reali- distância mais curta, recomendamos
ano sabático, palmilhando estradas e equilibrada e a opção mais lógica para zados pelo novo sistema de joystick de a posição mais baixa do ecrã.
caminhos que fosse encontrando pela uma aventura de longo curso, mas em 5 eixos, muito mais fácil e intuitivo que Em circulação urbana gostámos da fa-
frente, sem nunca me preocupar com simultâneo versátil e prática o sufi- o sistema do modelo do ano anterior. cilidade com que nos movemos entre os
os que deixava para trás e sem pressa ciente para uma utilização no dia a dia. Um must de facto. carros e apesar de ser uma Maxitrail a
para chegar a lugar algum, qual seria a Em relação à versão 2018 da Tiger No punho esquerdo, através do aciona- sua largura é contida. E aqui temos uma
companheira ideal para partilhar co- 800 XCA (versão mais Country que a mento do joystick, acedemos a toda a dualidade de critérios relativamente à
migo tal aventura? Aquela com quem versão XR, que é mais Road e que se informação, nomeadamente à seleção posição e dimensão do guiador. Já no
sentiríamos cumplicidade extrema e diferenciam de imediato pelas jantes, dos modos de motor que são 6: Rain, ano passado tínhamos feito esta obser-
que iria vibrar, como nós, com os de- as primeiras raiadas de 21” à frente Road, Off-Road, Off-Road Pro, Sport vação e vimos inclusivamente muitos
safios que lhe iríamos colocar todos e as segundas em liga de 19”) damos e Rider. Este último totalmente pro- clientes Triumph a mandar instalar
os dias, enfrentando com coragem o especial referência ao motor, esse trici- gramável pelo condutor. No mesmo ‘elevadores’ nas bases de aperto do
desconhecido e estando à altura de líndrico fantástico que, com 95 cv, tem punho encontramos ainda os botões guiador para os colocar numa posi-
todos os imprevistos, nunca nos dei- agora uma resposta com um ‘punch’ para piscas, buzina, cruise control, pu- ção mais alta. Na nossa opinião essa
xando ficar mal e, antes pelo contrário, mais vigoroso desde baixas rotações, nhos e bancos aquecidos, todos retro realidade mantém-se, ou seja, para
contribuindo para o nosso sucesso e fe- proporcionando uma aceleração pro- iluminados para melhor visibilidade uma utilização em estrada a posição
licidade... parece uma descrição utópica gressiva e dando um maior caráter noturna. ligeiramente mais baixa dos braços e do
da companheira ideal certo? Dirão até desportivo a esta Tiger, sobretudo no Em termos de proteção aerodinâmica corpo mais chegado à frente faz sentido,
que possivelmente não existe... mas não modo Sport. a Tiger 800 monta um ecrã que pode no entanto, assim que nos aventura-
se esforcem, eu dou-vos um conselho: Outro atributo de excelência é a caixa, ser colocado em 5 posições distintas, mos por caminhos e/ou pretendemos
é uma Triumph Tiger 800 XCA. Dirão, suave e precisa, diria quase que tinha manualmente e sem ferramentas, mes- pilotar de pé, imediatamente damo-nos
“mas existem outras“, correto... mas ‘quick shift’ instalado tal é o sincronis- mo em andamento, dada a facilidade conta de que o guiador não corresponde
depois de ensaiarmos a Tiger 800 XCA mo perfeito que a mesma transmite ao do sistema. O ecrã é complementado à designação XC (Cross Country) e se

37

CARACTERÍSTICAS existe uma versão da Tiger 800 mais todo-o-terreno da XCA: peseiras denta-
PRINCIPAIS direcionada para Estrada (Road), a XR, das com maior grip; modos eletrónicos
então porquê não posicionar a XC de- Off-Road e Off-Road Pro; proteções
Novas prestações do motor de 800 cc finitivamente para utilização mais em de carter e de motor... enfim, só falta
com mais binário a baixo e médios Off-Road? Nesse aspeto a posição do montar pneus de tacos e um guiador
regimes guiador é mesmo crítica. Já tudo o resto mais alto para enfrentarmos serras e
está de acordo com a maior vocação sendeiros, desertos e ribeiros.
1ª mudança mais curta a permitir maior
controle a baixa velocidade

Ecrã com 5 posições facilmente
alteradas manualmente
Novos travões BREMBO
Novo sistema de seleção de funções
através de joystick de 5 eixos
Painel de informação TFT de 5 “
Full Color
6 Modos de visualização de informação
no painel TFT
Luzes LED com função Daytime, DRL,
luz de presença de dia
Novo Modo Off Road Pro + 5 modos
Escape mais leve e de som mais
envolvente
Luzes LED integrais, à frente e atrás, e
inclusivamente faróis auxiliares
Botões de ligação retro-iluminados que
facilitam leitura e localização
Punhos e bancos aquecidos com switch
no punho esquerdo
Proteção em alumínio do radiador
Descanso central incluído

38

>>motosport.com.pt

Os faróis deste modelo topo de gama dianteira que conferem uma mordida demasia a utilização da embraiagem, cursos fora de estrada mais técnicos.
são Full LED - monta dois faróis au- mais efetiva em simultâneo com uma que por sinal é algo dura e acaba por Talvez aqui possamos desejar alguma
xiliares também de tecnologia LED, travagem mais fácil de dosear, funda- exigir algum esforço físico adicional evolução no futuro com a introdução de
muito em voga e quase obrigatórios mental em off-road. em situações de tráfico intenso ou per- uma embraiagem deslizante.
nas Maxitrails aventureiras topo de Em termos de condução a Tiger 800 O motor tem um binário excelente, que
gama. A nível das suspensões a XCA XCA é uma moto com a qual nos fa- KTM 1090 ADVENTURE R - 1.050CC se mantém praticamente nos 70 Nm
mantém as suspensões da WP to- miliarizamos de imediato, muito fácil entre as 2.500 rpm e 9.000 rpm e que
talmente ajustáveis, ao contrário das de conduzir, muito equilibrada, fácil de 125 CV nos permite rodar quase sempre em
versões XR que mantêm as Showa. levar em percursos urbanos graças à 6ª velocidade, saindo dos baixos regi-
Também ao nível dos travões houve primeira velocidade mais curta e a um POTÊNCIA mes com uma aceleração progressiva
uma evolução a considerar pois a Tiger acerto do acelerador que permite do- e rápida sem ter que utilizar a caixa e
XCA monta agora travões Brembo na sear a aceleração de forma a evitar em 207 KG apenas com o rodar do punho. O motor
está mais vivo e com uma resposta
CONCORRÊNCIA HONDA AFRICA TWIN BIG TANK - 998CC PESO mais rápida, mantendo a suavidade
característica, mas com um novo roncar
BMW F 850 FS ADVENTURE - 853CC 95 CV 15 315€ devido ao novo escape, mais curto e
sonoro, que transmite uma outra pre-
95 CV POTÊNCIA PREÇO BASE sença, realidade que apreciámos.
O banco da XCA é bastante confortável,
POTÊNCIA 242 KG existindo opções de ainda maior con-
forto. A sua altura de 840 mm está em
229 KG PESO sintonia com a tipologia da moto. Este
ano não existe versão ‘low rider’ e tão
PESO 14 700€ somente nas versões XR de Estrada
(o que faz algum sentido ). As rodas
N.D. € PREÇO BASE raiadas, de 21” na dianteira, conferem

PREÇO BASE

39

ESTRELAS
Motor êêêêê
Acabamentos êêêêê
Suspensões
Travões êêêê
Comodidade êêêêê
On Road
Off Road êêêê
êêêê
êêêê

o look off road da versão XCA, mas FT/ F I C H A T É C N I C A
obviamente penalizam algo a condução
desportiva em estrada. De qualquer for- 800 CC
ma a Tiger 800 XCA portou-se bastante
bem em percurso de estrada de serra, CILINDRADA
mantendo firmeza em curva e sem
mostrar resistência no encadeamento 95 CV
destas, graças a uma boa distribuição
e equilíbrio de massas. POTÊNCIA
Não tivemos oportunidade de levar
a XCA para terrenos mais inóspitos e 19 L
testar verdadeiramente o seu compor-
tamento em off road, sobretudo con- DEPÓSITO
siderando que no modo Off Road Pro a
mesma coloca em off toda a assistência 208 KG
eletrónica, até mesmo o controle de
tração e o ABS, deixando a pilotagem PESO
totalmente entregue às ‘skills’ do seu
piloto. Fica para uma próxima expe- 14 850€
riência onde possamos montar pneus
mais adequados ao fora de estrada e PREÇO BASE
deixar-nos perder por uma dessas
planícies alentejanas fora. MOTOR 3 CIL. EM LINHA, 12 VÁLVULAS, DOHC,
No final resta-nos colocar a questão... REFRIG. LIQUIDA POTÊNCIA MÁX. 95 CV
Será esta a companheira certa para 9.500 RPM BINÁRIO MÁX. 79 NM / 8.050
nos fazer felizes em qualquer situa- RPM EMBRAIAGEM HÚMIDA MULTIDISCO
ALIMENTAÇÃO INJEÇÃO ELE. SEQUENCIAL
MULTIPONTO CAIXA VEL 6 VELOCIDADES
CHASSIS E SUSPENSÕES QUADRO TRELIÇA
TUBULAR EM AÇO SUSPENSÃO DIANTEIRA
INVERTIDA WP DE 43MM AJUSTÁVEL COM
220MM CURSO SUSPENSÃO TRASEIRA
MONOAMORTECEDOR AJUSTÁVEL WP CURSO
215MM TRAVÕES E PNEUS
TRAVÕES DIANTEIROS DISCOS DE 305 MM
COM ABS PINÇAS BREMBO 2 PISTONS TRAVÕES
TRASEIROS DISCO DE 255 MM COM ABS
PINÇA NISSIN DE 1 PISTON PNEU DIANTEIRO
90/90-21 JANTES RAIADAS PNEU TUBELESS
PNEU TRASEIRO 150/70-17 JANTES RAIADAS
PNEU TUBELESS ELETRÓNICA E ELETRICIDADE
BATERIA 12 V, BAH VRLA LUZES DIANTEIRAS
FULL LED LUZES TRASEIRA FUL LLED PAINEL
INFO TFT 15” CONTROLE TRAÇÃO SIM RIDE
BY WIRE SIM MODOS DE MOTOR 6 MODOS
DE MOTOR RAIN, ROAD, OFF-ROAD, OFF-ROAD
PRO, SPORT E RIDER OUTROS DIMENSÕES
COMPRIMENTO N.D. MM LARGURA 805 MM
ALTURA 1.390MM DISTÂNCIA ENTRE EIXOS
1.545MM DISTÂNCIA AO SOLO 157MM ALTURA
DO BANCO 840MM-860MM RESERVA N.D.
CONSUMOS 4.7 LITROS/ 100 KM NORMA
EMISSÕES EURO 4

ção e levar-nos ao fim do mundo sem
discussão?
Pois na nossa perspetiva tem todos os
atributos para conseguir seduzir-nos
e convencer-nos.
Um conselho: nada como levá-la a
passear para se conhecerem melhor
e depois decidam com a cabeça porque
o coração já vai estar rendido.
A Triumph Tiger 800 XCA está dis-
ponivel em 3 cores, Vermelho Korosi,
Branco Crystal e Marine e tem um PVP
de 14.850 euros.

40

CORRADOUFMABI
PRODÍGIO
INACABADO

Ao contrário do seu irmão mais velho Teo, Corrado Fabi teve
uma passagem muito breve e pouco ou nada conhecida pelo
desporto motorizado. No entanto, era visto por muitos, desde

diretores desportivos à imprensa especializada, como um
dos maiores prodígios da sua geração e, a par com Stefan

Bellof e outros, um futuro dominador da Fórmula 1

CONHEÇA ESTA E MUITAS
OUTRAS HISTÓRIAS EM AUTOSPORT.PT

>> autosport.pt 41

Guilherme Ribeiro passagem apagada pelo G.P. do Mónaco.
[email protected] Passado o período inicial de adaptação,
Fabi mostrou definitivamente ao que vi-
Corrado Fabi nasceu em Milão, a nha. Foi segundo em La Châtre, e venceu
12 de abril de 1961. A sua famí- com uma boa margem a sétima prova,
lia era abastada e tinha vastos em Mugello. Seguiram-se novos pódios
interesses em minas de talco em Monza e Misano, vencendo em se-
e uma grande companhia de guida de novo em Knutstorp. No entan-
transportes, entre outros ne- to, apesar destas performances, alguma
gócios, o que permitiu aos seus filhos, irregularidade inerente à idade afastou
Teo e Corrado, terem uma infância e ado- Corrado da luta pelo título, que viria a
lescência desafogadas. Teo iniciou-se no ser conquistado com todo o mérito por
esqui, enquanto Corrado, durante uma Michele Alboreto, seu colega de equipa.
viagem às montanhas, passou por uma Ainda assim Fabi estava bem posicio-
pista de karts e rapidamente se apai- nado para lutar pelo segundo lugar no
xonou pelos motores, convencendo o campeonato, o que daria uma dobradinha
seu pai a comprar-lhe um kart. A par- histórica à equipa. Depois de um segundo
tir daí, o ainda bastante jovem Corrado lugar em Kassel Calden, Corrado estava
nunca mais olhou para trás e dedicou- ‘em cima’ de Thierry Boutsen, mas um
-se de corpo e alma ao seu desporto de furo na última ronda, em Zolder, acabou
eleição, tornando-se rapidamente num com os seus sonhos, terminando assim
dos melhores pilotos dos escalões ju- em terceiro com 50 pontos.
niores. Pelo meio, passou o ‘bichinho da As suas performances foram de tal modo
competição’ ao seu irmão mais velho, e brilhantes que, em 1980, Robin Herd
juntos começaram a dominar os karts, apressou-se a contratá-lo para substi-
primeiro em Itália, depois pela Europa. tuir o seu irmão Teo na equipa oficial da
Em 1975, quando ambos disputavam a March na Fórmula 2, em 1981. Ao lado
Taça da Europa, a equipa italiana, lidera- de Christian Danner e Thierry Boutsen,
da pelos Fabis, estava confortavelmente Corrado estava decerto consciente que
na frente quando as instâncias federati- este primeiro ano na F2 poderia ser de
vas se aperceberam que Corrado tinha aprendizagem, e mais uma vez começou
apenas 14 anos, sendo assim demasia- por apostar na regularidade, estrean-
do jovem para integrar aquele escalão. do-se com um pódio em Silverstone.
Mesmo suspendendo o piloto, o avan- Seguiram-se dois abandonos e mais
ço da equipa italiana foi suficiente para um pódio fabuloso em Nürburgring, es-
dar a Taça a Itália, e colocar o nome Fabi treando-se a vencer a meio da época,
bem alto na lista de jovens promessas em Mugello, tal e qual como na F3. Mas
do desporto motorizado. E, enquanto Teo alguns abandonos, tanto por incidentes
passava para os monolugares em 1977, como por falhas mecânicas, impediram
com sucesso quase imediato, Corrado Corrado de ir mais além do que o quinto
competiu nos karts até 1979 quando, lugar no campeonato, com 29 pontos,
feitos 18 anos, se inscreveu nas últimas o que incluiu ainda duas poles e duas
rondas do Campeonato Italiano de F3 voltas mais rápidas. O talento estava lá,
com um March 783-Toyota. De imediato disso não havia dúvidas, mas ainda era
conseguiu colocar o carro em posições preciso ‘polir’, e Robin Herd confirmou-
de relevo (incluindo um pódio na últi- -o de imediato por mais uma época na
ma ronda), o que lhe permitiu terminar F2, para a qual os March-BMW espera-
o campeonato em 10º da geral, com 8 vam recuperar a primazia depois de se
pontos conquistados. verem batidos pelo Ralt-Honda de Geoff
Lees no final de 1981.
UMA ASCENSÃO METEÓRICA A temporada de 1982 não começou da
forma mais auspiciosa para a March e
Em 1980, Corrado Fabi decidiu dar o sal- para Corrado, que foi forçado a abandonar
to e assinou com a Euroracing de Paolo cedo com problemas de caixa de veloci-
Pavanello para disputar o Europeu de F3. dades em Silverstone. Ainda assim, rapi-
Um passo muitíssimo ambicioso, sem damente se percebeu que o March 822-
qualquer sombra de dúvidas, mas que BMW tinha andamento para lutar pelo
não tardaria a dar os seus frutos. Não título. Fabi foi terceiro em Hockenheim,
que ele não fizesse provas esporádicas seguindo-se novo abandono já no final
no Campeonato Italiano, mas aos 19 anos da prova de Thruxton. Depois foi segundo
focar-se logo no Europeu assemelha-se em Nürburgring, atrás do seu eterno ri-
à tática usada por muitos ‘jovens lobos’ val Boutsen (Spirit-Honda), inaugurando
do século XXI, tendo em conta que, até finalmente a sua ‘contabilidade vitorio-
à década de 90, não eram poucos os pi- sa’ em… Mugello, na frente do colega de
lotos que tinham estreias mais tardias equipa Johnny Cecotto. Corrado repe-
nos primeiros escalões da modalida- tiu a dose em Vallelunga, mas novo azar
de. Ao volante de um March 803-Alfa obrigou-o a um abandono inglório em
Romeo, Corrado começou de imediato a Pau, não conseguindo também ir além
mostrar serviço e a apostar na consis- do quinto posto em Spa. Para retomar o
tência, terminando as primeiras provas comboio do título, Fabi tinha de vencer
nos pontos, conseguindo o seu primei- em Hockenheim e conseguiu-o, seguin-
ro pódio em Zandvoort, depois de uma

42

do-se uma vitória por ‘uma unha negra’ tagem, e, com o carro afinado para piso Paletti em meados de 1982. A formação usava os V8 turbo. O motor Alfa Romeo
na frente de Cecotto em Donington. Um molhado, não tardou a ser pressionado de Enzo Osella era pequena e tinha-se era rápido, mas muito frágil, como havia
acidente em Mantorp Park e um motor por um grande pelotão liderado pelo ita- estreado na F1 em 1980, mas cometeu mostrado nas temporadas anteriores, e
quebrado em Enna-Pergusa permitiram liano, que passou o belga para assegu- o erro de alinhar a partir de 1981 com os resultados não melhoraram significa-
a Boutsen e a Cecotto abrirem alguma rar a vitória e o título, já que Cecotto não dois carros, manifestamente demasia- tivamente com o novo chassis, já que Fabi
vantagem em relação a Corrado, que pontuou. Tinha sido uma época brilhan- do tendo em conta os parcos recursos da voltou a não qualificar-se em Inglaterra
chegou a Misano a precisar de vencer te, e Fabi só não venceu com maior mar- formação italiana. Ao lado de Piercarlo e na Alemanha, só regressando aos bons
para ser campeão, tal como Boutsen. Já gem maioritariamente devido a azares Ghinzani, que havia já competido pela resultados na ronda austríaca, aonde fi-
o super-regular Cecotto mostrava uma mecânicos. equipa em 1981 e tinha experiência na nalmente terminou um Grande Prémio,
grande facilidade de adaptação depois de Pelo meio, há que salientar que Corrado Endurance, Fabi sabia que não dispu- embora em 10º, masna frentedeGhinzani
uma bem-sucedida carreira nas motos se estreou no WSC nas 6h de Mugello de nha de uma máquina competitiva e que (que também havia falhado várias vezes
e, após uma carreira também ela curta 1981, partilhando um BMW M1 da BMW o mais importante seria terminar provas. a qualificação). Mas as restantes provas
e brilhante nas quatro rodas, podia jogar Italia com Christian Danner e terminando De facto, o Osella FA1D-Cosworth era o traduziram-se em abandonos, com outra
com a regularidade e ser apenas segundo. no oitavo posto. No ano seguinte, em 1982, modelo que tinha competido no ano an- não-qualificação pelo meio, em Brands
Corrado fez a pole, tal como lhe competia foi convidado pela equipa oficial da Lancia terior, e com motores Cosworth DFV at- Hatch. Se bem que, olhando para as per-
mas, antes da prova, uma forte chuvada para disputar os 1000Km de Mugello ao mosféricos, era ainda mais difícil brilhar formances dos dois colegas de equipa,
deixou a pista bastante molhada. Com lado de outro estreante nas lides dos quando muitas equipas começavam já a Fabi estivesse ao nível ou até ligeira-
o circuito a secar na hora da partida, os Protótipos, um tal de Alessandro Nannini, apostar em motores turbo. O carro era mente melhor que Ghinzani em qualifi-
homens da March optaram por pneus conseguindo ambos um espetacular se- pouco fiável, e quando Fabi se qualificava cação e corrida, o nível dos Osella havia
Michelin de seco, enquanto Boutsen, que gundo posto. Mas os olhos de Corrado para as provas, eram raras as vezes em sido demasiado baixo para que se des-
tal como os restantes homens da Honda Fabi estavam postos na Fórmula 1! que a mecânica não cedia. Mas o pior era se pelo jovem piloto, que parecia não ter
corria com Bridgestone, metia pneus de precisamente a luta para entrar nos 26 ‘aquele toque’ para brilhar com um carro
chuva. A aposta do belga parecia certa, A FÓRMULA 1 E O RÁPIDO ADEUS escolhidos para fazer parte da grelha de claramente inferior. Se isso se devia a fal-
principalmente sabendo que Corrado partida. Para um piloto muito habituado ta de motivação, à péssima qualidade do
não era particular apreciador da chuva. Após uma carreira tão brilhante nas ca- ao sucesso e que na vida só sabia andar carro ou a um piloto que tinha atingido o
Na largada Thierry rapidamente saltou tegorias inferiores, era de esperar que o na frente, esta realidade terá tido um seu melhor nas categorias inferiores, os
para o comando, enquanto Cecotto sofria jovem piloto de 22 anos conseguisse um impacto demasiado forte em Corrado, especialistas lá o saberão, mas a minha
um toque que deixou o seu carro afeta- lugar numa equipa de meio da tabela na que terá perdido um pouco da sua mo- opinião de historiador é que dificilmente
do para o resto da prova e Boutsen abria Fórmula 1, mas tal não aconteceu. Mesmo tivação. O piloto falhou a qualificação alguém conseguiria fazer muito melhor
uma enorme vantagem. Já Fabi preocu- com uma opinião claramente positiva por em Long Beach, Monte Carlo e Detroit, naquelas condições, e que o facto de não
pava-se em manter o carro em pista e parte da imprensa e de todos os que ti- e a falta de resultados dos dois carros ter propostas para 1984 terá sido o gol-
esperar que esta secasse. Quando isso nham trabalhado com ele, que destaca- levou a Osella a construir o novo FA1E, pe final na motivação do mais jovem da
aconteceu, deu-se o volte-face, já que vam a sua dedicação, estilo suave e rapi- desta vez com motores Alfa Romeo V12, família Fabi.
Boutsen teve de parar para trocar para dez inata, o melhor que Corrado arranjou que ainda eram normalmente aspirados, Desempregado, Corrado esperou ao longo
slicks, perdendo boa parte da sua van- foi um lugar na pequena equipa Osella, ao contrário da equipa de fábrica, que de 1984 por uma oportunidade de arran-
ainda a recuperar da morte de Riccardo

>> autosport.pt

43

jar um volante na F1 – talvez se se tives- com o turbo partido CART e Corrado nem se deu mal com os azar para pensar numa alternativa, mas
se focado nos Grupo C pudesse ter mais após uma prova apa- ares americanos. Depois de uma estreia também dois fatores terão influenciado
facilmente reconstruído a sua carreira – gada, devido a proble- marcada por problemas mecânicos em muito esta decisão. Em primeiro lugar,
e a sorte esteve do seu lado, já que o seu mas crescentes com Mid-Ohio, Corrado adaptou-se muito o patriarca da família morreu e era de
irmão tinha contrato com a Brabham aquele órgão mecâ- bem às ovais curtas de Sanair e Phoenix esperar que um dos filhos se retiras-
mas também com a Forsythe Racing no nico, enquanto Piquet e qualificou-se no top 10, terminando se da competição para assumir o lu-
campeonato CART. Como este tinha pre- vencia. No entanto, na respetivamente em 10º e sexto, para gar à frente das empresas familiares.
cedência, a Brabham-BMW viu-se sem sua última oportuni- desistir na última ronda em Las Vegas, Apesar de Teo ser o mais velho, estava
piloto em algumas rondas do Mundial de dade na F1, no pavoroso circuito de Dallas, somando assim 11 pontos em quatro já bem lançado na carreira, ao contrário
F1 e Berbie Ecclestone convidou Corrado Fabi bateu Piquet nos treinos e, ao con- provas. Havia rumores que o piloto te- de Corrado. Ao mesmo tempo, o mais
para ocupar o lugar do irmão. Sem gran- trário do seu colega de equipa, conseguiu ria lugar no campeonato CART em 1985, novo dos Fabi viu-se envolvido no aci-
des testes, e com um carro que era velo- manter o carro em pista sem toques nos como tantos outros ‘exilados’ das pistas dente de Sanair que provocou lesões
císsimo em qualificação graças aos Pirelli, muros no asfalto dantesco do circuito europeias, mas o jovem italiano, aos 23 pavorosas nas pernas e pés de Rick
mas que em corrida sofria com a mecâ- texano, terminando em sétimo, muito anos, optava por abandonar a competi- Mears, o que deixou algum impacto
nica, não se esperava uma adaptação rá- perto de alcançar o pontinho que lhe ção. Provavelmente, Corrado Fabi ainda psicológico em Corrado relativamente
pida de Corrado à equipa, mas a estreia poderia abrir novas portas. Porém, Teo estava muito focado na Fórmula 1 e des- às ovais. Todo este conjunto de acon-
em Monte Carlo esteve longe de desilu- Fabi, pressionado pela Brabham, tinha motivado com as suas performances e tecimentos levou ao adeus definiti-
dir, com um 15º lugar na qualificação a optado por renunciar ao campeona- vo do irmão mais novo à competição.
pouco mais de um segundo de Piquet. to CART e dedicar-se a full-time à F1, Definitivo? Não propriamente, porque
No entanto, o dilúvio na corrida afetou o que deixou Corrado novamente no em 1987 Corrado Fabi surpreendeu ao
bem cedo o sistema elétrico do Brabham, desemprego. Bem, nem tanto assim, já assinar com a Genoa Racing para correr
obrigando Fabi a abandonar. Seguiu-se que Teo recomendou o caçula da famí- na F3000. A equipa de Cesare Gariboldi
o G.P. do Canadá, mas aí Piquet fez a po- lia à Forsythe Racing para o substituir. tinha vencido o campeonato em 1986
le-position enquanto Corrado estava a A equipa americana rodou vários pilo- com Ivan Capelli, e planeava o assalto
mais de quatro segundos, abandonando tos na segunda metade do campeonato à temporada de 1987 com Fabi e Foitek,
mas problemas de saúde (uma gripe e
um pulso partido em seguida) impedi-
ram Corrado de alinhar nas primeiras
rondas. Quando finalmente se sentou
ao volante do March 87B-Cosworth, só
conseguiu qualificar-se no fundo do
pelotão (mesmo assim batendo Foitek),
mas teve de abandonar devido ás do-
res no pulso. Em Enna-Pergusa, os dois
pilotos da equipa não se qualificaram,
e Corrado decidiu que não valia a pena
tentar mais. Ainda assim, alinhou no
circuito Le Mans-Bugatti, mas com
nova falha para chegar à grelha, dis-
se o adeus, desta vez irrevogável, ao
desporto automóvel, dedicando-se de
vez aos negócios familiares. Perdeu-se
assim uma das maiores promessas do
início dos anos 80.

+44

BMW Francisco Cruz BMW com display (211€), teto de abrir
[email protected] elétrico panorâmico (1.628€), além da
» X3 xDRIVE 2.0D LUXURY linha de equipamento Luxury (5.552€),
Começando pelo exterior, temos sinónimo de jantes em liga leve de 19”
FÓRMULA VENCEDORA o primeiro exemplo da aplica- com pneus Runflat 245/50R19, barras
ção da máxima, “em equipa que de tejadilho em alumínio, luzes adapta-
Modelo importantíssimo no portfólio da BMW, o SUV X3 ganha, não se mexe”, mesmo tivas em LED (292€) e faróis de nevoeiro
vive já a sua terceira geração. A evolução é bem mais se com o novo BMW X3 a não também em LED.
esconder um aumento nas Já no interior do habitáculo, de fácil acesso,
significativa do que a imagem anuncia e mantém aptidões dimensões, proporcionadas pela nova a mesma “evolução na continuidade”,
para continuar a ser aquilo que já era: plataforma CLAR - a mesma do Série 7. E a começar na qualidade de constru-
uma fórmula vencedora que é também sinónimo de maior leveza ção e de materiais, nas linhas simples
(-55 kg face ao antecessor) e melhor ae- e ergonómicas de uma consola central
LEIA MAIS ENSAIOS E ACOMPANHE rodinâmica (0.29 Cd). mais virada para o condutor, ou ainda
TODAS AS NOVIDADES EM AUTOSPORT.PT Dono de um visual exterior mais marcante em pormenores como o novo volante
e desportivo, alterações, igualmente, no multifunções e o novo ecrã do sistema
design da grelha frontal, nas óticas, luzes de info-entretenimento de 10.2 polegadas
de nevoeiro e jantes de 18”, ao passo que, e controlável por gestos. Sem esquecer a
mais atrás, farolins, portão (elétrico) e possibilidade de, recorrendo à (extensa)
ponteiras de escape nas extremidades da lista de opcionais, integrar um painel de
carroçaria, completam o conjunto. instrumentos totalmente digital ou um
Opcionais, na unidade por nós testada, Head-Up Display a cores.
além do Cinza Sophisto metalizado (797€) Convincentes, não somente os espaços
escolhido como cor exterior e da chave de arrumação, como também a posição

>> autosport.pt/automais

45

de condução elevada, a privilegiar melhor da possibilidade de rebatimento 40:20:40 eficácia do sistema de tração integral FT/ F I C H A T É C N I C A
o acesso a comandos, que a visibilidade das costas dos bancos traseiros, fazendo permanente xDrive e na aplicação da
em redor. Agradecendo-se, por isso, a disparar o capacidade para 1600 litros. suspensão que se recusa a esquecer o 2.0 / 190 CV
existência de sensores e até câmaras Num modelo que continua a seguir os conforto, rapidamente ficamos rendidos à
no exterior, capazes de complementar o princípios basilares da marca a que per- vocação que o best-seller alemão revela, GASÓLEO
conforto oferecido por um volante de ex- tence, nomeadamente, no que à quase não apenas para ritmos citadinos e em
celente pega e banco desportivo em pele obrigatoriedade de recorrer à extensa deslocações tão curtas quanto intensas, 8,0 S
clara (de série) - ambos multireguláveis. lista de opcionais diz respeito, argumento como para os (bons) ritmos em estrada
Já nos lugares traseiros, um aumento do igualmente importante é o 4 cilindros 2.0 aberta, onde somos presenteados com 0-100 KM/H
espaço disponível e, como tal, agora me- litros turbodiesel de 190 cv que é tam- velocidades elevadas e condução des-
lhor preparado para receber, com bastante bém a motorização mais procurada em contraída. 3,7 L / 8,1 L (AUTOSPORT)
espaço e conforto, três adultos, além de Portugal. Não só fruto da apreciável dis- Fácil de conduzir e com uma direção
espaço suficiente na bagageira (550 litros). ponibilidade e desenvoltura evidenciadas mais evoluída, é apenas em trajectos 100 KM
Onde não falta sequer um bom acesso em praticamente todos os regimes, como mais sinuosos e abordados de forma
através de um portão de acionamento também dos consumos (reais) a rondar mais abnegada que o SUV de Munique 132
elétrico, ganchos porta-sacos, vários os 7 litros. apresenta as primeiras queixas... ligeiras.
pontos de iluminação e até um espaço Bem apoiados no bom entendimento re- Notando-se aí, e embora já com o Sport G/KM- CO2
de arrumação por baixo do piso falso... velado entre o propulsor e a (excelente) selecionado no sistema de Experiência
com esticador, para menor esforço! Além caixa automática de oito velocidades, na de Condução (possui ainda um modo 57 300€
Comfort, e um modo Eco Pro), algumas
cedências da suspensão que, com o PREÇO BASE (VERSÃO)
somar das curvas, acabam convidan-
do ao levantar o pé do acelerador, até MOTOR / CAIXA DE VELOCIDADES / CONFORTO /
para manter os restantes ocupantes HABITABILIDADE
descontraídos.
Já a terminar, o aproveitar de qualidades ‘OBRIGATORIDADE’ DE OPCIONAIS
como a altura ao solo de 204 mm ou os / VISIBILIDADE EM REDOR / APOIO
ótimos ângulos para o TT, apenas para LATERAL DO BANCO DO CONDUTOR
confirmar, fora de estrada, a competência
e versatilidade do X3. O qual não deixa dú- MOTOR 4 CIL. EM LINHA, INJEÇÃO
vidas de que continua a ser uma fórmula DIRETA, TURBOCOMPRESSOR DE
vencedora... GEOMETRIA VARIÁVEL E INTERCOOLER,
1995 CM3 POTÊNCIA 190 CV / 4000
RPM BINÁRIO 400 NM / 1750-2500
RPM TRANSMISSÃO INTEGRAL,
CAIXA AUT. DE 8 VEL. SUSPENSÃO
DUPLOS TRIÂNGULOS COM MOLAS
HELICOIDAIS À FRENTE E ATRÁS
TRAVAGEM DV/DV PESO 1825 KG
MALA 550L (ATÉ 1600L)
DEPÓSITO 68L VEL. MÁX. 213 KM/H

+

VOLKSWAGEN estética que faz transparecer o exterior.
Os locais de arrumação, nas portas e
» POLO 1.0 95 CV consola central, estão adequados a um
modelo destas características, e o tablier
CRESCIDO E JOVIAL sobressai pela sua disposição moderna,
com o sistema de infoentretenimento
O Polo é um dos maiores casos de sucesso da Volkswagen, como o provam as mais de 14 milhões nele incorporado, com ecrãs que podem
de unidades vendidas desde o seu lançamento, em 1975. Agora chegou a sexta geração e, uma variar entre 6,5” e 8”, mediante o nível de
coisa é certa, o caminho de sucesso tem tudo para continuar… equipamento.
Em temos de conectividade há a destacar
André Duarte tejadilho alargada, que na traseira se con- de ar: uma delas, em forma de V, ao centro, os serviços online (CarNet App-Connect
[email protected] verte num spoiler; a fina linha lateral que e a outra, mais estreita, estende-se por ou Media Control), integração com smar-
percorre de forma paralela o teto rebai- toda a largura do modelo. tphones ( MirrorLink, Apple CarPlay e
OnovoVolkswagenPolocresceu, xando visualmente o centro de gravidade; A traseira conta com maior volume, ado- Android Auto) e o WLAN-Hotspot.
e hoje mais parece um modelo a ampla superfície vidrada; e o novo pilar tando um ar mais robusto, sublinhado A bagageira oferece-nos 351 litros, che-
do segmento C disfarçado de C, agora mais incisivo e inclinado para a pelos novos grupos óticos (pela primeira gando aos 1125 litros com os brancos
um mais pequeno membro frente. vez também disponíveis opcionalmente traseiros rebatidos.
do segmento B, do que um Na dianteira o protagonismo é assumido em versão LED). Nota final para o apelativo
puro carro do segmento B. pelos faróis e nova grelha. O pára-choques difusor integrado no pára-choques. AO VOLANTE
Partilhando a plataforma MQB A0, o foi totalmente redesenhado, enquanto o
modelo está mais encorpado em todos capot é marcado por um visível prolon- INTERIOR O Polo é um modelo muito coerente, algo
os aspetos: comprimento 4053 mm (+81 gamento para baixo. No interior encontramos um modelo prag- que rapidamente transparece em estrada,
mm); distância entre eixos 2548 mm (+92 Na lateral destaque para as superfícies mático para um utilização quotidiana. O sem serem precisos muitos quilómetros.
mm); largura 1751 mm (+69 mm); altura vidradas dos faróis de nevoeiro e da luz de espaço é um ponto que marca de imediato O motor de 3 cilindros 1.0 a gasolina com
1446 mm (+7 mm). No global, apresenta-se curva estática, que estão limitados para o pela positiva, tanto nos lugares dianteiros 95 cv torna-o jovial, como um adoles-
com linhas modernas, apelativas e joviais. exterior por ângulos de contornos tridi- como traseiros. Apenas a qualidade de cente radiante nos primeiros passos de
Esteticamente destaque para a linha de mensionais. A meio surgem as entradas alguns plásticos não se coaduna com a liberdade.
A potência, que nos chega sempre de
modo progressivo, está disponível na dose
certa, com um motor muito elástico que
nos permite explorar cada uma das cinco
relações da caixa manual com grande
amplitude de utilização.
Em estrada o Polo destaca-se pelo seu
comportamento, com um equilibro de

47

FT/ F I C H A T É C N I C A

nota. O chassis e a suspensão permitem- bém racional em matéria de consumos. para encararmos o dia a dia com a certeza 1.0 / 95 CV
-nos abordagens vigorosas em curva, Falamos de 5l/100 km numa utilização de que temos o compromisso necessário
fazendo-nos sentir estar devidamente cumpridora mas despreocupada, ou – entre potência/estrutura do veículo GASOLINA
colados à estrada. 4,7l se tivermos reais cuidados ao vo- – para uma utilização quotidiana, com
Apenas por vezes percebem-se as per- lante. Entre os sistemas de assistência consumos contidos e a disponibilidade de 10.8 S
turbações desta, e denota-se alguma à condução, de série destaque para ‘alma’ ideal. Por outro lado, com o cresci-
rigidez na absorção, quando o piso não é Front Assist com função de travagem mento registado ao nível das dimensões 0-100 KM/H
o mais favorável. A direção e travões são de emergência em cidade e sistema nesta última geração, espaço é outro dos
também pontos de agrado. de deteção de peões. No conjunto, re- seus argumentos fortes, a pontos de poder 4,4L / 4,7L (AUTOSPORT)
A posição de condução é adequada e o vela-se uma boa proposta para uma pôr em sentido modelos de segmentos
volante multifunções dá-nos acesso a utilização diária. superiores. 100 KM
praticamente todas as funcionalidades No global, uma proposta de respeito e que
do veículo, sem dele ser necessário tirar BALANÇO FINAL irá certamente continuar a representar a 101
as mãos. O que é uma grande vantagem O Volkswagen Polo com motor 1.0 a gaso- linhagem familiar a preceito no capítulo
em condução. Ao mesmo tempo é tam- lina e 95 cv revela-se um belo exemplar vendas. G/KM- CO2

17 071€

PREÇO VERSÃO ENSAIADA

MOTOR / CONSUMOS / IMAGEM /
ESPAÇO

ALGUNS PLÁSTICOS NO INTERIOR

MOTOR 3 CIL. EM LINHA, INJEÇÃO DIRETA, TURBO,
INTERCOOLER, 999 CM3 POTÊNCIA 95 CV /
5000-5500 RPM BINÁRIO 175 NM / 2000-3500
RPM TRANSMISSÃO DIANTEIRA, CX. MANUAL DE
5 VEL SUSPENSÃO TIPO MCPHERSON À FRENTE E
EIXO DE TORÇÃO ATRÁS TRAVAGEM DV/TAMBORES
PESO 1145 KG MALA 351 (ATÉ 1125L)
DEPÓSITO 40L VEL. MÁX. 187 KM/H

E/ Dando cumprimento ao estabelecido no n° mais importantes provas de desporto au- leitores uma informação atual, rigorosa abordagem e de análise dos factos noti-
1 do artigo 17° da Lei 2/99, de 13 de Janeiro, tomóvel disputadas em território nacional e de qualidade, opinando sobre tudo o ciosos, com total abertura à interatividade
ESTATUTO Lei da Imprensa, publica-se o Estatuto e no estrangeiro, relata acontecimentos que se passa na área do automóvel e dos com a sua comunidade de leitores. 4. O
EDITORIAL Editorial da publicação periódica AutoSport: ligados à competição automóvel, bem como automobilistas, numa perspetiva plural, re- AutoSport pratica um jornalismo pautado
1. O AutoSport é um semanário dedicado temas que versam o automóvel como bem cusando o sensacionalismo e respeitando pela isenção, sem comprometimentos
ao automóvel e aos automobilistas, nas de consumo, tanto na área industrial como a esfera da privacidade dos cidadãos. 3. ou enfeudamentos, tendo apenas como
suas mais distintas vertentes: desporto e comercial. O AutoSport pauta as suas opções edito- pressuposto editorial facultar a melhor
competição, comércio, indústria, segurança 2. O AutoSport está comprometido com riais por critérios de atualidade, interesse informação e a melhor formação aos seus
e problemática rodoviária. O AutoSport o exercício de um jornalismo formativo e informativo e qualidade, procurando apre- leitores, seguindo sempre as mais elemen-
edita, semanalmente, conteúdos sobre as informativo e procura oferecer aos seus sentar aos seus leitores a mais completa tares normas deontológicas.

PROPRIEDADE FOLLOW MEDIA COMUNICAÇÃO UNIPESSOAL, LDA. – NIPC 510430880, RUA MANUEL INÁCIO Nº8B 2770-223 PAÇO DE ARCOS REDAÇÃO RUA MANUEL INÁCIO Nº8B 2770-223 PAÇO DE ARCOS GERÊNCIA PEDRO CORRÊA MENDES
[email protected] DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES [email protected] DIRETOR-EXECUTIVO JOSÉ LUÍS ABREU [email protected] COLABORADORES ANDRÉ DUARTE, FRANCISCO MENDES, MARTIN HOLMES,
JORGE GIRÃO, JOÃO F. FARIA, JOÃO PICADO, NUNO BRANCO, NUNO BARRETO COSTA, RODRIGO FERNANDES E GUILHERME RIBEIRO FOTOGRAFIA AIFA/JORGE CUNHA, ANDRÉ LAVADINHO, ZOOM MOTORSPORT/ANTÓNIO SILVA
DESIGNER GRÁFICA ANA SILVA [email protected] IMPRESSÃO SOGAPAL, S. A.,SOC. GRÁFICA DA PAIÃ, S. A. DISTRIBUIÇÃO VASP – DISTRIBUIDORA DE PUBLICAÇÕES, S. A., TIRAGEM 15 000 EXEMPLARES REGISTO NA ERC 105448
DEPÓSITO LEGAL Nº 68970/73 – COPYRIGHT© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR. EMVIRTUDE DO DISPOSTO NO ARTIGO 68 Nº2, I) E J), ARTIGO 75º Nº2, M) DO CÓDIGO DO DIRETOR DE AUTOR E DOS DIREITOS
CONEXOS ARTIGOS 10º E 10º BIS DA CONV. DE BERNA, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS A REPRODUÇÃO, A DISTRIBUIÇÃO, A COMUNICAÇÃO PÚBLICA OU A COLOCAÇÃO À DISPOSIÇÃO, DA TOTALIDADE OU PARTE DOS CONTÉUDOS DESTA PUBLICAÇÃO,
COM FINS COMERCIAIS DIRETOS OU INDIRETOS, EM QUALQUER SUPORTE E POR QUAISQUER MEIOS TÉCNICOS, SEM A AUTORIZAÇÃO DA FOLLOWMEDIA COMUNICAÇÃO, UNIPESSOAL LDA. A FOLLOWMEDIA NÃO É RESPONSÁVEL PELO CONTÉUDO DOS
ANÚNCIOS. EDIÇÃO ESCRITA AO ABRIGO DO NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO. CONTACTO [email protected]


Click to View FlipBook Version
Previous Book
IMG_0322 pdf test
Next Book
view 1 -42IN COLOR