The words you are searching are inside this book. To get more targeted content, please make full-text search by clicking here.
Discover the best professional documents and content resources in AnyFlip Document Base.
Search
Published by hmilheiro, 2022-07-11 16:02:04

AS2324_Digital_1

AS2324_Digital_1

#2324 O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES 44

ANO 44 anos

13/07/2022 >> autosport.pt
Semanal

2,95€ (CONT.)

DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES

GP DA ÁUSTRIA DE FÓRMULA 1 +/

FFEESTRA FROIADARI CHARLES LECLERC
VENCE 3 MESES
DEPOIS

MOTOR DE
SAINZ ARDEU

RED BULL BATIDA
EM ‘CASA’

JOÃO FERREIRA VENCE NO CAMPEONATO DA EUROPA DE BAJAS

PÁG. 00 PÁG. 00

DUCATI
V21L

WEC MONZA TOYOTA GR86

ALPINE BATETOYOTA
PEUGEOT COM
ARRANQUE ‘DURO’...


3

I/ I N S TA N TÂ N E O SIGA-NOS EM EDIÇÃO

#2324
13/07/2022

f l> > a u t o s p o r t . p t
facebook.com/autosportpt twitter.com/AutoSportPT

ESPETÁCULO A nova F1 é isto mesmo. Cinco carros em luta na entrada para uma curva (como esta montagem ilustra). As novas José Luís Abreu
regras permitem agora batalhas mais intensas em pista e um espetáculo muito mais interessante. Imagens assim são normais nas
motos, em competições monomarca, mas na F1 é um prazer poder vê-las… DIRETOR-EXECUTIVO

S/ SEMÁFORO EM DIRETO [email protected]

PARADO A ARRANCAR A FUNDO “Este ano, sinto que estou Não foi só depois de Abu
provavelmente ao meu nível, Dhabi 2021 que os adeptos
O comportamento de Mais uma prestação Vitória sem espinhas graças à experiência também. da Fórmula 1 se começa-
alguns adeptos no espetacular do carro de Charles Leclerc Talvez ao nível de 2012 e tenho ram a parecer muito mais
GP da Áustria. Ir ver 38 da JOTA de Félix na Áustria, onde foi 20 pontos. Talvez tenhamos com os do futebol, mas
a F1 deve ser motivo da Costa, com uma sempre o mais rápido, perdido 70 pontos, se contarmos o que aí sucedeu ajudou
de festa em família recuperação notável numa pista que vinha a todas as desistências, má sorte e muito. Há muito que a sociedade em
e não de receios por e mais um importante favorecer a Red Bull. fiabilidade.” geral, desporto em particular, sofrem
comportamentos pódio, rumo ao título cada vez mais de um mal chamado
Fernando Alonso sobre a sua época 2022 ‘redes sociais’.
exagerados Nunca tanto como hoje uma qualquer
“Peço desculpa se algo que eu pessoa pode ter a sua vida ‘literal-
O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES NA ERA DIGITAL tenha dito perturbou alguém, mente’ destruída num ápice, ou por-
porque certamente não era essa que fez uma simples publicação. Há
a intenção” um documentário recente de ‘strea-
ming’ que conta a história de pessoas
Bernie Ecclestone sobre as declarações que fizeram um comentário errado na
que fez em relação a Vladimir Putin. hora errada e acabaram por perder a
vida como consequência disso.
“Tenho que perceber o que se Dantes, dizia-se que o ‘atraso’ de mui-
passa. A única forma de ser ta gente se devia a não ter acesso à
melhor, é tentar aprender e informação. Lamento dizer-vos que
compreender melhor o que se nunca houve tanto acesso à informa-
está a passar.Tenho que me ção como hoje, e nunca houve tantos
manter focado no que preciso de ‘atrasados’ como os que existem.
fazer e saber que será melhor se Isto não tem a ver com pobres, reme-
continuarmos a trabalhar” diados e ricos, tem a ver com educa-
ção ou falta dela.
Daniel Ricciardo sobre o seu momento O que se passou nas bancadas do
de forma Red Bull Ring, e que levou os pilotos
a gastarem vários minutos da confe-
Siga-nos nas redes sociais e saiba rência de imprensa final a falar disso e
tudo sobre o desporto motorizado no a apontar caminhos e soluções, torna
computador, tablet ou smartphone via óbvio que as redes sociais têm que
facebook (facebook.com/autosportpt), passar a ter mais controlo, porque es-
twitter (AutosportPT) ou em tão quase totalmente descontroladas.
>> autosport.pt Pessoalmente, recuso-me a ver cai-
xas de comentários de temas relacio-
nados com o futebol e com os clubes.
Para me chatear, já basta o que muitas
vezes leio nas caixas de comentários
do nosso site.
O que se faz? Fecham-se os comen-
tários, e ‘premeiam-se’ uma dúzia de
energúmenos, quando sabemos que a
grande maioria silenciosa só gosta de
trocar opiniões e conhecimentos? É
tramado. Se já chegou com este vigor
as bancadas da F1, imaginem…


4 F1/
FÓRMULA 1
GP DA ÁUSTRIA 1 1 D E 2 2

NADAPAROU
CHARLES
LECLERC

Foram cinco corridas de frustrações e desapontamentos
e Charles Leclerc precisava de um fim de semana em que
as circunstâncias não jogassem contra ele, como vinha a
acontecer há demasiado tempo, para poder concretizar o

potencial que demonstrava. Em Spielberg, o destino não
conjurou contra si e venceu o Grande Prémio da Áustria, apesar

de um susto

Jorge Girão
[email protected]

FOTOS Oficiais

Ojovem monegasco chegava à Verstappen, ainda que por uma diferença que aproveitou a luta fratricida entre os O arranque para a prova de domingo ocor-
pista austríaca depois de ter mínima – Leclerc perdeu apenas 0,029s dois Ferrari para ganhar uma vantagem reu sem grande sobressaltos, mantendo
visto uma vitória certa em e Carlos Sainz, o terceiro, 0,082s. decisiva logo no início da prova. os três primeiros as suas posições, ao
Silverstone se evaporar de- Sérgio Pérez era penalizado por ter abu- Depois de se ver livre do seu colega de passo que Sérgio Pérez – que no dia an-
vido a um erro estratégico da sado dos limites da pista austríaca e ar- equipa, Leclerc rodou no ritmo do ho- terior recuperara até quinto – e George
sua equipa e isto já vinha em rancava para a Corrida Sprint de sábado landês, tendo mesmo se aproximado Russell envolviam-se num duelo na
cima de dois abandonos por questões de de décimo terceiro. dele na ponta final do exercício de vinte saída da Curva 4, tendo os dois carros se
motor quando liderava confortavelmente A Mercedes confirmava a progressão e três voltas. Porém, sem necessidade de tocado… Resultado – o mexicano ia para
e de, no Mónaco, ter visto o triunfo desa- verificada em Silverstone, ainda que sem atacar, ficava a ideia de que Verstappen a gravilha e danificava bastante o seu
parecer devido a uma decisão duvidosa o ritmo dos Ferrari e dos Red Bull, mas nos derradeiros momentos levantou o pé, monolugar, o que ditou o seu abandono
da Scuderia. os seus dois pilotos despistavam-se na permitindo uma aproximação controlada na vigésima quarta volta, ao passo que o
Leclerc precisava de vencer e voltar a Q3, ficando George Russell em quarto da do seu perseguidor. inglês era penalizado com cinco segundos
colocar a sua temporada nos carris. grelha de partida e Lewis Hamilton em Contudo, o monegasco, após a Sprint e atrasava-se irremediavelmente.
Porém, nem tudo parecia jogar a favor décimo – definitivamente, os Flechas de mostrava-se muito confiante para o dia Entre os pilotos da frente, sem ser in-
do piloto da Ferrari, uma vez que na pri- Prata não seriam um fator na luta pelos lu- seguinte, deixando escaparqueagestão comodado pelo seu colega de equipa,
meira sessão de treinos-livres os Red gares cimeiros, tendo de se contentar com de pneus no Grande Prémio da Áustria, Leclerc apenas na segunda volta deixou
Bull pareciam estar ligeiramente mais aquilo que as duas equipas que venceram disputado ao longo de setenta e uma a zona de DRS de Verstappen, passando
fortes que os carros de Maranello e isso todas as corridas este ano deixariam. voltas, seria de capital importância para a pressionar o Campeão do Mundo, que,
traduziu-se numa pole-position para Max A Sprint acabou vencida por Verstappen, o resultado final. por mais que tentasse, não conseguia


>> autosport.pt

5

6

o número de corridas realizadas no Red Bull
Ring desde 2020 – duas nos últimos dois anos
devido à COVID-19 e duas em 2022, graças à
Sprint de sábado.

14

o número de pilotos austríacos que tomaram
parte em, pelo menos, um GP. O primeiro foi
Jochen Rind e o mais recente Christian Klien.

100

o número de Grandes Prémios disputados
por Esteban Ocon, com a sua participação na
prova austríaca.

afastar-se do Ferrari. Leclerc, duas voltas depois a Red Bull cha-
Com a pista mais fria e lavada pela chuva mou o seu piloto às boxes, tentando com a
da noite, o Red Bull RB18 tinha dificuldades tática fazer o que não conseguia fazer com
em gerir os pneus da Pirelli, demonstrando a performance, assumindo uma corrida
ainda um comportamento inconsistente com duas paragens nas boxes.
que deixava o holandês sem saber o que Consciente da superioridade do seu carro,
esperar em cada uma das curvas. a Ferrari não reagiu, mantendo-se fiel ao
Por seu lado, o Ferrari F1-75 estava com- seu plano inicial, que já passava por duas
pletamente à vontade, mostrando-se tão trocas de pneus, mas deixando a Red
ou mais rápido que a máquina de Milton Bull no escuro quanto às suas opções
Keynes e com uma delicadeza para os estratégicas.
pneus que permitia a Leclerc rodar na Leclerc pararia apenas na vigésima sexta
esteia de Verstappen sem qualquer pro- volta – treze depois de Verstappen – fa-
blema. zendo Sainz o mesmo na seguinte.
Na décima segunda volta o inevitável Os dois pilotos da Ferrari perdiam uma po-
aconteceu – o monegasco surpreendeu sição para o holandês, mas a superioridade
o líder na travagem para a Curva 4, as- técnica do carro de Maranello e os pneus
sumindo autoritariamente o comando. bastante mais frescos que montavam,
Sem ter resposta para o andamento de num circuito em que as ultrapassagens


F1/FÓRMULA 1

6

GP DA ÁUSTRIA 1 1 D E 2 2

não são difíceis, o regresso ao comando a corrida, e em circunstâncias normais
da parte do monegasco seria uma inevi- o triunfo sorriria a Leclerc.
tabilidade e mesmo o espanhol estaria em No entanto, a vitória do monegasco esta-
condições de assegurar o segundo posto. va destinada a ser envolvida por drama,
O inevitável mais uma vez aconteceu, com o acelerador do seu monolugar a
com Leclerc a suplantar novamente não recuperar totalmente, mantendo-se
Verstappen, estavam decorridas trinta entre 20% a 30% mesmo quando o piloto
e três voltas. levantava completamente o pé.
Quando Sainz se preparava para fazer o Para além dos problemas evidentes
mesmo, a Red Bull chamou o seu piloto que isso causava – Leclerc não podia
às boxes para realizar a sua derradeira descrever as curvas à velocidade que
paragem planeada. realmente desejava – as reduções eram
Uma vez mais, a Ferrari não se atemori- também afetadas, uma vez que a centra-
zou, mantendo-se fiel à sua estratégia, lina eletrónica do F1-75 ao detetar uma
trocando os pneus a Leclerc apenas na aceleração anormal durante as reduções
quadragésima nona volta, conservando negava a passagem de caixa.
a vantagem de borrachas treze voltas Foi neste quadro que Leclerc realizou as
mais novas do lado do monegasco e ca- últimas onze voltas, tendo ainda de se
torzenocasodo espanhol, queparavana defender da aproximação de Verstappen.
passagem seguinte pela linha de meta. O holandês, que quando terminou a si-
Uma vez mais, os pilotos da Ferrari teriam tuação de Safety-Car Virtual estava a
defazeralgumtrabalho empista,mas as quatro segundos do primeiro classifi-
circunstâncias estavam completamente cado, foi-se aproximando, aproveitando
do seu lado. os problemas do seu rival, mas no final
Leclerc suplantou Verstappen sem qual- não chegava, tendo Leclerc conquistado
quer problema na quinquagésima terceira a sua terceira vitória da temporada com
volta, assumindo definitivamente o co- uma vantagem de 1,5s para o piloto da
mando, ao passo que Sainz preparava-se Red Bull.
para fazer o mesmo e, assim, garantir uma Finalmente, e depois de três meses
dobradinha para a Scuderia. certos desde o seu triunfo anterior, o
Porém, quando seguia no escape do Red monegasco voltou ao degrau mais alto
Bull para a travagem da Curva 4, a unidade do pódio, acompanhado por Verstappen
de potência do carro número cinquenta e e Hamilton, num dia em que a Ferrari
cinco autodestruiu-se estrondosamen- esteve irrepreensível estrategicamente.
te, obrigando o espanhol ao abandono Contudo, o abandono de Sainz não deixa-
quando estavam decorridas cinquenta rá de preocupar os homens de Maranello
e seis voltas. que perderam mais um resultado de
O pesadelo voltava às hostes da Scuderia relevo devido a questões de fiabilidade.
com uma situação de Safety-Car Virtual
provocada pelo abandono do seu piloto a
poder alterar a dinâmica da corrida.
Contudo, os estrategas da Ferrari cons-
cientes de que, se Verstappen não apro-
veitasse a oportunidade e não seguisse
Leclerc para as boxes, estaria exposto aos
ataques do monegasco, chamaram o seu
piloto para uma terceira troca de pneus,
montando médios, no que foi imitado pelo
seu perseguidor.
A Scuderia respondia bem estrategica-
mente, como tinha feito ao longo de toda

M/ MOMENTO F/ FIGURA

ABANDONO DE SAINZ Até ao abandono do CHARLES LECLERC O monegasco já não
espanhol a Ferrari parecia caminhar com segu- vencia há três meses e em Spielberg estava
rança para uma dobradinha, a primeira desde determinado a terminar com a sua traves-
o Grande Prémio do Bahrein. No entanto, sia do deserto. Até à situação de Safety-Car
uma vez mais, a fiabilidade do F1-75 deixou Virtual o seu ritmo estava fora do alcance dos
a desejar, colocando Sainz fora de prova. seus perseguidores, mas depois um problema
Para além disso, obrigou a Scuderia a reagir no acelerador colocou em risco o seu regresso
estrategicamente, mas desta feita fê-lo bem, às vitórias. Apesar das contrariedades, Leclerc
deixando Leclerc em boas condições para conseguiu imprimir um andamento que lhe
regressar às vitórias, apesar dos problemas permitiu gerir a aproximação de Verstappen e
com o acelerador. somar o seu terceiro triunfo da temporada.


ESCOLHA TODAS
AS VANTAGENS

A nova Tiger 1200. É a moto de aventura de grande cilindrada com mais capacidades, ágil e manobrável.
É também significativamente mais leve e mais potente que a sua concorrência directa, com especificações,
características e manobrabilidade líderes no segmento, para além da vantagem do desempenho do tricilíndrico
T-Plane da Triumph.
O resultado é um comportamento excepcional em asfalto e a mais dinâmica e entusiasmante experiência de off road.
A nova família Tiger 1200. Agora com todas as vantagens. Desde 18.950 € PVP.

Saiba mais em: triumphmotorcycles.pt TRIUMPH LISBOA: 218 292 170 TRIUMPH PORTO: 224 108 000 TRIUMPH ALGARVE: 289 090 366 TRIUMPH CENTRO: 236 023 404


F1/FÓRMULA 1

8

GP DA ÁUSTRIA 1 1 D E 2 2

2º PELOTÃO

MAIS UM
FIM DE SEMANA
DE CONTRARIEDADES

PARAALONSO

Fernando Alonso tem tido um ano estranho e difícil, apesar de
se evidenciar a um nível elevadíssimo, tendo o GP da Áustria
sido um microcosmo da sua temporada, muito embora tenha
ainda conseguido salvar o fim de semana com um 10º lugar

Jorge Girão quer veleidade que o espanhol tinha em madrasta para Alonso e determinante de duas paragens, quando a tática de uma
[email protected] ser uma ameaça para os W13 foi desfeita para o seu resultado do fim de semana. paragem era considerada a melhor, para
FOTOS Oficiais por arreliadoras contrariedades ao longo Problemas elétricos levaram a um ‘shu- permitir que o seu piloto pudesse rodar em
de todo o evento. tdown’ total do A522 sem que os técni- ar livre o maior tempo possível.
Fernando Alonso tem tido um ano O bicampeão mundial de F1 passou sem cos da Alpine conseguissem debelar o O arranque não foi brilhante, mas ao longo
estranho e difícil, apesar de se evi- problemas à Q3 na qualificação, mas foi problema. do seu primeiro ‘stint’, Alonso foi ganhan-
denciar a um nível elevadíssimo, então que começaram as contrariedades. Já depois da volta de apresentação ter do posições, aproveitando o potencial do
tendo o GP da Áustria sido um mi- Ao passar com mais força pelos correcto- iniciado o carro do espanhol foi levado seu Alpine, o quarto carro mais rápido em
crocosmo da sua temporada, mui- res do Red Bull Ring, que em algumas zo- para as boxes, mas nem assim a equipa pista, para se imiscuir na luta pelos luga-
to embora tenha ainda conseguido nas são bastante altos, danificou o fundo conseguia encontrar uma solução, aca- res dos pontos.
salvar o fim de semana com um 10º lugar. do seu Alpine, perdendo uma quantidade bando Alonso fora de prova ainda antes Antes da sua segunda paragem nas bo-
O pacote técnico que a Alpine estreou de performance assinalável, o que o dei- da Sprint ter início. xes o espanhol estava na sétima posi-
em Silverstone deu os resultados espe- xou em desvantagem. O espanhol era obrigado a arrancar do ção e caíria para fora dos pontos quando
rados, apesar de a Mercedes ter dado um Ao invés de um 5º ou 6º lugar na grelha de final da grelha no domingo, do 19º posto, montasse borrachas médias para a parte
salto que a deixou ao abrigo da amea- partida para a corrida Sprint, sobretudo aproveitando o facto de Valtteri Bottas ter final da corrida. Com pneus mais frescos
ça dos carros da marca francesa, e os com os problemas de Sérgio Pérez e de montado uma nova unidade de potência, que a maior parte dos pilotos à sua frente,
A522 são hoje monolugares consisten- Lewis Hamilton, Alonso ficava em 8º. Ain- o que o deixava numa situação difícil para Alonso teria um fim de prova ao ataque
tes, rápidos e mais simpáticos com os da assim, a arrancar dentro dos dez pri- recuperar e conquistar um bom resulta- para voltar aos pontos.
pneus da Pirelli. meiros, comosdoispilotos daHaas entre do, muito embora as ultrapassagens no A sorte parecia ir até de encontro às pre-
Em Spielberg os Flechas de Prata esta- si e o seu colega de equipa, as perspeti- traçado do Red Bull Ring não sejam uma tensões do espanhol, uma vez que, na
vam num horizonte distante de Alonso e vas eram elevadas e assumir-se como o impossibilidade. 57ª volta Carlos Sainz parava com o seu
Esteban Ocon, mas o espanhol, que tinha melhor entre os homens do 2º Pelotão era Depois de ter trocado inúmeros compo- carro em chamas provocadas pelo re-
consistentemente 0,2s no bolso relativa- uma possibilidade real, até porque o Sprint nentes para evitar os problemas de sába- bentamento da unidade de potência do
mente ao seu colega de equipa, poderia ser poderia permitir-lhe ganhar posições e do, a Alpine montava no carro do espanhol seu Ferrari, precipitando uma situação
um empecilho para os Mercedes. colocar-se num lugar de acordo com o pneus duros, ao contrário da generalidade de Safety-Car Virtual.
No entanto, como tem ocorrido inúmeras potencial que demonstrou. das restantes equipa, que apostavam nos Ao invés de perder cerca de 20 segundos
vezes ao longo da presente época, qual- Porém, a tarde de sábado acabaria por ser médios, mas assumindo uma estratégia nas boxes para realizar a sua derradeira


>> autosport.pt

9

troca de pneus, o piloto da Alpine perderia
apenas cerca de 14, o que o deixava no 9º
posto e com Kevin Magnussen e Lando
Norris no seu horizonte, podendo subir
a sétimo – Mick Schumacher estaria já
fora do seu alcance.
No entanto, a sorte que parecia bafejar
Alonso transformou-se em azar logo de
seguida. A roda dianteira esquerda não
ficou totalmente apertada e, quando dei-
xou as boxes, o espanhol começou a re-
portar uma vibração estranha, pedindo
para voltar a trocar de pneus.
Estavadadamaisumamachadadanapro-
va do piloto de Oviedo – uma nova passa-
gem pelas boxes atirou-o para o 14º posto.
O espanhol tinha agora 11voltas para ga-
nhar cerca de 13 segundos e recuperar até
aos pontos. Alonso suplantou Lance Stroll,
Pierre Gasly e Valtteri Bottas até chegar
a 10º, posição em que cruzou a linha de
meta, salvando um ponto.
Contudo, via o seu colega de equipa, Ocon,
vencer o Segundo Pelotão com uma pro-
va sem sobressaltos, ao passo que do seu
lado tinha mais um fim de semana cheio
de contrariedades…


F1/FÓRMULA 1

10

GP DA ÁUSTRIA 1 1 D E 2 2

CHARLES LECLERC,“PRECISAVAMESMODESTA!
TEMOSRITMONOCARROEPODEMOSLÁCHEGAR”

Precisamente três meses depois do GP da Austrália, fim da corrida e eu estou muito feliz”, começou por dizer D. MARÍLIAFOIÀFÓRMULA1
Charles Leclerc regressou aos triunfos, na sequência de Leclerc que depois de ter ficado a saber que o seu colega
uma corrida com muitos avanços e recuos devido à es- de equipa, Carlos Sainz, tinha abandonado devido a um O primeiro, Boavista, fora há quase 64 anos. Este fim de semana, tor-
tratégia. Com isso, teve que ultrapassar Max Verstappen problema com o motor, sabia que o seu problema nada nou-se numa das coqueluches do paddock no GP da Áustria. Com 87
três vezes em pista, o que não deixa de ser interessante. tinha a ver com isso, era apenas o pedal que: “estava a fi- anos, a convite da SportTV, a D. Marília voltou à F1.
Grandes lutas em pista e duas vitórias consecutivas car esquisito, não recuava mas por sorte deu para vir até Encantou-se com as corridas, os pilotos, os bastidores. E encantou,
para a Ferrari para animar os campeonatos: “Foi uma cor- ao fim da corrida”, disse LecLerc, que confessou que es- tudo e todos, com uma paixão sem par.
rida muito boa. O ritmo estava lá, no início tivemos uma tava mesmo a precisar de voltar aos triunfos: “Precisava Conheceu Hamilton, Leclerc, Alonso, e muitos outros. Mexeu num volan-
boa luta com o Max, e no fim foi incrivelmente difícil por mesmo desta! As últimas corridas têm sido difíceis para te de um Aston Martin, viu os bastidores. E o mundo ficou a conhecer
causa de um problema com o acelerador (ndr, não rec- mim e para a equipa, e mostrar que temos ritmo no carro uma Senhora, para quem os domingos são de peregrinação, de culto,
uava até aos 0% o que dificultava também as ‘descidas’ e que podemos conseguir lá chegar é incrível e agora te- em frente a uma televisão para ver cada Grande Prémio.
de caixa de velocidade) fica preso a 20 ou 30%, foi muito mos que continuar a forçar até ao fim”, concluiu. Na hora do balanço, não quis deixar de dizer que o pai devia estar feliz
complicado mas conseguimos gerir a questão até ao por vê-la ali, no RedBull Ring. A D. Marília é um exemplo para todos os
que dizem ter a F1 ‘morrido’ neste ou naquele ‘dia’. A prova, provada, que
cabe aos fãs mantê-la viva. Mais ainda, que é um legado que se deve
passar de geração em geração. Dentro de dias, no programa ReporTV
da SportTV acompanhe esta história onde paixão e dedicação andam
de mãos dadas.

MAX VERSTAPPEN,
“SEGUNDO LUGAR É BOM NUM
DIADIFÍCILCOMO ESTE”

LEWIS HAMILTON, “NÃO ESPERÁVAMOS Max Verstappen terminou em segundo uma corrida em que não
ESTE RESULTADO” esteve muito confortável com o equilíbrio do seu RB18. Era fa-
vorito, mas a degradação dos pneus do seu monolugar foi exces-
Lewis Hamilton conquistou o seu terceiro pódio con- siva e com isso os Ferrari estiveram mais fortes. Ainda assim
secutivo. Desta vez, ao contrário do que aconteceu aproveitou o abandono de Carlos Sainz para ser segundo: “Foi um
em Silverstone, terminou mais longe do vencedor e dia complicado, sempre a ter de cuidar dos pneus fosse com que
do segundo classificado e ainda beneficiou do aban- composto fosse. Demasiada degradação, mas quero destacar que
dono de Carlos Sainz. o segundo lugar é bom num dia difícil como este”, começou por
“Não esperávamos este resultado. Ontem [sábado] explicar Verstappen que adorou o mar laranja: “É bom ver assim
foi um dia difícil, foi até um fim de semana complica- tantos adeptos a vir aqui à Áustria, tenho pena de não lhes ter
do. Estou muito grato, enquanto equipa, por termos conseguido oferecer uma vitória mas acho que o segundo é um lu-
lutado e conquistado bons pontos”, começou por di- gar ‘decente’”, disse Verstappen que destacou ainda as lutas com
zer o piloto britânico da Mercedes após a corrida. Leclerc: “Sim a luta com ele tem durado toda a época, e acho que
Hamilton quis deixar o seu agradecimento aos mem- tem sido boa de ver”, disse.
bros da equipa que trabalharam no seu carro depois
do acidente sofrido durante a Q3 na sexta-feira, lem-
brando ainda que a equipa conseguiu encontrar al-
gumas melhorias no carro durante o fim de semana.
“Quero agradecer ao pessoal na garagem que traba-
lhou muito para reconstruir o carro. Tinha um carro
novo no sábado de manhã. Obrigado a todos pelo tra-
balho. Conseguimos melhorar este fim de semana e
temos de crescer a partir daqui”, concluiu Hamilton.


TRÊS HOMENS DO PÓDIO CARLOS SAINZ, “PARECE >> autosport.pt
TODOS MULTADOS EM SER A HISTÓRIA DA
10.000€ MINHA ÉPOCA” 11

Os três homens do pódio foram todos multados em 10.000€! A Ferrari parecia ter tudo para conquistar o 1-2 na MATTIA BINOTTO DEIXOU
Charles Leclerc, Max Verstappen e Lewis Hamilton ‘apanharam’ Áustria, conquistando uma dobradinha no território dos DE ASSISTIR À CORRIDA
com pena suspensa devido a uma infração das regras de adversários, o Red Bull Ring. No entanto, a esperança de DEPOIS DO ABANDONO
Parque Fechado, onde pelos vistos os fisiologistas não podem Carlos Sainz num bom resultado, que desse seguimento DE SAINZ
interagir com os pilotos, porque têm de ser pesados. Só depois à sua primeira vitória na Fórmula 1, acabou por não
disso os fisiologistas podem ‘intervir’. acontecer devido a um problema da unidade motriz. Na Áustria os estrategas da Ferrari não falharam, no
Ao que parece, o Delegado de Imprensa da FIA viu a ‘cena’ “Está claro que hoje estávamos mais rápidos e devia entanto falhou o motor de Carlos Sainz. Entre as curvas
e reportou à Direção de Corrida, ou seja uma violação do ser uma dobradinha da Ferrari. No segundo ‘stint’ 3 e 4 o F1-75 do espanhol perdeu potência e depois
procedimento que foi publicado antes da corrida ‘para a senti-me muito confortável e muito rápido, mas foi uma incendiou-se, acabando com as esperanças da equipa
condução ordeira do evento’”. oportunidade perdida”, disse Sainz. num resultado ainda mais sólido.
Este procedimento visa maioritariamente impedir uma O piloto espanhol da Ferrari considera que a sua época Mattia Binotto admitiu que não conseguiu assistir
eventual entrega de artigos aos pilotos antes da sua pesagem, tem sido sempre de “altos e baixos”. “Fomos muito ao final da corrida, numa altura em que também
e adianta ainda que para lá das multas suspensas, as rápidos especialmente com pneus duros, e estávamos a Charles Leclerc lutava com problemas técnicos no seu
credenciais dos fisiologistas podem ser revogadas em caso de apanhar o Charles de novo. Bons sinais, eu tinha o ritmo monolugar.
violação reiterada. e o entusiasmo de um bom resultado, mas parece ser a “Sinceramente, não sei”, disse Binotto sobre a falha de
Não estranha, pois há muitas regras que muita gente não história da minha época: assim que conseguimos algum motor de Carlos Sainz à Sky. “Ouvi falar disso, olhamos
cumpre, quase sempre por desconhecimento, muitas vezes ímpeto, há algo que corre mal e é difícil continuar”, para os dados, mas temos de esperar que o carro volte
jornalistas, há regras para tudo e para todos, e sendo verdade concluiu o piloto. e ver se foi um problema mecânico ou não. Parei de
que a grande maioria desconhece porque não leu as regras, assistir à corrida nesse momento.”
pode haver casos de ‘truques’ para tirar daí vantagens. Daí as O responsável da Ferrari confirmou que a sua
multas que para já são apenas uma espécie de aviso. estratégia da equipa foi pressionar Max Verstappen a
desgastar demasiado os seus pneus na fase inicial da
corrida para tirar vantagem mais tarde. “Analisamos
os nossos dados da Sprint e tentámos ter o equilíbrio
certo para gerir os pneus, e decidimos como gerir
os pneus. Os pilotos fizeram um trabalho fantástico.
Pressionaram o Max no início da corrida, o que penso
ter sido a diferença em relação à Sprint. Decidimos
que o melhor era tentar mantê-lo sob pressão e fazê-lo
andar mais depressa e fazê-lo desgastar os seus
próprios pneus, e penso que funcionou bem”, concluiu
Binotto.

MICK SCHUMACHER, SERGIO PEREZ, “TINHA
“TIVEMOS UM BOM BOAS POSSIBILIDADES
ANDAMENTO DURANTE DE FAZER UMA BOA
TODO O FIM DE SEMANA” CORRIDA”

Foi considerado o piloto do dia e pode ter-se vingado na Desde Miami, em que foi quarto, que Sergio Perez ou ganha
corrida da decisão da equipa na Sprint. Mick Schumacher a corrida, é segundo, ou abandona. Desta feita calhou a ‘fava’
terminou novamente nos pontos e apenas em duas rondas do abandono, o segundo da época em três corridas: “Foi uma
do calendário soma já 12 pontos. pena, terminou tudo muito cedo, tinha boas possibilidades
“Foi uma boa corrida. Percebemos cedo que não podíamos de fazer uma boa corrida, não tivemos sorte, do meu lado fiz
parar só uma vez e alteramos corretamente a estratégia tudo o que podia, deixei espaço ao George (Russell) que não
para duas paragens. Conseguimos com o “ar limpo” manter conseguiu controlar o seu carro e bateu-me.
os pneus em condições e o nosso ritmo e fomos muito E isso não devia ter acontecido, foi uma pena, estava
fortes”, afirmou Schumacher, acrescentando que: “Tivemos claramente na frente”, começou por dizer Pérez que
um bom andamento durante todo o fim de semana e foi abandonou porque não valia a pena manter-se em pista pois
bom conseguir colocar isso em pista, terminar em sexto e não tinha nada por que lutar: “Tínhamos muitos danos no
somar bons pontos.” carro, a corrida estava perdida, já tínhamos perdido uma volta,
Não havia nada mais a fazer hoje…”


F1/FÓRMULA 1 MAX VERSTAPPEN
EMLEMANS?TALVEZEM2024
12

GP DA ÁUSTRIA 1 1 D E 2 2

TETO ORÇAMENTAL
PODE ‘DERRAPAR’ ATÉ 3.1%

A FIA aceitou fazer um ligeiro ajuste nos regulamentos fi- mas semanas, a FIA apresentou à Comissão uma propos-
nanceiros da F1, pelo que o teto orçamental deste ano de ta que foi aprovada pela maioria requerida, com o apoio
2022 vai poder crescer até 3.1%. Tudo se deve ao caráter da FIA, da Fórmula 1 e de nove das equipas.
excecional do que se passa atualmente no mundo e que A proposta reconhece o aumento inesperado dos custos
está a pressionar os preços de quase tudo. incorridos pelas equipas em 2022, permitindo assim uma
O rápido aumento das taxas de inflação desde o final de indexação a uma taxa limitada de 3,1% (que tem em con-
2021 tem vindo a afetar as equipas de Fórmula 1 pelo que: ta o limiar original de 3% de inflação já estabelecido nos
“é opinião da FIA e da Fórmula 1 que isto cria um risco de regulamentos) e permitindo a composição desta taxa a
não cumprimento dos Regulamentos Financeiros se não partir de 2023. Isto irá preservar a integridade a longo
forem tomadas medidas. prazo do Regulamento Financeiro”, lê-se no comunicado
Após consulta ao Comité Consultivo Financeiro nas últi- da federação.

Max Verstappen admitiu que está interessado em fazer corridas de re-
sistência a médio prazo. O piloto da Red Bull não escondeu o interesse
em correr nas míticas de longa duração e referiu que tal poderá ainda
acontecer no seu tempo na F1: “Há menos pressão, mais diversão”,
disse ele sobre as corridas de endurance em geral, citado pelo speed-
cafe.com “Isso pode até ser possível durante a minha carreira na Fór-
mula 1. Mas não este ano ou no próximo, talvez depois. As corridas de
24 horas parecem-me interessantes: Le Mans, Spa-Francorchamps,
Daytona e as 12 Horas de Sebring. Ou Bathurst, na Austrália. Bem, num
carro GT3, já ganhei essa corrida duas vezes no simulador”.

AUTÓDROMO DO ALGARVE
RECEBE TESTES DA MCLAREN

O Autódromo Internacional do Algarve vai piloto norte-americano na equipa seria ouro
novamente receber testes oficiais de Fór- sobre azul.
mula 1, mas apenas de uma equipa, a McLa- Outro dos pilotos a testar é o jovem Jehan
ren, que traz a Portugal o seu monolugar de Daruvala, indiano de 23 anos que compete
2021 para testar três jovens pilotos. atualmente na Fórmula 2 da FIA com a Pre-
A equipa inglesa começou a rodar no dia 11, ma Racing. Foi ‘descoberto’ pela Force India,
até 13, e depois 18 e 19 de julho. depois de ter sido um dos três vencedores
Quem deve olhar para isto com preocupação de um ‘shootout’ organizado pela equipa em
é Daniel Ricciardo, que apesar de ter mais 2011. É atualmente membro do Red Bull Ju-
um ano de contrato com a McLaren conti- nior Team e já rodou com o McLaren do ano
nua a produzir muito abaixo do esperado passado em Silverstone. É uma alternativa
pela equipa de Woking e nesse contexto, a Herta, mas as suas hipóteses são muito
não é de admirar que a McLaren esteja a menores que as do filho de Bryan Herta.
ponderar vários cenários para a sua eventu- Will Stevens é inglês, tem 31 anos, é colega
al substituição, se as coisas não mudarem de equipa de Félix da Costa na JOTA, recém
para (muito) melhor… vencedor de Le Mans, na LMP2, corre tam-
Nesse contexto, a equipa inglesa roda com bém na IMSA com a Konica Minolta Acura
Colton Herta, Jehan Daruvala e Will Stevens. e é piloto de testes, desenvolvimento da
Colton Herta, norte-americano, de 22 anos, McLaren.
atual piloto da IndyCar Series na Andretti Já correu na Fórmula 1, estreou-se no
Autosport, filho do ex-piloto da IndyCar e Grande Prémio de Abu Dhabi de 2014 com a
Champ Car, Bryan Herta, é um nome muito Caterham F1, substituindo Marcus Ericsson
falado há muito para uma eventual substi- e correu ainda na Manor Marussia F1 Team
tuição de Daniel Ricciardo. É claramente o no ano seguinte. Desde aí, GT e LMP2. Tem
nome em grande foco neste teste, pois para muito poucas hipóteses de vir a ser piloto
a Liberty Media, e para a McLaren, ter um da McLaren na F1.


>> autosport.pt

13

O PROBLEMA QUE TERÁ DE SER
RESOLVIDO EM BREVE

O ACIDENTE DE GUANYU A melhoria da qualidade das corridas na F1 muito mais fácil seguir de perto sem matar os pneus
ZHOU E AS SUAS tem sido notória. A nova filosofia aerodinâmica imediatamente e ficar perto do carro da frente por
CONSEQUÊNCIAS tem promovido corridas melhores, com mais mais tempo. O problema que ainda permanece são
lutas (mesmo que isso não signifique mais os comboios DRS no qual o carro que está à frente,
O acidente de Guanyu Zhou continua a fazer correr ultrapassagens) e mais incerteza. Mas há ainda um se for um carro que pode aguentar todos os outros
muita tinta e neste momento uma coisa é certa: a FIA problema que tem de ser resolvido. atrás, pode levar a alguns cenários aborrecidos no
vai intervir, porque houve nuances deste acidente que Os chamados ‘comboios DRS’ continuam a encravar meio do pelotão. Penso que isso é algo que talvez
precisam de ser corrigidas. Em primeiro lugar, não as lutas no meio do pelotão e Andreas Seidl ainda tenhamos de investigar, porque já vimos isso
pode haver ‘aquele’ espaço entre a rede que protege os considera que é preciso tomar medidas para que várias vezes este ano”.
espectadores e a barreira de pneus. Ou não há, ou a que sejam evitados: O problema dos comboios DRS tem se sucedido e
existir, tem que ter uma largura suficiente para que um “Penso que é um tema que já abordámos em tem impedido algumas corridas de serem ainda mais
F1 não fique entalado daquela forma. algumas discussões de tempos a tempos”, disse entusiasmantes. A resolução deste problema não
Mas há muito mais para discutir. Seidl. “É algo que temos de analisar novamente com deverá ser fácil, mas é bom ver que os responsáveis
A FIA e a Alfa Romeo estão a investigar, mas felizmente as outras equipas, a FIA e a Fórmula 1. Acho que o olham para todos os pormenores e que esta questão
as consequências físicas do acidente não foram graves. regulamento, permitiu melhores corridas, é agora já tem sido referida.
Mas o que aconteceu dá que pensar.
A dinâmica do acidente levou a que o roll-bar cedesse.
E esse é o primeiro problema. Claro que se o monolugar
passou nos testes da FIA, e neste momento já se sabe
que o impacto que levou a que o roll bar cedesse foi
maior que os testes da FIA. Primeira ‘crise’.
A Sauber construiu um chassis com a utilização de uma
barra, ao invés de um ‘triângulo’, todas as restantes
equipas têm um ‘triângulo’. Tudo bem, são opções,
passou no teste como os outros.
Tudo é pensado para deixar o capacete/cabeça do
piloto ‘longe do chão’, o que sucedeu, mas a falha está
na quebra do roll bar. A investigação há-de confirmar,
mas na primeira análise desconfia-se que foi a forma,
violência e a direção como o carro capotou que colocou
mais pressão no roll bar do que a FIA esperava.
Talvez os testes mudem depois do que se viu.

MICHAEL ANDRETTI: FÓRMULA 1 AINDA É UM ‘CLUBE EUROPEU’

Numa recente entrevista à publicação GQ, Michael no futuro. E nós sentimos que podemos fazer isso.
Andretti teceu críticas duras à Fórmula 1, afirmando que As equipas estão relutantes sobre a entrada de mais
se trata de um clube europeu, que olha para o projeto uma estrutura, conforme o modelo de franquia sob o
da Andretti, que pretende tornar-se na 11ª equipa do qual o campeonato funciona. A entrada de mais uma
campeonato do mundo, com pretensiosismo. Andretti equipa obrigaria a dividir mais o ‘bolo’ no final da época
ainda afirmou que os responsáveis da F1 consideram e há já quem admita aumentar a taxa de entrada para a
que a série documental da Netflix ‘Drive to Survive’ é Fórmula 1. Ainda há também quem prefira a entrada de
suficiente para captar a atenção dos norte-americanos. uma equipa de fábrica em vez de Andretti.
Estou a tentar lembrar-lhes que há 350 milhões de “Era um clube europeu definido”, disse Michael Andretti
pessoas neste país, e que, sim, houve aqui um pico de ainda sobre a sua experiência na Fórmula 1 em 1993.
interesse com o ‘Drive to Survive’, mas que não devem “E estou a ter a sensação de que ainda é o clube
contentar-se com o que têm”, disse Andretti, que espera europeu, a forma como estamos a ser tratados. Porque
uma resposta ao seu projeto de Fórmula 1. “Estamos seríamos uma ameaça. A primeira verdadeira equipa
apenas a raspar a superfície. Capturaram o interesse internacional. É uma abordagem muito pretensiosa que
de todos estes novos fãs, mas os fãs são um pouco estão a adotar. Em última análise, vamos trazer mais
inconstantes. Estão confiantes de que agora têm o valor do que o que vamos tirar”, concluiu o responsável
público americano, no entanto precisam de os prender da equipa.


F1/FÓRMULA 1

14

GP DA ÁUSTRIA 1 1 D E 2 2

MAX VERSTAPPEN TREINO DE OSCAR PIASTRI
PERDEU “CERCA DE 2.5S POR VOLTA” NO ALPINE SÓ DEPOIS DAS
EM SILVERSTONE FÉRIAS

Max Verstappen tinha conseguido passar para a lider- carros. Mas quando tudo isso é perturbado – e basica-
ança do pelotão durante o GP da Grã-Bretanha quando mente foi como uma cunha – estava basicamente a
de repente teve de baixar a velocidade e entrar nas vias abrandar o fluxo, ainda por cima com os danos”, expli-
de acesso às boxes, queixando-se de um possível furo. cou Max Verstappen na conferência de imprensa de an-
Isso não se veio a verificar, mas a verdade é que o de- tevisão do GP da Áustria.
sempenho do RB18 do neerlandês baixou bastante e O comportamento que o carro começou a apresentar,
nem sequer conseguiu estar na discussão do pódio. deu a Verstappen a impressão que fosse um furo, mas
No final da corrida a equipa encontrou um pedaço depois de parar e trocar de pneus, ficou eliminada essa
grande de fibra de carbono do carro de Yuki Tsunoda hipótese.
preso no fundo do RB18, o que resultou na quebra de “De uma volta para a outra, estava a queixar-me de um
desempenho. furo, porque parecia isso, porque o carro estava in-
“Terrível! Perdi cerca de dois segundos e meio por controlável em basicamente todas as curvas e saltava
volta, porque ficou preso no fundo, mas claro, ao fazê- muito. Assim, pensei que a certa altura também podia
lo, destruiu também um pouco do fundo e do exterior, ser um furo, podia ser como se a suspensão estivesse
não se conseguia ver porque sabemos que o chão é tão danificada. Senti o carro completamente desajustado”,
grande e gera muita força descendente nestes novos concluiu o piloto.

Algumas informações recentes davam conta que Oscar Piastri, piloto
de testes e reserva da Alpine, poderia ser escolhido para estar aos
comandos do Alpine A522 num dos treinos livres Le Castellet, no fim de
semana do GP de França, mas isso não vai acontecer, segundo o con-
firmado por Otmar Szafnauer: “Oscar fará um treino para nós, mas isso
será depois das férias de verão”, confirmou o responsável da equipa,
Otmar Szafnauer.
A obrigatoriedade das equipas colocarem um piloto jovem aos coman-
dos dos atuais monolugares em dois treinos durante o ano, está longe
de ser fácil de cumprir. Até agora, apenas três equipas completaram
sua tarefa a 50 por cento. A Red Bull, com Jüri Vips, a Williams com Nyck
de Vries em Barcelona e o primeiro treino de Zhou Guanyu na Alfa Ro-
meo também conta.

WILLIAMS ABANDONOU POR COMPLETOO CONCEITO INICIAL DO FW44

Apesar da corrida de Alexander Albon, o piloto es- Em vez de uma resposta rápida no início do ano,
colhido pela Williams para experimentar o novo que poderia ter custos a nível do orçamento sem
pacote de atualizações no FW44, ter sido muito resultados à vista, a Williams optou trabalhar na
curta e a equipa ter apenas dados em pista das pesquisa e desenvolvimento com tempo para
sessões de treinos, o conceito inicial do carro foi que pudessem acertar à primeira.
posto de lado. A Williams parece ter gostado das “Vimos muitos, muitos outros carros irem em
indicações dadas em pista e o facto do conceito noutras direções”, acrescentou o responsável
original ter colocado o carro no fundo da ordem técnico da equipa de Grove. “Não somos estúpi-
do pelotão, ajudou à tomada de decisão. dos para não olhar para outro lado e não olhar
“Podemos realmente designá-lo de carro novo para o que os outros fazem. Para isto, levou um
porque a lista de peças que mantivemos é muito pouco de tempo e análise antes de estarmos
menor do que as que trocamos”, disse o respon- prontos para produzir porque não queríamos co-
sável técnico François-Xavier Demaison. piar sem compreender. É por isso que só o vemos
A Williams apresentou um conceito apoiado no na corrida 10, porque primeiro queríamos com-
da Red Bull, enquanto o conceito original era preender o conceito”.
baseado numa altura ao solo baixa, que se des- O facto de Albon ter tido o acidente nos primei-
tinava a fornecer ‘downforce’, mas assim que a ros metros da corrida em Silverstone que pode
equipa quis desenvolver o carro estava a tornar- implicar um atraso na produção de peças para
se muito complicado e com queixas dos pilotos. ambos os carros, a equipa está otimista com o
Por isso, explicou Demaison, a equipa decidiu ir novo conceito apresentado na última ronda da
“noutra direção”. Fórmula 1.


>> autosport.pt

15

FORMULA 1 EXHIBITION: A EXPOSIÇÃO OFICIAL
ITINERANTE

SÉRGIO PÉREZ: ACIDENTE A Fórmula 1 vai realizar uma exposição itinerante, que Brandon Snow, Director Geral, Comercial, Fórmula 1.
DE ZHOU MOSTRA PORQUE diz ser “única e uma experiência imersiva para cobrir “Tendo visto o seu desenvolvimento criativo ganhar
NÃO DEVE HAVER LIMITE a incrível história e o futuro do pináculo do desporto vida, não podíamos estar mais entusiasmados
DE SALÁRIO automóvel”. com o potencial deste projeto – leva o público ‘aos
A Exposição de Fórmula 1 contará a sua história com um bastidores’ e celebra a rica história e herança de F1
Sergio Pérez ficou chocado com as imagens que viu do acesso sem precedentes numa parceria com a empresa como nunca antes. Este será um destino para todos os
acidente de Zhou Guanyu, que motivou uma prolongada Manhattan West, e a renomada produtora Round Room adeptos e estamos gratos às muitas organizações e
interrupção e assustou todos os que viam a corrida. O Studios – que produziu ou promoveu filmes como o personalidades de toda a Fórmula 1 que contribuíram
piloto da Red Bull elogiou o trabalho da FIA ao nível da Mundo Jurássico: A Exposição, Tupac Shakur. Wake Me para este espetacular novo espetáculo”.
segurança e realçou que estes acidentes mostram que When I’m Free, e Mandela: The Official Exhibition. Tim Harvey, Lead Producer & Managing Partner at Round
os pilotos arriscam a vida todos os fins de semana e por Apoiada por grandes especialistas de F1, historiadores Room Studios, afirma: “A Exposição de Fórmula 1 será a
isso, o limite de salários para os pilotos não faz sentido: e jornalistas, a primeira exposição oficial, imersiva e primeira grande exposição na história das corridas de
“Eu sabia que tinha havido um acidente, mas voltei interativa na história da F1 apresentará artefactos Grande Prémio. A exposição combina novas tecnologias
à boxe, olhei para a televisão, mostraram o acidente históricos, arquivos cinematográficos e incluirá carros imersivas que dão vida às histórias espetaculares da F1
e fiquei chocado. Já passou algum tempo desde que de corrida lendários. de uma forma dramática, bem como espaços divertidos
assistimos a um acidente como este. É difícil ver as Detalhes incluindo datas de venda de bilhetes e e interativos que proporcionam diferentes perspetivas
imagens e depois tentar esquecê-las para nos focarmos locais, serão anunciados no outono de 2022. Pode sobre o passado, presente e futuro do desporto.
no que temos de fazer. Bom trabalho por parte da FIA inscrever-se na F1Exhibition.com: “A Fórmula 1 tem “Nos últimos três anos trabalhámos de perto com
porque percorremos um longo caminho para chegar a visto um crescimento explosivo nos últimos anos, e a uma vasta gama de colaboradores, desde equipas
este ponto com a segurança. Tenho a certeza de que nossa crescente base de adeptos está no centro de icónicas a designers lendários e pilotos campeões.
ainda há melhorias a fazer e boas lições a aprender. tudo o que fazemos. O lançamento de uma exposição No próximo ano, abrimos as portas a uma experiência
Não sei se havia fotógrafos por perto que estivessem internacional de classe mundial para os adeptos de de entretenimento de próxima geração que irá captar
em risco. E a última coisa que gostaria de acrescentar todo o mundo experimentarem e desfrutarem, liderada a imaginação de todos os seus visitantes – desde
é que quando se ouve pessoas a falar em pôr um limite por uma empresa de produção de classe mundial, é um adeptos ávidos a crianças e famílias jovens – mal
nos salários dos pilotos, somos nós que corremos todos próximo passo natural para o nosso desporto”, disse podemos esperar!”
os riscos, para dar o espetáculo, por isso não acho
que seja uma coisa boa estar a falar disso. Mas o mais
importante é que ninguém ficou ferido”.

FIATAMBÉM DISCUTIU AS NOVAS UNIDADES MOTRIZES
E TESTES DE PRÉ-TEMPORADA

Para além das decisões já anunciadas da reunião de A Comissão da F1 da FIA anunciou ainda que “foram
hoje da Comissão de Fórmula 1 da FIA sobre a diretiva identificadas várias áreas a melhorar” durante o formato
técnica que tenta limitar os efeitos do ‘porpoising’ e dos eventos em 2022. A ideia passou por “permitir que
da alteração ao teto orçamental para este ano, foram algum pessoal chegasse mais tarde, reduzindo assim
anunciadas algumas (poucas) novidades em relação ao a carga de trabalho do pessoal operacional”, mas vão
novo regulamento, que ainda não está concluído, sobre ocorrer algumas alterações em “relação aos horários da
as unidades motrizes para depois de 2026, aos testes de ‘parc fermé’ após a qualificação”. Vamos ter de esperar
pré-época para 2023 e a um pequeno reajustamento do por mais pormenores sobre a matéria.
horário de ‘parque fechado’. Em relação ao regulamento sobre as unidades motrizes
Em relação aos testes de pré-época, a “Comissão decidiu para depois de 2026, e que desperta interesse na Audi
por maioria atualizar os regulamentos para permitir e Porsche, o anúncio foi que este tema foi “discutido
a realização de testes de pré-época fora da Europa, pela Comissão, e foi confirmado que o pacote de
quatro dias antes da primeira Prova do Campeonato”, regulamentos está próximo da sua finalização”. Algumas
oferecendo assim a possibilidade de os testes se vozes dentro dos construtores de unidades motrizes
realizarem ainda mais próximos da primeira corrida num dão conta que o regulamento apenas deverá ser
circuito não-europeu, à semelhança do que aconteceu apresentado em setembro, com algum atraso por parte
este ano no Bahrein. da FIA nesta matéria.


F1/FÓRMULA 1

16

GP DA ÁUSTRIA 1 1 D E 2 2

F1 ATRASA Já não é em França! A Diretiva Técnica mas depois de consultas às equipas e FIA, introduzidos a partir do Grande Pré-
A QUESTÃO DO da F1 que visa resolver definitivamente a fim de permitir que estas façam as mio do Canadá, continuarão a ser feitos,
PORPOISING/PISO- as questões do piso flexível e do ‘por- atualizações necessárias que assegu- até porque se acredita que as equipas
FLEXÍVEL PARA O GP poising’ foi adiado para o Grande Prémio rarão uma aplicação justa da métrica estão a utilizar truques com os pisos
DA BÉLGICA da Bélgica de F1. utilizada para medir essa oscilação flexíveis.
Como se sabe este projeto de Diretiva em todos os carros, a implementação A FIA anunciou ainda que “foram tam-
Técnica, que aborda as preocupações do projeto de Diretiva Técnica emitido bém discutidas várias ações propostas
de segurança relacionadas com a os- às equipas antes do Grande Prémio da para abordar esta questão no Regula-
cilação vertical dos monolugares, ou Grã-Bretanha entrará apenas em vigor mento Técnico de 2023, com orien-
‘porpoising’, se preferir estava previsto a partir do Grande Prémio da Bélgica. tações claras a serem levadas ao Comi-
entrar em vigor no GP de França de F1, Contudo, os controlos reforçados da té Técnico Consultivo”.

PORQUE APESAR DA VITÓRIA DE SAINZ,A FERRARI TEM DE APOSTAR EM LECLERC…

Carlos Sainz venceu, em Silverstone, a sua primeira corrida E, no Grande Prémio da Grã-Bretanha, ficar em Monte Carlo e agora em Silverstone, mas num momento
de Fórmula 1, mostrando capacidade estratégica, mas uma conquistou a sua primeira vitória na em que a Ferrari tem uma enorme desvantagem pontual para a
vez mais, ficou patente que a Ferrari, se quiser lutar pelo Fórmula 1, dando seguimento à senda Red Bull e para Max Verstappen, essa é uma virtude sua que, no
Campeonato de Pilotos, terá de “colocar os ovos” no cesto de de cinco eventos em que marcou mais entanto, é insuficiente para que Mattia Binotto possa apostar no
Charles Leclerc. pontos que o seu colega de equipa – espanhol, caso queira de facto lutar pelo título de Pilotos, o que
O espanhol chegou à Scuderia no ano passado e rapidamente setenta e quatro do espanhol contra não pareceu na prova britânica.
se adaptou à vida na equipa mais famosa da grelha de partida, trinta e quatro do monegasco. É natural que com o seu primeiro triunfo na Fórmula 1 no
aproveitando uma temporada sem grandes objetivos para con- Contudo, esta recuperação pontual bolso a confiança de Sainz aumente e, por vezes isso é o su-
hecer os cantos à casa e mostrar um nível de performances se- não se deveu a uma subida de forma ficiente para que um piloto desbloqueie todo o seu potencial,
melhante ao seu colega de equipa. de Sainz, antes aos problemas estra- mas mesmo no Grande Prémio que venceu ficou bem patente
Porém, este ano, Sainz, com carros novos, mostrou dificuldades tégicos e de fiabilidade que afligiram o porquê de a Ferrari ter de apostar em Leclerc para con-
em acompanhar Leclerc e tem sido o monegasco a liderar a Fer- Leclerc, que não tem uma corrida limpa, quistar o seus objectivos.
rari em pista. sem contrariedades externas, desde
Em qualificação, em dez eventos, só por uma vez o piloto de Ma- o Grande Prémio de Miami, no início
drid bateu o seu colega de equipa – no Canadá o monegasco de Maio.
tinha uma penalização e não tinha como objetivo lutar pela pole- Mesmo na corrida que lhe deu o seu
position – e em corrida não houve uma situação em que o homem primeiro triunfo da temporada, foi
do F1-75 número 55 se mostrasse mais forte que o titular de car- notório que Sainz, para já, não tem o es-
ro igual com o dorsal 16. tofo para lutar pelo título deste ano.
O ano do espanhol não tem sido fácil e, para além de se ver O espanhol arrancou da sua primeira
batido em todos os exercícios pelo monegasco, protagonizou pole-position para a prova de Silverstone e, na segunda partida,
algumas saídas de pista mais ou menos custosas para si e manteve o comando, mas desde cedo ficou evidente que Leclerc
para a sua equipa, ao passo que o único erro de Leclerc surgiu era o mais rápido dos dois pilotos, apesar de carregar consigo
em Imola, quando assinou um pião que o atirou de terceiro danos na asa dianteira desde a primeira volta.
para sexto no final. Para agravar a situação de Sainz, cometeu um erro sob a pressão
No entanto, foi evidente que Sainz deu um passo em frente no de Verstappen, perdendo o comando.
Canadá, depois de meses de dificuldades face ao seu colega de Num momento em que a Ferrari precisava que liderasse a equipa,
equipa, dando luta a Max Verstappen, o vencedor, deixando até o espanhol não mostrou andamento e, no topo disso, falhou com
no ar a ideia de que era o piloto mais rápido em pista, enquanto uma saída de pista que deixou escapar o maior adversário da
Leclerc recuperava de penúltimo para quinto, depois de ter ultra- Scuderia, o que poderia condicionar a corrida dos carros dos pilo-
passado o número máximo de unidades de potência a que tinha tos da formação de Maranello
direito para esta temporada. Estrategicamente Sainz demonstra ser forte, como se pôde veri-


>> autosport.pt

17

C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S

GP DA ÁUSTRIA PROVA 11 DE 22 PROVA
RED BULL RING TEMPO/DIF.
VOLTAS
10/07/2022 VMR
VEL. MAX
4.318 KM 71 306.452 KM SEXTA SÁBADO DOMINGO BOXES

PERÍMETRO VOLTAS DISTÂNCIA TOTAL 1 CHARLES LECLERC FERRARI F1-75 1:24:24.312 71 1:07.583 2 313.7 KM/H 17 3
2 MAX VERSTAPPEN 71 1:07.275 1 321.5 KM/H 2 3
3 LEWIS HAMILTON RED BULL RB18 +1.532S 71 1:09.000 5 316.1 KM/H 11 2
4 GEORGE RUSSELL 71 1:09.075 6 314.9 KM/H 15 2
TREINOS LIVRES GRELHA DE PARTIDA 5 ESTEBAN OCON MERCEDES F1 W13/MERCEDES +41.217S 71 1:09.559 10 314.9 KM/H 16 2
6 MICK SCHUMACHER 70 1:09.625 11 316.0 KM/H 12 2
7 LANDO NORRIS MERCEDES F1 W13/MERCEDES +58.972S 70 1:09.304 8 316.6 KM/H 8 2
8 KEVIN MAGNUSSEN 70 1:09.938 14 316.4 KM/H 10 2
9 DANIEL RICCIARDO ALPINE A522/RENAULT +68.436S 70 1:09.924 13 312.7 KM/H 18 2
10 FERNANDO ALONSO 70 1:08.558 3 319.8 KM/H 4 3
1.ª SESSÃO TREINOS LIVRES 1 MAX VERSTAPPEN 11 VALTTERI BOTTAS HAAS VF-22/FERRARI +1 VOLTA 70 1:09.266 7 321.8 KM/H 1 2
RED BULL RACING RBPT 12 ALEXANDER ALBON 70 1:09.669 12 321.2 KM/H 3 2
PILOTO EQUIPA TEMPO/DIF. 2 CHARLES LECLERC 13 LANCE STROLL MCLAREN MCL36/MERCEDES +1 VOLTA 70 1:10.048 17 315.7 KM/H 13 2
FERRARI 14 ZHOU GUANYU 70 1:09.380 9 315.2 KM/H 14 2
1 MAX VERSTAPPEN RED BULL RACING RBPT 1:06.302 3 CARLOS SAINZ 15 PIERRE GASLY HAAS VF-22/FERRARI +1 VOLTA 70 1:10.104 18 317.2 KM/H 7 2
FERRARI 16 YUKI TSUNODA 70 1:10.023 16 317.5 KM/H 6 2
2 CHARLES LECLERC FERRARI +0.255S 4 GEORGE RUSSELL 17 SEBASTIAN VETTEL MCLAREN MCL36/MERCEDES +1 VOLTA 70 1:10.001 15 318.3 KM/H 5 2
MERCEDES NC CARLOS SAINZ 56 1:08.649 4 308.6 KM/H 19 2
3 GEORGE RUSSELL MERCEDES +0.400S 5 SERGIO PEREZ NC NICHOLAS LATIFI ALPINE A522/RENAULT +1 VOLTA 48 1:10.890 19 316.5 KM/H 9 2
RED BULL RACING RBPT NC SERGIO PEREZ 24 1:11.843 20 302.4 KM/H 20 1
4 SERGIO PEREZ RED BULL RACING RBPT +0.537S 6 ESTEBAN OCON ALFA ROMEO C42/FERRARI +1 VOLTA
ALPINE RENAULT
5 LEWIS HAMILTON MERCEDES +0.607S 7 KEVIN MAGNUSSEN
HAAS FERRARI
6 KEVIN MAGNUSSEN HAAS FERRARI +0.663S 8 LEWIS HAMILTON WILLIAMS FW44/MERCEDES +1 VOLTA
MERCEDES
7 CARLOS SAINZ FERRARI +0.737S 9 Mick Schumacher ASTON MARTIN AMR22/MERCEDES +1 VOLTA
HAAS FERRARI
8 FERNANDO ALONSO ALPINE RENAULT +0.798S 10 Lando Norris ALFA ROMEO C42/FERRARI +1 VOLTA
MCLAREN MERCEDES
9 MICK SCHUMACHER HAAS FERRARI +0.944S 11 Daniel Ricciardo ALPHATAURI AT03/RED BULL +1 VOLTA
MCLAREN MERCEDES
10 YUKI TSUNODA ALPHATAURI RBPT +0.994S 12 Lance Stroll
ASTON MARTIN ARAMCO
11 LANCE STROLL ASTON MARTIN MERCEDES +1.129S MERCEDES ALPHATAURI AT03/RED BULL +1 VOLTA
13 Zhou Guanyu
12 ESTEBAN OCON ALPINE RENAULT +1.160S ALFA ROMEO FERRARI ASTON MARTIN AMR22/MERCEDES +1 VOLTA
14 Pierre Gasly
13 SEBASTIAN VETTEL ASTON MARTIN MERCEDES +1.174S ALPHATAURI RBPT FERRARI F1-75 MOTOR
15 Alexander Albon
14 VALTTERI BOTTAS ALFA ROMEO FERRARI +1.220S WILLIAMS MERCEDES WILLIAMS FW44/MERCEDES DNF
16 Yuki Tsunoda
15 ALEXANDER ALBON WILLIAMS MERCEDES +1.280S ALPHATAURI RBPT RED BULL RB18 DNF
17 Nicholas Latifi
16 PIERRE GASLY ALPHATAURI RBPT +1.290S WILLIAMS MERCEDES
18 Sebastian Vettel
17 DANIEL RICCIARDO MCLAREN MERCEDES +1.441S ASTON MARTIN ARAMCO
MERCEDES
18 ZHOU GUANYU ALFA ROMEO FERRARI +1.587S 19 Fernando Alonso
ALPINE RENAULT
19 NICHOLAS LATIFI WILLIAMS MERCEDES +1.847S BAHREIN
Nota: Valtteri Bottas teve de arrancar do pit lane depois do ARÁBIA SAUDITA
20 LANDO NORRIS MCLAREN MERCEDES +3.613S seu carro ter sido modificado, enquanto sob as condições AUSTRÁLIA
EMILIA ROMAGNA
2.ª SESSÃO TREINOS LIVRES de Parque Fechado. MIAMI
ESPANHA
PILOTO EQUIPA TEMPO/DIF. MÓNACO
AZERBAIJÃO
1 CARLOS SAINZ FERRARI 1:08.610 CANADÁ
GRÃ-BRETANHA
ÁUSTRIA
FRANÇA
HUNGRIA
BÉLGICA
HOLANDA
ITÁLIA
SINGAPURA
JAPÃO
EUA
MÉXICO
BRASIL
ABU DHABI
TOTAL

2 CHARLES LECLERC FERRARI +0.050S

3 MAX VERSTAPPEN RED BULL RACING RBPT +0.168S PILOTOS

4 FERNANDO ALONSO ALPINE RENAULT +0.222S 1. M. VERSTAPPEN 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22
2. C. LECLERC
5 ESTEBAN OCON ALPINE RENAULT +0.238S 3. S. PEREZ - 25 - 34 26 25 15 25 25 6 27 208
4. C. SAINZ
6 SERGIO PEREZ RED BULL RACING RBPT +0.569S 5. G. RUSSELL 26 19 26 15 18 - 12 - 10 12 32 170
6. L. HAMILTON
7 GEORGE RUSSELL MERCEDES +0.630S 7. L. NORRIS - 12 18 24 12 19 25 19 - 18 4 151
8. E. OCON
8 VALTTERI BOTTAS ALFA ROMEO FERRARI +0.641S 9. V. BOTTAS 18 15 - 5 15 12 18 - 19 25 6 133
10. F. ALONSO
9 LEWIS HAMILTON MERCEDES +0.740S 11. K. MAGNUSSEN
12. D. RICCIARDO
10 LANDO NORRIS MCLAREN MERCEDES +0.909S 13. P. GASLY 12 10 15 12 10 15 10 15 12 - 17 128
14. S. VETTEL
11 LANCE STROLL ASTON MARTIN MERCEDES +0.915S 15. M. SCHUMACHER 15 1 12 - 8 10 4 12 15 16 16 109
16. Y. TSUNODA
12 PIERRE GASLY ALPHATAURI RBPT +0.969S 17. G. ZHOU - 6 10 19 - 4 9 2 - 8 6 64
18. A. ALBON
13 SEBASTIAN VETTEL ASTON MARTIN MERCEDES +0.992S 19. L. STROLL 6 8 6 - 4 6 - 1 8 - 13 52
20. N. LATIFI
14 ZHOU GUANYU ALFA ROMEO FERRARI +1.055S 21. N. HULKENBERG

15 MICK SCHUMACHER HAAS FERRARI +1.090S 8 - 4 12 6 8 2 - 6 - - 46

16 ALEXANDER ALBON WILLIAMS MERCEDES +1.130S 2 - - - - 2 6 6 2 10 1 29

17 DANIEL RICCIARDO MCLAREN MERCEDES +1.242S 10 2 - 3 - - - - - 1 6 22

18 KEVIN MAGNUSSEN HAAS FERRARI +1.350S - - 83- - - 4- - 2 17

19 YUKI TSUNODA ALPHATAURI RBPT +1.395S - 4 2 - - - - 10 - - - 16

20 NICHOLAS LATIFI WILLIAMS MERCEDES +1.651S

- - 4- - 1 8- 2- 15

SPRINT - - - - - - - - - 48 12

PILOTO EQUIPA TEMPO/DIF. 4- - 6- 1 - - - - - 11

1 MAX VERSTAPPEN RED BULL RACING RBPT 26:30.059 1- - - - - - - 4- - 5

2 CHARLES LECLERC FERRARI +1.675S

3 CARLOS SAINZ FERRARI +5.644S - - 1- 2- - - - - - 3

4 GEORGE RUSSELL MERCEDES +13.429S - - - 11- - - 1- - 3

5 SERGIO PEREZ RED BULL RACING RBPT +18.302S ------ ----- 0

6 ESTEBAN OCON ALPINE RENAULT +31.032S -- 0

7 KEVIN MAGNUSSEN HAAS FERRARI +34.539S

8 LEWIS HAMILTON MERCEDES +35.447S

9 MICK SCHUMACHER HAAS FERRARI +37.163S

10 VALTTERI BOTTAS ALFA ROMEO FERRARI +37.557S EQUIPAS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22

11 LANDO NORRIS MCLAREN MERCEDES +38.580S 1. RED BULL - 37 18 58 38 44 40 44 25 24 31 359

12 DANIEL RICCIARDO MCLAREN MERCEDES +39.738S

13 LANCE STROLL ASTON MARTIN MERCEDES +48.241S 2. FERRARI 44 34 26 20 33 12 30 - 29 37 38 303

14 ZHOU GUANYU ALFA ROMEO FERRARI +50.753S 3. MERCEDES 27 11 27 12 18 25 14 27 27 16 33 237

15 PIERRE GASLY ALPHATAURI RBPT +52.125S 4. MCLAREN MERCEDES - 6 18 22 - 4 9 6 - 8 8 81

16 ALEXANDER ALBON WILLIAMS MERCEDES +52.412S 5. ALPINE RENAULT 8 8 6 - 4 8 6 7 10 10 14 81

17 YUKI TSUNODA ALPHATAURI RBPT +54.556S 6. ALFA ROMEO FERRARI 9 - 4 12 6 8 2 - 10 - - 51

18 NICHOLAS LATIFI WILLIAMS MERCEDES +68.694S

19 SEBASTIAN VETTEL ASTON MARTIN MERCEDES DNF 7. HAAS FERRARI 10 2 - 3 - - - - - 5 14 34

NC FERNANDO ALONSO ALPINE RENAULT DNS 8. ALPHATAURI RED BULL 4 4 2 6 - 1 - 10 - - - 27

NC FERNANDO ALONSO ALPINE RENAULT DNS 9. ASTON MARTIN MERC - - - 5 1 - 1 8 1 2 - 18

10.WILLIAMS MERCEDES - - 1 - 2 - - - - - - 3

PONTUAÇÃO 1.º 25 PTS 2.º 18 PTS 3.º 15 PTS 4.º 12 PTS 5.º 10 PTS 6.º 8 PTS 7.º 6 PTS 8.º 4 PTS 9.º 2 PTS 10.º 1 PT. VOLTA MAIS RÁPIDA + 1 PT


18 WEC/
6 HORAS DE MONZA

CORRIDA
EMOCIONANTE

DÁ VITÓRIA
À ALPINE

A quarta jornada do Mundial de Endurance da FIA visitou a
Itália. Monza foi o palco e a Catedral da Velocidade deu-nos
uma corrida frenética, com um final impróprio para cardíacos

Fábio Mendes Na classe rainha, Romain Dumas deu à G. Menezes / J. Rossiter). Martin #33, o que acabou com a excelen-
[email protected] Glickenhaus Racing a sua segunda pole Logo após os primeiros 15 minutos tive- te corrida que a equipa americana estava
FOTOS JB Photo / José Bispo, position, terminando 0.919s à frente do mos o primeiro Full Course Yellow (FCY), a fazer, apesar dos problemas no sistema
Philippe Nanchino, Oficiais Toyota #8 de Brendon Hartley, com o tem- com uma manobra mal calculada do Aston de travagem.
po de 1:35.416s. Alessandro Pier Guidi con- Martin #98 (P. Dalla Lana / D. Pittard / N. A luta pela liderança estava entregue ao
OWEClevouatéaotraçadotran- quistou a primeira pole position para a Thiim) a atirar o Ferrari #54 ( T. Flohr / F. Toyota #7 (M. Conway / K. Kobayashi / J.
salpino 38 carros (6 Hypercar, Ferrari na classe GTE-Pro e estabeleceu Castellacci / N. Cassidy) para a caixa de López) e ao Alpine #36, com o Toyota #8 a
14 LMP2, 5 GTE Pro e 13 GTE o tempo de 1:45.270s no Ferrari 488 GTE gravilha na Parabólica. Várias equipas conseguir ultrapassar os problemas técni-
AM). Destaque para a luta Evo #51 da AF Corse colocando um ponto aproveitaram para ir às boxes e no reco- cos, regressando à discussão da vitória. O
Toyota vs Alpine, com vanta- final à série de três pole positions conse- meço, problemas para o #93 (P. Di Resta Peugeot #93 perdeu muito tempo nas bo-
gem para os franceses líderes cutivas da Porsche. A pole position entre / M. Jensen / J. Vergne) da Peugeot, que xes e acabou por ficar por lá. As esperan-
do campeonato. Em LMP2 era o #38 da Jota os GTE-Am foi para Sarah Bovy aos co- apareceu parado em pista, o que motivou ças da marca francesa eram então depo-
que liderava, com António Félix da Costa mandos do Ferrari #85 da Iron Dames, ba- umnovoFCY. Ocarroconseguiuregres- sitadas no #94, que infelizmente também
a querer cimentar o primeiro, tal como tendo Ben Keating, companheiro de equi- sar às boxes, com muitas dificuldades, e teve problemas técnicos que obrigaram
Henrique Chaves queria ajudar os seus pa de Henrique Chaves no Aston Martin ficou parado nas boxes, a contas com um a uma paragem mais demorada. Um pri-
colegas nos GTE AM a manter o primeiro. da TF Sport. problema na pressão do turbo. O #94 man- meiro batismo de fogo duro para o 9X8.
A Algarve Pro Racing vinha de um grande tinha-se na proximidade dos adversários, Na frente, a luta Toyota vs Alpine animava
triunfo em Le Mans e Filipe Albuquerque ALPINE BATEU O PÉ mas ia perdendo algum tempo para os os fãs, mas à entrada da última hora, na luta
queria dar um pontapé no azar. Destaque À TOYOTA NOS HYPERCAR homens da frente. O Toyota #8 (S. Buemi pela liderança, o #7 e o #36 não evitaram
para a estreia do Peugeot 9X8 que fazia O arranque da prova de seis horas foi in- / B. Hartley / R. Hirakawa) apresentava um contacto na reta da meta, o que mo-
a sua primeira aparição oficial em pista. tenso nos Hypercar, com a luta na curva problemas elétricos logo no começo da tivou um furo no carro nipónico. Apesar
1 a ser feita no limite. Romain Dumas, no segunda hora de prova e por isso foi pas- da pressão final de Hirakawa, Vaxiviere
QUALIFICAÇÃO SORRIU Glickenhaus #708 (O. Pla / R. Dumas / L. sado com relativa facilidade pelo Alpine. manteve o Alpine #36 na frente até ver a
A ALBUQUERQUE Derani), largou bem e não perdeu a primei- A Glickenhaus manteve-se na frente da bandeira de xadrez, conquistando a se-
Filipe Albuquerque conquistou a pole ra posição conquistada na qualificação de corrida até perto do meio da prova, mas gunda vitória do ano, sendo a primeira
position nos LMP2 para o carro #22 da ontem, apesar dos ataques da concorrên- uma penalização por infração no procedi- tripulação a repetir o triunfo este ano na
United Autosports. Numa sessão de qua- cia. O piloto francês afastou-se dos adver- mento de Full Course Yellow iria entregar categoria Hypercar.
lificação encurtada resultante da para- sários enquanto o Alpine #36 (A. Negrão a liderança ao #7. O pior aconteceu depois,
gem do hipercarro #93 da Peugeot en- / N. Lapierre / M. Vaxiviere) incomoda- com o turbo do motor do Glickenhaus a FANTÁSTICA RECUPERAÇÃO
tre as curvas Lesmo, Albuquerque foi o va os Toyota nas primeiras voltas, sob o ceder na volta 96, depois do Safety Car DO #38 DE FÉLIX DA COSTA
piloto mais rápido da sua classe, com o olhar atento do Peugeot #94 (L. Duval / motivado pelo violento acidente do Aston Em LMP2, Will Owen largou no #22 (P.
tempo 1:38.403s, deixando o Oreca #44
da ARC Bratislava a 0.328s de diferença.


>> autosport.pt

19

Hanson / F. Albuquerque / W. Owen) lerador do Oreca 07 #22 motivou um re- cada de tentar vencer, com pneus mais rimónia do pódio em LMP2 Pro /AM. A
e manteve-se na frente das operações gresso às boxes mais lento por parte de gastos. Stevens não conseguiu aproxi- Algarve Pro Racing venceu em Monza na
apesar de algumas dificuldades. Mais Phil Hanson, uma reparação mais demo- mar-se de Ferdinand Habsburg e até ficou sua classe, segunda vitória consecutiva
atrás, o #38 (R. Gonzalez / A. Da Costa / rada e com isso as esperanças de um bom sob a ameaça do #10, com Nico Muller ao para a estrutura sediada no Algarve, de-
W. Stevens), que largou do fim do pelo- resultado esfumaram-se. volante. Habsburg não mais foi incomo- pois do estrondoso sucesso em Le Mans.
tão por um “unsafe release” na qualifica- Quem estava a fazer uma grande recupe- dado e venceu a corrida em LMP2. Muller O carro #35 da Ultimante (J. Lahaye / M.
ção, ia recuperando terreno e graças aos ração era o #38 de António Félix da Costa, tentou passar por Stevens, mas o britâ- Lahaye / F. Heriau) parecia bem lança-
dois FCY conseguiu instalar-se no meio que foi aproveitando os FCY e o Safety Car nico segurou o segundo lugar, importan- do para a vitória, mas na quarta hora
do pelotão dos LMP2, Rui Andrade no para galgar posições, de tal forma que en- tíssimo nas contas do título e ainda as- de prova o #45 da APR (S. Thomas / J.
#41 (R. Andrade / F. Habsburg / N. Nato) trou na última hora de corrida na lideran- sim um excelente resultado para o #10, Allen / R. Binder) também se introme-
rodava nos primeiros lugares. A corrida ça da prova. Will Stevens fez o último stint a primeira vez este ano que mostraram teu na luta pelo triunfo. Uma luta dura
parecia bem encaminhada para o #22 (triplo stint) e tentou aguentar a pressão competitividade.. até ao final, mas que sorriu às cores da
de Albuquerque, apesar da luta intensa do #41 e do #10 da Vector Sport (N. Müller APR, em mais um grande sucesso nesta
com o #41 de Andrade. Mas o azar voltou / R. Cullen / S. Bourdais). O #41 ficou na ALGARVE PRO RACING VENCE época que começou de forma tão inca-
a abater-se sobre o piloto português da frente da sua classe depois do último pit NOVAMENTE EM LMP2 PRO /AM racterística e que agora está muito bem
United. Um problema no sensor do ace- stop, com Stevens a ter a tarefa compli- E A Portuguesa voltou a ouvir-se na ce- encaminhada.


WEC/

20

FERRARI DEIXOU ESCAPAR #85 (R. Frey / M. Gatting / S. Bovy) de Sarah DESTAQUES DA CORRIDA
A VITÓRIA NOS LMGTE PRO Bovy. Paul Dalla Lana estragou a sua corrida
Nos LMGTE Pro, o Ferrari #51 (A. Pier Guidi / J. e a do carro #54 logo nos primeiros minutos A Toyota (que usou um novo diferencial, que terá de ser utilizado na
Calado) começou na liderança da sua classe e com uma manobra mal calculada na parabólica próxima época para equivaler andamentos com os LMDh) não se mos-
desde cedo que se percebeu que os carros da atirou o Ferrari para a caixa de gravilha. A luta trou competitiva como gostaria e a Alpine teve sempre argumentos
Scuderia iriam lutar pela vitória. O #51 liderou des- na frente acontecia entre o #33 da TF Sport e o para lutar com os nipónicos. A vitória acaba por ser merecida, apesar
de o começo da prova e cruzou as 3h de prova na #85 da Iron Dames. Mas a corrida para o Aston do incidente que praticamente carimbou o triunfo francês. A Alpine
liderança, já na companhia do #52 (M. Molina / A. Martin complicou-se sobremaneira. Henrique e a sua tripulação lideram o campeonato, mas a resposta da Toyota
Fuoco). Os Ferrari pareciam encaminhados para Chaves foi penalizado com um Stop & Go por não deverá tardar. A Peugeot teve uma corrida complicada, com vá-
uma dobradinha, mas o #51 foi penalizado com ter excedido a velocidade limite no pit lane, o rios problemas técnicos, mas esta segunda metade da época vai ser-
um Stop & Go e por isso a liderança ficou entre- que comprometeu logo as aspirações da equi- vir para isso mesmo, limar arestas e preparar 2023. Em ritmo puro,
gue ao #52 que se manteve à frente do Corvette pa. Mas o pior estava para chegar, com o GT do o carro parece ter andamento para se equivaler à concorrência, mas
#64 (T. Milner / N. Tandy), enquanto o #51 tenta- piloto luso a ficar sem travões na entrada da falta ainda a indispensável fiabilidade. O último destaque vai para a
va recuperar um lugar no pódio, numa luta ras- Variante della Roggia, num violento acidente Glickenhaus que mostrou argumentos para vencer a corrida. O ritmo
gadinha com o Porsche #92 (M. Christensen / K. que terminou com o carro do português capo- inicial de Dumas foi tremendo e a questão parecia bem encaminha-
Estre). Mas a luta aqueceu de tal forma que o #92 tado, o que motivou um Safety Car e o fim da da até a falha no turbo do motor. A equipa americana merecia muito
foi penalizado com um Drive Through. O golpe de corrida dos até então líderes do campeonato. mais,
teatro aconteceu a dois minutos do fim, com os Felizmente Chaves saiu pelo seu próprio pé do
Ferraris a pararem para um Splash and Dash, carro e não sofreu mazelas de maior, mas foi Em LMP2 o destaque tem de ir forçosamente para o carro #38 que
entregando a vitória ao Corvette #64 de bandeja. um grande susto. largou do fundo do pelotão para acabar no pódio. Corrida tremenda
Um final inesperado, com a Ferrari a ficar com os Com o desenvolvimento da corrida, o Ferrari #85 de Félix da Costa e Cia. e uma grande operação para as contas do títu-
dois últimos lugares do pódio e com a Porsche a manteve -se na luta pela vitória, com a com- lo. O #41 de Rui Andrade foi o justo vencedor, com uma estratégia boa
ficar arredada da festa final. panhia do Porsche #77 (C. Ried / S. Priaulx / H. e uma grande prestação de Habsburg. O #22 de Albuquerque continua
Tincknell) da Dempsey Proton Racing e o Porsche em maré de azar e a APR voltou a vencer. Boa corrida também do #10.
GRANDE SUSTO PARA CHAVES NOS LMGTE AM #46 da Team Project 1 (M. Cairoli / M. Pedersen /
Nos LMGTE AM, o #33 (B. Keating / H. Chaves N. Leutwiler). O #77 ainda teve de fazer um Splash Em LMGTE Pro, a Ferrari foi a mais forte, mas nas corridas de endu-
/ M. Sørensen) de Henrique Chaves, com Ben and Dash nos últimos minutos, o que aproximou rance isso não chega. As contas do combustível tramaram a equipa
Keating ao volante, passou para a frente da o #85 da luta pela vitória, mas seria mesmo o #77 italiana que teve de parar mesmo no final quando um 1-3 estava em
corrida logo no arranque, suplantando o Ferrari a vencer, seguido do #85 e do #46. cima da mesa. Valeu a consistência do Corvette #64, a vingar um pou-
co o azar de Le Mans.
C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O
Em LMGTE AM, tudo parecia bem encaminhado para o #33, mas o du-
HYPERCAR ALPINE A480 - GIBSON 194 VOLTAS plo azar de Chaves acabou com a corrida e complicou as contas do tí-
1º ANDRÉ NEGRÃO, NICOLAS LAPIERRE, MATTHIEU VAXIVIERE TOYOTA GR010 HYBRID 2.762 tulo dos seus colegas. Ficar sem travões numa corrida nunca é bom,
2º SÉBASTIEN BUEMI, BRENDON HARTLEY, RYO HIRAKAWA TOYOTA GR010 HYBRID mas ser atirado para o ar por causa dos malditos limitadores que são
3º MIKE CONWAY, KAMUI KOBAYASHI, JOSE MARIA LOPEZ 2 LAPS instalados em certas zonas das pistas é ainda pior. Felizmente não
passou de um grande susto. Vitória merecida para o #77, uma das
LMP2 ORECA 07 - GIBSON 188 VOLTAS equipas mais fortes, mas destaque para o pódio das senhoras do #85,
1º RUI ANDRADE, FERDINAND HABSBURG, NORMAN NATO ORECA 07 - GIBSON 11.882 que fizeram uma grande corrida e mostraram que não ficam nada a
2º ROBERTO GONZALEZ, ANTONIO FELIX DA COSTA, WILLIAM STEVENS ORECA 07 - GIBSON 0.384 dever aos restantes.
3º NICO MÜLLER, RYAN CULLEN, SEBASTIEN BOURDAIS ORECA 07 - GIBSON
1º (PRO AM) STEVEN THOMAS, JAMES ALLEN, RENÉ BINDER 187 VOLTAS A próxima prova será em Fuji, uma prova de seis horas agendada para
11 de setembro, a penúltima da época.
LMGTE PRO CHEVROLET CORVETTE C8.R 181 VOLTAS
1º TOMMY MILNER, NICK TANDY FERRARI 488 GTE EVO 19.412
2º MIGUEL MOLINA, ANTONIO FUOCO FERRARI 488 GTE EVO 28.287
3º ALESSANDRO PIER GUIDI, JAMES CALADO
179 VOLTAS
LMGTE AM PORSCHE 911 RSR - 19 + 1 VOLTA
1º CHRISTIAN RIED, SEBASTIAN PRIAULX, HARRY TINCKNELL FERRARI 488 GTE EVO + 1 VOLTA
2º RAHEL FREY, MICHELLE GATTING, SARAH BOVY PORSCHE 911 RSR - 19
3º MATTEO CAIROLI, MIKKEL PEDERSEN, NICOLAS LEUTWILER


FÉLIXDACOSTA:“FALTAMDUAS >> autosport.pt
PROVAS E QUEREMOS VENCER
ESTECAMPEONATO” 21

E no final, tudo correu bem. Um fim mais desgastados e acabámos por ter- Faltam duas provas e queremos vencer FILIPE
de semana que começou mal, que minar em 2º. A verdade é que, partindo este campeonato Mundial!” ALBUQUERQUE:
piorou com a penalização na qua- de último, se me tivessem dito que iria Félix da Costa e os seus companheiros “O AZAR NÃO
lificação e que acabou com um terminar em 2º, teria aceitado de ime- de equipa lideram em LMP2 com 95 pon- NOS ANDA A
pódio crucial para as contas do título diato. Estamos contentes e reforçámos tos, contra 76 da dupla Joshua Pierson / DAR TRÉGUAS”
em LMP2. Um resultado importante a liderança do campeonato, que é sem Oliver Jarvis do United #23. A questão
para António Félix da Costa, depois dúvida o nosso objetivo para este ano. do título parece bem encaminhada. Mais uma corrida, mais um azar
de uma grande prestação pessoal e para Filipe Albuquerque. Tem sido
da sua equipa, numa prova que pa- uma época terrível para o piloto de
recia destinada ao fracasso, mas que Coimbra, com azares em sucessão. O
acabou com o #38 a lutar pela vitória, carro #22 voltou a ficar longe das lu-
com uma boa estratégia e a sorte de tas pelos primeiros lugares com uma
aproveitar da melhor forma os inci- dificuldade técnica que arruinou o
dentes da corrida. esforço inicial. O carro do piloto de
No final da prova, Félix da Costa refor- Coimbra foi consistentemente dos
çava “o excelente trabalho de equipa mais rápidos, mas mais uma vez, o pó-
de todos na equipa; pilotos, mecânicos, dio foi apenas uma miragem:
engenheiros e todo o staff da JOTA.” “Nem sei o que dizer. Começamos
“Largando do 38º lugar, sabíamos que sempre bem, da linha da frente, mas
não teríamos um dia fácil pela frente, há sempre alguma coisa a acontecer
mas demos tudo em pista, sempre ao para nos impedir de conseguir traduz-
ataque, e também a equipa efetuou um ir o nosso andamento em resultados
trabalho incrível a nível de estratégia, efetivos. Desta vez foram problemas
que nos permitiu estar em posição de no acelerador, que aconteceu logo
lutar pela vitória. Chegámos a liderar, após a uma situação de ‘safety-car’.
mas na última hora tínhamos pneus Estávamos todos muito juntos e fo-
mos para último. Quando a sorte não
HENRIQUE CHAVES: “NÃOTENHO QUALQUER QUESTÃO FÍSICA” nos acompanha, não há nada a fazer.
Não nos basta as ‘poles positions’,
Henrique Chaves foi protagonista da cor- “Foi um impacto muito forte, mas estou e mostra-se confiante para as próxi- queremos mais que isso. E sabemos
rida pelos piores motivos. O piloto do bem, a célula de sobrevivência do carro mas etapas do mais importante campe- que temos tudo para o conseguir. Mas
Aston Martin #33 estava a fazer uma protegeu-me e consegui sair pelo meu onato de resistência do planeta. “A TF o azar não nos anda a dar tréguas.
boa prova, até que ao aproximar-se da próprio pé sem qualquer problema. Não Sport realizou um trabalho fantástico, Claro que não vamos deitar a toalha
Variante della Roggia a mais de 250 tenho qualquer questão física, para além entregando-nos um carro muito com- ao chão. Há mais duas corridas e va-
Km/h, quando tentou accionar os travões de umas nódoas negras, e isso deve-se petitivo, apesar de carregarmos quaren- mos continuar a dar o nosso melhor”,
estes não funcionaram, vendo-se o por- ao fantástico trabalho realizado pela ta quilogramas de lastro. Acredito que, referiu.
tuguês envolvido num violento despiste, Aston Martin, que criou um carro perfor- sem o acidente, poderíamos vencer. No Filipe Albuquerque é décimo, com 32
com o Aston Martin a capotar, parando mante e muito seguro.” entanto, estamos ainda no comando do pontos e resta-lhe lutar por vitórias
junto aos rails da saída da chicane so- Apesar do final preocupante e prematuro campeonato e vamos para Fuji determi- nas duas últimas do ano, focando-se
bre o seu tejadilho. Mais uma vez os da sua corrida, Henrique Chaves ainda nados em lutar pela vitória e ampliar a no título do IMSA, esperando que a
limitadores serviram de rampa de lança- assim verifica alguns aspectos positivos nossa vantagem”, concluiu o português. United encontre o gato preto na sua
mento e já é tempo da FIA acabar com box e o afaste para bem longe.
o uso desses dispositivos em pista, que
têm feito mais mal do que bem. Apesar
do grande susto, Chaves não ficou com
grandes mazelas e elogiou o trabalho da
equipa:


WEC/

22

PRIMEIRO TESTE DURO PARAA PEUGEOT

ALGARVE PRO RACING Não foi fácil a primeira prova para a Peugeot, na para piorar a situação. No geral, penso que o
NA LUTA PELO TÍTULO estreia oficial do 9X8, no protótipo que deu muito que desempenho estava lá. Mostrámos tempos por
PRO / AM falar, com a ausência de asa traseira. O #94 terminou volta bastante bons, por isso estamos contentes.
a prova, o que é um sinal positivo, mas ficou claro Sabíamos que tínhamos muito a aprender e isso
Depois de dois triunfos consecutivos na classe Pro / que há ainda muito a melhorar do lado da fiabilidade foi muito claro. Penso que, de alguma forma,
Am, a Algarve Pro Racing está na luta pelo título da das máquinas francesas. O #93 não terminou a prova correspondemos aos nossos objectivos, vindo aqui
sua classe. Em confronto direto com a poderosa AF sequer, assolado com problemas mecânicos. No final, para aprender. Aqui estamos claramente a aprender
Corse (na sua estreia nos LMP2 em 2022, já a pensar na o balanço não pode ser positivo para uma equipa que sobre como trabalhar no trânsito por exemplo,
chegada da Ferrari aos Hypercar) a APR começou o ano pretende vencer no WEC, mas a primeira prova oficial [havia] destroços na pista e esta foi uma nova
com muitas incertezas, mas o excelente trabalho da é mais uma etapa concluída neste processo. experiência para nós. Faz parte do que estamos
estrutura sediada no Algarve permitiu que ouvissemos Olivier Jansonnie, diretor técnico da equipa admitiu a aprender. Quando o carro está a funcionar
duas vezes A Portuguesa no pódio do WEC este ano, que foram aprendidas muitas lições valiosas nesta sem qualquer problema, temos argumentos para
estando agora na liderança da classe, com 116 pontos, corrida – “Foi uma corrida difícil para nós” –, aos competir. Se olharmos para o nosso último stint,
contra 114 da AF Corse. Uma luta que promete até ao jornalistas presentes na prova. os tempos por volta foram bastante competitivos.
final da época e que apenas mostra o bom trabalho “Viemos aqui para aprender, e aprendemos muito. Essa é uma resposta muito boa para nós. Com este
da equipa, apesar dos contratempos do início da Um carro, o nº 93, teve alguns problemas técnicos regulamento, se começarmos com um carro que não
temporada. desde o início. O carro n.º 94 competiu bastante é competitivo, é muito difícil voltar atrás. Esperamos
bem durante as primeiras duas horas, pelo menos. poder resolver os problemas que tivemos aqui, e
FERRARI JÁ DEU AS Depois, o Safety Car chegou exatamente no provavelmente encontraremos alguns novos. Este é
PRIMEIRAS VOLTAS momento errado para nós e surgiram problemas o jogo em que estamos até ao final do ano.”
COM O SEU LMH
NOVO CADILLAC LMDH JÁ RODOU
A Scuderia Ferrari também começou o trabalho em
pista com a sua nova máquina. O Hypercar da marca Há algumas semanas a Cadillac mostrou imagens 3D
italiana rodou em Fiorano, com Alessandro Pier Guidi do seu novo protótipo LMDh, com linhas fluidas e muito
ao seu volante . “É um momento verdadeiramente agradáveis. Ficamos obviamente entusiasmados com
emocionante, ansiosamente aguardado pelas pessoas a perspetiva de ver um carro assim em pista, mas a
que trabalharam neste projeto tanto como pelos realidade parece bem diferente. Ao contrário da Peugeot,
fãs da nossa marca”, disse Antonello Coletta, Chefe que manteve a promessa de fazer um carro revolucionário
da Ferrari Attività Sportive GT. “Poder tocar o fruto e mudou pouca coisa no conceito inicialmente
de tantos meses de trabalho, design, simulações, apresentado, a Cadillac mostrou um carro muito diferente
dá-nos nova energia e novos estímulos. Estamos da proposta mostrada em junho e com linhas bem mais
orgulhosos do resultado alcançado e, embora a modestas e menos interessantes, numa espécie de versão
máscara que irá caracterizar o LMH durante os testes 2.0 do atual DPi, o que se afigurou como um desilusão. Earl
esconda os volumes e o estilo do carro, acredito que é Bamber foi o piloto responsável pelo shakedown do carro
inegavelmente reconhecível como um Ferrari.” equipado com um motor V8 de 5.5L DOHC.
Segue-se um intenso programa de desenvolvimento “É excitante ver o trabalho árduo e o engenho de toda
que será levado a cabo pelos pilotos oficiais da Ferrari a equipa compensarem”, disse Kalvin Parker, gestor de
Competizioni GT. programa Clientes da Cadillac Racing. “A temporada 2023
promete ser uma das mais competitivas de sempre, por
isso estamos ansiosos por desenvolver o carro de corrida
com mais testes na pista, feedback do piloto e no túnel
de vento.”


GLICKENHAUSVAI FALTAR EM FUJI >> autosport.pt

23

FPEORRRDAORIISFMALIHNOUUTOASVITÓRIA

Como esperado, a Glickenhaus não irá participar 300 carros por ano, uma certa quantidade de cor-
nas 6h de Fuji. A equipa americana aponta motivos ridas faz sentido. Além disso, não o podemos jus-
económicos para a ausência na prova japonesa, com tificar financeiramente com os accionistas. E se
a empresa a fazer um ponto de situação enquanto este dinheiro de investimento chegasse, seria prin-
procura novos investimentos. As 6h de Monza foram cipalmente para desenvolver Pick Ups a pilhas de
provavelmente a melhor corrida da equipa no WEC e combustível de hidrogénio para o nosso programa
apenas um problema no motor impediu a equipa de de Bajas. A exposição do WEC faria então sentido,
traduzir o forte andamento num resultado positivo. porque teríamos um mercado potencial maior. Há
Jim Glickenhaus afirmou ao Sportscar365 que a de- um par de fatores. O Japão ainda está muito COVID
cisão já estava tomada: fechado, segundo o meu entendimento. O que nos in-
“A principal razão [para faltar Fuji] é economica”, ex- capacita de interagir com fãs e potenciais clientes.
plicou ele. “Estamos a poupar dinheiro até sabermos Não nos faz muito bem, para ser honesto.”
qual é realmente a nossa situação. Continua a ser a A presença na última prova, Bahrein, está a ser equa-
mesma coisa: para a nossa empresa, vendendo até cionada, mas para já sem certezas.

A corrida aconteceu como planeado para a Ferrari. E por isso a AF Corse
sabia que teria de parar antes do fim da prova para um reabastecimen-
to final, o que aconteceu a dois minutos do fim. Com o Safety Car a meio
da prova, as estratégias das equipas ficaram afetadas e desde essa
altura que o jogo da gestão dos stints passou a ter ainda mais peso.
Antonio Fuoco reconheceu que a Ferrari não podia ter feito nada mais
para evitar o que aconteceu:
“Penso que era completamente impossível”, disse Fuoco, citado pelo
Sportscar365, quando questionado se a Ferrari poderia ter tentado
uma estratégia diferente. “Em cada stint fizemos a mesma quanti-
dade de voltas, por isso no final foi impossível fazer qualquer volta ex-
tra. Fizemos o nosso melhor em termos de estratégia e não pudemos
fazer nada de diferente para chegar ao fim. Sabíamos desde o meio que
se não houvesse interrupções precisávamos de um reabastecimento.
Esperávamos por um Full Course Yellow, ou um Safety Car, mas não
aconteceu. Não estou feliz porque não ganhámos a corrida, mas foi um
bom resultado para nós.”

PROJETO INOVADORDE FERDINAND HABSBURG PERMITE AOS FÃS
TER CONTROLO DE UMA EQUIPA

É um projeto no mínimo inovador e que poderá carro de corridas em LMP2 no próximo ano.
mudar a face da competição automóvel se Em vez de uma ou duas pessoas escolherem
tiver sucesso. Ferdinand Habsburg, piloto os pilotos, será toda uma comunidade de
LMP2 e campeão em título, pretende mudar a pessoas que talvez tenham sonhado em par-
face do desporto apresentando uma equipa ticipar nos desportos motorizados durante
financiada pelos fãs. A ideia é encontrar in- toda a sua vida. E agora de uma forma super
teressados que irão pagar e, por isso, terão acessível, porque é toda uma comunidade de
direito de voto nas decisões da equipa, como 10.000 pessoas em vez de apenas algumas a
decorações do carro, potenciais colegas de um preço realmente elevado.”
equipa de Habsburg e cores dos fatos, entre Habsburg prevê que cada vaga custe en-
outras decisões chave. A ideia pretende jun- tre 500 e 1000 euros. Podem ser adquiridas
tar 10 mil fãs, que pagarão para pertencerem múltiplas vagas por membro. Para o projeto
a uma comunidade que tomará algumas de- começar, terá de encontrar um quinto dos 10
cisões chave. mil participantes desejados para a equipa,
“Criei uma comunidade, do qual existem que terá o nome Rebel Team. A WRT assegu-
10.000 vagas para proprietários. Eles poderão rará o apoio técnico ao carro. A seleção dos
tomar decisões sobre escolha de pilotos, pilotos será feita mediante uma lista previa-
decorações do carro, os desenhos dos fatos. mente fornecida, de onde os membros da
Haverá uma governação onde, em vez de equi- comunidade escolherão os seus preferidos
pas e patrocinadores a escolherem, as pes- para fazer a época como piloto austríaco. Uma
soas do clube de sócios se tornarão os pro- nova forma de fazer e vender corridas e que
prietários da equipa, em comunidade, de um se pode tornar muito interessante.


24 GT3 Cup/
PORTIMÃO

AREIA ESTREOU-SE A VENCER,
VIEIRA REPETIU A DOSE

Decorridas três semanas A P21 Motorsport, anunciou 387 centésimos de segundo, enquanto posto. Desde o início que Jorge Areia foi
sobre a jornada espanhola no arranque do fim de se- Vasco Barros ficou na segunda linha perdendo terreno para o trio da dian-
de Valência, a GT3 Cup mana uma parceria com a da grelha, ao lado do regressado Jorge teira, embora com uma margem con-
voltou à ação no Autódromo Repsol, além de apresentar Areia. Mesmo a passar por algumas fortável face a João Parreira, o quinto
Internacional do Algarve mais “caras novas”. Jorge dificuldades, queixando-se de pro- classificado e vencedor destacado da
para a terceira ronda da Areia fez o seu regresso à blemas no olho direito desde a noite classe GD, que terminou com uma van-
temporada, que nos deu competição e juntou-se a Leandro anterior, provocados por um inseto, tagem confortável face a Rui Miritta e
algumas novidades e um novo Macedo, piloto oriundo do autocross, João Parreira destacou-se na classe Miguel Caetano.
nome na lista de vencedores e que fez dupla com outro estreante, GD, o mesmo sucedendo em relação Bastante mais renhida foi a luta pelo
Jorge Brioso, e ainda ao convidado a André Fernandes na AM. pódio da classe AM, ganha por André
FOTOS Gabriel Rosa Ricardo Filipe Costa, que aos coman- Fernandes, que desde o início se po-
[email protected] dos de um 991, tudo indica, vai ser VIEIRA VENCEU CORRIDA 1 sicionou muito bem. Mais atrás, René
presença assídua na próxima época. Quintaneiro resistiu até onde pôde à
Nas contas da competição, Carlos Carlos Vieira triunfou de forma cate- pressão de Alexandre Martins, aca-
Vieira era a grande estrela, com uma górica, ao princípio da noite de sexta- bando por ser desalojado do segun-
vantagem de 18 pontos face a Vasco -feira a corrida 1, controlando em ab- do lugar.
Barros, enquanto João Vieira, o ter- soluto Ricardo Costa e Vasco Barros,
ceiro da tabela, já estava a 30 pontos os seus opositores mais diretos que NOVA POLE PARA VIEIRA
do segundo classificado. concluíram as 13 voltas bem próxi-
Vieira começou da melhor forma e mos… mas longe do vencedor. Ricardo Carlos Vieira começou da melhor for-
conquistou, na tarde de sexta-fei- Costa passou por algumas dificul- ma o dia de sábado, ao somar mais
ra, a “pole position” para a primeira dades nas últimas voltas, apertado uma “pole position”, agora para a se-
corrida, ao bater Ricardo Costa por por Vasco Barros, que não conseguiu gunda corrida. Vieira até nem este-
encontrar o caminho para o segundo ve muito tempo em pista, mas foi o


>> autosport.pt

25

único a colocar-se no segundo 48 e meira volta, Jorge Areia estreou-se a cender ao comando, mas a seis voltas C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O
desta vez o seu colega e “aluno” da vencer na GT3 Cup, depois de um due- do fim, não resistiu ao ataque de Jorge
Veloso Motorsport, Ricardo Costa (2º lo empolgante com Francisco Cruz e Areia, autor de uma corrida muito inte- CORRIDA 1 13 VOLTAS
classificado na primeira corrida), fi- no qual João Parreira também foi pro- ligente e que lhe valeu a subida ao lugar 1º CARLOS VIEIRA (PRO/AM+) A 10,152
cou aquém das expectativas, ao con- tagonista. mais alto do pódio. Francisco Cruz, se- 2º RICARDO COSTA (PRO/AM+) A 11,076
seguir apenas o quinto melhor tem- Com Carlos Vieira e Vasco Barros, fora gundo da classificação geral e vence- 3º VASCO BARROS (PRO/AM+) A 46,364
po, o que o colocou na terceira fila da de pista depois de um toque no come- dor da classe AM, e João Parreira, ter- 4º JORGE AREIA (PRO/AM+) A 52,127
grelha. Vasco Barros iria largar ao lado ço da prova– o incidente foi alvo de ceiro absoluto, foi o primeiro da classe 5º JOÃO PARREIRA (GD) A 58,920
de Carlos Vieira, enquanto atrás sur- investigação e análise dos comissá- GD. Kaetanen (pseudónimo de Nuno 6º ANDRÉ FERNANDES (AM)
giam Francisco Cruz, autor do tercei- rios desportivos para a aplicação de Caetano), que fez dupla com Afonso 15 VOLTAS
ro tempo absoluto e melhor da clas- eventuais sanções –, Francisco Cruz Vaz, um dos desistentes da primeira CORRIDA 2 A 0.321
se AM, com uma margem de quase e Jorge Areia viram o caminho livre corrida, na sexta-feira, levou o carro 1º JORGE AREIA (PRO) A 5.019
um segundo em relação a Kaetanen. para a discussão do primeiro lugar. 88 a uma posição de destaque (4º da 2º FRANCISCO CRUZ (AM) A 20.211
Na classe GD, João Posser bateu João Ricardo Costa, ainda tentou espreitar geral e segundo da classe AM). Nuno 3º JOÃO PARREIRA (GD) A 39,334
Parreira por uma pequena diferença, a oportunidade, mas o “toque” de um Mousinho e Rui Miritta discutiram 4º KAETANEN (AM)
destacando-se de Rui Miritta. adversário – como sucedeu, aliás, a até à exaustão os segundo e terceiro 5º LEANDRO MACEDO (PRO/AM+)
René Quintaneiro, a André Fernandes lugar da classe GD, com o primeiro a
TOQUES DOS LÍDERES e a João Posser, que chegaram a rodar sair vencedor, acabando por selar a
“ENTREGAM” VITÓRIA A AREIA em posições de relevo – contribuiu “discussão” com um abraço.
Numa segunda corrida marcada por para o seu abandono. A próxima jornada da GT3 Cup, a quar-
alguns “toques”, um dos quais deixou João Parreira aproveitou bem a oportu- ta da época, está agendada para o cir-
fora de prova Carlos Vieira e Vasco nidade, depois de um período de safety cuito espanhol de Jerez de la Frontera,
Barros ainda antes de concluída a pri- car, para superar Francisco Cruz e as- a 17 e 18 de setembro.


26 CAR/
CAMPEONATO DOS AÇORES DE RALIS /ALÉM MAR RALI TAC

LUÍS M.REGOVENCEU
NATERCEIRA

Luis M. Rego, ao volante de Com tal desistência, Luís Miguel Rego
um Skoda Fabia Rally2 Evo, herdou o comando e, mesmo com um
venceu o Além Mar Rali TAC, avanço de 1:20,5 para o segundo clas-
uma prova que, até próximo sificado, ainda foi o mais rápido na se-
do final, parecia consignada a gunda passagem por Viveiros/Santa
Bárbara, a Power Stage, e obteve a pon-
Rúben Rodrigues tuação máxima. Com este resultado, o
piloto da Além Mar recuperou a diantei-
João Freitas Faria C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O ra do campeonato e detém agora uma
[email protected] vantagem de 20 pontos sobre os seus
Fotos: AIFA/Jorge Cunha 1º LUIS M. REGO/JORGE HENRIQUES SKODA FABIA RALLY2 EVO 42:30.2 perseguidores.
2º PEDRO CÂMARA/JOÃO CÂMARA CITROËN C3 RALLY2 + 1:30.1 Segundo classificado, Pedro Câmara
Teve início a fase de asfalto do 3º FILIPE PIRES/VASCO MENDONÇA MITSUBISHI LANCER EVO X + 2:50.5 voltou a apostar no seu entrosamento
Campeonato dos Açores de 4º BRUNO AMARAL/SANCHO EIRÓ FORD FIESTA R5 +2:50.7 com o Citroën C3 Rally2 e acabou ro-
Ralis e a caravana da compe- 5º LUIS PIMENTEL/NUNO MOURA PORSCHE 991 GT3 +5:49.8 dando tranquilo atrás dos dois princi-
tição local rumou a Angra do 6º BRUNO TAVARES/ANDRÉ SEABRA CITROËN C2 R2 MAX + 6:23.2 pais protagonistas, sem o brilhantismo
Heroísmo para a realização do 7º RICARDO SILVA/RUI VALADÃO CITROËN SAXO CUP + 7:22.7 da prova anterior, em que chegou a ser
Além Mar Rali TAC, um evento 8º DÉCIO GONÇALVES/EMANUEL BARCELOS CITROËN SAXO CUP + 7:28.8 o mais veloz nalgumas classificativas.
com dez provas especiais muito rápidas 9º EMANUEL GARCIA/NELSON DINIS PEUGEOT 208 R2 + 7:35.3 Esse resultado, contudo, permite ao pi-
em que não raras vezes são ultrapassa- 10º RUI TORRES/MARCO MARTINS FORD ESCORT RS + 8:59.2 loto da Play recuperar da desistência no
dos os 110 km/h de velocidade média. Faial e é terceiro no campeonato, agora a
A competição desenrolou-se em dois CAMPEONATO 12 pontos do campeão Rúben Rodrigues.
dias, com o programa a prever duas 1º LUIS M. REGO, 92; 2º RÚBEN RODRIGUES, 72; 3º PEDRO CÂMARA, 60; 4º BRUNO AMARAL, 57; 5º GILBERTO Se a corrida de Câmara foi algo ‘morna’,
classificativas para a noite de sexta-feira FERREIRA, 32; 6º RICARDO MOURA, 28; 7º BRUNO TAVARES, 26; 8º RUI TORRES, 22; 9º RICARDO SILVA, 20; 10º FILIPE já o mesmo não se poderá dizer da dis-
e as restantes oito ao longo de sábado. PIRES, 18. cussão daquele que viria a ser o lugar
A disputa dos primeiros troços crono- mais baixo do pódio.
metrados mostrou que Rúben Rodrigues Esta luta envolveu Filipe Pires com um
pretendia manter o ascendente já evi- Mitsubishi Lancer Evo X e Bruno Câmara
denciado na prova anterior, a última de em Ford Fiesta R5. Pires arrancou me-
terra, cumprida em São Miguel. O piloto lhor e, sensivelmente a meio da prova,
do Citroën C3 Rally2 venceu ambas as detinha um avanço de 13,3 segundos
classificativas e detinha já um avanço para o seu adversário. Amaral passou
de 9,7 segundos sobre a concorrência então a forçar o andamento e após a
ao final do primeiro dia. A manhã de PE 8 estava já na frente do seu rival de
sábado não trouxe nada de novo ao ce- ocasião. Os pilotos arrancaram para a
nário anterior e Câmara voltou a ser o última classificativa do programa se-
mais rápido nas duas primeiras provas parados por 0,8 segundos mas aí Filipe
especiais da jornada. Nessa fase, a sua Pres deu tudo por tudo e conseguiu ar-
vantagem passou a ser de 13 segundos. rebatar a terceira posição por escassos
Luis M. Rego reagiu no troço crono- 02 segundos.
metrado seguinte, PE 5, mas Rúben Logo atrás deste duo, Luis Pimentel
Rodrigues voltou a ser o mais veloz na levou, com uma condução espetacu-
especial seguinte e o seu avanço era lar e exuberante, o Porsche 991 GT3 ao
então de 12,1 segundos. Rego passou ao quinto posto. Bruno Tavares, ao volante
ataque e conseguiu reduzir nas PE 7 e 8 de um Citroën C2 R2 Max, foi o melhor
para 9 segundos a sua diferença para o entre os utilizadores de viaturas de
líder. O guia do rali foi o mais rápido na tração dianteira, na frente de Ricardo
penúltima classificativa do programa Silva, aos comandos do Citroën Saxo
mas bateu numa pedra logo após a to- Cup. O campeonato açoriano de ra-
mada de tempos. Com a direção quebra- lis volta à estrada a 12 e 13 agosto em
da, Rodrigues foi forçado a abandonar Santa Maria.
quando já via a meta.


F/ >> autosport.pt
FEATURE
27

PENAFIEL
RACING FEST

MARCO OLIVEIRADOMINOUO RALLY
TAÇAJOAQUIM SANTOS

Joaquim Amândio Santos

[email protected]
FOTOS Carlos Nemeth/Rui Santos

Aos comandos de um VW Polo GTI R5 o piloto navegado por Ricardo Sousa C.P. DE DRAG RACING
impôs-se em três das quatro passagens pela Penafiel Street Stage que, LEVOUAO RUBRO MILHARES
depois da anulação das classificativas da zona rural, se transformou no palco DE ESPETADORES
competitivo de um rali que atraiu milhares de espetadores ao centro urbano
de Penafiel Foi perante uma verdadeira multidão que não arredou pé de fio a
pavio do evento, que o C.P. Drag Racing viveu no Penafiel Racing
Avaga de calor intenso e o risco extremo mente por isso significar que inscrevemos o nosso Fest Penafiel a sua segunda prova, que se transformou assim,
de incêndio que provocaram a saída de nome na Taça com nome do Joaquim Santos, que uma vez mais e como acontece sempre neste festival motorizado,
um despacho do governo que limitou a foi sempre um dos meus ídolos nos ralis. Embora numa jornada de grande divulgação desta modalidade tão
circulação em zonas rurais e de floresta, curta, esta foi uma boa primeira experiência com particular.
forçou a organização a encurtar signifi- um carro com este potencial e deixou-nos vontade Novidade absoluta entre os campeonatos oficializados pela FPAK,
cativamente o percurso da 4ª edição do de participar a curto prazo num rali e, quem sabe, a competição tem tido impacto pelo espetáculo proporcionado
Rally Taça Joaquim Santos, sendo célere a propor estudar a possibilidade de em 2023 fazer pelo me- a milhares de espetadores que encheram os dois lados da dupla
uma quádrupla passagem pela Super Especial nos uma mini época”, sendo possível que a dupla pista montada na Variante do Cavalum, junto ao parque da Cidade
traçada na cidade de Penafiel, esquema que agra- possa vir a participar com o VW Polo GTI ou no Rali de Penafiel.
dou às equipas, que não arredaram pé do evento de Mesão frio ou no Rali Vidreiro. Seis dezenas de pilotos amadores competiram, esgotando as
e colocaram na partida 45 carros, naquela que é a Neste regresso pontual, Jorge Santos voltou a de- inscrições, com muitos a ficar de fora.
competição cartaz de um dos festivais motoriza- monstrar a sua rapidez e foi 2º da geral. O último lu- Quanto à competição pura e dura, registo para o domínio do
dos mais ecléticos e que, ano após ano, cimenta a gar do pódio foi disputado taco-a-taco por vários ‘musculado’ VW Polo de José Realista entre os Pro 4X2, tendo sido
sua posição. pilotos, fazendo Ernesto Cunha e Rui Raimundo secundado no pódio por Pedro Isidoro , aos comandos de um
A Street Stage, percorrida em piso de paralelo, fazer valer o estatuto de líderes do CPE 2RM, já no Citroen AX e por Daniel Correia, num Golf MK1.
escorregadio e abrasivo, foi fazendo as suas ‘ví- cair do pano, chegando ao 3º posto absoluto na úl- Já na Categoria Street, os triunfos pertenceram a Tiago Pereira
timas’ entre o pelotão começando logo por Vítor tima especial, a 12,9s dos vencedores. (BMW M4) entre os competidores na Street Gasolina Turbo,
Ribeiro, no habitual Citroen DS3 R5, que perdeu Rafael Cardeira e Luís Boiça colocaram o Renault enquanto Joaquim Rocha levava o seu Honda CRX à vitória nos
muito tempo com um pião. Quem demonstrou a Clio 4RS do Sporting CP no 2º lugar, com Paulo Street Atmosféricos, Leandro Rodrigues levava um Seat Îbiza ao
sua supremacia logo desde o início viria a ser a du- Roque e Luís Ramalho a levarem o seu Peugeot domínio nos Street 4x2 Diesel e David Nunes, tripulando um BMW
pla Marco Oliveira/Ricardo Sousa (VW Polo GTI R5) 208 Rally4 ao 3º posto. M140i repetia a façanha nos Street 4x4.
que rubricou o melhor tempo das duas primeiras O Rali Taça Joaquim Santos possuía no seu regula-
passagens, terminando o 1º dia na liderança, com mento particular uma classe destinada aos tração
2,3 segundos sobre a dupla penafidelense João traseira, a 2RW, que consagrou o BMW 316 de Luís
Vinha/Pedro Moura (Mitsubishi Lancer EVO VI). Moreira e Luís Manuel Moreira, na frente do Porsche
Jorge Santos/Alexandre Rodrigues (Skoda Fabia 991 GT3 Cup de Vítor Pascoal e Martim Azevedo e
S2000) eram 3º a 3,9s. do Opel Kadett C de Rui Fonseca e Leandro Silva.
No segundo dia de competição, os lugares do pódio Daniel Pacheco e Daniel Pereira fecharam o pó-
sofreram mudanças, exceção feita ao líder. dio da 4WD, logrando ainda levar o seu Mitsubishi
Jorge Santos venceu a 3ª passagem, passando para Lancer Evo ao 4º posto da geral.
2º, a 3,6 segundos de Marco Oliveira, enquanto João 24 equipas conseguiram terminar a prova, cuja
Vinha dava um toque e foi forçado a desistir. festa final na Fun Zone do evento se transformou
Na derradeira passagem, Marco Oliveira voltou a im- num exemplo daquilo que deve ser uma festa rija
por o Polo GTI R5, vencendo a especial e concluindo de fecho de um evento motorizado, carregada de
o rali com 4,7s sobre Jorge Santos, vencendo à geral: animação musical e gastronómica que entrou ma-
“Estamos muito felizes com esta vitória, principal- drugada adentro.


28 wrc/ não ser que a indústria se defina muito
CAMPEONATO DO MUNDO DE RALIS rapidamente e se encontre o caminho
‘definitivo’, o que está para já muito longe
SDÓIZCEOTMMRÊ‘ESSLIÉMMTA’R..R.IMCCOAASSS de acontecer.
Três marcas estão a ponderar rumar à categoria de topo Os atuais regulamentos vão manter-se
de pirâmide dos ralis no Mundial de Ralis, os Rally1, mas só até 2024, e mesmo em 2025 as coisas não
se os regulamentos contemplarem carros elétricos. A curto vão mudar muito - pelo menos é isso que
dizem os seus responsáveis ‘oficiosamen-
prazo, nem pensar, a médio, logo se vê… te’ - provavelmente um sistema híbrido
com capacidade para fazer especiais in-
José Luís Abreu teiras em modo puramente elétrico, por
[email protected] exemplo, a não ser, como já referimos
FOTOS @World/André Lavadinho que algo dê uma volta de 180º na indústria
automóvel e todos passem a rumar para
Há muito que o Mundial de Ralis o mesmo lado, ou pelo menos a gran-
pondera qual o melhor cami- de maioria. Nesta altura ninguém sabe
nho a seguir, qual a forma de muito bem o que vai acontecer porque os
seduzir mais construtores, mas políticos, pressionados, tomam decisões
depois da crise mundial de 2011, drásticas de coisas que percebem pouco e
quando tudo estava prestes a isso está criar muita indefinição por todo
endireitar-se verdadeiramente, veio a o lado, o que não ajuda nada a conjuntura
incerteza do caminho para a indústria no mundo que já dura desde 2020, com a
automóvel com a pressão verde, e como pandemia e agora com a guerra.
se não bastasse, chegou a pandemia em Da Alpine, já se sabe há muito que só vem
2020, que fez cair as vendas de automóveis para o WRC, só se for elétrico.
em todo o mundo para níveis que não se
imaginavam.
Por fim, para juntar insulto à injúria, o Sr.
Valdimir Putin lembrou-se de fazer uma
guerra, numa altura em que muito preços
já oscilavam para cima em várias indús-
trias no mundo, e agora está instalado o
caos e tudo começa nos preços do petró-
leo. No meio disto tudo, a Fórmula 1, que
encontrou a fórmula certa de espetáculo,
está bem e recomenda-se, mas o Mundial
de Ralis está “muito tremidinho”...
Segundo se sabe, mais três marcas que
ponderam vir para o WRC se este se tornar
elétrico são a Alpine, Skoda e o Stellan-
tis Group, que como se sabe tem no seu
grupo, entre outras, várias marcas com
muita história nos ralis, como a Citroën,
Peugeot, Opel, Fiat… e Lancia.
Desde 2019, com a saída da Citroën que
o WRC tem apenas três construtores,
Toyota, Hyundai, e Ford a ‘meio gás’ com
a M-Sport.
Este ano foi dado o primeiro passo para
um WRC mais sustentável, com a entrada
em liça dos híbridos e combustíveis sus-
tentáveis, mas fazer a vontade a estas três
marcas e mudar para elétricos, a médio
prazo, não vai acontecer, nem para elé-
tricos, nem para outra coisa qualquer, a


>> autosport.pt

29

OPINIÃO | QUE FUTURO PARAOS RALIS?

Na melhor das hipóteses, lá para 2028. A propósito da Gala WRC50 que teve lugar depois disso, aliás muito antes disso, lá vai com paliativos.
Mudar para elétricos em 2025 está fora na Exponor durante o Rali de Portugal, era vai ter que ser tomada uma decisão, O WRC precisa mesmo de atrair novos
de questão para a FIA e para o Promotor, perfeitamente natural que com tanta ‘massa que provavelmente passa por baixar construtores, e isso ainda mais se
mas a federação, ainda assim, mantém a crítica’ junta, se falasse dos ralis e do seu drasticamente os custos dos carros de topo. agrava pelo facto de a Hyundai dar a
mente aberta, porque de certeza que se futuro. Há correntes de todo o tipo e feitio, Talvez se vá agarrar nos atuais Rally2, entender que sempre se manifestou
lhe surgissem 6 ou 7 marcas a dizer que mas nota-se que existe preocupação com o dotá-los de um kit híbrido bem melhor que o insatisfeita pelo trabalho que o
entrariam no WRC se fosse elétrico já em futuro dos ralis ao mais alto nível. atual, ‘kitar’ um bocado os carros da forma promotor tem feito para garantir o
2025, a FIA mudava as regras. Mas não há drama, porque há soluções. mais barata possível de modo a que pelo retorno do avultado investimento
‘Follow the money’ dizem os americanos, Podem é não ser do agrado de todos… menos as marcas que já têm Rally2 possam coreano. Na transição para a era híbrida,
e com razão… O grande problema dos ralis hoje em dia é dar o salto. a decisão sobre a sua continuidade
E isso aplica-se a outras alternativas, mas que as marcas têm muita dificuldade em Não estou a ver outra solução para os ralis terá estado tremida (a marca coreana
o que a FIA espera é que a tecnologia das justificar os investimentos que fazem nas de topo num curto prazo, pois mudança para sempre se mostrou apologista da
baterias evolua, porque sabe que a curto suas equipas face ao retorno que os ralis elétricos teria como consequência direta tecnologia que recorre a combustível
prazo não vai conseguir fazer ralis fa- dão a essas mesmas marcas. a alienação de uma percentagem muito ‘celular’) e houve sério risco do cenário
cilmente sem que a tecnologia evolua Sem dúvida que é bom para as marcas que grande dos atuais adeptos. ficar ainda mais preocupante. Parece
muito, porque uma coisa é ter baterias estão no WRC, pois muita gente vai comprar O WRC já tem uma categoria de elétricos, que fica pelo menos até 2025.
para carros do dia a dia que façam 500 Km, os seus carros por causa da ligação aos na base da sua parâmide, o Rally5e, que se Por isso, cada vez mais se fala na
que já há muitos, mas para competição a ralis, mas se isso fosse um bom negócio vai desenvolvendo lá pelo meio, ‘correndo’ solução que passa pela redução
‘coisa’ “FIA mais fino”. É a expressão certa! existiriam muitos mais construtores no em paralelo com a categoria principal, mas substancial de custos como o fator
A FIA irá reunir com o Promotor e as mar- WRC, e este não é só um mal do Mundial elétrico no topo penso que seria um enorme necessário para atrair outras marcas.
cas para discutir os futuros regulamentos de Ralis mas da maioria das competições erro. Veja-se o que sucedeu no ralicross Seja como for, algo tem de ser feito…
da WRC nas próximas semanas, onde vai motorizadas, exceção feita à F1. (World RX), que continua engasgado quanto E ainda há outro pormenor, embora este
ficar a conhecer propostas e ideias que Nos últimos anos a Fórmula 1 teve a sorte aos seu arranque… seja transversal a todos os desportos
serão apresentadas para as diferentes de aparecer um Drive to Survive que trouxe E depois há outra questão que o atual motorizados. Veja-se como tem crescido
categorias da pirâmide dos ralis. e continua a atrair adeptos para a disciplina, Promotor do WRC vai ter que lutar com a comunidade dos simuladores de
isso, aliado ao facto dos últimos dois ou três grande dificuldade. ‘corridas’, sejam F1, pistas, ou ralis.
anos ter havido muita competitividade em Tivesse o WRC o mesmo interesse nos Achava-se que trariam adeptos para os
pista, e agora a F1 está a aproveitar esse restantes países que têm em Portugal e a desportos motorizados. Sim, é verdade,
balanço. E os seus responsáveis estão a modalidade estava muito bem, mas não é mas não na quantidade desejada. As
trabalhar bem, valha a verdade… assim, e apesar do WRC ter muitos adeptos, novas gerações não estão a ganhar
O que está a suceder ao WRC é consequência não tem o que as marcas gostavam e gosto pelos desportos motorizados
direta da indefinição e transição anárquica precisavam de ter para justificar os seus ‘verdadeiros’, (mais uma vez, alguns
que o mercado automóvel está a sofrer em investimentos. sim mas não os que se desejavam), mas
todo o mundo, o que já sucede há alguns Portanto, se o investimento é caro, há que sim a ganhar gosto por eles próprios
anos, com uma pandemia, e agora com uma adequá-lo ao putativo retorno, porque competirem uns com os outros nas suas
guerra pelo meio. mesmo com uma grande alteração no tipo comunidades.
Como é que uma marca que esteja à procura de carros de topo, talvez se percam alguns Essa sim, os simuladores em particular
do seu caminho pode sequer pensar em vir adeptos, mas na história do WRC isso já e a comunidade de ‘Games’ cresce
para o WRC quando não sabe qual vai ser o sucedeu de 1986 para 1987 e o bom trabalho desalmadamente em todo o lado.
caminho da indústria? feito a seguir recolocou rapidamente os ralis E porquê mais jovens não se tornam
Só há uma solução a curto prazo para os no seu bom caminho. adeptos da F1, WRC, etc?
ralis se manterem à tona – nem sequer Quando a era WRC se iniciou em 1997 já Porque a simulação está cada vez mais
admitimos ser possível um ‘boom’ de ninguém lamentava o espetáculo que davam perto do real e para a grande maioria
crescimento, simplesmente uma solução de os Grupos B, porque os WRC em nada eram isso chega-lhes.
transição que seria suficiente por mais uns piores. Bem antes pelo contrário. Muito mais Para quê apoiar outros, se podem
anos até que os mercados finalmente se seguros e também muito espetaculares. apoiar-se a si próprios?
definam e se possam estabelecer caminhos Foram as crises pós 2010 que tramaram E como é que desconfio fortemente
certos. o mercado automóvel e por inerência o disso? Conheço dezenas de ‘malta’ dos
Estes Rally1 vão sobreviver até 2024, e WRC, e enquanto isso não estabilizar, só ‘sims’, e 10% foi ao Rali de Portugal…


E/30
ENTREVISTA

DOMINGOS SPORT/RICARDO DOMINGOS

“QUEREMOSQUE
ASCOISAS MELHOREM
PORQUE TODOS TEMOS
AGANHARCOMISSO”

A Domingos Sport é uma es-
trutura de Alcanena, Santarém,

que assiste e prepara carros
de ralis. A equipa tem vindo
a crescer a olhos vistos e no
recente Rally de Lisboa assis-
tiu... 17 carros. Conversámos um
pouco com Ricardo Domingos,

líder da equipa...

José Luis Abreu tros temas importantes para discutir, 17 carros. Quase 100% dedicada aos ralis, cendo e com ela o desenvolvimento
[email protected] conversámos um pouco com Ricardo tem vindo a crescer paulatinamente da equipa.
FOTOS ZOOM Motorsport/ Domingos, líder da Domingos Sport, como estrutura, na direta proporcio- Neste caminho, alcançou até aqui inú-
Nuno Dinis Photo que para além da sua equipa, tem con- nalidade que novos pilotos mostram a meros títulos de regionais, Campeo-
tribuído também para tentar melhorar sua confiança no trabalho da equipa. natos de Clássicos, Open, duas rodas
Estivessem os ralis em Portugal os ralis em Portugal, tentando com a Começou em 2000 com o Luís Mota, um motrizes, e agora trabalha para chegar
ao nível de pilotos como estão federação e com os pilotos chegar a uma piloto que não necessita de qualquer a algo mais.
as estruturas que os suportam, plataforma que seja mais confortável tipo de apresentação e que milita nos Entre vários assuntos que conversámos
e as coisas estariam ainda me- para todos e que acabe de uma vez ralis em Portugal desde 1999, tendo já com Ricardo Domingos, líder da equipa,
lhores! A paixão pelos ralis em por todas com os atuais altos e baixos bem mais do que 300 ralis no palmarés conta-se a questão dos Campeonatos
Portugal reflete-se de diversas que se têm visto nos ralis em Portugal. e vários títulos pelo meio. Promo e Start, em que o homem forte da
formas e para muitos que não têm a A Domingos Sport é uma estrutura que Desde aí, e do tempo em que Ricardo Domingos Sport tem sido um elemento
possibilidade de a explanar de volante tem vindo a crescer muito nos últimos Domingos navegava Luís Mota no Opel aglutinador pois tem vindo a trabalhar
na mão ou a ‘cantar’ notas, não é muito anos, tendo no recente Rally de Lisboa Kadett GSI 16v, já lá vão mais de duas na defesa dos interesses comuns dos
menor a adrenalina de um mecânico assistido um surpreendente número de décadas, em que a confiança foi cres- pilotos que representa, e não só: “Te-
quando o ‘seu ‘ carro chega à assistên-
cia. Como se de um bebé se tratasse!
Como exemplo podemos dar a Domin-
gos Sport, que no fim de semana do
Rally de Lisboa assistiu nada menos,
nada mais do que 17 carros. É algo pouco
visto em Portugal...
Nesse contexto, e até porque para além
do visível sucesso da equipa há ou-


>> autosport.pt

31

mos-nos dedicado à competição, que é o e que as coisas estão a levar o rumo que de nome e que eleve a equipa, nunca quantos, mas sei que são muitos…”, dis-
nosso trabalho praticamente a 100% nos estão agora”, começou por dizer Ricardo se consegue chegar a lado nenhum…” se Ricardo Domingos, que admite ain-
ralis, os clientes vão-nos procurando Domingos, que arrancou com a sua “Nós somos o que somos devido aos da mais crescimento para a Domingos
pelo nosso trabalho, pela forma como equipa em 2000, com o Luís Mota, no nossos pilotos e também porque temos Sport: “Falta-nos algo mais, confesso,
estamos na competição, que é sempre saudoso Regional Oeste, quando Mota tido a sorte de ter pilotos bastante bons queremos e estamos a trabalhar para lá
de forma humilde respeitando toda a ainda guiava o Opel Kadett GSI 16v, e e rápidos, que nos têm ajudado nesse chegar. Mas passo a passo sem querer
gente, seja um piloto que venha para que tinha um jovem navegador chama- sentido”, começou por dizer Ricardo ter a fasquia demasiado alta…”
se iniciar ou um piloto que venha com do… Ricardo Domingos: “Depois foram Domingos, cuja equipa, nestes 20 anos,
um carro mais modesto, seja alguém aparecendo mais um ou outro cliente, somou muitos títulos, mas o seu funda- 17 CARROS NO RALLY DE LISBOA
que queira estar no topo.” mais tarde, quando surgiu o Fernando dor… já lhes perdeu a conta, o que é um Para que se perceba um pouco até onde
“Nós trabalhamos para todos da mes- Teotónio foi quem espoletou um bocado excelente sinal, pois são tantos que se já chegou a Domingos Sport, e a con-
ma forma, e penso que possivelmente mais a equipa para o sucesso, porque tornam difíceis de contar: “Títulos regio- fiança que recebe de muitos e variados
por isso e pelo ambiente que vivemos os resultados apareceram, e quer quei- nais, Campeonatos de Clássicos, Open, pilotos de ralis, no recente Rally de Lis-
dentro da equipa, que é um ambiente ramos quer não, uma equipa pode ser duas rodas motrizes, sei que temos boa a estrutura de Alcanede esteve a
familiar, é que chegámos onde estamos, muito boa mas se não tiver um piloto muitos títulos, não consigo quantificar assistir 17 carros: “É efetivamente um


e/E N T R E V I S T A

32

risco, eu sei que é, para ter o controlo este ano a FPAK decidiu reestruturar quem tem um orçamento de 200 ou 300 competição precisa deles e muito. Mas
de tudo isto e conseguir lidar com todas os campeonatos, criou um ‘Promo’ com mil euros por ano para correr ao mais não podemos deixar de respeitar quem
as pessoas, porque somos solicitados 10 provas e três Start, onde só podem alto nível, tem de ser valorizado por está mais abaixo.”
para isto, para outra situação porque correr duas rodas motrizes. isso, temos que nivelar por cima, temos “Existe uma pirâmide nos ralis e a base
um cliente precisa disto ou daquilo, é Se até 2021 sempre tem havido críticas que respeitar muito essas pessoas, a tem que ser mais sustentada, é os car-
preciso ter um grande controlo para quanto ao modelo, número e quantidade
que nada falhe, é difícil.” de provas que realizam, este ano as
“Mas quisemos abraçar este desafio, críticas subiram muito de tom ao ponto
este objetivo, foi uma pressão que co- de termos chegado a ver ralis adiados
locámos sobre nós próprios e correu por falta de ‘quorum’ e boicotes dos
bem, como nós idealizamos.” principais pilotos dos Promo às provas
Assistir 17 carros num rali não é ta- da competição realizadas com o CPR.
refa fácil, ainda mais com carros tão As queixas são por demais conhecidas,
diversificados como os que correm na não vale a pena recordá-las, mas desta
Domingos Sport: “Para trabalhar con- feita tudo indica que as partes têm mes-
nosco é muito simples. Respeito e hu- mo de se sentar, discutir e encontrar
mildade. Respeito de parte a parte, nós uma solução.
respeitamos os pilotos e navegadores Como está dificilmente pode ficar:
e eles respeitam-nos a nós, e humil- “Quando se começou a desenrolar toda
dade, porque não aceito que nenhum esta situação, nós, Domingos Sport e
piloto ou navegador, se sobreponha alguns pilotos, juntámos-nos para fa-
ao mecânico, a quem está a colocar o zer ver à federação qual era a vontade
combustível, o trabalho tem de ser em dos pilotos, o que é que os pilotos real-
equipa e de forma igual e penso que o mente pretendiam, e sinceramente…
bom ambiente que se vive na equipa faço competição federado desde o ano
é um bocado a base do sucesso, por 2000 e há uma coisa que sempre me
assim dizer.” chateou imenso, as pessoas não serem
No Rally de Lisboa, eram 22 pessoas na tratadas de forma igual, e nas provas
estrutura a assistir 17 carros: “Desde do ‘nacional’ isso mexia muito comigo,
quem trata do catering, quem faz as via um tratamento muito diferenciado,
inscrições nas provas e está nas provas os pilotos do ‘nacional’ passavam nuns
a tratar de toda a logística, as pessoas troços, no fim repetiam os troços e os
que estão a colocar combustível, que pilotos do regional só passavam no fim
são cinco, com os abastecimentos re- das segundas passagens nos troços.”
motos, os mecânicos que temos, para “Mais do que isto, as entregas de pré-
lá das que subcontratamos, e tenho que mios, além das estradas estarem sujas,
agradecer muito a estas pessoas porque além de quando passavam os pilotos
sem eles era impossível.” do regional já não estava ninguém na
“E não é só pelo dinheiro que vêm ga- estrada, as entregas de prémios era
nhar, é também pela grande paixão quando já não havia ninguém.”
que têm pelos ralis, é graças a eles que “Davam-lhes o nome dos ‘sem abrigo’, e
estamos aqui porque sozinhos ninguém isso revoltava-me imenso, é óbvio que
consegue fazer nada. Somos muito,
muito gratos a quem nos ajuda…”

PARA ONDE ‘VÃO’ OS RALIS?

Outro tema muito importante para Ri-
cardo Domingos é o facto de conhecer
muito bem a realidade de quem está
nos ralis com menos meios, mas com
a mesma paixão, ou ainda mais que
todos os outros.
Porque a viveu desde o princípio, e sen-
tiu na pele aquilo que hoje defende para
os ralis em Portugal.
Como se sabe, há um braço-de-ferro
entre um conjunto de pilotos, espe-
cialmente do novo Campeonato Promo
de Ralis, e um pouco também do novo
Campeonato Start de Ralis, que tem
sub-divisões em Norte, Centro e Sul.
O ano passado os regionais estavam
divididos em Norte, Centro e Sul, mas


>> autosport.pt

33

ros mais fracos, é as pessoas que vêm solução e não do problema. Queremos FPAK JUNIOR TEAM É BOA NOVIDADE vimos agora jovens aparecer em Castelo
dos regionais, que gostavam e gostam que as coisas melhorem porque todos Branco e Viana do Castelo, e jovens com
de fazer ralis, para mim toda a gente temos a ganhar com isso, até mesmo Mas nem tudo são críticas que Ricardo muito valor, com muita margem para
tem que ter oportunidade de fazer ralis. os pilotos do ‘nacional’.” Domingos endereça à FPAK. Este ano, por progredir, e eu acho que é desta forma
Nem que seja um rali por ano.” “Nós vimos por exemplo na última pro- iniciativa da federação, nasceu o FPAK que conseguimos potenciar, sem descré-
“Como há muita gente, que faz por va do CPR no Rali de Castelo Branco, eu Junior Team, uma competição para jovens dito, sem tirar o mérito de quem quer que
exemplo as Camélias ou o Rali de Lis- penso que para quem está no campeo- pilotos de ralis até aos 25 anos, maiorita- seja, nós não podemos só ter pilotos com
boa e não fazem mais nenhum. E as nato, e que tem patrocinadores e que riamente paga pela FPAK, em colaboração mais de 40 anos a discutir o campeonato
coisas aconteceram um bocado por aí. quer levar os patrocinadores às provas, com um conjunto de equipas. Uma novi- nacional. Temos neste momento o Miguel
Então, juntámos uma série de pilotos, ter um rali com 20 carros a chegar ao dade muito boa para os ralis em Portugal Correia, todos os outros têm mais de 40
algumas equipas que participavam em fim, acho que não é positivo, se tiver 40 que bem precisam de jovens a aparecer: anos. Atenção que são pessoas com muito
ralis do regional, falámos, chegámos ou 50, é muito melhor chegar aqui a um “Muito boa, essa é daquelas coisas que valor, Deus queira que façam ralis até ao
a um consenso daquilo que a maioria parque de assistência ver os carros e a em muito tempo não me lembro de ter 60, mas nós temos que ter jovens, eu acho
pretende, porque acho que assim é festa do que são os ralis, verdadeira- visto a federação ter feito algo igual em que nós para podermos ambicionar algo
que deve ser, democracia é assim que mente”, disse Ricardo Domingos que dá Portugal. Pelo menos não me lembro.” mais, para não cairmos em descrédito
funciona, fizemos chegar à federação a sua contribuição para um processo, “Houve algumas coisas como o ‘Onde quando cá vêm pilotos estrangeiros, de-
um documento com o que pretende- que permitiu uma união quase singular está os Às’, agora como iniciativa da fe- vemos potenciar realmente os jovens
mos, a fazer entender à federação que dos pilotos de ralis em Portugal.” deração não me lembro de algo assim, e que temos em Portugal.”
o Start e o Promo, separados como a federação está mesmo de parabéns,
estavam, não iria funcionar, e não te- Gonçalo
mos mercado para ter um CPR, Promo, Henriques/António
Start. Tentar fazer a FPAK perceber Santos é a dupla
que as coisas não podem ser feitas da Domingos
desta forma.” Sport presente no
“A federação entendeu que tinha de ser FPAK Júnior Team
como queriam, então os pilotos decidi- 2022
ram unir-se e dizer que não queremos
estar juntos com o CPR, pelo menos nos
moldes em que estão, não faz sentido.”
“As pessoas que querem fazer provas
com o CPR pondera-se poder fazer isso,
mas tem de ser com equidade. Serem
tratadas de forma igual. OK, os Promo
podem fazer menos troços, ter menos
tempo de antena na imprensa, mas
queremos ter o mesmo tratamento, e
a partir daqui é que as coisas se desen-
volveram para o que está a acontecer.
Agora é conversar com a federação
relativamente ao que pretendemos para
o próximo ano e a partir daí vermos
como fica. Queremos fazer parte da


N/34
NOTÍCIAS

FÓRMULA 2, SPIELBERG LEIA E ACOMPANHE TODAS
AS NOTÍCIAS EM AUTOSPORT.PT
ARMSTRONG E SARGEANT
VENCEM NA ÁUSTRIA

As duas corridas da ronda da Áustria da Fórmula 2 foram
vencidas por Marcus Armstrong e Logan Sargeant, mas Felipe
Drugovich mantém a liderança do campeonato

N a segunda corrida do fim de semana, posto até a curva 3, onde conseguiu finalmen- substituir Ralf Boschung (lesionado) conse- bou em quinto.
várias penalizações e uma desclassi- te desembaraçar-se da pressão do japonês. guiu passar para segundo, sendo penalizado No entanto, após o término da cerimónia do
ficação moldaram o resultado final. Ainda no início da corrida Marcus Armstrong pouco depois com cinco segundos por exce- pódio, a desclassificação de Verschoor, por
A primeira corrida do fim de semana ficou parado em pista, o que motivou a en- der os limites de pista. não ter a amostra de combustível necessária
da F2 acabou por sorrir a Marcus Armstrong trada do Safety Car. O final da corrida chegou pouco depois e para a FIA no seu carro, e Daruvala foi pena-
(Hitech GP), com um desempenho dominante Após esse período, Verschoor estava mais rá- Richard Verschoor venceu pela segunda vez no lizado depois da sua equipa ter tentado se-
em que liderou de início a fim. pido e começou a ganhar vantagem. Na volta ano. Seguiram-se Merhi, Daruvala, Sargeant e car a pista à volta do seu espaço na grelha,
Armstrong largou bem e aguentou a liderança, 7 era terceiro e em meia volta chegou à lide- Enzo Fittipaldi (Charouz Racing System). Mas o que deu a vitória a Logan Sargeant, com o
ficando à frente de Théo Pourchaire (ART Grand rança, depois de ter largado do oitavo posto. com tantas penalizações a serem aplicadas, pódio a ser preenchido por Enzo Fittipaldi e
Prix). A classificação poderia sofrer bastantes Jehan Daruvala (Prema), também com slicks, Sargeant ganhou lugar no pódio e Merhi aca- Roberto Merhi.
alterações devido aos excessos dos limites de e Roberto Merhi (Campos Racing) chegaram
pista. Nas últimas voltas, Pourchaire perdeu à frente do pelotão, enquanto os pilotos com
tempo e Jack Doohan (Virtuosi Racing) iniciou pneus de chuva começavam a entrar nas bo-
o seu ataque pelo segundo lugar. No entanto, xes para trocar de pneus
Pourchaire aguentou o segundo lugar e Doohan Na frente, Verschoor tinha mais de 6 segundos
ficou-se pelo terceiro posto. Seguiram-se de vantagem e na volta 15 entrou nas boxes
Felipe Drugovich (MP Motorsport) e Jüri Vips para a sua troca de pneus, mas manteve o
(Hitech GP) a fechar o top 5. primeiro lugar após a paragem.
Muito diferente foi a vitória de Richard A ordem, depois de todos terem parado, era
Verschoor (Trident) na corrida principal. O Verschoor, Daruvala, Merhi, Lawson, Sargeant,
piloto beneficiou de uma boa estratégia, es- Fittipaldi, Hauger, Vesti, Iwasa e Ollie Caldwell.
colhendo pneus slicks com a pista molhada Entretanto, vários pilotos foram penaliza-
nas primeiras voltas. Os pilotos da frente dos por excederem os limites de pista re-
começaram a corrida com os pneus de chu- petidamente durante a corrida, alterando a
va quando se notava uma trajetória seca em classificação. Nas voltas finais, a liderança
pista ainda na volta de formação. de Verschoor não parecia estar ameaçada
No arranque, Jüri Vips largou melhor e agar- e Daruvala estava pressionado por Roberto
rou o primeiro lugar, seguido de Frederik Vesti Merhi, que pouco depois ficava à mercê de
(ART GP) que arrancou da pole position e que Logan Sargeant (Carlin). Mas o experiente
lutou com Ayumu Iwasa (DAMS) pelo segundo espanhol que foi chamado pela Campos para

CORRIDA 1 HITECH GP 36:38.856S CORRIDA 2 CARLIN 55:44.500S
1 MARCUS ARMSTRONG ART GRAND PRIX +1.098S 1 LOGAN SARGEANT CHAROUZ RACING SYSTEM +0.514
2 THÉO POURCHAIRE VIRTUOSI +2.169S 2 ENZO FITTIPALDI CAMPOS RACING +1.618S
3 JACK DOOHAN 3 ROBERTO MERHI


>> autosport.pt

35

FÓRMULA 3, SPIELBERG

VITÓRIASDEPILOTOS DAREDBULL
JUNIOR TEAM

No fim de semana da Fórmula 3 no Red Bull Ring, venceram as
duas corridas pilotos da Red Bull Junior Team. Foram por isso
dois triunfos “caseiros” em Spielberg

AJak Crawford (Prema) coube vencer a corri- e Crawford venceu. CORRIDA 1 PREMA 32:50.011S
da Sprint da ronda austríaca da F3, depois Pelo segundo fim de semana consecutivo Isack 1 JAK CRAWFORD MP MOTORSPORT +0.626
de ultrapassar Caio Collet (MP Motorsport) Hadjar (Hitech GP) sentiu o sabor da vitória na 2 CAIO COLLET VAN AMERSFOORT RACING +1.020S
que liderou quase toda a corrida. Franco Fórmula 3, mas desta vez na corrida principal e li- 3 FRANCO COLAPINTO
Colapinto (Van Amersfoort Racing) fechou o pódio derando de fio a pavio em piso molhado, levando a HITECH GP 40:34.535S
e Arthur Leclerc (Prema) terminou “colado” aos melhor sobre Victor Martins (ART Grand Prix), que CORRIDA 2 ART GRAND PRIX +3.251S
três primeiros, falhando por muito pouco uma ainda tentou pressionar o líder mas sem suces- 1 ISACK HADJAR PREMA +4.881S
posição de pódio. so, e Ollie Bearman (Prema) que fechou o pódio. 2 VICTOR MARTINS
Caio Collet arrancou da pole position, mas perdeu a Os pilotos começaram a corrida atrás do Safety Car 3 OLLIE BEARMAN
liderança ainda na volta 1 paraJuan Manuel Correa durante duas voltas devido às condições da pis-
(ART Grand Prix). Também Franco Colapinto ultra- ta molhada e após esse período, Hadjar e Martins
passou Jak Crawford e assumiu o terceiro posto. escaparam a Bearman na liderança do pelotão. Os
Após um curto período de Safety Car, à passagem dois pilotos ficaram juntos durante algumas voltas
pela meta para a sexta volta, Correa sentiu proble- até que Hadjar conseguiu construir uma vantagem
mas no carro e foi obrigado a abandonar a corri- confortável para Martins. O Safety Car teve de en-
da. Collet ficou na liderança do pelotão, enquanto trar em pista para ser possível a retirada do mono-
Crawford ultrapassou Colapinto e passou para a lugar do piloto português Zdenek Chovanec. Esse
segunda posição. Depois de mais um SC, Crawford período anulou a vantagem que Hadjar tinha para
atacou Collet e conseguiu com sucesso passar Martins, no entanto o líder da corrida defendeu-se
para a liderança da corrida. Até ao final da corri- bem e conseguiu manter a liderança, terminando a
da as posições cimeiras não sofreram alterações corrida com 3.251s de vantagem para Martins.


N/N O T Í C I A S

36

MANUEL ESPÍRITO SANTO SOMA
PONTOS IMPORTANTES NA F4
ESPANHOLA

Manuel Espírito Santo disputou a competição, Manuel Espírito Santo TRIPULAÇÃO DA CP RACING VENCEU
quarta jornada do Campeonato de considera: “Que a falta de treino na pista AS 24 HORAS DE PORTIMÃO
Espanha de Fórmula 4 que no fim de belga condicionou o desempenho pese
semana se disputou no circuito de embora o quinto lugar na qualificação A CP Racing conquistou a sua primeira o Cupra DSG TCR #159 (Kantadhee Kusiri/
Spa-Francorchamps na Bélgica. O 1 tenha sido bastante bom dadas as vitória à geral nas 24H Series, com o Kantasak Kusiri/Anusorn Asiralertsiri/Tanart
jovem piloto português conseguiu um condicionantes. Na qualificação 2 cometi primeiro lugar na corrida de Portimão. Shane Sathienthirakul/Pasarit Promsombat) da
duplo sétimo lugar nas duas primeiras uns erros e não fui além da 11ª posição”, Lewis, na sua 60ª prova de 24 horas, levou a BBR.
corridas e foi nono na terceira. No final começou por dizer. tripulação da estrutura norte-americana do A versão de pré-produção da mais recente
soma pontos importantes que o mantêm As corridas tiveram histórias diferentes: Mercedes-AMG GT3 Evo (Charles Espenlaub/ evolução do BMW M4 GT4 fez a sua estreia
na 10ª posição do campeonato, mas “Na primeira fiz um mau arranque devido Charlie Putman/Joe Foster/Shane Lewis.) #85 na corrida 24 Horas na ronda de Portimão.
mais perto dos adversários à sua frente. devido a problemas de embraiagem. Caí à vitória, com 36,612 segundos de vantagem O desenvolvimento do novo M4 GT4 começou
No final do fim de semana de vários lugares mas depois foi sempre sobre o Audi R8 LMS GT3 Evo II #18 da em setembro de 2020.
a recuperar até ao sétimo. Na corrida Phoenix Racing que tinha conquistado a pole “Assumimos o desafio de desenvolver
2 fiz um bom arranque, mas foi uma position. um sucessor para a primeira geração
prova difícil e disputada. Repeti o O Mercedes #85 recuperou a liderança, de grande sucesso do BMW M4 GT4”,
sétimo posto. Na última prova do fim depois de uma paragem tardia do Audi. explicou o CEO da BMW M, Franciscus
de semana a sair do 11º lugar recuperei O Ferrari 488 GT3 Evo 2020 #22 (Georg van Meel, antes da corrida portuguesa.
até ao oitavo, mas depois com bandeira Weiss/Leonard Weiss/Jochen Krumbach/ “Utilizando uma vasta gama de feedback
vermelha fui remetido para 9º. Foram os Daniel Keilwitz/Indy Dontje) da WTM Racing dos clientes, a nossa experiente equipa
resultados possíveis num fim de semana completou o pódio à geral em terceiro. de desenvolvimento e o novo carro de
duro de competição”, explicou. O Lamborghini Huracan Super Trofeo, produção da sexta geração BMW M4 levou
O campeonato espanhol faz agora o seu da Leipert Racing, venceu na classe a um BMW M4 GT4 mais rápido, ainda mais
interregno de verão para regressar a 2 e GTX, enquanto o BMW M4 GT4 Concept fiável e muito emocional”.
3 de setembro no Motorland Aragón. terminou em 12º lugar na geral, após Os pilotos da BMW Junior Team Daniel
vários contratempos, incluindo vários Harper, Max Hesse, Neil Verhagen e Jörg
RONDA DE BRAGA DO CPV, TROFÉU MINI furos e uma paragem longa na garagem. Weidinger foram os pilotos aos comandos do
E GROUP 1 CANCELADA Entretanto, na classe TCE a vitória foi para BMW, que ainda tem de ser homologado.

A falta de acordo entre as entidades da prova, achamos por bem cancelar as CORRIDA 1
responsáveis, que têm impedido as obras nossas corridas em Braga. É obviamente
necessárias no Circuito Vasco Sameiro, de lamentar este cancelamento, pois este 1 CHARLES ESPENLAUB/CHARLIE PUTMAN/JOE FOSTER/SHANE LEWIS MERCEDES-AMG GT3 718 VOLTAS
em Braga, motivaram o cancelamento do é um circuito muito acarinhado pelos +36.612
evento do Campeonato de Portugal de nossos pilotos e equipas. Temos uma 2 MICHAEL DOPPELMAYR/ELIA ERHART/PIERRE KAFFER/SWEN HERBERGER AUDI R8 LMS GT3 EVO II
Velocidade (CPV) inicialmente agendado enorme vontade de voltar a ver as nossas +3 VOLTAS
para os dias 1 e 2 de outubro, com provas competições em Braga e torcemos para que 3 GEORG WEISS/LEONARD WEISS/JOCHEN KRUMBACH/DANIEL KEILWITZ/INDY DONTJE FERRARI 488 GT3 +28 VOLTAS
a contar para o Group 1 Portugal e Troféu tal seja possível num futuro próximo.” +29 VOLTAS
Mini, além das corridas do referido CPV. Esta prova não será substituída nos 4 AYRTON REDANT/BERT REDANT/YANNICK REDANT/SAM DEJONGHE PORSCHE 911 GT3 CUP (992)
Dada a confirmação por parte do clube calendários das três competições que
organizador – o CAMI – que o processo ficarão com os seus calendários encurtados 5 PHILIPPE WILS/JIMMY DE BREUCKER/KOBE DE BREUCKER/GAVIN PICKERING PORSCHE 911 GT3 CUP (992)
da nova homologação da pista ainda em quatro eventos esta temporada.
não começou, o promotor do CPV, a Race Tanto o Campeonato de Portugal de RALLY DE PORTUGAL HISTÓRICO DE NOVO
Ready, viu-se obrigado a cancelar o evento Velocidade (CPV) by Hankook como o Group NO ‘CARTAZ’ DO ESTORIL CLASSICS
agendado, apesar da vontade em regressar 1 Portugal e o Troféu Mini regressam à pista
este ano ao Circuito Vasco Sameiro. ainda este mês, no programa do Algarve O Rally de Portugal Histórico 2022 vai e a chegada nos emblemáticos Jardins do
Para o CEO da Race Ready, Diogo Summer Festival, evento que está agendado disputar-se entre os próximos dias 3 a 8 Casino Estoril, o que, por si só, é a garantia
Ferrão: “dada a indefinição em que nos para o fim de semana de 30 e 31 de julho no de outubro, perfilando-se, mais uma vez, de uma considerável moldura humana.
encontrávamos a menos de três meses Autódromo Internacional do Algarve. como uma prova de Regularidade Histórica, Para além da passagem por algumas das
referência entre os principais eventos mais revivalistas classificativas do Rally
europeus da disciplina. de Portugal, assegurada está, também, a
Inserido no cartaz do Estoril Classics, a 16ª já famosa noite de Sintra, que promete ser
edição da prova organizada pelo Automóvel um dos pontos altos da prova, no sexto e
Club de Portugal vai cruzar uma boa parte derradeiro dia do evento. As inscrições para
do território português, sendo disputada a prova decorrem até ao dia 9 de setembro,
em percurso secreto (revelado apenas no sendo o valor da taxa reduzido até ao dia 5
início da prova). No entanto, o traçado vai ter de agosto.
muitas semelhanças com o apresentado no
Rally de Portugal das décadas de 70 e 80, o
que faz antever etapas e secções bastante
técnicas e seletivas.
Reservado a viaturas clássicas fabricadas
entre 1946 e 1989, o Rally de Portugal
Histórico vai ter, mais uma vez, a partida


TT/ >> autosport.pt
TODO-O-TERRENO
37

BAJA ITÁLIA

JOÃO FERREIRA VENCE
PROVA DO CAMPEONATO
DA EUROPA DE BAJAS

Yazeed Alrajhi/Michael Orr (Toyota Hilux Overdrive) venceram
a Baja Itália, terceira prova tanto da Taça da Europa de Bajas,
como da Taça do Mundo de Bajas, cuja competição que vai
passar por Portugal em outubro com a Baja Portalegre 500.

José Luís Abreu Edgar Condenso e Carlos Silva (Ford co minutos atrás. Nonos da geral, foram Michael Braun/Ivo Santos (Ford Ranger
[email protected] Ranger EXR 05 Proto) foram terceiros Felipe Nascimento/João Serôdio (BRP EXR 05 Proto) desistiram na SS2, eram
FOTOS Italian Baja/Massimo Zun na Taça da Europa de Bajas e sétimos da Can-Am Maverick XRS) que começaram 21º da geral.
geral: “prova marcada pela dureza dos em segundo do T3, mas caíram para a Ficam ainda a faltar as provas da Hun-
Os portugueses continuam a traçados, em particular com zonas de sexta posição e no último dia para a 10ª gria, no início de agosto, e a Baja Polónia,
dar cartas na Taça da Euro- rios secos bastante difíceis de transpor, posição do T3, no início de setembro.
pa de Bajas, com João Fer- e onde a gestão cuidada do ritmo e da
reira/David Monteiro (Mini mecânica foram decisivos. Terminar a C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O
John Copper Works Rally) a prova no pódio do evento FIA é a melhor
terminaram a Baja Itália na recompensa pelo trabalho que toda a 1 200 ALRAJHI YAZEED ORR MICHAEL TOYOTA HILUX OVERDRIVE 4:23’01.0 T1/T1.1
segunda posição da geral, vencendo a equipa tem vindo a realizar ao longo
prova reservada à competição europeia: de uma época bastante exigente. Um 2 204 FERREIRA JOAO MONTEIRO DAVID MINI JOHN COPPER WORKS RALLY 5’06.7 T1/T1.1
“Obtivemos uma excelente vitória na evento onde cumprimos igualmente o
prova pontuável para o Campeonato da nosso principal objetivo para todas as 3 405 BATISTA CRISTIANO GRUNENBERG WLADIMIR BRP CAN-AM MAVERICK XRS 22’31.1 T4/
Europa de Bajas! Conseguimos ainda o provas: divertimo-nos bastante. Apro-
segundo lugar à geral, fruto do excelente veito para deixar um agradecimento em 4 206 ZAPLETAL MIROSLAV SYKORA MAREK HUMMER H3 EVO 23’02.9 T1/T1.1
trabalho de navegação do David (Mon- especial ao Carlos Silva, que teve uma
teiro) e de uma assistência de excelência vez mais um papel importantíssimo no 5 404 VENTURA AMERIGO BRUN MIRKO YAMAHA YXZ 1000R 27’29.2 T4/
por parte da ARC Sport, s carro esteve desenhar do resultado final.”
fantástico, estamos naturalmente muito Nos SSV, a dupla brasileira Cristiano 6 401 KOOLEN KEES CECI PAOLO BRP CAN-AM MAVERICK XRS 28’16.4 T4/
felizes, são pontos muitos importantes Batista/Wladimir Grunenberg (BRP
para a Taça da Europa, estou muito con- Can-Am Maverick XRS) venceu o T4 ob- 7 210 CONDENSO EDGAR SILVA CARLOS FORD RANGER EXR 05 PROTO 30’07.0 T1/T1.1
tente com este resultado”, disse o piloto tendo o terceiro posto da geral conjunta,
no final. Com este resultado, deram um batendo Amerigo Ventura/Mirko Brun 8 304 VAN LOON ERIK DELAUNAY SEBASTIEN BRP CAN-AM MAVERICK XRS 30’16.5 T3/
forte ‘pulo’ no campeonato. (Yamaha YXZ 1000R) por cerca de cinco
O polaco Michal Maluszynski, líder do minutos. Kees Koolen/Paolo Ceci (BRP 9 302 NAVARRO SANTI SOLA MARC BRP CAN-AM MAVERICK XRS 35’46.2 T3/
campeonato antes desta prova, era Can-Am Maverick XRS) ficaram em
terceiro da geral à entrada do último terceiro 45s mais atrás. 10 407 PONS EDUARD MENA ORIOL BRP CAN-AM MAVERICK XRS 38’08.2 T4/
dia, mas desistiu, o mesmo sucedendo No T3, triunfo de Erik Van Loon/Sebas-
com Pedro Dias da Silva/Victor Jesus tien Delaunay (BRP Can-Am Maverick 11 301 AKEEL DANIA LICHTLEUCHTER LAURENT BRP CAN-AM MAVERICK XRS 40’48.6 T3/
(VW Amarok), que depois de terem sido XRS) oitavos da geral cinco minutos
quartos na SS1, e quando rodavam em na frente de Santi Navarro/Marc Sola 12 312 NAVARRO PAU LOPEZ PEDRO BRP CAN-AM MAVERICK XRS 49’08.1 T3/
terceiro da geral na SS2 “um toque numa (BRP Can-Am Maverick XRS), líder do
árvore após um ressalto numa zona campeonato no T3, com Dania Akeel/ 13 300 ALVAREZ FERNANDO PANSERI XAVIER BRP CAN-AM MAVERICK XRS 51’37.0 T3/
estreita, levou à quebra do triângulo Laurent Lichtleuchter (BRP Can-Am
inferior e transmissão obrigando-nos Maverick XRS) em terceiro a outros cin- 14 308 SUAREZ RICARDO LOPEZ JAVIER BRP CAN-AM MAVERICK XRS 52’04.4 T3/
a parar a 1 km do final”, explicou Victor
Jesus. Um abandono inglório, eles que 15 307 HOFFMANN BERND CARIGNANI JUAN BRP CAN-AM MAVERICK XRS 52’48.8 T3/
eram segundos no campeonato à en-
trada desta prova. 16 251 BELLINI ALESSANDRO TRIVINI MARCO MITSUBISHI PAJERO 1:02’32.8 T2/

17 303 SEGURA JORDI BRUGUE SERGI BRP CAN-AM MAVERICK XRS 1:02’42.5 T3/

18 201 YACOPINI JUAN CRUZ ACOSTA MATIAS TOYOTA HILUX OVERDRIVE 1:08’59.1 T1/T1.1

19 310 VAN LOON ANJA BAKKER LISETTE BRP CAN-AM MAVERICK XRS 1:15’40.8 T3/

20 309 NASCIMENTO FELIPE SERODIO JAOA BRP CAN-AM MAVERICK XRS 1:18’23.2 T3/

21 400 ALTHEFIRI MSHARI AL KUWARI NASSER BRP CAN-AM MAVERICK XRS 1:22’06.9 T4/

22 406 VALEISA EGIDIJUS VARZA MINDAUGAS BRP CAN-AM MAVERICK XRS 1:25’07.4 T4/

23 250 BROCHOCKI GRZEGORZKOMAR GRZEGORZ TOYOTA LC 200 1:47’24.4 T2/

24 408 VAN DE MARS LINA MARONI GIULIA POLARIS RZR PRO XP 2:17’22.8 T4/

25 306 ALOBAIDAN MASHAEL MONLEOM ARMAND BRP CAN-AM MAVERICK XRS 3:04’51.4 T3/

26 207 VANAGAS BENEDIKTAS SIKK KULDAR TOYOTA HILUX 3:26’30.6 T1/T1.1


>>motosport.com.pt

DUCATI

» V21L

A DUCATI DE MOTOE AVANÇA PARA A FASE FINAL DE TESTES

A Ducati dá um primeiro passo impressionante na mobilidade
elétrica. O protótipo V21L é a primeira moto elétrica de
Bolonha e estará a competir já na Taça do Mundo de MotoE
do próximo ano

Ricardo Ferreira de aquisição de dados. elétrico (21 kg de peso) que alcança nentes do protótipo V21L arrefecidos
[email protected] 150 CV PARA 225 QUILOS! uma velocidade de rotação máxima por um eficiente e particularmente
O resultado no momento é já satisfató- de 18.000 rpm foi desenvolvido por um sofisticado sistema líquido com um
ADucati dá um primeiro passo rio: a Ducati de MotoE tem um peso total parceiro da marca segundo as especifi- duplo circuito, desenhado para ir ao
impressionante na mobilida- de 225 kg (menos 12 kg que os requisi- cações técnicas fornecidas pela Ducati. encontro das diferentes necessidades
de elétrica. O protótipo V21L tos mínimos impostos pela Dorna e FIM Todo o sistema está baseado numa térmicas do conjunto de baterias e da
é a primeira moto elétrica de para uma moto capaz de completar a voltagem de 800V (com o conjunto de unidade motor/inversor. Isto garante
Bolonha e estará a compe- distância de corrida). O protótipo V21L baterias totalmente carregado) para uma extrema regularidade das tem-
tir já na Taça do Mundo de conta ainda com elevados números: 110 maximizar a entrega do motor elétrico peraturas, com importantes benefícios
MotoE do próximo ano. kW (150 cv) e 140 Nm que permitiram e, como consequência, as performan- em termos de consistência da perfor-
“V21L” foi o nome dado à primeira moto atingir uma velocidade de 275 km/h no ces e autonomia. mance, mas também nos tempos de
elétrica da Ducati em Borgo Panigale. circuito de Mugello (Itália) que devem carregamento. Assim, não é necessário
Um protótipo que será usado a partir de ser vistos como uma boa referência SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO esperar pelo arrefecimento do conjunto
2023 no Campeonato FIM MotoE, com inicial. Mas vejamos ao pormenor a Crucial para um motor elétrico que gira de baterias para iniciar o processo e a
um total de 18 motos por fim-de-se- primeira moto elétrica de Bolonha... a elevadíssimas rotações e com alta Ducati MotoE pode ser carregada assim
mana de corrida. O projeto MotoE tem desportiva obviamente, porque é uma voltagem é o sistema de refrigeração. que entra na box, demorando cerca de
relevância estratégica para a Ducati, Ducati! Neste aspeto a Ducati também não se 45 minutos para recarregar até 80% da
visto que tornará possível desenvol- As sua soluções técnicas são únicas. poupou a esforços, sendo os compo- sua autonomia – o que acaba por não
ver competências para o futuro. Para Começando pelo conjunto de baterias, o
a produzir, o fabricante transalpino elemento mais característico e vincula-
criou uma equipa que juntou designers tivo em termos de massas e dimensões,
da Ducati e da Ducati Corse. A criação que no protótipo V21L se caracteriza por
da moto, seguiu o procedimento que uma forma especificamente desenhada
é habitualmente adotado para as mo- para acompanhar o curso natural da
tos de produção. A Ducati R&D teve a secção central da moto. Esse conjunto
seu cargo as atividades de Gestão de pesa 110 kg e disponibiliza uma capa-
Projeto, juntamente com o desenho e cidade de 18 kWh com uma entrada
simulações da unidade motriz elétrica, de carregamento de 20-kW integrada
enquanto o design geral foi entregue na traseira. No interior encontram-se
ao Centro Stile Ducati, que também 1152 células cilíndricas. O inversor, que
criou o esquema de cores. A Ducati converte a energia elétrica de corrente
Corse trabalhou no desenho das partes contínua em energia mecânica (DC),
eletrónicas, nos controlos de software pesa somente 5 kg e é uma unidade
e estratégias, nas simulações da dinâ- derivada de um modelo de alta per-
mica e aerodinâmica e, finalmente, na formance utilizado em competições
montagem da moto, testes e processos de veículos elétricos, enquanto o motor


39

ser um problema, também porque os com bainhas invertidas de 43 mm de disco atuam duas pinças GP4RR M4 MotoGP, graças também ao apoio dos
treinos e corridas da MotoE são sessões diâmetro, derivada da Superleggera 32/36 com uma bomba radial PR19/18. pilotos de teste Michele Pirro, Alex de
bastante curtas. V4, enquanto o amortecedor Öhlins Na traseira, existe um disco de 220 mm Angelis e Chaz Davies. Através do tra-
A caixa em fibra de carbono do conjunto TTX36 que está presente na traseira é de acionamento hidráulico. As equipas balho feito na eletrónica, o objetivo foi
da bateria também age como membro totalmente regulável. O amortecedor de podem também escolher equipar as obter uma resposta ao acelerador como
integrante do quadro, tal como acontece direção é uma unidade regulável Öhlins. suas motos com um comando opcional a de uma unidade endotérmica, e uma
com o motor da Ducati Panigale V4, com O sistema de travagem é fornecido do travão traseiro posicionado do lado resposta aos controlos eletrónicos (tais
um quadro ‘Front Frame’ monocoque pela Brembo à medida dos requisitos esquerdo dos avanços, que o piloto como o Ducati Traction Control, Ducati
em alumínio na área frontal que pesa específicos para uma moto de MotoE. pode utilizar como alternativa ao pedal Slide Control, Ducati Wheelie Control
3,7 kg. A traseira é composta por um O fabricante não refere a travagem de travão. e mapa de injeção/motor), sistemas
braço oscilante em alumínio com 4,8 regenerativa, contando a V21L à frente em tudo semelhantes às motos de
kg de peso e uma geometria como a com um duplo disco em aço com um PARTICIPAÇÃO competição com motor térmico a que
da Ducati Desmosedici que corre em diâmetro de 338,5 m e rigidez acrescida, DA DUCATI CORSE NO PROJETO os pilotos Ducati estão habituados. O
MotoGP. O sub-quadro, que integra a que tem aletas no diâmetro interno com O processo de desenvolvimento da trabalho de desenvolvimento envolveu
secção traseira e o assento do piloto, é o objetivo de aumentar a superfície da Ducati MotoE envolveu a equipa de tes- uma aprendizagem específica e cursos
feito em fibra de carbono. A área da sus- área de atuação térmica e melhorar o tes da Ducati Corse liderada por Marco de treino para todo o pessoal envolvido,
pensão conta, na frente, com uma for- arrefecimento do disco em condições Palmerini, que trabalhou em pista com explorando o conhecimento partilhado
quilha pressurizada Öhlins NPX 25/30 de uso extremo em pista. Neste duplo as mesmas metodologias usadas em no seio do Grupo Volkswagen, para


40

>>motosport.com.pt

garantir a segurança total de pilotos rumo a 2023, o ano em que a Ducati vai viver um momento histórico assim que Por seu turno Vincenzo De Silvio, des-
e técnicos. O facto da Ducati perten- assumir o papel de único fornecedor me sentei na moto”, comentou Claudio tacou a importancia da participação da
cer ao Grupo Volkswagen, que fez da da Taça do Mundo FIM MotoE. Domenicali, CEO da Ducati que teve já marca na MotoE, competição de motos
mobilidade elétrica um elemento es- O próximo objetivo para o fabricante de a oportunidade de pilotar a Ducati de elétricas que acompanha regularmen-
sencial da sua estratégia “New Auto” Bolonha é tirar a vantagem da partici- MotoE. “O mundo está a atravessar um te os fins-de-semana do MotoGP. “A
2030, representa o melhor pré-requisito pação na mais importante competição período complexo e a sustentabilidade competição representa o terreno ideal
para um extraordinário intercâmbio de do mundo para moto elétricas, de modo ambiental é um elemento que todos para desenvolver tecnologias inovado-
competências no campo das unida- a experimentar tecnologias inovadoras, os indivíduos e todas as companhias ras que iremos depois transferir para
des motrizes elétricas. A Ducati está treinar novos talentos e estudar como devem considerar uma prioridade, se motos de produção. Neste momento,
em contacto próximo com o Centro criar, assim que a tecnologia permita, pretendem preservar o delicado equi- os desafios mais importantes neste
de Excelência (CoE) em Salzgitter, na um veículo elétrico Ducati que seja líbrio do planeta. Na Ducati, compreen- campo permanecem os relacionados
Alemanha, mas também com outras desportivo, leve, emocionante e capaz demos esta necessidade e fomos em com o tamanho, peso e autonomia das
marcas do grupo, como a Porsche e a de satisfazer todos os entusiastas na busca de um desafio que nos permitis- baterias, e a disponibilidade de redes
Lamborghini. O plano de trabalho para estrada. se contribuir para o objetivo como de de carregamento”, sublinhou o res-
o projeto Ducati MotoE já atingiu um reduzir emissões de CO₂ e, ao mesmo ponsável máximo do departamento
estado avançado de desenvolvimento UM MOMENTO HISTÓRICO tempo, mantermo-nos fiéis ao nosso de Pesquisa e Desenvolvimento (R&D)
e está a prosseguir a um ritmo elevado “Percebi imediatamente que estava a ADN ligado às corridas.” da Ducati.


41

NOVOS BLUSÕES SPRINT LOGO

A Sprint, marca portuguesa de acessórios e equipamento
de moto, anunciou o lançamento da nova linha de blusões
SPRINT LOGO. A nova gama é composta por seis cores,
sendo de destacar os modelos senhora Sprint Lady Logo
cinza e o Sprint Lady Logo preto/cinza, peças ideais para
as motociclistas que pretendem uma condução segura,
confortável e elegante. Para homens existem 4 modelos
“Logo”: o Sprint Logo cinza, o Sprint Logo preto/vermelho, o
Sprint Logo preto/fluo e o Sprint Logo preto/cinza. Disponíveis
nos tamanhos de S a 4XL têm um PVP de 104,92 euros.

R 1250 GS E R 1250 GS
ADVENTURE 2023

NOVOS RECURSOS E CORES PARA AS GS

A BMW atualiza a R 1250 GS para 2023 com alguns GS 1250 e GS 1250 Adventure e vem com a nova pintura
novos recursos e uma pintura elegante. As alterações Gravity Blue, aros de raios cruzados para a GS, um assento
estão limitadas a uma mudança mínima na eletrónica rally correspondente, pára-brisa Sport mais curto, grelha
de série, novas opções no equipamento e cores. O sis- do radiador, proteção do quadro e pousa-pés Enduro. A
tema de monitorização da pressão dos pneus (RDC) variante Trophy deverá em princípio substituir a versão
anteriormente opcional, estará disponível em todo o GS 40 Anos, disponível anteriormente. Além disso, a
mundo para as GS maiores do ano de 2023 e a unidade opção de pintura Blackstorm Metallic não estará mais
de controle correspondente poderá reconhecer vários disponível para 2023. A BMW ainda não comunicou os
conjuntos de rodas. Além disso, o RDC faz parte do pacote preços das duas GS para 2023.
de conforto opcional. No entanto, os modelos podem ser encomendados nas
A novidade mais notável na GS para 2023 é a nova opção novas configurações a partir de Agosto de 2022 em
de pintura e acabamento Trophy. Está disponível para a todos os concessionários BMW Motorrad autorizados.

VESPA PRIMAVERA 125 PIC NIC ALUGUER DE LONGA DURAÇÃO VMOTO INAUGURA
HARLEY LEASE LOJA EM MILÃO
A Vespa apresentou a sua mais recente versão especial da
gama Primavera. Com um estilo inédito e pleno de glamour, a A Harley-Davidson SPI (Espanha, Portugal e Itália) apresenta Milão, a capital da moda e das duas rodas em Itália, viu
nova Vespa 125 Pic Nic entrou em comercialização este mês uma nova forma dos clientes entrarem no mundo Harley- recentemente inaugurada a “Momentum”, a primeira
no nosso mercado, sendo o veículo ideal para saborear bons Davidson: o Harley Lease. Trata-se de um programa de aluguer loja dedicada às novas tendências de mobilidade urbana
momentos a dois ou em família junto à natureza. Tanto o cesto de longa duração criado com a Leasys, em colaboração sustentável da Vmoto. No futuro a empresa milanesa
em viga como a manta, realçada com o logótipo Vespa Pic com o FCA Bank, para chegar a um público mais amplo de quer levar o novo conceito a outras cidades italianas,
Nic, podem ser convenientemente transportados no porta- consumidores interessados. Este programa contemplará toda igualmente atentas às questões ambientais. A Vmoto
bagagens dianteiro e traseiro cromado que vem de série, com a gama de motos Harley-Davidson, incluindo as mais recentes é uma marca líder no sector da mobilidade elétrica,
um cinto de couro castanho que também serve de pega para Pan America 1250 e a Pan America 1250 Special. Em finais de disponibilizando uma nova geração de veículos 100%
transportar facilmente a manta dobrada. A Vespa Primavera 125 julho este novo programa de financiamento será lançado em elétricos, sustentáveis, confiáveis, eficientes e ecológicos,
Pic Nic tem um PVPR anunciado de 5.810 euros. Espanha e em setembro em Portugal. também no nosso país, através da Moteo Portugal.


42 AUTO+ mais

TOYOTA

» GR86

SALVEM A EMOÇÃO de alumínio, por exemplo, mas outra Para dar uma ajuda, as caixas de ve-
das preocupações foi também a de locidades disponíveis para o GR86, a
Os carros que dão realmente um enorme prazer de conseguir baixar ao máximo o centro manual e a automática que também
condução parecem estar a entrar em extinção, sendo de gravidade, melhorando a sua con- está disponível, foram afinadas para
cada vez menos as marcas que ainda apostam neste dução. E no que diz respeito à estética, conseguir extrair o melhor desempenho
conceito. Felizmente, a Toyota mantém-se como uma também temos de confessar que esta de toda esta configuração, ainda que a
nova opção não se saiu nada mal, com manual seja a que oferece a condução
das que ainda privilegia quem gosta de conduzir uma frente agressiva, mas não de uma mais pura. Além disso, o comando está
forma exagerada e com uma secção posicionado de uma forma perfeita no
André Mendes Depois do Supra e do Yaris, o GR86 é o traseira mais uniforme, mas onde se habitáculo, para que o seu manusea-
[email protected] terceiro modelo global da Toyota a ter destacam as duas enormes saídas de mento esteja de acordo com a condução
sido desenvolvido com a ajuda da Gazoo escape e um spoiler mais evidenciado, mais apurada e a caminho do coman-
Com a eletrificação a entrar em Racing. Este novo coupé, foi já desen- mas integrado na tampa da bagageira. do desta, está também o comando do
força no mundo automóvel, fa- volvido de raiz para ser uma verdadeira Um dos melhores trunfos deste modelo travão de mão manual, que também
zendo com que a grande maioria máquina de condução pura, com uma continua a ser o que se esconde debaixo pode dar uma ajuda nas manobras um
dos construtores tenham de ter dinâmica apaixonante e um desem- do capot. Mas agora, em vez do bloco pouco mais “ousadas”. Até porque, se
uma nova abordagem na conce- penho acima da média. de dois litros, temos um 2.4 também de desejarmos, o controlo de estabilidade
ção dos seus modelos, o verda- Em termos de formato, é fácil associar o cilindros opostos, ou boxer, com uma pode passar para um modo “Pista” mui-
deiro prazer de condução a que estamos novo GR86 ao seu antecessor, ou seja, a potência de 234 cavalos às 7.000 rpm e to mais permissivo, ou ser totalmente
habituados e de que tanto gostamos está configuração de motor à frente e tração um binário máximo de 250Nm, dispo- desligado, deixando a responsabilidade
cada vez com uma maior tendência para traseira, com um habitáculo 2+2 em que níveis a parte das 3.700 rpm. Segundo da mestria ao volante para quem está
desaparecer. No entanto, ainda há marcas os dois lá de trás até é preferível que os valores disponibilizados pela marca, nos comandos do GR86. Com a caixa
como a Toyota que têm a coragem de co- não estejam lá, uma vez que o espaço é a aceleração dos 0 aos 100 km/h faz-se de velocidades automática, estão pre-
locar do mercado verdadeiras máquinas acanhado e apenas acrescentam peso em 6,3 segundos, mas mais do que os sentes patilhas atrás do volante para as
de emoção pura com as quais gostaría- ao conjunto. tempos obtidos, neste caso, o melhor trocas de relação, mas neste caso está
mos de passar muito tempo, por estradas As linhas de coupé estão mais do que é mesmo o feeling de condução trans-
sinuosas e de preferência sem trânsito. garantidas e muito semelhantes às do mitido por esta opção simples, mas tão
Com tudo isto, e como já deve ter imagina- GT86, mesmo em termos de propor- marcante como é o GR86.
do pelas imagens, estamos a referir-nos ções, mas nesta nova opção foi efetuado
à entrada em comercialização do novo um trabalho bastante extenso no que
Toyota GR86 no mercado nacional. Tem diz respeito ao aumento da rigidez do
a missão de substituir o GT86 que sai conjunto e a redução do peso, que se
agora de cena e inclui um novo motor traduziu numa utilização mais extensa
boxer com uma capacidade de 2,4 litros,
que oferece uma potência máxima de 234
cavalos, todos eles encaminhados para o
eixo posterior.


>> autosport.pt/automais

43

também incluído um modo de condução
que permite um controlo manual das
passagens de caixa.
As notícias menos boas ficam para o fim.
É que, além dos 51.345 euros necessários
para a versão equipada com caixa ma-
nual (a automática requer um acréscimo
de 900 euros), as vendas do novo Toyota
GR86 no mercado europeu vão ter uma
duração de apenas dois anos. Afinal,
não nos podemos esquecer que todas
as marcas de automóveis estão numa
autêntica corrida rumo à eletrificação e,
tirando a bateria de 12V, isso é algo que
não acontece com este modelo. A grande
verdade, é que isso apenas o torna ainda
mais exclusivo e desejável.


44 AUTO++ mais

KIA

» SPORTAGE 1.6 T-GDI HEV

HÍBRIDO PARA INICIANTES

A chegada da nova geração do Kia Sportage não podia
ter acontecido em melhor momento. No que diz respeito
a híbridos e elétricos, a marca coreana tem estado
a caminhar a passos largos e a chegada de um novo
e original SUV que inclui quase todas as soluções
em termos de motorizações, encaixa que nem uma
luva nas tendências de mercado

LEIA MAIS ENSAIOS E ACOMPANHE André Mendes condução diurna em forma de boome-
TODAS AS NOVIDADES EM AUTOSPORT.PT [email protected] rang a apontar para o centro da grelha
identificam este modelo, mas os grupos
ComonovoKiaSportage,apenas óticos principais estão fora deste conjunto
não existe uma versão 100% elé- e incluem um sistema completo em LED.
trica. Esse papel está destinado Lá atrás, a estética é mais consensual e até
ao eNiro e ao EV6, por enquanto. relembra alguns detalhes de novos mo-
Em contrapartida, a gama deste delos da marca como o KIA EV6 e a barra
novo modelo inclui versões que horizontal em LED que liga os dois grupos
apenas estão equipadas com um mo- óticos. A diferença é que no Sportage é
tor térmico (gasolina ou diesel), versões meramente decorativa e não inclui os tais
híbridas que combinam o térmico com LED. O que não fica nada mal no conjunto
um elétrico e outras que acrescentam a é o Experience Green escolhido para a
possibilidade de carregar o sistema elé- carroçaria e as jantes de 18 polegadas.
trico através da rede, ou seja, um híbrido
plug-in. Optámos pela solução do meio, HABITÁCULO INSPIRADO NO EV6
o híbrido, que é perfeito para quem está Depois de termos ensaiado o Kia EV6
a dar os primeiros passos na eletrificação. há umas semanas, é fácil reconhecer
A primeira vez que olhamos para a secção diversos dos elementos usados no in-
dianteira do novo Kia Sportage ficamos terior deste novo Sportage. A consola
sempre a pensar se gostamos ou não. central entre os assentos também inclui
É que, na nossa opinião, não é feia nem o comando rotativo da caixa de veloci-
bonita, é apenas diferente do habitual, dades e os monitores da instrumentação
o que nem é uma coisa má. As luzes de (personalizáveis) e do infotainment têm


>> autosport.pt/automais

45

FT/ F I C H A T É C N I C A

1.6 / 230 CV

HÍBRIDO

8.0 S

0-100 KM/H

5,7 L / 5,4 L (AUTOSPORT)

100 KM

129

G/KM- CO2

45 500€

PREÇO VERSÃO ENSAIADA

ESPAÇO A BORDO / EQUIPAMENTO /
GARANTIA

APPLE CARPLAY E ANDROID
AUTO APENAS COM FIO

MOTOR 4 CILINDROS EM LINHA, INJEÇÃO
DIRETA, GASOLINA, TURBO CILINDRADA
(CM3): 1.598 POTÊNCIA (CV/RPM):
230/5.500 BINÁRIO (NM/RPM): 350/1.500-
4.500 TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA
DE 6 VELOCIDADES DIREÇÃO PINHÃO E
CREMALHEIRA, ASSISTIDA ELETRICAMENTE
SUSPENSÃO INDEPENDENTE, TIPO
MCPHERSON/MULTIBRAÇOS TRAVAGEM (FR/
TR): DISCOS VENTILADOS/DISCOS PESO 1.649
KG MALA 587 LITROS DEPÓSITO 52 LITROS
VEL. MÁX. 193 KM/H

ressantes para um modelo deste tamanho
e peso, mas também que consiga impor
um bom ritmo em qualquer viagem. Em
termos dinâmicos, o Kia Sportage até nos
consegue cativar, mas a sua filosofia está
noutro departamento e as estradas mais
sinuosas não estão incluídas.

um visual e um funcionamento muito de enrolar e ter de colocar no encaixe quilómetros, começa o jogo do “durante SISTEMA HÍBRIDO
semelhantes. Mesmo a consola na zona correto dos dois lados ao mesmo tempo, quanto tempo é que consigo manter o AJUDA NOS CONSUMOS
inferior do monitor, com os comandos que é algo que já nem parece deste século. motor de combustão desligado?”. Uma No final do teste, a média indicada pelo
permitem alternar entre o ar condicionado A versão híbrida conta com o nível de vez que não se trata da versão plug-in, computador de bordo era de apenas 5,4
e o sistema de som, também são iguais aos equipamento Tech, já bastante completo, é claro que não estamos à espera de di- litros de combustível para cada 100 qui-
do modelo totalmente elétrico da marca. deixando na lista de opcionais apenas a versos quilómetros em perfeito silêncio, lómetros, o que nos dá a entender que a
Outra das notas positivas é o espaço dis- pintura metalizada (500 €) e o teto de abrir mas a verdade é que o Sportage se faz ajuda da eletricidade é mesmo preciosa
ponível a bordo, não tão amplo como no panorâmico (1.500 €). De resto, tudo pare- deslizar bastante tempo sem consumir em diversos dos momentos do dia-a-dia.
EV6, mas mais do que suficiente para ce estar incluído, não faltando os assentos combustível. Especialmente, os que são passados em
duas pessoas viajarem atrás sem qual- e volante com aquecimento, o sistema Numa utilização convencional e quase cidade, onde as hipóteses de regeneração
quer restrição de espaço e conforto. Até de navegação, os modos de condução, sempre em piso plano, é raro ouvirmos o são mais frequentes e fazem com que os
porque, na fila traseira, também há saídas as camaras de ajuda ao estacionamento motor de combustão a funcionar. Primeiro, números indicados pelo computador de
de ar condicionado e tomadas USB-C e tantas outras coisas. Só ficou mesmo a porque é bastante silencioso e depois bordo sejam bem mais apelativos.
para conseguir carregar a maioria dos faltar a possibilidade de utilizar o sistema porque ele passa mesmo muito tempo A versão híbrida do Kia Sportage é uma
dispositivos portáteis. Na frente, o espaço Apple CarPlay ou Android Auto sem ter desligado. O indicador da carga da bateria excelente escolha para quem ainda não
mantém-se e a posição de condução é de recorrer a um cabo. que se encontra na instrumentação anda está muito dentro do assunto da eletrifi-
muito boa. quase sempre um pouco acima de meio cação e dos modelos que se ligam a uma
Lá mais atrás, esta versão oferece uma EXPERIÊNCIA ou um pouco abaixo de meio. ficha. Inclui uma boa motorização térmica
bagageira com 587 litros de capacidade, DE UTILIZAÇÃO POSITIVA Sobejamente conhecido na Kia e tam- e um sistema elétrico que faz bom uso da
sendo que a partir deste compartimento A versão híbrida do Sportage começa bém na Hyundai, o motor 1.6 T-GDi é base mesma, mas apenas quando é preciso. O
se podem rebater facilmente as costas sempre a viagem em modo 100% elétri- deste sistema, oferecendo 230 cavalos de preço de 43.500 euros pode provocar care-
dos assentos traseiros através de uma co, o que é perfeito para manobras numa potência quando funciona em conjunto tas, mas a campanha de lançamento deste
alavanca na lateral. A chapeleira é que garagem e para começar sempre com com o sistema elétrico. Isto faz com que o modelo inclui uma oferta de 3.700, que faz
tem de evoluir, uma vez que o conceito mais calma. Depois, ao longo dos primeiros Sportage consiga prestações muito inte- o preço descer para baixo da fasquia dos
40 mil euros. Em conjunto com os dez
anos de garantia ou 200 mil quilómetros,
a proposta da marca coreana começa a
ganhar outros contornos.


AUTO+ mais

NOTÍCIAS

TOYOTA
MODERNIZA O
SEU IMPONENTE
HIGHLANDER
COM UM POUCO

MAIS DE
TECNOLOGIA

O SUV de sete lugares da Toyota é a opção perfeita para os assentos como diversos outros acabamentos podem faz com que o Highlander possa passar a receber
quem um RAV4 não chega em termos de tamanho. Mas a receber uma pele de tom castanho. Além disso, mesmo em atualizações remotas do sistema, mapas 3D de diversas
versão atual contava com algumas lacunas que ficam agora frente ao condutor está outra das principais novidades cidades no sistema de navegação, reconhecimento de
preenchidas nesta nova versão. nesta nova versão, que é a instrumentação totalmente sinais de trânsito e informações sobre a localização de
Destinado a chegar ao mercado nacional no início de digital e com um novo grafismo, semelhante à que foi radares fixos. Além de tudo isto, continua a ser possível
2023, a versão atualizada do Toyota Highlander está mais apresentada recentemente com a atualização do RAV4 ligar o telefone ao sistema, através das funções Apple
equipada e moderna, uma vez que passa a incorporar e que deverá também começar a chegar gradualmente CarPlay e Android Auto, sem a necessidade de utilização
alguns elementos que estavam em falta e que tivemos a outros modelos. Tem uma diagonal de imagem de 12,3 de cabos, enquanto o telefone está a carregar por
oportunidade de referir há umas semanas, num teste polegadas e um visual personalizável. indução numa área específica.
efetuado à versão atual. Com o Highlander MY23, é estreada Um pouco mais ao lado, no centro do tablier, o formato O Toyota Highlander impressiona com o seu tamanho,
uma nova cor verde Cypress metalizada para a carroçaria, da maioria dos componentes mantém-se inalterado, mas a presença do sistema híbrido com 248 cavalos de
mas também novas jantes de 20 polegadas num tom mais mas os comandos do ar condicionado automático foram potência combinada faz com que as médias de consumo
escuro, uma combinação bem conseguida para este modelo totalmente revistos e incluem um visual mais moderno e se consigam manter num patamar bastante comedido. E
e que poderá ver como fica nas imagens deste artigo. o enorme monitor tátil de 12,3 polegadas que está acima tal como já acontecia com o modelo atual, por se tratar de
A bordo, os assentos e o volante são forrados em pele, destes, tem mais resolução e novas funcionalidades. A um híbrido, poderá pagar Classe 1 nas portagens se aderir
sendo que na versão Premium, a mais equipada, tanto presença do sistema multimédia Toyota Smart Connect+, ao sistema de pagamento automático da Via Verde.

FORD BRONCO ESTÁ A CAMINHO DA EUROPA
COM O OBJETIVO DE EXPLORAR NOVOS TRILHOS

Depois do anúncio da chegada da Ranger Raptor, a Ford final de 2023, em quantidades muito limitadas e em Além dos sistemas de tração mais desenvolvidos,
volta a surpreender-nos com a informação da vinda do mercados europeus previamente selecionados, em que com cerca de sete modos de condução distintos, o
Ford Bronco até ao mercado europeu, algo que deverá se utilizem modelos com o volante do lado esquerdo do Ford Bronco terá apenas versões de tração integral,
acontecer apenas em 2023. habitáculo. que serão acompanhadas de uma enorme gama de
A Ford começa finalmente a
diversificar a sua presença em acessórios como tendas de campismo,
diversos mercados, não reservando barras de luz, sistemas de transporte de
algumas das suas melhores criações carga e até assentos com revestimentos
às terras do Tio Sam. E depois do laváveis, para que o Bronco se possa
Mustang e do anúncio da chegada da utilizar em qualquer tipo de aventura.
Ranger Raptor, é agora a vez do Ford Enquanto o mundo começa a ser
Bronco atravessar o Oceano Atlântico dominado pelos automóveis elétricos,
e vir visitar o mercado europeu. a Ford propõe uma opção para quem
Segundo as informações ainda deseja continuar a aventurar-se
disponibilizadas pela marca, o Ford pelo desconhecido. E no nosso mercado,
Bronco ficará disponível apenas no modelos com estas capacidades, já há
muito poucos.


>> autosport.pt

47

CUPRA APRESENTA UMA PRÓXIMA GERAÇÃO DO KIA NIRO CHEGARÁ AO
EDIÇÃO LIMITADA DO MERCADO NACIONAL AINDA DURANTE ESTE MÊS
JÁ BASTANTE EXCLUSIVO
FORMENTOR VZ5 O novo Kia Niro deverá chegar ao mercado No habitáculo do novo Kia Niro, a marca tentou
nacional ainda durante este mês, com uma gama otimizar o conforto de várias formas, usando
Chama-se Taiga Grey a edição limitada de apenas 999 bastante completa que inclui uma versão híbrida assentos com um novo formato, mas também um
unidades do Cupra Formentor VZ5, com uma tonalidade e outra totalmente elétrica. conjunto de soluções destinadas a melhorar a
criada especificamente para ela e um interior a condizer. O Kia Niro é um modelo desenvolvido de raiz, qualidade percetível de tudo o que nos rodeia. E
Cupra volta assim a surpreender com o seu desenho já sob os avanços mais recentes da marca, sempre que possível, foram usados materiais de
arrojado e muito emotivo, uma vez que agora prova especialmente no que diz respeito às versões origem mais sustentável, tornando o novo Niro
que consegue criar edições especiais dos modelos eletrificadas, mas um dos seus maiores mais amigo do ambiente.
que já primam pela diferença. Desta forma, e usando o destaques tem a ver com o desenho da carroçaria Para otimizar a quantidade de emissões
exclusivo Formentor VZ5, a marca apresenta agora uma e a sua aerodinâmica. Esta esconde soluções poluentes, o novo Niro HEV, a opção híbrida, está
edição especial designada por Taiga Grey, que inclui uma como a passagem de ar pelo interior do pilar também equipado com um novo sistema “Green
tonalidade especifica para a carroçaria e um interior traseiro, reduzindo a turbulência, ou a abertura Zone” que, através da informação fornecida pelo
com um visual mais elaborado e com materiais que de ar dianteira ativa, que funciona consoante GPS ou através de um comando manual, permite
também adicionam mais um patamar de exclusividade. a necessidade de arrefecimento do motor. conduzir automaticamente em modo 100 por
Uma vez que usa a versão VZ5 como base, está incluído o Na versão híbrida, esta solução faz parte da cento elétrico, ao passar por zonas como escolas
motor turbo de cinco cilindros e 2,5 litros de capacidade, grelha frontal principal, enquanto na versão EV, ou hospitais, por exemplo.
com uma potência máxima de 390 cavalos e 480Nm de totalmente elétrica, está apenas presente na Além disso, a nova caixa de velocidades desta
binário. A transmissão ao solo é feita com a ajuda de um grelha dianteira inferior, de menores dimensões. versão é também mais compacta, uma vez que
sistema de tração integral permanente e de uma caixa
de velocidades automática de dupla embraiagem com não inclui a marcha-atrás. Esta
sete relações. Com esta configuração, o Cupra Formentor manobra, que é sempre efetuada a
VZ5 consegue acelerar dos 0 aos 100 km/h em apenas baixa velocidade, passa agora a ser da
4,2 segundos e alcançar os 250 km/h. responsabilidade exclusiva do motor
Quanto à versão Taiga Grey, a sua produção começará elétrico, sendo sempre efetuada
esta semana em Martorell e estará limitada a 999 em puro silêncio. Com o novo Niro
unidades, cada uma delas identificada com uma placa está também presente a solução
metálica exclusiva gravada a laser, que será instalada V2D (Vehicle to Device), ou Veículo
num dos painéis das portas. para Dispositivo, que permite usar a
bateria do carro, bidirecional, para
carregar equipamentos como uma
bicicleta elétrica ou mesmo alguns
equipamentos de campismo numa
escapadela mais aventureira.

E/ Dando cumprimento ao estabelecido no n° mais importantes provas de desporto au- leitores uma informação atual, rigorosa abordagem e de análise dos factos noti-
1 do artigo 17° da Lei 2/99, de 13 de Janeiro, tomóvel disputadas em território nacional e de qualidade, opinando sobre tudo o ciosos, com total abertura à interativi-
ESTATUTO Lei da Imprensa, publica-se o Estatuto e no estrangeiro, relata acontecimentos que se passa na área do automóvel e dos dade com a sua comunidade de leitores.
EDITORIAL Editorial da publicação periódica AutoSport: ligados à competição automóvel, bem como automobilistas, numa perspetiva plural, 4. O AutoSport pratica um jornalismo pau-
1. O AutoSport é um semanário dedicado temas que versam o automóvel como bem recusando o sensacionalismo e respeitan- tado pela isenção, sem comprometimentos
ao automóvel e aos automobilistas, nas de consumo, tanto na área industrial como do a esfera da privacidade dos cidadãos. ou enfeudamentos, tendo apenas como
suas mais distintas vertentes: desporto e comercial. 3. O AutoSport pauta as suas opções edito- pressuposto editorial facultar a melhor
competição, comércio, indústria, segurança 2. O AutoSport está comprometido com riais por critérios de atualidade, interesse informação e a melhor formação aos seus
e problemática rodoviária. O AutoSport o exercício de um jornalismo formativo e informativo e qualidade, procurando apre- leitores, seguindo sempre as mais elemen-
edita, semanalmente, conteúdos sobre as informativo e procura oferecer aos seus sentar aos seus leitores a mais completa tares normas deontológicas.

PROPRIEDADE FOLLOW MEDIA COMUNICAÇÃO UNIPESSOAL, LDA. – NIPC 510430880, RUA DOS PINHEIROS 47, CASA 4, BICESSE, 2645-535 ALCABIDECHE DETENTORES DE CAPITAL PEDRO CORRÊA MENDES P[email protected]
GERÊNCIA PEDRO CORRÊA MENDES DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES DIRETOR-EXECUTIVO JOSÉ LUÍS ABREU [email protected] DIRETOR COMERCIAL JOÃO MOTTA GUEDES [email protected]
REDAÇÃO FÁBIO MENDES [email protected], PEDRO ANDRÉ MENDES [email protected] COLABORADORES ANDRÉ MENDES, JOÃO F. FARIA, JORGE GIRÃO, JORGE REIS, NUNO BRANCO, RICARDO FERREIRA
FOTOGRAFIA AIFA/JORGE CUNHA, ANDRÉ LAVADINHO, ZOOM MOTORSPORT/ANTÓNIO SILVA DESIGNER GRÁFICA ANA SILVA [email protected] IMPRESSÃO JORGE FERNANDES, LDA - R. QUINTA DO CONDE DE MASCARENHAS,9 - VALE FETAL - 2820-652
CHARNECA DA CAPARICA DISTRIBUIÇÃO VASP – DISTRIBUIDORA DE PUBLICAÇÕES, S. A., TIRAGEM 15 000 EXEMPLARES REGISTO NA ERC 105448 DEPÓSITO LEGAL Nº 68970/73 – COPYRIGHT© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS DE ACORDO COM A

LEGISLAÇÃO EM VIGOR. EM VIRTUDE DO DISPOSTO NO ARTIGO 68 Nº2, I) E J), ARTIGO 75º Nº2, M) DO CÓDIGO DO DIRETOR DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ARTIGOS 10º E 10º BIS DA CONV. DE BERNA, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS A REPRODUÇÃO, A

DISTRIBUIÇÃO, A COMUNICAÇÃO PÚBLICA OU A COLOCAÇÃO À DISPOSIÇÃO, DA TOTALIDADE OU PARTE DOS CONTÉUDOS DESTA PUBLICAÇÃO, COM FINS COMERCIAIS DIRETOS OU INDIRETOS, EM QUALQUER SUPORTE E POR QUAISQUER MEIOS TÉCNICOS, SEM
A AUTORIZAÇÃO DA FOLLOWMEDIA COMUNICAÇÃO, UNIPESSOAL LDA. A FOLLOWMEDIA NÃO É RESPONSÁVEL PELO CONTÉUDO DOS ANÚNCIOS. EDIÇÃO ESCRITA AO ABRIGO DO NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO. CONTACTO [email protected]


Developed with Technical partner


Click to View FlipBook Version
Previous Book
แฟ้มเกียรติบัตร
Next Book
PENDIDIKAN JASMANI DAN PENDIDIKAN KESIHATAN T6 SJKT (SEMAKAN 2017)