The words you are searching are inside this book. To get more targeted content, please make full-text search by clicking here.
Discover the best professional documents and content resources in AnyFlip Document Base.
Search
Published by hmilheiro, 2018-10-01 15:15:54

AutoSport_2127

AutoSport_2127

#2127 >> autosport.pt
ANO 40
40
03/10/2018
anos
2,35€ (CONT.)

DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES

HAVDMEANIRCLÚETSGOSIPNA

>> INGLÊS COM 50 PONTOS DE AVANÇO PARAVETTEL
>> BOTTAS ‘TRAMADO’ NOVAMENTE

TÍTCAUDALVEOZ MAIS PERTO>>GRANDECORRIDADEVERSTAPPEN

OGIER CONFIRMADO + MV AGUSTA
NACITROËN EM 2019 TURISMO
VELOCE
PÁG. 14 LUSSO

PÁG. 34

AUDI Q8PÁG.42



3

I/ I N S TA N TÂ N E O SIGA-NOS EM EDIÇÃO

#2127
03/10/2018

f l> > a u t o s p o r t . p t
facebook.com/autosportpt twitter.com/AutoSportPT

MOBY DICK SÉC. XXI Como celebração do seu 70º aniversário, a Porsche criou o 935. o Dr. Frank-Steffen Walliser, vice-presidente José Luís Abreu
da Porsche Motorsports: “É um presente de aniversário da Porsche Motorsport para os adeptos de todo o mundo”
DIRETOR-EXECUTIVO
S/ SEMÁFORO EM DIRETO
[email protected]
PARADO A ARRANCAR A FUNDO “Garanti ao Valtteri (Bottas)
que não foi algo que tenha Na semana que passou
Compreende-se a Sim ou não aos N5 Fantástica corrida de pedido” tive conversas com vá-
atitude da Mercedes, em Portugal? Prós e Max Verstappen na rios intervenientes deste
mas os adeptos não contras nesta edição Rússia. Mas o motor Lewis Hamilton, deixando claro que desporto que tanto ado-
perdoam ordens de não é o mesmo de não partiu dele ramos, os ‘motores’, de
equipa. Perdem mais do AutoSport que quase sempre se mais que uma disciplina,
“Do ponto de vista da equipa, e achei muito curioso um denomi-
do que ganham? queixa? foi o resultado ideal, mas não nador comum: o receio de alguns
foi o ideal para mim!” com as reações da ‘internet’, face à
O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES NA ERA DIGITAL sua tomada de posição. Foi apenas
Valtteri Bottas, a quem mais uma vez uma coincidência, mas hoje em dia
a equipa lhe pediu para deixar passar é interessante perceber o efeito que
Hamilton a internet e os internautas têm em
alguns dos ‘players’. Isto a propósito
“Foi tudo bem feito pelos dois, de do que sucedeu no GP da Rússia
eles jogaram juntos, como de F1, quando a Mercedes impôs or-
equipa, fizeram muito bem” dens de equipa, para Bottas deixar
passar Hamilton. Não é normal a
Sebastian Vettel provavelmente a quantidade de declarações ema-
mandar uma mensagem… para dentro nadas pelos homens da Mercedes,
sendo certo que quando carregou
“Há uma dura realidade, a dos no botão ‘tática’, como todos vimos
pontos, e tivemos que agir na TV, Toto Wolff já sabia o ‘barulho’
assim” que isso ia fazer.
É assim a internet hoje, os adeptos
Toto Wolff a justificar as ordens... há muito se juntam em comuni-
dades, aqui e ali, por exemplo no
Siga-nos nas redes sociais e saiba nosso site, e não deixam de fazer
tudo sobre o desporto motorizado no ouvir a sua voz.
computador, tablet ou smartphone via Há muitos anos recordo-me duma
facebook (facebook.com/autosportpt), célebre frase do Jaime Pacheco,
twitter (AutosportPT) ou em treinador de futebol, que disse:
>> autosport.pt “essa questão é uma faca de dois
legumes”. E é mesmo, uma faca de
dois gumes, como queria dizer o
ex-futebolista. No passado, tudo o
que se fazia nos ‘bastidores’ só era
escrutinado depois de se tornar
realidade, mas hoje, o simples de-
bate de ideias de uma forma mais
ou menos pública, como por exem-
plo através de um site de um órgão
de comunicação social, faz recear e
eventualmente hesitar quem quer
dar a sua visão das coisas. E isto é
muito interessante, pois quem não
deve não teme, e quem possa estar
a querer inquinar a questão, arris-
ca-se a ser trucidado na net.

4 F1/
FÓRMULA 1
GP DA RÚSSIA 1 6 D E 2 1

MERCEDES
OFERECE
VITÓRIAA

HAMILTON

A Mercedes dominou o fim de semana em Sochi, mas acabou
por se ver no meio de um furacão ao obrigar Valtteri Bottas
a ceder a vitória a Lewis Hamilton, que com o resultado do
Grande Prémio da Rússia tem agora uma vantagem de 50
pontos face a Sebastian Vettel, que terminou em terceiro
Jorge Girão
[email protected]

A s equipas que têm vindo Brackley foi o piloto errado a assegurar ção do seu colega de equipa, o que foi
a digladiar-se pelos títu- a pole position, uma vez que Hamilton determinante para manter o segundo
los deste ano não dão tré- foi cometendo erros ao longo da Q3, o posto face ao piloto da Ferrari.
guas e apresentaram na 16ª que permitiu que Bottas, sempre muito Com a saúde dos pneus hipermacios
ronda da temporada novos confortável em Sochi, conquistasse a a ser determinante para a prova, as
desenvolvimentos para os pole position. posições mantiveram-se estáveis
respetivos monolugares. Estando envolvida na luta por ambos até às trocas de pneus, muito embora
Desde a primeira sessão de trei- os campeonatos, na reunião que vi- Hamilton deixasse no ar ser capaz de
nos livres que ficou evidente que o sava preparar a corrida, realizada na rodar ligeiramente mais rápido que o
Mercedes W09 EQ Power+ se mostra- manhã que antecedeu a prova, diver- seu colega de equipa que, no entanto,
va mais à-vontade no circuito russo, sos cenários foram discutidos, mas na liderança e sabedor de que dificil-
detendo cerca de meio segundo de aparentemente um escapou a Toto mente seria ultrapassado, podia gerir
vantagem para o Ferrari SF71-H. Wolff e aos seus homens. da melhor forma o ritmo e manter
Foi, por isso, com naturalidade que O finlandês arrancou bem da melhor vivos os seus pneus.
os ‘Flechas de Prata’ monopoliza- posição da grelha de partida, mas Foi Bottas, temendo uma “undercut”
ram a primeira linha, ao passo que a Hamilton, do lado sujo da pista, viu-se radical de Vettel, que abriu a ronda
Scuderia, sem a ameaça da Red Bull, exposto à partida de Vettel. Contudo, de paragens nas boxes, trocando de
se quedou pela segunda. No entanto, os homens da Mercedes jogaram bem pneumáticos quando estavam decor-
estrategicamente para os homens de e o inglês apanhou o cone de aspira- ridas doze voltas. O alemão imitou o

>> autosport.pt

5

piloto da Mercedes na volta seguinte, seguinte mostrou que, quando a sua 150 Vettel sucumbiu perante Hamilton, so-
mas estranhamente, quando era já equipa erra, não se conforma e assume frendo mais uma derrota com impacto
claro que os macios novos eram mui- ele a responsabilidade de resolver a GRANDES PRÉMIOS DISPUTADOS P nas contas do campeonato.
to mais rápidos que os hipermacios situação. OR SERGIO PÉREZ Aproveitando o facto de ter os seus
usados, Hamilton continuou em pista. O inglês, ainda com os pneus num dois pilotos nos dois primeiros lugares,
O piloto da Ferrari aproveitou a opor- estado irrepreensível e com a sua uni- e com uma bolha no pneu traseiro/
tunidade oferecida pela equipa de dade de potência no modo máximo de esquerdo a ser motivo de preocupa-
Brackley e quando o inglês parou, na potência, atacou intensamente Vettel ções, a Mercedes ordenou que Bottas
14ª volta, estava à frente do seu rival. na travagem para a Curva 2. O alemão cedesse a liderança a Hamilton, que
Vettel tinha assim uma chance de ouro defendeu-se, mexendo duas vezes o continuou para a sua oitava vitória da
para ganhar pontos ao seu rival num seu carro na travagem, o que deixou temporada escudado pelo seu colega
fim de semana em que o seu Ferrari Hamilton agastado, mantendo a lide- de equipa – um dos cenários que os
não estava ao nível do Mercedes de rança, mas ficou exposto ao ter uma responsáveis da equipa reconheceram
Hamilton, muito embora em corrida os má saída, e deixou-se ultrapassar na não ter previsto antes da prova.
dois carros estivessem mais próximos travagem para a Curva 14. Sem que nada pudesse fazer quanto
ao nível de performance. Quando tinha de se defender estoi- aos Flechas de Prata, Vettel assistiu ao
Contudo, ficou evidente que Hamilton camente do seu rival, muito embora triunfo do seu adversário, que agora
não se revelava confortável por estar pudesse ter as baterias descarregadas tem 50 pontos de avanço nas contas
no escape do seu adversário e na volta devido à sua volta de saída das boxes, do campeonato.

F1/
FÓRMULA 1

6

GP DA RÚSSIA 1 6 D E 2 1

M/ MOMENTO F/ FIGURA

ULTRAPASSAGEM - Bottas tinha feito VALTTERI BOTTAS - O finlandês
tudo para vencer o seu primeiro Grande voltou a sentir-se muito confortável
Prémio da temporada – pole-position, bom em Sochi e, enquanto Hamilton
arranque e um ritmo capaz de o deixar ao errou na qualificação, Bottas esteve
abrigo de qualquer ataque de Hamilton – irrepreensível garantindo a pole
mas quando a ordem da Mercedes surgiu position. Na corrida mostrou-se au-
para que deixasse passar o seu colega de toritário e só a ordem de equipa da
equipa nada podia fazer senão obedecer, Mercedes o derrotou, impedindo-o
entregando ao inglês uma vitória que era de conquistar o seu primeiro triunfo
sua. da temporada.

>> autosport.pt

7

VISITE NOSSO SITE PARA 21 +/ MAIS celebrava o seu aniversário, assinou
VER MAIS FOTOS DA uma performance impressionante
PROVA AUTOSPORT.PT VITÓRIAS QUE FALTA A HAMILTON CHARLES LECLERC - O monegasco que lhe permitiu liderar a corrida,
CONQUISTAR PARA IGUALAR O RECORDE esteve impressionante em Sochi. recordando-nos do porquê de ser um
Valtteri Bottas esteve SCHUMACHER – 96 Colocou o seu Alfa Romeo Sauber no dos pilotos mais entusiasmantes da
melhor e merecia sétimo lugar da grelha de partida, atualidade. Precisa apenas de deixar
vencer o GP da Rússia 170 sendo batido apenas por Kevin cair o “Verstappen quezilento” que
de Fórmula 1, mas Magnussen e Esteban Ocon na luta este ano apareceu tantas vezes para
‘valores’ mais altos se VITÓRIAS ALCANÇADAS PELOS do segundo pelotão. Mais tarde, na se afirmar definitivamente como o
levantaram e as ordens MOTORES MERCEDES corrida, Leclerc esteve imparável. “Verstappen entusiasmante”.
de equipa foram Desenvencilhou-se do francês na
impostas... primeira volta, mas foi na segunda que LEWIS HAMILTON - Não foi a melhor
realizou uma manobra inacreditável, prestação do ano do inglês, voltando
ao ultrapassar Kevin Magnussen, um a mostrar-se pouco confortável em
piloto nada fácil, por fora, na dantesca Sochi, um circuito onde o seu colega
Curva 3. Nunca mais ninguém o viu e de equipa se mostra bastante mais
foi o único piloto, para além dos das forte. Acabou batido na qualificação,
‘Três Grandes’, a terminar na mesma devido a erros próprios, e isso foi
volta do vencedor. Será seguramente determinante para que estivesse
uma lufada de ar fresco na Ferrari, dependente de Bottas. Ainda assim,
em 2019. para poder beneficiar da ajuda do
finlandês, Hamilton tinha de estar
MAX VERSTAPPEN - O talento em segundo e quando a equipa errou
do holandês é quase uma fonte estrategicamente, atirando-o para
inesgotável. O jovem de 21 anos terceiro atrás de Vettel, mostrou o
consegue ir buscar aderência que os porquê de merecer cada vez mais
outros nem sequer imaginam existir e o título deste ano. Com garra, não
isso foi determinante para que subisse descansou enquanto não ultrapassou
de 19º a quinto em apenas cinco o seu rival, colocando-se em posição
voltas. Verstappen, no dia em que para beneficiar das ordens da
Mercedes.

-/ MENOS

Bottas, desapontado, mas com espírito penalizações por terem trocado as FERRARI - A formação transalpina si, quando era imperativo fazê-lo se
de equipa, terminou no segundo posto respetivas unidades de potência – mas pareceu uma equipa derrotada em quisesse manter as suas aspirações
uma corrida em que fora o mais forte. em apenas oito voltas era já quinto. Sochi. Cometeu erros operacionais ao título.
Kimi Räikkönen protagonizou uma Chegou a liderar a corrida, antes de ter básicos, enviando os seus pilotos para Num circuito em que as
prestação anónima rumo ao quarto trocado de pneus, mas era-lhe impos- a pista durante a terceira sessão de ultrapassagens não são fáceis, o
posto, ao passo que Max Verstappen sível ir além de quinto. Daniel Ricciardo, treinos-livres sem sequer terem tempo germânico limitou-se a perseguir os
realizou uma recuperação notável até com a asa dianteira danificada desde a para sair da via das boxes, próprio de pilotos da Mercedes, assistindo à
ao quinto. O holandês arrancou de 19º – primeira volta, terminou num distante um barco à deriva. Competitivamente, troca de posições que o deixa agora a
ambos os pilotos da Red Bull sofreram sexto posto. parece estar a perder a corrida do 50 pontos do inglês, não dependendo
desenvolvimento para a Mercedes, sequer de si para conquistar o cetro
tendo a equipa de Brackley se deste ano.
mostrado mais forte ao longo de todo
o fim de semana. RENAULT - A formação de Enstone
Depois de mais uma derrota, parece esteve longe de poder lutar por
cada vez mais difícil que a Ferrari pontos em Sochi. Nem com a
termine este ano a travessia que tem duvidosa estratégia de não rodar
vindo a realizar desde que conquistou na Q2 para não passar à Q3 e ficar
o seu último título, em 2008. com escolha de pneus livre para
a corrida, até por que, devido às
SEBASTIAN VETTEL - O alemão muitas penalizações sofridas por
não viu a sua causa ajudada pela inúmeros pilotos a sexta linha da
sua equipa, mas mesmo quando a grelha de partida estava garantida,
Ferrari acertou, conseguindo realizar o conseguiu. Sem conseguirem lutar
o “undercut” a Hamilton durante as com os Haas, Force India e Charles
paragens nas boxes, Vettel mostrou-se Leclerc, Hulkenberg terminou num
incapaz de manter o seu rival atrás de desapontante 12º posto.

F1/
FÓRMULA 1

8

GP DA RÚSSIA 1 6 D E 2 1

LECLERC
BRILHA
O segundo pelotão voltou uma vez linha, dado que para além de Carlos
mais a ser muito competitivo, Sainz e Nico Hulkenberg, nenhum ter Magnussen à sua frente, um pi- Kevin Magnussen manteve-se à frente
mas um novo fundo plano e uma dos restantes carros – os dois Red loto conhecido por ser duro nas lutas de Sérgio Pérez e Esteban Ocon. Os
ultrapassagem notável deram o Bull e o Toro Rosso de Pierre Gasly – corpo a corpo, e na longa e rapidíssima pilotos da equipa de Silverstone tudo
triunfo a Charles Leclerc, que acabou realizariam qualquer volta, uma vez Curva 3 colocou-se lado a lado com o tentaram para desfeitear o dinamar-
por estar numa classe à parte. terem penalizações na grelha de par- homem da Haas, ultrapassando-o por quês, tendo até trocado de posições
Com a mesma escolha de pneus dis- tida por terem trocado as respetivas fora, naquela que foi, inegavelmente, entre si para verificar se um deles
ponível que em Singapura – hiperma- unidades de potência. a manobra da tarde. descobria o caminho das pedras, mas
cios, ultramacios e macios – havia o Acabaram por ser os Haas, os Force India Daí para a frente, não passou cartão o piloto da Haas manteve-se imper-
risco de as borrachas mais performan- e os Alfa Romeo Sauber a assegurarem a ninguém – perdeu apenas os ex- turbável, assegurando o oitavo posto.
tes da gama da Pirelli serem apenas os lugares atrás da Mercedes e da Ferrari, pectáveis dois lugares para os pilotos Romain Grosjean, que ao longo de
úteis na qualificação, ficando os pilotos beneficiando da ausência dos pilotos da da Red Bull – beneficiando do novo todo o fim de semana se mostrou
que passavam à Q3 expostos aos mais terceira ‘Grande’, com Kevin Magnussen fundo plano da equipa de Hinwil para sempre incapaz de replicar o anda-
rápidos dos eliminados da Q2, como na pole position do segundo pelotão. vencer o segundo pelotão. A prestação mento do seu colega de equipa, ter-
acontecera em Marina Bay. Contudo, na corrida a história seria de Leclerc ficou sublinhada ao perder minou fora dos pontos, distante de
Porém, a pista de Sochi é mais suave, diferente e Leclerc acabaria por impor somente vinte segundos para Daniel Magnussen, ainda assim à frente de
permitindo que os hipermacios pu- a sua lei. Ricciardo, sendo o único atrás dos Nico Hulkenberg, que foi o melhor
dessem ser usados em corrida de uma O jovem da Alfa Romeo Sauber realizou homens das ‘Três Grandes’ a não ser dos pilotos que não passaram à Q3,
forma mais intensa. um bom arranque da sétima posição, dobrado. sem contar com os Red Bull, tendo a
Este facto acabou por apanhar a suplantando Esteban Ocon, mas foi na Apesar de notoriamente ter um carro Renault ficado distante da luta pelos
Renault que apostou tudo na corrida, segunda volta que realmente partiu menos performante que o Force India, pontos.
nem sequer saindo para a pista na Q2 para o triunfo.
para ficar com os seus pilotos na sexta O monegasco não se atemorizou por

PF/ PARQUE FECHADO >> autosport.pt

HAMILTONNÃOQUER 9
EBOTTASCONFORMADO
VETTEL
Era inevitável que acontecesse Bottas informava a equipa que teria poderia ou não acontecer e eu assegurei, JÁ NÃO DEPENDE
mais cedo ou mais tarde, fosse passado Verstappen rapidamente, caso disse ao Valtteri, garanti-lhe que não APENAS DE SI
do lado da Ferrari ou do lado da se tivesse mantido à frente de Hamilton, tinha sido algo que tivesse pedido. Foi
Mercedes. Acabou por ser esta ao que James Vowles, o responsável algo que a equipa considerou ser cor- Depois do Grande Prémio da Rússia
última a primeira a recorrer a ordens máximo pela estratégia da Mercedes, reto para nós. É uma posição estranha”, a situação de Sebastian Vettel no
de equipa que impediram um dos seus retorquiu: “corríamos um risco com afirmou o inglês que, com o seu triunfo e Campeonato de Pilotos ficou ainda mais
pilotos de vencer em favorecimento o Lewis relativamente ao Vettel. Ele o terceiro lugar de Vettel, tem agora uma difícil, ao passo que Lewis Hamilton
do outro. tem uma pequena bolha (ndr.: no pneu vantagem de 50 pontos para o homem parece caminhar para o seu quinto cetro.
Ao longo da temporada já se tinha veri- traseiro/esquerdo) e tinha de fazer isto da Ferrari no Campeonato de Pilotos. Depois dos erros e desentendimentos
ficado o sacrificar da corrida de Valtteri para o assegurarmos”. Vallteri Bottas, após a corrida, mostrou- de Monza e de Singapura, o alemão
Bottas ou de Kimi Räikkönen, com adia- Já perto do final da corrida, sem que o se conformado com o desfecho da prova, precisava de vencer em Sochi, ou pelo
mentos de troca de pneus para atrasar alemão da Ferrari fosse uma ameaça e apontando que é uma situação decor- menos ficar à frente do inglês para
Sebastian Vettel ou Lewis Hamilton, sempre muito perto de Hamilton, Bottas rente das posições no campeonato. manter vivas as suas possibilidades de
respetivamente, de modo a ajudar a questionou a sua equipa se voltariam a “Sim, esperava isso (ndr.: que o Hamilton assegurar o título no final da temporada.
causa dos respetivos chefes de fila, mas trocar as posições, tendo sido respon- terminasse à sua frente). O Lewis está No entanto, após a corrida russa, Vettel
em Sochi chegou-se a um novo nível. dido negativamente, para sua frustração. na luta pelo Campeonato de Pilotos e perdera mais 10 pontos para Hamilton,
Na 25ª volta foi dito ao finlandês da O finlandês via assim um triunfo fugir- eu não. Da forma como terminámos, quando faltam apenas cinco Grandes
Mercedes através do rádio que deve- lhe, situação que o inglês deixou bem comparativamente ao início, não faz Prémios para o final da época.
ria “deixar passar o Lewis na curva claro não ter sido despoletada por si. diferença para os pontos do Campeonato O resultado de Sochi foi significativo, e
13”, tendo o recruta da formação de “Houve, obviamente, uma decisão de de Construtores. Portanto, era expec- talvez por isso despoletou as ordens de
Brackley acedido à ordem. Pouco depois, equipa. Houve discussões sobre o que tável”, afirmou. equipa da Mercedes, uma vez que deixa
o germânico na posição de não depender
apenas de si para ser campeão este
ano – mesmo que vença todos os Grandes
Prémios até ao final do ano, se Hamilton
ficar sempre em segundo, conquistará o
cetro de 2018.
Vettel fica assim na difícil situação
de estar na iminência de perder mais
um título, apesar de ter tido nas mãos
ao longo de grande parte da época o
melhor carro do plantel, ao passo que a
Ferrari está perto de terminar a sua 10ª
temporada sem títulos.

TRAVÕES TRAMAM piões, levando a equipa a retirar
A TORO ROSSO os carros, chamando o francês e o
neozelandês às boxes.
A Toro Rosso teve um domingo respetivamente, após penalizações mais antigas no sábado. Depois de terem verificado os
para esquecer em Sochi, tendo por terem trocado as unidades de No entanto, no início da corrida monolugares, a equipa de Faenza
abandonado com ambos os carros potência, revertendo para as versões ambos os pilotos protagonizaram concluiu que as saídas de pista se
ao fim de quatro voltas, devido a deveram a um pistão das maxilas
problemas de travões. dos travões bloqueado, quando
Pierre Gasly e Brendon Hartley os componentes do sistema
arrancaram de 17º e 19º, sobreaqueceram.

F1/
FÓRMULA 1

10

MERCADO CONTINUA A MEXER EQUIPAS
Mais uma semana e mais lugares INDEFINIDAS
definidos no xadrez da Fórmula que face à colaboração estreita que tem Em 2017 estreou-se na Fórmula 1 com a
1 de 2019, havendo agora ape- com a formação de Hinwil, tem direito a Sauber, quando Pascal Wehrlein ficou Com os últimos desenvolvimentos
nas cinco volantes livres, muito nomear um piloto para a estrutura suíça. impossibilitado de realizar os dois no mercado de pilotos, ficam cinco
embora dois tenham já donos. Assim sendo, Räikkönen ocupa o lu- primeiros Grandes Prémios da tem- lugares vagos no plantel do próximo
A semana começou com a confirmação gar de Marcus Ericsson e Giovinazzi, porada devido a uma lesão contraída ano.
oficial de que António Giovinazzi seria piloto da Ferrari Academy, assume o na Corrida dos Campeões. Contudo, os carros da Racing
piloto titular da Alfa Romeo Sauber na volante de Leclerc, oriundo do mesmo O transalpino protagonizou uma boa Point Force India deverão estar já
próxima temporada, assumindo o lugar programa. estreia em Melbourne, terminando entregues a Lance Stroll, filho de
deixado vago por Charles Leclerc no O italiano, que fará 25 anos em dezem- em 12º, mas em Xangai assinou duas Lawrence Stroll – o líder do consórcio
final do ano, que vai para a Ferrari, onde bro, venceu o Masters de Fórmula 3 em saídas de pista – uma na qualificação que salvou a formação de Silverstone
substituirá Kimi Räikkönen. 2015 e em 2016, no seu ano de estreia, e outra logo no início da corrida. –, e a Sergio Pérez.
O finlandês regressará na próxima impressionou na GP2 Series, atual- Depois de ter sido ultrapassado por A tomada de poder da parte do grupo
época à equipa com a qual se estreou mente conhecida como Fórmula 2, Leclerc na Ferrari Academy, o italiano de canadianos, porém, está debaixo
na Fórmula 1, mas o seu contrato nada perdendo por pouco o título para Pierre tem agora a possibilidade de mostrar de fogo por parte de uma companhia
tem a ver com a influência da Scuderia, Gasly, que disputava a sua segunda o seu valor na categoria máxima do russa – a Uralkali – que tomou parte no
época na categoria. desporto automóvel. concurso que pretendia encontrar um
investidor para a Force India.
TORO ROSSO Já durante o Grande Prémio da Rússia lugar em risco, devendo abandonar a Os russos, ligados ao piloto Nikita
AINDA COM UM a Toro Rosso confirmou o regresso de formação de Faenza no final da época. Mazepin, consideram que o processo
LUGAR VAGO Daniil Kvyat, mas ainda não revelou Para o lugar do neozelandês o nome mais foi realizado de forma injusta,
quem será o seu colega de equipa. apontado é o de Pascal Wehrlein, que argumentando que a sua era a melhor
Brendon Hartley, que este ano faz há algumas semanas se desvinculou da oferta, e apresentaram uma ação legal
equipa com Pierre Gasly, tem o seu Mercedes, estando na lista de pilotos que contra a firma que liderou o concurso
os responsáveis da Toro Rosso estão a no tribunal de Londres.
avaliar. Este desenvolvimento poderá ser
Fora dela está Mick Schumacher, que responsável pelo adiar do anúncio
está a caminho de vencer o Campeonato dos pilotos da Racing Point Force
Europeu FIA de Fórmula 3. Helmut Marko India para 2019, assim como da
considera que é ainda cedo para o alemão, passagem de Lance Stroll da Williams
filho de Michael Schumacher, dar o salto para a equipa do seu pai ainda esta
para a Fórmula 1, devendo em 2019 temporada.
realizar o Campeonato FIA de Fórmula 2. A A equipa de Grove, por seu lado,
Ferrari já mostrou interesse em albergar continua sem revelar quem serão os
o germânico no seu programa de apoio a seus pilotos na próxima temporada.
jovens pilotos. Sergey Sirotkin parece estar certo
na equipa britânica, mas o lugar
ao seu lado está livre. Uma das
possibilidades será admitir um piloto
oriunda da esfera Mercedes, George
Russell, que está a um passo de se
sagrar Campeão FIA de Fórmula 2, ou
Esteban Ocon, que está na iminência
de ficar sem volante para 2019.
Artem Markelov, bastante bem
apoiado e que na Rússia realizou a
primeira sessão de treinos-livres
pela Renault, é outra opção para a
Williams.
No entanto, a equipa de Grove, longe
do fulgor de outros tempos, não
deverá anunciar os seus pilotos
brevemente, devendo ser a última a
definir a sua dupla.

>> autosport.pt

11

C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S

GP DA RÚSSIA PROVA 16 DE 21 PROVA TEMPO
SOCHI AUTODROM VOLTAS
VOLTA MAIS RÁPIDA
30/09/2018 GERAL
VEL. MÁXIMA
5,848 KM 53 309.745 KM SEXTA SÁBADO DOMINGO GERAL
BOX

PERÍMETRO VOLTAS DISTÂNCIA TOTAL 1 LEWIS HAMILTON MERCEDES W09 EQ POWER+ 1:27:25.181 53 1:35.916 2 339.3 KM/H 1 1
1:35.861 1 320.4 KM/H 9 1
2 VALTTERI BOTTAS MERCEDES W09 EQ POWER+ +2.545S 53 1:35.990 3 323.9 KM/H 6 1
1:36.611 6 307.7 KM/H 18 1
TREINOS LIVRES GRELHA DE PARTIDA 3 SEBASTIAN VETTEL FERRARI SF71H +7.487S 53 1:36.283 4 302.9 KM/H 20 1
1:36.345 5 324.6 KM/H 5 1
1 VALTTERI BOTTAS 4 KIMI RÄIKKÖNEN FERRARI SF71H +16.543S 53 1:38.107 9 330.1 KM/H 3 1
MERCEDES 1:38.015 8 330.5 KM/H 2 1
1.ª SESSÃO TREINOS LIVRES 1:31.387 Q3 5 MAX VERSTAPPEN RED BULL RB14/TAG HEUER +31.016S 53 1:38.366 12 317.0 KM/H 12 1
1:38.300 11 321.2 KM/H 8 1
PILOTO EQUIPA TEMPO/DIF. 6 DANIEL RICCIARDO RED BULL RB14/TAG HEUER +80.451S 53 1:38.244 10 329.3 KM/H 4 1
1:39.108 13 312.0 KM/H 15 1
1 SEBASTIAN VETTEL FERRARI 1:34.488 7 CHARLES LECLERC SAUBER C37/FERRARI +98.390S 53 1:37.931 7 322.9 KM/H 7 2
1:39.590 15 309.7 KM/H 16 1
2 MAX VERSTAPPEN RED BULL RACING +0.050S 2 LEWIS HAMILTON 8 KEVIN MAGNUSSEN HAAS VF-18/FERRARI +1 VOLTA 52 1:39.435 14 313.2 KM/H 13 1
MERCEDES 1:39.922 18 305.3 KM/H 19 1
3 LEWIS HAMILTON MERCEDES +0.330S 1:31.532 9 ESTEBAN OCON FORCE INDIA VJM11/MERCEDES +1 VOLTA 52 1:39.731 16 309.1 KM/H 17 1
1:39.838 17 317.5 KM/H 11 1
4 VALTTERI BOTTAS MERCEDES +0.511S 10 SERGIO PEREZ FORCE INDIA VJM11/MERCEDES +1 VOLTA 52 1:44.071 19 312.5 KM/H 14 1
1:45.852 20 320.0 KM/H 10 1
5 DANIEL RICCIARDO RED BULL RACING +1.036S 3 SEBASTIAN VETTEL 11 ROMAIN GROSJEAN HAAS VF-18/FERRARI +1 VOLTA 52
FERRARI
6 ESTEBAN OCON FORCE INDIA +1.175S 1:31.943

7 KIMI RÄIKKÖNEN FERRARI +1.208S 12 NICO HULKENBERG RENAULT RS18 +1 VOLTA 52

8 KEVIN MAGNUSSEN HAAS FERRARI +1.708S 4 KIMI RÄIKKÖNEN 13 MARCUS ERICSSON SAUBER C37/FERRARI +1 VOLTA 52
FERRARI
9 NICO HULKENBERG RENAULT +1.786S 1:32.237 14 FERNANDO ALONSO MCLAREN MCL33/RENAULT +1 VOLTA 52

10 ANTONIO GIOVINAZZI SAUBER FERRARI +2.224S 15 LANCE STROLL WILLIAMS FW41/MERCEDES +1 VOLTA 52

11 ROMAIN GROSJEAN HAAS FERRARI +2.328S 5 KEVIN MAGNUSSEN 16 STOFFEL VANDOORNE MCLAREN MCL33/RENAULT +2 VOLTAS 51
HAAS FERRARI
12 PIERRE GASLY TORO ROSSO +2.456S 1:33.181

13 LANDO NORRIS MCLAREN RENAULT +2.534S 17 CARLOS SAINZ RENAULT RS18 +2 VOLTAS 51

14 CHARLES LECLERC SAUBER FERRARI +2.566S 6 ESTEBAN OCON 18 SERGEY SIROTKIN WILLIAMS FW41/MERCEDES +2 VOLTAS 51
FORCE INDIA MERCEDES
15 ARTEM MARKELOV RENAULT +2.695S 1:33.413 NC PIERRE GASLY TORO ROSSO STR13/HONDA DNF 4

16 STOFFEL VANDOORNE MCLAREN RENAULT +2.699S NC BRENDON HARTLEY TORO ROSSO STR13/HONDA DNF 4

17 NICHOLAS LATIFI FORCE INDIA +2.718S 7 CHARLES LECLERC
SAUBER FERRARI
18 SERGEY SIROTKIN WILLIAMS +2.737S 1:33.419

19 BRENDON HARTLEY TORO ROSSO +3.456S AUSTRÁLIA
BAHREIN
20 LANCE STROLL WILLIAMS +4.649S 8 SERGIO PEREZ CHINA
FORCE INDIA MERCEDES AZERBAIJÃO
1:33.563 ESPANHA
MÓNACO
TREINO LIVRE 2 CANADÁ
FRANÇA
ÁUSTRIA
GRÃ-BRETANHA
ALEMANHA
HUNGRIA
BÉLGICA
ITÁLIA
SINGAPURA
RÚSSIA
JAPÃO
EUA
MÉXICO
BRASIL
ABU DHABI

1 LEWIS HAMILTON MERCEDES 1:33.385 9 ROMAIN GROSJEAN
HAAS FERRARI
2 VALTTERI BOTTAS MERCEDES +0.199S 1:33.704 PILOTOS

3 MAX VERSTAPPEN RED BULL RACING +0.442S 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21

4 DANIEL RICCIARDO RED BULL RACING +0.459S 10 MARCUS ERICSSON 1. L. HAMILTON 18 15 12 25 25 15 10 25 - 18 25 25 18 25 25 25 306
SAUBER FERRARI
5 SEBASTIAN VETTEL FERRARI +0.543S 1:35.196 2. S. VETTEL 25 25 4 12 12 18 25 10 15 25 - 18 25 12 15 15 256
11 CARLOS SAINZ
6 KIMI RÄIKKÖNEN FERRARI +1.003S RENAULT Q2
(*)
7 SERGIO PEREZ FORCE INDIA +1.737S 3. V. BOTTAS 4 18 18 - 18 10 18 6 - 12 18 10 12 15 12 18 189

8 PIERRE GASLY TORO ROSSO +1.752S 4. K. RAIKKONEN 15 - 15 18 - 12 8 15 18 15 15 15 - 18 10 12 186

9 ESTEBAN OCON FORCE INDIA +1.762S 5. M. VERSTAPPEN 8 - 10 - 15 2 15 18 25 - 12 - 15 10 18 10 158

10 MARCUS ERICSSON SAUBER FERRARI +1.910S 12 NICO HULKENBERG 6. D. RICCIARDO 12 - 25 - 10 25 12 12 - 10 - 12 - - 8 8 134
RENAULT
11 KEVIN MAGNUSSEN HAAS FERRARI +1.946S (*) 7. N. HULKENBERG 6 8 8 - - 4 6 2 - 8 10 - - - 1 - 53
13 SERGEY SIROTKIN
12 CARLOS SAINZ RENAULT +1.956S WILLIAMS MERCEDES Q1 8. K. MAGNUSSEN - 10 1 - 8 - - 8 10 2 - 6 4 - - 4 53
1:35.612
13 CHARLES LECLERC SAUBER FERRARI +2.047S

14 NICO HULKENBERG RENAULT +2.183S 9. F. ALONSO 10 6 6 6 4 - - - 4 4 - 4 - - 6 - 50

15 ROMAIN GROSJEAN HAAS FERRARI +2.526S 10. S. PEREZ - - - 15 2 - - - 6 1 6 - 10 6 - 1 47

16 BRENDON HARTLEY TORO ROSSO +2.639S 14 LANCE STROLL 11. E. OCON - 1 - - - 8 2 - 8 6 4 - 8 8 - 2 47
WILLIAMS MERCEDES
17 FERNANDO ALONSO MCLAREN RENAULT +2.689S 1:36.437 12. C. SAINZ 1 - 2 10 6 1 4 4 - - - 2 - 4 4 - 38

18 STOFFEL VANDOORNE MCLAREN RENAULT +3.232S 13. P. GASLY - 12 - - - 6 - - - - - 8 2 - - - 28

19 SERGEY SIROTKIN WILLIAMS +3.476S 15 STOFFEL VANDOORNE 14. R. GROSJEAN - - - - - - - - 12 - 8 1 6 - - - 27
MCLAREN RENAULT
20 LANCE STROLL WILLIAMS +3.616S 1:35.977

15. C. LECLERC - - - 8 1 - 1 1 2 - - - - - 2 6 21

TREINO LIVRE 3 16 FERNANDO ALONSO 16. S. VANDOORNE 2 4 - 2 - - - - - - - - - - - - 8
MCLAREN RENAULT
1 LEWIS HAMILTON MERCEDES 1:33.067 1:35.504 17. L. STROLL - - - 4 - - - - - - - - - 2 - - 6

2 VALTTERI BOTTAS MERCEDES +0.254S 18. M. ERICSSON - 2 - - - - - - 1 - 2 - 1 - - - 6

3 SEBASTIAN VETTEL FERRARI +0.600S 17 PIERRE GASLY 19. B. HARTLEY - - - 1 - - - - - - 1 - - - - - 2
SCUDERIA TORO ROSSO
4 KIMI RÄIKKÖNEN FERRARI +0.621S (*) 20. S. SIROTKIN - - - - - - - - - - - - - 1 - - 1

5 MAX VERSTAPPEN RED BULL RACING +0.870S

6 DANIEL RICCIARDO RED BULL RACING +1.327S 18 DANIEL RICCIARDO
RED BULL RACING TAG HEUER
7 CHARLES LECLERC SAUBER FERRARI +1.561S (*) EQUIPAS

8 ESTEBAN OCON FORCE INDIA +1.742S 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21

9 KEVIN MAGNUSSEN HAAS FERRARI +1.753S 19 MAX VERSTAPPEN 1. MERCEDES 22 33 30 25 43 25 28 31 - 30 43 35 30 40 37 43 495
RED BULL RACING TAG HEUER
10 SERGIO PEREZ FORCE INDIA +1.849S (*) 2. FERRARI 40 25 19 30 12 30 33 25 33 40 15 33 25 30 25 27 442

11 CARLOS SAINZ RENAULT +1.921S 3. RED BULL TAG HEUER 20 - 35 - 25 27 27 30 25 10 12 12 15 10 26 18 292

12 PIERRE GASLY TORO ROSSO +2.058S 20 BRENDON  HARTLEY
SCUDERIA TORO ROSSO
13 ROMAIN GROSJEAN HAAS FERRARI +2.118S 1:35.037 4. RENAULT 7 8 10 10 6 5 10 6 - 8 10 2 - 4 5 - 91

14 NICO HULKENBERG RENAULT +2.146S 5. HAAS FERRARI - 10 1 - 8 - - 8 22 2 8 7 10 - - 4 80

15 MARCUS ERICSSON SAUBER FERRARI +2.303S 6. MCLAREN RENAULT 12 10 6 8 4 - - - 4 4 - 4 - - 6 - 58

16 BRENDON HARTLEY TORO ROSSO +2.966S (*) Fernando Alonso, Daniel Ricciardo, Max Verstappen, Pierre Gasly e 7. FORCE INDIA - -1 - -15 -2 -8 -2 - -14 -7 -10 - 18 14 - 3 35
Brendon Hartley partem do final da grelha devido a múltiplas trocas
17 SERGEY SIROTKIN WILLIAMS +3.004S de elementos das suas unidades motrizes. Verstappen e Ricciardo: 8. TORO ROSSO HONDA - 12 - 1 - 6 - - - - 1 8 2 - - - 30
Mais 5 posições devido a troca da caixa de velocidades. Verstappen: 3
18 LANCE STROLL WILLIAMS +3.207S posições na grelha devido a não ter desacelerado ao ser-lhe mostrada 9. SAUBER FERRARI - 2 - 8 1 - 1 1 3 - 2 - 1 - 2 6 27
uma bandeira amarela. Hartley: 10 lugares de penalização devido a
19 STOFFEL VANDOORNE MCLAREN RENAULT +3.530S
múltiplas trocas de elementos da sua unidade motriz.
20 FERNANDO ALONSO MCLAREN RENAULT +3.925S Vandoorne: 5 lugares na grelha devido a troca da cx. de vel. 10. WILLIAMS - - - 4 - - - - - - - - - 3 - - 7

PONTUAÇÃO 1.º 25 PTS 2.º 18 PTS 3.º 15 PTS 4.º 12 PTS 5.º 10 PTS 6.º 8 PTS 7.º 6 PTS 8.º 4 PTS 9.º 2 PTS 10.º 1 PT

12 WTCR/
CHINA

YVIANNTORMCAUÁCLVILENELRG!

Depois de mais de dois meses de paragem, o WTCR está de
regresso. A Taça do Mundo de Turismos FIA iniciou o seu

périplo pela Ásia e Ningbo foi o palco para a sétima jornada,
num fim de semana em que os homens da Yvan Muller Racing

dominaram por completo

Fábio Mendes carro (direção assistida). Os Hyundai mos- O domingo trouxe mais do mesmo. Björk primeiros metros da prova. Atrás, a con-
[email protected] travam-se fortes e ocuparam sempre os esteve imparável e voltou a fazer o me- fusão do costume, com vários toques à
lugares da frente, mas os Audi apresen- lhor tempo na Qualificação 2 (seguido de mistura e Tarquini a ficar fora de comba-
Éprecisorecuaraté15dejulhopara tavam um andamento interessante, com Michelisz, Guerrieri, Tarquini e Huff, os te, tal como Vernay. Quem se destacou foi
relembrarmos a última corrida do Fréderic Vervisch a ser o destaque, (top 5 homens que passaram à Q3) enquanto a Guerrieri, que apesar do toque violento de
WTCR antes da paragem de verão. em ambas as sessões). Esteban Guerrieri pole para a corrida 2 (com grelha inverti- Tarquini, conseguiu subir de oitavo para
A saída da Argentina do calendá- era o melhor Honda, os VW estiveram dis- da) ficava para Bennani. quarto. Depois apenas precisou de assis-
rio, devido a problemas económi- cretos, e Zsolt Szabó surpreendeu no TL2, O marroquino não teve argumentos para tir ao desentendimento entre Ehrlacher
cos, levou o WTCR à Eslováquia mostrando o potencial do Cupra. Os Alfa segurar Muller (que largou da segunda e Vervisch que acabaram ambos fora de
para a sexta jornada, tornando ainda não tinham andamento para os homens posição) e deixou que o francês se insta- pista e perderam várias posições, entre-
maior a pausa veranil. Os homens e mu- da frente e a Peugeot trocava o motor lasse na liderança da corrida 2, logo nos gando o último lugar do pódio ao argen-
lheres da Taça do mundo regressaram à em ambos os carros (com consequen-
ação em Ningbo, China, primeira das qua- te penalização), talvez percebendo que
tro provas em solo asiático. Para esta ron- não tinham capacidade para ambicionar
da tínhamos algumas novidades: James grandes voos nesta jornada, ficando com
Thompson saiu da Münnich Motorsport motores “frescos” até ao final da época.
para dar lugar a Timo Scheider, bi-cam- Na qualificação 1, Björk voltou a ser o mais
peão do DTM, e Benjamin Lessennes teve forte e conseguiu a pole para a corrida 1,
de ceder o seu assento a Ma Qing Hua, destronando Vervisch do primeiro lu-
ex-piloto do WTCC. gar no fim da sessão. Seguiram-se os
A sinuosa pista chinesa parecia, em teoria, dois Hyundai da BRC (Norbert Michelisz e
favorecer as características dos Hyundai, Gabriele Tarquini) e Guerrieri a fechar o top
mas os i30 N TCR, a par dos VW Golf GTi 5. Destaque negativo para Yann Ehrlacher,
TCR, eram os carros mais pesados (+60kg) Muller e Jean-Karl Vernay que ficaram fora
para este fim de semana. Seguiam-se do top 10. A corrida 1 foi apenas o confir-
os Audi (+50kg), os Cupra (+30kg), os mar do domínio de Björk, que venceu sem
Peugeot (+20kg) e os Alfa Romeo sem dificuldade, seguido de Guerrieri (exce-
peso extra. lente recuperação) e Vervisch. Tarquini
Não foi preciso muito para entender que também fez uma boa recuperação (cum-
a tendência do fim de semana seria a prindo uma penalização por um inciden-
esperada. Thed Björk esteve sempre na te na corrida 3, na Eslováquia), tal como
frente nas duas sessões de treinos livres, Muller e Ehrlacher. Destaque para a luta
enquanto o seu chefe e colega de equipa, acesa entre os homens da Loeb Racing
Yvan Muller, tinha problemas com o seu (Rob Huff e Mehdi Bennani) com alguns
contactos à mistura.

C/ >> autosport.pt

13

CLASSIFICAÇÃO

CORRIDA 1 HYUNDAI 13 VOLTAS
1 THED BJÖRK HONDA +4,098
2 ESTEBAN GUERRIERI AUDI +6,509
3 FRÉDÉRIC VERVISCH HYUNDAI +7.459
4 GABRIELE TARQUINI VOLKSWAGEN +12,512
5 MEHDI BENNANI VOLKSWAGEN +12,920
6 ROBERT HUFF HYUNDAI +15,681
7 YVAN MULLER HONDA +18,262
8 YANN EHRLACHER AUDI +21,330
9 DENIS DUPONT AUDI +22,571
10 AURÉLIEN PANIS
CORRIDA 2 HYUNDAI 13 LAPS
1 YVAN MULLER VOLKSWAGEN +2.620
2 MEHDI BENNANI HONDA +8.569
3 ESTEBAN GUERRIERI AUDI +9.965
4 DENIS DUPONT VOLKSWAGEN +12.526
5 ROBERT HUFF AUDI +12.629
6 FRÉDÉRIC VERVISCH HYUNDAI +12.796
7 THED BJÖRK AUDI +12.961
8 NATHANAËL BERTHON HYUNDAI +13.257
9 NORBERT MICHELISZ CUPRA +15.337
10 PEPE ORIOLA
tino. Nota para o incidente entre Ma Qing nato, já Michelisz voltou a ter o azar do CORRIDA 3 HYUNDAI 17 LAPS
Hua e Ehlarcher, em que o chinês mediu seu lado com uma desistência na corrida 1 THED BJÖRK HYUNDAI +1.928
mal as distâncias e embateu de forma 1 e uma corrida 3 que ficou comprometi- 2 GABRIELE TARQUINI AUDI +4.020
violenta no carro do francês, ficando fora da pelo toque de Guerrieri. Esperava-se 3 DENIS DUPONT AUDI +7.235
de prova na corrida 3. que os Hyundai fossem os mais fortes e 4 FRÉDÉRIC VERVISCH HYUNDAI +8.855
A última corrida do fim de semana deu- as suspeitas confirmaram-se. 5 NORBERT MICHELISZ VOLKSWAGEN +10.572
-nos novamente um Hyundai da YMR a 6 ROBERT HUFF CUPRA +11.061
liderar. Björk não desperdiçou a pole e AUDI SURPREENDENTEMENTE 7 PEPE ORIOLA AUDI +12.118
dominou novamente a corrida sem difi- 8 NATHANAËL BERTHON AUDI +12.871
culdade. Atrás de si nova confusão, com COMPETITIVOS 9 AURÉLIEN PANIS VOLKSWAGEN +13.737
Guerrieri a fazer uma tentativa muscu- Foi com algum espanto que pudemos ver 10 MEHDI BENNANI
lada de passar por Michelisz, acabando as boas prestações dos Audi da Comtoyou. CAMPEONATO HYUNDAI 241
com uma suspensão partida enquanto A equipa andou a primeira metade da 1 #30 GABRIELE TARQUINI HYUNDAI 233
o húngaro via passar por si Tarquini e época longe dos resultados e do anda- 2 #11 THED BJÖRK HYUNDAI 232
Denis Dupont. Este trio da frente man- mento dos Audi da WRT (Leopard), mas 3 #48 YVAN MULLER HYUNDAI 195
teve-se inalterado até ao fim da corrida, no último fim de semana foram muito 4 #5 NORBERT MICHELIS HONDA 178
mesmo depois da interrupção da corrida competitivos. A equipa fez uma revisão 5 #68 YANN EHRLACHER HONDA 174
para reparar os corretores da curva 17 que geral nas férias e encontraram soluções 6 #86 ESTEBAN GUERRIERI AUDI 166
se soltaram. Destaque para os problemas para alguns problemas que atormenta- 7 #69 JEAN-KARL VERNAY CUPRA 165
de Muller que ditaram o seu abandono e ram os pilotos e o resultado está à vista. 8 #74 PEPE ORIOLA VOLKSWAGEN 161
de Michelisz que teve um fim de corrida Dois pódios e boas prestações, especial- 9 #12 ROB HUFF AUDI 143
difícil, sendo ultrapassado por Vervisch mente de Vervisch, um dos mais rápidos 10 #22 FRÉDÉRIC VERVISCH
que conseguiu um saboroso quarto lugar. do fim de semana. Dupont aproveitou
Björk conseguiu a segunda vitória do fim bem e também subiu ao pódio e mesmo se dá bem. Foi rápido, aguerrido e apenas da Cupra teve de ser defendida por Oriola
de semana, quarta da época e subiu à vi- Nathanaël Berthon e Aurélien Panis es- aquela manobra forçada na corrida 3, que que conseguiu pontuar em duas corridas.
ce-liderança da competição. tiveram quase sempre no top 10. Para a o atirou para fora de prova, manchou um Szabó conseguiu fazer melhor que o es-
WRT foi um fim de semana para esque- fim de semana que tinha tudo para ser panhol na qualificação 1, mas nas corri-
NINGUÉM TEVE ARGUMENTOS cer. Vernay estava agradado com o an- quase perfeito. Ehrlacher não perdeu o das o espanhol voltou a ser o mais forte,
damento do carro e mostrou capacidade comboio do título, mas tem de fazer mais enquanto os restantes pilotos dos Cupra
PARA OS CARROS BRANCOS para lutar com os homens da frente, mas para se manter na luta. Timo Scheider não ficaram longe dos lugares de destaque.
os toques nas corridas impediram-no esteve mal na sua primeira experiência
Os homens da YMR estiveram em gran- de pontuar. Gordon Shedden passou ao em carros de tração dianteira, numa boa TABELA CLASSIFICATIVA
de nível e Björk foi claramente o melhor lado do fim de semana e esteve a milhas opção da Münnich Motorsport, amelhor
homem do fim de semana. O sueco foi rá- do andamento do seu colega de equipa. equipa com Honda. A Boutsen Ginion con- SEMPRE A MUDAR
pido, consistente, aproveitou o excelente tinua a desiludir. Coronel queria lutar pelo
trabalho nas qualificações e não compro- APENAS GUERRIERI SALVOU título, mas este ano ainda não mostrou O formato de três corridas por fim de se-
meteu na corrida 2 com grelha invertida. argumentos para tal (longe disso) e Ma mana leva a que sejam muitas as mudan-
Muller teve um fim de semana de altos e A HONRA DA HONDA Qing Hua teve uma estreia pobre, com ças de uma ronda para a outra. Tarquini
baixos, mas viu a sua equipa dominar por Esperava-se mais da Honda nesta ron- um erro que lhe custou caro. chegou líder e saiu de Ningbo líder, mas
completo e não perdeu terreno na luta pelo da do WTCR, tal com se esperava mais da Muller ainda roubou temporariamente o
título. Para os homens da BRC foi um fim Honda este ano. São quatro os Hyundai, HUFF E BENNANI EM ACESA LUTA primeiro lugar ao italiano. Björk era sexto
de semana de sensações mistas. Tarquini nas quatro primeiras posições da tabela Huff é candidato ao título, mas Bennani antes da primeira corrida, mas é agora se-
e Michelisz nunca tiveram o mesmo an- e Ehrlacher apenas aparece em quinto, ainda acredita e não vai facilitar a vida gundo. Guerrieri conseguiu subir um pou-
damento que os Hyundai da YMR e se o seguido de Guerrieri. O argentino teve ao colega de equipa. As cenas na corri- co na classificação enquanto Vernay des-
italiano manteve a liderança do campeo- um bom fim de semana, numa pista onde da 1 fizeram relembrar o acidente de Vila ceu. 98 pontos separam o primeiro do 10º
Real e o ambiente entre os dois pilotos e tendo em conta que um fim de semana
poderá piorar. pode dar um máximo de 87 pontos, tudo
pode acontecer, embora a tendência es-
ORIOLA, SEMPRE O MELHOR CUPRA teja a favorecer os homens com Hyundai.
Zsolt Szabó ainda ameaçou fazer uma No campeonato por equipas a YMR pas-
boa prestação, mas mais uma vez a honra sou para a frente da BRC e lidera agora o
campeonato, com a Münnich Motorsport
a fechar o top 3.

14 ACitroënconfirmouoficialmente
o regresso de Sébastien Ogier e
N/ CITROËNNOTÍCIAS Julien Ingrassia à sua estrutura
CONFIRMA para guiar o C3 WRC em 2019.
OGIER Um desfecho que se desenhava há
muito, pois mesmo com o reforço do
Sébastien Ogier escolheu a Citroën! Depois de ter sido apoio da Ford à estrutura de Malcolm me deu a oportunidade de competir
Campeão em 2017, e ainda na luta pelo título de 2018, Wilson, a M-Sport, tem ficado claro no WRC. Logicamente, houve vários
que os Fiesta estão a perder a corrida fatores que determinaram a minha
o pentacampeão do Mundo de Ralis vai terminar do desenvolvimento. Por isso, surge escolha, e entre eles está o facto de
a carreira - nos ralis - na mesma equipa onde começou... um novo desafio para o francês, que poder tornar-me o segundo piloto
volta a juntar toda uma estrutura à a ser Campeão do Mundo em três
José Luis Abreu sua volta: “Estou muito entusiasmado marcas diferentes (ndr.: tal como
[email protected] e não esqueço que esta é a equipa que sucedeu com Juha Kankkunen,
Peugeot, Lancia e Toyota). Estou
LEIA E ACOMPANHE TODAS perfeitamente convencido que o
AS NOTÍCIAS EM AUTOSPORT.PT carro tem potencial, e tenho grande
fé nas pessoas em Satory”, disse
Ogier. A duração do contrato não
foi divulgada, mas acredita-se que

GP3 SERIES HUBERT
DESTACA-SE NO CAMPEONATO

FÓRMULA 2 GEORGE RUSSELL Leonardo Pulcini e David Bechmann Mawson, conseguindo a terceira vitória
COMAPORTADOTÍTULO ‘ESCANCARADA’ dividiram os triunfos na GP3 Series. da temporada. Richard Verschoor ficou
Leonardo Pulcini dominou a primeira em terceiro e conseguiu o seu primeiro
corrida e terminou com quase 4s pódio na competição.
de avanço para Nikita Mazepin, que Na luta pelo título, Anthoine Hubert foi
conseguiu passar Anthoine Hubert na quarto e Nikita Mazepin desistiu. Hubert
última volta e garantir o segundo posto. lidera agora com 199 pontos, mais 32
David Beckmann venceu a segunda pontos do que Mazepin, com Callum
corrida, depois de chegar à liderança Ilott a 52 pontos da liderança, a duas
já na última volta, ao passar Joey corridas do fim.

Alexander Albon e George Russell a ultrapassagem de Albon ao piloto
dividiram os triunfos nas duas corridas holandês, vencendo depois a corrida. O
da F2 em Sochi, com o piloto ‘protegido’ segundo lugar foi para Nicholas Latifi que
da Mercedes cada vez mais perto de também superou De Vries.
confirmar o título. George Russell foi quarto.
A primeira corrida foi caótica, mas Na segunda corrida, George Russell deu
Alexander Albon venceu e assumiu o um grande passo rumo ao título, ao vencer.
segundo lugar do campeonato, por troca Alexander Albon foi terceiro e Lando Norris
com Lando Norris, que desistiu. voltou a desistir, ficando o homem da ART
Albon arrancou de quinto e ganhou duas confortável na liderança. Russell tem agora
posições, depressa passou George Russell, 248 pontos, enquanto Albon é segundo
ficando apenas com Nyck de Vries à sua com 211. Norris é terceiro com 197, tendo
frente. A paragem das boxes permitiu Nyck De Vries atrás de si com 184.

>> autosport.pt

15

BLANCPAIN GT SERIES ENDURANCE CUP
PORTUGUESES COM SORTES DIFERENTES

será de um ano com opção de mais Terminou com sortes distintas para as cores nacionais a corrida da terminou em segundo, juntamente com os co-pilotos Tristan Vautier e
um ou dois anos. Blancpain GT Series Endurance Cup, as 3 horas de Barcelona, já que Daniel Juncadella.
Agora só falta a Citroën confirmar enquanto Miguel Ramos venceu na categoria Pro-Am, Álvaro Parente foi Marciello garantiu o título geral do Blancpain GT, mas o pior estava para
Esapekka Lappi, que acreditamos penalizado quando lutava pelos lugares do pódio e acabou no 16º lugar. vir, já que a equipa Black Falcon foi posteriormente desclassificada,
ser o próximo colega de equipa de Na Pro-Am foi a primeira vitória do ano para a tripla Ramos, Crestani e o que promoveu Marciello ao título provisório da Endurance Cup. O
Ogier, desconhecendo-se para já Cipriani no Lamborghini nº 27 da Lazarus Daiko Racing Team. Um bem nº 4 da Black Falcon foi desclassificado devido a uma irregularidade
se passa a haver um terceiro carro conseguido fim de semana em Barcelona, pois após uma qualificação técnica. A equipa apelou e os resultados da corrida e a classificação do
a tempo inteiro. em que conseguiram o segundo lugar, logo após o início da prova os campeonato vão permanecer provisórios.
três pilotos não deixaram fugir a possibilidade de se intrometer na luta
pela vitória e conseguir alcançar assim este bom resultado.
No polo oposto esteve Álvaro Parente. O piloto do Mercedes-AMG
GT3 nº 43, que teve a seu lado Maxi Buhk e Maxi Goetz, depois de ter
assegurado o quinto lugar na grelha de partida, viu sair-lhe a ‘fava’.
Maxi Buhk começou bem a corrida, e lutava pelo segundo lugar quando
cedeu o volante a Álvaro Parente. O português regressou à luta, mas
quando perseguia o seu rival mais direto, um retardatário fechou a
trajetória e o toque foi inevitável. Parente perdeu duas posições, e foi
penalizado com um Stop & Go de um minuto, terminando em 16º.
Lá na frente, Maro Engel, Luca Stolz e Yelmer Buurman foram
inicialmente coroados campeões da Blancpain GT Series Endurance
Cup depois de vencerem a corrida de 3 horas, isto depois dos pilotos da
Mercedes-AMG Team Black Falcon liderarem a maior parte da corrida
desde a pole, batendo os rivais do campeonato, Raffaele Marciello, que

16 WRX/
RALICROSS - UNITED STATES

CAMPEÃO

FKARZISHTIOSFFTEÓRSRSIOAN

Johan Kristoffersson assegurou o seu segundo título mundial
de Ralicross consecutivo na estreia do campeonato no

Circuito das Américas. Apesar de ter sido o melhor após as
qualificações, o seu colega de equipa Petter Solberg teve de
se contentar com o segundo lugar na Final, enquanto Andreas

Bakkerud fechou o pódio com o Audi S1 quattro

Duarte Mesquita que, Solberg defendeu-se bem de Kevin seu lado. Kristoffersson e Loeb partilha- pal com Bakkerud a ser o seu persegui-
[email protected] Hansen na primeira curva do traçado vam a segunda linha, com Bakkerud e dor. Os restantes pilotos decidiram ir to-
FOTOS DPPI/ Paulo Maria principal, enquanto os outros, liderados Timmy Hansen lado a lado na terceira dos à Joker-lap, e na disputa pela melhor
por Kristoffersson, entraram imediata- linha. Ao sinal verde, Solberg arrancou posição que se fazia numa longa e larga
Esta foi a corrida de consagra- mente na secção da Joker-lap. Sabendo bem e decidiu curvar pelo traçado princi- direita de asfalto, Kristoffersson impu-
ção de Johan Kristoffersson da ameaça de Kristoffersson, Solberg fez
como Bicampeão do Mundo de a sua Joker logo na segunda volta, ten- C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O
Ralicross, mas há que dar o mé- do-se mantido na frente do seu colega
rito a Petter Solberg pela pro- de equipa. Quando Kevin Hansen fez o 1º JOHAN KRISTOFFERSSON VW POLO R 6 VOLTAS EM 3M31,118S
va conseguida, tendo sido a sua mesmo na 4ª volta, Timmy Hansen pas-
melhor exibição do ano, demonstran- sou-o, passando a ser o terceiro classifi- 2º PETTER SOLBERG VW POLO R A 0,600S
do um ritmo elevado e consistente ao cado para a Final. A segunda Meia-final
longo de todo o fim de semana. Foram tinha a primeira linha ocupada pelos 3º ANDREAS BAKKERUD AUDI S1 QUATTRO A 1,695S
muitas as emoções vividas no seio da Audi S1 quattro da EKS, com Ekström
PSRX Volkswagen, pois para além da a partir do lugar interior. Após o sinal 4º SÉBASTIEN LOEB PEUGEOT 208 WRX A 2,323S
confirmação do título mundial por par- verde, Ekström arrancou bem e decidiu
te de Kristoffersson, a competitiva pro- permanecer no traçado principal, sen- 5º MATTIAS EKSTROM AUDI S1 QUATTRO A 8,069S
va realizada por Solberg foi a melhor do seguido por Sébastien Loeb e Niclas
forma de dar um pontapé definitivo na Grönholm. Andreas Bakkerud liderava 6º TIMMY HANSEN PEUGEOT 208 WRX A 9,836S
doença pulmonar que o afetou nos últi- o segundo grupo de pilotos, perseguido
mos 12 meses. Com vitórias na Q1 e Q2, por Kevin Eriksson, de volta às boas exi- VOLTA MAIS RÁPIDA: JOHAN KRISTOFFERSSON (VW) EM 33,685S
Solberg era o melhor classificado após as bições com o Ford Fiesta ST, e por Anton
qualificações, com Kristoffersson a ser Marklund, que ocupou desta feita o vo- CAMPEONATO MUNDO PILOTOS
o terceiro com o tempo mais rápido ob- lante do segundo Renault Mégane RS RX
tido na Q4. Consequentemente, Solberg da GCK. Na frente, Ekström e Loeb fize- 1º JOHAN KRISTOFFERSSON (VW) 281 PONTOS
e Kristoffersson dividiam a primeira li- ram regularmente voltas rápidas, o que
nha da primeira Meia-final, com os ir- lhes valeu as duas primeiras posições, 2º MATTIAS EKSTRÖM (AUDI) 204
mãos Hansen a ocuparem a segunda fila, com Bakkerud a ultrapassar o Hyundai
numa prova difícil para Timmy Hansen, i20 N RX de Grönholm para se qualificar 3º PETTER SOLBERG (VW) 202
cujo Peugeot 208 WRX teve de receber para a Final.
um novo motor entre a Q3 e a Q4, o que 4º ANDREAS BAKKERUD (AUDI) 200
o fez receber a segunda penalidade de ATRAVESSADELA CUSTOU
15 pontos no campeonato este ano. A 5º SÉBASTIEN LOEB (PEUGEOT) 195
grelha desta Meia-final era completa- VITÓRIA A SOLBERG
da por Guerlain Chicherit, em mais uma 6º TIMMY HANSEN (PEUGEOT) 163
boa prova com o Renault Mégane R.S. Na grelha da Final estavam alinhados to-
RX, e por Jānis Baumanis. Após o arran- dos os carros oficiais presentes, aparte o 7º NICLAS GRÖNHOLM (HYUNDAI) 124
de Kevin Hansen. Da pole position partia
Solberg, tendo o eterno rival Ekström a 8º KEVIN HANSEN (PEUGEOT) 113

9º JANIS BAUMANIS (FORD) 79

10º TIMUR TIMERZYANOV (HYUNDAI) 77

PRÓXIMA PROVA: ESTERING (ALEMANHA) A 13 E 14 DE OUTUBRO DE 2018

>> autosport.pt

17

NASSER AL-ATTIYAH
PODERÁ CORRER EM 2019

O duas vezes vencedor do Dakar e ex- Abbring se mantenha como piloto de
piloto do WRC, Nasser Al-Attiyah, está testes da equipa lituana no futuro próx-
em conversações para poder dispu- imo, o seu Diretor Desportivo, Ramunas
tar o Mundial de Ralicross na próxima Fetingis, revelou estar a trabalhar com
temporada. O medalhista olímpico tes- Al-Attiyah para disputar o World RX em
tou em setembro o novo Skoda Fabia 2019: “Estamos muito felizes com os
Supercar da equipa ES Motorsport pilotos. O Nasser é muito bom noutras
no circuito de Bikernieki, na Letónia, disciplinas e agora está a gostar do
ao lado de Kevin Abbring, ex-piloto da carro de Ralicross. Nós ainda não ass-
Hyundai no WRC, que atualmente está inámos o contrato, mas estamos con-
a trabalhar como piloto de testes para fiantes de que veremos uma nova cara
esta equipa. O teste marcou a primeira no World RX no próximo ano. Não pos-
vez que o carro foi conduzido num cir- so anunciar oficialmente que o Nasser
cuito de Ralicross, tendo a equipa es- vem para o campeonato, mas ele está
colhido o traçado de Riga para poder muito satisfeito com o carro, com a eq-
comparar a performance do novo Fabia uipa e estamos felizes com a sua per-
com os tempos obtidos pelos pilotos formance, por isso vamos fazer os pos-
do Mundial na prova lá disputada re- síveis para chegar a um acordo para
centemente. Enquanto se espera que 2019.” DM

nha-se de forma musculada mas cor- rida por um toque em Ekström e fica-
reta a Ekström e Loeb, vindo este ainda va assim em sexto. Título mais do que
a perder a posição para Timmy Hansen merecido para Johan Kristoffersson,
por alargar de mais a trajetória. Solberg que mostrou ser o piloto mais rápido
aplicou a mesma receita da Meia-final, de todos ao longo do ano (foi batido
entrando na Joker logo na segunda volta, apenas uma vez por Loeb na Bélgica),
o que permitiu novamente ao norueguês tendo um impressionante talento para
manter-se na frente de Kristoffersson. conseguir ser consistente nos tempos
Na liderança sozinho ficava Bakkerud, por volta (fruto da sua escola da velo-
mas o piloto do Audi S1 quattro estava cidade) e uma frieza pouco comum que
menos rápido que os VW Polo R e, após a lhe permite ser praticamente imune a
sua passagem pela Joker, naturalmente erros (mais admirável pelo World RX
os dois VW Polo ficavam na sua frente. ser tão competitivo e cheio de pilotos
Com mais duas voltas para o final da cor- de elevado crédito). Esta perfeição fi-
rida, as posições pareciam estar deci- cou uma vez mais patente nesta prova,
didas, mas um erro fatal de Solberg na pois Solberg, apesar de ter estado ao
penúltima volta, na esquerda anterior seu melhor nível, não esteve perfeito
ao salto, onde passou o limite do ponto e perdeu o triunfo. Parabéns a Johan
de travagem e o obrigou a uma atraves- Kristoffersson e a toda a equipa PSRX
sadela para a zona mais cheia de terra, Volkswagen, que lhe permitiu ter um
permitiu que Kristoffersson passasse VW Polo R tecnicamente bem adaptado
para a frente e viesse a ganhar a sua a todos os traçados e a apresentar um
nona prova da temporada (em 10 possí- nível de fiabilidade extraordinário, obra
veis). Solberg e Bakkerud terminaram de sucesso construída em grande par-
assim em segundo e terceiro, na frente te com o contributo meritório dos nos-
dos dois pilotos da Peugeot Sport, Loeb sos técnicos portugueses, José Azevedo,
e Hansen, mas este viria a receber uma Rui Cabeda e Marco Moreiras. Este título
penalização de 5 segundos após a cor- também é deles.

18 CPM/
CAMPEONATO DE PORTUGAL DE MONTANHA JC GROUP - RAMPA DE BOTICAS
RAMALRHUOI
VEZESOITO
Rui Ramalho venceu a Rampa de Boticas
e com isso fez o pleno, triunfando em todas
as provas do CPM 2018. Mas se a luta pelo
título absoluto não teve história, as restantes
categorias foram bem diferentes…

José Luis Abreu Correia. O piloto do Nissan GT-R Nismo pódio absoluto, na 3ª posição. Divisão no seu bornal.
[email protected] GT3, que já tinha garantido o título entre Luís Nunes cairia mesmo duas posições, No campeonato de Portugal de Clássicos
FOTOGRAFIA Zoom Motorsport/António Silva os GT, chegou a Boticas com cinco pon- já que Manuel Correia (Ford Fiesta R5+) de Montanha JC Group tivemos um vence-
tos de vantagem sobre Manuel Correia, melhoraria a sua marca e assumia as- dor que se estrou nesta condição em 2018.
Há muito já estava coroado Rui que por sua vez também já se tinha sa- sim a 4ª posição da geral e a vitória entre Ricardo Loureiro impôs o seu Ford Escort
Ramalho, agora bicampeão na- grado campeão nacional de Turismos de os Turismo e na sua Divisão 2. Nunes foi MK II ao Ford Escort MKI de Augusto
cional, mas o piloto do Porto não Montanha. assim 5º, triunfando na Divisão Turismo 4. Vasconcelos, cabendo a Rui Gama (Austin
quis deixar os créditos por mãos E o piloto, e líder da JC Group Racing Team, Joaquim Teixeira (Seat Leon Eurocup MKII) Clubman MKII) reclamar um degrau no
alheias e colocou em Boticas a comemorou a obtenção do 2º lugar no fechou a época com mais um triunfo na pódio, ao terminar em 3º.
cereja no topo do bolo ao confir- campeonato absoluto com posição igual Divisão Turismo 3 e o 6º posto da geral. Na Taça de Portugal de Montanha 1300,
mar o triunfo em todas as provas da com- nesta Rampa de Boticas, vencendo a Um vez mais foi muito rápido e consis- Leonel Brás (Citroen AX) esteve igual
petição. Um bom carro, uma boa equipa, e Categoria GT. Longe de Ramalho, deixou tente na defesa das cores do Bompiso si próprio, sendo sempre o mais forte.
um piloto que esteve uns furos acima da também a concorrência a uma distân- Racing Team. Atrás de si, José Oliveira levou o Toyota
concorrência. Tal como fez por diversas cia confortável, estando sempre muito Já detinha o estatuto de revelação da épo- Yaris ao 2º posto.
vezes, só precisou de duas subidas para forte na condução do Nissan Nismo GT3 ca mas voltou a provar toda a sua valia. Nos clássicos com cilindrada até 1300 cc,
assegurar o triunfo, alinhando, no entan- GTR. Já a luta pelo último degrau do pó- Gabriela Correia realizou uma prova de José Pedro Figueiredo assinou mais um
to, na terceira e última, como brinde aos dio em Boticas foi sem tréguas e até ao altíssimo nível. A jovem de 16 anos do triunfo, na frente de Domingos Fernandes
adeptosetambémparacomemorar.Desta último fôlego. JC Group Racing Team faz o que quer do (Autobiachi A112 Abarth). A Rampa de
feita, 8.9s foi a margem mais curta nas três Os protagonistas do duelo foram Luís Seat Leon MKII e é já um valor seguro Boticas integrou ainda uma prova regional,
subidas que os adversários conseguiram Nunes, Manuel Correia e Nuno Guimarães. desta modalidade. Em 2019 vai com cer- vencida por Sabino Pires, aos comandos
face a Ramalho, que pura e simplesmente Numa primeira fase, Nunes e o seu Audi teza cimentar o seu estatuto de “Princesa de um Renault Clio RS.
não tem adversários. RS3 LMS reservaram o lugar mas os três da Montanha”! Bastava-lhe alinhar para Em termos organizativos, esta edição
No final, Rui Ramalho estava radiante: partiram para a terceira e derradeira su- garantir a vitória na Divisão Turismo 1 2018 de Boticas esteve bem, com muito
“Muito feliz, não só com mais esta vitória bida de prova separados por cerca de 3 mas Parcídio Summavielle (Renault Clio público, celeridade no ritmo das subidas
mas sobretudo por poder ter oferecido à segundos, com o piloto do Audi ainda em R3) esteve em Boticas para tentar mais e uma organização sempre a postos e à
minha equipa, principalmente ao meu terceiro, Correia em quarto e Guimarães um triunfo, encetando com Pedro Coelho altura dos acontecimentos, cimentando
irmão Paulo, uma época só com vitórias. em quinto. Saraiva, a estrear um Ford Fiesta R5 da desta forma a sua justa ambição de vir a
Foi um ano perfeito!”. Aí, nos derradeiros 5100 metros, Nuno RMC, um duelo fantástico ao longo de acolher o FIA Hill Climb Masters em 2020,
Mas era logo atrás que estava o principal Guimarães foi de “faca nos dentes” com o toda a prova. tendo para o efeito marcado presença ob-
motivo de interesse da Rampa de Boticas, seu BRC CM02 e “assaltou” o pódio, reali- Pedro Coelho Saraiva acabou por ven- servadores da FIA na prova. Desta forma,
a discussão pelo vice-campeonato abso- zando um “tempo canhão”, suplantando cer, com o todo o mérito e Parcídio cai o pano sobre mais um Campeonato
luto, que envolveu os irmãos José e Manuel os rivais e chegando assim ao almejado sai de Boticas com a vitória final na de Portugal de Montanha. Venha 2019!

>> autosport.pt

19

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O

20 CPK/
CAMPEONATO DE PORTUGAL DE KARTING - PALMELA

HONRA E GLÓRIA ral da X30 Super Shifter e na Master, en-
O Campeonato de Portugal de Karting KIA 2018 cumpriu a quinta e última prova no quanto João Dias venceu na Gentleman.
aprazível complexo onde está inserido o Kartódromo Internacional de Palmela, sob a Na Final, disputada em 13 voltas ao traçado
organização do Kart Clube de Lisboa. Glória aos nove campeões nacionais… e honra de 1270 metros, Hugo Marreiros largou da
a tantos pilotos que estiveram na luta pelos títulos, assim como aos que alcançaram pole position e conseguiu impor um ritmo
meritórias classificações bastante forte para vencer a geral na ca-
tegoria X30 Shifter e na Sénior.
Filipe Cairrão e Ricardo S. Araújo convívio e a transmissão de valores aos Castro (Maranello) ao rodar em 50,582s. Já Rodrigo Ferreira garantiu a segunda
[email protected] mais jovens são os seus principais obje- Na categoria X30 Shifter – karts de 125 cc posição, mas foi suficiente para confir-
FOTOGRAFIA HelloFoto/Miguel Araújo tivos. A eles a nossa vénia… bem comos com caixa de velocidades –, o mais rápi- mar o título na Júnior e sagrar-se cam-
aos Masters, pilotos dos 32 aos 44 anos do da geral foi Rodrigo Ferreira (Praga), peão nacional absoluto da categoria X30
Depois do arranque em Viana de idade. com o tempo de 50,078s, e também na Shifter. Por sua vez, Tiago Teixeira (CRG)
do Castelo e das passagens No que diz respeito ao que se passou na classe Júnior. Na Sénior, Hugo Marreiros – terceiro classificado e o autor da vol-
pelas pistas de Leiria, Braga e jornada de Palmela, como habitualmen- (DR) rubricou o melhor ‘crono’ em 50,113s. ta mais rápida com a marca de 50,409s
Bombarral, o Campeonato de te, as categorias X30 Shifter e X30 Super Na primeira manga de qualificação – dis- – garantiu o título de campeão nacional
Portugal de Karting KIA ficou Shifter partilharam a mesma grelha com putada em 11 voltas –, Rodrigo Ferreira na Sénior e foi vice-campeão nacional na
definido em Palmela, numa jor- as seguintes classes: Júnior (dos 15 aos venceu a geral na X30 Shifter e na classe geral, após um duelo intenso com Rodrigo
nada em que participaram 90 pilotos dis- 18 anos de idade), Sénior (dos 18 aos 31), Júnior e Hugo Marreiros triunfou na Sénior. Ferreira desde o início da época, contri-
tribuídos por diferentes categorias, des- Master (dos 32 aos 44) e Gentleman (com Joel Magalhães impôs-se na geral da X30 buindo ambos para um bom espetáculo,
de a Iniciação – para pilotos a partir dos 45 anos ou mais). Super Shifter e na Master, enquanto Paulo assim como Hugo Marreiros, entre outros.
5 anos de idade – até à Gentleman, para Na X30 Super Shifter – karts equipados Martins (Sodi) triunfou na Gentleman. Bruno Ponte (Kart Republic) cruzou a
quem já completou 45 anos. Mas estes só com motores de 175 cc e caixa de velocida- Na segunda manga de qualificação, Hugo meta na quarta posição, ‘colado’ à traseira
têm essas ‘primaveras’ ou mais no regis- des –, Joel Magalhães (BIrelART) foi o mais Marreiros venceu a geral na X30 Shifter do kart de Tiago Teixeira, assegurando o
to de nascimento, dado que a capacidade rápido da geral com a marca de 50,396s e na classe Sénior, enquanto Rodrigo segundo lugar na classe Júnior e o vice-
de superação prova a prova e o espírito de e na classe Master (dos 32 aos 44 anos). Ferreira voltou a triunfar na Júnior. Joel -campeonato.
Na Gentleman o mais rápido foi Frederico Magalhães impôs-se novamente na ge- Rita Teixeira (CRG) encerrou o top 5 e ga-
rantiu o terceiro lugar do pódio na catego-
CATEGORIA JÚNIOR ria Sénior, mostrando-se sempre muito
rápida ao longo da prova.
Joel Magalhães (Birel ART) cruzou a meta
na sexta posição, suficiente para confir-
mar os títulos de campeão nacional ab-
soluto na categoria X30 Super Shifter e
na classe Master. Miguel Ramos (CRG)
foi sétimo classificado e quarto na Sénior,
enquanto Paulo Martins (Sodi) viu a ban-
deira de xadrez no oitavo lugar e garantiu a
segunda posição na Master, seguindo-se
Vasco Lázaro (Kart Republic) que comple-
tou o pódio, tendo Pedro Oliveira (Exprit)
– que também não escapou a alguns in-
cidentes durante o campeonato – sido o
quarto posicionado.
João Dias foi 11º classificado, mas venceu a
classe Gentleman, na frente de Frederico
Castro (Maranello - 2º Gentleman), do es-
treante Francisco Costa (FK - 3º Júnior),
João Cunha (Sodi - 2º Gentleman) e de
Manuel Ramos (CRG) que, embora sen-
do terceiro da sua classe em Palmela,
garantiu o título de campeão nacional
Gentleman.

RICARDO BORGES

CAMPEÃO X30 SÉNIOR

Ricardo Borges (Kart Repubic) chegou a
Palmela no comando da categoria X30
Sénior com 130 pontos, tendo Alexandre
Areia (Kart Republic) como único adver-

>> autosport.pt

21

CATEGORIAS X30 SHIFTER E X30 SUPER SHIFTER

sário na luta pelo título, já que o piloto de seguiu-o com mais uma exibição per- CATEGORIA X30 SÉNIOR 104 pontos. Mais atrás desenrolava-se
Esposende estava a 14 pontos do líder. O feita, vencendo a corrida com 3,668s de outra interessante discussão pelo top 5,
escalonamento dos outros lugares no top vantagem sobre Galveias – que garantiu do Open de Portugal de Karting no início com Tomás Caixeirinho (Kart Republic)
5 do campeonato ainda estava em aberto, um meritório terceiro lugar no campeo- do ano e que não pôde alinhar na tercei- e Mariana Machado (Praga) separados
já que existia uma diferença de 18 pontos nato – e obteve novamente a volta mais ra prova em Braga – terminou a Final de por apenas um ponto, e com Henrique
entre Manuel Leão (3º), João Vairinhos (4º) rápida (51,022s). Foi o primeiro título de Palmela no quinto lugar, na frente de João Cruz (CRG) ainda com aspirações a su-
e Guilherme Gusmão (5º). campeão nacional para Ricardo Borges, Vairinhos (Praga), Lourenço Monteiro bir numa tabela classificativa com mais
Borges começou a mostrar a sua rapidez que já tinha estado próximo da consa- (FA), João Ferreirinha (Sodi), Noah Silva de 20 concorrentes.
ao estabelecer o melhor tempo nos treinos gração em anos anteriores. (DR) e Luís Caetano (Madcroc), pilotos Nos treinos cronometrados, Frederico
cronometrados, onde rodou em 50,773s, Numa corrida com poucas ultrapassa- que também contribuíram para um bom Peters estabeleceu a pole position ao ro-
tendo João Galveias (Tonykart) a seu lado gens, Alexandre Areia garantiu o derra- espetáculo. dar em 51,991s, tendo Luís Alves a seu lado
na primeira fila da grelha. O líder do cam- deiro lugar do pódio e o vice-campeonato, FREDERICO PETERS na primeira fila da grelha, com Miguel
peonato viria a dominar as duas mangas naquela que foi a sua época de regresso ao CONFIRMA TÍTULO NA JÚNIOR Silva (CRG) e Tomás Caixeirinho na fila
de qualificação, terminando ambas na CPK. Já Manuel Leão (Tonykart) foi quar- Frederico Peters (Kart Republic) apre- seguinte, e com Guilherme de Oliveira a
frente de João Galveias e Alexandre Areia, to classificado na Final, muito próximo de sentou-se em Palmela na liderança do largar do 10º lugar.
além de ter obtido as voltas mais rápidas. Alexandre Areia, terminando o campeo- campeonato, com 127 pontos, tendo como Na primeira manga de qualificação,
Ricardo Borges partiu assim para a Final nato também num honroso quarto lugar. adversários na luta pelo título o ‘rookie’ Frederico Peters conseguiu um bom ar-
com a missão de confirmar o título e con- Guilherme Gusmão (Exprit) – vencedor Luís Alves (Sodi), que tinha 109,5 pontos, ranque e manteve-se na frente dos seus
e Guilherme de Oliveira (Tonykart), com dois principais adversários, Luís Alves e
Guilherme de Oliveira (autor de uma ex-
celente recuperação e da volta mais rá-
pida da corrida, em 52,058s), que termi-
naram por esta ordem. Estes três pilotos
voltaram a ser protagonistas na segunda
manga de qualificação, onde desta vez o
líder inicial foi Luís Alves. O jovem piloto
de Guimarães viria a ser ultrapassado por
Guilherme de Oliveira, que garantiu a vi-
tória na manga e nova volta mais rápida
(52,353s). Luís Alves terminou na frente
de Frederico Peters e estes resultados dei-
xavam tudo em aberto no escalonamento
dos três primeiros lugares do campeonato.
Na Final, Frederico Peters arrancava da
pole position mas a corrida foi domina-
da por Guilherme de Oliveira, que liderou
as 15 voltas ao traçado de 1270 metros. O
piloto de Vila Nova de Gaia assegurou o
vice-campeonato já que Frederico Peters
manteve-se sempre no segundo lugar
da Final, resultado que lhe permitiu sa-
grar-se campeão nacional da categoria
Júnior. Este foi o segundo título da car-
reira do jovem piloto de Évora, que tinha
sido campeão nacional Cadete em 2012.
Luís Alves teve de se aplicar para con-
quistar o pódio da Final em Palmela, numa
corrida onde chegou a rodar no quinto
lugar. O jovem piloto vimaranense, que
se estreou este ano na categoria Júnior,
terminou o campeonato num meritório
terceiro lugar e promete ser um dos sé-
rios candidatos ao título em 2019.
Rodrigo Leitão (Tonykart) terminou às
portas do pódio na Final, no quarto lugar,
Afonso Ferreira (Tonykart) chegou a rodar
no terceiro posto mas encerrou o top 5, na
frente de Miguel Silva, que conseguiu mos-
trar a sua evolução. Tomás Caixeirinho

CPK/

22

CAMPEONATO DE PORTUGAL DE KARTING - PALMELA

CATEGORIA JUVENIL

terminou na sétima posição (muito próxi- que, no entanto, viria a ser penalizado pelo ‘rookies’ António Madeira (Kart Republic) classificada e José Pinheiro completou o
mo de Miguel Silva e de Afonso Ferreira), Colégio de Comissários desportivos, des- e Francisco Costa (Sodi). Pedro Rilhado pódio, confirmando o título de campeão
resultado que lhe permitiu ser um hon- cendo ao 9º lugar final. Lourenço Marques (Tonykart) eTomásMartins ficarampelo nacional Cadete.
roso quarto classificado no campeonato. (Parolin) secundou Ivan Domingues e caminho e foram os grandes azarados da Tiago Lima voltou a estar em destaque
O espanhol Sergio Rodriguez (Sodi) foi terminou na frente de Tomás Martins, última Final da época. ao garantiu a quarta posição, enquanto
oitavo e Mariana Machado – autora da enquanto Miguel Couteiro (Mercury) e Noah Monteiro (FA) encerrou o top 5, na
volta mais rápida da corrida (52,563s) – Matilde Ferreira (Praga) completaram JOSÉ PINHEIRO frente de António Santos (Kart Republic),
terminou no nono lugar. A piloto de Vila o top 5. Pedro Cachada (Madcroc), Manuel dos
Verde fechou a época num positivo quinto Na segunda manga de qualificação ree- CAMPEÃO CADETE Santos, Pedro Moura (Praga) e Santiago
lugar do campeonato. ditou-se a discussão a três entre Ivan Alves que na fase inicial da corrida este-
Pedro Perino (Tonykart) completou o top Domingues, Adrián Malheiro e Lourenço José Pinheiro (Praga) apresentou-se na ve a discutir a liderança.
10 em Palmela e Henrique Cruz caiu para Marques, novamente com vantagem para derradeira ronda na liderança do cam- Martim Marques (Sodi) foi 11º classifi-
o 11º lugar da Final, após uma penalização Domingues, apesar de Malheiro ter es- peonato com 147,5 pontos, seguido por cado, seguindo-se Rodrigo Seabra (FA),
de cinco segundos devido a danos na ca- tabelecido a volta mais rápida (55,109s). António Santos (Kart Republic) com Diogo Caetano (Birel ART), Rodrigo Ferreira
renagem frontal do seu kart. Lourenço Marques foi o terceiro clas- 102,5, João Maria Gouveia (Praga) com (Sodi) e Pedro Soares (Sodi).
Rodrigo Lessa (Tonykart) terminou no 12º sificado, seguindo-se Tomás Martins e 100, Santiago Alves (Madcroc) com 75
lugar, Manuel Soares (Kart Republic) foi Miguel Couteiro, que completaram os e Manuel dos Santos (Parolin) com 62 a JOSÉ GOUVEIA
13º, Santiago Ribeiro (Birel ART) terminou cinco primeiros. fechar o top cinco.
no 14º posto e João Guedes (DR) completou Na Final, disputada em 13 voltas ao traça- José Pinheiro foi o mais rápido nos treinos GARANTE TÍTULO NA INICIAÇÃO
o top 15. Já o checo de origem venezue- do de 1270 metros, assistiu-se a um in- cronometrados com a marca de 57,930s
lana Zdenek Chovanec foi 16º, depois de tenso duelo entre Adrián Malheiro e Ivan e garantiu a pole position para a primeira OCampeonato de Portugal de Karting
uma penalização de 10 segundos por ter Domingues, com Lourenço Marques logo manga qualificação, na qual viria a ser ter- KIA da categoria Iniciação – com karts
transposto os corredores de partida, algo atrás. Malheiro passou para o coman- ceiro classificado, atrás de Maria Germano equipados com motores Honda e chas-
que também penalizou Luís Leão (FA). A do da corrida com uma ultrapassagem Neto (Praga) – segunda posicionada e sis de escolha livre –, destinada a pi-
Final da categoria Júnior ficou ainda mar- no primeiro gancho da pista de Palmela, autora da volta mais rápida com o tem- lotos com idades compreendidas en-
cada por um incidente logo após o arran- mas Domingues colou-se ao seu adver- po de 57,960s – e do vencedor João Maria tre 5 e os 7 anos de idade, cumpriu a
que que afastou Manuel Silva (CRG), José sário durante a segunda metade da Final, Gouveia, numa corrida bastante emotiva quinta e última prova no Kartódromo
Duarte (DR) e Diogo Martins (Birel ART). vindo mesmo a consumar a ultrapassa- com vários pilotos a lutar pelos primeiros Internacional de Palmela, com a or-
gem. O piloto de Leiria resistiu à pressão lugares, como o caso de Santiago Alves,
TÍTULO DA JUVENIL e conquistou mais uma vitória em Finais, quarto classificado.
logo na frente de Malheiro (autor da volta Na segunda manga de qualificação,
EM SUSPENSO mais rápida, em 55,286s) e de Lourenço também disputada em 10 voltas, Maria
Marques, que cortou a meta no terceiro lu- Germano Neto confirmou a sua rapidez
Depois das provas em Viana do Castelo, gar, mas que viria a ser penalizado em cin- ao ser a primeira a ver a bandeira xa-
Leiria, Braga e Bombarral, a classificação co segundos pelo Colégio de Comissários drez, na frente de Santiago Alves, João
da Juvenil estava suspensa à chegada a devido a danos na carenagem frontal do Maria Gouveia, José Pinheiro e Tiago Lima
Palmela, devido a um apelo, ainda em seu kart. Assim, Miguel Couteiro subiu (Mercury) que encerrou o top 5 e assinou a
análise na FPAK, relativo à ronda anterior. ao pódio na última prova do campeona- volta mais rápida com a marca de 57,783s.
Nos treinos cronometrados, Ivan to, com Lourenço Marques a terminar no Na Final, disputada em 8 voltas, face ao
Domingues (Madcroc) começou por es- quarto lugar e Diogo Castro a completar somatório dos resultados obtidos nas
tabelecer a pole position ao rodar em o top 5. Matilde Ferreira terminou logo duas mangas, Maria Germano Neto lar-
54,864s, tendo Tomás Martins (DR) a seu atrás de Diogo Castro, na sexta posição, gou da pole position e liderou até à penúl-
lado na primeira fila da grelha. enquanto Guilherme Alves (Mercury) tima volta, altura em que João Gouveia
Na primeira manga de qualificação, o jo- terminou no sétimo lugar, na frente dos – autor da volta mais rápida em 58,036s
vem piloto de Leiria conseguiu vencer, – passou para frente e venceu. A piloto
apesar da pressão de Adrián Malheiro de Guimarães foi uma honrosa segunda

>> autosport.pt

23

CATEGORA CADETE TOMÁS GOMES E DAVID DIAS VENCEM
NO TROFÉU KART KID RACE SCHOOL EM PALMELA
CATEGORIA INICIAÇÃO
O Troféu Kart Kid Race School rumou ao Kartódromo Internacional de Palmela
ganização a cargo do Kart Clube de ria ficou na posse de Tomás Fernandes para disputar a quinta e penúltima prova da época de estreia, depois
Lisboa. – que rubricou a volta mais rápida em das jornadas realizadas em Viana do Castelo, Leiria, Braga e Bombarral. A
José Maria Gouveia (Birel ART) – vence- 1m26,544s –, seguido de Martim Campos competição destinada a crianças dos 5 aos 10 anos de idade que nunca tenham
dor da Taça de Portugal em 2017 – surgiu e Tomás Alves. tido licença chegou a Palmela com António Silva como líder da categoria Kids
no traçado da margem sul do rio Tejo na Na Final, disputada em cinco voltas, Tomás 1 (pilotos dos 5 aos 7 anos de idade), e com Pedro Barbosa no comando da
liderança do campeonato com 131 pontos, Fernandes largou da pole position e con- categoria Kids 2 (pilotos dos 8 aos 10 anos). Recorde-se que os pilotos da Kart
seguido por Romeu Mello (Birel ART) com seguiu vencer, festejando a sua primei- Kid Race School podem aproveitar as 10 melhores classificações do total de 12
94,5, Guilherme Morgado (Parolin) com ra vitória na categoria Iniciação. Martim corridas da temporada, que encerrará em Portimão.
86, Tomás Alves (Parolin) com 78 e João Campos e Romeu Mello – autor da volta Em Palmela, um total de sete pilotos alinharam na ronda organizada pela Kart
Pereira (Birel ART) com 72. mais rápida em 1m26,038s – rodaram nas Clube de Lisboa, com Tomás Gomes (Kids 2) a revelar-se o mais rápido nos
À semelhança da ronda anterior, Romeu segunda e terceira posições até à última treinos cronometrados, enquanto David Dias conseguiu o segundo melhor
Mello foi o mais rápido nos treinos cro- volta, altura em que passou Guilherme tempo absoluto – a escassos 0,119s de Tomás Gomes – e o melhor registo
nometrados com a marca de 1m25,906s Morgado (Parolin) para o segundo pos- da categoria Kids 1. Seguiram-se na grelha de partida António Silva (Kids 1),
e garantiu a pole position para a primei- to e David Duarte (Parolin) para o tercei- Gabriela Teixeira (Kids 1), Tomás Lobo (Kids 2), Pedro Barbosa (Kids 2) e o
ra manga de qualificação, na qual bateu ro lugar final. Martim Campos e Romeu estreante Pedro Santos (Kids 1).
toda a concorrência e assinou a melhor Mello fecharam o top 5, respetivamente. Na Corrida 1, Tomás Gomes fez um excelente arranque e conseguiu logo uma
volta, numa corrida muito animada, já José Maria Gouveia (Birel ART) terminou vantagem importante sobre os seus adversários diretos, enquanto António
que Martim Campos (Parolin) e Tomás na sexta posição – mais do que suficiente Silva, David Dias e Pedro Barbosa tentavam perseguir o jovem piloto de Braga.
Fernandes (Parolin) terminaram logo a para confirmar o título de campeão na- Tomás Gomes viria a vencer a primeira corrida do dia, ao mesmo tempo que
seguir, nas segunda e terceira posições, cional –, Beatriz Costa (Parolin) foi séti- estabelecia a volta mais rápida da corrida, com o tempo de 1m02,696s. Pedro
respetivamente. ma classificada e venceu a classe femini- Barbosa, por seu turno, fez uma excelente recuperação desde o penúltimo
Na segunda manga, também disputada na, seguindo-se Xavier Lázaro (Parolin), lugar da grelha e foi o segundo classificado, quer em termos absolutos, quer
em quatro voltas ao traçado de 1270 me- João Pereira (Birel ART), Adriana Araújo na categoria Kids 2, vindo a terminar na frente de David Dias, jovem piloto que
tros, Romeu Mello voltou a ser o primeiro (Parolin), Joana Lima (Birel ART), enquanto venceu a categoria Kids 1 e que demonstrou uma excelente evolução face às
a ver a bandeira xadrez, mas depois vi- Tomás Alves (Parolin) foi forçado a aban- provas anteriores. António Silva ficou no segundo lugar da Kids 1, enquanto
ria a ser desqualificado, pelo que a vitó- donar na segunda volta. Tomás Lobo completou o pódio da Kids 2. A seguir ao piloto algarvio terminaram
Gabriela Teixeira e o estreante Pedro Santos.
Na Corrida 2, Pedro Barbosa e Tomás Gomes protagonizaram um excelente
duelo, e desta vez o piloto de Fafe liderou a fase inicial. Tomás Gomes
conseguiria passar para a frente da corrida e garantiu a segunda vitória
consecutiva, um resultado que relança a discussão pelo título na categoria Kids
2, que continua a ser liderada por Pedro Barbosa.
António Silva conseguiu o terceiro lugar absoluto e a vitória entre os Kids 1,
reforçando a sua liderança na categoria dos pilotos mais jovens. O bracarense
David Dias foi desta vez quarto classificado absoluto e segundo da Kids 1,
enquanto Gabriela Teixeira completou o pódio da Kids 1, terminando na frente
de Tomás Lobo e de Pedro Santos.
No cômputo das duas corridas do dia, o pódio da categoria Kids 2 foi formado
por Tomás Gomes, Pedro Barbosa e Tomás Lobo, enquanto a categoria dos
pilotos mais jovens foi liderada por David Dias e António Silva, em igualdade
pontual, mas com vantagem para o piloto bracarense devido ao tempo nos
treinos cronometrados. Gabriela Teixeira completou o pódio final da Kids 1,
seguida pelo estreante Pedro Santos.

24 CPR/
CAMPEONATO DE PORTUGAL DE RALIS

N5PORTUGEAML

SIMOUNÃO?
Os Grupos Técnicos da FIA an-
dam constantemente numa blema dos R5. Tornaram-se muito caros.
roda viva a pensar nas melho- Com os anos a passar isso atenuou-se
res formas de proporcionar ao com o mercado de usados, entretanto a
automobilismo mundial a me- FIA, sabendo que existe um hiato gran-
lhor forma de crescer e conti- de ente os R5 e os R2, que os Grupo N já
nuar a desenvolver-se, acompanhando não completam, pensou nos R4 FIA, que
já nasceram, mas têm tido dificuldades
Aqui ao lado na vizinha Espanha nasceu há há algum tempo as tendências, mudando o que há para em se desenvolver. Problema? São de-
uma nova categoria de carros de ralis, os N5, que podem vir mudar, e entre os muitos regulamentos masiado caros.
para Portugal em 2019. A FPAK tem a ‘batata quente’ nas mãos, novos que criaram há um, que já dura É neste contexto que uma ou outra fe-
mas o problema é muito mais profundo do que pode parecer à há mais de cinco anos e que agradou a deração nacional olha para lá da regu-
partida. Ouvimos vários ‘players’, dos dois lados da 'barricada', e gregos e troianos, os R5. lamentação FIA, tal como sucedeu há já
todos fizeram as suas ‘alegações finais’. Agora os ‘jurados’ que Há muito, nos ralis, que uma nova cate- alguns anos com os Maxi Rally argen-
tinos, os AP4 na Nova Zelândia, e mais
decidam e o Juiz que sentencie... goria não era tão bem sucedida e quanto recentemente com os N5 em Espanha.
Neste último caso, pela proximidade,
mais tempo passa mais fica a ideia des- começou a nascer a ideia que os N5 po-
se sucesso. Só que, como quase sempre dem ser um boa solução também para
Portugal, para completar o tal hiato en-
José Luís Abreu sucede, e não só no automobilismo, o
[email protected] otimismo monetário desliza com dema-

FOTOS Oficiais siada facilidade, e esse tem sido um pro-

>> autosport.pt

25

tre os R5 e os R2, e neste momento o Segundo a RFEdeA, baseia-se nos prin- do ao facto de ser necessário um enor- no espaço dos R4 FIA, como também o
AutoSport sabe que está em cima da cípios do grupo R5 FIA e pretende criar me salto orçamental para chegar aos R5. fazem relativamente ao mercado de usa-
mesa da FPAK para aprovação - ou não viaturas de prestações similares entre São vários e conhecidos os casos de pi- dos dos R5, pois com evoluções quase
- a entrada da classe N5 em Portugal, si. Um dos principais objetivos é ter um lotos que se mantêm nos campeonatos constantes ou novos carros, este mer-
num debate que surge na forma duma regulamento técnico que garanta que regionais ou nos 2WD pois é extrema- cado dos R5 tem cada vez mais carros
proposta de um dos fabricantes destas os carros podem ser construídos com mente complicado (para não dizer qua- disponíveis, por valores semelhantes
viaturas, que pretende disputar um troféu componentes de origem local, contro- se impossível) encontrar patrocinadores aos que são agora propostos os N5. Neste
em Portugal com esses carros. lados diretamente pela Federação, via com capacidade e disponibilidade para contexto, será que faz sentido ‘fugir’ à
Mas afinal o que são os N5 e porque fo- homologação. O mais importante é as- apoiar os orçamentos elevados dos R5. regulamentação FIA? Várias opiniões
ram criados? segurar que as especificações de cons- Importa não esquecer que o custo do mais à frente...
O termo N5 foi idealizado pela trução são controladas, garantindo si- carro é apenas um dos fatores: há que ter Quais as características dos N5?
RFEdeA (Real Federación Española multaneamente que, quer a construção, em conta a manutenção e os tão impor- Os N5 são feitos com base em carro-
de Automovilismo) e significa grupo quer a manutenção, se mantêm dentro tantes upgrades dos R5. Implementando çarias de carros de série, que não têm
Nacional 5. Este grupo de veículos de dos limites de custos pretendidos (entre uma homologação nacional N5, a FPAK obrigatoriamente que ser modelos com
tração às quatro rodas é desenvolvido os 2WD e os R5). pode seguir o exemplo de Espanha, mas homologação FIA. A configuração pode
para competições nacionais e regio- Alguns pilotos em Portugal continuam a questão tem muitas nuances, como ser de 2/3 ou 4 portas, mas sempre com
nais, à semelhança, como já exemplifi- a deparar-se com a dificuldade de ver a vamos perceber melhor ao longo desta um mínimo de quatro lugares no mode-
cámos, do que foi feito com os Maxi Rally sua carreira progredir dos 2WD para os reportagem. lo de série. São construídos unicamente
na Argentina. 4WD nos campeonatos nacionais, devi- É que, os N5 posicionam-se exatamente por fabricantes de veículos de competi-

CPR/

26

N5 EM PORTUGAL, SIM OU NÃO?

ção reconhecidos pela Federação, para muito delicada. E porquê? Porque pode- Q/ QUADRO COMPARATIVO DE CUSTOS
já só espanhola, e sujeitos a uma inspe- mos ter a tentação de olhar para a ques-
ção aquando do trabalho de carroçaria. tão da forma mais otimista possível, mas N5 R5
Apesar de serem carros de homologação com os anos que já levamos disto, sabe- COMPRA (MILHARES EUROS)
nacional, a construção obedece aos re- mos bem que um piloto ou uma equipa ALUGUER (€/KM) 120-175 120-230
gulamentos de segurança FIA. são capazes de se queixar do custo duma MANUTENÇÃO (€/KM)
No que toca à mecânica, os motores são inscrição, mas em boa parte dos casos, CARROÇARIA NOVA 35 60-100
1.6 turbo do grupo PSA, ou outro equi- quando toca a ter o melhor carro possível, MOTOR
parável, e têm caixa sequencial de 6 ve- vão esticar o orçamento com o melhor TURBO 16 36-60
locidades e tração integral. ‘elástico’ que encontrarem. Portanto, este TRIÂNGULO COM RÓTULAS
Os elementos comuns (mangas de eixo, é um aspeto que se tem de olhar com as MANGA DE EIXO 12.500 19.500
transmissões, carcaças da caixa de ve- devidas cautelas. PINÇA DE TRAVÃO
locidades, etc..) pertencem a um kit ho- A compra de um N5 começa nos 125.000€ ROLAMENTOS DE RODA 6.000-10.000 35.000
mologado que todos os carros deverão e pode subir aos 170.000€. Aqui importa PÁRA-CHOQUES
utilizar. Com potências na ordem dos 300 mencionar que, fruto de alguma per- 950 2.600
cv e uma estética bastante aproximada missibilidade regulamentar, vê-se em
à dos R5, são verdadeiros carros de cor- Espanha um escalar de custos e pres- 800 1.300
ridas. Pelas imagens que nos chegam de tações dos N5, o que não é positivo. Foi
Espanha, o público parece ter aderido, na- dada bastante liberdade quanto ao tra- 2.100 3.500
turalmente. Do ponto de vista do público balho que pode ser efetuado nas cabe-
é fácil: têm quatro rodas, dão espetáculo, ças de motor e nas árvores de cames. 550 1.100
e são bons. Mas nos bastidores a ques- Como se percebe, este é um dos pontos
tão vai muito para além disso. delicados desta questão dos N5. Caso 120 280
Aproveitando esta classe, podemos já ver venham mesmo para Portugal, seria
carros como Renault Clio, Nissan Micra, aconselhável manter os motores de 300 750
Kia Rio, entre outros, a disputar os ralis série, tanto quanto possível. Permitir
como 4x4. Claro que falamos só da car- apenas modificações por questões de COPA N5 RMC?
roçaria. O ‘coração’ que está lá dentro, na fiabilidade, não de performance. Senão,
maioria dos casos é da concorrência... lá se ‘vai’ um argumento, o dos custos... Um dos argumentos para a vinda dos N5 para Portugal passa pelo facto da RMC
Esta liberdade de escolha no que toca à Os N5 podem ser importantes em MotorSport, a mesma equipa que assiste e prepara o Hyundai i20 R5 de Armindo
carroçaria, permite que os pilotos pos- Portugal, desde que sejam fixados efeti- Araújo no CPR, ter proposto à FPAK a criação de uma Copa N5 em Portugal, num
sam abordar com os seus projetos vá- vamente entre os R2 e os R5, quer a ní- projeto a três anos, com prémios monetários a rondar os 100.000€ por ano.
rias marcas, que até agora não dispõem vel de prestações, quer a nível de cus- Esta copa, caso seja aceite, poderá ser composta pelos seis ralis do campeonato
de viaturas para apoiar. A Renault e a tos. Não é de forma nenhuma desejável nacional disputados em solo continental (terra e asfalto) e seria aberta a todos
Suzuki são duas marcas que abraçam que se permita um desenvolvimento os pilotos a competir em N5 fabricados pela RMC, sem necessidade de inscrição
esta classe em Espanha, tendo já um dos motores dos N5 para níveis tão al- prévia, nem tendo um número mínimo de provas disputadas.
projeto com o Clio N5. tos como está a ser feito em Espanha. A presença do camião da RMC em todas as provas com peças suplentes e uma
Atualmente, os construtores de N5 auto- Esta classe perdia a sua validade se co- equipa técnica de apoio aos carros do troféu estaria igualmente garantida. Para
rizados são: ARVidal (Espanha), Baratec meçasse a ter custos quase tão eleva- quem pretendesse, a RMC apresenta ainda valores de aluguer dos N5 a rondar os
(Argentina), Mavisa Sport (Espanha) e a dos como os R5. Caso se mantivessem €5.000 por prova, com gasolina incluída, mas sem pneus ou seguro.
RMC Motorsport (Espanha). Em Portugal, os N5 no seu verdadeiro conceito (de Os prémios por prova oferecidos pela RMC e pela Michelin são os seguintes:
logicamente, os preparadores/constru- ‘substituição’ dos grupo N), a perfor- 1º Lugar, 5.000€+IVA e 4 pneus Michelin A31; 2º 4.000€+IVA, 3 pneus;
tores poderão ver o seu potencial mer- mance, valores de aquisição, aluguer 3º 3.000€+IVA e 2 pneus Michelin A31; 4º 2.000€+IVA e 1 pneu Michelin A31;
cado aumentar com a possibilidade de e manutenção dos carros pareceriam 5º 1.000€+IVA e 1 pneu Michelin A31.
construir estes carros localmente. Mais bastante apelativos.
ainda, o mercado de aluguer de viaturas Não será certamente uma decisão fá-
N5 poderá ter um número interessante de cil a que está nas mãos da FPAK, mas
clientes, visto ser substancialmente mais os ralis são como a Pedra Filosofal do
barato alugar um N5 do que um R5 novo. Manuel Freire, querem-se em perpétuo
movimento. E nós o que queremos são
QUANTO CUSTAM OS N5 ainda melhores ralis. Mude-se ou fique
tudo como está.
Ponto prévio. Esta questão dos custos é

>> autosport.pt

27

SIM
OU SOPAS…

JOSÉ LUÍS ABREU

O Toyota Yaris em Nesta passada semana em que
cima, é um R4 FIA. fiz este trabalho dos N5 aprendi
todos os outros são bastantes coisas, mas também
N5 'espanhóis', dos confesso que se fosse eu a ter
preparadores RMC que decidir se os N5 deveriam
MotorSport e AR vir para Portugal ou não, a
Vidal. Farão sentido decisão não seria fácil de tomar.
quando há cada vez Há argumentos fortes dos dois
mais R5 usados aos lados, resta saber quais os que
mesmos valores e pesam mais.
podem correr em Por exemplo, os custos. Fazer um
todo o lado? rali num R5 ou N5 não é claro que
exista uma diferença de preço
tão significativa pois se fizermos
um orçamento com as várias
rubricas dos custos, é fácil
perceber que há várias comuns,
o valor da assistência, inscrição
na prova, os pneus e a gasolina.
O que difere é o preço do km, a
amortização do carro e o seguro,
e aí se o R5 for usado, o preço
do carro será idêntico a um
N5 novo, e como tal o seguro e
amortização serão semelhantes,
só sendo diferente o custo do
Km, que é 20€ mais caro no R5
usado.
Uma prova do CPR tem 120 km.
Assim sendo, o custo do N5 é
1.920€ e o R5, 4.320€. 2400€ de
diferença por rali. E os carros
mais competitivos? Um R5
usado ou N5 novo? Será que a
diferença de 2.400€ justifica
abrir o regulamento a uma nova
categoria? Será que o lugar
intermédio entre os 2WD e os
4WD deve ser ocupado pelos
N5, ou os existentes R5 usados
e os novos R4 FIA quando ou se
'explodirem'?
No jornal, não há espaço para
discussão, mas no site temos
muito que ponderar e falar com
mais gente...

CPR/

28

N5 EM PORTUGAL, SIM OU NÃO?

UM OUTROOLHAR...
Tendo a FPAK em mãos uma decisão para tomar relativamente à aprovação ou não da entrada dos N5 no CPR,
há que ouvir quem há anos 'alimenta' a competição em Portugal. Equipas como a Sports & You, ARC Sport e
Racing 4 You, por exemplo, dão-nos a sua visão da questão

SPORTS & YOU – JOSÉ PEDRO FONTES
“TEMOS É QUE CRIAR UMA FORMA BARATA
DOS JOVENS ENTRAREM NOS RALIS”

José Pedro Fontes é um dos principais Esta é uma situação que me preocupa falarmos de valores de usados eu também estarmos neste debate para que quem
responsáveis da Sports & You estrutura como equipa, que é a desestabilização posso vender um motor de R5 usado, se tenha 130.000€ ou 150.000€ para comprar
que há muito coloca vários carros a correr do mercado, que poderá acontecer com calhar, por 15.000€. Dito isto, temos que um carro, e não nos concentremos em
nos ralis nacionais, e para além disso co- a introdução de modelos estranhos comparar coisas que são comparáveis. Por criar é uma forma barata dos jovens
organiza também a Peugeot Rally Cup à regulamentação FIA e é legítimo exemplo, os N5 têm bacquets de fibra, e os ou novos participantes possam entrar
Ibérica, competição que pode também que as pessoas ou empresas que R5 são de carbono. As de carbono custam nos ralis, isso é que devia ser uma
ser afetada com uma possível entrada fizeram investimentos nos carros de 5 ou 6 mil euros e as de fibra 800 ou 900 preocupação de todos nós...
dos N5 em Portugal: “Quero deixar bem regulamentação FIA tenham essa euros. E a segurança é muito diferente! Assim sendo, e em resumo, o que eu
claro em primeiro lugar que não sou preocupação, quando investiram nos R2, Por isso, quem quiser ter um N5 com as defendo é que para sairmos desta
contra o conceito N5, sou sim a favor R3 e R5, foi a pensar que o nosso mercado medidas de segurança que tem um R5 regulamentação FIA o único argumento
que o CPR continue a seguir a norma FIA. é FIA e como tal teria uma estabilidade custa mais 9.000€ ou 10.000€ mais. tem que ser uma entrada significativa e
Sou contra criação de regulamentações temporal, o que uma possível vinda dos Outro aspeto importante e que vem dar massiva de novos participantes e não a
específicas no CPR, que não venham N5, ou qualquer outra categoria inventada resposta ao argumento que os N5 podem divisão dos que há, até para proteção de
claramente aumentar o número de fora da FIA irá imediatamente destabilizar trazer novas marcas que não têm R5, a FIA quem andou a investir no campeonato
novos participantes. Fazer alterações ao esse mesmo mercado de carros usados. desenvolveu recentemente o KIT FIA R4 durante estes últimos anos.
regulamento do CPR, com a introdução Depois quem paga o eventual prejuízo que apontam para preço semelhantes aos Para mim era muito mais pertinente
de uma nova categoria, isso só poderia que possam ter essas equipas que tem N5 mais caros e que as equipas são livres estarmos a falar de soluções de entrada
ser justificado se atraíssem um número investido no nosso campeonato durante de produzirem com base a carroceria que mais barata no desporto, abaixo dos R2,
considerável de novos pilotos e não dividir todos estes anos com o pressuposto que é quiserem, portanto o que temos que ter e também nos R4 para conseguirmos ter
os que já existem. um campeonato de modelos FIA? são R4 e não N5. Ainda não percebi porque um produto para uma eventual entrada
Não me parece que possa haver muitos É curioso também os valores que se andam é que está tanta gente a falar dos N5 e de novas marcas, ou de como vamos
pilotos parados em casa, e que se a falar, que na minha opinião não são os ninguém fala de R4. conceber o produto comercial ‘ralis’
houvesse N5, correriam. Não correm corretos. Quando se fala em N5 fala-se Acham que o nosso campeonato está para o vendermos mais, e atrair mais
porque não têm dinheiro para o fazer. O sempre dos preços mais baixos, e dos R5 mau do ponto de vista dos carros bons? publico e patrocinadores, e como o vamos
que temos de pensar é como vamos pôr sempre dos preços mais altos. Dos N5 fala- Eu quando vejo ralis com 15 R5 inscritos comunicar e promover.
pessoas a correr com 10, 15 ou 20 mil se em valores de 120, 130 mil euros, mas penso que não está! E onde é que está Precisamos de mais destas soluções
euros, porque quem tem 130 mil euros ninguém diz que há N5 a custar mais de mau? Eu penso que é na entrada no que alimentem este desporto no futuro,
ou 150 mil euros têm muitas opções de 150 mil euros ou também que já se compra desporto, pelas categorias mais baixas do que, objetivamente, estarmos a
carros, desde R2, R3, Gr N, ou R5 usados ou R5 usado por 125 mil euros. e baratas, que tem que ser a base do discutir escalões intermédios com nova
os novos R4 para competirem. Quem quiser comprar um Suzuki, que é desporto e com muito maior número de regulamentação de carros de 130 a 150
Além disso, a norma FIA dá mais confiança o N5 mais rápido, paga 150 mil euros ou inscritos. Não me parece que faça sentido mil euros.”
regulamentar, pois o exemplo de mais...
polémicas que temos tido no nosso pais É sempre difícil uma discussão dos valores
vizinho com a desconfiança regulamentar entre uma categoria em que os valores são
entre os intervenientes na categoria N5 públicos e controlados pela FIA estando á
é tudo o que menos precisamos para o disposição de todos nos sites das marcas
nosso campeonato. e outra não tenha esta informação.
Sobre o ponto de vista económico e Quando falam de motores, achei também
para a sustentabilidade dos projetos eu estranho falarem em motores a custar
acredito que a norma FIA é a melhor, pois 45 mil euros nos R5, pois os Citroën não
possibilita um mercado internacional custam isso. E os valores dos motores
dos carros e o seu escoamento, que dos N5 que se fala, são usados ou novos?
regulamentos nacionais como o dos N5 Porque mais uma vez, o valor dos motores
não permitem. do Suzuki ronda os 10.000€, agora se

ARC SPORT – AUGUSTO RAMIRO impeça disso, portanto é uma falsa questão, a dos custos dos >> autosport.pt
“N5 PODERIAM SER O N5”, alertou.
PRINCÍPIO DO FIM DO CPR” “Para além disso, há uma categoria nova que já está para 29
aparecer há algum tempo, com homologação FIA, R4 Kit. O
Líder de uma das maiores estruturas nacionais hoje em dia no que está a acontecer é que ainda não vingaram e estão com que vai acontecer é que esses carros vão chegar ao mercado
desporto motorizado nacional, a ARC Sport, Augusto Ramiro dificuldades em vingar porque em termos de custos são muito e os modelos anteriores vão ter um preço muito mais baixo do
é também um acérrimo defensor das regras FIA, sendo de parecidos com os R5. A única diferença dos R4, N5 ou R5 que têm agora. Por isso, eu penso que para quem quiser correr
opinião que os N5 poderiam ser uma forte machadada negativa basicamente é o motor, o resto, em termos globais, é o mesmo de forma mais barata, está aí uma possibilidade. E aí sim, tudo
no panorama dos ralis nacionais, essencialmente devido ao conceito, os mesmos custos de produção, etc. E os R4 não bem.” No entender de Augusto Ramiro, “enquanto preparador,
risco do descontrolo regulamentar e da consequente falácia vingam porque a diferença de um carro novo entre os R5 e os se calhar era bom que fizessem os N5, mas também penso que
dos custos mais baixos: “Eu começo por perguntar o que é R4 é mínima e em termos de custos são basicamente a mesma isso seria uma forma de olhar para o negócio somente a curto
que são os N5? Ninguém sabe muito bem, não é? Para mim coisa, pois um R4 não passa de um R5 com um motor um prazo. A longo prazo não me parece correto nem saudável.
não faz sentido no CPR correrem viaturas que não tenham bocadinho menos potente. A única diferença de custos, é que É redutor. Os R5 vendem-se e compram-se em qualquer
homologação FIA. Fui contra os Porsche quando correram sem enquanto nos R4 se pode fazer a revisão do motor em casa, os sítio do mundo, os N5 andariam somente entre Portugal
homologação FIA, pois podiam fazer tudo o que quisessem, já motores dos R5 têm que ir à marca”, explicou. e Espanha. E depois há ainda a questão das provas FIA do
que não existia uma ficha de homologação FIA. Por isso, como “Não tenho nada contra qualquer tipo de carro, mas as regras nosso campeonato, que são 5 em 9. E os N5 teriam apenas
posso concordar que um carro participe numa prova de um têm que ser iguais para todos. Num campeonato como o homologação local.”
campeonato nacional se ninguém sabe ao certo o que aquilo nosso, que está bem e recomenda-se, acho eu, e que tem uma Augusto Ramiro não tem dúvidas: “A FPAK não me perguntou,
é? Não tem homologação FIA, não tem cadernos de encargos, série de pessoas que investiram em carros, trazer um carro mas se perguntar, serei perentório. Como é possível autorizar
não tem controlo de custos. Os N5 podem ser o que as pessoas que depois não é controlado em termos de regras, não acho uma coisa que não se sabe o que pode ser, ou melhor,
quiserem e eu sou totalmente contra isso”, afirmou. correto. Não podemos tirar partido de um carro em que cada pode ser a vontade de cada um. Não pode ser! O desporto
“Até porque a história dos custos para mim é uma falsa um faz o que quer e lhe apetece porque lhe dá jeito, isso seria automóvel será sempre um desporto caro, seja ele N5 ou R5.
questão. Há quem defenda que custa 120.000€, há quem uma coisa muito má para o nosso campeonato e eu acho que Os meus argumentos são simples, não faz sentido num
diga que custam 150.000€ e há quem peça 175.000€. Os R5, isso poderia ser o princípio do fim do CPR. E não nos podemos campeonato que respeita as homologações FIA, aparecerem
mais coisa, menos coisa, custam todos o mesmo, pois há um esquecer de uma coisa: a Citroën fez um carro novo, a Skoda de repente carros sem essa homologação. Estou totalmente
cadernos de encargos, o preço está tabelado e comprometido está a fazer, o Polo está quase homologado e há o novo Ford. O em desacordo, até porque depois seria uma coisa que
por três anos. Nos N5 não é assim. Compro um carro por ninguém controla. Eu já cheguei a ter na equipa um R3
175.000€ e posso evoluí-lo como me der mais jeito, porque não FIA, que corria contra carros de duas rodas motrizes de
tenho limitação em termos de regras. Por isso posso pôr um homologação nacional. Quando o R3 chegou, foi mais
carro de 175.000€ a custar 300.000€. Não há nada que me competitivo que os outros, mas só numa prova, pois
como as regras permitiam, os outros dois foram de
imediato evoluídos, e na prova seguinte o R3 já não era
competitivo face aos outros. Estão a ver os riscos que
se correm com os N5? O CPR vai continuar a crescer
porque vai haver os novos R5, e vão ficar disponíveis
muitos mais R5 atuais, mais baratos. Com as regras FIA
é tudo controlado.”

RACING 4 YOU - MANUEL CASTRO
“JÁ EXISTE UM CARRO SEMELHANTE HOMOLOGADO, O R4 FIA”

Manuel Castro é o líder da Racing 4 You, existe um carro semelhante FIA, homologado, classificações, como tem acontecido nos há mesmo prémios? Já ouvi tantas histórias
equipa que tem vindo a crescer no panorama o R4 FIA, mais barato que o kit da RMC Sport últimos tempos. de pilotos que participaram em competições
dos ralis nacionais. Sem ser totalmente dos N5. Eu, cliente FPAK, quero que isto acabe porque com prémios que ficaram a arder...
contra os N5, alerta para um conjunto de Se isto já deu celeuma este ano com provas começo a ter dificuldades com os meus Acho que isto pode criar problemas e temos
situações que fazem pensar se a solução FIA onde os Mitsubishi e os Subaru correm, patrocinadores, como é que existem tantos de olhar é para as marcas que cá estão,
passa mesmo por abrir o CPR aos N5: "Eu não não correm, vão lá para trás, com os N5 iria campeões, ninguém sabe quem é que é o quê. sejam elas construtores ou importadores de
acho bem, tendo em conta que penso que acontecer a mesma coisa. Temos cinco provas É a minha opinião. automóveis, e marcas grandes como a Altice,
isto vai criar problemas para a FPAK e para FIA no CPR e algum tempo depois haveria Se os carros vierem com uma regulamentação Vodafone, BP, Galp, que amanhã se podem ir
quem está a participar nas provas. Acharei gente a queixar-se por andar lá atrás nessas técnica equilibrada, com restritor igual para embora se ficarem cansadas disto.
bem, se o regulamento técnico for muito bem provas. toda a gente, eu até posso concordar, mas O que eu acho que faz falta é a FPAK apoiar o
pensado e elaborado, e explico porquê. O que Eu penso que, ou isto era muito bem pensado, o que eu acho é que se existe um Kit FIA troféu 208, que é caro, mas se calhar podiam
se está a passar em Espanha é mau, e está a completamente ao detalhe ou vai resultar homologado, não me parece fazer sentido. fazer um downgrade mais barato, ou o KIA
passar uma imagem esquisita. Em Espanha num imbróglio de regulamentações e Falam nos prémios do troféu da RMC. Será que Picanto nos ralis, esses troféus é que deviam
os N5 têm dado uma confusão dos diabos e ser apoiados para trazer gente nova para os
esta continua a haver, e o único argumento ralis.
que ouço é que os N5 vão trazer marcas, E ainda há uma coisa que as pessoas se
pilotos... zero. Eu não acredito que isto vá estão a esquecer, no mercado de usados
trazer qualquer piloto novo para as provas. O podem-se comprar R5 por pouco mais de
que pode é criar uma dança de cadeiras entre 120.000€ e vendê-los ao fim de algum tempo,
quem já cá anda, mas novos não acredito. e não acredito que com os N5 seja assim.
Trazer marcas novas, não acredito Quanto é que vai valer um N5 daqui a um ano
minimamente. Eu, se fosse diretor de ou dois anos? Se calhar não vale metade.
Marketing duma empresa, nunca na vida iria Acho que a FPAK tem que ter cuidado.
meter dinheiro num projeto de um carro em Temos neste momento a Hyundai e a Citroën
que só o símbolo é que era meu, pois o resto é a investir bem nos ralis, a Skoda, temos
tudo feito em algum lado. marcas grandes no desporto automóvel, para
A FIA e as federações têm que olhar para os o ano há uma marca nova e agora vamos
kits da Oreca, o R4 FIA, que até já estão mais misturar isto com carros de marca, X, Y, Z?
baratos que os N5. Explicando rapidamente, Deviam simplificar e não complicar, e acho
sou, por princípio, contra este troféu que se que não se devem por a jeito para ter
fala da RMC Sport, porque eu acho que já problemas...”

R/30 EMOÇÕES FORTES
DURANTE
RALIS - MOTORSHOW O FIM DE SEMANA

REVIVERNAEXPONOR
VATANEN NO
MOTORSHOW
AUTOCPLOÁSRSTICOO!
Pelo 16º ano consecutivo, o Motorshow Autoclássico Porto 2018 promete fazer H/ H O R Á R I O
vibrar todos os fãs do desporto automóvel. Este ano, o “mestre de cerimónias”
chama-se Ari Vatanen, o que significa que o espetáculo está garantido à partida! HORA ATIVIDADE
05 OUTUBRO
E tudo numa pista totalmente nova… 10H00 ABERTURA OFICIAL DO EVENTO
10H30 / 13H00 1ª SESSÃO TREINOS LIVRES (ORDEM NUMÉRICA INVERSA)
Areceita é simples: junta-se um piloto de que sempre me dirá muito e que marcou o início da 13H30 / 16H30 2ª SESSÃO TREINOS LIVRES (ORDEM NUMÉRICA INVERSA)
exceção, uma competição cronometrada minha carreira!” 16H00 SESSÃO DE AUTÓGRAFOS ARI VATANEN
com eliminatórias (designada “Troféu Piloto O finlandês estreará, a par dos restantes pilotos, um 16H45 / 19H45 3ª SESSÃO TREINOS LIVRES (ORDEM NUMÉRICA)
Motorshow”), vários campeões nacionais e novo traçado, naquela que constitui a principal novi- 21H00 ENCERRAMENTO DO EVENTO AO PÚBLICO
diversos outros pilotos sedentos de mos- dade do evento, uma vez que a pista é, este ano e pela 06 OUTUBRO
trar o seu valor e depois… a adrenalina dos primeira vez, totalmente desenhada no exterior, isto 10H00 ABERTURA AO PÚBLICO
carros de competição das mais diversas disciplinas, é, nos arruamentos da Exponor ou na habitual zona 10H00 / 13H00 1ª SESSÃO QUALIFICAÇÃO (ORDEM NUMÉRICA INVERSA)
faz o resto… para pilotos e milhares de espectadores, do Parque de Assistência do Rali de Portugal. 14H00 / 17H00 2ª SESSÃO QUALIFICAÇÃO (ORDEM NUMÉRICA INVERSA)
que não costumam faltar à chamada! Com os habituais pavilhões interiores a acolherem rit- 16H00 SESSÃO DE AUTÓGRAFOS ARI VATANEN
Este ano, a principal figura de cartaz é Ari Vatanen, o mos mais lentos e contemplativos, próprios do Paddock 17H15 / 17H30 FOTO GRUPO PILOTOS MOTORSHOW 2018
finlandês que se sagrou Campeão do Mundo de Ralis e de locais para exposição, será à luz do dia que se 17H45 / 19H15 FINAL 1 (ORDEM CLASSIFICAÇÃO INVERSA)
em 1981, venceu o Dakar por quatro vezes e ainda irá disputar o “Troféu Piloto Motorshow”. Reunindo, 19H15 / 20H15 RALI TARGA AUTOCLÁSSICO
teve tempo para se tornar recordista (durante algum como habitualmente, mais de meia centena de equi- 21H00 ENCERRAMENTO DO EVENTO AO PÚBLICO
tempo) da famosa Rampa Pikes Peak, ao volante de pas, a competição processar-se-á por eliminatórias, 07 OUTUBRO
um fantástico Peugeot 405 Turbo 16. No Motorshow através das Qualificações (4 sessões, que apuram 25 10H00 ABERTURA AO PÚBLICO
Autoclássico Porto 2018, o finlandês guiará, no entan- pilotos), Finais (duas, que apuram 17 pilotos) e Super 10H00 / 13H00 3ª SESSÃO QUALIFICAÇÃO (ORDEM NUMÉRICA INVERSA)
to, algo muito menos potente, mas seguramente, sem Final (disputada numa única manga), onde será en- 13H15 / 16H15 4ª SESSÃO QUALIFICAÇÃO (ORDEM NUMÉRICA INVERSA)
segredos para si: um Ford Escort MK II, semelhante contrado o sucessor de Mário Barbosa, o vencedor 15H30 SESSÃO DE AUTÓGRAFOS ARI VATANEN
ao que lhe valeu a conquista do título de WRC no iní- das últimas três edições. 16H30 / 17H45 FINAL 2 (ORDEM CLASSIFICAÇÃO INVERSA)
cio da década de 80! De resto, o piloto do Citroën DS3 pode muito bem suceder 18H00 / 18H45 SUPER FINAL (ORDEM CLASSIFICAÇÃO INVERSA)
Como refere o finlandês na primeira pessoa, “são duas a si próprio, uma vez que volta a marcar presença com 18H45 ENTREGA PRÉMIOS
excelentes notícias: por um lado volto a Portugal, um o desafio de se tornar o novo recordista de vitórias na 20H00 ENCERRAMENTO DO EVENTO AO PÚBLICO
país que gosto muito e onde tenho excelentes recor- competição, destronando Ricardo Teodósio, que com ele
dações e, por outro, regresso ao volante de um carro reparte os triunfos, este que se pautará pela ausência. Num saudável convívio de carros que normalmente
militam em disciplinas tão diversas como os Ralis, a
Velocidade, o Off Road, o Drift e as Perícias/Slalom, não
hádúvidaque,independentementedonomedovencedor,
o espetáculo está garantido! Mais não seja porque porque
para além da competição propriamente dita, há ainda
show’s eexibiçõesparalelas,comoodePauloMartinho,
o pioneiro do Free Style em Portugal!

>> autosport.pt

31

ALEN, AURIOL, BLOMQVIST, BIASION, KANKKUNEN, MIKKOLA E Cª TAMBÉM JÁ POR LÁ PASSARAM

PASSEIO DA FAMA E DAS EXIBIÇÕES DE LUXO!

O historial do Motorshow Porto é rico em “convidados” especiais. Kankkunen (2015), François Delecour (2016) e Hannu Míkkola (2017)
Antes de Ari Vatanen que, vai pisar, este ano, pela primeira vez o palco fizeram questão de colocar a sua rapidez, experiência e classe ao
da Exponor, oito estrelas internacionais receberam o estatuto de serviço daquele que é o mais conceituado Motorshow português,
figura de cartaz, onde se inclui o “nosso” Armindo Araújo. Na verdade, mesmo se nem todos participaram no “Troféu Piloto Motorshow”,
apenas a edição de 2013 não contou com um piloto de craveira nem tão pouco tiveram sempre o melhor carro para poder lutar
internacional que tenha feito nome no Campeonato do Mundo de pela vitória nesta competição. Armindo Araújo foi mesmo o único a
Ralis, mas sempre que isso aconteceu o espetáculo ficou a ganhar vencê-la (2008), com o pior resultado (8º lugar) a ficar na posse de
e muito! Markku Alén (2007 e 2014), Armindo Araújo (2008 e 2009), François Delecour, quando o Mitsubishi Lancer Evo IX já pouco podia
Didier Auriol (2010), Miki Biasion (2011), Stig Blomqvist (2012), Juha fazer face aos mais evoluídos R5 e WRX que, em 2016, dominavam.
Mas, independentemente dos seus resultados, todos, sem exceção,
fizeram exibições de luxo e conquistaram ainda mais fãs com a
natural simpatia.

RESULTADOS DOS CAMPEÕES INTERNACIONAIS NO MOTORSHOW PORTO
2007 MARKKU ALEN (DIVERSOS CARROS) – SÓ EXIBIÇÃO
2008 ARMINDO ARAÚJO (MITSUBISHI LANCER EVO) – 1º
2008 TIMO SALONEN E MARC DUEZ (MITSUBISHI LANCER EVO) - SÓ EXIBIÇÕES
2009 ARMINDO ARAÚJO (MITSUBISHI LANCER EVO) – 2º
2010 DIDIER AURIOL (MITSUBISHI LANCER EVO VIII) - 3º
2011 MASSIMO BIASION (MITSUBISHI LANCER EVO VIII) - 5º
2012 STIG BLOMQVIST (MITSUBISHI LANCER EVO X) - 3º
2014 MARKKU ALEN (MITSUBISHI LANCER EVO X) - 4º
2015 JUHA KANKKUNEN (MITSUBISHI LANCER EVO X) - 4º
2016 FRANÇOIS DELECOUR (MITSUBISHI LANCER EVO IX) – 8º
2017 HANNU MIKKOLA (FORD ESCORT RS) – SÓ EXIBIÇÃO

AUTOCLÁSSICO
PARA
OS AMANTES
DOS CLÁSSICOS

A par do Motorshow Porto, também o
Autoclássico voltará uma boa parte das
atenções no próximo fim de semana,
na Exponor. E faz todo o sentido que
assim seja, uma vez que para além
de 300 expositores, sempre prontos
a apresentar verdadeiras “obras-
primas” entre os automóveis clássicos,
disponíveis para todas as bolsas, a
organização espanhola da Eventos del
Motor prestará homenagem a diversas
marcas. Os 70 anos da Porsche não
podiam ser esquecidos (com a marca
a ter um espaço próprio na exposição
com diversos modelos que fizeram a sua
história), da mesma maneira que os 70
anos da Honda e os 80 da Volkswagen
também serão lembrados. O Citroën 2
Cv será outra das estrelas, tal como a
Harley-Davidson que comemorará na
Exponor o seu 115º aniversário.
Exposições temáticas como “Duas
Décadas na História da Motocicleta” e
outra sobre os automóveis que fizeram
história entre 1900 e 1980 são também
motivos de atração suplementar, a que
se juntam ainda a concentração Porsche
organizada pelo Porsche Club Portugal
e a partida e chegada do AutoClássico
Targa Clube Rally.

Clássicos/

32

GUIA

SESMAANNTAA

Arrancou ontem, com o Rally de Portugal Histórico, a
intensa semana do Estoril Classics Week. Até domingo, a
zona de Cascais e Estoril reúne eventos tão díspares como
os F1 Clássicos, Bike Legends, Rally de Portugal Histórico,
CSS Group 1/Iberian Historic Endurance e o Concurso de
Elegância do ACP. Presentes vão estar nomes como Stig
Blomqvist, Miki Biasion, Wayne Gardner, Phil Read e Freddie
Spencer, num evento a não perder. Aqui fica o essencial…

José Luís Abreu Grande Prémio, bem como por antigos tros. Este ano os adeptos podem ver e/ disfrutar de várias esplanadas ou mes-
[email protected] Campeões do Mundo. ou rever mais de uma dezena de gran- mo visitar vários stands de merchandi-
A World GP Bike Legends realiza even- des máquinas que marcaram a história sing. Há ainda um mini circuito de karts
Numa organização a cargo tos com antigos ex-Campeões Mundiais da F1, como por exemplo o Tyrrell 012 elétricos para crianças, sendo que o pa-
da Associação de Turismo de Motociclismo, seja do Campeonato Ford Cosworth, um monolugar signifi- ddock será ainda adornado com carros
de Cascais e tendo como Mundial de 500cc ou do Campeonato cativo na história da equipa fundada por dos mais importantes clubes automó-
promotores a Race Ready/ Mundial de Superbikes, dando possibi- Ken Tyrrell, o primeiro carro na história veis de Portugal.
Iberian Historic Racing, o lidade de os ver novamente competir. da F1 a envergar as cores da Benetton. Com os preços dos bilhetes de paddock
ACP/Automóvel Club de Ao longo dos dois dias o público pode- Também da equipa fundada por Ken a 10€ e a entrada livre para as bancadas,
Portugal e o Motor Clube do Estoril e rá assistir a duas corridas – The Race Tyrrell virá outro monolugar marcan- os motivos para passar pelo Autódromo
ainda com o apoio do Estoril Sol e do of Legends – em que os grandes nomes te, o Tyrrell 011, que deu à formação de do Estoril nos próximos dias 6 e 7 de ou-
Autódromo do Estoril, está na estrada dos anos setenta, oitenta e noventa en- Ockham a sua última vitória na F1. tubro e tomar parte do Estoril Classics
o Estoril Classics Week. Uma sema- trarão em competição aos comandos de São esperadas outras máquinas como o são mais que muitos.
na em cheio para os apreciadores dos motos, originais ou réplicas, semelhantes Williams FW07, um McLaren M26 Ford
Clássicos. São seis dias de ação. Neles às que usaram ao longo das suas respe- Cosworth, com as emblemáticas cores CONCURSO DE ELEGÂNCIA ACP
pode rever figuras como os antigos pi- tivas carreiras. da Marlboro, um Brabham BT37 Ford
lotos de ralis, Stig Blomqvist, que vai Para além das provas competitivas, se- Cosworth, e ainda monolugares mar- O Concurso de Elegância ACP terá este
pilotar um Audi Quattro de grupo B, e rão realizados desfiles com motos que cantes da história da disciplina máxima, ano um palco diferente. Os Jardins do
Miki Biasion, bicampeão do Mundo de marcaram a história do motociclismo como um Hesketh, Surtees ou Ensign. Casino Estoril recebem, de 5 a 7 de ou-
Ralis e três vezes vencedor do Rally de – a Classic Parade que integrará anti- Como corridas de suporte, o CSS Group 1 tubro, todo o glamour deste evento que,
Portugal, aos comandos de um Lancia gas 500cc e Superbikes – permitindo ao e Iberian Historic Endurance, competição como é tradicional, engloba ainda anima-
Delta, ou, nas duas rodas, os Campeões público ver e ouvir de perto verdadeiras em que os adeptos poderão ver os sofis- ção de rua, com animadores vestidos à
do Mundo de 500cc, Wayne Gardner, relíquias e raridades que fizeram as de- ticados protótipos e GT que marcaram o época, memorabilia, a Grande Ginkana do
Phil Read e Freddie Spencer. lícias dos adeptos da modalidade entre mundo da resistência nos anos 60 e 70, Estoril, reservada a viaturas construídas
No Autódromo do Estoril a edição deste anos setenta e noventa. como por exemplo o Porsche 911 R de até 1939 e que terá lugar no dia 6, na Av.
ano do Estoril Classic promete ser novo 1966, modelo de que só existem 23 uni- Clotilde, e ainda o Desfile de Clássicos,
sucesso. Recebe novamente os Fórmula NOVAMENTE A FÓRMULA 1 dades, sendo o 911 mais raro de sempre. no dia 7, que vai ter início no Circuito
1 Históricos, a par da novidade moto- No paddock, ao dispor de todo o públi- Estoril e final nos Jardins do Casino do
ciclismo, representada pelas motos de O ano passado marcaram presença no co com bilhete de paddock, encontra a Estoril, com passagens por Cascais e
Estoril monolugares como o Shadow, Food & Brand Village, um espaço onde pela Av. Marginal até à segunda rotun-
o Ensign, o Lotus, o Williams, entre ou- da de Carcavelos.

>> autosport.pt

33

P/ P R O G R A M A

2 DE OUTUBRO (3ª FEIRA) 1ª ETAPA: ESTORIL/FIGUEIRA DA FOZ (JÁ REALIZADA)
3 DE OUTUBRO (4ª FEIRA) 2ª ETAPA: FIGUEIRA DA FOZ/BRAGA
4 DE OUTUBRO (5ª FEIRA) 3ª ETAPA: BRAGA/VISEU
5 DE OUTUBRO (6ª FEIRA) 4ª ETAPA: VISEU/ESTORIL
6 DE OUTUBRO (SÁBADO) ESTORIL: (JARDINS DO CASINO)/AUTÓDROMO DO ESTORIL

SÁBADO - 6 DE OUTUBRO

INÍCIO FIM DURAÇÃO GRELHA SESSÃO

09:00 09:40 00:40 CLOSED WHEELS CARS FREE PRACTICE TREINOS LIVRES

09:45 10:05 00:20 F1 CLASSIC TREINOS PRIVADOS

10:10 12:40 02:30 RALLY DE PORTUGAL HISTORICO SLALOM

12:45 13:05 00:20 PRE-1982 TOURING CARS GROUP 1 QUALIFICAÇÃO 1

13:15 13:35 00:20 WORLD GP LEGENDS DRIVERS TREINOS

13:45 14:05 00:20 F1 CLASSIC QUALIFICAÇÃO

14:15 14:55 00:40 IBERIAN HISTORIC ENDURANCE QUALIFICAÇÃO

14:00 14:30 00:30 MEET OUR WORLD CHAMPIONS - BOX NR 1 SESSÃO AUTÓGRAFOS

15:05 15:35 00:30 RALLY DE PORTUGAL SLALOM FINAL SLALOM

15:45 16:05 00:20 PRE-1982 TOURING CARS GROUP 1 QUALIFICAÇÃO2

16:15 16:35 00:20 WORLD GP DEMONSTRATION PERIOD BIKES EXIBIÇÃO

16:55 17:15 00:20 F1 CLASSIC CORRIDA 1

17:35 17:55 00:20 WORLD GP LEGENDS DRIVERS CORRIDA 1

18:15 19:05 00:50 IBERIAN HISTORIC ENDURANCE CORRIDA 1

SLALOM É NOVIDADE NO RALLY DE no Circuito Estoril. No âmbito do Estoril
Classics Week 2018 está prevista a
PORTUGAL HISTÓRICO presença de grandes nomes dos ralis, DOMINGO - 7 DE OUTUBRO
como é o caso do antigo piloto de ralis
O Rally de Portugal Histórico realiza- Stig Blomqvist, aos comandos de um INÍCIO FIM DURAÇÃO GRELHA SESSÃO
-se de 2 a 6 de outubro, tem partida e Audi Quattro de grupo B, Miki Biasion,
chegada ao Estoril, sendo que esta edi- bicampeão do Mundo de Ralis e três 09:40 10:00 00:20 CAR CLUBS EXIBITION DESFILE
ção tem um interesse adicional, já que vezes vencedor do Rally de Portugal,
depois de seis triunfos lusos e outros aos comandos de um Lancia Delta - 10:20 10:40 00:20 PRE-1982 TOURING CARS GROUP 1 CORRIDA 1
tantos estrangeiros, será interessante está previsto que sejam vistos a abrir
perceber quem desempata a ‘questão’. a estrada na zona de Sintra, durante o 10:50 11:10 00:20 BIKE CLUBS EXIBITION DESFILE
A caravana arranca do Estoril, ruma à Rally de Portugal Histórico.
Figueira da Foz, Braga (uma estreia), 11:00 11:30 00:30 MEET OUR WORLD CHAMPIONS - BOX NR 1 SESSÃO AUTÓGRAFOS
Viseu, Sintra e, já no sábado, pelo Slalom
11:30 12:20 00:50 IBERIAN HISTORIC ENDURANCE CORRIDA 2

12:30 12:50 00:20 WORLD GP DEMONSTRATION PERIOD BIKES DEMONSTRAÇÃO

12:55 13:15 00:20 CAR CLUBS EXIBITION - PREMIUM - LUNCH TIME DESFILE

13:15 13:35 00:20 CAR CLUBS EXIBITION - PREMIUM - LUNCH TIME DESFILE

13:55 14:15 00:20 WORLD GP LEGENDS DRIVERS CORRIDA 2

14:35 14:55 00:20 F1 CLASSIC CORRIDA 2

15:15 15:35 00:20 PRE-1982 TOURING CARS GROUP 1 CORRIDA 2

15:45 16:25 00:40 CAR CLUBS EXIBITION DESFILE

>>motosport.com.pt

MV AGUSTA

» TURISMO VELOCE LUSSO 2018

DESPORTIVA DE “LUSSO” PARA VIAJAR Pedro Rocha dos Santos tidos sem ter que usar a embraiagem. O
[email protected] sistema SCS funciona como uma em-
Já ensaiámos no passado a primeira versão da MV Agusta braiagem “Rekluse”, semelhante àquelas
Turtismo Veloce e ficámos maravilhados com o seu Anova versão de 2018 vem com que só aplicam tração a partir de uma
desempenho global. Uma Sport Turismo que nos deixou uma série de melhoramen- certa rotação. Neste caso esta gestão é
uma excelente impressão, sobretudo pela sensação de tos, sobretudo no que toca realizada eletronicamente pelo ECU e
estarmos a conduzir uma verdadeira desportiva mas com a suspensões, agora Sachs em função da medição de vários inputs:
um enorme conforto, ou seja, um binómio normalmente eletrónicas, e também a um rotação do motor, punho do acelerador,
difícil de obter. Mas esse é precisamente o posicionamento novo sistema de “quickshift” entre outros.
que a MV Agusta pretende para a sua Turismo Veloce Lusso. apelidado de SCS ( Smart Clutch System O motor tricilíndrico da Turismo Veloce
Fomos conhecer a mais recente versão ), que permite passar caixa nos dois sen- é, obviamente, toda uma referência. Com
798 cc e 12 válvulas, o motor da Turismo
Veloce monta uma cambota de tecnologia
de MotoGP que roda no sentido contrário
da rotação das rodas o que faz com que a

35

moto seja mais fácil de colocar em cur-
va. Cheio de torque, característica dos
motores de 3 cilindros, e a debitar 110 cv
às 10.150 rpm, melhora no entanto o seu
desempenho e suavidade na entrega de
potência e subida de rotações a partir das
3.500 rpm. Abaixo das mesmas mostra-
-se algo ruidoso e mesmo preguiçoso a
subir de rotação, pedindo caixa para evitar
a vibração que o mesmo nos transmite.
Quando Castiglioni, presidente da MV
Agusta, afirma que a Turismo Veloce é

36

>>motosport.com.pt

de facto uma desportiva disfarçada de uma leitura excelente da estrada e apre- CONCORRÊNCIA YAMAHA TRACER 900 GT - 847CC
Sport Tourer, refere-se precisamente a sentam um bom desempenho em piso
este comportamento. A Lusso gosta da degradado. Em travagens mais violentas DUCATI MULTISTRADA 950 - 937CC 115 CV
alta rotação e é em regimes médios e altos revelaram um afundamento excessivo
que mostra toda a sua vocação. mas talvez o set up não estivesse correto 113 CV POTÊNCIA
O som característico dos motores tricilín- para o meu peso. Confesso que perdi um
dricos da MV envolve-nos totalmente, e pouco na leitura da informação disponível POTÊNCIA 210 KG
apesar de penalizado pelo Euro4 e de es- no painel LCD.
tar agora também mais “tímido” a partir Os travões Brembo são obviamente uma 227 KG PESO
das tais 3.500 rpm, o timbre é inebriante. constante quando se requer qualidade
Em autoestrada a Turismo Veloce Lusso e desempenho na travagem. No caso PESO 12 595€
mostra toda a sua raça. Rodar fora da lei da Turismo Veloce, esta monta à frente
é quase que obrigatório e muitas vezes dois discos de 320 mm com pinças de 4 13 795€ PREÇO BASE
temos que frear os ânimos. As vibrações pistons. A travagem mostrou-se à altura
desaparecem e a suavidade do conjunto das várias situações em que fui testando a PREÇO BASE
deixa-nos apenas desfrutar do fantástico MV. Atrás o disco é de 220 mm e a pinça de
som da ponteira tri-partida da Lusso. apenas dois pistons, aliás, número que é
O quadro de tubo de aço em trelissa é normal vermos em motos deste segmen-
uma característica belíssima das MVs e to e com estas características. Apesar
a Turismo Veloce não é exceção. Toda a de incluir ABS da Bosch praticamente
secção frontal é meticulosamente soldada não notei a sua intervenção, certamente
à mão nas instalações da MV por técnicos motivado pelo tipo de condução mais
altamente especializados. Toda a ciclística suave e turística que imprimimos durante
da Turismo Veloce é concebida para uma todo o ensaio. Certamente em condições
condução desportiva que se revela de mais agressivas ou de piso escorregadio a
imediato quando nos aventuramos pelas intervenção do mesmo seria mais óbvia.
estradas nacionais mais sinuosas, quase Uma enorme sensação de conforto foi
que fazendo-nos esquecer que estamos aquela que sempre me acompanhou no
a rodar com malas atrás tal é o ritmo teste realizado. A posição de condução é
“Veloce” a que a MV nos convida a impor. perfeita, com as mãos e os pés colocados
As suspensões Sachs de 43 mm garantem no sítio certo e de forma natural. Para

37

FT/ F I C H A T É C N I C A

298 CC a sensação geral de conforto contribui permite a ligação da moto ao nosso smart Agusta Turismo Veloce é mesmo uma
definitivamente o assento, que para além phone e que permite fazer download de desportiva “vestida” de Sport Tourer,
CILINDRADA da sua forma anatómica revelou um su- informação estatística de todo o tipo. no entanto, a sua aptidão turística não
porte muito confortável e muito acima da Sinceramente, as motos hoje em dia in- foi de forma alguma esquecida, com a
110 CV média, o que para a realização de longas cluem tanta eletrónica que a otimização versão Lusso a mostrar credenciais à
tiradas é absolutamente fundamental. de toda a sua funcionalidade requer um altura do segmento, ao ser confortável
POTÊNCIA E se tivermos em conta que a Turismo estudo prolongado da sua programação. e com autonomia para realizar viagens
Veloce comporta no seu depósito 21,5 Preparem-se para dedicar sempre algu- de muitos km.
21,5 L litros de combustível, poderemos facil- mas horas a estudar os manuais que são De qualquer forma a Turismo Veloce
mente realizar etapas de 300 km entre fornecidos na compra da moto e depois é uma MV Agusta de corpo e alma.
DEPÓSITO abastecimentos. passar da informação à prática aplicando É sofisticada, bela, tecnologicamente
A nível de eletrónica a Turismo Veloce os conhecimentos adquiridos e testando avançada e tem um motor que nos en-
192 KG tem tudo o que hoje em dia as motos qual o set up que mais vos agrada. Parece che a alma de sensações que nos trans-
desportivas e de turismo de topo de gama complexo e será, certamente mais para portam para outra dimensão. Moto de
PESO incluem: acelerador Ride by Wire, cruise uns do que para outros, mas a sofisti- um design exclusivo e de uma estética
control, ABS desconectável, modos de cação tecnológica obriga a uma maior arrebatadora e que se faz pagar pela sua
19 500€ motor, controlo de tração, controle de adaptação, sobretudo para aqueles que, exclusividade. Uma verdadeira obra de
arranque (launch control) e outras fun- como eu, são “old school”. arte que poderia estar exposta num
PREÇO BASE cionalidades incluídas de origem como o Para concluir, temos que dar razão a qualquer museu de Design ou de Arte
aquecimento de punhos e uma app que Giovanni Castiglioni, pois de facto a MV Contemporânea.
MOTOR TRICILÍNDRICO, REFRIGERAÇÃO LÍQUIDA,
4 TEMPOS, DOHC, 4 VÁLV. CILINDRADA 798CC
POTÊNCIA 110 HP ÀS 10.150RPM BINÁRIO MAX.
80 NM ÀS 7.100 RPM EMBRAIAGEM MULTIDISCO EM
BANHO DE ÓLEO, DESLISANTE COM SISTEMA SMART
CLUTC CAIXA DE 6 VEL. ASSISTIDA UP&DOWN, QUADRO
DE TRELISSA DE AÇO SUSPENSÃO DIANTEIRA SACHS
INVERTIDA DE 43MM ELE. SEMI-ACTIVA COM CURSO
DE 160MM SUSPENSÃO TRASEIRA SACHS ELE. SEMI-
ACTIVA COM CURSO DE 165MM TRAVÃO DIANTEIRO
DUPLO DISCO DE 320MM COM PINÇA BREMBO DE 4
PISTONS E ABS TRAVÃO TRASEIRO DE 220MM COM
PINÇA BREMBO DE 2 PISTONS E ABS PNEU DIANTEIRO
120/70-17 TUBELESS EM JANTE DE LIGA PNEU
TRASEIRO 190/55-17 TUBELESS EM JANTE DE LIGA
PAINEL DE INFORMAÇÃO LCD, CONTROLE DE TRAÇÃO
COM 8 NÍVEIS, 4 MODOS DE MOTOR, FUNÇÃO “LAUNCH
CONTROL ILUMINAÇÃO LED ATRÁS E À FRENTE, MALAS
LATERAIS INCLUÍDAS DE ORIGEM DIMENSÕES:
COMPRIMENTO 2.125MM LARGURA 910MM
DISTÂNCIA ENTRE EIXOS 1.445MM DISTÂNCIA AO
SOLO 140MM ALTURA DO BANCO 850MM

38

JO GARTNER Guilherme Ribeiro
SELF-MADE [email protected]

MAN Jo Gartner era um piloto extrema-
mente talentoso, que aliava os seus
Muitos pilotos chegam à F1 graças a uma enorme dose dotes de condução a um sentido
de perseverança. No entanto, na era moderna, poucos inato pela parte técnica, já que ti-
nha vindo do ensino técnico e esta-
conseguiram igualar o austríaco Jo Gartner, um piloto que tinha va habituado a trabalhar nos seus
tudo para não conseguir trepar pelas sucessivas categorias próprios carros, depois de grande parte da
até ao seu grande sonho (leia-se dinheiro e sponsors), mas sua carreira ter sido feita como piloto pri-
conseguiu. Até que a morte veio ao seu encontro vado. Seria, sem dúvida, um grande aliado
de qualquer engenheiro de pista. Era, tam-
CONHEÇA ESTA E MUITAS bém, um piloto muito inteligente, que sem-
OUTRAS HISTÓRIAS EM AUTOSPORT.PT pre soube aproximar as magras oportu-
nidades que lhe foram surgindo e, quando
percebeu que dificilmente teria lugar na
Fórmula 1, partiu para a Endurance, onde
estava a fazer uma carreira brilhante até

>> autosport.pt

39

provas seguintes porque não conseguiu
viabilizar o seu orçamento. Só regressou
na quarta prova, em Diepholz, terminando
bem longe dos lugares da frente, tal como
em Zolder. No entanto, em Kassel Calden,
que também contava para o Campeonato
Europeu de F3, Gartner fez uma exibição
brilhante e conseguiu terminar num fa-
buloso quarto lugar, o que decerto cha-
mou as atenções de alguns especialistas.
A partir daí, o dinheiro não deu para muito
mais, e Gartner voltou mesmo à Fórmula
Super Vee, vencendo brilhantemente a
ronda de suporto do G.P. da Alemanha.

à sua morte em Le Mans. No entanto, ain- fábrica de carros de competição, Gartner sua Áustria natal. E, em 1978, as suas am- SEM DINHEIRO NA FÓRMULA 2
da é um desconhecido do grande público. não demorou a apaixonar-se por esta e bições eram muito mais altas e, correndo
Filho de um dono de uma garagem, Jo em 1976, com 22 anos, comprou um ve- sempre como privado ao volante de um Com apenas algumas provas de F3 dis-
Gartner nasceu em Viena a 24 de janeiro lho chassis de Formula Vee, utilizando-o Kaimann – com algum apoio da pequena putadas, mas ciente que já contava com
de 1954, e não tardou a andar em volta do maioritariamente em rampas locais, mas marca, claro está – esteve regularmen- 26 anos e precisava de subir depressa os
seu pai na garagem, procurando aprender também nos circuitos. Agradado com as te na luta pelos pontos, conseguindo três escalões inferiores, Gartner lá conseguiu
o máximo sobre a mecânica dos automó- suas performances, Jo trocou de chassis pódios e uma vitória, para terminar num reunir magros patrocínios para financiar
veis. Este, entusiasmo, levou-o a enve- em 1977, comprando um novo Kaimann e espetacular terceiro lugar final, com 107 uma campanha privada na Fórmula 2, sob
redar pelo ensino técnico, que terminou deixando o seu emprego com o objetivo pontos, apenas a um do vice-campeonato. o nome do Team Jim Beam, ao volante
com distinção, vindo a estagiar para Kurt de prosseguir uma carreira no desporto Estes sucessos motivaram Gartner a dar de um velho chassis March 782-BMW.
Bergmann, o dono da equipa Kaimann de automóvel. o passo seguinte em 1979, para a Fórmula Claro está que era um programa parcial e,
Fórmula Super Vee e Formula Vee, em Ao volante do seu novo monolugar, 3 Alemã. No entanto, apesar de correr pelo meio, o austríaco fez duas provas de
1972. Graças ao seu talento para o design, Gartner não deixou as lucrativas rampas com um Martini Mk27-Renault do Team Fórmula 3, desta vez pela Deutsch Renault
não demorou a que o jovem Gartner fos- austríacas, mas concentrou-se sobretudo Jim Beam, tal mais não era do que a sua AG, mas sem sucesso. No entanto, quan-
se contratado pela Kaimann e passasse nos circuitos, disputando o Campeonato própria equipa privada, com o apoio de do se estreou na F2 na segunda ronda do
a ter um papel ativo no design de novos Europeu de Formula Super Vee, que ter- alguns pequenos sponsors. Depois de a campeonato, em Hockenheim, Gartner
modelos e na adaptação dos existentes. minou em nono, com 48 pontos. Nada ronda inaugural ter sido anulada devido a conseguiu um fabuloso sétimo lugar nos
Claro está que, aliado à paixão por tudo mau mesmo para um piloto que mal tinha um nevão que se abateu sobre o circuito treinos, e em corrida poderia ter lutado pe-
o que era mecânico, ao trabalhar numa competido em circuitos e nunca fora da de Nürburgring, Jo não pôde disputar as los pontos se não tivesse furado. Claro está
que a prova ficou ensombrada pela mor-
tedoseu compatriota MarkusHöttinger,
por isso poucas razões houve para cele-
brar uma performance que deixava an-
tever possíveis surpresas. Sem dinhei-
ro, Gartner só regressou em Silverstone,
terminando num excelente sétimo lugar
mas, mesmo com algum apoio do prepa-
rador de motores Max Heidegger, só dis-
putou as rondas de Mugello, Zandvoort e
Hockenheim, mas sem resultados de rele-
vo, já que o carro acusava o peso da idade
perante os cada vez mais desenvolvidos
monolugares da frente.
Ironicamente, foi a morte de Höttinger que
lhe deu, pela primeira vez, condições de
se mostrar sem pressões financeiras. O
malogrado piloto, protegido da BMW, iria
disputar a F2 com a Maurer e disputaria
o Campeonato Procar ao volante de um
dos BMW M1 da equipa de Helmut Marko.
Mesmo com poucos resultados de rele-
vo, o atual diretor do programa despor-
tivodaRed Bullapostou em Gartnere,de
um momento para o outro, este estava a
competir nos fins de semana de Fórmula 1
juntamente com algumas das maiores es-
trelas da categoria, assim como reputados
nomes dos Turismos e Sport-Protótipos!
Considerado como o maior troféu mo-
nomarca de sempre, Gartner mostrou a
tudo e todos que não lhe faltava talento
e andou regularmente pelos lugares da
frente, mesmo que a performance nem
sempre se concretizasse em resultados.
Como pontos altos, destaca-se o quarto
lugar em Donington e o sexto em Imola,
terminando o campeonato em 13º, com

40

16 pontos. em Mantorp Park e um contrato com a devido a um acidente, e não conseguiu ronda seguinte, teve o cavalheiresco ges-
Ainda assim, em 1981, Gartner viu-se Merzario para 1982. alinhar em Mugello. to de entregar o troféu a Gartner. O res-
na mesma sem sponsors de relevo para Em 1982, a equipa Merzario corria ao vo- De volta à vida de piloto estritamente pri- to da época foi marcado por abandonos
disputar a época completa de Fórmula lante de um March modificado e renomea- vado em 1983, Gartner conseguiu asse- e performances mais anónimas, à parte
2. Comprando um Toleman TG280-Hart do Merzario 282, com motores BMW. No gurar o apoio da Emco e fez uma parceria um quinto lugar em Enna-Pergusa e um
(a máquina que havia dominado a época entanto, depois de um promissor sexto com “Pierre Chauvet” para ser seu colega sétimo em Mugello. Desta forma, Jo termi-
anterior), Jo atuou muitas vezes como o lugar na ronda inaugural em Silverstone, de equipa. Juntando esforços e dinheiro, nou o campeonato em sexto lugar, com 14
seu próprio mecânico, contando também os resultados rapidamente começaram a ambos compraram chassis Spirit 201 do pontos, o que o qualificou definitivamen-
com a ajuda da sua namorada, a jovem decair, tanto pela crónica falta de fiabili- ano anterior, modificando-os para usar te para uma superlicença na Fórmula 1.
jornalista Doris Slezak. A época começou dade do carro como pela falta de finan- motores BMW em vez dos tradicionais Gartner ainda alinhou à partida das duas
apenas na quarta ronda do campeonato, ciamento para o fazer evoluir. Gartner Honda. Correndo sob o nome Emco Sport, primeiras rondas do Campeonato de F2
no Nürburgring, aonde Gartner conse- ainda conseguiu brilhar ocasionalmente as duas primeiras provas de Gartner sal- de 1984 com o Spirit 201B-BMW da Emco,
guiu um fabuloso quinto lugar nos treinos, e ficar à porta dos pontos em Vallelunga daram-se em abandonos, mas depois o mas a hora de se estrear na Fórmula 1 ti-
para terminar a prova em sétimo. Com a e Hockenheim mas, ainda antes do fim piloto conseguiu um excelente quarto lu- nha, finalmente, chegado…
sua tradicional consistência, regressou da época, tanto Jo como o seu colega de gar em Hockenheim. Embora a fiabilida-
em Mugello para ser nono, e em Enna- equipa Richard Dallest foram dispensa- de do carro deixasse bastante a desejar, UMA BREVE E MARCANTE
Pergusa conseguiu o único ponto da sua dos e substituídos por pilotos de bolsos como se pode ver pelo elevado número
época, ao ser sexto. Em Spa, fez mais uma mais recheados. Mais uma vez, a época de abandonos, Jo conseguiu finalmente PASSAGEM PELA FÓRMULA 1
performance que ficou na retina de todos terminava com um único ponto, e as opor- o seu “lugar ao sol” quando, na ronda de
os que seguiam avidamente a categoria, tunidades de Gartner chegar à Fórmula 1 Pau, aproveitando-se das condições ad- As performances do piloto austríaco em
quando foi terceiro nos treinos e estava na eram cada vez menores, principalmente versas, fez uma corrida absolutamente 1983 tinham-lhe permitido, gradualmen-
luta pelos pontos quando foi posto fora de depois de não ter conseguido um acordo brilhante. Com a chuva, a falta de perfor- te, aumentar a sua carteira de sponsors e,
prova por um adversário. Pelo meio, tinha com a ATS para pilotar o segundo carro mance do carro atenuava-se e o austríaco quando conseguiu atrair o apoio da Milde
conseguido o apoio da Emco, o que lhe da equipa em 1983. Mas, ainda naquela andou na luta pelos lugares pontuáveis e, Sörte,conseguiu um lugar na Osella para
permitia estar ligeiramente mais desa- temporada, Jo estreou-se no ETCC, ao quando a pista começou a secar, apostou disputar algumas rondas do campeona-
fogado e, nas duas últimas rondas, ven- correr os 500 Km de Zeltweg ao volante em manter os desgastados pneus de chu- to.No entanto,comoa Osellasótinhaum
deu o seu carro e assinou pela Merzario. de um BMW 528i inscrito por uma equipa va para se aguentar até ao final da prova piloto inscrito para a época – Piercarlo
Depois de anos de aventura pelos fundos checa, partilhando o volante com Zdenek e conseguir o melhor resultado possível. Ghinzani – Jo não poderia marcar pon-
da tabela na Fórmula 1, Arturo Merzario Vojtech, que resultou numa espetacular Nestas condições, liderou até à entrada da tos. No entanto, com um Osella, não era
decidiu dedicar-se à Fórmula 2, corren- vitória; no WSC/WEC participou ao volan- última volta, quando foi ultrapassado pelo propriamente de sonhar com essa pos-
do com um March 812-BMW em 1981 te de um TOJ SC205-BMW nos 1000 Km Maurer de Alain Ferté, já a competir com sibilidade…
enquanto preparava o seu carro para a de Brands Hatch, ao lado do seu compa- slicks, resistindo, no entanto, à cavalga- A temporada começou em Imola, ao vo-
temporada seguinte. Depois de um iní- triota Fritz Glatz, um gentleman-driver da do outro Maurer de Stefan Bellof, para lante do carro do ano anterior, um Osella
cio pouco auspicioso, falhando a quali- que corria sob o pseudónimo de “Pierre terminar em segundo. Porém, Alain Ferté FA1E-Alfa Romeo normalmente aspira-
ficação em Misano, Gartner terminou a Chauvet”. Depois de um excelente séti- tinha tido um acidente mais cedo na pro- do. Apesar disso, Gartner bateu Ghinzani
época em boa forma com o oitavo lugar mo lugar nos treinos, a equipa abandonou va e corria sem a frente, e quando o carro para o último lugar na grelha de partida,
foi pesado, o Maurer estava sete quilos por quase dois segundos! No entanto, o
abaixo do peso permitido. Situações que motor partiu cedo, e até à segunda me-
desclassificou o promissor francês que, na tade da época a pequena equipa italiana
estava demasiado aflita em termos finan-
ceiros para desenvolver o novo carro, por

>> autosport.pt

41

isso não pôde inscrever o seu segundo com o beneplácito da BMW, que fornecia Gartner regressou apenas nas 24 Horas ao lado de Klaus Niedzwiedz, terminando
piloto. Jo regressou apenas em Inglaterra, motores turbo à Arrows, Berger ficou com de Spa, ao volante de um BMW 635 Csi da em oitavo. De seguida, partilhando o carro
já com o Osella FA1F-Alfa Romeo turbo, o lugar, depois de ter impressionado com BMW Belgium, ao lado de Hervé Regout com Tiff Needell, Gartner foi terceiro em
para desistir após uma enorme caram- a ATS no ano anterior. A última opção era e Manfred Winkelhock, mas não termi- Silverstone, e havia grandes expectativas
bola na largada para a corrida. De salien- mesmo a Osella, mas o eterno piloto da naram a prova. para as 24 Horas de Le Mans.
tar que Johnny Cecotto, piloto da Toleman equipa Piercarlo Ghinzani conseguiu ain- Gartner ainda sondou o mercado da À partida da mítica clássica francesa,
ao lado de Ayrton Senna, sofreu um grave da mais sponsors e o sonho da Fórmula 1 Fórmula 1 no final de 1985, mas as por- Gartner iria partilhar o carro com Sarel
acidente nos treinos e a sua carreira na F1 morreu para Gartner. tas estavam definitivamente fechadas Van der Merwe e Kunimitsu Takahashi, e
acabou ali. Jo ainda negociou um volante Ciente que, com 31 anos, não podia esperar e ele optou por se dedicar, em definitivo, as coisas não correram bem para a tripla
com a Toleman para a segunda metade da eternamente por um lugar na categoria- aos Protótipos. Nos EUA, assinou pela Bob na qualificação. Mesmo assim, o otimis-
época, mas a pequena equipa inglesa pe- -rainha, Gartner virou-se para os Sport- Akin Racing para disputar algumas pro- mo reinava nas hostes da Kremer, que ti-
dia muito dinheiro, por isso não houve al- Protótipos e assinou pela John Fitzpatrick vas do campeonato IMSA, e no WEC tinha nham esperança em lutar para ser, pelo
ternativa a não ser ficar com a Osella. Com Racing para pilotar um dos seus Porsche propostas de duas das mais importantes menos, a melhor equipa privada. Mas Jo
um carro pouco desenvolvido, um motor 956 em algumas rondas do WSC/WEC. Os equipas privadas que alinhavam com tinha um estímulo adicional. Na manhã da
pouco fiável e marcado por um consumo resultados não foram os melhores, sal- Porsche – a Kremer e a Joest. Foi a forma- prova, havia assinado pela equipa oficial
elevado de gasolina, as performances de vando-se no entanto um fabuloso quar- ção dos irmãos Kremer que ganhou. Nos da Porsche para 1987, depois de ser am-
Gartner foram apagadas, e embora em to lugar na sua estreia nas 24 Horas de EUA, a dupla Gratner/Stuck foi terceira em plamente recomendado por Hans Stuck
qualificação batesse alguns rivais e não Le Mans, ao lado de Guy Edwards (que, Miami para, juntamente com o patrão Bob aos homens de Zuffenhausen. Era a sua
andasse nada longe do seu colega de equi- longe do seu ritmo, ficou de fora a maio- Akin, conseguir uma vitória espetacular coroa de glória, depois de ter subido pelo
pa, os resultados não apareciam. Até que, ria da prova) e David Hobbs. No final da nas12HorasdeSebring,terminandoapro- caminho mais árduo, quase sem apoios
em Monza, numa prova habitualmente época, foi convidado por Bob Akin para va com o carro em três rodas! No entanto, de ninguém. Largando do 15º posto, a tri-
muito desgastante para os motores, um disputar a última ronda do campeonato o seu foco estava na Europa, vencendo pla impôs um ritmo regular, que os levou
surpreendente Gartner rodava em sexto IMSA com um Porsche 962 da Bob Akin uma ronda do campeonato Interseries ao sétimo lugar por volta da sétima hora,
quando, nas voltas finais, o seu colega de Racing e a dupla funcionou bem, termi- em Thruxton, para se estrear no WEC em embora perdendo lugares na viragem do
equipa ficou sem gasolina. Apesar de o nando em sexto. Quanto aos turismos, Monza, ao volante de um Porsche 962C, dia. Na madrugada, Gartner entrou no
seu próprio carro estar a “dar as últimas”, carro para fazer mais um stint quando,
Gartner conseguiu cruzar a meta no quin- por volta das três da manhã, o carro não
to lugar, na frente de outro estreante que passou pela meta e viu-se uma coluna
corria ocasionalmente ao volante do se- de fumo em Mulsanne. Quando o Safety
gundo ATS – Gerhard Berger. Infelizmente, Car e o carro médico chegaram ao lo-
como foi mencionado acima, as inscrições cal, viram o carro de Gartner e o piloto já
sem ser a full-time não podiam pontuar, morto, depois de ter partido o pescoço
e Gartner não conseguiu aqueles que po- com o impacto inicial. Ao que tudo indi-
deriam ser os seus primeiros pontos na ca, os comissários no local viram o carro
F1. De regresso à realidade para as últimas travar antes de se desviar bruscamente
duas provas da época, ficou mais do que para a esquerda e bater nos rails. A cau-
evidente que, mesmo com um mau car- sa do acidente nunca ficou provada, mas
ro, a velocidade – traduzida pelas perfor- uma das hipóteses aponta para uma fa-
mances em qualificação - e as elevadas lha no sistema de caixa de velocidades,
capacidades de relacionamento com os já que uma peça se teria soltado e blo-
engenheiros e feedback mecânico tor- queado o seletor em quarta velocidade, e
navam Jo num perfeito piloto de Fórmula quando Gartner meteu a quinta, o efeito
1, apesar dos 30 anos. imediato foi o bloqueio das rodas trasei-
Provando a sua enorme polivalência, ras. De seguida, o carro terá então saído
Gartner correu também na segunda me- direito aos rails do lado esquerdo, batido
tade da época no ETCC, pilotando um BMW num poste telegráfico antes de fazer ri-
635 Csi para a conceituada Bastos Juma cochete e atravessar a pista, batendo do
Racing. Terceiro em Nürburgring, o gran- lado direito, já a arder. Tudo aponta para
de destaque da época para Jo foi o quarto que o piloto tenha morrido no impac-
lugar nas 24 Horas de Spa, partilhando o to inicial, já que os comissários no local
carro com Pierre-Alain Thibaut. A dupla nada puderam fazer. Foi o último piloto
terminou em quarto e Gartner gostou de a morrer em Le Mans até ao acidente de
conduzir à noite, evidenciando um ritmo Allan Simonsen em 2013.
avassalador, o que seria determinante Jo Gartner estava a caminho de grandes
para o seu futuro. feitos, com certeza, já que tinha demons-
trado uma qualidade inata para as provas
DA GLÓRIA À TRAGÉDIA de resistência. Rápido e consistente, ti-
nha aprendido nos seus anos de F3 e F2
No final de 1984, Gartner e o seu mana- a não desgastar o carro, porque não tinha
ger David Gulda estavam a negociar com outro, a que se juntava um muito apura-
várias equipas de Fórmula 1. A Osella não do sentido mecânico. Foi mais um caso
deixava de ser opção, mas a priorida- que deixou bem claro que, para estar na
de era uma equipa com mais potencial. Fórmula 1, era necessária uma combina-
Novamente, a porta da Toleman ficou fe- ção de talento com dinheiro, e este nunca
chadadevidoaoselevadosvalorespedidos abundou nas malas de Jo. Foi mais uma
por Alex Hawkridge, mas as coisas esta- tragédia para o desporto austríaco, depois
vam muito bem encaminhadas para que de Rindt, Koinigg e Höttinger.
o austríaco corresse ao lado de Thierry
Boutsen na Arrows em 1985 quando, com
o contrato praticamente assinado, viu o
“seu” lugar ocupado por… Gerhard Berger!
Vindo de um meio muito mais abonado e

+42

AUDI Q8 Bem-vindos à 8ª dimensão”. É EXTERIOR
» MODELO VERSÃO deste modo que a marca ale- O Q8 partilha a plataforma do irmão Q7,
NOVA PÉROLA mã dá a conhecer a sua nova mas não as medidas. Em relação a este, é
proposta de topo. Um modelo 66 mm mais curto (4,98m), 27 mm mais
O universo SUV da Audi ganhou este ano mais um que a Audi enaltece pelas suas largo (1,99m) e 38 mm mais baixo (1,70m).
nome, chama-se Q8 e já chegou ao mercado nacional. linhas e dinâmica desportiva, Esteticamente alia uma aspeto robusto a
como se de um coupé se tratasse, luxo e um estilo coupé. A frente conta com a co-
Apresentamo-lo em seguida capacidades Off-Road. nhecida grelha Singleframe em desenho
O novo Q8 está já disponível em Portugal, octogonal, spoiler dianteiro e entradas de
André Duarte apenas com uma única linha de equipa- ar contornadas. Sobressai a sua fluida
[email protected] mento, tudo o mais será obtido em opcio- fisionomia de tejadilho que termina nos pi-
nais, e um único motor, o bloco 3.0 TDI. O lares D e cavas das rodas, estas alargadas
veículo surge com a sigla 50 TDI. Para já numa alusão ao Audi quattro. As portas
apenas na versão de 286 cv. A partir de sem moldura constituem também um
março de 2019 o Q8 terá também uma op- grande atributo visual. De série conta com
ção com 231 cv e em julho do próximo ano faróis LED e em opção HD Matrix LED. Nota
chegará a sua versão mais sugestiva, SQ8, também para a assinatura tridimensional
com 435 cv. O modelo tem tração integral na dianteira e traseira.
permanente quattro e caixa automática
tiptronic de 8 velocidades com conver- INTERIOR
sor de binário. O preço é de 110.000€. No O habitáculo é espaçoso e acima de
nosso país a Audi espera comercializar tudo marcado por uma sensação
60 unidades por ano. futurista. Um design simples e mi-

LEIA MAIS ENSAIOS E ACOMPANHE
TODAS AS NOVIDADES EM AUTOSPORT.PT

>> autosport.pt/automais

43

nimalista associado a uma quase total A bagageira, com tampa com abertura e - mantém a tónica do modo anterior, mas livre: a primeira ao ser desligado o motor
digitalização do interior, sendo escassos fecho elétrico de série, tem 605l e esten- possibilitando uma condução mais viva; pelosistemaStart&Stop em velocidades
os botões existentes, por todas as fun- de-se aos 1755l com os bancos rebatidos. dynamic (a carroçaria desce em 40 mm) abaixo dos 22 km/h; a segunda quando
cionalidades passarem pelos dois ecrãs Nesta encontra-se um botão que permite - para uma condução performante em rodamos entre 55 e 165 km/h até um
digitais na consola central. Um de 10,1 po- a suspensão traseira baixar em 65 mm estrada. Há ainda uma outra versão desta período máximo de 40s. O peso do Q8 em
legadas (superior) e outro de 8,6 (inferior), para facilitar a colocação de bagagem. suspensão,comumataragemdirecionada vazio, sem condutor, é de 2145 kg.
ambos de série. Já o Audi virtual cockpit para uma condução mais desportiva. Os
conta com um ecrã de 12,3 polegadas a COMPONENTES MECÂNICOS modos de condução são sete, entre eles EQUIPAMENTO
que podemos aceder através do volante um offroad, no qual a caixa de velocidades
multifunções. Os bancos desportivos S De série equipa uma direção progressiva assume uma parametrização específica. De série o novo Audi Q8 inclui: Audi
recebem bem o corpo e têm opção de e suspensão com controlo de amorteci- O Q8 conta também com um diferencial connect emergency and service; Audi
ventilação e massagens. Apesar das li- mento (CDC) que proporciona uma altura central mecânico que gere o binário entre connect navigation and infotainement;
nhas de estilo coupé, o espaço interior ao solo de 220 mm. Em opcional a suspen- os eixos. A proporção base é de 40:60 Audi pre sense city; Audi virtual cockpit;
não sai penalizado, permitindo acomodar são pneumática adaptativa com amorte- (eixos dianteiro/traseiro), sendo possí- câmara traseira de estacionamento; fa-
facilmente dois adultos atrás, e apesar de cimento controlado (que inclui os modos vel transferir maior percentagem para o róis LED; jantes de 19”; MMI de navegação
haver lugar para três, é o primeiro número Comfort e Sport) tem uma amplitude de eixo traseiro em caso de necessidade de Plus; hill descent control (atua até aos
o mais recomendável. regulação de 90 mm (entre o mínimo e tração. Em opção pode optar-se por um 30 km/h); suspensão com controlo de
o máximo de regulação) e permite-nos eixo traseiro autodirecional que permite amortecimento; bancos dianteiros com
ter uma altura máxima ao solo de 254 as rodas virarem até um máximo de 5 regulação elétrica (inclui apoio lombar).
mm.Hácincoopçõesde altura,das quais graus. Até aos 60 km/h as rodas traseiras Entre os sistemas de assistência à con-
destacamos: lift/offroad (carroçaria sobe viram no sentido inverso às dianteiras e a dução, o maiores destaque vai para o ac-
55 mm até uma velocidade máxima de partir dessa velocidade os eixos, traseiro tive cruise control com capacidade para
35 km/h) - permite-nos explorar o Q8 e dianteiro, funcionam em sintonia. reconhecer autonomamente a alteração
em pisos fora de estrada com maior à O novo Audi incorpora a tecnologia mild- das linhas na faixa de rodagem e a elas se
vontade; allroad (carroçaria sobe 25 mm -hybrid (MHEV). Simplificando: o modelo adaptar, como quando há linhas amarelas
até uma velocidade máxima de 80 km/h) equipa um sistema elétrico primário de a alterar o tajeto, em caso de obras, por
48 V que contempla uma bateria de iões exemplo.
de lítio e um alternador de arranque com Nota final para a aplicação myAudi.
correia. Esta tecnologia permite ao veículo Através do telemóvel permite-nos gerir
poupar combustível (até 0,7l/100 km) de a iluminação, transferir destinos para o
duas formas quando circulamos em roda sistema de navegação, música ou o calen-
dário do telemóvel para o sistema MMI.

+44

VOLKSWAGEN André Duarte claramente haver uma coerência com
[email protected] as linhas direitas e definidas do exte-
» T-ROC 1.5 150 CV SPORT rior. No geral, há uma boa sensação de
O Volkswagen T-Roc é um espaço – tanto nos lugares dianteiros
ESTILO COM ALMA carro claramente à luz das (que contam com bancos desportivos
exigências estéticas de hoje. à frente na versão Sport) como tra-
O Volkswagen T-Roc, proposta SUV da marca alemã no Linhas frescas e modernas, seiros – com cotas de habitabilidade
segmento C, é um gosto ao olhar. Fomos para a estrada de estilo aventureiro à boa que cumprem os requisitos de um
maneira SUV, num modelo SUV compacto. A bagageira é uma
com a versão Sport e bloco 1.5l a gasolina de 150 cv que tem por base a plataforma modular referência que, com 445l (que se es-
transversal (MQB) da marca. tende a 1290 com os bancos rebatidos
LEIA MAIS ENSAIOS E ACOMPANHE Face às demais versões – Base e Style – proporção 40:60) se assume como a
TODAS AS NOVIDADES EM AUTOSPORT.PT – no exterior a Sport destaca-se es- maior do segmento, segundo a marca.
sencialmente pelos faróis dianteiros Em termos de conectividade e infoen-
com luz de curva dinâmica, quatro tretenimento, o ecrã de 8” no centro do
jantes em liga leve “Kulmbach” 7Jx17, tablier revela-se extremamente intui-
barras de tejadilho cromadas e espe- tivo e funcional. Os sistemas de infoen-
lhos de cortesia iluminados nas palas tretenimento de 8” polegadas podem
do sol. ampliar-se com a App Connect (que
integra MirrorLink, Apple CarPlayTM e
Android AutoTM da Google) e Car-Net.

INTERIOR EQUIPAMENTO

Uma vez no habitáculo percebemos A versão Sport conta com assistente

>> autosport.pt/automais

45

de manutenção na faixa de rodagem; FT/ F I C H A T É C N I C A no modo Eco, que sentimos que há um tanto, este T-Roc é Sport na versão
cruise control adaptativo; câmara motor com corpo sob o capot. e não um puro desportivo, pelo que,
multifunções; faróis com regulação 1.5 / 150 CV Com 250 Nm de binário máximo entre nesse sentido, nos presenteia com
automática; sensores de estaciona- as 1500 e 3500 rpm, o modelo reage de sensações francamente agradáveis.
mento dianteiros e traseiros e de luz GASOLINA forma muito pronta às invectivas do Já os consumos médios são algo pe-
e chuva; front assist com sistema de acelerador, com uma disponibilidade nalizadores. O modelo faz médias de
travagem de emergência em cidade; 8,4 S de potência sempre capaz para quais- 8,1 litros ao 100 km/h mesmo andando
sistema de deteção de fadiga. A con- quer eventualidades. A caixa manual com moderação. Registos longe dos
siderar há ainda os opcionais controlo 0-100 KM/H de 6 velocidades é também um belo 5,3l anunciados.
adaptativo do chassis (1.203€), sus- aliado para este sentimento. O painel de instrumentos, que conta
pensão desportiva (417€) e teto de 5,3 L / 8,1 L (AUTOSPORT) A direção responde bem e os travões com a nova geração do sistema Active
abrir panorâmico (1.141€). são de uma eficácia que levam a re- Info Display (com ecrã de 11,7 polega-
100 KM querer alguma habituação inicial tal a das), é de muito boa leitura, cortesia
AO VOLANTE prontidão e despacho com que ‘acal- de uma bom grafismo e iluminação.
121 mam’ o modelo – equipando discos
O Volkswagen T-Roc versão Sport ventilados nas quatro rodas, no caso BALANÇO FINAL
reúne os condimentos do modelo nor- G/KM- CO2 da versão ensaiada.
mal, apimentando-o com sensações Em termos de chassis e suspensão, O Volkswagen T-Roc é uma propos-
desportivas quando equipado com o 31 730€ há alguma rigidez no comportamen- ta com uma estética que fala por si.
bloco 1.5 a gasolina com 150 cv. Há to, principalmente na abordagem em Talhado para uma condução a solo ou
disposição temos quatro modos – Eco PREÇO BASE curvas, sentindo-se por vezes uma em família, pode ser o carro do dia a
(apenas incluído no Pack Sport Plus dureza na secção traseira, que, para dia ou para o fim de semana. Adapta-
ou Controlo Adaptativo do Chassis), IMAGEM EXTERIOR E INTERIOR a versão em causa, pedia uma opção se bem a qualquer ambiente, com um
Comfort, Sport, Individual – e desde / ESPAÇO / CONDUÇÃO / MOTOR / mais evoluída que um eixo de torção. visual que cativa. Na sua versão Sport,
o primeiro pisar do acelerador, ainda TRAVÕES Com a parametrização de suspensão, ganha detalhes estéticos e de equipa-
SUSPENSÃO TRASEIRA / CONSUMOS direção e motor no modo Sport, esta mento mais apurados. Aliando a isso
tendência torna-se mais evidente, o motor 1.5 a gasolina com 150 cv, o
MOTOR GASOLINA 4 CIL. EM LINHA, INJEÇÃO faltando por vezes alguma manea- T-Roc conta com a dose de potência
DIRETA, TURBO DE GEOMETRÍA VARIÁVEL, bilidade a ritmos mais elevados e em extra para aqueles que queiram um
INTERCOOLER, 1498 CM3 POTÊNCIA 150 CV percursos mais encadeados. No en- modelo com um coração que faça vi-
/ 6000 RPM BINÁRIO 250 / 1500-3500 RPM brar tanto como a imagem.
TRANSMISSÃO DIANTEIRA, CX. MANUAL DE 6
VEL. SUSPENSÃO TIPO MCPHERSON À FRENTE E
EIXO DE TORÇÃO ATRÁS TRAVÕES DV/DV
PESO 1330 KG MALA 445 LT DEPÓSITO 50 LT
VEL. MÁX. 205 KM/H

+

BMW

» BMW X2 XDRIVE 20D

PARA SURPREENDER

Para garantir uma oferta SUV completa, a BMW
acrescentou à lista X o número 2, fazendo assim nascer
o X2. A Portugal chegou em março e tivemos ocasião
de o conhecer na proposta de topo, xDrive 20d

André Duarte ros desportivos com pespontos azuis, mos ficar indiferentes. Ainda que o vertente automática com a eficácia
[email protected] volante e soleiras das portas M, painéis peso seja mais que aquele que possa que lhe é reconhecida.
em alumínio e puxadores e uma faixa aparentar, 1675 kg, a performance em Nota menos apenas para o facto de em
O BMW X2 tem um design no tablier. A estes juntam-se os frisos estrada faz este parâmetro ser diluído estrada o rolamento ser ligeiramente
moderno e transmite uma em alumínio Hexagon com linha de em condução. seco na absorção das irregularidades,
compacta robustez. A frente realce em cromado com brilho pé- É justamente em termos dinâmicos mesmo que estas não sejam muito
tem personalidade e des- rola e o forro do teto antracite BMW que florescem mais as suas capaci- pronunciadas e o modo Comfort esteja
taca-se pelas entradas de Individual. Pormenores que dão um dades, com o comportamento, princi- selecionado, fruto dos pneus de bai-
ar tripartidas. A lateral é a cunho mais desportivo a um carro palmente em curva, a ser talvez o seu xo perfil da versão ensaiada, 225/40
secção mais elegante, num perfil mar- que geneticamente não o é. maior trunfo. O chassis e a suspensão R20, e de uma suspensão desportiva
cado pelas linhas fluidas, saias na zona Já o espaço, se nos lugares diantei- garantem-nos um modelo muito ágil, M talhada, naturalmente, mais para
inferior e discreto símbolo M junto ros não compromete, atrás acaba por mesmo que abusemos e coloquemos a performance que para o conforto.
das rodas e pilares C. Já na traseira o transmitir alguma sensação de enco- o modo Sport e o DSC (controlo de Posto isto, num modelo com um custo
protagonismo é assumido pela dupla lhimento, sendo o ideal para duas ao estabilidade) OFF. A forma como nos superior a 50 mil euros deveria ser me-
saída de escape e pelo desenho dos invés das três pessoas disponíveis. permite abordar traçados sinuosos, lhor o equilíbrio. Os consumos, numa
faróis, que lhe dão um ar moderno. De série temos Serviços Remote e mesmo com velocidades acima do condução cumpridora, são de 6,4l/100
No presente ensaio, a linha de equipa- ConnectedDrive, Hotspot WI-FI e BMW aconselhável, transmite-nos estabili- km. Dado os 1675 kg de peso e 190 cv,
mento Desportiva M (6620€) garantia: Head-Up Display. dade e segurança. As reações são per- não são excessivos.
jantes de 19” M (225/40R20) de raios ceptíveis e honestas, mesmo quando
duplos; Pack aerodinâmico M (spoiler AO VOLANTE os pneus nos avisam dos limites pelo BALANÇO FINAL
dianteiro específico M, spoiler tra- seu chiar, e fazem-nos ter confiança
seiro e friso nas saias laterais); faróis O BMW X2 é um modelo que apresenta ao volante. Não é um desportivo, mas O BMW X2 é um SUV ideal para uma
adaptativos e luzes de nevoeiro LED, sensações em conformidade com a oferece o suficiente para nos satis- utilização diária. Tem estilo e pro-
luzes de cortesia e fecho automático sua imagem diferenciadora. Pelas fazer. A acompanhar este conjunto porciona uma condução prazerosa,
da bagageira. Resultado, a imagem suas proporções, é um SUV que pode tínhamos uma direção desportiva va- potenciada a todos os níveis nesta
ganha pontos. ser o nosso aliado diário, mas com a riável M (260€) que é uma mais valia, versão Desportiva M de topo, xDrive
versão xDrive 20d, revela-se algo mais ao ser muito direta, e uns travões muito 20d. Apenas o preço base ligeiramente
INTERIOR que um bom companheiro. presentes, mesmo quando nos entu- superior à concorrência e a ‘obriga-
No interior os detalhes da linha de Com 190 cv, tração integral xDrive e um siasmamos mais. A caixa automática toriedade’ de recorrermos a alguns
equipamento Desportiva M também se binário máximo de 400 Nm disponível Steptronic de 8 velocidades (155€) é opcionais para o ‘compormos’ podem
fazem sentir. Ou seja, bancos diantei- desde as 1750 rpm, o X2 rapidamente sempre uma boa aposta, possibilitando jogar contra. Mas uma vez ao volante,
nos coloca a sorrir. São 7,7s dos 0 aos a troca no seletor, nas partilhas ou a facilmente esquecemos esses ‘por-
100 km/h, registo a que não pode- menores’...

>> autosport.pt/automais

47

FT/ F I C H A T É C N I C A

2.0 / 190 CV

GASÓLEO

7,7 S

0-100 KM/H

4,7 L / 6,4 L (AUTOSPORT)

100 KM

121

G/KM- CO2

54 840€

PREÇO BASE

CONSUMOS / COMPORTAMENTO
DINÂMICO / RESPOSTA MODO SPORT /
DESIGN EXTERIOR
CONFORTO / PREÇO / EXCESSO
DE EQUIPAMENTO OPCIONAL

MOTOR GASÓLEO, 4 CIL. EM LINHA
INJEÇÃO DIRETA, ADMISSÃO VARIÁVEL,
TURBO DE GEPMETRÍA VARIÁVEL,
INTERCOOLER, 1995 POTÊNCIA
190 CV / 4000 RPM BINÁRIO 400
/ 1750-2500 RPM TRANSMISSÃO
INTEGRAL, AUTOMÁTICA STEPTRONIC
DE 8 VELOCIDADES SUSPENSÃO
TIPO MCPHERSON À FRENTE E EIXO
MULTIBRAÇOS ATRÁS TRAVÕES DV/DV
PESO 1675 KG MALA 470 LT DEPÓSITO
51 LT VEL. MÁX. 221 KM/H

E/ Dando cumprimento ao estabelecido no n° mais importantes provas de desporto au- leitores uma informação atual, rigorosa abordagem e de análise dos factos noti-
1 do artigo 17° da Lei 2/99, de 13 de Janeiro, tomóvel disputadas em território nacional e de qualidade, opinando sobre tudo o ciosos, com total abertura à interatividade
ESTATUTO Lei da Imprensa, publica-se o Estatuto e no estrangeiro, relata acontecimentos que se passa na área do automóvel e dos com a sua comunidade de leitores. 4. O
EDITORIAL Editorial da publicação periódica AutoSport: ligados à competição automóvel, bem como automobilistas, numa perspetiva plural, re- AutoSport pratica um jornalismo pautado
1. O AutoSport é um semanário dedicado temas que versam o automóvel como bem cusando o sensacionalismo e respeitando pela isenção, sem comprometimentos
ao automóvel e aos automobilistas, nas de consumo, tanto na área industrial como a esfera da privacidade dos cidadãos. 3. ou enfeudamentos, tendo apenas como
suas mais distintas vertentes: desporto e comercial. O AutoSport pauta as suas opções edito- pressuposto editorial facultar a melhor
competição, comércio, indústria, segurança 2. O AutoSport está comprometido com riais por critérios de atualidade, interesse informação e a melhor formação aos seus
e problemática rodoviária. O AutoSport o exercício de um jornalismo formativo e informativo e qualidade, procurando apre- leitores, seguindo sempre as mais elemen-
edita, semanalmente, conteúdos sobre as informativo e procura oferecer aos seus sentar aos seus leitores a mais completa tares normas deontológicas.

PROPRIEDADE FOLLOW MEDIA COMUNICAÇÃO UNIPESSOAL, LDA. – NIPC 510430880, RUA MANUEL INÁCIO Nº8B 2770-223 PAÇO DE ARCOS REDAÇÃO RUA MANUEL INÁCIO Nº8B 2770-223 PAÇO DE ARCOS GERÊNCIA PEDRO CORRÊA MENDES
[email protected] DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES [email protected] DIRETOR-EXECUTIVO JOSÉ LUÍS ABREU [email protected] COLABORADORES ANDRÉ DUARTE, FRANCISCO MENDES, MARTIN HOLMES,
JORGE GIRÃO, JOÃO F. FARIA, JOÃO PICADO, NUNO BRANCO, NUNO BARRETO COSTA, RODRIGO FERNANDES E GUILHERME RIBEIRO FOTOGRAFIA AIFA/JORGE CUNHA, ANDRÉ LAVADINHO, ZOOM MOTORSPORT/ANTÓNIO SILVA
DESIGNER GRÁFICA ANA SILVA [email protected] IMPRESSÃO SOGAPAL, S. A.,SOC. GRÁFICA DA PAIÃ, S. A. DISTRIBUIÇÃO VASP – DISTRIBUIDORA DE PUBLICAÇÕES, S. A., TIRAGEM 15 000 EXEMPLARES REGISTO NA ERC 105448
DEPÓSITO LEGAL Nº 68970/73 – COPYRIGHT© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR. EMVIRTUDE DO DISPOSTO NO ARTIGO 68 Nº2, I) E J), ARTIGO 75º Nº2, M) DO CÓDIGO DO DIRETOR DE AUTOR E DOS DIREITOS
CONEXOS ARTIGOS 10º E 10º BIS DA CONV. DE BERNA, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS A REPRODUÇÃO, A DISTRIBUIÇÃO, A COMUNICAÇÃO PÚBLICA OU A COLOCAÇÃO À DISPOSIÇÃO, DA TOTALIDADE OU PARTE DOS CONTÉUDOS DESTA PUBLICAÇÃO,
COM FINS COMERCIAIS DIRETOS OU INDIRETOS, EM QUALQUER SUPORTE E POR QUAISQUER MEIOS TÉCNICOS, SEM A AUTORIZAÇÃO DA FOLLOWMEDIA COMUNICAÇÃO, UNIPESSOAL LDA. A FOLLOWMEDIA NÃO É RESPONSÁVEL PELO CONTÉUDO DOS
ANÚNCIOS. EDIÇÃO ESCRITA AO ABRIGO DO NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO. CONTACTO [email protected]


Click to View FlipBook Version
Previous Book
In design
Next Book
PVJOBS 2015 Annual Report