The words you are searching are inside this book. To get more targeted content, please make full-text search by clicking here.
Discover the best professional documents and content resources in AnyFlip Document Base.
Search
Published by hmilheiro, 2018-05-07 14:06:23

AutoSport_2106

AutoSport_2106

#2106 40
ANO 40
anos
9/05/2018
>> autosport.pt
2,35€ (CONT.)

DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES

MNOIGMUELOOTLOIVGEPIRA
EM 2019

+/

>> DIOGO GAGO VENCE NO ERC

>> ARRANCA KIA PICANTO GT CUP

>> RAMPA DA FALPERRA
NO FIM DE SEMANA

OS ‘BADBOYS’ HPEISDTRÓORLIAAMNYOFWAZEC +
DA FÓRMULA 1
500HLESXPUOSRLTC+
PÁG. 4



3

I/ I N S TA N TÂ N E O SIGA-NOS EM EDIÇÃO

#2106
9/05/2018

f l> > a u t o s p o r t . p t
facebook.com/autosportpt twitter.com/AutoSportPT

PEDRO LAMY “Posso não saber fazer anúncios mas de carros percebo eu…” Frase mítica de Pedro Lamy na célebre campanha que fez José Luís Abreu
para a Galp e que passadas duas décadas continua a fazer todo o sentido. Cada vez mais…
DIRETOR-EXECUTIVO
S/ SEMÁFORO EM DIRETO
[email protected]
PARADO A ARRANCAR A FUNDO “Penso que tenho as
capacidades e a vontade para A pretérita semana foi
Depois do que se viu Kia Picanto GT Cup vai Pedro Lamy soma e ter uma boa performance importante para o
na primeira prova trazer novos nomes segue. Com os seus numa moto de MotoGP”, Miguel desporto motorizado
do WEC, o BoP ainda colegas somou 25 nacional por várias
para a ribalta do triunfos na classe no Oliveira, que passou por todos os razões. Miguel Oliveira
parece mais estranho… desporto motorizado passos que a Red Bull e a KTM deram foi confirmado em
WEC juntos desde a Rookies Cup e foi o 2019 no MotoGP e vai tornar-se,
nacional primeiro a fazê-lo dessa forma, no primeiro piloto
português a fazê-lo a tempo
O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES NA ERA DIGITAL “Fiquei dececionado, mas inteiro. Este é assim o corolário
a vida, e especialmente o do trabalho que o piloto tem
Siga-nos nas redes sociais e saiba automobilismo, inclui deceções. vindo a fazer. A Peugeot 208
tudo sobre o desporto motorizado no Mas pode ser uma boa Rally Cup Ibérica foi apresentada,
computador, tablet ou smartphone via oportunidade para ficar mais um troféu muito importante
facebook (facebook.com/autosportpt), forte”, Valtteri Bottas, depois de porque pode ajudar a fazer
twitter (AutosportPT) ou em despontar jovens pilotos de ralis
>> autosport.pt perder a corrida de Baku devido a um que irão ‘rejuvenescer’ o nosso
furo já ‘entradote’ plantel nacional.
Os ralis em Portugal precisam
“O Charles Leclerc é um dos de jovens a competir a um nível
pilotos mais fortes que chegou mais elevado que o nosso CPR
à F1 nos últimos 10 anos. Acho (2WD), porque aí dificilmente
que só o Max Verstappen pode evoluem, e este troféu oferece
estar no topo com ele”, Marcus claramente essa possibilidade.
Por fim, e não menos importante,
Ericsson, impressionado com o novo foi dado o tiro de partida para
colega de equipa o arranque da Kia Picanto GT
Cup, um troféu que oferece
uma boa saída competitiva
a jovens oriundos do karting
- ou doutras proveniências,
como está a acontecer - que
não tenham perspetivas e/ou
possibilidade de dar o enorme
salto do karting para os fórmulas
ou turismos. A competição pode
assim, a curto/médio prazo,
juntar nas pistas e nas rampas
um enorme lote de pilotos, que
torne muito competitivo este
troféu. Imaginem as lutas atuais
do karting transportadas para
as pistas, através do Kia Picanto
GT, e, quiçá mais tarde, a outros
níveis mais altos. Foi assim
muitas vezes no passado, com
nomes que se tornaram ‘grandes’
na nossa ‘praça’. Porque não
voltar a suceder?

4 F1/
FÓRMULA 1

OS 'MALCOMPORTADOS'
DA FÓRMULA 1

Conhecido durante anos como José Manuel Costa assim impedir o odiado colega de equipa dock, um cigarro na mão direita e uma cer-
o 'Grande Circo' o Campeonato [email protected] de vencer o campeonato, antes de roubar veja na mão esquerda. As suas exibições
a mulher ao dono da equipa quando tinha ao volante dos carros da Hesketh Racing
Mundial de Fórmula 1 foi Odesportoautomóvelemgeral,e a seu lado uma das mais belas modelos, (propriedade de outro excêntrico, Lorde
sendo erigido sobre nomes a Fórmula 1 em particular, co- embeiçada pelo talento do jovem ao vo- Hesketh) e, sobretudo, a frase “Sex – The
famosos, heróis improváveis nheceu a sua dose de playboys lante. Tudo isto com um cigarro ao canto Breakfast of Champions” estampada no
de pacotilha, cavalheiros com da boca e um cheiro a perfume barato, pois peito do seu fato de competição, forjaram
e muitos meninos mal charme suficiente para enga- na época o dinheiro era todo gasto no bar a sua reputação e tornaram-no num dos
comportados que, ao longo narem o mais atento e vilões e nas meninas com que se pavoneavam. mais famosos malcomportados da F.1.
de 68 anos de competição, suaves que pareciam anjos. A Fórmula 1, O segundo foi campeão do mundo com a
forjaram uma reputação que então, nunca esteve à míngua de excên- JAMES HUNT E JODY SCHECKTER Ferrari, mas até chegar à glória ficou na
os tornou posters de quartos tricos, uns ricos, outros podres de ricos e Naturalmente que já encontraram aqui história por ter uma personalidade tão
de adolescentes. Na geração a maioria com uma mão cheia de nada e traços fortes que definiram pilotos como vincada que criou inimizades com quase
digital, há dificuldades em outra de coisa nenhuma. James Hunt ou Jody Scheckter. O primei- todo o plantel, enervou Emerson Fittipaldi
encontrar ídolos e heróis, mas Para construir um ídolo dos adeptos da ro é sobejamente conhecido, não só pela – que chegou a dizer que ele não pertencia
a Fórmula 1 não abdica dos Fórmula 1 teríamos de encontrar um pi- rivalidade com Niki Lauda – outro ingre- à elite da F1 – causou um dos maiores aci-
loto com péssimo feitio na hora da corrida, diente para se ser um bad boy – mas por- dentes da época com 11 carros envolvidos,
seus 'bad boys'... que ignorasse as ordens de equipa, fosse que tinha um aspeto de playboy, sempre andou à pancada com François Cevert, en-
capaz de tudo para ganhar uma prova e rodeado das mulheres mais belas do pad- fim, um verdadeiro 'bad boy'. O acidente

>> autosport.pt

5

que roubou a vida a Cevert acabaria por de condenações por fraude maior que a de apelo) devido ao seu envolvimento seguinte, foi suspenso por três corridas
lhe mudar o comportamento e o 'Urso', cauda de um vestido de noiva. Deixou essa no acidente propositado perpetrado por após se envolver num acidente com Jos
como era conhecido, acabou por ser o úl- vida e enquanto tentava fugir à justiça Nelson Piquet Jr., no sentido de beneficiar Verstappen e Eric Bernard. Sempre teve
timo piloto antes de Michael Schumacher italiana montou uma série de 'franshi- Fernando Alonso. Retirou-se do mundo da uma imagem de playboy que reforçou
a oferecer um título à Ferrari. ses' da Benetton. Acertadas as contas Fórmula 1 e aos 58 anos casou com uma quando chegou à Ferrari em 1995. A sua
com a justiça com a ajuda de Luciano modelo que, evidentemente, tem meta- melhor época foi a de 1999, com quatro vi-
ITALIANOS E BRITÂNICOS Benetton, a entrada da marca italiana de de da sua idade. tórias, tendo terminado o campeonato em
Gerações depois destes dois famosos 'bad roupa para a Fórmula 1 promoveu Briatore Não será pelo seu talento superior que terceiro, perdendo-o para Mika Häkkinen.
boys' da Fórmula 1, outros se destacaram a responsável máximo. Deixou marca pe- Eddie Irvine será recordado, ele que saiu Foi nesse ano que Michael Schumacher
como rebeldes e não só entre os pilotos. las suas opiniões desconcertantes, pelas da competição em 2003. Truculento e teve um acidente no GP da Grã-Bretanha
Quem não se lembra do playboy Flavio companhias femininas de absoluta bele- irreverente – gostava muito de dizer o e partiu uma perna. Foi Mika Salo quem
Briatore, o bronzeado responsável pela za e sensualidade – Heidi Klum e Naomi que lhe passava pela cabeça - o irlandês substituiu o alemão e permitiu que Irvine
equipa do magnata da moda, Luciano Campbell foram suas namoradas - e por começou com o pé esquerdo a sua via- se destacasse. Um episódio revela a sua
Benetton? ter levado Michael Schumacher para a gem pela Fórmula 1 ao levar um soco de truculência: sendo da Irlanda do Norte,
O italiano forjou uma reputação de amante sua equipa, conseguindo os títulos de Ayrton Senna, bem no meio da cara, no a verdade é que Irvine faz parte da Grã-
das coisas boas da vida, tendo um currí- 1994 e 1995. O seu feitio belicoso e o seu GP do Japão de 1993. Tudo porque Irvine Bretanha, mesmo tendo uma licença da
culo muito preenchido. Sempre impeca- passado acabaram por lhe fazer sombra desdobrou-se do brasileiro e depois en- República da Irlanda. O regulamento da
velmente bronzeado, Briatore foi um ho- e acabou banido do desporto automóvel volveu-se numa luta com Damon Hill que F1 dizia que o piloto deve competir de
mem de negócios que tem um cadastro (decisão posteriormente anulada depois estava a ser atacado por Senna. No ano acordo com a nacionalidade do seu pas-

f1/
FÓRMULA 1

6

saporte e não pela licença desportiva, já pois desse acidente nunca foram ganhas o desagrado do público. Cínico e conhe- Para lá de tudo isto, Michael Schumacher
que esta pode ser de outro país. Em vários em luta direta, mas sempre por abando- cedor dos regulamentos, Schumacher foi acusado, diversas vezes, de condução
Grandes Prémios (Canadá 1995, Austrália no dos seus rivais. Continuou a competir perturbou a cerimónia do pódio ao puxar perigosa. Antes da F1, esteve no Mundial
1996, Argentina e Mónaco 1997) surgiu a pois precisava do dinheiro para manter a Barrichello para o primeiro lugar, obrigan- de Sportscars com a Mercedes. Nos 430
bandeira tricolor da República da Irlanda. vida de fausto que levava. do a FIA a aplicar à Ferrari uma multa de Km de Nürburgring de 1991, irritado com
Devido a ameaças à sua família, o piloto Alguns pilotos ganharam estatuto de ído- um milhão de dólares. No final da tem- o facto de ter apanhado Derek Warwick
pediu que hasteassem uma bandeira com los graças à sua forma calma e majestá- porada, no GP dos EUA e já com o cam- numa das voltas de qualificação, atirou
o 'shamrock' símbolo da Irlanda e fosse tica com que encaravam a imprensa e peonato no bolso, desacelerou delibera- com o seu carro contra o Jaguar do britâ-
tocado o Londonderry Air ao invés da pelos resultados em pista. Mas quando as damente para que Barrichello ganhasse nico, destruindo a frente e um dos pneus.
Union Jack e do hino britânico. coisas não corriam de feição, tornavam- com 0,01 segundos de diferença, a segun- Para o alemão a sorte foi que o robusto
A reação da FIA, através de Francesco -se verdadeiros moços malcomportados. da diferença mais curta na história da F.1. Jochen Mass impediu que Warwick agre-
Longanesi, foi: “Até onde sabemos o Irvne Michael Schumacher ficará, para sempre, A explicação de Schumacher era risível e disse um Schumacher em fuga pela boxe
tem um passaporte britânico pelo que de- com o seu nome gravado a letras de ouro saltava entre “foi para lhe retornar o fa- da Sauber Mercedes.
verá ser hasteada a Union Jack. Entendo pela carreira que ostenta sete campeona- vor” e “tentei que conseguíssemos mais A vingança acabou por ser servida bem
que ele tenha uma bandeira especial, mas tos do Mundo (1994, 1995 com a Benetton, um recorde, o da menor diferença para a gélida em 2010. Era Derek Warwick o
os regulamentos não permitem isso.” A e entre 2000 e 2004 com a Ferrari), cinco vitória.” O mau estar gerado levou a FIA chefe dos comissários do GP da Hungria
resposta de Eddie Irvine não se fez es- deles consecutivos. Venceu por 91 vezes e a banir as ordens de equipa no final des- quando Michael Schumacher viu Rubens
perar. “No final do dia sou irlandês. Quer conquistou 155 pódios e, estatisticamen- sa temporada. Barrichello tentar a ultrapassagem na reta
dizer, tenho passaporte britânico, mas te, é o melhor piloto de sempre. Porém, a
quando se é da Irlanda, seja norte ou sul, sua carreira – que começou no karting –
tu és Irlandês! Ser ‘britânico' é uma coisa está enxameada de situações típicas de
tão... indefinida não é verdade?!” um badboy. Com uma vida privada ima-
culada, Schumacher era impiedoso em
NELSON PIQUET, MICHAEL pista e tomou decisões pouco desporti-
vas debaixo de uma pressão com a qual
SCHUMACHER E AYRTON SENNA lidava com alguma dificuldade.
O primeiro episódio aconteceu no GP da
E o que dizer de Nelson Piquet? O bra- Austrália, a derradeira prova da tempo-
sileiro nunca foi bem aceite na comuni- rada 1994. Schumacher tinha um ponto
dade da Fórmula 1, mas conquistou uma de avanço sobre Damon Hill e liderava a
horda de seguidores e adeptos pelo seu corrida quando saiu de pista, bateu no
estilo irreverente e pela boca demasiado muro e regressou devagar para a pista
perto do coração. Farto de tentar seguir com o carro muito danificado, mas ain-
uma carreira no ténis, desporto que não da na liderança da corrida. Damon Hill
gostava mas que praticava para fazer a sentiu que poderia passar pelo alemão e
vontade ao pai, o brasileiro virou-se para conquistar o título. Schumacher não he-
o karting e rapidamente deu nas vistas, sitou, atirou o carro para cima do carro de
chegando a campeão brasileiro. Damon Hill. Tocaram-se, os dois abando-
Foi ele quem disse de Nigel Mansell: “É naram e o alemão levou para casa o título.
o maior idiota que já conheci”, E de que O GP da Europa, disputado em Jerez de
Ayrton Senna era um piloto “sujo”. E num la Frontera, encerrava a temporada de
acidente com Eliseo Salazar, no GP da 1997 e, uma vez mais, Schumacher esta-
Alemanha de 1982, Piquet chegou a vias va na frente da corrida e do campeonato
de facto e agrediu o piloto chileno. 'Bon por um ponto, face a Jacques Villeneuve.
vivant', Piquet também deu nas vistas O canadiano estava mais rápido e ten-
pelas companhias femininas e pelas acu- tou ultrapassar o alemão. Uma vez mais,
sações feitas a Senna sobre a sua orienta- Schumacher não hesitou e atirou o carro
ção sexual. Ditado de um humor negro e contra o monolugar de Villeneuve. O crime,
sibilino, Nelson Piquet sempre viveu uma desta vez, não compensou, pois o Williams
vida de playboy tendo ganhado e gastado de Jacques Villeneuve conseguiu terminar
pequenas fortunas ao longo da sua car- no quarto lugar e Schumacher abando-
reira. Tem sete filhos de quatro esposas, nou. O título foi para o piloto da Williams.
sendo que um dos seus relacionamentos Mais tarde, a FIA desqualificou o piloto
ficou marcado na história pois 'roubou' alemão de todo o campeonato de 1997.
a namorada (Sylvia Tamsma) a Elio de Esta situação deixa Schumacher como
Angelis. Outro que marca o seu carácter o único piloto na história da Fórmula 1 a
foi a ligação a Katherine Valentin (da qual ver-se desqualificado do Campeonato do
nasceu mais um dos filhos do brasileiro) Mundo de Fórmula 1 – Pilotos.
quando ainda estava casado com Sylvia Michael Schumacher também ficou fa-
Tamsma. Já retirado, Piquet viu ser-lhe moso pela forma como tentava dominar,
cassada a carta de condução por repeti- politicamente, as equipas onde esteve.
dos excessos de velocidade e reconheceu, Rubens Barrichello foi uma das 'vítimas'
numa entrevista, que depois do acidente mais usuais de Schumacher. No GP da
que sofreu em Imola em 1987 nunca mais Áustria de 2002, o brasileiro foi obrigado
foi o mesmo, por ter ficado afetado da vi- pela equipa a deixar passar o alemão, mas
são (perdeu 80% da perceção da profun- fê-lo em cima da linha de meta, gerando
didade de campo), algo que escondeu da
equipa. As seis vitórias que conquistou de-

>> autosport.pt

7

da meta. O alemão apertou-o a mais de na grelha de partida da corrida seguinte. queou ainda mais a curva, prejudicando Lilian de Vasconcelos, que não resistiu à
290 km/h contra o muro e só o deixou São muitos os episódios do 'bad boy' Fernando Alonso, o seu maior rival, que vida focada do brasileiro nas corridas. A
passar quando o acidente estava eminen- Schumacher. No GP do Canadá de 1998, estava a caminho da pole position, como sua paixão eram as corridas e não o sexo
te. Schumacher achava que tinha deixado saiu das boxes 'atropelando' Heinz Harald diziam os registos de tempo intermédios. oposto. Namorou com Adriane Yamin e
espaço suficiente, “pois ele passou”, en- Frentzen – ex-colega na Sauber Mercedes Uma esperteza que acabou com a retira- teve um mediático relacionamento com
quanto Barrichello dizia: “Foi a coisa mais e ex-amigo, já que Schumacher lhe rou- da da pole e remetido ao último lugar da Xuxa Menegel, para depois entrar numa
perigosa que já experimentei”. Warwick bou a namorada, Corinna Betsch, a sua grelha de partida. roda viva típica de um playboy: passaram
não esteve com meias medidas e não atual esposa – que teve de sair de pista e Ayrton Senna será o ídolo eterno e muitos pelasuavidaChristine Ferracciu,asmo-
tendo conseguido unanimidade para lhe foi forçado a abandonar. No GP do Mónaco dizem que a Fórmula 1 nunca mais foi a delos Carol Alt, Marjorie Andrade e Elle
mostrar a bandeira preta por condução de 2006 o alemão fez o melhor tempo mesma desde o fatídico acidente do bra- McPherson, tendo terminado os seus dias
perigosa, conseguiu que a sua ação fosse dos treinos e o seu carro parou na curva sileiro em Imola, no dia 1 de maio de 1994. com a modelo brasileira Adriane Galisteu.
considerada, à posteriori, como perigosa Rascasse, deixando a pista parcialmen- Talento puro, Senna fazia da sua religio- Quando as coisas não corriam de feição,
e o alemão foi penalizado em 10 lugares te bloqueada. Tentou tirar o carro e blo- sidade – “só porque acredito em Deus, só Senna transformava-se. Foi assim de-
porque tenho fé em Deus, não quer dizer pois do incidente entre ele e Alain Prost
que sou imune ou imortal” - um refúgio quando estavam na McLaren, no GP do
para uma forma muito própria de estar na Japão de 1989, com o título a cair para o
competição. Senna sempre dizia: “Para francês. Senna não 'engoliu' a afronta e
melhorares o tempo numa volta, tens no ano seguinte estava Prost na Ferrari
de melhorar o que fazes mal e manter o quando o brasileiro se vingou atirando
que fazes bem. Se vais tentar ganhar algo o seu carro contra o do francês. Ambos
onde já estás no limite, só vais estragar a acabaram na escapatória, mas o título
tua volta.” O seu talento e esta explicação, verteu em favor de Senna. Ficará, tam-
muito terrena, eram as reais razões para bém, na história da Fórmula 1, o jogo de
o seu sucesso. bastidores que Senna promoveu para que
Senna foi um filantropo – soube-se de- a Lotus não contratasse Derek Warwick,
pois da sua morte que doou mais de 400 piloto que o brasileiro sentia ser uma forte
milhões de dólares para ajudar crianças ameaça à sua liderança.
pobres – e ainda hoje existe o Instituto
Ayrton Senna. Gostava de aviões e de OS 'BAD BOYS' DE HOJE
barcos e conheceu uma vida privada atri-
bulada depois de um casamento com Lembro com saudade estes ídolos que
apesar de terem pés de barro e, na sua

f1/
FÓRMULA 1

8

maioria, serem verdadeiros 'bad boys', caminho declarações menos apropria- para chegar onde desejo. Muitos se quei- referiu Magnussen, tendo um lampejo de
davam o sal e pimenta necessários às das muito no estilo do seu pai. Deverá ter xaram de mim, mas raramente sou pena- lucidez ao dizer: “Naturalmente não será
lutas, em pista e fora dela, que geravam herdado, para além do talento atrás de lizado por isso, portanto acho que estou com acidentes ou penalizações que vou
claques de apoio a este ou àquele piloto. um volante, o feitio mais complicado do bem.” Kevin Magnussen acrescentou, chegar aos lugares de topo. Estou a viver
Geravam trincheiras que se manifesta- seu pai. Mas nos anos seguintes as coisas ainda: “Tenho amigos no paddock mas o meu sonho de infância e dediquei toda
vam nos panos que eram levados para as não foram mais simples e em 2016, Sainz não entre os pilotos. Não ia dar certo!” a minha vida a isto. Por isso é apenas na-
pistas, tomando partido por um ou outro Jr. desentendeu-se em pista com Jolyon Magnussen já recebeu muitas penali- tural e compreensível que faça tudo, mas
piloto, e nos posters vendidos aos milhares Palmer (GP Rússia) com Felipe Massa zações por excessos na pilotagem e no absolutamente tudo que estiver ao meu
que eram colocados nas paredes ou nos (GP Alemanha) e Fernando Alonso (GP ano passado ficaram célebres os episó- alcance para atingir o sucesso.”
armários dos jovens da época. dos EUA). Tudo ficou mais clamo em 2017, dios entre ele, Fernando Alonso e Nico A verdade é que palavras levam-nas o
Os tempos hoje são diferentes e a globa- mas a verdade é que Carlos Sainz Jr. não Hulkenberg, que deram origem à frase vento e o talento inegável que possui atrás
lização aliada à digitalização torna tudo é pera doce na hora de ultrapassar e não do ano, “suck my b**ls”. Nos vários anos de um volante está a ser delapidado por
muito diferente. Os posters já não se co- tem papas na língua quando é preciso que tem de carreira na F1 – desde 2014, al- um comportamento em pista que começa
lam na parede, os ídolos nascem e morrem dizer algumas coisas. tura em que entrou para a McLaren para a desagradar a muitos e já levou alguns
com um período de validade mais curto Kevin Magnussen é um dinamarquês substituir Sergio Pérez, tem acumulado dos seus pares a considerá-lo como um
que o do leite fresco, as trincheiras são que, como se diz em bom português, “não episódios em pista, não só na luta com piloto “sujo” já depois de ter insultado o
erigidas nas redes sociais e mudam de joga com o baralho todo”. Filho de ou- outros pilotos, mas também desrespei- Nico ”Mr. Clean” Rosberg em 2016 e culmi-
cor a todo o momento e a maioria nunca tro dinamarquês também algo excên- tando várias regras como a velocidade nando com o “suck mt b**ls darling” para
está satisfeita. Por isso, burilar um ídolo é trico (Jan Magnussen), o piloto da Haas em bandeira amarela, linha de saída das Nico Hulkenberg o ano passado.
quase tão complicado como fazer a pole chegou a terminar a carreira no final de boxes, limites da pista, enfim, um longo Mas o grande 'bad boy' da atualidade e o
position no Mónaco. 2008, quando sem dinheiro para pagar rosário de disparates.
Felizmente que os 'bad boys' não desapa- a sua vida em Inglaterra viu-se forçado A mais recente polémica do dinamar-
receram do cenário da Fórmula 1 e mes- a trabalhar como soldador numa fábri- quês foi uma afirmação feita à Reuters:
mo que hoje estejam longe dos playboys ca. Felizmente surgiu um patrocinador “Irei morrer no carro!”. Isto logo depois
de pacotilha e dos habilidosos que sem para o dinamarquês fazer a F.Renault de um incidente com Pierre Gasly após
cheta conseguiam passar-se por nobreza 2009 e Magnussen deixou o trabalho de uma manobra idiota de Magnussen que
da boa, não deixam de ser uns meninos soldador para regressar ao volante. Com colocou, claramente, em risco a seguran-
malcomportados. um feitio complicado, o piloto da Haas já ça dos dois pilotos. O coro de assobios e
Claro que o primeiro nome que vem à deixou claro que não está na F1 para fazer críticas elevou-se tanto que Magnussen,
cabeça será o de Max Verstappen. Mas amigos e pouco lhe importa o que dizem mesmo sem ler as redes sociais, aper-
há mais, como Kevin Magnussen ou até nas redes sociais ou o que outros pilotos cebeu-se da sua tontice e apressou-se
Carlos Sainz Jr.. pensam dele. “Não estou focado em fa- a esclarecer. “Eu não apertei o Pierre de
O espanhol tem colecionado penalizações zer amigos ou ser popular. Deixei de ler propósito e já pedi desculpas muitas ve-
devido ao seu comportamento. No ano de as redes sociais e pouco me importa que zes. Eu não quero morrer num carro de
estreia, 2015, o filho de Carlos Sainz co- falem bem ou mal de mim. Estou focado, corridas. A frase foi retirada de contexto
lecionou sete penalizações devido à sua sim, nos resultados e, por vezes, é preciso e quer apenas expressar a minha vonta-
forma de estar em pista, deixando pelo adotar um estilo mais agressivo em pista de de dar tudo para alcançar o sucesso!”

>> autosport.pt

9

mais controverso piloto da era moderna é belga e irmã de Anthony Kumpen, piloto O ponto alto da temporada de estreia foi Por tudo isto, Max Verstappen será o her-
é Max Verstappen. O seu enorme talen- belga de GT’s que participou nas 24 Horas no GP do Mónaco de 2015. Fez o segun- deiro do maior 'bad boy' da Fórmula 1,
to produziu algumas das mais belas ul- de Le Mans e nas 24 Horas de Daytona, do melhor tempo na qualificação, mas James Hunt.
trapassagens dos últimos anos, mas o sendo hoje um dos pilotos da Nascar na corrida despenhou-se contra Romain Falta-lhe o cigarro ao canto da boca e a
seu feitio truculento, muito semelhante Whelen Euro Series. Ora, apesar de vi- Grosjean. Não se livrou de várias penali- lata de cerveja na mão, mas para isso lá
ao do seu pai, Jos Verstappen, começa a ver no Mónaco – apenas porque gosta e zações, tendo Valteri Bottas como um dos está Kimi Räikkönen, que não perde uma
prejudicá-lo na sua relação com os seus não pelas vantagens fiscais, diz ele - e ter seus principais alvos (desentendeu-se ocasião para degustar um belo malte ou
pares e com os adeptos. O último episó- passado muito da sua vida numa cidade com o finlandês nos GP da Hungria e do um vinho de qualidade. Ou o 'calimero'
dio aconteceu no GP do Azerbaijão onde belga, corre com licença holandesa por- AbuDhabi) sendo várias vezes mimo- Romain Grosjean, outro dos 'bad boys'
andou, literalmente, à pancada com o seu que “se sente mais holandês que belga”. seado com lugares perdidos na grelha que tem um talento enorme, mas grande
carro no RedBull de Daniel Ricciardo, evi- Começou no karting com apenas 4 anos de partida. propensão para o disparate (como se viu
tando vezes sem conta a ultrapassagem e desde cedo mostrou o talento, a irreve- A sua forma de pilotar, sempre ousado no Azerbaijão) e para perder o foco quan-
do australiano, até os dois se colocarem rência e a loucura que hoje utiliza na F1. e sem temer o resultado final das suas do as coisas não correm bem.
fora de prova com um incidente cujas cul- Um jovem que chegou aos monoluga- ações, levou mesmo a FIA a instituir a 're- Enfim, cada cabeça sua sentença, e por
pas são repartidas pelos dois. res de F1 com 17 anos, o que levou a FIA gra Max Verstappen' que acabaria aban- isso a lista de 'bad boys' poderia ser bem
Mas a vida de Verstappen é um conjunto a implementar uma série de regras para donada para a temporada 2017, para evitar maior. Porém, acredito que estes foram
de episódios controversos, começando impedir que outros 'miúdos' chegassem as defesas ousadas que o belga/holandês e são os maiores 'vilões' da Fórmula 1 e
logo pela sua nacionalidade. O seu pai é à disciplina máxima do desporto auto- fez ao longo de 2015 e que levaram a desa- que Verstappen merecia que o seu pos-
um ex-piloto de Fórmula 1 holandês, Jos móvel tão cedo, e a criar também regras guisados com Valteri Bottas ou Sebastian ter estivesse na parede do quarto de um
Verstappen, e a sua mãe, Sophie Kumpen, para controlar o ímpeto do jovem piloto. Vettel, entre outros. jovem adepto da modalidade.

10 WEC/
6 HORAS DE SPA FRANCORCHAMPS

ALONSO Melhor era impossível e mesmo com alguns erros pelo
VENCE NA caminho, a Toyota iniciou a SuperSeason 2018/2019 com uma
EDSOTBRRETAIODAYICNOOHTMAA dobradinha, dando a Fernando Alonso a vitória na sua estreia

no WEC, logo numa pista onde venceu na F.3000 mas nunca
ao volante de um Fórmula 1, o seu primeiro sucesso desde o GP

de Espanha de 2013. Para as cores portuguesas, Pedro Lamy
voltou ao lugar mais alto do pódio naquela que foi a sua 20ª

vitória na categoria GTE-AM

José Manuel Costa
[email protected]
Fotos José Bispo/JP Photopress e Philippe Nanchino

Apostar numa vitória Toyota conquistada por Mike Conway, para um
não era negócio pois a equi- lugar nas boxes de onde saiu após a con-
pa japonesa é a que resta dos clusão da primeira volta.
LMP1 híbridos e apesar de ter Mike Conway e os seus colegas de equipa,
aceite diversas limitações para Kamui Kobayashi e José María López, de-
aproximar o desempenho do moraram três horas para conseguir che-
TS050 dos restantes LMP1 privados, a sua gar ao segundo lugar, tendo pelo caminho
superioridade era evidente. Curiosamente, aproveitado alguns problemas alheios e
a Toyota começou o ano com novo tiro nos uma ou outra situação mais quente para
pés ao cometer um erro administrativo se colocar a um minuto do líder da corrida.
que atirou o TS050 nº 7 da pole position, Um desses episódios deu-se com Fernan-

>> autosport.pt

11

do Alonso, que ao volante do Toyota nº 8 way entregues a si mesmos numa luta que minutos viveu-se na expetativa de um motivaram idas extra às boxes com o
estava na liderança e viu Kamui Kobayashi fez franzir o sobrolho a Pascal Vasselon, ataque à liderança. Mas apesar de ter carro nº 1 a ceder mais de 2m30s e quase a
tentardesdobrar-se.Ojaponêspressionou o responsável técnico da equipa Toyota chegado a estar a menos de dois segun- deitar tudo a perder. O outro Rebellion teve
o espanhol e conseguiu, mesmo, passá-lo. Gazoo Racing. dos de Fernando Alonso, Mike Conway mais dificuldades e o BR1 – AER pilotado
Alonso não gostou e voltou a colocar o O momento que resolveu a corrida a fa- levantou o pé pois as ordens da equipa por Matevos Isaakyan, Stepahne Sarrazin
Toyota nº 7 com uma volta de atraso até vor do Toyota nº 8 pilotado por Fernando devem ter sido claras e a vitória iria para e Egor Orudzhev acabou destruído nas
que percebeu que a equipa não se podia Alonso foi, curiosamente, um erro do piloto o carro que esteve no comando toda a barreiras do Eau Rouge, permitindo que
dar ao luxo de lutas sem sentido. espanhol. Com Conway encostado aos corrida. Isto apesar de mais um erro da Andre Lotterer, Neel Jani e Bruno Senna
A verdade é que os dois Toyota junta- escapes do seu TS050, Alonso aproxi- equipa – libertaram Kazuki Nakajima celebrassem a presença no lugar mais
ram-se nos dois primeiros lugares com mou-se da chicane e hesitou bastante com os cintos desapertados, o que valeu baixo do pódio.
a diferença entre ambos a rondar os 60 na ultrapassagem a um GT-PRO, criando uma visita extra às boxes – e outro do Mas a classificação final ainda não esta-
segundos, até que o despiste violento de a oportunidade para o britânico desferir piloto japonês que deixou espalhados na va fechada e nas verificações técnicas
Matevos Isaakyan, ao volante do BR1 – o golpe de misericórdia. Infelizmente, a escapatória de La Source mais duas mãos o Rebellion acabou por apresentar um
ERA da equipa SMP, quarto classificado da equipa já tinha chamado Conway à boxe cheias de segundos após fazer um pião. fundo plano 1,2 mm mais desgastado que
categoria LMP1, obrigou Eduardo Freitas e Alonso entrou na reta da meta a respirar Contas feitas, a Toyota conseguiu a do- a tolerância autorizada pelo regulamento.
a mandar para a pista Pedro Couceiro fundo pois o Toyota nº 7 estava, agora, bradinha – não se esperava menos! – na Assim, o terceiro lugar não fugiu à Re-
ao volante do Porsche 911 que serve de longe. frente da Rebelion, claramente a segunda bellion, mas foi o outro carro pilotado
Safety Car no WEC. Uma paragem nas boxes 10 segundos equipa mais rápida do plantel. Porém, pro- por Mathias Beche, Gustavo Menezes e
Uma neutralização que desfez como gelo mais rápida deixou o asturiano com cerca blemas com a comunicação do carro com Thomas Laurent, quem ficou no pódio,
ao sol a vantagem de Alonso. No recomeço de 7 segundos de diferença e nos últimos a cronometragem e o controlo de corrida, seguido do ByKolles ENSO CLM P1/01
ainda se alvitrou uma possível penalização – Nissan pilotado por Tom Dillmann, Do-
para o Toyota nº 7 por ter ultrapassado minik Kraihamer e Oliver Webb, mas já a
antes da linha do Safety Car, mas essa três voltas dos Rebellion. O último LMP1 a
irregularidade não foi provada e o ‘drive terminar foi quinto, no caso o BR1 – AER
through’ não saiu, deixando Alonso e Con- da SMP Racing que teve ao volante Vitaly
Petrov e Mikhail Aleshin.

G-DRIVE MONOPOLIZA LMP2

A diferença inferior a meio minuto entre o
Oreca07 – Gibson de Jean-Éric Vergne, Ro-
man Rusinov e Andrea Pizzitola, vencedor
da categoria LMP2 a sete voltas do Toyota
TS050 ganhador da corrida, e o Oreca 07 –
Gibson da equipa Jackie Chan DC Racing,
pilotado por Ho-Pin Tung, Gabriel Aubry e
Stephane Richelmi, não espelha o domínio
que os primeiros exerceram. A diferença
chegou a andar acima dos 60 segundos,
mas o Safety Car, pelo acidente de Mate-
vos Isaakyan, anulou a maior fatia dessa
vantagem. Mas a vitória nunca esteve em
causa, especialmente quando o Dallara
P217 – Gibson de Guido Van Der Garde, Jan
Lammers e Frits van Eerd – que dominou
a primeira hora de corrida – conheceu
problemas de alternador e enterrou as
esperanças de lutar pela vitória na sua
boxe ao perder quase 20 voltas.
Destaque, ainda, para a estreia de Pastor
Maldonado, ao volante de um Oreca 07 –
Gibson da categoria LMP2 que partilhou

wec/
6 HORAS DE SPA FRANCORCHAMPS

12

com Nathanael Berthon e Roberto Gon- lugar da classe GTE-PRO. Por outro lado, passou pelo Porsche. Uma ultrapassagem Evo) nos últimos momentos da corrida.
zalez. Não se envolveu em problemas e aproximou os dois Porsche oficiais e o Ford fabulosa de Olivier Pla que deu a vitória A corrida dos GT-PRO foi muito atribulada,
devolveu o Oreca da DragonSpeed sem que se entregaram a uma luta que esteve à Ford e consumou a queda de Lietz, com acidentes e problemas mecânicos a
danos aos seus companheiros de equipa, sempre presa por poucos segundos. Novo pois no calor da luta destruiu o pneu condicionarem as esperanças de muitos.
terminando no sexto lugar da classe e Safety Car com o despiste de Isaakyan e da frente do lado direito e começou a O outro Ferrari da AF Corse, pilotado por
12º da geral. a Ford a ficar com uma oportunidade de andar para trás. Foi passado pelo seu James Calado e Alessandro Pier Guidi, es-
chegar ao comando. Com Olivier Pla aos colega de equipa Michael Christensen teve muito tempo no quarto lugar até que
FORD BATE PORSCHE NOS GTE comandos do Ford GT nº 66, a pressão so- e acabou borda fora do pódio após uma um incidente nas boxes com o Porsche 911
bre Richard Lietz foi-se incrementando até ultrapassagem fantástica, embora mus- da Project 1, pilotado na altura por Egifio
Viveram-se momentos de aflição quando que em pleno Radillon, o francês atacou e culada, de Davide Rigon (Ferrari 488 GTE Perfetti, um carro da categoria GTE-AM,
o Ford GT de Harry Tincknell saiu dispa- o fez perder demasiado tempo para re-
rado no exato local onde Pietro Fittipaldi parar a suspensão dianteira esquerda,
perdeu o controlo do seu Oreca 07. O Ford terminando em nono da categoria.
bateu violentamente nas barreiras, ficou Este incidente permitiu que o BMW M8
sem a frente – pedaços do carro espalha- GTE de António Félix da Costa e Tom Blom-
ram-se por dezenas de metros e o Porsche qvist fechasse o Top 5 na estreia da nova
911 RSR de Robert Lietz embateu num arma da casa de Munique no WEC. Já os
dos braços de suspensão do Ford – mas novos Aston Martin Vantage termina-
o piloto britânico escapou ileso e, mais ram em sexto e sétimo, mas a longínquas
tarde, deixou o agradecimento: “À Ford quatro voltas dos vencedores da classe.
por fazer um carro tão robusto e protetor Provavelmente, James Calado tem toda
que me permitiu sair deste acidente onde a razão quando afirma: “O BoP está tão
a desaceleração chegou aos 29 G sem um errado que não conseguimos competir.
arranhão!” Isto não é competição. É apenas inacei-
A Ford acabava de ficar sem um dos seus tável este BoP. Estamos longe da luta e
carros e com o Safety Car que saiu devido não podemos fazer rigorosamente nada.”
ao acidente, perdia, também, o primeiro

PEDRO LAMY ‘
TETRA’EMSPA

Por vezes começam a faltar as palavras para a corrida foi muito disputada. Conseguimos liderar boa parte
o trabalho que Pedro Lamy tem vindo a fazer da prova mas, no final, a entrada em pista do Safety Car fez
na sua carreira. Desta feita, mais uma vitória, com que perdêssemos a vantagem que tínhamos. O meu último
conseguida depois de muita luta metro a metro stint foi muito exigente devido à pressão do Aston Martin da
em pista, e mais um marco na história da Aston TF Sport mas consegui manter o primeiro lugar. Foi uma prova
Martin Racing, que não passou despercebido a dura e este resultado deixa-nos muito satisfeitos. Mas também
Andy Palmer, Presidente e Chief Executive Officer conseguimos perceber que os nossos adversários estão muito
da Aston Martin Lagonda Ltd, ao referir no seu competitivos e que o campeonato vai ser muito disputado e
Twitter, que a Aston Martin Racing se tornou na interessante.” referiu Lamy. Agora, que venha Le Mans.
primeira equipa a alcançar 25 triunfos num classe
do FIA WEC, com este triunfo nas 6 Horas de Spa.
Efetivamente, os Campeões em título, alcançaram a sua 13ª vitória
juntos, tornando-se também no primeiro carro a vencer uma única
corrida (Spa) quatro vezes seguidas.
Esta é mais uma fantástica vitória na carreira de Pedro Lamy no
Endurance, nesta que foi a a primeira corrida da época do WEC.
Juntamente com Paul Dalla Lana e Mathias Lauda, começaram
da melhor forma a defesa do título: “Foi um excelente resultado
para a equipa. Os nossos adversários estavam muito fortes e

>> autosport.pt

13

ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA
“CARROTEMENORMEMARGEMDEPROGRESSÃO”

António Félix da Costa foi quinto classificado uma corrida promissora. Não cometeram
na sua estreia, e do BMW M8 GTE, no WEC. erros, chegaram a passar pelo quarto lugar,
Com a BMW a iniciar agora um novo caminho, mas a Porsche e a Ford voltaram a não dar
o arranque do português, que teve a seu lado chances à concorrência: “Foi uma estreia
Tom Blomqvist, foi positivo, e permitiu concluir bastante positiva. Conseguimos rodar sem
que o carro tem margem para se chegar problemas técnicos e com um andamento
aos melhores da classe GTE PRO. A corrida sólido ao longo de toda a corrida. Tanto eu
foi dominada pela Ford e Porsche, bem mais como o Tom não cometemos qualquer erro,
experientes, mas a dupla do BMW M8 GTE nº assim como a equipa nas boxes, que esteve
82, Félix da Costa e Tom Blomqvist, realizou muito bem. Recolhemos muita informação e

sabemos exatamente as áreas a trabalhar dentro das nossas expetativas e trazemos
para melhorarmos a performance do nosso para casa bons pontos com este quinto lugar”,
carro até às 24 Horas de Le Mans. O nosso referiu o piloto oficial da BMW, que juntamente
carro tem uma excelente base, mas tem com Tom Blomqvist foram os melhores
também ainda uma enorme margem de representantes da BMW, enquanto o segundo
progressão até podermos ser capazes de lutar carro da marca germânica foi 8º classificado
pelas vitórias. Posso dizer que foi um início da categoria GTE Pro.

BREVES

>> FITTIPALDI DE FORAOITO
SEMANAS

LAMY CONQUISTA A SUA 20ª VITÓRIA de prova, o campeão do Mundo em Um violento acidente a meio
título da categoria GTE-AM teve de do Eau Rouge - provocado
NA CATEGORIA GTE-AM fazer uso de todas as suas qualidades por uma falha elétrica que
e experiência para conter os ataques levou a uma falha na direção
Pegou tarde no carro, deixou-o no do outro Aston Martin Vantage, pilo- assistida - destruiu o BR1-
comando da categoria e quando re- tado por Euan Hankey. O britânico fez Gibson da DragnSpeed e
gressou ao volante do Aston Martin tudo para passar Lamy, atacou forte na atirou com Pietro Fittipaldi,
Vantage, Pedro Lamy construiu uma Chicane, mas o português respondeu neto de Emerson Fittipaldi, para a mesa de operações. O jovem talento
vantagem que o colocava ao abrigo à altura e manteve-se na liderança, brasileiro sofreu uma fratura complexa na perna esquerda e outra fratura
dos ataques dos seus adversários. O ganhando a classe. no tornozelo direito, já foi operado e estará fora de combate durante oito
acidente de Isaakyan destruiu essa semanas.
vantagem e nos últimos 20 minutos
>>TOYOTACOMERROINDESCULPÁVEL
C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S
A tendência da Toyota para dar tiros nos pés continua e o último episódio
1º TOYOTA GAZOO RACING S.BUEMI/K. NAKAJIMA/F.ALONSO TOYOTA TS050 HYBRID (1ª LMP1) 163 VOLTAS 6H00M50,702S aconteceu na qualificação para as 6 Horas de Spa Francorchamps. Mike
Conway, Kamui Kobayashi
2º TOYOTA GAZOO RACING M. CONWAY/K. KOBAYASHI/J. LOPEZ TOYOTA TS050 HYBRID (2º LMP1) 163 VOLTAS A 1,444S e José María Lopéz, no
Toyota nº 7, foram os mais
3º REBELLION RACING M. BECHE/T. LAURENT/G. MENEZES REBELLION R13 GIBSON (4º LMP1) 161 VOLTAS A 2 VOLTAS rápidos e conquistaram a
pole position. Horas depois
4º BYKOLLES RACING TEAM O. WEBB/D. KRAIHAMER/T. DILLMAN ENSO CLM P1/01 AER (5º LMP1) 158 VOLTAS A 5 VOLTAS foram despojados desse feito
quando as verificações após
5º SMP RACING M. ALESHIN/V. PETROV BR1- AER (6º LMP1) 158 VOLTAS A 7 VOLTAS a qualificação destaparam
um erro administrativo: um
6º G-DRIVE RACING R. RUSINOV/J. VERGNE/A. PIZZITOLA ORECA 07 – GIBSON (1º LMP2) 156 VOLTAS A 7 VOLTAS medidor de fluxo de combustível não era o ligado ao carro 7. Ou seja, a
Toyota enganou-se na declaração da identificação dos medidores de fluxo!
7º JACKIE CHAN DC RACING H. TUNG/G. AUBRY/S. RICHELMI ORECA 07 – GIBSON (2º LMP2) 156 VOLTAS A 7 VOLTAS
>> GINETTAFICADEFORA
8º SIGNATECH ALPINE MATMUTN. LAPIERRE/A. NEGRÃO/ P. THIRIET ALPINE A470 – GIBSON (3º LMP2) 156 VOLTAS A 7 VOLTAS
Sem grande surpresa, a Manor LMP1 anunciou o seu abandono na primeira
9º JACKIE CHAN DC RACING J. JAAFAR/W. TAN/N. JEFFRI ORECA 07 – GIBSON (4º LMP2) 155 VOLTAS A 8 VOLTAS corrida da SuperSeason 2018/2019, devido a problemas financeiros.
O anúncio foi feito pouco depois da qualificação onde não estiveram
10º TDS RACING F. PERRODO/M. VAXIVIERE/L. DUVAL ORECA 07 – GIBSON (5º LMP2) 155 VOLTAS A 8 VOLTAS presentes os Ginetta G60 LT-P1 – Mechachrome. A causa para este
abandono foram os problemas financeiros da empresa chinesa TRS, que
(...) seria o patrocinador da equipa. Os dois carros fizeram apenas uma volta de
instalação e não mais saíram das boxes.
13º FORD CHIP GANASSI TEAM UK S. MUCKE/O. PLA/B. JOHNSON FORD GT (1º GTE-PRO) 148 VOLTAS A 15 VOLTAS

14º PORSCHE GT TEAM M.CHRISTENSEN/K. ESTRE PORSCHE 911 RSR (2º GTE-PRO) 148 VOLTAS A 15 VOLTAS

15º AF CORSE D.RIGON/S. BIRD FERRARI 488 GTE EVO (3º GTE-PRO) 147 VOLTAS A 16 VOLTAS

16º PORSCHE GT TEAM R. LIETZ/G. BRUNI PORSCHE 911 RSR (4º GTE-PRO) 147 VOLTAS A 16 VOLTAS

17º BMW TEAM MTEK T. BLOMQVIST/A. FELIX DA COSTA BMW M8 GTE (5º GTE-PRO) 146 VOLTAS A 17 VOLTAS

(...)

21º ASTON MARTIN RACING P. DELLA LANA/P. LAMY/M. LAUDA ASTON MARTIN VANTAGE (1º GTE-AM) 144 VOLTAS A 19 VOLTAS

22º TF SPORT S.YOLUC/E. HANKEY/C. EASTWOOD ASTON MARTIN VANTAGE (2º GTE-AM) 144 VOLTAS A 19 VOLTAS

23º CLEARWATER RACING W.MOK/K. SAWA/M. GRIFFIN FERRARI 488 GTE (3º GTE-AM) 144 VOLTAS A 19 VOLTAS

MELHOR VOLTA DA CORRIDA – STEPHANE SARRAZIN (BR1 – AER), 1M53,658S À MÉDIA DE 221,8 KM/H

14 ERC/
CAMPEONATO DA EUROPA DE RALIS - CANÁRIAS

MAGABLRHUÃNEOS
POUCOFELIZ

Desafortunado, Bruno Magalhães foi apenas sétimo num rali em
que contava lutar pelo pódio. Diogo Gago voltou a vencer entre os

pilotos juniores mais jovens

João Freitas Faria controu algumas dificuldades, assinando perder muita pressão e o rendimento do ses ascenderam à segunda posição no
[email protected] tempos muito abaixo do seu habitual carro. A equipa vai procurar resolver o campeonato. Isso mesmo é destacado por
nas duas primeiras provas especiais do problema e acredito que, em condições Bruno Magalhães que lembra que foram
Apósmaisumabatalhaparacon- programa. A conquista do quinto me- normais, poderei impor um ritmo mais conseguidos “pontos importantes para o
seguir reunir os meios para es- lhor registo na primeira passagem por forte e recuperar o tempo perdido pois campeonato e conseguimos o segundo
tar presente na segunda prova Artenara permitiu a ascensão ao sétimo continuamoscomaambiçãodeterminara lugar no que diz respeito ao Campeonato
do ERC 2018, Bruno Magalhães posto. Já com um acerto mais ao seu jei- prova nos lugares do pódio”. Já na segunda de Espanha, que é importante para os nos-
rumou às Canárias. O piloto ti- to, Magalhães ainda fez a quarta melhor etapa a anomalia na viatura manteve-se sos patrocinadores locais. Mas queríamos
nha a esperança de ao menos marca no começo da segunda ronda mas e a equipa nacional esteve “sempre a e podíamos ter feito mais. Só na última
igualar o terceiro posto conseguido em problemas na válvula ‘pop-off’ do carro fazer frente a este problema e a perder classificativa é que conseguimos mostrar
2017 na prova disputada em redor de Las checo levaram a que piorasse bastante tempo de forma sistemática. Fizemos o o nosso andamento sem problemas mas
Palmas, Gran Canaria, apesar de saber nos dois troços cronometrados seguintes. que podíamos dadas as circunstâncias”. já era tarde demais para encetar qualquer
que teria pela frente um rali muito duro e A especificidade das duas passagens pela A assinar ‘cronos’ por vezes fora do ‘top recuperação. Tenho pena que este tenha
exigente. Mesmo se o traçado era diferente curta classificativa de Las Palmas ainda ten’, Magalhães chegou a cair para a nona sido o desfecho “. A próxima corrida de
do ano passado, o piloto, navegado por permitiu a ascensão à sexta posição no posição mas ainda havia de recuperar até Bruno e Hugo Magalhães volta a ser a de
Hugo Magalhães, contava usufruir da final do primeiro dia mas o piloto lamen- sétimo. Apesar do resultado não ter sido conseguir reunir os apoios para estarem à
sua experiência no terreno para atingir tava “o problema da válvula que fazia o esperado, piloto e co-piloto portugue- partida da próxima prova do calendário.
o seu objetivo.
A semana começou com o Monday Test e
nessa sessão o piloto de Lisboa, apesar de
nunca ter sentido a viatura a 100%, julgou
estar no caminho certo: “Encontrei um
acerto de base que vamos ter de evoluir
até ao início da prova”. Já na quinta-feira, 3
de maio, teve lugar a Qualificação. A dupla
nacional não foi além do oitavo melhor
tempo até porque esteve uma vez mais a
tentar melhorar a configuração do Skoda
Fabia R5 da ARC Sport que se mostrou nal-
gumas ocasiões algo subvirador. Apesar
disso, Magalhães mostrava-se confiante:
“Penso que poderemos obter aqui um
bom resultado.”
Na sexta-feira a etapa espanhola da série
proposta pelo Eurosport arrancou com
piso húmido/molhado e o português en-

>> autosport.pt

15

DIOGO GAGO BISA LUKYANUK VOLTOU A DOMINAR
NO JUNIOR U27
Depois de ter voado baixinho nos Açores, Subindo de rendimento ao longo do rali,
Diogo Gago aumentou bastante a sua Alexey Lukyanuk voltou a dominar os Fabia Kreim acabou por assumir o terceiro
vantagem no ERC Junior U27 ao obter o seu acontecimentos em Gran Canaria. O posto no final do primeiro dia para não
segundo triunfo consecutivo deste ano piloto russo, em Ford Fiesta R5, assumiu mais o perder, apesar da pressão de Jose
naquele escalão. O piloto português chegou a o comando logo na primeira classificativa Suarez - que antes havia estado naquela
passar pelo comando da categoria a meio da e foi dilatando o seu avanço sobre a posição e que se mostrou com o Hyundai
primeira etapa mas só no começo do segundo concorrência, ao vencer nada menos que 10 i20 R5 tão rápido como o tinha feito há um
dia de competição conseguiu instalar-se dos 14 troços cronometrados, terminando ano atrás com o Peugeot 208 T16 - assim
definitivamente na frente da classificação com quase um minuto de avanço. Com este como de Laurent Pellier, que teve nesta
daquele campeonato. No entanto, o algarvio, segundo triunfo de 2018, Lukyanuk dilatou prova uma boa ponta final com o carro da
ao volante do Peugeot 208 R2, teve de se também a sua vantagem no campeonato marca do leão. Muito atrasado, 30º, Tibor
aplicar para levar de vencida e terminar com onde dispõe de mais do dobro dos pontos Erdi impôs-se no ERC2, enquanto o francês
uma vantagem de menos de 9 segundos para do segundo classificado. Florian Bernardo esteve quase todo o rali na
o seu mais direto adversário. O piloto que menos longe rodou do frente do ERC3 com um Renault Clio R3T. O
Exatamente por isso, Gago quantificou esta vencedor foi Nikolay Gryazin. O russo com ERC 2018 regressa à estrada na Acrópole,
vitória de “incrível. Foi muito, muito bom licença letã não acusou o muito tempo Grécia, entre os dias 1 e 3 de junho.
vencer depois desta luta. Quando arranquei não pensei poder lutar pelo triunfo pois o asfalto que esteve inativo devido
não é o meu piso de eleição mas encontrei a confiança e ritmo certos. Agora é possível ir a à falta de patrocínios
Roma, próxima prova deste escalão, pois estou na frente do campeonato e tenho de lá estar e rapidamente chegou
presente. Os apoios são difíceis de conseguir mas julgo que para o nosso patrocinador também é à segunda posição em
importante conseguir lutar por nova vitória. Estou focado e quero ganhar este campeonato”. que se manteve a maior
O principal opositor do piloto navegado por Miguel Ramalho foi o letão Martins Sesks que já havia parte deste evento em
sido segundo também nos Açores. O piloto do Opel Adam R2, que se estreava em asfalto, apenas que também venceu duas
venceu duas classificativas mas esteve a maior parte da primeira etapa na frente e nunca baixou provas especiais. Bem
os braços apesar da melhor ponta final de Gago. O austríaco Simon Wagner, num Peugeot 208 mais interessante foi a
R2, completou o pódio deste escalão que foi uma vez mais muito disputado, com três pilotos a luta pelo lugar mais baixo
trocarem cinco vezes de liderança e com o plantel a rodar com pequenas diferenças entre si. do pódio que envolveu
nada menos que quatro
jovens pilotos do ERC
Junior U28 e que rodaram
a maior parte do tempo
separados por margens
muito reduzidas.

C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S

1º ALEXEY LUKYANUK/ALEXEY ARNAUTOV FORD FIESTA R5 2:06:23.6
2º NIKOLAY GRYAZIN/YAROSLAV FEDOROV SKODA FABIA R5 + 51.4
3º FABIAN KREIM/FRANK CHRISTIAN SKODA FABIA R5 + 1:29.5
4º JOSE SUAREZ/CANDIDO CARRERA HYUNDAI I20 R5 + 1:48.4
5º LAURENT PELLIER/GEOFFREY COMBE PEUGEOT 208 T16 R5 + 1:49.9
6º GREGORZ GRZYB/JAKUB WROBEL SKODA FABIA R5 + 2:04.5
7º BRUNO MAGALHÃES/HUGO MAGALHÃES SKODA FABIA R5 + 2:21.1
8º IVAN ARES/JOSE PINTOR HYUNDAI I20 R5 + 2:23.1
9º MIGUEL FUSTER/IGNACIO AVINO FORD FIESTA R5 + 2:24.3
10º EYVIND BRYNILDSEN/TORSTEIN ERIKSEN FORD FIESTA R5 + 2:25.9

23º DIOGO GAGO/MIGUEL RAMALHO PEUGEOT 208 R2 + 11:18.7

ERC: 1º ALEXEY LUKYANUK, 76; 2º BRUNO MAGALHÃES, 35; 3º RICARDO MOURA, 30; 4º NIKOLAY GRYAZIN, 30;
5º FABIAN KREIM, 26; 5º CHRIS INGRAM, 18; 6º JOSE SUAREZ, 17; 7º LAURENT PELLIER, 15, 8º FREDRIK AHLIN,
12; 9º NORBERT HERCZIG, 12; 10º GREGORZ GRZYB, 11. ERC JUNIOR U28: 1º FABIAN KREIM, 46; 2º NIKOLAY
GRYAZIN, 39; 3º CHRIS INGRAM, 38. ERC JUNIOR U27: 1º DIOGO GAGO, 77; 2º MARTINS SESKS, 57; 3º EFFREN
LLARENA, 33. ERC2: 1º SERGEI REMMENIK, 60; 2º JUAN C. ALONSO, 44; 3º TIBOR ERDI, 40. ERC3: 1º DIOGO
GAGO, 68; 2º MARTINS SESKS, 52; 3º FLORIAN BERNARDI, 39.

V/16
VELOCIDADE - IMSA EM MID-OHIO

DOMÍNIO TOTAL com o nº 15, de Jack Hawksworth, a ficar
DA PENSKE com a pole (1:19.317). Katherine Legge,
Depois de terem demonstrado colega de equipa de Parente, fez o quarto
muito potencial, sem id-Ohio recebeu a se- redução na potência e na capacidade tempo (melhor Acura).
conseguir resultados gunda prova sprint do máxima no depósito de combustível. Antes da corrida ainda houve um war-
campeonato IMSA, com No caso dos Cadillac estima-se uma m-up mas mais uma vez os melhores
correspondentes, os Acura da duração de 2h e 40 mi- redução de cerca de 50 cv desde o início foram os Acura com Castroneves a man-
nutos, com 34 inscritos da época. ter o nível. Albuquerque colocou o seu
MPenske provaram finalmente Na qualificação, sem surpresa, dada Cadillac na quinta posição atrás do nº 31
o sabor da vitória no IMSA, para correrem na pista de a tendência estabelecida nos treinos de Felipe Nasr, que apanhou um susto
de forma dominante. Para 3.86km (14 Protótipos, 8 GT e 12 GTD). livres, foram os Acura a ficar com a linha com uma saída de pista que danificou a
os portugueses foi uma boa Nos protótipos não houve novidades, da frente. Castroneves roubou a pole do sua máquina, conseguindo, no entanto,
operação, com liderança ainda com a ausência da Spirit of Day- seu colega Cameron e colocou o nº 7 na regressar às boxes. Em GTLM era o BMW
reforçada para a dupla tona (de fora desde o acidente em Se- pole para a corrida (1:11.837). Na segunda nº 24 a repetir os bons tempos do dia
Albuquerque/Barbosa e uma bring), assim como nos GTLM. Nos GTD linha tivemos dois Mazda, com o nº 77 anterior e em GTD víamos Parente a
excelente exibição de Parente tivemos a presença de Álvaro Parente, (Oliver Jarvis) a fechar o top 3 à frente mostrar ao que vinha, com o segundo
do nº 55 (Bomarito). O nº 5 de Barbosa tempo atrás do Lexus nº 15.
com uma participação inesperada, ao e Albuquerque ficou-se pela sexta po- Castroneves não se deixou surpreender
sição, atrás do Cadillac nº 10 (Van der na largada para a corrida. O piloto do nº 7
Fábio Mendes lado de Katherine Legge na Michael Zande). Em GTLM foi o BMW nº 24, com manteve-se na frente, seguido do Acura
[email protected] Shank Racing. A equipa recorreu aos John Edwards (1:17.853), a ficar na frente nº 6 e dos Mazda. Para a Nissan a tarde
Fotos: IMSA/Scott R LePage/ préstimos de Parente para esta ronda do Porsche nº 911, de Nick Tandy, com o iria ser novamente negativa com uma
Jake Galstad e Michael Levitt algo que poderá repetir-se nas próxi- BMW nº 25, de Alexander Sims, a fechar penalização para o nº 22 de Overbeek,
o top 3. Em GTD, os Lexus da 3GT Racing devido a um toque na primeira volta,
mas jornadas. ficaram nas duas primeiras posições, seguido de um furo para o nº 2 que com-
plicou a vida à equipa ESM. O quarteto da
Ao nível do BoP, os DPi tiveram nova pe- frente depressa se afastou dos Cadillac
perseguidores e as diferenças depen-
nalização, na tentativa de fazer equivaler diam da forma como os pilotos lidavam
com o tráfego. João Barbosa, que tinha
a suas performances à dos LMP2. Os iniciado a corrida, foi o primeiro a parar e
deu o lugar a Albuquerque. Seguiram-se
protótipos do IMSA sofreram uma nova as paragens dos líderes. Castroneves
deu o seu lugar a Taylor que teve um iní-

>> autosport.pt

17

C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S DESTAQUES da liderança no campeonato foram boas
notícias. Filipe Albuquerque espera que
POS. EQUIPA CARRO PILOTOS CLASSE TEMPO/DIF. Nos Protótipos, os Acura destacaram-se na próxima corrida o BoP seja alterado:
1 ACURA TEAM PENSKE da concorrência com um fim de sema- “Apesar do resultado não ser o que am-
2 ACURA TEAM PENSKE ACURA DPI HELIO CASTRONEVES/RICKY TAYLOR P 2:40:59.579 na perfeito. Depois de terem deixado bicionávamos, estou muito contente com
3 MAZDA TEAM JOEST escapar bons resultados, conseguiram a corrida que fizemos. Não cometemos
4 MUSTANG SAMPLING RACING ACURA DPI DANE CAMERON/JUAN PABLO MONTOYA P 8.464 finalmente subir ao lugar mais alto do nenhum erro e fomos o melhor Cadillac.
5 KONICA MINOLTA CADILLAC DPI-V.R pódio. Os Mazda voltaram a mostrar- Era impossível fazer melhor: a diferença
6 AFS/PR1 MATHIASEN MOTORSPORTS MAZDA DPI OLIVER JARVIS/TRISTAN NUNEZ P 26.774 -se muito competitivos, mesmo com de andamento era enorme. É frustrante
7 JDC-MILLER MOTORSPORTS um início de fim de semana titubeante percebermos que não conseguimos ser
8 WHELEN ENGINEERING RACING CADILLAC DPI FILIPE ALBUQUERQUE/JOÃO BARBOSA P 56.826 e com a desistência do nº 55 na corri- mais rápidos, mas tenho a certeza que o
14 PORSCHE GT TEAM da, devido a um toque com um GTD. Os BoP vai ser ajustado e tornar tudo mais
15 BMW TEAM RLL CADILLAC DPI RENGER VAN DER ZANDE/JORDAN TAYLOR P 57.825 Cadillac acusaram a mudança no BoP e equilibrado. Acabámos por conseguir
22 3GT RACING não tiveram ‘pernas’ para os Acura. Os melhor e aumentámos a vantagem no
23 MEYER SHANK RACING LIGIER LMP2 SEBASTIAN SAAVEDRA/GUSTAVO YACAMAN P +1:13.876 Nissan voltaram a ter uma tarde azarada, campeonato. Mais importante que ven-
uma tendência que teima a repetir-se cer corridas é vencer o campeonato.”
ORECA LMP2 STEPHEN SIMPSON/MISHA GOIKHBERG P +1:15.636 em 2018. O melhor LMP2 foi o Ligier nº Já Parente teve uma prova de ataque
52 em sexto, mas a hegemonia dos DPi máximo, aproveitando o bom trabalho da
CADILLAC DPI FELIPE NASR/ERIC CURRAN P 1 LAP continua a fazer-se sentir. Em GTLM, os sua colega de equipa. Parente pegou no
Porsche e os BMW foram claramente as NSX GT3 na terceira posição e continuou
PORSCHE 911 RSR EARL BAMBER/LAURENS VANTHOOR GTLM 7 VOLTAS máquinas mais fortes, embora o azar do o ataque ficando perto da vitória (apenas
nº 24 no início da prova tenha compro- 0.2 seg de diferença para o vencedor): “Foi
BMW M8 GTE ALEXANDER SIMS/CONNOR DE PHILLIPPI GTLM 7 VOLTAS metido as aspirações da RLL, que ainda um turno de ataque de princípio ao fim.
assim fez um excelente trabalho com o Foi pena o tráfego ter-me impedido de
LEXUS RC F GT3 DOMINIK BAUMANN/KYLE MARCELLI GTD 9 VOLTAS segundo carro. O Corvette nº 3 teve uma chegar mais cedo à traseira do primeiro.
prestação muito boa e graças a isso subiu Com mais tempo, penso que conseguiria
ACURA NSX GT3 KATHERINE LEGGE/ÁLVARO PARENTE GTD 9 VOLTAS ao pódio, enquanto os Ford não tiveram encontrar uma forma de o ultrapassar.
andamento para os homens da frente A Katherine realizou um primeiro turno
cio de stint complicado, não conseguido aproveitaram o azar do BMW nº 24 na durante todo o fim de semana. fantástico e a equipa esteve muito bem.”
suster os ataques de Cameron no nº 6 primeira volta (empurrado para fora de Mais uma notável exibição de Parente
e dos Mazda, caindo para quarto. Mas pista devido ao incidente com o Nissan OS PORTUGUESES que continua a mostrar toda a sua qua-
o piloto da Penske depressa recuperou nº 22) e saltaram para a liderança. As lidade. As cores lusas novamente bem
o andamento e chegou-se ao grupo lutas nesta categoria foram intensas, A dupla portuguesa do Cadillac nº 5 fez representadas com este trio magnífico
da frente. Com as segundas paragens, mas a vitória do nº 912 nunca pareceu a melhor operação possível neste fim de pilotos.
Taylor assumiu a liderança da prova, que em risco. Em segundo lugar tivemos de semana. Dada a diferença de anda-
não perdeu na terceira e última paragem o BMW nº 25, que beneficiou de uma mento, o quarto lugar e a manutenção
nas boxes, cruzando a linha de meta em excelente estratégia para chegar ao
primeiro, seguido do colega de equipa, pódio e no terceiro posto tivemos o
Juan Pablo Montoya, e de Tristan Nunez Corvette nº 3. Em GTD Álvaro Parente
no Mazda nº 77. Albuquerque terminou mostrou porque é considerado um dos
a corrida num excelente quarto lugar, melhores pilotos do mundo de GT e
o melhor resultado possível, tendo em lutou até à última volta pela vitória que
conta a diferença de andamentos neste sorriu ao Lexus nº 14. O Lamborghini
fim de semana. Em GTLM os Porsche nº 48 fechou o pódio.

r/18
RALIS

PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2018

LEÕES
IBÉRICOS

Até aqui, o lince-ibérico sempre foi uma espécie ‘partilhada’
com Espanha, mas a partir de agora, vamos passar

a partilhar também… leõezinhos! São mais de duas dezenas
os inscritos para o arranque da Peugeot Rally Cup Ibérica,
competição que começa no Rali de Portugal. Palco perfeito
para os jovens mostrarem o seu valor.
O melhor deles vai guiar um R5 em 2019
José Luís Abreu
[email protected]

Arranca dentro de pouco mais a derradeira prova espanhola é o Rali da res e Ricardo Sousa estão de regresso, luso-espanhola’ estão duas formações
de uma semana a Peugeot Catalunha/Espanha, cumprindo-se, tal havendo ainda outros nomes mais ou britânicas, sendo que numa delas o
Rally Cup Ibérica, uma com- como em Portugal, a 1ª Etapa. menos consagrados. De Espanha sur- piloto é uma Senhora, a primeira a dar
petição que vai pôr frente a A valia do carro está mais do que com- gem pilotos que já guiam Peugeot 208 corpo à ‘Ladies Cup’. Resta aguardar
frente os melhores pilotos provada, pois o Peugeot 208 R2 há muito R2 nas competições locais, existindo agora pelo arranque da competição
ibéricos, e não só, aos co- ganha ralis e campeonatos a nível inter- também quem ‘migre’ da Copa Suzuki no Rali de Portugal e perceber onde se
mandos dos competitivos Peugeot nacional, um pouco por todo o mundo. espanhola. A juntar-se a esta ‘armada posiciona o plantel.
208 R2. Numa iniciativa conjunta das E Portugal não é exceção. Criado com
filiais ibéricas da Peugeot, com o apoio assinatura Peugeot Sport e utilizado
logístico da Sports & You, e com um em diferentes troféus de ralis, o 208
leque fantástico de prémios, estão re- R2 recorre, entre outras soluções, a um
unidas todas as premissas para uma motor de 1.598 cc com uma potência
competição-referência no panorama máxima de 185 cv às 7800 rpm, caixa
ibérico dos ralis. sequencial de 5 velocidades de comando
Tendo em conta que o campeonato por- mecânico e travões de disco ventilados.
tuguês de ralis, no que às duas rodas
motrizes diz respeito, está pouco mais BOM LEQUE DE PILOTOS
do que bi-partido quanto à sua competi-
tividade, esta competição vai contribuir 21 pilotos responderam, para já, à cha-
para elevar bastante o nível de alguns mada. 10 equipas portuguesas, nove
jovens que já confirmaram presença, espanholas e curiosamente duas in-
bem como aferir a valia de outros. glesas. Diogo Gago é claramente o nome
O calendário tem seis provas, três em que se destaca do contingente luso, que
Portugal, outras tantas no país vizinho. inclui, entre outros, o atual campeão em
Arranca com duas provas em Portugal, título de 2WD, Pedro Antunes, e Daniel
seguem-se as três espanholas e termi- Nunes, neste momento o seu mais forte
na em Portugal, no Algarve, sendo que opositor. Mas há mais. Depois de boas
lutas no DS3 R1 Challenge, Diogo Soa-

OSPRÉMIOS P/ >> autosport.pt

19

PRÉMIOS POR PROVA

Os prémios são uma das grandes mais valias desta competição, 1º PRÉMIO 5000,00 € *
já que são uma ajuda importante na composição dos
orçamentos dos pilotos para a época. Assim, serão distribuídos 2º PRÉMIO 4000,00 € *
prémios no valor total de 20.000 € por rali. Além dos valores
apresentados, em simultâneo com a realização de cada rali, 3º PRÉMIO 3000,00 € *
será entregue, por prova, um prémio de 1000 Euros* ao piloto
Júnior que obtiver a melhor classificação (idade inferior a 27 4º PRÉMIO 2000,00 € *
anos), sendo este prémio acumulado com o lugar conquistado
na classificação geral da Peugeot Rally Cup Ibérica. 5º PRÉMIO 1500,00 € *

6º PRÉMIO 1000,00 € *

7º PRÉMIO 800,00 € *

8º PRÉMIO 650,00 € *

9º PRÉMIO 550,00 € *

10º PRÉMIO 500,00 € *

* 50% DO VALOR EM VOUCHER DE PEÇAS PEUGEOT

I/ INSCRITOS (LISTA PROVISÓRIA)

PILOTO CO-PILOTO PAÍS

1 ROBERTO BLACH NUNES JOSE MURADO GONZALEZ ESPANHA

2 NABILA TEJPAR RICMARD BLISS INGLATERRA

3 PEDRO ANTUNES PAULO LOPES PORTUGAL

4 CAMERON DAVIES MAX FREEMAN INGLATERRA

5 FRANCISCO DORADO ROI TERRENTE PEREZ ESPANHA

6 RICARDO SOUSA LUIS MARQUES PORTUGAL

7 HUGO LOPES NUNO RIBEIRO PORTUGAL

8 JUAN MANÁ BORJA ODRIOZOLA TORRE ESPANHA

9 DANIEL PEREIRA NUNES RUI RAIMUNDO PORTUGAL

C/ CALENDÁRIO 10 RUI CARVALHO JORGE CARVALHO PORTUGAL

11 JOAO ALVES JOSÉ RODRIGUES PORTUGAL

12 MIGUEL LOBO PORTUGAL

13 IVAN MEDINA HERRERA YERAY MUJICA EUGENIO ESPANHA

14 PAULO MOREIRA MARCO MACEDO PORTUGAL

17 A 20 DE MAIO VODAFONE RALI DE PORTUGAL (1ª ETAPA) 15 JAN SOLANS BALBO MAURO BARREIRO ZAS ESPANHA
30 DE JUNHO E 1 DE JULHO RALI DE CASTELO BRANCO
20 E 21 DE JULHO RALLYE DE FERROL 16 JOSEP BASSAS MANUEL MUNOZ CASTILHA ESPANHA
14 E 15 DE SETEMBRO
25 E 28 DE OUTUBRO RALLYE PRINCESA DAS ASTÚRIAS 17 DIOGO GAGO MIGUEL RAMALHO PORTUGAL
17 E 18 DE NOVEMBRO RALI DA CATALUNHA/ESPANHA (1ª ETAPA)
18 ALBERTO SAN SEGUNDO JUAN LUIS GARCIA ESPANHA
RALI CASINOS DO ALGARVE
19 RAMON CORNET DANI NOGUER SANCHEZ ESPANHA

20 DIOGO SOARES LUÍS RODRIGUES PORTUGAL

21 ÁLVARO PÉREZ BRAIS MIRON ESPANHA

E/20
ENTREVISTA - BRUNO FAMIN
ENTREVISTAABRUNO FAMIN,DIRETORDAPEUGEOTSPORT
“O WRX COMBINA
PERFEITAMENTE
COM A ESTRATÉGIA
DEMARKETING
DA PEUGEOT”
Bruno Famin tem sido um dos principais orquestradores das grandes vitórias da Peugeot
neste milénio. Sob a sua batuta, o “leão” desenvolveu um carro ganhador para Le Mans,
triunfou em Pikes Peak, conquistou uma tripla vitória no Dakar e mostra agora a sua
raça no WRX, a mais recente aposta da marca para prosseguir a tradição desportiva. Em
Montalegre, por ocasião da etapa portuguesa do mundial de ralicross, Famin explicou-
nos as razões que levaram a Peugeot a apostar no WRX, uma competição em franco
crescimento onde atuam alguns dos maiores ídolos desta geração

Nuno Branco pareceu-nos ser a solução adequada O WRX já é interessante do ponto de de 2 litros, com mais 200 cavalos do que
[email protected] porque será oficialmente confirmado vista mediático? Que dados tem acerca os do WRC e também têm mais torque.
Fotos: Paulo Maria/DPPI e oficiais dentro de semanas que, a partir de 2020, do retorno desta competição relativa- Tivemos que reforçar a transmissão mas
os carros do WRX serão totalmente mente às outras disciplinas? a necessidade de garantir a fiabilidade
Que motivos levaram a Peugeot elétricos. Decidimos também apostar Pelo facto de ter um público mais jovem, dos componentes é menor uma vez que
a escolher o WRX para dar con- no WRX porque, apesar de ainda não o WRX é muito forte nas redes sociais as provas de ralicross são muito curtas.
tinuidade ao seu envolvimento ser uma modalidade tão conhecida e esse foi um dos fatores que pesou na Durante o fim-de-semana, um carro
no desporto motorizado? como as outras que têm campeonato nossa decisão. Infelizmente, o Ken Block do WRX percorre 45 a 50 quilómetros,
Quando a Peugeot decide um mundial, a verdade é que está a crescer não estará presente a tempo inteiro o que equivale à extensão de um troço
programa desportivo é porque rapidamente e tem a particularidade de durante a temporada de 2018 mas posso da Volta à Córsega!
tem algo de novo a dizer sobre os seus ter um público mais jovem do que o das dizer que Ken Block, Petter Solberg, O Budget necessário também será me-
produtos. Quando apostou no Todo Ter- outras disciplinas. O WRX oferece-nos, Mattias Ekström e Sébastien Loeb têm, nor do que o das outras competições
reno, queria promover o lançamento assim, a possibilidade de comunicar uma juntos, milhões de seguidores, muitos onde a Peugeot tem participado?
do seu novo SUV, inicialmente o 2008 nova geração de carros para uma nova mais do que os pilotos do WRC. Sim, podemos dizer que o WRX tem um
e depois o 3008. Para isso, nada me- geração de consumidores e isso resulta Comparativamente a um carro do WRC, budget inferior ao das outras disciplinas.
lhor do que participar no Dakar e no numa combinação perfeita. que desafios encerra o desenvolvimento Os engenheiros já começaram a tra-
Silkway Rally, cujo percurso incluía Quer isso dizer que se trata de um pro- de um carro do WRX? balhar no motor elétrico que irá para
a passagem pela China, um mercado grama a longo prazo? Não há muitas diferenças. São carros as pistas em 2020?
com elevado potencial. No ano passado, Sim, o compromisso com a FIA é de semelhantes. Ambos têm quatro rodas Para já, estamos ainda à espera da ofi-
a marca decidiu mudar agulhas para ficar no WRX, no mínimo, quatro anos motrizes e a transmissão, embora não cialização por parte da FIA, que deverá
outra modalidade com o objetivo de após a chegada dos carros elétricos, ou seja a mesma, segue a mesma filosofia. acontecer nas próximas semanas.
promover a futura geração do 208 que seja, pelo menos até 2023 a Peugeot irá A maior diferença está no motor. No Depois, é preciso aguardar pelos novos
irá incluir uma variante elétrica. O WRX estar presente. WRX, os motores têm uma cilindrada regulamentos técnico e desportivo e

>> autosport.pt

21

só aí daremos início ao projeto. As diferenças de andamento são tão to como o Loeb na equipa, tem que se mentalidades para garantir a adaptação
O anúncio da entrada oficial da Peugeot pequenas e é tão importante estar à contar com ele. ao novo desafio?
no WRX foi feito há apenas seis meses. frente na primeira curva que é preciso Vai ter saudades do Dakar? Pessoal- Eles estão acostumados à mudança.
Em que estágio se encontra o desenvol- ser perfeito em todos os aspetos. Espero mente, que lições retirou da participa- Quando regressei à Peugeot Sport em
vimento do carro que neste momento que, a meio da temporada, possamos ção na prova sul-americana? 2004, estávamos no WRC, depois trei-
compete no campeonato do mundo? estar em condições de lutar de igual Não vou ter saudades do Dakar mas námo-los para a resistência, prepará-
Há ainda muito trabalho para o melhorar para igual com os nossos adversários. estou muito satisfeito com os resultados mo-los para o Dakar e agora estamos
em todos os aspetos. O tempo foi muito Como avalias a evolução de Sébastien que alcançámos. Vencer na segunda no WRX. Cada disciplina tem as suas
apertado e o 208 WRX que iniciou este Loeb na modalidade? edição em que participámos e obter três especificidades. No WRC temos 40 mi-
campeonato é praticamente o mesmo O Sébastien é muito rápido em tudo o triunfos consecutivos é simplesmente nutos para reparar o carro, nas corridas
que fez a temporada anterior já que que conduz. Está a evoluir na sua apren- extraordinário e resultou de um trabalho de resistências, as intervenções são
todos os desenvolvimentos estão ainda dizagem e o seu grande desafio é conti- incrível de todos. Gerir uma equipa numa feitas durante a corrida. No Dakar, traba-
a ser ultimados na fábrica. Neste mo- nuar a ganhar experiência a correr em prova como o Dakar, algures em locais lha-se durante a madrugada no Bivouac
mento ainda não podemos comparar o simultâneo com os seus adversários na inóspitos, é um enorme desafio porque e aqui no WRX, temos 5 minutos entre a
desenvolvimento do nosso carro com o pista e a escolher as melhores linhas antes da vitória temos um objetivo ainda semifinal e a final e, caso surja um pro-
da Volkswagen, que aproveitou muito do em cada curva. mais importante: garantir que toda a blema, o objetivo não é repará-lo porque
que havia sido desenvolvido para o Polo Estará ele entusiasmado com o facto de gente regressa a casa. Mostrámos o que não há tempo para isso. A prioridade é
WRC e teve a oportunidade de evoluir o vir a pilotar um carro elétrico? éramos capazes de fazer e decidimos simplesmente levar o carro para a grelha
motor em provas de ralicross nos Esta- Daquilo que conheço do Loeb, ele tem que era altura de mudar… de partida para que possa participar e
dos Unidos. Da nossa parte, temos que entusiasmo em conduzir tudo! Grande parte desta equipa que o acom- amealhar alguns pontos. Temos que
evoluir o chassis, o motor, a suspensão Conta com ele para a nova aventura panha já passou pelos ralis, pela resis- adaptar a mentalidade a cada situação
e um conjunto de pequenos detalhes elétrica? tência, andou pelo Dakar e agora está mas a equipa está habituada a essas
que podem ser cruciais para o sucesso. Claro que sim. Quando se tem um pilo- no ralicross. Como se faz a mudança de mudanças…

V/22
VELOCIDADE

CIRCUITO DEPRIMAVERA
JUNTOU CSS GROUP 1,
TROFÉU MINI E FÓRMULA FORD

BOM
ARRANQUE

O dia do trabalhador ficou marcado por seis
interessantes corridas, num programa recheado de
lutas ao cronómetro

José Luís Abreu C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O CSS GROUP 1
[email protected] CORRIDAS EQUILIBRADAS
CSS GROUP1
FFotos Rui Reis e oficiais No CSS Group1, Filipe Martins (Ford Escort RS 2000) e Fernando
oi um dia de feriado para CORRIDA 1 Gaspar (Ford Escort RS 2000) dividiram os triunfos. Na primeira
a maioria, mas de muito corrida, Filipe Martins e Carlos Dias Pedro reservaram os dois
trabalho para os plan- 1 FILIPE MARTINS/FERNANDO SOARES FORD ESCORT RS 2000 21:51.641 primeiros lugares na categoria H81-2000, enquanto Luís Sousa
téis dos CSS GROUP 1, Ribeiro, terceiro a cortar a linha da meta, assegurou o triunfo
Troféu Mini e Fórmula 2 CARLOS PEDRO/RICARDO PEREIRA FORD ESCORT RS 2000 +0.781 na categoria H81-MAX, no seu Jaguar XJS.
Ford, competições que O primeiro líder foi Luís Sousa Ribeiro, depois duma
proporcionaram seis boas 3 LUIS RIBEIRO/LUIS SOUSA JAGUAR XJS +39.226 excelente partida, seguido pelos três Ford Escort. Fernando
corridas, uma delas decidida Gaspar desistiu, com Filipe Martins e Carlos Dias Pedro a
em photo finish, e outras bem CORRIDA 2 ultrapassarem o potente Jaguar à quinta volta. Até ao final foi
equilibradas. Filipe Martins e uma luta entre os Escort, inclusive com duas ultrapassagens
Fernando Gaspar dividiram os 1 FERNANDO GASPAR/FERNANDO M. GASPAR FORD ESCORT RS 2000 21:18.840 de cortar a respiração na última volta. Pedro Ferreira, em BMW
triunfos nos CSS Group1; Hugo 320i, foi terceiro da classe H81-2000.
Hernandez venceu as duas cor- 2 CARLOS PEDRO/RICARDO PEREIRA PEDRO FORD ESCORT RS 2000 +1.451 Houve lutas constantes entre os Datsun 1200 ex-troféu
ridas da Fórmula Ford na geral; na categoria Production Cup, que fizeram as maravilhas
Luís Sepúlveda e Duarte Aguiar 3 FILIPE MARTINS/FERNANDO SOARES FORD ESCORT RS 2000 +29.055 dos espetadores, onde João Posser se sagrou vencedor com apenas alguns
fizeram o mesmo no Troféu Mini. milésimos de segundos de diferença para o seu opositor direto, Raffa 78. O
O Circuito de Primavera teve FÓRMULA FORD D&D F01 TUGA 21:43.206 terceiro lugar da categoria ficou para Luís Santa Bárbara, que chegou a liderar.
um programa cheio de corri- CORRIDA 1 O VW Golf GTI de Rafael Pinto venceu a categoria H81-1600. Madalena Gaspar foi
das, muita animação, num dia 1 HUGO HERNANDEZ MYGALE SJ01 ZETEC +1.582 segunda classificada na mesma categoria, com o VW Scirocco de José Cidrais
passado em família, ao melhor 2 DIOGO SOUSA em terceiro. Curiosamente, ambos estrearam os carros nesta prova.
estilo Club Racing. Fique com o 3 ANTÓNIO ALMEIDA VAN DIEMEN RF03 ZETEC +2.449 Na categoria 1052, vitória para Carlos Lourenço, seguido de Manuel Ferrão
resumo das corridas. CORRIDA 2 e de Miguel Barata, em Toyota Starlet, Autobianchi A112 e Datsun 1000,
1 HUGO HERNANDEZ D&D F01 TUGA 20:33.926 respetivamente.
2 DIOGO SOUSA A segunda corrida também foi disputada. Fernando M. Gaspar e Ricardo Pereira
3 ANTÓNIO ALMEIDA MYGALE SJ01 ZETEC +1.344

VAN DIEMEN RF03 ZETEC +17.282

TROFÉU MINI MINI COOPER 22:01.225
CORRIDA 1 MINI COOPER +0.055
1 LUIS SEPULVEDA MINI COOPER +14.577
2 RODRIGO MACEDO
3 FERNANDO SOARES MINI COOPER 21:31.788
CORRIDA 2 MINI COOPER +1.157
1 LUIS SEPULVEDA MINI COOPER +1.535
2 JOÃO CARVALHO
3 NUNO DIAS/JOSÉ DIAS

>> autosport.pt

23

TROFÉU MINI EMOÇÃO FOI REGRA

Luís Sepúlveda venceu as duas corridas no Troféu Mini, com a primeira a ser decidida em photo
finish, enquanto a segunda teve quatro líderes diferentes.
Na primeira corrida, Luis Sepúlveda assumiu a liderança desde o início, com Rodrigo Macedo
por perto, numa luta que só o photo finish decidiu. Fernando Soares e Paulo Sousa mantiveram
uma acesa luta pelo terceiro lugar, com este último penalizado com um ‘Drive Through’ por falsa
partida. André Pinto, Mário Marcão, Francisco Silva e João Carvalho competiram lado a lado
durante largas voltas, sempre com diferenças de poucos segundos entre eles, com André Pinto
a ser quarto. Na segunda corrida, a luta pelos primeiros lugares alargou-se aos quatro primeiros
pilotos, que se foram trocando na liderança, deixando para os últimos segundos a decisão do
vencedor, que foi Duarte Aguiar, seguido de Ricardo Rajani, José Dias e Diogo Lopes. No entanto,
não foi apenas a luta pela vitória que entreteve o público. Também Nelson Rego, Francisco Silva,
António Gago e Jorge Setas fizeram uma prova praticamente lado a lado. Este ano, o Troféu Mini
dividiu-se em duas categorias – Mighty, para pilotos com idade inferior a 40 anos, e Vintage, para
pilotos com idade superior a 40 anos. Assim sendo, foram dois pódios para cada corrida. Na
corrida 1, para a classe de Mighty, primeiro lugar para Luís Sepúlveda, segundo lugar para André
Pinto e terceiro lugar para Nuno Dias. Na classe de Vintage, primeiro lugar para Rodrigo Macedo,
segundo lugar para Fernando Soares e terceiro lugar para João Carvalho.
Na segunda corrida, primeiro lugar dos Mighty para Duarte Aguiar, segundo lugar para José Dias
e terceiro lugar para Diogo Lopes. Na classe de Vintage, Ricardo Rajani ficou com o primeiro lugar,
seguido de Nelson Rego e António Gago.

FÓRMULA FORD DUPLO TRIUNFO DE HUGO HERNANDEZ

Na Fórmula Ford, Hugo Hernandez venceu as duas primeiro classificado e Rosário Sottomayor ficou
provas na Formula TUGA e na geral, enquanto Diogo em segundo lugar. Vasco Sampaio e José Pinto
Sousa triunfou em ambas as corridas da Fórmula foram primeiro e segundo, respetivamente, na
Ford Zetec. categoria KENT P90, e Paulo Viera venceu na FV16.
A primeira corrida teve animação na luta pelo A segunda corrida, também bastante disputada,
primeiro lugar, com os cinco primeiros a rodarem exibiu uma luta entre o primeiro e o segundo
muito juntos. No entanto, após um toque entre classificado, apesar das diferentes categorias
Manuel Caetano e Vasco Ferreira, 3º e o 4º, ambos (Tuga e Zetec), terminando com diferença de
da categoria ZETEC, António Almeida conseguiu apenas 1.3 segundos. António Almeida, também em
garantir o 3º lugar da prova. Na categoria ZETEC o ZETEC, conseguiu fugir do pelotão perseguidor e
pódio foi ocupado por Diogo Sousa, António Almeida foi 3º. Vasco Ferreira e Manuel Caetano arrancaram
e Rui Silva. Na classe TUGA, Hugo Hernandez foi dos últimos lugares da grelha, mas fizeram boas

discutiram até à última volta a vitória, ficando separados por menos de 1,5s. recuperações, embora
Já Fernando Soares foi terceiro. Sousa Ribeiro voltou a garantir a vitória nos Caetano tenha abandonado
H81-MAX, apesar de, desta vez, não se conseguir intrometer na luta dos Escort, quando era quinto. Diogo
seguido por José Fresco e Nuno Nunes. O VW Scirocco que tinha ficado em Sousa e António Almeida
terceiro lugar na categoria H81-1600, conseguiu desta vez o primeiro lugar no foram primeiro e segundo
pódio, seguido por Rafael Cerveira Pinto e Manuel Cabral Menezes, ambos em da mesma classe, a ZETEC.
VW Golf GTI. A categoria ‘Production Cup’ teve luta renhida do início ao fim. Quem Na categoria TUGA, o pódio
venceu foi Raffa 78, com João Posser em segundo e João Costa em terceiro. Na manteve-se o mesmo, com
categoria 1052, troca de lugares para a segunda corrida com Veloso Amaral a Hugo Hernandez e Rosário
vencer, seguido de Carlos Maciel e Manuel Ferrão, que completaram o pódio. Sottomayor. Vasco Sampaio
e José Pinto completaram o
pódio na classe KENT P90 e
Paulo Viera voltou a vencer
na FV16.

V/24
VELOCIDADE

39ª RAMPA DA FALPERRA

ARRANQUE
‘PICANTO’

Realiza-se no próximo fim de semana a Rampa da Falperra, uma
das mais míticas subidas do panorama nacional e internacional,

evento que este ano conta com um ‘ingrediente’ adicional com
sabor… Picanto

Fábio Mendes de Montanha, que continua a crescer e a demonstrar o enorme compromis- tos das categorias Júnior e Pro) e con-
[email protected] a dar-nos provas cada vez mais inte- so da Kia” com o desporto motoriza- teúdo (além do seu desempenho ao vo-
FOTOS Vasco Estrelado ressantes. Os irmãos Ramalho, Adruzilo do português, com este Kia Picanto GT lante, a comunicação pode influenciar,
Lopes, Gonçalo Manahu, José Correia e Cup e também com a presença no TCR de forma decisiva, a classificação final
AFalperra continua a ser uma Patrick Cunha são alguns dos muitos Portugal com o Kia Ceed TCR. das equipas e pilotos), a Organização do
das provas mais apetecíveis pilotos nacionais de grande calibre a Além da entrega oficial das 16 unida- Kia Picanto GT Cup considerou ser fun-
do campeonato europeu de quem se junta Carlos Vieira, campeão des que, para já, têm lugar assegura- damental a existência de uma ação de
montanha pela sua história, nacional de Ralis, que vai estar presente do no primeiro ano do campeonato, o formação que, além de explicar o regu-
exigência e velocidade. Uma com um sport-protótipo. Motivos mais “Delivery Day” do Kia Picanto GT Cup lamento desportivo, colocasse em evi-
prova cuja a história remonta que suficientes para nova enchente de contou com um extenso rol de atividades dência os requisitos de uma boa estra-
a 1927, com a Rampa de Braga a ser o pri- fãs, que verão de perto os dois dias de dentro e fora da pista, com os pilotos a tégia de comunicação.
meiro ensaio para o que seria a Rampa competição. terem oportunidade de testar os carros Com o objetivo de ajudá-los a obterem
da Falperra, que nasceu em 1950 e a no Circuito do Estoril, que nesta versão a pontuação extra máxima disponí-
partir de 78 começou a gozar de estatu- KIA PICANTO GT CUP ARRANCA de competição assenta na versão GT vel ao longo de cada semana de com-
to internacional. Um percurso rico, feita Line e no motor 1.0 Turbo do Kia Picanto. petição e amplificar a sua exposição
de muitos altos e alguns baixos e que no Para ajudar à festa arranca na Falperra Mas não só, pois pilotos e equipa fica- mediática, os pilotos do Kia Picanto GT
próximo fim de semana terá um novo uma iniciativa que há muito faltava no ram a saber que pilotar os carros será só Cup receberam uma aula ministrada
capítulo, com o Campeonato Europeu panorama nacional ‘motorizado’. A Kia uma parte do seu trabalho. Num mun- por jornalistas do meio, Manuel Gião
de Montanha a marcar de novo presen- Portugal e a CRM Motorsport já entrega- do ‘ligado’ como nunca, a comunicação contou a sua experiência e como ficou
ça, juntamente com o Campeonato de ram às mais de duas dezenas de pilotos reveste-se duma importância acres- a perceber que tinha de ter muita aten-
Portugal de Montanha e a estreia ab- os Kia Picanto GT Cup que darão corpo cida para todo e qualquer projeto, pelo ção com a comunicação, e, por fim, Rui
soluta do Kia Picanto GT Cup. ao mais recente troféu monomarca do que os pilotos aprenderam as melhores Marques, responsável pela Action Media,
São 136 inscritos para esta edição da automobilismo nacional. formas de comunicar os seus projetos, que explicou a forma de melhor utilizar
Falperra, com um lote de máquinas e Tendo estabelecido como objetivo a promovendo a sua imagem, e conse- as ferramentas, como câmaras e afins:
pilotos com qualidade e variedade que construção de um carro de corridas quentemente a do Troféu. “Da teoria à prática, ninguém melhor do
animarão os dois dias de prova agenda- “fiável, com custos de manutenção e Inovador no calendário (combina ram- que o Manel para revelar aos pilotos do
dos. Nomes como Simone Faggioli (de- operacionalidade reduzidos, bem fei- pas com circuitos), formato (assegura a Kia Picanto GT Cup a melhor forma de
tentor do recorde com 1:48.686 e grande to e não necessariamente caro”, mas presença simultânea em pista dos pilo- poderem singrar no competitivo mundo
dominador nos últimos anos), Christian que pudesse assumir-se, igualmente,
Merli, Reto Meisel, Fausto Borlomini, como base para “a projeção de novos
Vladimir Vitver e Javier Villa serão al- valores” e, inclusive, “o relançamento
guns dos destaques pela qualidade indi- da carreira de pilotos mais experien-
vidual e pela imponência das máquinas, tes”, o diretor-geral da Kia Portugal,
juntando-se ao excelente lote de má- João Seabra, congratula todos os par-
quinas e pilotos do nosso campeonato ceiros que, “desde o primeiro momen-
to, acreditaram num projeto que volta

>> autosport.pt

25

automobilismo e assegurarem, para si, curso a imagens e vídeos de qualidade, do Kia Picanto GT Cup: formar talentos é reconhecido por todos, tal como o mis-
uma sólida carreira sustentada na en- cujos segredos de operacionalidade fo- e dar-lhes as ferramentas necessárias ticismo à roda da prova. Pontuável para
trega, responsabilidade e profissiona- ram exemplarmente dissecados pelo Rui para poderem continuar o seu percurso o Campeonato Europeu de Montanha,
lismo que o caracterizam”, revela Tiago Marques. Acredito, genuinamente, que no desporto que amam”. a enorme afluência da população local,
Raposo Magalhães. o resultado acabou por ser uma grande Está tudo a postos para o arranque da caracterizada pelo seu fervoroso entu-
Um desígnio, acrescenta, “cada vez mais mais-valia para todos os pilotos e que competição, e logo com um enorme de- siasmo, servirá, certamente, de incentivo
assente na imagem que deixam trans- estes estão agora melhor preparados safio: “Não poderíamos ter escolhido uma para uma grande prestação dos nossos
parecer para o exterior e no trabalho para lutarem pelo prolongamento das forma melhor de iniciar o campeonato. O pilotos ao volante do Kia Picanto GT Cup”,
conduzido nas redes sociais com re- suas carreiras, um dos grandes objetivos desafio em torno da Rampa da Falperra conclui João Seabra.

v/
VELOCIDADE

26 OS PILOTOS DA KIA #31
PICANTOGTCUP

Nó próximo fim de semana arrancam serra acima, na Falperra, mas depois disso têm pela
frente mais quatro circuitos e uma Rampa. O plantel não está fechado, mas para já vamos

saber quais são os nomes já conhecidos e que vão a marcar presença na mítica rampa...

GUILHERME
DAL MASO

CATEGORIA JÚNIOR
IDADE: 16 ANOS
“ANTES NUNCA FIZ NADA NO DESPORTO
AUTOMÓVEL, MAS A EMOÇÃO DE VER O MEU PAI
(NDR.: PIERO DAL MASO) FAZ-ME TER VONTADE DE
ENTRAR EM PISTA COM ELE. JÁ DEI MUITAS VOLTAS
AO ESTORIL E AGORA QUERO CONDUZIR NO KIA
PICANTO GT CUP MAIS DO QUE TUDO.”

# 99 # 18 # 27 # 13

HUGO HUGO JOSÉ FRANCISCO
ARAÚJO MARCOS SUPICO MARRÃO

CATEGORIA PRO CATEGORIA PRO CATEGORIA PRO CATEGORIA PRO
IDADE: 37 ANOS IDADE: 36 ANOS IDADE: 41 ANOS IDADE: 44 ANOS
“COMECEI NOS AUTOMÓVEIS EM 2012 DEPOIS “FIZ HÁ TRÊS ANOS UMA CORRIDA NO SUPER “FIZ O CAMPEONATO INTER UNIVERSITÁRIO DE “COMECEI EM 2007 NAS CORRIDAS, FIZ ESTES
DE VENCER A GT ACADEMY, 3º NA EUROPA. SOU SEVEN BY KIA, FUI VENCEDOR DA GT ACADEMY KARTING, FUI ÀS 24 HORAS DE LISBOA, E ESSA ANOS TODOS NA MONTANHA, COM OS CIRCUITOS
BICAMPEÃO DO SUPER SEVEN BY KIA, 1600 EM EM PORTUGAL EM 2014, E TENHO UM CANAL DE É A ÚNICA EXPERIÊNCIA QUE TENHO. AGORA, DE VILA REAL PELO MEIO. QUERO AFASTAR-ME
2016, 420R EM 2017, E ESTOU NO TROFÉU KIA YOUTUBE QUE VAI SERVIR DE BASE PARA UM TUDO É NOVO PARA MIM, MAS QUERO APRENDER DAS CORRIDAS MONÓTONAS E DOS TEMPOS
PICANTO GT CUP NA CATEGORIA PRO COM O TRABALHO DE TV PARA MOSTRAR UM BOCADINHO O MÁXIMO. A AMBIÇÃO É GANHAR, MAS SEI QUE DE ESPERA NA MONTANHA, PROCURAVA ALGO
OBJETIVO DE SER CAMPEÃO.” DOS BASTIDORES DA KIA PICANTO GT CUP, É ESSE VAI SER UM TROFÉU MUITO COMPETITIVO. QUERO DIFERENTE E MELHOR, E ACHO QUE ESTE TROFÉU É
O OBJETIVO.” DIVERTIR-ME E ANDAR NO MEIO DAS MOLHADAS.” INTERESSANTE. ACHO QUE VAI SER UM MAIS VALIA
PARA A VELOCIDADE NACIONAL.”

>> autosport.pt

27

# 31 # 15 # 7 # 95

DUARTE JOÃO MANUEL LEONOR
BOTELHO SANTOS GIÃO ESPINHAL

CATEGORIA JÚNIOR CATEGORIA PRO CATEGORIA GUEST CATEGORIA JÚNIOR
IDADE: 43 ANOS IDADE: 44 ANOS IDADE: 46 ANOS IDADE: 27 ANOS
“NUNCA FIZ NADA NO DESPORTO AUTOMÓVEL ATÉ “FIZ ALGUMAS COISAS DE KARTING ATÉ AQUI, “ESTOU MUITO CONTENTE COM ESTA LIGAÇÃO À “COMECEI COM O MEU FORD ESCORT MK1 A FAZER
AQUI, SÓ TRACK DAYS, ENSAIOS E KARTING. O PAI MAIORITARIAMENTE RESISTÊNCIA. PORTANTO KIA, UMA MARCA QUE ESTÁ CHEIA DE FORÇA E RALIS DE REGULARIDADE, DEPOIS PASSEI PARA
DO GUILHERME (NDR.: DAL MASO) CONVIDOU-ME E ISTO É UMA ESTREIA. DESDE HÁ ALGUNS QUE QUER DEIXAR O SEU CUNHO. HÁ ANOS QUE NÃO AS RAMPAS COM O MEU PEUGEOT 106, QUE ERA O
VAMOS DIVIDIR O CARRO. ACHO QUE ESTE TROFÉU TENTAVA PARTICIPAR NUM TROFÉU OU PROVA E HAVIA UM TROFÉU EM PORTUGAL, E OS TROFÉUS CARRO DO DIA A DIA, E RECENTEMENTE FAZIA O
É UMA BOA FORMA DE ME INICIAR NAS CORRIDAS, ESTA OPORTUNIDADE TRAZIDA PELA KIA TEM BOAS SEMPRE FORAM O QUE ANIMAVA QUEM GOSTA TROFÉU SLALON DE MAFRA, NUM FIAT UNO. AGORA
TENDO CARROS IGUAIS, E É UM TROFÉU BEM VANTAGENS, E CONSEGUI CONCRETIZÁ-LA. AGORA É DE VELOCIDADE. VOU FAZER SÓ A FALPERRA, QUE SURGIU A OPORTUNIDADE. QUERO CHEGAR AO
MONTADO. ESSENCIALMENTE FOI ISSO.” PARTICIPAR E ESPERAR QUE CORRA BEM.” NUNCA FIZ ANTES, ANTES DO COMEÇO DO TCR FIM SEM ESTRAGAR O CARRO E DIVERTIR-ME AO
PORTUGAL.” MÁXIMO.”

# 55 # 577 # 28 # ND

NUNO FILPE MARIANO FRANCISCO
CAETANO SERRA PIRES ESPERTO

CATEGORIA PRO CATEGORIA PRO CATEGORIA JÚNIOR CATEGORIA PRO
IDADE: 40 IDADE: 37 ANOS IDADE: 17 ANOS IDADE: 57 ANOS
“VENHO DAS MOTOS E ESTOU A TRANSITAR PARA “ESTAMOS LIGADOS À KIA ATRAVÉS DO CPTT, ONDE “COMECEI EM 2011 NO KARTING, FUI TRÊS “COMECEI NO KARTING, DEPOIS VELOCIDADE,
OS CARROS. FIZ SUPERBIKE, PROMOCUP, ROAD CORREMOS COM O SPORTAGE TT. ADERIMOS A VEZES CAMPEÃO NA ROTAX, CATEGORIA JÚNIOR TT, E AGORA VOLTEI À VELOCIDADE PARA AFINAR
RACING, ILHA DE MAN, MACAU. RETIREI-ME E ESTE PROJETO ONDE VAMOS TER VÁRIOS PILOTOS E REPRESENTEI QUATRO VEZES PORTUGAL NAS O CARRO DURANTE ESTA ÉPOCA, PARA DEPOIS
ESTA VAI SER A MINHA PRIMEIRA EXPERIÊNCIA A CONDUZIR O CARRO: EU, O FILIPE SERRA (NDR.: FINAIS MUNDIAIS. AGORA AQUI NA KIA PICANTO PASSAR O CARRO AO MEU FILHO MAIS VELHO,
NOS CARROS. O OBJETIVO É CONHECER O CARRO, NA FOTO, VAI CORRER NA FALPERRA), O JOÃO GT CUP O OBJETIVO É ANDAR NA FRENTE, NA NO PRÓXIMO ANO. PELO QUE TENHO SABIDO, VAI
MELHORAR A PILOTAGEM E CONHECER AS PISTAS. DIAS, CAMPEÃO DE SSV, E O PEDRO CARVALHO GERAL, MAS SOBRETUDO NA CLASSE.” SER UM TROFÉU RÍGIDO EM TERMOS DE REGRAS,
ESTE ANO É SÓ APRENDER.” (SSV). O OBJETIVO É DIVERTIRMOS-NOS E DAR E ISSO É SALUTAR. O QUE PRECISAMOS EM
NOTORIEDADE À MARCA” (NUNO MADEIRA) PORTUGAL É DE TROFÉUS. CÁ ESTOU MAIS UM ANO,
DEPOIS LOGO SE VÊ...”

N/28
NOTÍCIAS
Começou no circuito de Paul Ricard Cupra TCR de Mikel Azcona a liderar as
BORKOVICTCREUROPEEMLECASTELLET o TCR Europe. Depois do acordo duas sessões. Quanto aos portugueses,
A DOBRAR entre a Eurosport Events e a WSC, Francisco Mora foi o mais rápido dos nas
ficou decidido que os organizado- duas sessões, com Abreu ainda a des-
Borkovic teve fim de semana perfeito com uma pole e duas res do WTCC ficariam com o WTCR e que cobrir a sua máquina, tal como Moura.
vitórias. Os pilotos lusos estrearam-se com sortes diferentes a WSC ficaria com a organização do TCR Na qualificação, Dusan Borkovic deu
Europe. O formato mudou em relação ao
Fábio Mendes ano passado e este ano conta com sete
[email protected] provas (Le Castellet, Zandvoort, Spa,
Hungaroring, Assen, Monza e Barcelona).
LEIA E ACOMPANHE TODAS Cada fim de semana é composto por
AS NOTÍCIAS EM AUTOSPORT.PT dois treinos livres, uma qualificação e
duas corridas.
A primeira ronda contou com 26 inscritos
e as cores portuguesas estiveram mui-
to bem representadas, com Francisco
Abreu (Peugeot 308 TCR), Francisco
Mora (Hyundai I30 N TCR) e Gustavo
Moura (Audi RS3 LMS).
Para esta prova tínhamos já um BoP
revisto, depois das primeiras jornadas do
WTCRteremmostradoos Hyundaimuito
mais fortes que a concorrência. Ainda
assim as máquinas coreanas mostra-
ram um andamento muito interessante
nos treinos livres, embora tenha sido o

INTERNATIONAL GT OPEN EM PAUL RICARD Na corrida 2 voltámos a ter boas prestações
BEIRÃO DA VEIGA NO PÓDIO lusas e Lourenço Beirão da Veiga foi um dos
grandes protagonistas da tarde. O piloto
Foi um fim de semana em que os BMW M6 GT3 Fernando Rees / Damiano Fioravanti e do uma corrida animada e acabou em oitavo, do Team Costa Campos recebeu o carro de
mostraram um andamento quase insuperável, Ferrari de Marco Cioci/ Mikkel Mac. A corrida terceiro na categoria Pro-Am, somando Álvarez em quinto, lugar onde se qualificou e
naquela que foi a segunda jornada do foi encurtada devido à queda de chuva, que assim mais um pódio. Na categoria Am fez um stint muito bom, chegando a liderar
International GT Open, que teve como palco o obrigou à saída de um Safety Car. Beirão da António Coimbra e Luís Silva ainda tiveram a corrida em luta com Andrea Montermini. O
circuito de Paul Ricard. Para os portugueses Veiga entregou a sua máquina a Juan Cruz o primeiro lugar debaixo de olho, mas este italiano levou a melhor e venceu a corrida,
foi um evento positivo com boas prestações Álvarez que continuou na mesma toada do último não conseguiu manter o ritmo de enquanto o piloto luso ainda sofreu a
e pódios. português, continuando a recuperar posição Coimbra, terminando assim em quarto na sua pressão de Fran Rueda, mas aguentou a
As duas corridas tiveram em comum a até ao quarto lugar final. Miguel Ramos teve categoria. segunda posição, conquistando assim um
presença de pilotos BMW no pódio, em brilhante resultado. Miguel Ramos teve
especial na segunda, com as duas duplas um início de corrida complicado, tendo
apoiadas pela Teo Martin Motorsport a largado das boxes, mas fez uma excelente
provarem o champanhe no final da corrida. recuperação juntamente com o seu colega
A corrida 1 começou com ameaça de chuva, de equipa. Subiram até ao oitavo posto da
o que não atemorizou Fran Rueda. Com um geral, segundo lugar na categoria Pro Am. A
arranque fantástico subiu da quinta posição dupla Coimbra / Silva repetiu o quarto lugar
para a primeira. A vantagem de Rueda para nos Am. Para Lourenço Beirão da Veiga foi um
a concorrência foi aumentando enquanto fim de semana muito positivo em que o M6
mais atrás Lourenço Beirão da Veiga, que foi claramente superior. O piloto evidenciou
tinha largado de 10º e perdido alguns lugares, um bom andamento, especialmente na
começava a recuperar. Fabrizio Crestani, corrida 2, e ocupa agora a sexta posição do
colega de equipa de Miguel Ramos, esteve campeonato, estando muito motivado para
envolvido em vários duelos no meio do a próxima ronda. As contrariedades não
pelotão. Depois das trocas dos pilotos a impediram Miguel Ramos de conquistar bons
meio da corrida, Rueda deu o lugar a Andrés resultados, embora o português quisesse
Saravia, que tratou de levar o M6 GT3 até à algo mais, especialmente na corrida 1, onde
vitória final, seguido do Lamborghini da dupla o segundo lugar na sua categoria podia
ter sido uma realidade. Um duplo pódio é
positivo e mantém a liderança dos Pro Am.

>> autosport.pt

29

o melhor uso ao seu i30 N TCR e con- seg. Igor Stefanovski (Hyundai) foi o lhor marca, seguido de Azcona e Nagy nas primeiras voltas e ficou na liderança
quistou a pole. A Qualificação 1 (em que mais rápido, seguido de Azcona e Daneil e Mora foi 9º. até ver a bandeira de xadrez. Mora teve
eram escolhidos os 12 mais rápidos para Nagy (Hyundai). Mora foi nono e ga- Borkovic aproveitou a sua posição na azar e um toque na curva 1 atirou-o para
decidir a pole final) foi renhida, com os rantiu uma vaga na Qualificação dois, grelha de partida para conquistar a vi- fora de prova. Abreu teve dificuldades
três primeiros lugares da frente a fi- enquanto Abreu foi 16º e Moura foi 23º. tória na primeira corrida do ano. O sérvio no arranque e caiu algumas posições,
carem separados por menos de 0.090 Na Qualificação 2, Borkovic fez a me- aguentou os ataques da concorrência encetando logo de seguida uma boa
recuperação, que lhe permitiu chegar
ao 13ª posto.
A sorte também não sorriu a Moura,
obrigado a desistir a meio da prova, com
problemas no seu carro.
A segunda corrida foi muito atribula-
da com a chuva a complicar as contas,
mas foi Borkovic que saiu vencedor,
fazendo uma saborosa e inesperada
dobradinha. Mora largou de segundo,
e andou nos lugares da frente até um
toque de Borkovic o atirar para fora de
pista. Aproveitou o recomeço da corrida
(interrompida por bandeiras vermelhas,
devido a um acidente) para recuperar
algumas posições e terminar em quarto,
muito perto do pódio. Abreu lutou muito
no meio do pelotão e terminou na 16ª
posição e Moura voltou a não ter a sorte
do seu lado com nova desistência.
Mora teve uma boa prestação no fim de
semana e o quarto lugar mostra que tem
potencial para lutar por pódios. Abreu
lutou muito, mas a sua máquina tem
ainda de evoluir mais para poder lutar
pelas posições que pretende e Moura
continuou a sua adaptação à nova má-
quina, num fim de semana azarado.

RALICROSS DE MAÇÃO ESPETÁCULO E EMOÇÃO

Realizou-se em Mação o segundo evento do ano do PTRX, durante as sete voltas da final. Todos passaram pela Pedro Matos e Ademar Pereira dividiram as vitórias,
Campeonato de Portugal de Ralicross, Kartcross e Super posição, mas foi Adão Pinto a terminar em segundo. respetivamente, nos Super Car e na Super Nacional 4WD.
Buggy. Foi uma prova emotiva e com espectáculo. Pedro Tiago (Citroën Saxo) ganhou na Super Nacional Na final, Pedro Matos arrancou bem e destacou-se na
Na Super Iniciação-Troféu Ernesto Gonçalves o triunfo A1.6. Na final, Tiago arrancou na frente, mas Luís frente. José Lameiro (Seat Leon) foi segundo e Ademar
foi para Rafael Rocha (Peugeot 106), a que chegou ao Morais seguia de perto e para resolver a corrida foram Pereira (Subaru Impreza WRX STi) terceiro e melhor da
depois de qualificações muito disputadas. fundamentais as idas à Joker-lap. Tiago geriu, e Daniel Super Nacional 4WD.
Rafael Rocha aproveitou bem o facto de estar a partir Sousa bateu. Jorge Costela foi terceiro. António Santos (Toniauto TT) ganhou no Super Buggy.
sem ninguém à esquerda e colocou-se na liderança, João Ribeiro fez uma prova de trás para a frente, e o azar Santos arrancou na frente, foi ganhando vantagem sobre
Rodrigo Correia (Peugeot 205) bem tentou, mas o triunfo que lhe bateu à porta nas qualificações desapareceu na Paulo Godinho e venceu, seguido por Paulo Godinho e
foi para Rafael Rocha. final da Super 1600. Nelson Barata.
Santinho Mendes (Opel Astra) dominou durante o Na final, as coisas estiveram ao rubro, mas tudo se Por fim, nos Kartcross, Jorge Gonzaga (ASK EVO) ganhou
fim de semana e na final da Super Nacional 2RM não decidiria a favor de João Ribeiro, depois de levar a depois de uma final plena de emoção, com um volte-face,
foi diferente. Na final, Santinho arrancou na frente e melhor sobre José Eduardo Rodrigues. Joaquim Machado antes do baixar da bandeirada xadrez.
deixou os outros a discutirem o segundo posto. Adão foi o terceiro classificado, com uma posição ‘tirada a Pedro Rosário estava na frente, mas problemas mecânicos
Pinto (Opel Astra), Fernando Silva (Seat Ibiza) e Arlindo ferros’ depois de várias lutas. Eduardo Queirós foi o ditaram a desistência, à quinta volta. Jorge Gonzaga aproveitou
Martins (Peugeot 306) lutaram pelo segundo posto quarto classificado. e venceu, na frente de Luís Almeida e José Carlos Pinheiro.

CONTEÚDO PATROCINADO GONÇALO COUTINHO
COLECIONA MAIS UM TÍTULO
RUI PEREIRA
CAMPEÃO IBÉRICO ROTAX DD2

Depois de ter estado em destaque no Rotax integrado na equipa QZ Racing Team. “A Gonçalo Coutinho – campeão em título Coutinho.
Max Challenge Portugal 2017, onde ganhou minha carreira no Karting tem sido sempre da categoria Sénior do Rotax Max Como habitualmente, no final do Rotax
três corridas e discutiu o título absoluto da em crescendo e aquilo que fizemos no ano Challenge Portugal e único representante Max Challenge Portugal – que também
categoria DD2 até à fase final, Rui Pereira passado deu-nos confiança para montar português da classe no Mundial da passará pelas pistas de Viana do Castelo,
está este ano a protagonizar um início de um projeto com ambição na Master. especialidade em 2017 – iniciou a época Baltar, Braga e Portimão –, o vencedor
época notável na DD2 Master, dado que já Começámos bem o ano, quer com o título de 2018 da melhor forma ao sagrar-se ficará diretamente qualificado para o
se sagrou campeão ibérico. no Troféu Ibérico quer com a vitória nas campeão ibérico, sendo determinante a Mundial da especialidade, que este ano
O piloto de Matosinhos, integrado na Series Rotax. Sabemos que em Espanha o sua performance no circuito espanhol de será disputado entre 26 de novembro
Júnior Racing Team, está apenas na sua desafio é maior, não conhecemos as pistas, Recas, próximo de Madrid, já que depois e 1 de dezembro no Circuito Paladino,
quarta época ‘a sério’ no Karting (depois o número de pilotos é maior, a quantidade de garantir a pole-position, venceu as no Brasil. Gonçalo Coutinho garantiu
de um percurso nas motos) e começou de borracha em pista aumenta o grip. Tudo duas Finais. “É sempre bom começar a em 2017 o sonho comum a todos os
o Troféu Ibérico Rotax com uma vitória é mais exigente. Felizmente em Zuera época com vitórias e, neste caso, com pilotos de disputar um Mundial, no
e um 2º lugar nas duas Finais da prova adaptámo-nos bem a uma pista onde eu um título e com o espírito de conquista”, Kartódromo Internacional de Portimão,
inaugural, realizada na pista espanhola nunca tinha corrido, fizemos a pole-position comentou o piloto português, que em batendo-se na sua categoria com 72
de Recas, garantindo depois o título com e ganhámos as duas Finais. Agora é 2017, apesar de ser ‘rookie’ na categoria concorrentes oriundos de 60 países e
mais uma vitória e um 3º lugar na segunda continuar neste registo”. E continua, já que Sénior Max, assinou uma temporada conseguindo terminar corridas na 6ª
e última ronda disputada no Kartódromo no passado fim de semana, em Palmela, notável. posição. “Ainda é cedo para falar numa
Internacional de Braga. venceu a prova de abertura do Rotax Max Por isso mesmo, Gonçalo Coutinho é eventual qualificação para o Mundial.
Com estes resultados, Rui Pereira terminou Challenge Portugal. apontado pelos aficionados do Karting Primeiro há que pensar no campeonato.
em igualdade pontual com João Oliveira, Rui Pereira atribui esta performance no como um dos favoritos ao título de Prova a prova, nas 10 Finais que
mas venceu o troféu devido ao critério início da época a uma vontade de superar campeão na categoria Sénior Max, algo tenho de disputar. Mas claro que
de desempate (posições nas quatro qualquer desafio e ao apoio importantíssimo que o piloto de Gondomar confirmou ficaria muito contente se conseguisse
Finais). Após dois títulos no Troféu Norte dos patrocinadores. Tenho que destacar ao dominar a primeira prova do troféu, novamente a qualificação. Em 2017,
de Portugal, este é o ponto mais alto da o o apoio do Francisco Ferreira, da em Palmela. “As épocas não são todas foi uma experiência incrível e consegui
sua ainda curta carreira no Karting. “O NiceCars75, do Samuel Lopes, da Lust iguais e prevejo que esta temporada seja resultados bastante interessantes na
grande objetivo este ano é conseguir In Rio, da StudioD e da Interkran. O meu também muito competitiva. Em 2017, minha estreia”, concluiu o jovem piloto
estar nas Finais Mundiais, no Brasil, e ser muito obrigado à minha fonte de inspiração na minha época de estreia na Sénior de 16 anos, que agradece “todo o apoio
competitivo”, revela o piloto, que também Pai, Mulher e Bons Amigos com natural Max, consegui sagrar-me campeão e é que tenho tido da Iberoeste, da JM
lidera a DD2 Master nas espanholas destaque para o Luís Magalhães que é o natural que este ano tenha a ambição Coutinho, da família, dos amigos e da
Series Rotax, após o arranque em Zuera, pilar de Rui Pereira Team”, concluiu. FC de revalidar o título”, sublinhou Gonçalo minha equipa Júnior Racing Team”. FC

FOTO: VVL SPORT IMAGE

30

GUILHERME DE OLIVEIRA: “O SONHO COMANDA A VIDA”

Aos 13 anos,
Guilherme de Oliveira

continua a afirmar-
se como uma das
grandes esperanças
do Karting português.
O campeão nacional
em título da categoria
Júnior já garantiu
em 2018 dois títulos

importantes, ao
vencer o Open de
Portugal e o Troféu

Ibérico Rotax.

FOTO: VVL SPORT IMAGE
FOTO: HELLOFOTO

A depto confesso de pilotos portugueses que festejados em janeiro. “Sinto-me bem com o kart e desde a Moto3 e provou esta semana que o talento
saíram do Karting para os palcos internacio- com a equipa”, justifica Guilherme de Oliveira, aludindo por vezes ainda vence… O sonho comanda a vida. E
nais, como Álvaro Parente, o jovem Guilherme ao sucesso continuado nas últimas épocas. “No início também vejo vídeos de corridas antigas de Karting,
foi difícil, sofri bastante, tive muitas desilusões, mas porque aprende-se sempre alguma coisa”.
de Oliveira é um sério candidato a tornar-se uma das aprendi que isso faz parte de quem quer ganhar. Hoje Aluno de mérito e pianista exímio (ler em separado),
quero sempre lutar pelos melhores resultados quer a Guilherme de Oliveira destaca o apoio da família, da
referências do automobilismo português. Em apenas nível nacional quer a nível internacional. É por isso que equipa e de todos os patrocinadores como os funda-
também corremos em Espanha e este ano no Europeu mentais no seu êxito. “Tenho de agradecer aos meus
três épocas ‘a sério’ no Karting de competição, o piloto Rotax. Acho que o espírito de nunca baixar os braços pais e ao meu irmão, aos meus avós que me acom-
tem dado bons resultados e, por exemplo, agora no panham em todos os momentos e que me dão muita
de Vila Nova de Gaia – com fortes raízes em Vouzela Troféu Ibérico cheguei a Braga pensando em vencer força, à minha equipa QZ Kart Team e aos mecânicos
a prova, mas sabendo que seria muito difícil ganhar José Santos e Rui Cardoso, pelo trabalho que temos
– acumulou um palmarés notável num curto espaço o troféu, devido à primeira prova (que não correu tão desenvolvido, e a todos os patrocinadores que confiam
bem) em Recas-Espanha. Felizmente, senti-me muito em mim, a Quinta do Fontelo, ARCH Valadares, Saniax
temporal: pódio da Taça de Portugal Juvenil na época bem em Braga, concentrei-me e consegui mesmo e Ranatrans. Muito obrigado também à professora
ganhar o troféu.” Marta Marques, que me ajuda a ter bons resultados na
de estreia (2015), vencedor da Taça de Portugal Juvenil Apesar de estar focado no Karting, Guilherme de Oliveira escola, e à minha preparadora física, Carolina Rolim.
admite que tenta ver todas as corridas de Fórmula Todas estas pessoas são muito importantes”, concluiu
(2016), vice-campeão nacional Juvenil (2016), vencedor 1 e de MotoGP. “Gosto de ver pilotos como o Max o piloto do já famoso capacete dourado, que este fim
Verstappen ou o Marc Márquez reagem em pista e de semana, em Palmela, dominou a prova de abertura
do Troféu Norte de Portugal (2016), campeão nacional tenho muito orgulho no Miguel Oliveira que acompanho do Rotax Max Challenge Portugal. RSA

Júnior (2017), vencedor do Troféu Rotax Júnior (2017),

2º classificado na Taça de Portugal Júnior (2017), ven-

cedor do Troféu Bridgestone (2017), finalista no Mundial

Rotax Júnior (2017), vencedor do Open de Portugal de

Karting (2018) e vencedor do Troféu Ibérico Rotax (2018).

Um percurso que, combinado com o empenho e o

profissionalismo que Guilherme de Oliveira imprime

à sua carreira desportiva, configuram um futuro pro-

missor para este jovem de apenas 13 anos de idade,

A VIDA PARA LÁ DAS CORRIDAS

Sendo sempre um equilíbrio difícil de conseguir, a performance escolar de Guilherme
de Oliveira não tem sofrido com o intenso calendário de viagens e provas de Karting,
dentro e fora de Portugal. O jovem piloto, que frequenta o 7º ano de escolaridade,
compensa os dias de ausência das aulas com um esforço extra para recuperar a
matéria, tendo mesmo integrado o quadro de mérito da sua escola (Colégio Nossa
Senhora da Bonança, em Gaia) no ano letivo de 2016/2017.
Além disso, Guilherme de Oliveira também tem formação musical e toca piano há seis
anos... há mais tempo do que está no Karting. “A música é um mundo completamente
diferente das corridas e, apesar de também exigir grande concentração, isso
acalma-me”, explica. “Enquanto puder, vou continuar a ter aulas e a tocar piano. A
minha prioridade é a escola e depois o Karting mas é bom um ter um ‘hobbie’ de que
realmente gostamos”, afirma Guilherme de Oliveira. Curiosamente, o piloto alemão de
Fórmula 1 Adrian Sutil também era conhecido por ser um exímio pianista.

31

>>motosport.com.pt M O T O 2 ESPANHA

ALMA DE
CAMPEÃO

No fim de semana em que foi oficializada a sua subida à classe
maior em 2019, onde representará a francesa Tech 3, Miguel

Oliveira voltou a ser um dos grandes protagonistas em Moto2. O
piloto da Red Bull KTM Ajo realizou uma corrida a partir de trás,
14º posto, para a frente, vendo a bandeira de xadrez em segundo.
Uma recuperação notável e que soube “melhor que uma vitória”

ACOMPANHE TODA A INFORMAÇÃO Alexandre Melo tabeleceu mesmo um novo recorde da
DIARIAMENTE EM MOTOSPORT.COM.PT [email protected] volta mais rápida em corrida, em Jerez,
na categoria, batendo uma marca que
Depois de dois pódios consecuti- durante alguns minutos foi de Miguel
vos, Miguel Oliveira chegou ao Oliveira. Na segunda metade da prova
agora denominado circuito de o vice-campeão do mundo de Moto3
Jerez-Ángel Nieto com o obje- em 2015 não conseguiu aproximar-se
tivo de, acima de tudo, manter a sua de um sólido Baldassarri e, como diz o
posição no ‘comboio da frente’, mas povo, mais vale um pássaro na mão do
também de piscar o olho à vitória, que dois a voar.
agora que o Mundial chegou à Europa. Como tal, o piloto de 23 segurou o se-
À semelhança do que sucedeu em outras gundo posto e averbou o terceiro pódio
ocasiões esta temporada, a qualificação do ano. Uma consistência preciosa e que
voltou a ser a grande ‘espinha encravada’, permite a Miguel Oliveira ser, até ao mo-
com o piloto luso a ter dificuldades para mento, o único dos pilotos da frente que
encontrar o ritmo certo, algo que já havia nos quatro Grandes Prémios já realizados
acontecido nos treinos livres. O resultado nunca terminou abaixo do quinto lugar.
foi o 14º posto e a necessidade de, tal Pensará o leitor, e muito bem, que é com
como em Austin, realizar uma corrida esta consistência que se ganham cam-
em recuperação. peonatos. Consistência essa que, por
Apesar das dificuldades na qualificação, exemplo, mais uma vez, não teve Álex
Oliveira sabia que o ritmo de corrida es- Márquez, que abandonou devido a queda
tava lá e prova disso foi o terceiro lugar quando era terceiro. Para já, nas contas
no ‘warm-up’. Por isso foi sem surpresa do campeonato, Oliveira subiu mais um
que assistimos na corrida a uma grande lugar e é terceiro a 10 pontos do primeiro
recuperação por parte do piloto portu- classificado.
guês na pista andaluz. De sétimo no final “A qualificação foi díficil, pois não en-
da segunda volta a segundo no concluir contrei o melhor ritmo. Fiquei um pouco
da quinta passagem pela linha de meta. stressado com toda essa situação. Na
Palavras para quê. Só faltava subir ao corrida vi que o grupo da frente não esta-
degrau mais elevado e desejado. va a distanciar-se e pensei que tinha uma
Mas o futuro piloto da Tech 3 no MotoGP hipótese. Sabia que seria difícil vencer
encontrou em Lorenzo Baldassarri um porque o Lorenzo estava forte. Contudo,
rival à altura. O italiano, líder da corrida, este segundo lugar sabe melhor do que
respondeu à aproximação do luso e es- uma vitória”, disse o homem da Red Bull

33

MIGUEL OLIVEIRA

CUMPRIR O SONHO

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O O fim de semana do Grande Prémio de agora um novo capítulo na história do parecia impensável. “A temporada ainda
Espanha estava ainda a dar os seus desporto motorizado nacional ao tornar-se vai no início, mas estou muito feliz pelo
MOTO2 primeiros passos quando rebentou a no primeiro piloto português a ingressar, facto de a KTM já ter conseguido ver o
notícia que já andava a circular com a tempo inteiro, na categoria rainha do suficiente para confiar em mim e acreditar
1º LORENZO BALDASSARRI (KALEX) 39M33.889S alguma intensidade no paddock do motociclismo de velocidade. que mereço esta oportunidade em MotoGP.
+ 2.8S Mundial. Se ao nível do automobilismo Portugal já Estou muito grato por isso mesmo. Sempre
2º MIGUEL OLIVEIRA (KTM) + 6.2S A oficialização da estreia de Miguel esteve representado em disciplinas como a sonhei chegar ao MotoGP e ser capaz de
+ 6.9S Oliveira em MotoGP no próximo ano, Fórmula 1, Mundial de Ralis ou Resistência, atingir esse sonho é algo de muito positivo.
3º FRANCESCO BAGNAIA (KALEX) + 10.1S onde defenderá as cores da gaulesa a partir de 2019 está garantida a presença Ainda temos uma longa temporada de
Tech 3, equipa que em 2019 trocará a num dos campeonatos mais importantes Moto2 pela frente e ter já consumado este
73 PTS atual parceria com a Yamaha pela KTM, do mundo, algo que há bem pouco tempo contrato permite-me relaxar e concentrar-
64 PTS passando a funcionar como formação me na minha pilotagem. Já passei por
63 PTS júnior desta. Aí Oliveira estará aos todos os passos que a Red Bull e a KTM
58 PTS comandos de uma RC16 que terá a deram juntos desde a Rookies Cup. E sou
47 PTS mesma configuração das motos da o primeiro a fazê-lo. Acho que isto mostra
equipa oficial. que outros pilotos podem confiar na KTM
Depois de tanto trabalho e sacrifício e no seu projeto. Penso que tenho as
desde o início da sua carreira eis capacidades e a vontade para ter uma boa
que chegou o resultado de todo performance num protótipo de MotoGP”,
esse esforço e a recompensa por, disse Miguel Oliveira.
nos últimos anos, ter sido um piloto Já o responsável pelo programa desportivo
que tem ajudado como ninguém ao da KTM, Pit Beirer, acredita que “este é um
desenvolvimento e solidificação da passo com peso emocional para a KTM,
marca KTM no Mundial. Basta relembrar porque prova tudo o que dissemos sobre a
que Miguel Oliveira será o primeiro construção de uma estrutura no paddock
piloto a cumprir toda a ‘Via Sacra’ da e a possibilidade de vir da Red Bull MotoGP
KTM, pois representou a marca laranja Rookies Cup, passar pelas ‘aulas’ connosco
nas outras duas categorias (Moto3 e e acabar numa equipa de MotoGP.
Moto2) do Mundial e ainda esteve, já Juntamente com o Aki Ajo criámos o
há alguns anos, na Red Bull MotoGP projeto de Moto2 para ser a plataforma que
Rookies Cup, competição que é apoiada desenvolve pilotos para o MotoGP. Tenho
pela estrutura de Mattighofen. de agradecer ao Aki por esta parceria, pois
A subida ao MotoGP é um passo está a fazer um excelente trabalho com os
natural de um jovem de 23 anos que, pilotos”.
para além da muita história que já
escreveu para o nosso país, abre

4º XAVI VIERGE (KALEX)

5º MATTIA PASINI (KALEX)

CAMPEONATO

1º FRANCESCO BAGNAIA

2º LORENZO BALDASSARRI

3º MIGUEL OLIVEIRA

4º MATTIA PASINI

5º ÁLEX MÁRQUEZ

KTM Ajo, já no Parque-Fechado, após o
final da corrida.
A prova foi ganha por Lorenzo Baldassarri
que somou o segundo triunfo do ano e
posiciona-se, também ele, como um
dos grandes candidatos ao título mun-
dial. Destaque também para Francesco
Bagnaia, que foi terceiro – não resistiu
a Baldassarri quando era líder - e com
esse resultado segurou a liderança do
campeonato, onde apenas 10 pontos
separam os três primeiros.
O aguerrido Xavi Vierge foi quarto e voltou
a mostrar que também é preciso contar
com ele nesta época de Moto2. Já Mattia
Pasini não teve um fim de semana fácil,
mas conseguiu ‘salvar os móveis’ com o
quinto lugar final na corrida. Lá está, a tal
importância da consistência.

34 M O T O G P ESPANHA

>>motosport.com.pt

À MINHA MANEIRA meiro lugar do campeonato com mais 12
pontos do que o segundo, Johann Zarco.
Ainda é muito cedo na temporada, mas
já se sabe que candeia que vai à frente
alumia duas vezes.

Marc Márquez tornou-se no primeiro piloto a bisar em 2018 ao vencer o Grande Prémio APROVEITAR O MOMENTO
de Espanha. O piloto da Honda assumiu a liderança do campeonato numa jornada em que
ganhou em todos os campos. Isto porque Jorge Lorenzo, Andrea Dovizioso e Dani Pedrosa Os abandonos de Dovizioso, Lorenzo e
Pedrosa tiveram o condão de beneficiar
abandonaram numa queda conjunta que deixou de cabelos em pé os responsáveis da outros pilotos que estavam remetidos
Ducati. Já para não falar das muitas dificuldades das Yamaha oficiais a um papel mais secundário na corrida.
Desde logo Johann Zarco que foi se-
Alexandre Melo nuances parece estar Marc Márquez, Ángel Nieto, Márquez saltou, no miolo gundo e mais uma vez o melhor piloto
[email protected] o homem que na atualidade é a grande da corrida, para o comando e não mais Yamaha, não obstante ser privado. O
figura da classe rainha. O piloto ca- largou essa posição. Para além da sólida novo reforço da KTM para 2019 somou
Após três rondas fora da talão parece estar num nível à parte corrida que realizou, desde o início, a o segundo pódio do ano e terminou na
Europa o Mundial de MotoGP em relação à restante concorrência. tarefa ficou ainda mais facilitada com frente de Andrea Iannone, também ele
finalmente aterrou em solo A sensação que transmite, nos dias de o incidente que envolveu os seus mais com o segundo pódio da época.
europeu, onde decorrerá hoje, é que o piloto de Cervera ganha diretos perseguidores e que vinham O piloto da Suzuki superou, nesta luta,
o ‘grosso’ da temporada. quando quer, ao ritmo que quer e nas a discutir o segundo lugar. Falamos Danilo Petrucci e ofereceu à casa de
Dizem os especialistas que pistas em que quer. Apesar de todo este de Andrea Dovizioso, Jorge Lorenzo e Hamamatsu o terceiro pódio conse-
a época começa verdadeiramente na quadro o tetracampeão do mundo de Dani Pedrosa. cutivo da época em somente quatro
chegada ao velho continente e que o cir- MotoGP não se coibiu de dizer que não Incidente que terminou com três aban- corridas. Nada mau para uma equipa
cuito de Jerez, palco do GP de Espanha, esperava triunfar em Jerez, onde em donos, a equipa oficial da Ducati em que o ano passado esteve muito aquém
é o verdadeiro teste do algodão à real MotoGP só por uma vez (2014) havia branco, e o atirar de culpas ‘para o outro’ do que pode fazer, não somando qual-
valia de uma moto. vencido. pelo sucedido. Indiferente a isto ficou quer pódio. Depois de superado por
No entanto, indiferente a todas estas No agora baptizado circuito de Jerez- Marc Márquez que assim agarrou o pri- Ianonne, Petrucci foi quarto, enquanto
Valentino Rossi fechou o lote dos cinco
primeiros. O eterno piloto italiano foi
o melhor piloto oficial da Yamaha que
viveu um fim de semana muito duro

35

M O T O 3 ESPANHA

ESTREIA GERMÂNICA

A corrida da categoria mais então em 2015. Este foi o segundo posição, após o final da corrida, por
baixa do Mundial, em Jerez, foi elemento do clã Öttl a vencer no exceder os limites da pista andaluza.
como é habitual muito animada Mundial, pois o seu pai, Peter, já A corrida em Jerez ficou ainda
e, a dada altura, um grupo de havia triunfado no Grande Prémio marcada por um incidente que
18 pilotos esteve a discutir os de Itália de 1996, em Mugello, na envolveu alguns dos principais
primeiros lugares. No final a KTM extinta categoria de 125 cc. candidatos ao título e que estavam
monopolizou as três primeiras Marco Bezzecchi discutiu até à a discutir o primeiro posto. Os
posições num ano onde já mostrou bandeirada de xadrez o triunfo, mas envolvidos foram Jorge Martín, Enea
que é uma grande ameaça à rival teve de contentar-se com o segundo Bastianini, Tony Arbolino e Arón
Honda, o outro construtor presente posto. O italiano é o novo líder Canet, sendo que este último foi o
no campeonato. O triunfo acabou do campeonato e ficou na frente principal responsável pelo acidente
por ficar nas mãos de Philipp Öttl, de Marcos Ramírez que averbou que terminou com os quatro pilotos
que estreou-se a vencer no Mundial o primeiro pódio do ano. O piloto no chão e fora da corrida. Este
nesta que foi a sua 91ª corrida espanhol agarrou esta posição incidente motivou mesmo o corte
em Moto3, quando até aqui tinha depois do ‘rookie’ Alonso López ter de relações entre Martín e Canet,
como melhor resultado um terceiro perdido o seu primeiro pódio no curiosamente dois pilotos espanhóis.
lugar em Indianapolis, estávamos Mundial ao ser penalizado em uma

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O

MOTO3 (KTM) 39M.39.799S
1º PHILIPP ÖTTL (KTM) + 0.059S
2º MARCO BEZZECCHI (KTM) + 3.515S
3º MARCOS RAMÍREZ (HONDA) + 3.958S
4º ALONSO LÓPEZ (KTM) + 4.000S
5º JAUME MASIÀ
63 PTS
C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O CAMPEONATO 55 PTS
1º MARCO BEZZECCHI 48 PTS
2º JORGE MARTÍN 46 PTS
3º ARÓN CANET 35 PTS
4º FABIO DI GIANNANTONIO
5º PHILIPP ÖTTL

MOTO GP (HONDA) 41M39.678S
1º MARC MÁRQUEZ (YAMAHA) + 5.241S
2º JOHANN ZARCO (SUZUKI) + 8.214S
3º ANDREA IANNONE (DUCATI) + 8.617S
4º DANILO PETRUCCI (YAMAHA) + 9.768S
5º VALENTINO ROSSI
70 PTS
CAMPEONATO 58 PTS
1º MARC MÁRQUEZ 50 PTS
2º JOHANN ZARCO 47 PTS
3º MAVERICK VIÑALES 46 PTS
4º ANDREA IANNONE
5º ANDREA DOVIZIOSO

a fazer relembrar tempos não muito
distantes. Desempenho que certa-
mente terá deixado muito apreensivos
os responsáveis de Iwata. Basta ver
que Maverick Viñales foi sétimo e isto
descontando o já referido incidente que
surgiu na frente da corrida. Palavra
ainda para Franco Morbidelli que ao
ser nono obteve, até ao momento, a
sua melhor classificação numa corrida
de MotoGP e foi o melhor estreante
em pista. A acção prossegue com o
GP de França, no circuito Bugatti-Le
Mans, entre os dias 17 e 19 de maio.

>>motosport.com.pt

TRIUMPH

» STREET SCRAMBLER

UMA ENORME SENSAÇÃO DE LIBERDADE

É sempre um privilégio podermos ensaiar uma moto
tão carismática e que carrega consigo uma simbologia
incontornável ligada a sentimentos de liberdade. Falamos
da Triumph Scrambler

Pedro Rocha dos Santos O MOTOR TRIUMPH DE 900 CC
[email protected]
Já circulam rumores de que a Tirumph es-
Oset up minimalista da Triumph tará a preparar uma versão da Scrambler
Scrambler agrada-nos espe- com o novo motor de 1200 cc, certamente
cialmente. Uma moto de linhas devido à pressão da consorrência ( Ducati
‘old school’, que invocam as e BMW ), no entanto este motor de 900 cc
antigas Bonneville, mas que tem prestações renovadas, que proporcio-
inclui tecnologia atual, sem a nam uma condução muito agradável. Com
sofisticação muitas vezes desnecessária mais potência e binário a baixa rotação
das multi-funções eletrónicas. Quando do que o anterior, em cerca de 18%, inclui
nos sentamos de imediato a nossa mente agora algumas das novas sofisticações
voaepercebemosquepodemosserprota- tecnológicas como seja o Ride by Wire, que
gonistas de uma experiência única, mista permite um maior controle da aceleração
de imaginário e realidade. Guiador largo, e uma resposta mais rápida, diminuindo
quase de uma moto Trail; banco baixo e em simultâneo os consumos.
confortável, com a possibilidade de des- O motor de 900 cc da Scrambler, um bi-
montar a almofada do pendura e acentuar cilíndrico paralelo de 8 válvulas e SOHC,
o look rebelde e individual da Scrambler; tem um comportamento suave e com
peseiras em posicão ligeiramente avan- pouca vibração graças a um intervalo de
çada, que contribuem para uma posição 270º na ignição.
sentada confortável e natural; espaço Monta uma caixa de 5 velocidades e o
aberto à nossa frente com informação mapa eletrónico foi definido para pro-
num painel minimalista mas suficiente... porcionar mais potência e binário nas
e estrada à nossa frente para desbravar. baixas e médias rotações, realidade que
A roda de 19” na dianteira e os pneus proporciona um enorme conforto e fa-
Metzeler Tourance levam-nos desde logo cilidade de condução em cidade ou fora
a pensar que a Scrambler tem ambições de estrada por caminhos de terra, como
de poder rodar fora de estrada. Porém, a pudemos comprovar.
designação Street Scrambler presupõe Os escapes são sem sombra de dúvida um
uma utilização mais urbana. íconemarcantedasScramblereaTriumph

37

sempre foi uma referência nesta matéria,
mantendo as duas ponteiras paralelas e
elevadas no lado direito da moto.
Em relação ao modelo anterior houve uma
evolução estética muito assinalável sendo
que os escapes são agora um elemento
estético de enorme beleza, tanto nas suas
linhas e design como nos acabamentos
em aço escovado... simplesmente mag-
níficos.
Para além da estética, os escapes também
‘falam’ por si pois o som cheio e grave que
emitem reforça ainda mais o tempera-
mento rebelde desta Scrambler.
“RIDING THE REBEL”
Neste aspeto digamos que a rebeldia está
bastante atenuada com o conforto e fa-
cilidade que a Scrambler proporciona na
sua condução, não só graças ao seu motor
‘cheio’, como ao conforto proporcionado
pelas suspensões.
Apesar de ser uma moto baixa, o curso

38

>>motosport.com.pt

e o seu comportamento eficiente é algo Apenas não quisemos arriscar o tal salto DUCATI SCRAMBLER 1100 - 1079 CC DUCATI SCRAMBLER 800 - 803 CC
surpreendente e inesperado. Os amorte- no arame farpado! No final o sentimento
cedores traseiros foram especialmente de liberdade saíu ainda mais reforçado e, 86 CV 72 CV
desenhados para a Scrambler, com um ao contrário do Steve McQueen, consegui-
cursomaislongo deformaaaumentarem mos escapar sem nenhum contratempo. POTÊNCIA POTÊNCIA
também a distância da roda ao guarda Apenas uma nota menos positiva na posi-
lamas traseiro. O acabamento em negro ção de condução em pé, pois a largura dos 211 KG 193KG
mate contribui para o look clean e cool escapes do lado direito forçam a perna e a
da Scrambler. posição do pé para fora da peseira. Alerta PESO PESO
As suspensões dianteiras têm um com-
portamento excelente mesmo em per- CONCORRÊNCIA 12 645€ 10 645€
cursos fora de estrada, onde acabámos
por nos aventurar e testar a denominação BMW R NINE T SCRAMBLER - 1170 CC PREÇO BASE PREÇO BASE
Scrambler em toda a sua abrangência.
Aí sentimo-nos como o herói do icónico 110 CV
filme “The Great Escape”, com o saudoso
Steve McQueen, que, no filme, em fuga POTÊNCIA
de um grupo de militares alemães que o
persegue, salta uma vedação de arame 220 KG
farpado com uma das motos roubadas às
tropas do III Reich, que, por sinal no filme, PESO
não é uma BMW mas sim uma Triumph...
Sentimo-nos por isso impulsionados a 14 368€
levar a nossa Scrambler para a ‘guerra’
em caminhos ‘minados’ que a pudessem PREÇO BASE
colocar à prova.
Surpresa das surpresas, a Scrambler pu-
xou dos seus atributos e especificações
técnicas e deixou-nos com a agradável
sensação de que não existem limites na
sua condução, passando com surpren-
dente ligeireza e desenvoltura por riachos,
pedras e solo arenoso.

39

FT/ F I C H A T É C N I C A

ao cuidado. Frozen Silver. 900 CC
Também do ponto de vista da travagem a A engenheiros da Triumph tiveram tam-
Scrambler surpreendeu-nos, pois apesar bém um cuidado especial no desenho do CILINDRADA
de montar apenas um disco na frente de quadro da Street Scrambler no sentido de
310 mm e atrás de 255 mm, ambos com proporcionar uma condução o mais neutra 55 CV
pinças Nissin de 2 pistons, a travagem é possível e ao mesmo tempo previsível no
precisa e fácilmente doseada, com uma sentido de aumentar a segurança dos POTÊNCIA
mordida incisiva quando necessária, ga- condutores.
rantindo uma enorme segurança e efeti- A Triumph proporciona ainda um extenso 12 L
vidade, assitida em ambos por ABS, que catálogo de acessórios, cerca de 150 refe-
pode ser desligado num botão no guiador. rências, que permitem a personalização DEPÓSITO
máxima desta proposta.
CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS Alguns acessórios estão inclusivamente 206 KG
desenhados para aumentar a capacidade
DA TRIUMPH SCRAMBLER off-road da Scrambler, como por exemplo PESO
amortecedores traseiros com afinação
Já comentámos a possibilidade de remo- total, guiadores com proteções off-road, 10 600€
ção do banco do pendura e substituir o paineis laterais em alumínio para colocar
mesmo por uma pequena estrutura por- o número ou proteção em rede metálica PREÇO BASE
ta-bagagens retirando também as pegas do farol dianteiro.
do pendura. Também a nível da eletrónica Em conclusão, a experiência foi mais uma MOTOR TIPO BICILINDRICO PARALELO C/
a Scrambler tem ABS e Controle de Tração vez inspiradora e gratificante. ARREF. LÍQUIDO, 8 VÁLVULAS, SOHC
que pedem ambos ser desligados. A Scrambler da Triumph continua a ser CURSO 84.6 MM / 80 MM COMPRESSÃO
A embraiagem é assistida e o seu fun- uma das nossas motos favoritas, de to- 10.55:1 POTÊNCIA 55 PS / 54 BHP (40.5 KW)
cionamento é de enorme leveza o que dos os géneros. É uma moto dotada de 6000 RPM BINÁRIO 80 NM / 2850 RPM
favorece o conforto, diminuindo o cansaço um estilo único e intemporal, com um ALIMENTAÇÃO INJEÇÃO ELET. MULTIPONTO
do utilizador. Pormenor também exclusivo enorme carisma e um histórico incon- ESCAPES 2X2 EM AÇO INOX COM E
é o sistema de imobilização da moto que tornável, uma moto polivalente, simples PONTEIRAS TRANSMISSÃO FINAL CORRENTE
através de um sensor colocado na chave de levar, minimalista mas sofisticada, EMBRAIAGEM ASSISTIDA EM BANHO DE ÓLEO
bloqueia a ignição. extremamente ágil e fácil de conduzir, CAIXA 5 VEL. QUADRO BERÇO EM AÇO TUBULAR
A iluminação traseira é de tecnologia LED. uma sedutora que se destaca em qualquer BRAÇO OSCILANTE AÇO TUBULAR DUPLO RODA
Um detalhe simpático é a existência de lugar que a paremos. DIANTEIRA 32 RAIOS – AROS EM AÇO 19” X
uma ficha USB debaixo do banco, este Se querem ser o tipo mais ‘cool’ do vosso 2.5IN RODA TRASEIRA 32 RAIOS – AROS EM
luxuosamente forrado a alcantara, para bairro e arredores, e possuirem uma moto AÇO 17” X 4.25IN PNEU DIANTEIRO 100/90-19
ligação de qualquer aparelho eletrónico. polivalente , que vos dá imenso prazer de PNEU TRASEIRO 150/70 R17 SUSPENSÃO
Os acabamentos da Triumph Street conduzir e que onde quer que parem faz DIANTEIRA KYB 41 MM CONVENCIONAL, 120
Scrambler são excelentes com pormeno- invejaatodasasoutras... aTriumphStreet MM DE CURSO SUSPENSÃO TRASEIRA KYB
res ao nível da combinação de materiais e Scrambler é a vossa moto. DUPLO AMORTECEDOR AJUSTºAVEL EM PRÉ-
com um toque neoclássico no seu design. CARGA, 120 MM DE CURSO TRAVÃO DIANTEIRO
A Scrambçer está disponível em 3 DISCO ÚNICO DE 310 MM COM PINÇA NISSIN
cores: Jet Black, Verde Kakki Mate, da 2- PISTONS E ABS TRAVÃO TRASEIRO DISCO
que ensaiámos, e um esquema cromá- ÚNICO 255 MM COM PINÇA NISSIN 2 PISTONS
tico bicolor de Korozi Red com listas E ABS PAINEL INFORMAÇÃO LCD MULTI-
FUNCIONAL COM CONTA-KMS ANALÓGICO,
ODÓMETRO, INDICADOR DE VELOCIDADE,
INDICADOR DE NÍVEL DE COMBUSTÍVEL,
SINALIZADOR DE ASSISTÊNCIA, RELÓGIO, 2
TRIPS PARCIAIS, INDICADOR DE CONSUMO
MÉDIO E INSTANTÂNEO, LUZ CONTROLE DE
TRAÇÃO E ABS. LARGURA 831 MM ALTURA
1120 MM ALTURA BANCO 790 MM DISTÂNCIA
ENTRE EIXOS 1446 MM DIST. AO SOLO 109
MM DEPÓSITO 12 L CONSUMO 3.8L/100KM

40

‘REASLITDEÓPRORITAUGSAL’ RALI DE PORTUGAL 1984
QUE FIZERAM
ESEFOSSEHOJE?
A LENDA
O Rali de Portugal de 1984 ficou questões que se punha para a última
Continuamos a recordar ‘momentos’ da história do Rali de marcado por uma situação que, etapa e mais concretamente para o
Portugal e esta semana lembramos o momento em que embora não se concretizando, fez troço de Arganil era a de se saber
correr muita tinta. A hipótese dos se a Lancia iria mudar de pneus ou
Rui Madeira foi do Céu ao Inferno. Em 1997, depois duma Lancia mudarem de pneus a meio não. De uma forma geral, havia duas
prova fabulosa, um capotanço a 10 km/h estragou tudo. do troço em Arganil. Já lá vão mais correntes: uma, da Pirelli, que era
de 34 anos desde esse dia, e uma contra a paragem; outra, por parte
Recordamos também quando se alvitrava mudar de pneus a boa questão para perceber é se, dos pilotos e dos responsáveis da
meio de um troço, ou se punham helicópteros a limpar o pó... com a tecnologia de hoje, seria equipa, que admitia a paragem. Seja
mais vantajoso um piloto parar a como for, a verdade é que o Fiorino,
José Luís Abreu meio de um troço longo, e colocar preparado para tal operação e que
[email protected] pneus novos. Era preciso as regras tinha constituído a ‘coqueluche’ de
permitirem, mas este é apenas um Monte Carlo, esteve no cruzamento
CONHEÇA ESTA E MUITAS exercício especulativo. Na altura para Mancelavisa pronto para
OUTRAS HISTÓRIAS EM AUTOSPORT.PT o AutoSport escreveu: “Uma das qualquer emergência. Uma coisa

>> autosport.pt

41

ficou desde logo determinada
de início: a haver mudança, tal
sucederia apenas na segunda
passagem, pois na primeira, com a
estrada ainda fria da noite gelada
que se fez sentir, os pneus não
se deterioravam tanto como na
segunda passagem, onde o calor
já poderia fazer os seus efeitos.
A expetativa era grande à partida
para o ‘segundo’ Arganil: Se Markku
Alén fosse a ganhar tempo a Hannu
Mikkola, poderia parar, para voltar
a atacar no final: caso contrário, o
piloto da Lancia só iria atrasar-se
ainda mais. No final, os homens da
Lancia não mudaram de pneus, Pelos
vistos, decisão acertada, pois Alén
acabou por perder pouco tempo
na segunda passagem depois de
ter ganhado a primeira, tendo os
pneus aguentado perfeitamente
o esforço.”

42

O GOLPREALIDDEEPMORTEUGSATL1R98E4 os carros não chegavam à assistência.Viviam- Portugal. Como se passaram as coisas?
DE GEISTDÖRFER se momentos de certo nervosismo pois não se Nada mais fácil.
sabia ao certo o que se passava na estrada. À entrada de Viseu, na primeira passagem,
Em toda a história do Mundial de Ralis é anos 80, e com as enormes lutas entre aAudi e Sabia-se que Mikkola, ao contrário do que Mikkola encostou o seu carro-antes da zona
normal falar-se de táticas e estratégias. Os a Lancia, a que se juntou mais tarde a Peugeot, se pensava, não perdia tempo, depois de ter de controlo tendo logo atrás de si o Quattro
responsáveis das equipas sempre andaram levou ao surgimento de ‘esquemas’ por parte caído a noite. de Rohrl.
a tentar descobrir formas de mitigar as das equipas. Normalmente, a mais inventiva era Também tinha chegado a notícia de que o Mikkola e Rohrl deixaram Massimo Biasion
dificuldades que já sabiam encontrar pela a Lancia, mas no Rali de Portuga de 1984 não finlandês da Audi estava a rodar com dois dirigir-se para a partida do troço e Rohrl
frente, quer fosse o pó, o desgaste dos carros, foi assim. Atente-se ao que relatámos na altura: minutos de diferença para Biasion, podendo passou o seu colega de equipa para controlar
dos pneus ou outras variáveis. O aumento “A agitação junto dos homens da Lancia era assim ter a estrada limpa de pó à sua frente, um minuto antes da sua hora ideal, o que
significativo do nível da competição a meio dos enorme no concessionário deViseu, enquanto o que o colocava em igualdade de condições lhe permitiria partir para o troço na hora em
com Markku Alén, o primeiro a passar, e por que normalmente Mikkola o deveria fazer. O
isso mesmo sem problemas de maior quanto à finlandês passava então a partir dois minutos
visibilidade. A dúvida era a de se saber se Rohrl depois de Biasion, tendo à sua frente Rohrl.
tinha penalizado por avanço ou se Mikkola tinha Este partia, e mal saía da zona de controlo
convencido o controlador da partida do troço encostava um minuto à espera que Mikkola
deViseu a dar-lhe um intervalo de dois minutos passasse e só depois voltava à estrada.
“por questões de segurança”. Chega Alén, com o Mikkola dispunha assim de dois minutos para o
seu ar agitado, mostrando-se irritado com essa concorrente da frente e era sempre o primeiro
situação. Explicámos-lhe que se calhar não foi Audi a chegar, pelo que a princípio os homens da
o controlador que o permitira, tal como Alén Lancia não compreenderam o que se passava.
pensava, mas sim uma jogada tática de Rohrl. Dizia-nos já em Tomar Maurizio Perissinot, o
Alén fica pensativo. Daí a momentos. Biasion navegador de Bettega: “Lembro-me que a partir
pede-nos para chegarmos de novo junto aAlén. de determinada altura, Arne Hertz nunca mais
O finlandês não tinha ainda percebido bem a veio controlar comigo e com o Siviero, como
‘tática’ e pede-nos para repetir. Desta feita não fazia normalmente. Mas nunca me passou
havia dúvidas: Alén compreendera e estava pela cabeça aquele esquema. Rohrl e Mikkola
furioso. Mas o que poderia ter feito a Lancia? mantiveram a sua tática na segunda passagem
Desportivamente, nada. Antidesportivamente, por Mões e Nogueira.
ter mandado afrouxar Biasion, para que o pó Para a entrada do segundo Viseu optaram por
deste continuasse a incomodar Mikkola. Só uma nova ‘variante’: Rohrl penalizou um minuto
que em qualquer dos casos, os homens da por atraso retomando a sua posição anterior,
marca italiana mostraram-se tão surpreendidos ou seja, atrás de Mikkola, mas mantendo este
com a jogada e nem conseguiram esboçar a os dois minutos de diferença para Biasion. Foi
mínimo resposta. Pela primeira vez em muitos um ‘golpe de mestre’ de Geistdörfer. Numa
anos, Cesare Fiorio e seus pares tinham sido política que se tem de aceitar, uma vez que
surpreendidos naquilo em que costumam ser não envolveu prejuízos diretos para terceiros,
mais fortes, a estratégia. já que tudo se tratou de uma tática de equipa.
Só que na Audi existe agora um Senhor Refira-se ainda que foi o próprio Geistdörfer
que se chama Christian Geistdörfer, e que que alvitrou esta estratégia a Mikkola, que
depois de muitos anos na escola italiana, nos confessou mais tarde nunca lhe ter
apreendeu os truques e também os sabe passado pela cabeça semelhante ‘jogada’.
por em prática. Em nosso entender, a Em questões de tática, a Lancia parece não
condução de Mikkola e a estratégia de estar mais sozinha.”
Geistdörfer permitiram à Audi conseguir Como se percebe, jogadas táticas estão longe
a sua terceira vitória consecutiva em de ser algo novo no WRC…

RALI DE PORTUGAL 1997

HARRI ROVANPERÄEADUREZADORALI

De telemóvel na mão Harri Rovenperä dava a triste notícia por dar nas vistas, liderando a F2 desde a primeira
a um familiar, na Finlândia. Fato de competição atado classificativa. Depois aconteceu o furo em Mortágua 2,
à cintura, camisola interior muito castanha, situação onde perdeu um minuto. “Para além do furo, ficámos sem
derivada do pó que ‘comeu’ nos últimos 1500 metros direção assistida. Uma situação que voltou a repetir-se
do troço, feitos a pé, na companhia do navegador,Voitto em Vieira-Cabeceiras, desta vez devido a uma pedra ter
Silander. Estávamos no final da primeira classificativa da partido a correia de assistência. Fiz mais dois troços
terceira etapa, Alvôco das Várzeas, e a equipa do Seat lbiza assim e perdi qualquer esperança de lutar pela vitória
oficial nº 22 tinha acabado de deixar o carro espanhol da F2. Contudo, já ficava contente se tivesse chegado
em pleno troço: “O motor começou a falhar na ligação ao pódio”, lugar que ocupava, quando desistiu. Mesmo
após o parque de Oliveira do Hospital, mas fizemos os assim, o finlandês, uma das nossas surpresas da edição
primeiros quilómetros sem problemas. Quando faltavam de 1997 do TAP, adorou o rali: “É fantástico. Alguns dos
3 km parou pela primeira vez.Ainda conseguimos colocá- troços são muito difíceis pois variam muito de ritmo, facto
lo de novo a trabalhar e fizemos mais quilómetro e meio, a que a maioria dos finlandeses não está habituado. É
quase ao ralenti. Aí, parou e não andou mais...”, afirmava duro para as mecânicas mas quando falo nisso o Voitto
o piloto nórdico, contratado pela Seat. “Já tínhamos tido diz sempre que devia ter feito a prova 10 anos antes ou
dois pequenos problemas, agora foi de vez”, continuou mais, ‘então sim verias o que era dureza’. Se era assim
Rovenperä, antes de falar sobre o rali, onde começou não sei como os carros aguentavam...”

>> autosport.pt

43

RALI DE PORTUGAL 1984

ARGANIL CONTROLADO
POR TERRA E AR

Hoje em dia, com os parques de assistência Assim, a marca italiana tinha três assistências passagem por Arganil, já que a sua vantagem
centrais, o Mundial de Ralis é bem diferente no meio do troço. Estas controlavam os tempos foi permanente”.
do que sucedia há três décadas, em que de Alén a uma certa distância, apressavam-se Hoje, deixou de ser possível os pilotos saberem
as assistências na estrada eram algo a escrever a diferença com fita isoladora num os tempos parciais nos troços, de modo a que
perfeitamente natural. Bastava seguir as papel e depois exibiam esse cartaz improvisado não façam uma gestão do seu andamento e
ligações da prova, e era fácil ir encontrando a Alén, num verdadeiro serviço de ‘box’ para o andem sempre o mais que puderem, e muito
pelo caminho antes e depois dos troços as finlandês saber o ritmo da sua prova. Por outro menos assistências a meio do troço. A única
carrinhas de assistência, que davam apoio lado, o helicóptero alugado pela Lancia voou ‘assistência’ que há hoje em dia a meio dos
aos sues pilotos. sempre bastante baixo e no pó de Mikkola para troços, é quando os espetadores ajudam a
Isto era verdade para a maioria dos troços da que a estrada ficasse clara para a passagem de colocar um carro sobre as quatro rodas…
prova, mas havia uma zona que era especial: Alén. Por seu turno, Mikkola montou com Roland
Arganil. Aí, valia tudo para ajudar os pilotos, Gumpert (que se encontrava no helicóptero) um
nem que fosse com assistências no meio do sistema de rádio, ficando com um canal não
troço, ou helicópteros a limpar o pó. Atente-se utilizado pela assistência em via aberta com
nesta história de 1984: “Num troço tão longo o helicóptero, de onde Gumpert controlava a
como Arganil e com características decisivas diferença para Alén. Caso Mikkola estivesse
para o rali, era natural que as duas equipas a perder terreno, o diretor da Audi entraria
interessadas na vitória se rodeassem de todos em contacto com Mikkola em pleno troço; se
os meios possíveis para assegurar aos seus Gumpert se mantivesse calado, é porque o
pilotos quer uma assistência rápida em caso de pilotodaAudi estavaemsituaçãodevantagem.
qualquer problema, quer uma informação dos Como se pode verificar pelos tempos, não
tempos que iam realizando. As táticas adotadas foi necessário a Gumpert interromper a
pela Audi e pela Lancia foram diferentes. concentração de Mikkola nesta segunda

RALI DE PORTUGAL 1997

O CAPOTANÇOQUE‘TRAMOU’ RUIMADEIRA

Poucos duvidavam, em 1997, de que quando, de forma que piloto e navegador não conseguem a atravessar-se, mas sem grande
Rui Madeira e Nuno Rodrigues da Silva explicar, o Subaru Impreza capotou e ficou poucos metros exagero, até que uma das rodas trancou.
estavam bastante bem encaminhados abaixo da estrada, numa zona onde era bem difícil de Capotámos muito devagar e ficámos
para dar sequência a uma carreira no voltar a colocá-lo na posição ideal: “Não tenho grande num buraco, direitos, sem hipótese
Mundial de Ralis, e o que estavam a explicação. Não tocámos em nada e de repente aconteceu de virmos para a estrada por meios
fazer no Rali de Portugal contribuía isto”, afirma, apontando para o carro, já na assistência da próprios”, explica Nuno Rodrigues da
e muito para reforçar essa quase Lixa, quando os mecânicos da Prodrive- Allstars tentavam Silva, mais conclusivo e muito, mesmo
certeza. Mas como tantas vezes reparar os estragos, os quais se limitavam, basicamente, muito, agradecido aos espetadores: “Aí,
acontece nos ralis, uma saída de ao pára-brisas partido… e pouco (muito pouco) mais. “Era eles demonstraram o seu carinho de uma
estrada transformou o que se poderia uma direita que classificamos como média longa/longa forma muito especial. Quase pegaram no
tornar numa bela história, no começo feita a uma velocidade longe do limite. O carro começou carro ao ‘colo’, colocando-o de novo na
doutra bem diferente. estrada. Não foi uma tarefa fácil, já que
Algum tempo depois, a Galp retirava o o buraco ainda era grande e obrigámos
‘tapete’ para uma participação no WRC a transmissão e os diferenciais a um
em ‘full-time’, e daí para a frente Rui esforço enorme.”
Madeira e Nuno Silva fizeram apenas A equipa portuguesa perdeu cerca de
um programa parcial, acabando por 30 minutos na operação, sendo ainda
vir correr para o Campeonato Nacional obrigada a fazer dois troços com o pára-
de Ralis. brisas partido, antes da chegada à Lixa.
Aquela madrasta classificativa da Aí, acreditámos, pelo desalento que
Cabreira, não traçou o destino, mas demonstrava, que Rui Madeira tivesse
ajudou, pois se a dupla confirmasse até ao fim da prova pensado em desistir, mas depois de uma conversa o piloto
o que estava a fazer até ali no Rali de Portugal, seria bem de Almada moralizou-se e voltou a estrada já com o Subaru
mais fácil aos decisores abrirem os cordões à bolsa. Mas minimamente reparado. O 19º lugar que então ocupava
o destino não quis assim. deixava-o fora da luta pelas melhores posições. Daí até à
Para muitos, era a classificativa mais temida, a reedição, Figueira da Foz, no dia seguinte, só lhe restava brilhar, com
depois de muitos anos, de parte do célebre troço da alguns tempos ‘canhão’ nos troços. Pelo caminho, e tendo
Cabreira, ainda que agora numa versão mais curta, menos em conta o que a seguir se passou, ficou a hipótese de subir
dura e denominada Vieira-Cabeceiras. Infelizmente, a 18ª ao pódio no final da prova. Mas como é usual dizer-se... só
especial do rali acabaria por ser a da grande desilusão não tem despistes, quem não anda depressa! E devagar foi
para Rui Madeira e Nuno Rodrigues da Silva. Estávamos coisa que o Rui Madeira não soube andar ao longo do rali.
ainda no início do troço, por volta do quilómetro sete,

+44

FORD

» FIESTA 1.0 ECOBOOST 125 CV ST-LINE 5P

NO MEIO ESTÁ A VIRTUDE! Filipe Pinto Mesquita em liga leve de 17’’ com 5x2 raios e aca-
[email protected] bamento Rock Metallic e a suspensão
Situado entre a versão de 100 e de 140 cv, o Ford Fiesta desportiva contribuem igualmente para
1.0 EcoBoost com 125 cv apresenta um bom equilíbrio Em 32 anos e sete gerações a imagem e o espírito mais desportivo
entre dinâmica, consumo, prazer de condução e preço. depois, o Ford Fiesta cresceu deste Fiesta, cujas linhas ficam mais
Equipado com a linha desportiva da Ford, “ST Line”, exatamente meio metro, acom- angulosas e energéticas.
tem ainda a vantagem de se transformar num pequeno panhando a tendência de cres- Não é preciso grande esforço para per-
desportivo. Ok… não morde, mas será que arranha? cimento dos modelos de seg- ceber que a personalidade desportiva do
mento B. Agora com estética Fiesta também transitou para o habitá-
LEIA MAIS ENSAIOS E ACOMPANHE ‘arejada’ e com o visual ‘ST Line’, o ar culo. O punho da alavanca das mudanças,
TODAS AS NOVIDADES EM AUTOSPORT.PT desportivo soma pontos com a adoção o volante (com fundo plano) e travão de
de equipamento exterior específico, de mão forrados em pele são exclusivos do
onde sobressaem a grelha superior, os ST-Line, mas os pedais desportivos em
pára-choques dianteiros e traseiros, as alumínio e os bancos dianteiros em estilo
saias laterais e difusores específicos, a desportivo, com tecido Ebony com pos-
que junta ainda um spoiler traseiro de pontos de acordo com a cor da carroçaria
atitude discreta, mas visível. As jantes e apoio lombar ajustável tornam tudo

>> autosport.pt/automais

45

FT/ F I C H A T É C N I C A

1.0 / 125 CV

GASOLINA

9,9 S

0-100 KM/H

4,3 L / 5,9 L (AUTOSPORT)

100 KM

98

G/KM- CO2

19 612€

PREÇO BASE

DESEMPENHO DO MOTOR /
EQUIPAMENTO

SOM DO MOTOR / POSIÇÃO DA ESCALA DO
CONTA-QUILÓMETROS E CONTA-ROTAÇÕES

MOTOR 3 CIL., INJ. DIRETA, TURBO POTÊNCIA
125 CV / 6000 RPM BINÁRIO 170 NM / 1400-
4500 RPM TRANSMISSÃO DIANTEIRA, CX.
MANUAL DE 6 VEL. SUSPENSÃO INDEPENDENTE
MCPHERSON À FRENTE E EIXO DE TORÇÃO ATRÁS
TRAVAGEM DV/D PESO 1164 KG MALA 303L
(ATÉ 984L) DEPÓSITO 42L
VEL. MÁX. 195 KM/H

ainda mais ‘racing’. Para que não haja ra menos confuso, com melhor leitura vai para o ar condicionado automátivo, tradicionais e fundamentais airbags de
qualquer ‘crise de identidade’, as soleiras e mais intuitivos) ajudam a tornar as o sistema de áudio com visor de ecrã condutor, passageiro, laterais dianteiros
das portas prateadas com a inscrição viagens ainda mais agradáveis… e não tátil a cores de 6,5”, o Ford SYNC 3, a e cortinas laterais insufláveis e o sistema
ST Line são outros dos pormenores que serão os 303 litros (984 com a segunda conetividade USB e para as seis colunas. de deteção de deflação de pneus. Mas,
fazem a diferença na ‘desportividade’. fila de bancos rebatida) disponibilizados Tapetes em veludo dianteiros e traseiros a verdade, é que depois de tudo isto há
O aumento da distância entre eixos per- pela bagageira a complicar essa tarefa. e botão de ignição Ford Power, sistema ainda a possibilidade de deixar o Fiesta
mitiu pequenos ganhos na habitabilida- Se há trunfo de que o Fiesta pode colocar Ford KeyFree e limitador de velocidade melhor equipado, graças também a uma
de, sobretudo nos lugares traseiros, ago- em ‘cima da mesa’ é a lista de equipa- completam o recheio interior de equi- vasta lista de opcionais.
ra a acomodarem confortavelmente dois mento de série que oferece. Sensores de pamento. Em termos de dispositivos de Equipado com motor EcoBoost de três
adultos. À frente os bancos envolventes distância de estacionamento traseiros e segurança, esta versão do Fiesta conta cilindros, 1.0 l de cilindrada, na variante
e confortáveis são o primeiro passo para espelhos retrovisores exteriores elétri- com ABS com distribuição electrónica intermédia de 125 cv, o Fiesta não de-
viagens com qualidade, que fatores cos rebatíveis e aquecidos com indicado- da força de travagem (EBD), com ESP – mora a revelar a suas aptidões dinâmi-
como o completo sistema de infoen- res de mudança de direção, com capas Controlo Electrónico de Estabilidade e cas, revelando-se ágil e minimamente
tretenimento (com diversos sub-menus na cor da carroçaria, são cortesia sem Assistência à travagem de emergência rápido (9.9s 0-100 km/h e 195 km/ de
dentro das categorias Audio, Telefone, pagamento extra, como também o são (EBA), para além do assistente de arran- velocidade máxima), tirando partido de
Navegação, Aplicações e Configuração) os faróis automáticos e os faróis de ne- que em subidas (HLA), o assistente de uma direção com a assistência correta
e os diversos controles no volante (ago- voeiro dianteiros. No interior, o destaque manutenção em faixa, sem esquecer os e uma suspensão 10 mm mais baixa
que na versão base, mas cuja firmeza
não trai em demasia o conforto. A nível
sonoro, os filtros encontrados pela Ford
para abafar o som exterior funcionam
bem, mas, nos regimes de rotação mais
elevados, o típico som dos motores de 3
cilindros é indisfarçável. Em todo caso,
com 125 cv de potência e um turbo que
ajuda o binário a ascender aos 170 Nm
logo a partir das 1400 rpm, o Fiesta é
desenvolto na resposta a baixos regimes,
o que permite que não seja necessário
andar sempre ‘agarrado’ à caixa manual
de seis velocidades, de relações longas
que ajudam nos consumos (5.9 l/100 km
reais, contra 4.3 l/100 km anunciados),
até porque, de uma maneira geral, o mo-
tor revela-se também muito ‘elástico’.
Equilíbrio é, pois, a palavra de ordem
nesta versão do Fiesta a que apenas o
preço de 19.612 € poderá condicionar o
acesso.

+

LEXUS

» LC 500H SPORT+

ÚNICO canicamente para a direita, sempre que (lugar do meio, não existe!), sofrem não só
‘pedimos’ para ver o computador de bordo; com o acesso e a saída, como também com
Há quem o diga exagerado, há quem o considere ou até mesmo do touchpad do sistema de a falta de altura. Já que, apesar do espaço
demasiado oriental; certo, porém, é que marca a paisagem, info-entretenimento, pouco funcional e suficiente para pernas, para quem tenha
por onde quer que passe. Eis o Lexus LC 500h, preciso, com a agravante do ecrã de 10,3” mais de 1,70 m, será viajar com a cabeça
um Gran Turismo híbrido de identidade única a cores, não ser táctil. encostada ao óculo... e num ambiente
Excelentes, pelo contrário, os bancos dian- claustrofóbico! Quase tanto quanto se
Francisco Cruz Exemplo deste ‘descaramento’ é a grelha teiros em pele e Alcantara, envolventes e devem sentir as duas malas de fim de
[email protected] já emblemática dos modelos Lexus, os confortáveis. No caso do condutor, a pro- semana, no alçapão que a Lexus chama
expressivos grupos ópticos, as linhas porcionar uma integração quase perfeita de bagageira!
Marcacujonomeé,naverda- marcantes de um corpo generoso, já para no cockpit e a oferecer quase tão bom Muito melhor, sem dúvida, o equipamento,
de, o acrónimo da expres- não falar nas enormes jantes de 21 polega- acesso à generalidade dos comandos, com o coupé de luxo a contemplar, de
são “Luxury Experience das, com pneus Michelin Pilot SuperSport. quanto má visibilidade em redor - feliz- série, praticamente tudo o que é possível
for the US” (“Uma expe- Bem menos expressivo é, porém, o inte- mente, sensores e câmaras são de série. ter neste carro. Excepção, apenas, a três
riência de Luxo para os rior, onde, além da excelência dos ma- Mas se o condutor vive com o coração nas coisas: a pintura metalizada (1.400€), uma
EUA”), o LC 500h é uma teriais, só mesmo algumas soluções, no mãos, com medo dos mais pequenos to- vulgar caixa de arrumação (65,31€) e o kit
das mais puras interpretações desse mínimo, imaginativas: é o caso dos botões ques, já os passageiros, e nomeadamente de primeiros socorros (9,07€).
mesmo princípio. Assumindo-se cla- rotativosquepermitemescolherosmodos os dos dois bancos individuais traseiros Já debaixo do capot, este tração traseira
ramente como uma proposta de luxo, de condução a saírem, tipo hastes, da cú-
a começar nas linhas, concebidas sem pula do painel de instrumentos; do próprio
quaisquer amarras, mas apenas en- painel de instrumentos, totalmente digital,
quanto fiel reprodução do concept LF-LC. mas cujo conta-rotações se desloca me-

FT/ F I C H A T É C N I C A

exibia uma motorização híbrida, mate- nota igualmente uma sonoridade mais Turismo singular, um tração traseira 3.5 / 359 CV
rializada no primeiro Sistema Híbrido rouca e funda, depois de um arranque de acelerações potentes, para disfrutar
Multifases, conjugando um motor V6 a feito invariavelmente em modo elétrico. em estrada aberta, a velocidades de HÍBRIDO
gasolina de 3.5 litros, com um avançado Quanto aos consumos, pouco ou nada cruzeiro muito para lá do legalmente
motor elétrico, apoiado por uma bate- a fazer, com as médias a ficarem, mes- permitido. Embora preservando sem- 5,0 S
ria híbrida de iões de lítio. A que se junta mo com o apoio elétrico, desagrada- pre o conforto.
depois uma inovadora transmissão CVT velmente altas; mais precisamente, a Bem apetrechado em termos de motor, 0-100 KM/H
elétrica (e-CVT) de 10 velocidades, com rondar os 11 l/100 km. com uma direção de excelente desempe-
controlo AI-SHIFT (Inteligência Artificial), Ainda assim, se há certeza a retirar nho, Suspensão Variável Adaptativa e Eixo 6,5 L / 11 L (AUTOSPORT)
sinónimo mais de elevada suavidade na de todo este pack tecnológico, é que, Traseiro Direccional, sem esquecer aquele
utilização, que propriamente de rapidez de desportivo ‘puro & duro’, ou até que é o chassis mais rígido na história 100 KM
nos processos. A esta característica, o mesmo de rival direto do Porsche 911 da Lexus, o LC 500h destaca-se, ainda,
sistema de propulsão acrescenta ainda (a Lexus afirma ter-se inspirado no pela facilidade na condução, sustentada 148
uma meritória progressividade na dis- carro alemão, para construir esta sua num desempenho irrepreensivelmente
ponibilização dos 359 cv de potência, proposta), o LC 500h tem muito pouco! preciso, estável e seguro. E sempre avelu- G/KM- CO2
até às 6.600 rpm, mesmo se com maior Pelo contrário, este coupé de luxo é dado, mas nunca irreverente, como seria
impetuosidade a partir, sensivelmente, de uma estirpe totalmente distinta, de esperar num desportivo puro. O que 132 140€
das 3.500 rpm. Altura a partir da qual se afirmando-se, antes, como um Gran também o faz único.
PREÇO BASE (VERSÃO)

EQUIPAMENTO / COMPORTAMENTO /
SISTEMA HÍBRIDO

FUNCIONALIDADE / BAGAGEIRA /
CONSUMOS

MOTOR DE COMBUSTÃO 6 CILINDROS EM V,
COM INJ. DIRECTA + SÍNCRONO, DE CORRENTE
ALTERNA, 3456 CM3 POTÊNCIA 299 CV / 6600
RPM BINÁRIO 348 NM / 4900 RPM MOTOR
ELÉTRICO TIPO SÍNCRONO, DE CORRENTE
ALTERNA BATERIA/VOLTAGEM: DE IÕES DE
LÍTIO/230 POTÊNCIA 179 CV / 132 KW BINÁRIO
300 NM POTÊNCIA COMBINADA 359 CV / 264
KW TRANSMISSÃO TRASEIRA, COM CX. AUT. CVT
DE 10 VEL. SUSPENSÃO MULTI-LINK À FRENTE E
ATRÁS TRAVAGEM DV/DV PESO 2060 KG MALA
172 L DEPÓSITO 82L VEL. MÁX. 250 KM/H

E/ Dando cumprimento ao estabelecido no n° mais importantes provas de desporto au- leitores uma informação atual, rigorosa abordagem e de análise dos factos noti-
1 do artigo 17° da Lei 2/99, de 13 de Janeiro, tomóvel disputadas em território nacional e de qualidade, opinando sobre tudo o ciosos, com total abertura à interatividade
ESTATUTO Lei da Imprensa, publica-se o Estatuto e no estrangeiro, relata acontecimentos que se passa na área do automóvel e dos com a sua comunidade de leitores. 4. O
EDITORIAL Editorial da publicação periódica AutoSport: ligados à competição automóvel, bem como automobilistas, numa perspetiva plural, re- AutoSport pratica um jornalismo pautado
1. O AutoSport é um semanário dedicado temas que versam o automóvel como bem cusando o sensacionalismo e respeitando pela isenção, sem comprometimentos
ao automóvel e aos automobilistas, nas de consumo, tanto na área industrial como a esfera da privacidade dos cidadãos. 3. ou enfeudamentos, tendo apenas como
suas mais distintas vertentes: desporto e comercial. O AutoSport pauta as suas opções edito- pressuposto editorial facultar a melhor
competição, comércio, indústria, segurança 2. O AutoSport está comprometido com riais por critérios de atualidade, interesse informação e a melhor formação aos seus
e problemática rodoviária. O AutoSport o exercício de um jornalismo formativo e informativo e qualidade, procurando apre- leitores, seguindo sempre as mais elemen-
edita, semanalmente, conteúdos sobre as informativo e procura oferecer aos seus sentar aos seus leitores a mais completa tares normas deontológicas.

PROPRIEDADE FOLLOW MEDIA COMUNICAÇÃO UNIPESSOAL, LDA. – NIPC 510430880, RUA MANUEL INÁCIO Nº8B 2770-223 PAÇO DE ARCOS REDAÇÃO RUA MANUEL INÁCIO Nº8B 2770-223 PAÇO DE ARCOS GERÊNCIA PEDRO CORRÊA MENDES
[email protected] DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES [email protected] DIRETOR-EXECUTIVO JOSÉ LUÍS ABREU [email protected] COLABORADORES ANDRÉ DUARTE, FRANCISCO MENDES, MARTIN HOLMES,
JORGE GIRÃO, JOÃO F. FARIA, JOÃO PICADO, NUNO BRANCO, NUNO BARRETO COSTA, RODRIGO FERNANDES E GUILHERME RIBEIRO FOTOGRAFIA AIFA/JORGE CUNHA, ANDRÉ LAVADINHO, ZOOM MOTORSPORT/ANTÓNIO SILVA
DESIGNER GRÁFICA ANA SILVA [email protected] IMPRESSÃO SOGAPAL, S. A.,SOC. GRÁFICA DA PAIÃ, S. A. DISTRIBUIÇÃO VASP – DISTRIBUIDORA DE PUBLICAÇÕES, S. A., TIRAGEM 15 000 EXEMPLARES REGISTO NA ERC 105448
DEPÓSITO LEGAL Nº 68970/73 – COPYRIGHT© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR. EMVIRTUDE DO DISPOSTO NO ARTIGO 68 Nº2, I) E J), ARTIGO 75º Nº2, M) DO CÓDIGO DO DIRETOR DE AUTOR E DOS DIREITOS
CONEXOS ARTIGOS 10º E 10º BIS DA CONV. DE BERNA, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS A REPRODUÇÃO, A DISTRIBUIÇÃO, A COMUNICAÇÃO PÚBLICA OU A COLOCAÇÃO À DISPOSIÇÃO, DA TOTALIDADE OU PARTE DOS CONTÉUDOS DESTA PUBLICAÇÃO,
COM FINS COMERCIAIS DIRETOS OU INDIRETOS, EM QUALQUER SUPORTE E POR QUAISQUER MEIOS TÉCNICOS, SEM A AUTORIZAÇÃO DA FOLLOWMEDIA COMUNICAÇÃO, UNIPESSOAL LDA. A FOLLOWMEDIA NÃO É RESPONSÁVEL PELO CONTÉUDO DOS
ANÚNCIOS. EDIÇÃO ESCRITA AO ABRIGO DO NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO. CONTACTO [email protected]

O MELHOR DO PORTO ESTÁ AQUI

VEJNÁDÀA!

Uma edição especial revista Urbana


Click to View FlipBook Version
Previous Book
Democracy 2
Next Book
schneider joseph Cultural Exchange Slideshow