The words you are searching are inside this book. To get more targeted content, please make full-text search by clicking here.
Discover the best professional documents and content resources in AnyFlip Document Base.
Search
Published by hmilheiro, 2018-10-22 16:08:43

AutoSport_2130

AutoSport_2130

#2130 O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES
ANO 40
40
24/10/2018
anos
2,35€ (CONT.)
>> autosport.pt
DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES
F1

RÄIKKÖNEN
VENCE GP EUA

5ANOS DEPOIS >> ÚLTIMO TRIUNFO
DO ICEMAN FOI NA

AUSTRÁLIA EM 2013

>> HAMILTON ADIA
CONQUISTA DO TÍTULO

ALGARVECLASSICFESTIVALTERMINOU EM FESTA

+FÓRMULAE FÉLIX DACOSTA
E BMWNAFRENTE MERCEDES-BENZ PEUGEOT
PÁG12 DJANGO 125
CLASSE C PÁG. 46
PÁG. 36



3

I/ I N S TA N TÂ N E O SIGA-NOS EM EDIÇÃO

#2130
24/10/2018

f l> > a u t o s p o r t . p t
facebook.com/autosportpt twitter.com/AutoSportPT

CÉNICO Um grande plantel, bons carros, belos troços e um parque fechado de cortar a respiração. Será assim, pelo quarto ano José Luís Abreu
consecutivo, o RallySpirit Altronix, um evento que cada vez mais se afirma na panorama nacional, onde os ‘Legends’ ganham espaço...
DIRETOR-EXECUTIVO
S/ SEMÁFORO EM DIRETO
[email protected]
PARADO A ARRANCAR A FUNDO “Na indústria automóvel, o
desporto está ao serviço do Confesso estar um pouco
Romain Grosjean está Lista incrível de Cinco anos e sete negócio e não o contrário”, preocupado com o futuro
em risco de ser banido grandes nomes na meses depois, Kimi do endurance, uma dis-
por uma corrida na F1. 32ª Edição da Baja Raikkonen regressou Jean-Philippe Imparato, Diretor da ciplina que aquando do
Portalegre 500, e aos triunfos na F1: marca Peugeot, justificando o fim da regresso da Porsche aos
Incidentes atrás de uma super-prova “Leave him alone, presença da Peugeot no WRX LMP1 parecia preparar-se
incidentes... em perspetiva pela he knows what he’s para continuar a crescer e a ganhar
“Não foi nada de especial importância, mas eis que de repente
frente... doing...” para mim. É algo muito maior tudo se desmoronou ao ponto de
para as outras pessoas. Se neste momento andarmos à procura
O SEMANÁRIO DOS CAMPEÕES NA ERA DIGITAL a vitória viesse, viria, se não da melhor solução para os novos
viesse, não mudaria nem um regulamentos, e como tudo se pode
bocado a minha vida” Kimi reconstruir.
Em dezembro o Conselho Mundial
Raikkonen, igual a si próprio... de FIA vai votar uma nova regula-
mentação depois de vários grupos
“Morremos na praia, depois de de trabalho terem desenvolvido a
liderar o Campeonato desde ideia dos ‘HyperCars’. Fala-se em
a primeira corrida...”, Miguel protótipos que não serão versões
dos super-carros existentes, mas
Ramos, que terminou o campeonato fica a sensação que há bem mais in-
com o mesmo número de pontos dos terrogações do que respostas. Para já
campeões nem falar nos adeptos. Até aqui tem
havido uma clara distinção, os LMP1,
Siga-nos nas redes sociais e saiba LMP2, GTE Pro, mas com a crise dos
tudo sobre o desporto motorizado no primeiros, tenta-se encontrar algo
computador, tablet ou smartphone via que fique acima dos LMP2, mas pelas
facebook (facebook.com/autosportpt), projeções que se viram, ficou sem se
twitter (AutosportPT) ou em saber se são protótipos ou Super GT
>> autosport.pt (não os japoneses). Mas estes não
são já os GTE Pro?
Decidam-se, mas decidam bem! A
única coisa que não pode acontecer
é prolongar por muito mais tem-
po o que sucede hoje em dia com
a Toyota a correr sozinha. Gosto da
ideia dos ‘HyperCars’, mas estes têm
que andar bem acima dos LMP2, que
é quase um troféu Dallara, Oreca
ou Ligier.
2044 dias depois, Kimi Raikkonen
voltou a vencer um Grande Prémio de
F1, algo que há muito merecia e que
só a ‘política’ da Ferrari não permitiu.
Há dois anos, pensava sinceramente
que o ‘Iceman’ já estava a mais na
F1, mas faço aqui um mea-culpa,
pois Raikkonen tem mostrado que
estava errado.

4 F1/
FÓRMULA 1
HAMILTON FALHA TÍTULOGP DOS EUA 18 DE 21
‘ICEMAN’ QUEBRAOGELO
Lewis Hamilton tinha tudo para garantir o seu quinto título no
Grande Prémio dos Estados Unidos, mas a muita indefinição
que reinou em Austin acabou por o impedir de conquistar tal
desiderato e, juntamente com a renovada competitividade da
Ferrari, assistir ao triunfo de Kimi Räikkönen

Jorge Girão
[email protected]

À luz dos últimos Grandes a corrida quanto à durabilidade dos de corrida e se, à semelhança do que Isso não se mostrou um problema
Prémios, o inglês tinha tudo macios, supermacios e ultramacios, aconteceu nas provas mais recentes, para o ‘Iceman’, que no arranque su-
para conquistar mais um as borrachas levadas pela companhia desgastava mais os pneus que o mo- plantou o inglês, apesar de este ter
cetro. O Mercedes W09 EQ italiana para o traçado do Texas. nolugar de Brackley. tentado apertar o homem da equipa
Power+ mostrava-se mais Por outro lado, a Ferrari, depois de Por entre o regozijo da competiti- de Maranello na aproximação à pri-
competitivo que o Ferrari perder o comboio do desenvolvimento vidade recuperada, a Ferrari sofria meira curva, que liderava a prova de
SF71-H desde Singapura e Sebastian após o verão, resolveu voltar atrás mais um golpe, uma vez que Vettel 56 voltas.
Vettel, juntamente com a Scuderia, e colocou o seu carro sem as mais não respeitou as bandeiras vermelhas Entretanto, Sebastian Vettel, determi-
colecionava erros desde a prova de recentes evoluções aerodinâmicas. na primeira sessão de treinos-livres nado em recuperar posições, levou o
Spa-Francorchamps. O resultado foi evidente. Hamilton de sexta-feira, o que lhe valeu uma seu esforço demasiado longe na luta
A corrida americana caracterizou-se assegurava mais uma pole position, penalização de três lugares na grelha que protagonizou com Daniel Ricciardo
pela indefinição climatérica no pri- mas tinha de se aplicar para bater os de partida. na primeira volta, e depois de um li-
meiro dia, o que impediu as equipas dois pilotos da equipa de Maranello, Kimi Räikkönen, que se qualificara geiro toque com o australiano, entrava
de conhecerem o comportamento dos que perderam menos de um décimo para a Q3 com pneus ultramacios con- em pião, caindo para 16º. A esperança
pneus Pirelli no Circuit of the Americas, de segundo para o inglês. tra supermacios dos restantes pilotos de uma vitória que ajudasse a manter
deixando inúmeras incógnitas para Era claro que o carro transalpino, em das Três Grandes, era ponta de lança vivas as suas aspirações na conquista
termos de performance pura, estava da Ferrari, muito embora estivesse do título esfumavam-se ao cabo de
ao nível do Mercedes. Ficava por se em desvantagem no que diz respeito alguns metros.
saber como seria em configuração a borrachas, face a Hamilton. Na frente da prova, esperava-se que

>> autosport.pt

5

os pneus de Räikkönen sucumbissem o acabaria por colocar numa estraté- 2044 Hamilton tudo tentou para suplantar
antes de os de Hamilton, que nunca gia de duas paragens, contra uma de o líder, mas este defendeu-se estoi-
esteve a mais de 2,6s do finlandês - na quase todos os outros – apenas Stoffel DIAS QUE KIMI RÄIKKÖNEN TEVE DE ESPERAR camente até à sua entrada nas boxes,
sétima volta - para passar a aproxi- Vandoorne, Pierre Gasly e Lance Stroll PARA VOLTAR A VENCER NA FÓRMULA 1, DEPOIS na 21ª volta, obrigando o seu persegui-
mar-se do líder a partir de então. adotaram o mesmo estratagema. DE TER CONQUISTADO O TRIUNFO NO GRANDE dor a perder mais de dois segundos
As borrachas do finlandês começa- Hamilton caía para terceiro, atrás de PRÉMIO DA AUSTRÁLIA DE 2013 por volta, relativamente ao seu ritmo
vam a ceder e o inglês estava à es- Räikkönen e de Bottas, e estava obri- potencial.
preita, quando no decorrer da nona gado a uma tarde de ataque para se O inglês tinha de ganhar vantagem
volta Daniel Ricciardo parava em pista manter com possibilidades de vencer para os seus perseguidores de modo
com problemas na bateria da unidade o Grande Prémio dos Estados Unidos a realizar a sua segunda paragem
de potência do seu Red Bull, o que da América. nas boxes sem perder posições, mas
provocou uma situação de Safety Car Com um ritmo diabólico, o tetracam- com 29 voltas cumpridas, Räikkönen
Virtual. peão mundial foi ganhando segundos começou a aproximar-se consisten-
A Mercedes via uma oportunidade atrás de segundos ao piloto da Ferrari temente do piloto da Mercedes, que
tática e instruiu que Hamilton fizes- – o finlandês da Mercedes, como era estava já com evidentes dificuldades
se o contrário de Räikkönen, quando esperado, estendeu a passadeira ver- nos seus Pirelli. Quando este entrou
passassem pela entrada das boxes. melha para o seu colega de equipa nas boxes para a sua segunda paragem
Quando o finlandês se manteve em passar – e oito voltas depois estava nas boxes, os dois estavam separados
pista, o inglês foi trocar de pneus, o que já encostado no carro de Maranello. por menos de nove segundos, longe

F1/
FÓRMULA 1

6

GP DOS EUA 1 8 D E 2 1

M/ MOMENTO F/ FIGURA

PARAGENS NAS BOXES - Kimi Räikkönen KIMI RÄIKKÖNEN - O finlandês mostrou que,
ajudou a sua causa ao ser mais forte no nos seus dias, ainda é um piloto a ter em
arranque, ultrapassando Hamilton, e ao conta. Foi mais forte no arranque, mostrando
manter o inglês na sua traseira até realizar determinação quando Hamilton o tentou
a sua única paragem na boxe. Mas foi apertar na aproximação à primeira curva, e
a estratégia da Mercedes, ao optar por mostrou mestria, quando com pneus bastante
chamar às boxes o seu piloto aquando usados, manteve o inglês no seu escape,
da situação de Safety Car Virtual, a fazer tendo este borrachas frescas. Desta forma,
pender a vitória para o lado do finlandês, impediu que o piloto da Mercedes pudesse
que venceu o seu primeiro Grande Prémio ganhar vantagem para realizar a sua segunda
na sua “segunda vida” na Ferrari. troca de pneus e voltar à pista no comando.

>> autosport.pt

7

VISITE NOSSO SITE PARA 6 +/ MAIS deram os resultados esperados, o que
VER MAIS FOTOS DA significou a perda de competitividade
PROVA AUTOSPORT.PT CIRCUITOS QUE ALBERGARAM O GRANDES MAX VERSTAPPEN face à Mercedes. Em Austin os
PRÉMIO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA O holandês viu a suspensão do seu homens Maranello colocaram em
2044 dias depois do GP – SEBRING, RIVERSIDE, WATKINS GLEN, Red Bull ceder durante a qualificação, pista a configuração do SF71-H que se
da Austrália de 2013, PHOENIX, INDIANÁPOLIS E CIRCUIT OF THE o que o obrigou a arrancar de 18º mostrou competitiva pela última vez
Kimi Raikkonen volta AMERICAS depois de a sua equipa lhe ter e, subitamente, mostraram-se capaz
a vencer um Grande substituído a caixa de velocidades. O de se bater de igual para igual com
Prémio de Fórmula 1 40º piloto de 21 anos não se atemorizou os Mercedes. Infelizmente para os
com o tamanho do desafio que o italianos, é já demasiado tarde para que
GRANDE PRÉMIO DOS ESTADOS UNIDOS DA esperava e encetou uma recuperação Vettel possa manter as suas aspirações
AMÉRICA. O PRIMEIRO REALIZOU-SE EM fulgurante que o levou até segundo. ao título, até por que o alemão voltou a
1959, EM SEBRING Para tal, Verstappen teve de se errar, mas Kimi Räikkönen aproveitou
defender de Hamilton no final da a competitividade renovada do seu
prova, que tinha pneus frescos no monolugar para vencer o seu primeiro
seu carro. Apesar de borrachas com Grande Prémio desde 2013.
bastante uso, o holandês defendeu-se
bem do inglês, com algumas lutas RENAULT
corpo a corpo pelo meio, assegurando Depois de se ter mostrado em
o segundo posto. dificuldades desde o meio da
temporada, a Renault voltou a
FERRARI ter uma boa corrida, conseguido
A formação de Maranello tem vindo colocar os seus dois pilotos nos
a passar por momentos difíceis dois primeiros lugares atrás das
desde que Sebastian Vettel venceu Três Grandes. Numa altura em que
o Grande Prémio da Bélgica, em se mostrava exposta à Haas na luta
agosto, com erros dos seus pilotos pelo quarto lugar no Campeonato de
e erros estratégicos. Para além Construtores, a Renault conseguiu
disso, as evoluções técnicas que um belo resultado no país da sua
introduziu após a pausa de verão não adversária, ganhando-lhe bastantes
pontos, até por que a equipa norte-
americana abandonou Austin a zero.

-/ MENOS

dos 18 que precisava. do fim, em que os dois pilotos fizeram SEBASTIAN VETTEL Num dia em que poderia ter vencido e
Hamilton perdia posições para o ho- inúmeras curvas lado a lado. O alemão chegou a Austin consciente que o seu rival esteve em dificuldades,
mem da Ferrari, Verstappen e Bottas, Räikkönen, que estava também ao de que teria de ter um fim de semana terminou apenas em quarto, perdendo
tendo agora pneus macios frescos para alcance de Verstappen, acabaria por perfeito para vencer a corrida e ainda mais pontos nas contas do
realizar um final de prova alucinante. vencer, cinco anos depois do seu úl- esperar que algo acontecesse a título, ao passo que Kimi Räikkönen
Uma vez mais, o finlandês da Mercedes timo triunfo, ao passo que o holandês, Hamilton para que pudesse reavivar venceu.
encostou para deixar passar o seu co- com uma recuperação notável desde as suas possibilidades de chegar ao
lega de equipa, que estava numa mis- 18º oitavo, terminava num excelente título ainda este ano. No entanto, VALTTERI BOTTAS
são, chegando à traseira de Verstappen segundo posto, relegando Hamilton Vettel abriu a sua conta de erros logo O finlandês esteve longe do seu
na 47ª volta, a nove da bandeirada de para terceiro. na primeira sessão de treinos-livres, colega de equipa ao longo de todo o
xadrez. Com o quarto lugar de Vettel, que ul- quando não reduziu decisivamente a fim de semana, e enquanto Hamilton
Com borrachas frescas, Hamilton tudo trapassou Bottas na penúltima volta, velocidade com bandeiras vermelhas. assegurou mais uma pole position,
fez para desfeitear o holandês, mas o inglês não conquistou ainda o seu Face ao sucedido, o piloto da Ferrari Bottas não foi além de terceiro na
este não deu qualquer possibilidade quinto título, precisando de somar sofreu uma penalização de três grelha de partida, perdendo quase
ao seu adversário, apesar de estar em cinco pontos no Grande Prémio do lugares na grelha de partida, o que quatro décimos de segundo para o
dificuldades com os pneus traseiros, México para se sagrar Campeão virtual o atirou para quinto, ao passo que inglês.
repelindo um forte ataque a duas voltas de 2018. Hamilton assegurava mais uma pole Na corrida, o piloto de 29 anos nunca
position. se mostrou capaz de lutar pelas
Na corrida, na ânsia de recuperar posições do pódio, quanto mais pela
lugares rapidamente, envolveu-se vitória, tendo mesmo perdido o quarto
numa luta intensa com Daniel posto para Vettel na penúltima volta.
Ricciardo logo na primeira volta e, à Durante a prova mostrou também
semelhança do que aconteceu em as suas recorrentes dificuldades
outras ocasiões, levou a pior, entrando em dobrar pilotos atrasados, o que
em pião e caindo para a cauda do acabou por o deixar ao alcance do
pelotão. piloto da Ferrari.

F1/
FÓRMULA 1

8

GP DOS EUA 1 8 D E 2 1

A SURPRESA DA RENAULT primeira curva, mas esse acabou por
ter pouco impacto no seu resultado.
ARenault chegou a Austin sua volta, beneficiando da guerra pelo the Americas e a formação de Enstone Os dois pilotos da Renault, com um
sabedora de que nas últimas título entre a Mercedes e a Ferrari, acabou por encontrar o caminho da andamento consistente, afastaram-se
semanas estava a perder ter- foram recebendo atualizações nos competitividade. dos seus perseguidores, ficando ao
reno competitivo no segundo respetivos V6 turbohíbridos. Decisões Nico Hulkenberg, mesmo sem ser o abrigo de qualquer ataque e rumando
pelotão, onde a Racing Point Force que permitiu até que a Alfa Romeo mais rápido do segundo pelotão, honra sem problemas para uma dobradinha
India e a Haas têm vindo a dominar Sauber fosse uma candidata regular alcançada por Esteban Ocon, assinou no segundo pelotão, o que significou
recentemente, mas com uma corrida à Q3 através de Charles Leclerc. o segundo crono da divisão, perdendo um sexto e um sétimo lugares graças
perfeita no Circuit of the Americas, Face a este panorama, não se esperava menos de um décimo de segundo para ao abandono de Daniel Ricciardo.
conseguiu uma dobradinha atrás das que a Renault pudesse lutar pelo topo o francês da Racing Point Force India Sem ritmo para os homens da for-
Três Grandes. do segundo pelotão no Grande Prémio e batendo Romain Grosjean. mação de Enstone, Ocon terminou
A formação de Enstone, depois um bom dos Estados Unidos. No dia da corrida, enquanto o francês em oitavo, mas no final da corrida
início de temporada, não conseguiu Contudo, a indefinição climatérica que da Haas se entretinha com toques com seria desclassificado (ndr.: ver pá-
manter o ritmo de desenvolvimento se sentiu em Austin – na prática, os Charles Leclerc, o alemão realizava gina 9), destino semelhante de Kevin
das suas adversárias após a pausa de treinos-livres de sexta-feira, realiza- um bom arranque suplantando Ocon. Magnussen, que cruzara a linha de
verão. Em parte devido à sua decisão dos com piso molhado, não serviram Carlos Sainz, por seu lado, 11º na quali- meta em nono.
de manter os seus monolugares equ- para nada – acabou por impedir que ficação, realizava um arranque eston- Sergio Pérez, que vira a bandeirada de
ipados com a versão B da sua unidade as equipas conhecessem o comporta- teante, ganhando quatro posições, xadrez em 10º, acabaria por ser pro-
de potência, enquanto as equipas à mento dos pneus da Pirelli no Circuit of após um duelo intenso com o gaulês movido a oitavo, seguido de Brendon
da Racing Point Force India. Hartley e Marcus Ericsson, que ficaram
O espanhol acabaria por ser penaliza- nas restantes posições pontuáveis.
do com um Stop & Go de cinco segun- A Renault acabava por ter, assim, um
dos, por ter recorrido à escapatória na resultado importante para as contas do
Campeonato de Construtores, abrindo
a sua vantagem para Haas para 22 pon-
tos precisamente no Grande Prémio
caseiro desta.

>> autosport.pt

9

PF/ PARQUE FECHADO GASOLINA

CAUSOU PROBLEMAS
Oconsumodegasolinafoiumadorde
cabeça ao longo de todo o Grande Ocon, tendo subido duas posições, o que poderia fazer melhor que sétimo. Ferrari, com a vitória de Kimi Räikkönen
Prémio e, no final, o carburante aca- promoveu o neozelandês da Toro Rosso No entanto, ao degrau mais baixo do pódio e o quarto lugar de Vettel face aos terceiro
bou por ser mesmo a causa das a nono e o sueco da Alfa Romeo Sauber do piloto da Mercedes, o piloto da Ferrari e quinto lugares de Hamilton e Bottas,
desclassificações sofridas por Esteban a 10º, depois de ter sustido os ataques de respondeu com um quarto posto, adiando recuperou terreno à Mercedes, 12 pontos,
Ocon e Kevin Magnussen. Stoffel Vandoorne na fase final da corrida. a decisão do título por mais uma corrida. estando agora separadas por 66 pontos,
O francês terminou no sétimo lugar, mas Hamilton ainda sem título Hamilton, porém, não tem uma tarefa quando estão ainda em liça 129.
após a bandeirada de xadrez a FIA revelou Depois do Grande Prémio dos Estado difícil para conquistar o seu quinto título Apesar do bom resultado em Austin,
que havia suspeitas de que o monolugar Unidos Lewis Hamilton está a apenas e igualar Juan Manuel Fangio, precisan- e do regresso da competitividade e às
da Racing Point Force India não teria res- cinco pontos do seu quinto título e ape- do apenas de cinco pontos para tal. Na vitórias, a empreitada da Scuderia não
peitado o regulamento técnico. nas algo de extraordinário o impedirá de prática, se o inglês terminar em sétimo o se afigura fácil, ao não depender ape-
Após verificar a telemetria do carro de garantir o Campeonato de Pilotos de 2018 Grande Prémio do México será Campeão, nas de si.
Ocon, os Comissários Técnicos concluíram na corrida do México, que se realiza no seja qual for o resultado de Vettel – uma Caso Vettel e Räikkönen monopolizem
que num dado momento, o limite máximo próximo fim de semana. classificação perfeitamente ao alcance do as duas primeiras posições em todas as
de fluxo de combustível - 105 kg/h - fora O inglês chegava a Austincom a possibi- piloto da Mercedes, atendendo ao equilí- corridas restantes, basta que Hamilton
ultrapassado, ditando a desclassificação lidade de selar o cetro, tendo de ganhar e brio competitivo que se vive atualmente. e Bottas terminem nos lugares ime-
do gaulês. Sebastian Vettel não ir além de terceiro e, NocampodoCampeonatodeConstrutores diatos em duas das provas e um deles
Os homens da equipa de Silverstone foram se terminasse em terceiro, o alemão não as contas são mais difíceis, até por que a em quarto no outro Grande Prémio.
rápidos a apontar que esta é uma situação
anormal, sem vantagem de performan-
ce, até porque, segundo eles, o problema
corrigiu-se automaticamente, tendo no
conjunto da volta o monolugar de Ocon
tido um consumo de acordo com a média
regulamentar.
Momentos mais tarde foi a vez de
Magnussen passar por uma situação
semelhante à do piloto da Racing Point
Force India, sendo também desclassifi-
cado, depois de ter terminado em nono.
O dinamarquês excedeu o consumo má-
ximo de combustível, que está limitado a
105 quilogramas, não respeitando o artigo
30.5 do Regulamento Desportivo.
Segundo Magnussen, no final da corrida
tinha ultrapassado em 100 gramas o limite
máximo de consumo regulamentar.
Brendon Hartley e Marcus Ericsson fo-
ram os grandes beneficiados com as
desclassificações do dinamarquês e de

SUSTO DA Envolvida na luta por ambos os títulos e numa fase
em que a fiabilidade é de capital importância, a
MERCEDES Mercedes passou por um susto após a qualificação
quando verificou que a bomba de água do carro de
Valtteri Bottas apresentou uma fuga de água e a
de Lewis Hamilton uma questão técnica.
A equipa de Brackley resolveu mudar o componente
de cada um dos carros antes da corrida de
domingo, montando bombas de água já usadas
e da mesma especificação, algo que é permitido
apesar de os monolugares ficarem sob parque
fechado após a sessão que define a grelha de
partida.
Ao longo da corrida nem Hamilton nem Bottas
sentiram problemas técnicos com os respetivos
componentes.

F1/
FÓRMULA 1

10

GP DOS EUA 1 8 D E 2 1

PF/ PARQUE FECHADO

FLUXO
ENTRE
FÓRMULA E
EFÓRMULA1
Nosúltimosdiastem-se assistido a
um intercambio entre a Fórmula 1 da Mercedes, ajudando a equipa de três anos com a Nissan para defender as Apesar do desagrado dos homens do
E e a Fórmula 1, com pilotos a cir- Brackley no desenvolvimento do seu cores do construtor nipónico na Fórmula construtor japonês, correm presente-
cularem em ambos os sentidos. monolugar de 2019. Se Vandoorne está E, o que o colocaria ao lado de Sébastien mente negociações no sentido de liber-
Por um lado, Stoffel Vandoorne, sem de malas aviadas do mundo dos Grandes Buemi, um piloto com ligações à Red Bull tar Albon - que está presentemente no
lugar na categoria máxima do despor- Prémios para o dos ePrixs, Alexander e que esteve ao serviço da Toro Rosso segundo lugar do Campeonato FIA de
to automóvel, rumou à disciplina da Albon poderá realizar o caminho in- entre 2009 e 2011. Fórmula 2 - do seu acordo para defender
FIA dedicada a monolugares elétricos, verso. Na semana passada Albon deveria ter a marca nipónica na Fórmula E e poder
encontrando guarida na formação de A Toro Rosso ainda não revelou quem estado na sessão de testes de Valência rumar à Fórmula 1 através da Toro Rosso.
Fórmula E da HWA, a equipa que será será o piloto que acompanhará Daniil que abriu a pré-temporada da Fórmula A entrada do inglês de origem tailandesa
responsável pela presença da Mercedes Kvyat, tendo nos últimos dias sido re- E, mas dada a atual situação, a formação na formação de Faenza deverá ser uma
na categoria a partir de 2019/2020. portado o interesse dos responsáveis da Nissan, que é gerida pela e.dams – o realidade, sendo apenas uma questão de
Paralelamente, o piloto de 26 anos reali- da equipa de Faenza em assegurar o braço da categoria da bem conheci- contrapartidas para a equipa do cam-
zará trabalho no simulador de Fórmula concurso do inglês de origem tailandesa, da DAMS – optou por colocar Oliver peonato de monolugares elétricos da
muito embora este tenha um contrato de Rowland no seu monolugar. equipa do construtor japonês.

PÉREZ ESTENDE Depois do furor do verão, o mercado de final da temporada. O mexicano estará, assim, Williams, que antevê dificuldades financeiras
PERMANÊNCIA pilotos tem estado mais calmo nas últimas seis temporadas ao serviço da formação por perder o apoio da Martini e por estar
EM SILVERSTONE semanas, mas ainda assim, antes do Grande de Silverstone, uma colaboração em que condenada ao 10º lugar do Campeonato de
Prémio dos Estados Unidos da América, Sergio alcançou cinco pódios ao longo de cinco Construtores, pretende ser compensada
Pérez foi confirmado pela Racing Point Force épocas, todos eles terceiros lugares. financeiramente para que o seu atual piloto
India, que deverá mudar de nome depois do Curiosamente, a Racing Point India não possa rumar à equipa do seu pai.
revelou o colega de equipa de Pérez, que A formação e Grove, por seu lado, tem ainda
deverá ser Lance Stroll. O pai do canadiano, por definir quem acompanhará George Russell
Lawrence Stroll, juntamente com um conjunto em 2019. Sergey Sirotkin continua a ser uma
de investidores do seu país, tomou o controlo opção, mas Robert Kubica, que ainda não
da formação fundada originalmente por Eddie perdeu a esperança de regressar à Fórmula
Jordan em 1991, esperando-se que o presente 1 como piloto titular, tem fortes pretensões
piloto da Williams deixe Grove para rumar a ao volante, tendo fortes apoios oriundos do
Silverstone, o que deixou alguma estranheza seu país.
no paddock por não ter sido anunciado Porém, Esteban Ocon perfila-se igualmente
aquando de Pérez. Contudo, o atraso poderá como um candidato ao lugar, mas a Mercedes
dever-se às negociações com a equipa terá de abrir os cordões à bolsa, na forma de
dirigida por Claire Williams para que esta desconto no fornecimento das suas unidades
liberte Stroll. de potência. Contudo, Toto Wolff poderá estar
Segundo alguns rumores, o acordo que liga tentado em deixar o seu piloto passar por um
as duas partes tem a duração de três anos, ano sabático para regressar em 2020 no lugar
estando presentemente no segundo. A de Valtteri Bottas na equipa de Brackley.

>> autosport.pt

11

C/ C L A S S I F I C A Ç Õ E S

GP DO EUA P R O VA 1 8 D E 2 1 PROVA TEMPO
CIRCUITO DAS AMÉRICAS VOLTAS
VOLTA MAIS RÁPIDA
21/10/2018 GERAL
VEL. MÁXIMA
5,513 KM 56 308,405 KM SEXTA SÁBADO DOMINGO GERAL
BOX

PERÍMETRO VOLTAS DISTÂNCIA TOTAL 1 KIMI RÄIKKÖNEN FERRARI SF71H 1:34:18.643 56 1:38.482 5 325.5 KM/H 13 1
1:38.246 2 332.5 KM/H 5 1
2 MAX VERSTAPPEN RED BULL RB14/TAG HEUER +1.281S 56 1:37.392 1 337.6 KM/H 3 2
1:38.280 3 338.1 KM/H 2 1
3 LEWIS HAMILTON MERCEDES W09 EQ POWER+ +2.342S 56 1:38.470 4 319.2 KM/H 14 1
1:39.548 8 325.8 KM/H 12 1
TREINOS LIVRES GRELHA DE PARTIDA 4 SEBASTIAN VETTEL FERRARI SF71H +18.222S 56 1:39.858 11 329.5 KM/H 9 1
1:39.992 13 336.7 KM/H 4 1
1 LEWIS HAMILTON Q3 5 VALTTERI BOTTAS MERCEDES W09 EQ POWER+ +24.744S 56 1:38.963 6 331.8 KM/H 6 1
MERCEDES 1:39.569 9 340.1 KM/H 1 1
1.ª SESSÃO TREINOS LIVRES 1:32.237 6 NICO HULKENBERG RENAULT RS18 +87.210S 56 1:39.915 12 316.5 KM/H 16 1
1:40.098 14 330.5 KM/H 8 1
PILOTO EQUIPA TEMPO/DIF. 7 CARLOS SAINZ RENAULT RS18 +94.994S 56 1:39.240 7 326.4 KM/H 10 1
1:39.646 10 330.7 KM/H 7 2
1 Lewis Hamilton MERCEDES 1:47.502 DC ESTEBAN OCON FORCE INDIA VJM11/MERCEDES +99.288S 56 1:40.522 16 325.8 KM/H 11 2
1:40.433 15 315.4 KM/H 18 3
2 Valtteri Bottas MERCEDES +1.304s 2 KIMI RÄIKKÖNEN DC KEVIN MAGNUSSEN HAAS VF-18/FERRARI +100.657S 56 1:41.982 18 316.4 KM/H 17 1
FERRARI 1:40.933 17 317.8 KM/H 15
3 Max Verstappen RED BULL RACING +1.345s 1:32.307 8 SERGIO PEREZ FORCE INDIA VJM11/MERCEDES +101.080S 56 285.7 KM/H 19 NT
268.0 KM/H 20
4 Daniel Ricciardo RED BULL RACING +1.824s 9 BRENDON HARTLEY TORO ROSSO STR13/HONDA +1 VOLTA 55

5 Sebastian Vettel FERRARI +1.987s 3 VALTTERI BOTTAS 10 MARCUS ERICSSON SAUBER C37/FERRARI +1 VOLTA 55
MERCEDES
6 Kimi Räikkönen FERRARI +2.426s 1:32.616 11 STOFFEL VANDOORNE MCLAREN MCL33/RENAULT +1 VOLTA 55

7 Carlos Sainz RENAULT +3.163s 12 PIERRE GASLY TORO ROSSO STR13/HONDA +1 VOLTA 55

8 Romain Grosjean HAAS FERRARI +3.319s 4 DANIEL RICCIARDO 13 SERGEY SIROTKIN WILLIAMS FW41/MERCEDES +1 VOLTA 55
RED BULL RACING
9 Charles Leclerc SAUBER FERRARI +3.459s 1:33.494 14 LANCE STROLL WILLIAMS FW41/MERCEDES +1 VOLTA 54

10 Marcus Ericsson SAUBER FERRARI +3.514s NT CHARLES LECLERC SAUBER C37/FERRARI DANOS ACID. 31

11 Fernando Alonso MCLAREN RENAULT +3.534s 5 SEBASTIAN VETTEL NT DANIEL RICCIARDO RED BULL RB14/TAG HEUER BATERIA 8
FERRARI
12 Lando Norris MCLAREN RENAULT +3.730s 1:32.298 NT ROMAIN GROSJEAN HAAS VF-18/FERRARI ACIDENTE 2

13 Pierre Gasly TORO ROSSO +3.732s 6 ESTEBAN OCON FERNANDO ALONSO MCLAREN MCL33/RENAULT DANOS ACID. 1
FORCE INDIA MERCEDES
14 Sergio Perez FORCE INDIA +3.957s 1:34.145 Nota: Esteban Ocon e Kevin Magnussen foram desclassificados devido a term infrigido as regras da utilização de combustível,
Ocon excedeu fluco e Magnussen usou mais do que os 105 Kg permitidos por corrida.
15 Sergey Sirotkin WILLIAMS +4.087s

16 Kevin Magnussen HAAS FERRARI +4.112s 7 NICO HULKENBERG
RENAULT
17 Esteban Ocon FORCE INDIA +4.153s 1:34.215

18 Nico Hulkenberg RENAULT +4.215s AUSTRÁLIA
BAHREIN
19 Lance Stroll WILLIAMS +4.394s 8 ROMAIN GROSJEAN CHINA
HAAS FERRARI AZERBAIJÃO
20 Sean Gelael TORO ROSSO +5.123s 1:34.250 ESPANHA
MÓNACO
CANADÁ
FRANÇA
ÁUSTRIA
GRÃ-BRETANHA
ALEMANHA
HUNGRIA
BÉLGICA
ITÁLIA
SINGAPURA
RÚSSIA
JAPÃO
EUA
MÉXICO
BRASIL
ABU DHABI

2.ª SESSÃO TREINOS LIVRES 9 CHARLES LECLERC
SAUBER FERRARI
PILOTO EQUIPA TEMPO/DIF. 1:34.420 PILOTOS

1 Lewis Hamilton MERCEDES 1:48.716 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21

2 Pierre Gasly TORO ROSSO +1.012s 10 SERGIO  PEREZ 1. L. HAMILTON 18 15 12 25 25 15 10 25 - 18 25 25 18 25 25 25 25 15 346

3 Max Verstappen RED BULL RACING +1.082s FORCE INDIA MERCEDES 2. S. VETTEL 25 25 4 12 12 18 25 10 15 25 - 18 25 12 15 15 8 12 276

4 Fernando Alonso MCLAREN RENAULT +3.012s 1:34.594 Q2 3. K. RAIKKONEN 15 - 15 18 - 12 8 15 18 15 15 15 - 18 10 12 10 25 221

5 Nico Hulkenberg RENAULT +3.492s 11 CARLOS SAINZ
4. V. BOTTAS 4 18 18 - 18 10 18 6 - 12 18 10 12 15 12 18 18 10 217
6 Brendon Hartley TORO ROSSO +3.789s RENAULT
5. M. VERSTAPPEN 8 - 10 - 15 2 15 18 25 - 12 - 15 10 18 10 15 18 191
7 Marcus Ericsson SAUBER FERRARI +4.354s 1:34.566

8 Stoffel Vandoorne MCLAREN RENAULT +4.638s 12 KEVIN  MAGNUSSEN 6. D. RICCIARDO 12 - 25 - 10 25 12 12 - 10 - 12 - - 8 8 12 - 146
HAAS FERRARI
9 Kimi Räikkönen FERRARI +4.727s 1:34.732 7. N. HULKENBERG 6 8 8 - - 4 6 2 - 8 10 - - - 1 - - 8 61
13 FERNANDO  ALONSO
10 Sebastian Vettel FERRARI +5.196s MCLAREN RENAULT Q1 8. S. PEREZ - - - 15 2 - - - 6 1 6 - 10 6 - 1 6 4 57
1:35.294
11 Charles Leclerc SAUBER FERRARI +5.385s 9. K. MAGNUSSEN - 10 1 - 8 - - 8 10 2 - 6 4 - - 4 - - 53

12 Lance Stroll WILLIAMS +5.921s 10. F. ALONSO 10 6 6 6 4 - - - 4 4 - 4 - - 6 - - - 50

13 Sergio Perez FORCE INDIA +6.247s 11. E. OCON - 1 - - - 8 2 - 8 6 4 - 8 8 - 2 2 - 49

14 Esteban Ocon FORCE INDIA +6.632s 14 SERGEY  SIROTKIN 12. C. SAINZ 1 - 2 10 6 1 4 4 - - - 2 - 4 4 - 1 6 45
WILLIAMS MERCEDES
15 Sergey Sirotkin WILLIAMS +6.730s 1:35.362 13. R. GROSJEAN - - - - - - - - 12 - 8 1 6 - - - 4 - 31

16 Carlos Sainz RENAULT 14. P. GASLY - 12 - - - 6 - - - - - 8 2 - - - - - 28

3.ª SESSÃO TREINOS LIVRES 15 LANCE  STROLL 15. C. LECLERC - - - 8 1 - 1 1 2 - - - - - 2 6 - - 21
WILLIAMS MERCEDES
PILOTO EQUIPA TEMPO/DIF. 1:35.480 16. S. VANDOORNE 2 4 - 2 - - - - - - - - - - - - - - 8

1 Sebastian Vettel FERRARI 1:33.797 16 MARCUS  ERICSSON 17. M. ERICSSON - 2 - - - - - - 1 - 2 - 1 - - - - 1 7
SAUBER FERRARI
2 Kimi Räikkönen FERRARI +0.046s 1:35.536 18. L. STROLL - - - 4 - - - - - - - - - 2 - - - - 6

3 Lewis Hamilton MERCEDES +0.073s 19. B. HARTLEY - - - 1 - - - - - - 1 - - - - - - 2 4

4 Valtteri Bottas MERCEDES +0.759s 17 STOFFEL VANDOORNE 20. S. SIROTKIN - - - - - - - - - - - - - 1 - - - - 1
MCLAREN RENAULT
5 Max Verstappen RED BULL RACING +0.906s 1:35.735

6 Daniel Ricciardo RED BULL RACING +1.113s

7 Charles Leclerc SAUBER FERRARI +1.568s 18 MAX  VERSTAPPEN
RED BULL RACING
8 Sergio Perez FORCE INDIA +1.614s 1:34.766 EQUIPAS

9 Carlos Sainz RENAULT +1.653s 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21

10 Romain Grosjean HAAS FERRARI +1.671s 19 PIERRE  GASLY 1. MERCEDES 22 33 30 25 43 25 28 31 - 30 43 35 30 40 37 43 43 25 563
TORO ROSSO HONDA
11 Esteban Ocon FORCE INDIA +1.765s 2. FERRARI 40 25 19 30 12 30 33 25 33 40 15 33 25 30 25 27 18 37 497

12 Pierre Gasly TORO ROSSO +1.916s 3. RED BULL TAG HEUER 20 - 35 - 25 27 27 30 25 10 12 12 15 10 26 18 27 18 337
20 BRENDON HARTLEY
13 Kevin Magnussen HAAS FERRARI +1.973s TORO ROSSO HONDA 4. RENAULT 7 8 10 10 6 5 10 6 - 8 10 2 - 4 5 - 1 14 106

14 Nico Hulkenberg RENAULT +2.085s 5. HAAS FERRARI - 10 1 - 8 - - 8 22 2 8 7 10 - - 4 4 - 84

15 Marcus Ericsson SAUBER FERRARI +2.203s 6. MCLAREN RENAULT 12 10 6 8 4 - - - 4 4 - 4 - - 6 - - - 58

16 Lance Stroll WILLIAMS +2.391s

17 Sergey Sirotkin WILLIAMS +2.396s Nota: Gasly e Hartley solicitaram partir do fim da grelha 7. FORCE INDIA - -1 - -15 -2 -8 -2 - -14 -7 -10 - 18 14 - 3 8 4 47
devido à utilização adicional de elementos da unidade
18 Stoffel Vandoorne MCLAREN RENAULT +2.505s 8. TORO ROSSO HONDA - 12 - 1 - 6 - - - - 1 8 2 - - - - 2 32
motriz. Hartley e Verstappen penalizados em cinco posições
19 Brendon Hartley TORO ROSSO +2.533s devido a troca não escalonada de caixa de velocidades. 9. SAUBER FERRARI - 2 - 8 1 - 1 1 3 - 2 - 1 - 2 6 - 1 28
Vettel penalizado em três posições devido a não ter
20 Fernando Alonso MCLAREN RENAULT +2.535s diminuído suficientemente a velocidade no TL1 10. WILLIAMS - - - 4 - - - - - - - - - 3 - - - - 7

PONTUAÇÃO 1.º 25 PTS 2.º 18 PTS 3.º 15 PTS 4.º 12 PTS 5.º 10 PTS 6.º 8 PTS 7.º 6 PTS 8.º 4 PTS 9.º 2 PTS 10.º 1 PT

FE/12
FÓRMULA E – TESTES DE VALÊNCIA
BMW
NA FRENTE
DA ‘NOVA’
FÓRMULA E
Boas notícias para António Félix da Costa. Depois de vários
anos a ‘penar’ na Fórmula E, a entrada da BMW tudo mudou
e as perspetivas são agora bem diferentes. Para já, o português
e a nova equipa bávara foram os melhores no primeiro teste...

José Luís Abreu mais próximo rival, o atual campeão da timo dia. Antonio Fuoco e Maxi Gunther e Felipe Massa (Venturi Fórmula E Team)
[email protected] Fórmula E, Jean-Èric Vergne, piloto da revezaram-se no carro da Geox Dragon são outros dois nomes bem conhecidos,
FOTOGRAFIA Oficiais DS Techeetah. Racing, sendo que ambos disputam um que se fixam agora na Fórmula E.
Esta foi a primeira vez que os pilotos es- lugar ao lado de José María Lopéz, o úni-
TevelugaremValênciaoprimeiro tiveram juntos na pista com o novo car- co confirmado. NÚMEROS DOS TESTES
confronto do ano na Fórmula E, ro, que tem agora mais potência, e quase A Nissan e.dams herdou o excelente pas- Tal como já referimos, a BMW colocou os
com um teste conjunto de três o dobro da capacidade da bateria. Nesta sado da Renault e.dams na disciplina, e seus dois pilotos no primeiro e terceiro lu-
dias no Circuito Ricardo Tormo. nova temporada deixa de haver troca de com uma equipa com muitas caras no- gares da tabela de melhores tempos da se-
A BMW i Andretti Motorsport carros e a estratégia altera-se um pouco, vas, manteve um dos pilotos mais cotados mana, no segundo ficou Jean-Èric Vergne,
destacou-se na tabela de tem- sendo que isso foi um dos aspetos que as do plantel, o campeão da segunda tem- da DS Techeetah Formula E Team. Jerome
pos, ao colocar os seus dois pilotos no equipas trabalharam em Valência. porada, Sébastien Buemi. A seu lado vai d’Ambrosio (Mahindra Racing) foi quarto
topo da tabela de tempos nos três dias. Para além disso, as equipas centraram estar Oliver Rowland, chamado à última com o seu Mahindra M5 Electro, na frente
António Félix da Costa foi o mais rápido o seu trabalho nas afinações dos mono- hora depois de se ter ficado a saber que de André Lotterer, segundo piloto da DS
no cômputo geral da semana. lugares, mas acima de tudo, em todo o Alex Albon pode estar a caminho da F1 e Techeetah Formula E Team.
Sendo certo que é ainda muito cedo para software de sistemas, fazendo diversas da Toro Rosso. Sébastien Buemi colocou o seu Nissan
tirar qualquer tipo de conclusões, já ficou simulações de corrida e mesmo uma se- O novo companheiro de equipa de Félix IM01 da Nissan e.dams na sexta posição,
no entanto claro que há equipas que pela mi-corrida de qualificação durante os tes- da Costa é Alexander Sims, piloto muito na frente de Lucas di Grassi, piloto da Audi
tendência que mostraram parecem ter tes. Nesta, com os pilotos a partirem das rápido nos GT e que rapidamente entrou Sport ABT Schaeffler.
um carro bem nascido. Acima de todas boxes sem qualquer ordem específica, os no ritmo da BMW i Andretti Motorsport, Felipe Massa, piloto da Venturi Formula E
está para já a BMW i Andretti Motorsport, BMW andaram na frente, mas a ‘vitória’ liderando a tabela de tempos em dois Team, colocou o seu Venturi VFE05 no 8º
o que é um enorme alívio para Félix da (Lucas di Drassi) e terceiro lugar (Daniel dias. Pascal Wehrlein (Mahindra Racing) lugar, na 12ª posição ficou o melhor carro
Costa, já que depois de várias épocas em Abt) foram para os Audi, com o carros de
que a Andretti se saldou como uma das Alexander Sims e Félix da Costa a termi-
piores equipas do plantel, este arranque narem em segundo e quarto.
da quinta temporada da Fórmula E traz
consigo perspetivas totalmente diferen- CARAS NOVAS
tes para o piloto luso.
Após três dias de testes no Circuito Não é só o carro que é novo para nesta
Ricardo Tormo, com a nova maquinaria quinta temporada, já que há muitas caras
da segunda geração de monolugares da novas no pitlane da Fórmula E. Por exem-
Fórmula E, a GEN2, Félix da Costa reali- plo, na nova equipa, HWA Racelab. Gary
zou o melhor tempo ao ‘cravar’ 1m16.977s, Paffett, recente Campeão do DTM, e Stoffel
quase quatro décimos na frente do seu Vandoorne, vindo da F1, estiveram ao vo-
lante, bem como Daniel Juncadella, no úl-

T/ T E M P O S >> autosport.pt

POS PILOTO EQUIPA CARRO TEMPO DIA 13
4ª FEIRA
1 ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA BMW I ANDRETTI MOTORSPORT BMW IFE.18 1:16.977 4ª FEIRA ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA
6ª FEIRA
2 JEAN-ERIC VERGNE DS TECHEETAH FORMULA E TEAM DS E-TENSE FE 19 1:17.342 4ª FEIRA VAMOS TER ARMAS PARA LUTAR
4ª FEIRA
3 ALEXANDER SIMS BMW I ANDRETTI MOTORSPORT BMW IFE.18 1:17.402 4ª FEIRA Como se pode calcular, António Félix da
4ª FEIRA Costa é um piloto feliz com o que sucedeu
4 JEROME D’AMBROSIO MAHINDRA RACING MAHINDRA M5 ELECTRO 1:17.431 4ª FEIRA em Valência. Sabendo-se que com carros
4ª FEIRA completamente novos, ninguém poderia
5 ANDRE LOTTERER DS TECHEETAH FORMULA E TEAM DS E-TENSE FE 19 1:17.437 4ª FEIRA ter qualquer ideia quanto à valia das
3ª FEIRA restantes equipas, a verdade é que,
6 SEBASTIEN BUEMI NISSAN E.DAMS NISSAN IM01 1:17.473 4ª FEIRA tal como referiu o piloto português:
6ª FEIRA “Chegámos aqui, abrimos as portas das
7 LUCAS DI GRASSI AUDI SPORT ABT SCHAEFFLER  AUDI E-TRON FE05 1:17.535 6ª FEIRA boxes e o carro foi logo rápido assim que
4ª FEIRA saiu para a pista”.
8 FELIPE MASSA VENTURI FORMULA E TEAM VENTURI VFE05 1:17.696 6ª FEIRA Na verdade, o que sentiu nos testes já o
4ª FEIRA entusiasmava, mas quando se roda lado
6ª FEIRA a lado com a concorrência é que se fica
4ª FEIRA a ter uma ideia da correlação de forças
4ª FEIRA e pelo que se viu até aqui, valeu a pena a travessia do deserto com a Andretti Autosport: “É uma
6ª FEIRA coisa que tem vindo a ser planeada de há dois anos para cá. Este plano foi todo criado antes do
6ª FEIRA início do meu último ano de DTM, ou seja, eu comprometi-me com a BMW a fazer com eles esta
4ª FEIRA época de Fórmula E, no início de 2016. Aí nem era sequer um projeto aprovado pela administração
6ª FEIRA da BMW, pelo que foi um risco que eu corri e por isso estou contente de ver que, para já, que
6ª FEIRA estamos cá, é um projeto que existe, mas acima de tudo que estamos competitivos, pois a BMW
fez um carro bom e competitivo”, começou por dizer Félix da Costa, que apesar dos números do
teste, tem consciência que estes são apenas os primeiros passos de um longo caminho: “Esta
pista é muito diferente face às que habitualmente temos na Fórmula E, mas é melhor estar à
frente do que atrás, obviamente. Em qualquer tipo de condições fomos rápidos logo desde as
primeiras voltas. Acho que vai ser uma época em que vamos ter armas para lutar. É difícil para já
traçar cenários e vou para a primeira corrida com as mesmas expectativas com que cheguei aqui,
que eram nulas, e depois quero andar o mais depressa possível, ver onde é que estamos e a partir
daí começar a pensar em objetivos”, explicou.
Sendo esta uma nova geração de carros, muito naturalmente todo o seu potencial, tanto
de ‘hardware’ como ‘software’, está longe de ser alcançado, pelo que sendo bom estar
na frente, há que continuar a trabalhar: “Há aqui várias áreas que eu sei que ainda temos
espaço para melhorar, e isso é ótimo. Acima de tudo não interessa muito estar à frente nos
testes. Claro que é bom, principalmente para os mecânicos, para a equipa, para a moral de
toda a gente, para a BMW em Munique, para as pessoas que lá estão e criaram este motor
elétrico, para mim também, saber que ainda sei guiar, não me esqueci, é bom, para levantar
a moral de toda a gente, mas agora é continuar a trabalhar e ver se conseguimos chegar
fortes à primeira corrida. Quanto às outras equipas, é difícil dizer, mas a minha primeira
impressão é que não há ninguém mal, talvez quem esteja a sofrer mais neste momento é a
Virgin, a única equipa que é compradora de uma unidade motriz, da Audi, eles não fizeram
testes como as restantes equipas, mas mais dia menos dia vão chegar lá. Ao fim de quatro
épocas toda a gente começa a ficar muito próxima, por isso, vai ser duro. Mas é bom ver que
o nosso trabalho está a dar frutos, vamos ver se é suficiente ou não.”

9 EDOARDO MORTARA VENTURI FORMULA E TEAM VENTURI VFE05 1:17.729

10 PASCAL WEHRLEIN MAHINDRA RACING MAHINDRA M5 ELECTRO 1:17.781

11 DANIEL ABT AUDI SPORT ABT SCHAEFFLER  AUDI E-TRON FE05 1:17.819

12 JOSE MARÍA LÓPEZ GEOX DRAGON RACING PENSKE EV-3 1:17.830

13 MITCH EVANS PANASONIC JAGUAR RACING JAGUAR I-TYPE 3 1:17.864

14 MAXIMILIAN GUNTHER GEOX DRAGON RACING PENSKE EV-3 1:17.947

15 STOFFEL VANDOORNE HWA RACELAB VENTURI VFE05 1:18.032

16 ROBIN FRIJNS ENVISION VIRGIN RACING AUDI E-TRON FE05 1:18.088

17 SAM BIRD ENVISION VIRGIN RACING AUDI E-TRON FE05 1:18.115

18 GARY PAFFETT HWA RACELAB VENTURI VFE05 1:18.164

19 TOM DILLMANN NIO FORMULA E TEAM NIO 004 1:18.217

20 OLIVER TURVEY NIO FORMULA E TEAM NIO 004 1:18.240

21 ANTONIO FUOCO GEOX DRAGON RACING PENSKE EV-3 1:18.284

22 J.D’AMBROSIO MAHINDRA RACING MAHINDRA M5 ELECTRO 1:18.409

23 NELSON PIQUET JR PANASONIC JAGUAR RACING JAGUAR I-TYPE 3 1:18.498

24 D.JUNCADELLA HWA RACELAB VENTURI VFE05 1:19.353

25 OLIVER ROWLAND NISSAN E.DAMS NISSAN IM01 1:20.416

da Geox Dragon Racing, o Penske EV-3 Portanto, há sinais, mas que não passam
de José María Lópéz, o Jaguar I-TYPE 3 disso, sendo que até ao início da competi-
de Mitch Evans foi 13º e o melhor Venturi ção, a 15 de dezembro na Arábia Saudita,
VFE05, da nova equipa HWA Racelab, foi muita coisa pode mudar.
o de Stoffel Vandoorne, que ficou em 15º, o Mas para o sabermos temos que espe-
que significa que há ainda significativas rar até lá, já que só aí todos voltaram a
discrepâncias entre as equipas. encontrar-se.

V/
VELOCIDADE

14 F Ó R M U L A E – T E S T E S D E V A L Ê N C I A

NISSANÉA da Nissan, nada mais nada menos que
a visão da empresa para mudar a forma
GRANDDAEFNÓORVMIUDLAADEE como os automóveis são alimentados,
A Nissan estreou-se na Fórmula E esta semana em Valência. Numa altura em que entra conduzidos e integrados na sociedade:
ao serviço a segunda geração do monolugar da Fórmula E, a Nissan torna-se a primeira “Para a primeira experiência da Nissan
marca nipónica a entrar na competição, substituindo a Renault na ligação à e.dams na Fórmula E faz todo o sentido estabe-
lecer uma parceria com a e.dams e po-
José Luís Abreu Fórmula E, o plantel cresce com a Nissan, pidas nas primeiras quatro temporadas der assim aproveitar a experiência desta
[email protected] que se junta à Audi Sport, BMW AG (tam- da Fórmula E. Por tudo isto, é um parcei- organização para chegar às vitórias, em
FOTOGRAFIA Oficiais bém uma novidade), DS Automobiles, ro perfeito para a Nissan, que comprou corridas e em campeonatos”, disse Roel
Jaguar Land Rover, Mahindra Racing, uma participação na equipa. de Vries, Vice-presidente Executivo e
AFórmula E soma e segue e a NextEV NIO, Penske Autosport e Venturi Sendo a Nissan a líder mundial em au- Diretor Global de Marketing e Estratégia
Nissan é uma excelente novi- Automobiles, sendo que para a sexta tem- tomóveis elétricos, e depois de mais de de Marca da Nissan:“O nível de competi-
dade deste ano. Com a Renault porada já estão ‘agendadas’ a Mercedes- 350.000 Nissan Leaf vendidos em todo o ção na Fórmula E será ainda mais intenso
a focar-se cada vez mais na Benz e a Porsche AG. mundo, está agora aberta a porta do Japão na quinta temporada, com novos chassis
Fórmula 1, a Nissan passa a Esta troca entre a Renault e a Nissan tem à competição. Logicamente, e como su- e motor, concebidos propositadamente
ocupar agora o seu lugar na toda a lógica, já que a e.dams, nascida cede com todos os grandes construtores, para esta competição. Para demonstrar
competição ‘elétrica’, substituindo os em 2013, é a mais bem sucedida equipa este novo programa desportivo da Nissan o nosso compromisso na nossa parceria,
franceses na ligação à e.dams e tornan- da história da competição, depois de ter na Fórmula E tem muito de Marketing en- a Nissan adquiriu agora uma participação
do-se desta forma a primeira marca ni- vencido os primeiros três títulos de equi- volvido, pois os nipónicos vão colocar um na organização e estamos entusiasma-
pónica a entrar na competição. pas, assegurado 15 triunfos em corridas, forte acento tónico neste nova ‘faceta de dos por trabalhar com o Jean-Paul Driot
À entrada da quinta temporada da 15 poles, 26 pódios, e 10 voltas mais rá- desempenho’ da Mobilidade Inteligente e a sua equipa”, disse.
Os testes já arrancaram em Valência, onde,
ironicamente, houve alguns contratem-
pos, já que um dos pilotos da equipa, Alex
Albon, está de saída, provavelmente para a
F1, e com isso, num dos dias, só Sébastien
Buémi testou, com a equipa a perder va-
lioso tempo de pista.
De qualquer forma, e depois de uma quarta
temporada mais apagada, a agora Nissan
e.dams vai procurar, pelo menos, os mes-
mos sucessos da sua aliada Renault nesta
competição.

>> autosport.pt

15

SÉBASTIEN BUEMI

ESTENOVOCARROÉUM GRANDEPASSO

Sébastien Buemi é um grande trunfo da Nissan e.dams, em geral, é um verdadeiro passo em frente. Penso que será As equipas não vão ter mais testes até à primeira corrida,
já que aos 29 anos o suíço é um dos melhores pilotos da entre dois a três segundos mais rápido que o GEN1, temos mais pelo que daqui para a frente só podem apoiar-se no trabalho
competição. Depois de ter passado pela Fórmula 1 com a Red 50kW de potência (200-250), o carro é mais pesado, por causa de casa que fizerem ‘dentro de portas’. Ninguém vai poder
Bull e corrido na Toro Rosso, venceu o Mundial de Endurance da bateria, mas pelo menos esta já irá durar toda a corrida. testar mais, eventualmente só um dia de filmagens, com os
de 2014, foi Campeão na segunda época da Fórmula E, segundo Curiosamente, o apoio aerodinâmico é menor, e era suposto ser habituais constrangimentos que isso acarreta e depois, Arábia
classificado na primeira e terceira épocas e contribuiu para os semelhante, mas as saias do difusor foram banidas”, explicou. Saudita para o arranque da Fórmula E a 15 de dezembro: “Ainda
três títulos consecutivos de equipas da e.dams. São dele os estamos a desenvolver coisas. Na primeira corrida veremos
recordes de piloto com mais triunfos e poles, ele que venceu onde estamos, espero que seja um começo melhor do que o
recentemente as 24 Horas de Le Mans com a Toyota: “A quinta ano passado (ndr.: a equipa começou mal a época e durante o
época vai representar um novo começo para mim de muitas ano só foram quatro vezes ao pódio). O carro é muito diferente,
formas”, começou por dizer Buemi. “Há muitas novidades: os pelo que vamos tentar começar o melhor possível. Pelo que
automóveis, o formato da corrida, os locais. Estou ansioso vi até aqui, a maioria das equipas está forte e tudo poderá
por continuar a trabalhar com a e.dams. A Nissan traz consigo decidir-se nos detalhes, em não cometer erros e ter boas
muito conhecimento dos VE para o campeonato e a e.dams tem estratégias. Não me parece que alguém vá dominar, mas não
sido uma equipa muito forte na Fórmula E desde o seu início, sabemos. A BMW parece estar forte, mas veremos quando
pelo que espero continuar a ser bem sucedido”, começou por começarmos a época. Do meu ponto de vista, serão os detalhes
dizer, antes de fazer um balanço dos testes: “Temos ainda a fazer a diferença como tem sucedido sempre na Fórmula E”,
muito para melhorar, mas também grande potencial. Gosto disse o piloto, que colocou o Nissan IM01 no sexto lugar no
muito deste novo carro, é um grande passo... a bateria, tudo final dos testes.

V/16
ALGARVE CLASSIC FESTIVAL
MUSEUVELOCIDADE
VIVO
A edição de 2018 do Algarve Classic Festival terminou com
mais um conjunto de excelentes corridas e com grandes
carros em pista. Um cenário que contribui para consolidar
o seu espaço na Europa e ajudar a impor-se como uma
referência como evento de desporto motorizado clássico

José Luís Abreu petir, a razão para que foram inicialmente
[email protected] criados”, disse.
FOTOGRAFIA AM Paquete Photo Esta foi a maior manifestação desportiva
de automóveis clássicos do sul da Europa,
Pelo Autódromo Internacional do tendo cerca de 270 carros e 30 motos ro-
Algarve desfilaram alguns dos dado em pista. Uma verdadeira festa para
mais importantes automóveis os adeptos, especialmente os mais conhe-
que fizeram muita da história do cedores, e que gostam da rica história do
desporto motorizado mundial. desporto motorizado mundial.
No Algarve Classic assistiu-se
a um excelente festival de automóveis HGPCA FÓRMULA 1 PRE-1966
clássicos, onde não faltaram Fórmula 1, Como seria de esperar, um dos momen-
antigos Sport-Protótipos estilo Le Mans, tos mais esperados era a entrada em pis-
Turismo e Grande Turismo, e mesmo mo- ta dos Fórmula 1 que fizeram história até
tos, com grelhas muito ricas e corridas 1966, os HGPCA Fórmula 1 Pre-1966. Miles
para todos os gostos. Griffith, em Lotus 16, triunfou na primeira
Para Diogo Ferrão, responsável máximo contenda, batendo o Lotus 18/21 de Peter
da Race Ready e co-organizador: “Este Horsman, ao passo que Rudi Friedrichs,
evento marca o final da temporada do em Cooper T53, completou o pódio. Na se-
Historic Racing internacional. Todos os gunda foi a vez de Peter Horsman vencer
anos equipas de mais de 20 países vêm ao no seu Lotus 18/21, sendo acompanha-
Algarve e trazem excelentes e raros car- do no pódio por Tom Dark, Cooper T51, e
ros que apaixonam todos aqueles que não Chris Drake, Cooper T71/73.
esquecem o fantástico passado da histó-
ria do automobilismo. As equipas gostam HTCC & TDT
de vir a um dos circuitos mais divertidos Também a HTCC & TDT, os carros de
e seguros da Europa. Paralelamente, o Turismo, assumiram o palco, assistindo-
público português tem a possibilidade de -se a lutas entre Ford, Rover, Volkwagen,
ver algumas das joias do automobilismo Mini e Triumph. Tal como se tinha verifi-
mundial, não só em exibição, mas a com- cado na qualificação a marca americana
levou a melhor e Tony Paxman impôs o
seu Escort Mk2, batendo Mike Peterkan,
Rover SD1, e Tom Shephard, Volkswagen

>> autosport.pt

17

Golf Mk1. Paul Mensley, no seu belo Ford podendo ser observados carros tão belos
RS500 HTC INV, foi quarto, na frente de e distintos como Jaguar Type D, Maserati
Steve Soper, em Ford Capri Mk3 S ‘Frank 250S, Jaguar Type C, Aston Martin DB2,
Jean’. Como se percebe, o que não faltou entre tantos outros. Acabou por ser o
foram bons carros para ver… Tojeiro Jaguar de James Cottingham e Max
Girado a levar a melhor na única corrida,
ALGARVE SPORTS CARS PRE-1975 concretizando a pole-position, depois de
Os Algarve Sports Cars Pre-1975 são os bater o Cooper Mónaco de Justin Maeers e
protótipos que recordam Le Mans. No cer- Charlie Martins e o Lister Knobbly de Chris
tame estes modelos fizeram estremecer Ward. Nesta categoria puderam tam-
bem o asfalto do Algarve com os seus po- bém ver-se: Cooper T38 WT, Rejo Mk3,
derosos motores. Com tantas máquinas Maserati 250S, Lotus XI, Bristol T24/25,
exóticas a digladiarem-se em pista e o Jaguar C-type, Connaught ALSR, AC Ace
som dos motores a troar nas encostas Bristol, Austin-Healey 100M, Aston Martin
da Serra do Caldeirão, acabou por ser o DB2, Jaguar XK140, OSCA 1600 GTZ, Jaguar
‘ameaçador’ Lola T70 de Andy Wolfe a XK120 e Kurtis 500S Corvette.
triunfar perante o sofisticado e ágil Osella
PA3 de John Spiers e o esguio Crossle 9S de GT & SPORTS CAR CUP GT PRE-1966
Daniel Pitchford, isto na primeira corrida.
Na segunda, voltou a ser o Lola T70 Andy Subiram também ao palco os GT e protó-
Wolf a triunfar, sendo acompanhado na tipos – GT & Sports Car Cup GT Pre-1966 –
subida ao pódio por mais dois concorren- uma competição para genuínos Pre-1966
tes munidos dos imponentes protótipos GT e Pre-1963 Sports-cars que tenham
criados por Eric Broadley. E pela pista an- competido no Campeonato do Mundo
daram ainda Chevron B8 GT, Royale RP17, de Resistência. Chris Chiles Jr. e Simon
McLaren M1B, etc… Garrad levaram a melhor, em AC Cobra,
na frente de um carro semelhante de Leo
PRE-1963 GT BY DK ENGINEERING Voyazides/Simon Hadfield e do Lotus Elan
Também os GT que fizeram história em La Shapecraft de Andrew Garside/Andy
Sarthe marcam presença no Autódromo Newall. Aqui viram-se ainda máquinas
InternacionaldoAlgarve,nacategoriaPre- como o Lotus Elan Shapecraft, Jaguar
1963 GT by DK Engineering. Carros como E-Type, TVR Grantura MkIII, Austin Healey
o Ferrari GTO ou o Jaguar Type E foram os 3000, Morgan Plus, Porsche 911 e MG B.
grandes protagonistas, tendo-se assistido
a boas lutas entre máquinas belíssimas. Na TURISMO – U2 TC
única corrida do programa, o Jaguar Type
E de James Cottingham/Massimiliano Igualmente interessante para o públi-
Girardo levou a melhor sobre o AC Cobra de co foi a corrida de carros de Turismo, U2
Martin Hunt e Patrick Blakeney-Edwards, TC. Os Ford Cortina/Ford Lotus Cortina,
ficando o Austin Healey 3000 de Alex Bell contudo, não deram hipóteses, monopo-
e Julian Thomas no degrau mais baixo do lizando o pódio, com Carlos Monteverde e
pódio. Pelo asfalto do AIA rodaram ain- Gary Pearson suplantado Graham Pattle
da carros como o Alfa Romeo Giulietta / Mark Burton e John Spiers. Correram
SV de Robert Barrie ou o Ginetta G4 de aindaumMorris MiniCooperSeumAlfa
Brian Lambert. Romeo Giulia Sprint.

MRL 50S SPORTS CARS THE LANSDOWNE & GP ORIGINALS
Nos protótipos dos anos cinquenta – MRL
50s Sports Cars – a colheita foi vintage, Por fim, as motos, com as Lansdowne, má-
quinas pré 1963 Group 1 e 2, e que tinham
como objetivo recriar o melhor e mais fiel
possível os sons e o espírito das corridas
de 1950 e dos inícios de 1960, tanto para
pilotos como para o público. A GP Originals
apresentam os sons e os cheiros do perío-
do Pós Clássico. 29 motos fizeram-se ao
asfalto algarvio, e a Yamaha foi a grande
dominadora da prova, tendo reservado
os quatro primeiros lugares.
Hudson Kennaugh, numa TZ350G, foi o
vencedor, sendo acompanhado na subi-
da ao pódio por Neil Gregory e Fernando
Mendes.
Depois do domínio das Yamaha, na corrida
dominical foi a vez da Waddon Rotax 1983
seimporpelasmãosdeGaryVines.Amar-
ca nipónica, ainda assim, teve presença
no pódio através da TZ de Phil Atkinson,
ficando a Norton Manx de Duncan Fitchett
no degrau mais baixo.

V/
VELOCIDADE

18

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O

CORRIDA 1

1º GASPAR/MAYER GASPAR FORD ESCORT RS 2000 H81-2000 21:12.730S

2º SOARES/MARTINS FORD ESCORT RS 2000 H81-2000 +6.937S

3º CIDRAIS/RODRIGUES VOLKSWAGEN SCIROCCO H81-1600 +8.122S

4º PINTO/LIBERAL VOLKSWAGEN GOLF GTI H81 -1600 +12.362S

5º LUIS SOUSA RIBEIRO JAGUAR XJS H81-MAX +29.254S

CORRIDA 2

1º DIAS PEDRO-PEREIRA FORD RS 2000 H81-2000 20:40.223S

2º LUIS SOUSA RIBEIRO JAGUAR XJS H81-MAX +43.097S

3º CORRÊA/CORRÊA FORD CAPRI 3.0 GT H-INV +54.106S

4º PINTO/LIBERAL VOLKSWAGEN GOLF GTI H81-1600 +1:06.931S

5º RUI MOURA VW GOLF GTI H-INV +1:44.017S

CSSGROUP1DIADE EMOÇÕES FORTES

José Luís Abreu
[email protected]
FOTOGRAFIA AM Paquete Photo

Entre 31 inscritos e muitas lutas em pista, Luís Sousa Ribeiro, no Jaguar XJS, venceu a classe Desta forma, Ricardo Pereira fez uma corrida solitária,
as duplas Fernando Gaspar/Fernando H81 e foi quinto da geral. Francisco Cardoso dominou terminando com mais de 40 segundos de avanço face a
Mayer Gaspar e Carlos Dias Pedro/Ricardo na classe 1052, com o seu Peugeot 104 ZS, sendo que Luís Sousa Ribeiro, que venceu nos H81. Cerveira Pinto,
Pereira dividiram os triunfos João Posser, no seu Datsun 1200, triunfou entre os em VW Golf GTI, foi quarto, no encalço dos Ford Capri
concorrentes da Production Class, superiorizando-se de Corrêa, triunfando entre os H81-1600.
OCSS Group 1 teve duas corridas distintas. a António Mendonça e a Guillermo Velasco. Na Production Class, João Posser manteve a sua inven-
Enquanto a primeira ficou marcada por um Na segunda corrida, Fernando Mayer Gaspar arrancou cibilidade, superiorizando-se a Jorge Pinto e a Raffa 78.
duelo empolgante pela vitória, na segunda, da pole, tendo ao lado Filipe Martins, mas os seus Ford Na classe 1052, o Peugeot 104 ZS de Francisco Cardoso
questões mecânicas foram determinantes Escort RS2000 fraquejaram, abandonando ambos. assegurou a sua segunda vitória do fim de semana.
para o desfecho da prova. O primeiro com problemas de transmissão e o segun- Fica a faltar disputar uma ronda da CSS Group 1, no
Na primeira corrida, Fernando Gaspar ar- do com dificuldades no motor. Estoril a 17 e 18 de novembro.
rancou da pole, mas foi surpreendido por Fernando
Soares, que no final da primeira volta liderava. Luís
Pedro Liberal, em VW Golf GTI, era terceiro.
Gaspar reagiu e passou o líder a três voltas do fim,
com o Ford Escort RS2000 de Soares a acusar proble-
mas de motor. Liberal era terceiro, mas a duas voltas
do final foi surpreendido por Afonso Cidrais, que no
seu VW Scirocco realizou uma recuperação notável,
chegando ao pódio vindo do 29º lugar e triunfando
entre os H81-1600.

TROFÉU MINI ANDRÉ PINTO C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O
E DUARTE AGUIAR DIVIDEM VITÓRIAS

CORRIDA 1 MINI COOPER 23:26.639S
1º PINTO/SETAS MINI COOPER 23:28.676S
2º SEPÚLVEDA/AGUIAR MINI COOPER 23:35.184S
3º DIAS-DIAS
CORRIDA 1 MINI COOPER 21:04.088S
1º SEPÚLVEDA/AGUIAR MINI COOPER 21:12.018S
2º DIAS/DIAS MINI COOPER 21:23.401S
3º LEAL/REGO

O Troféu Mini proporcionou duas corridas entusiasman- o comando. Contudo, André Pinto, vindo da quinta posição, assinou uma corrida irrepreensível até ao triunfo. José
tes no AIA, sendo mais um motivo de interesse do Algarve chegou à liderança e venceu na frente de Sepúlveda. Nuno Dias foi uma ameaça constante ao líder e terminou em
Classic Festival. Dias subiu de sétimo a terceiro, defendendo-se de segundo. O terceiro lugar foi alvo de um longo duelo
André Pinto triunfou na primeira corrida, com Duarte Rodrigo Macedo, com António Gago, que protagonizou entre Nelson Rego e Mário Marcão, e depois de várias
Aguiar a fazer o mesmo na segunda. Na primeira contenda, uma recuperação notável desde o último lugar, a che- ultrapassagens, Rego levou a melhor. Jorge Setas foi
Guilherme del Maso arrancou da pole position mas afun- gar a quarto. quinto, batendo Dal Maso. Falta apenas disputar uma
dou-se na classificação enquanto Luís Sepúlveda assumiu Na segunda corrida, Duarte Aguiar arrancou da pole e ronda do Troféu Mini, no Estoril a 17 e 18 de novembro.

FÓRMULAFORD SOUSA CAMPEÃO >> autosport.pt
ANTECIPADO
19

Hugo Hernandez e Diogo
Sousa repartiram os
triunfos na Fórmula Ford,
com este último a cotar-
se desde já como vencedor
virtual do Troféu ZETEC,
o primeiro das últimas
décadas a triunfar a uma
prova do fim

José Luís Abreu C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O
[email protected]
FOTOGRAFIA AM Paquete Photo 1ª CORRIDA DD F01 TUGA 21:15.160S
1º HUGO HERNANDEZ VAN DIEMEN RF03 ZETEC +5.880S
Foram mais de uma dezena de pi- 2º ANTÓNIO ALMEIDA VAN DIMEN 04 ZETEC +10.910S
lotos de três diferentes naciona- 3º 26 JOÃO SILVA VECTOR MG01 ZETEC +26.375S
lidades que deram corpo ao pe- 4º VITOR SAMPAIO VAN DIMEN 2000 ZETEC +32.650S
lotão da Fórmula Ford Portugal, 5º VASCO FERREIRA
que proporcionou boas corridas 20:40.165
no Algarve Classic Festival. A 2ª CORRIDA MYGALE SJ01 ZETEC +3.441S
grelha foi mais curta do que o que se 1º DIOGO SOUSA VECTOR MG01 ZETEC +20.215S
esperava em virtude da coincidência 2º VITOR SAMPAIO VAN DIEMEN RF98 VJ16 +22.117S
de datas com a final da Fórmula Ford 3º PAULO VIEIRA VAN DIMEN 2000 ZETEC +58.311S
Histórica Francesa e Inglesa, mas ainda 4º VASCO FERREIRA SWIFT SC96Z ZETEC
assim, foi um bom fim de semana para 5º ANDRÉ C. PINHEIRO
os fórmulas sem asas.
Na primeira corrida, marcada pelo apa- a quase quatro segundos de António rida terminou com três segundos de pódio ficou Paulo Vieira, inscrito na
recimento da chuva, Hugo Hernandez Almeida, o líder. vantagem para Vítor Sampaio, que classe VJ16.
venceu, ao passo que o líder Diogo Sousa aproximou-se consisten- fechou a prova em segundo, ao passo João Ralha, no seu Elden PH8 inscrito
do Troféu ZETEC abandonou. temente e assumiu o primeiro lugar que Vasco Ferreira foi quarto. na classe Kent 70, viu a bandeirada de
Diogo Sousa, autor da pole quando faltavam apenas três minutos António Almeida ficou pelo caminho xadrez no oitavo posto, ao passo que
position, arrancou que para a bandeirada de xadrez. devido a problemas de caixa de ve- Phillipe Bonny, em Tecno F3 1000, foi 10º,
nem uma seta e começou O vencedor do Troféu ZETEC e da cor- locidades. No degrau mais baixo do ficando entre os dois pilotos Rui Silva,
a cavar uma boa vanta- em Mygale SJ04. Rosário Sottomayor
gem. Já António Almeida abandonou logo na primeira volta, ao
não teve um bom início de passo que o outro inscrito na classe
corrida, caindo várias po- Tuga, Hugo Hernandes, em D&D FT01,
sições. Vasco Ferreira e Hugo que venceu a prova do dia anterior, nem
Hernandez perseguiam o lí- sequer alinhou para a última corrida.
der sem o conseguir acom- José Miguel Pinto, a competir na classe
panhar. Kent 90, terminou a primeira volta nas
No entanto, à sexta volta, o boxes para depois desistir.
líder do Troféu ZETEC teve Quando falta apenas disputar uma ron-
problemas elétricos no seu da da Fórmula Ford Portugal, no Estoril
monolugar e abandonou, a 17 e 18 de novembro, Diogo Sousa é já o
deixando António Almeida vencedor virtual do Troféu, dado deter
no comando. uma vantagem de 52 pontos para Vasco
Hugo Hernandez foi-se tor- Ferreira, quando estão 52 em jogo, de-
nando cada vez mais amea- sempatando a seu favor com o número
çador e suplantou o piloto do de vitórias.
Van Diemen RF03, cruzando
mais tarde a meta com quase
seis segundos de vantagem
para António Almeida, ven-
cendo ainda na classe Tuga.
António Almeida triunfou
entre os ZETEC, batendo
João Silva e Vítor Sampaio.
Nas restantes classes, Paulo
Vieira, na VJ16, terminou em
sexto da geral, ao passo que
José Miguel Pinto, Kent 90, foi
oitavo, seguido de Philippe
Bonny, F3 1000, e João Ralha, Kent 70.
Na segunda corrida, Diogo Sousa ar-
rancou de último depois dos problemas
elétricos da primeira corrida. O piloto do
Mygale SJ01 não se atemorizou e depres-
sa encetou uma boa recuperação. Com
dez minutos de prova, já era segundo,

V/
VELOCIDADE

20 A L G A R V E C L A S S I C F E S T I V A L

O BRILHO DOS FORD GT 40IBERIANHISTORICENDURANCE
Os Ford GT 40 dominaram por
completo as corridas do Iberian

Historic Endurance no AIA,
com as duplas Nolte/Funke e
Voyazides/Hadfield a triunfarem

José Luís Abreu C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O
[email protected]
FOTOGRAFIA AM Paquete Photo CORRIDA 1

Oextraordinário plantel que 1º NOLTE/FUNKE FORD GT40 H-GTP 21 VOLTAS
compõe o Iberian Historic H-GTP +19.450S
Endurance voltou a ‘desfilar’ 2º VOYAZIDES/HADFIELD FORD GT40 H-GTP +40.187S
com grande classe no fabu- H-1965 +42.545S
loso palco que é o Autódromo 3º CARLOS BARBOT MERLYN MK4 H-1976 +1:02.951S
Internacional do Algarve. O Ford
GT 40 foi o Rei da Festa, quer à chuva, como 4º ANDREW HADDON LOTUS ELAN 26R
sucedeu no primeiro embate, bem como
na segunda, já com o sol a brilhar. 5º S. BRIZIDO/P. CARDOSO PORSCHE 911 3.0 RS
George Nolte e Michel Funke triunfaram
na primeira corrida, aproveitando os pro- CORRIDA 2
blemas mecânicos de Leo Voyazides e
Simon Hadfield, mas estes ‘vingaram-se’ 1º VOYAZIDES/HADFIELD FORD GT40 H-GTP 23 VOLTAS
na segunda, impondo o seu Ford GT40.
Na primeira corrida pode dizer-se que 2º NOLTE/FUNKE FORD GT40 H-GTP +6.587S
os Ford ‘dançaram’ na chuva algarvia!
Na grelha, meia centena de máquinas de 3º S. BRIZIDO/P. CARDOSO PORSCHE 911 3.0 RS H-1976 +19.768S
sonho, mas com o piso escorregadio não
faltaram incidentes. 4º TICE/CONOLEY MARCOS 1800 GTS H-1965 +1:05.235S tinha argumentos para contrariar Alexandre Guimarães e Manuel Melo, em
O Alfa Romeo GT Am de Christian o poderoso carro norte-americano, Lotus Elan, triunfaram na classe H-1971 e
Oldendorff/José Monroy entrava em pião, 5º RIBEIRO/FERNANDES FORD ESCORT RS2000 HC +1:11.121S na sua traseira, separados por milésimas
logo na segunda volta, sendo atingindo de segundo, numa luta fantástica, ficaram
pelo Datsun Sunny de Paulo Antunes/ que venceu facilmente. António Gutierrez em Porsche 911ST e a
Ricardo Diniz, o que levou à entrada em dupla Dal Maso/Carvalhosa, também em
pista do Safety Car. lhorentreosconcorrentesdaclasseGDS. Ograndemotivodeinteresseacaboupor Porsche 2,5 ST.
O majestoso Ford GT de Voyazides/ Na classe GDS foi a vez de Richard
Hadfield liderava imperturbável desde o GonçaloSilva/DomingosSousa,emMGB, serarecuperaçãodeGeorgeNolte/Michel Parsons/Peter Illingworth, em Mini
arranque, enquanto o outro Ford GT 40 de Cooper S, levar a melhor. Nas restantes
Nolte/Funke, autor da pole position, caía e Richard Parsons/Peter Illingworth, em Funke. Depois de caírem para o 13º lugar, posições do pódio ficaram Paul Rayment/
para a cauda do pelotão. A quatro minutos James Wheeler, que dividiram um MG B
da bandeirada de xadrez, o Ford GT dos MiniCooperS,ficaramporestaordemnas iniciaram uma boa recuperação que os Roadster, e James Willis, em MG Midget
líderes teve problemas técnicos, o que Coupé. Vincent Torneur, em Porsche 356
permitiu à dupla Nolte/Funke, que recu- restantes posições do pódio da classe. levou ao segundo posto. Speedster, foi o vencedor do BMR Index
perou, ascender ao comando e triunfar. Performance, dominando o fim de se-
Carlos Barbot e Pedro Matos pouco pu- Nasegundacorrida,depoisdadesilusãodo Na terceira posição ficou o Porsche 911 mana.
deram fazer face às duplas dos Ford GT, A próxima ronda do Iberian Historic
tendo o duo do Merlyn Mk4 assegurado dia anterior, o duo Leo Voyazides/Simon 3.0 RS de Carlos Sena Brizido/João Pina Endurance realiza-se no Estoril nos pró-
ainda assim o terceiro posto da geral e o ximos dias 17 e 18 de novembro.
triunfo na classe H-GTP. Hadfield impôs o seu Ford GT40, domi- Cardoso, que venceu também a clas-
Mark Martin/Andrew Haddon triunfaram
nos H-1965. Na classe H-1976 assistiu- nandoacorrida,jáqueoarranqueacabou se H-1976, seguido por George Pochiol
-se a uma luta animada pela vitória, en-
tre os Porsche 911 3.0 RS de Carlos Sena por ser madrasto para o GT40 de Nolte e em Ford Capri e Paulo Sousa em Saab
Brizido/João Pina Cardoso e de Juan Carlos
Zorrilla/Tomas Moreno e o Ford Capri de Funke,quecompletavamaprimeiravolta Sonett III.
PaulPochiol/JamesHanson.A dupla por-
tuguesa acabaria por se impor. apenas no oitavo posto. O Marcos de 1800 GTS de Allen Tice/Chris
Alexandre Guimarães e Manuel Melo le-
varam o seu belo Lotus Elan ao triunfo na CarlosBarbotabandonoulogonaprimeira Conoley terminou em quarto, primeiro
classe H-1971. Por seu turno, a dupla Paul
Rayment/James Wheeler, aos comandos volta,comproblemasnoseuMerlynMk4. dos H-1965. O Lotus Elan de Francisco
de um elegante MG B Roadster, foi a me-
LeoVoyazides/SimonHadfieldlideravam, Albuquerque alcançou a 2ª posição e a

seguidos do Porsche 911 RS 3.0 de Juan dupla Thomas/Lockie em Ford Falcon

Carlos Zorrilla/Tomas Moreno, que não ficou em terceiro.

>> autosport.pt

21

CAMPEONATO DE PORTUGAL

PEDRO ALVESDEVELOCIDADELEGENDS(CPVL)
CAMPEÃO L99

Fechou com chave de ouro a temporada dos Legends
com Pedro Alves e António Barros a dividirem os triunfos

nas corridas, com o piloto do Citroën Saxo vermelho a
confirmar o título nos L99

José Luís Abreu C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O
[email protected]
FOTOGRAFIA Nuno Organista CORRIDA 1

OAutódromo Internacional do 1º PEDRO ALVES CITROEN SAXO L99/2000 17:36.138
Algarve, em Portimão, recebeu
a jornada de encerramento dos 2º JOSÉ MEIRELES TOYOTA C ARINA E L99/2000 +24.062S
Legends (CPVL), com os pilotos
a proporcionarem ao público 3º NUNO FIGUEIREDO VOLVO 850 T5 ESTATE L99 +35.163
corridas com poucas lutas, ter-
minando ambas com grandes margens 4º SÉRGIO PINTO HONDA C IVIC ESPECIAL +1:13.996
entre os pilotos.
Na primeira corrida, Nuno Figueiredo 5º EDUARDO PASSOS BMW M3 E36 ESPECIAL +2:06.094
(Volvo 850 Estate) fez um bom arran-
que e foi para a frente, com Pedro Alves CORRIDA 2
(Citroën Saxo) a pressionar. Ainda a pri-
meira volta não tinha terminado e já o 1º ANTÓNIO BARROS BMW M3 L99 26:34.872S
Saxo vermelho liderava.
Os homens da frente destacavam-se. 2º JOSÉ MEIRELES TOYOTA CARINA E L99/2000 +7.485
Pedro Alves isolou-se e Nuno Figueiredo
era pressionado por José Meireles (Toyota 3º NUNO FIGUEIREDO VOLVO 850 T5 ESTATE L99 +27.052S
Carina E) e Sérgio Pinto (Honda Civic),
4º SÉRGIO PINTO HONDA CIVIC ESPECIAL +49.282S

5º EDUARDO PASSOS BMW M3 E36 ESPECIAL +1:53.557S

que também andava por perto. António ta, devido a óleo no piso, e pouco depois (Toyota Carina E) na partida. António
Barros, que teve problemas no BMW M3 a corrida terminou com uma bandeira Barros (BMW M3) ‘furou’ desde o fundo
nos treinos, rapidamente recuperou do vermelha. grelha, subindo até segundo.
fim da grelha, mas quando já era quin- Desta forma, Pedro Alves venceu nos Contudo, Pedro Alves teve problemas
to, rumava às boxes com problemas no L99/2000 e Pedro Fonseca (Toyota com o Saxo, queixando-se duma vibra-
seu carro. Pelo caminho tinha também Starlet) foi o melhor nos L99 1300. Nos ção e António Barros assumiu o coman-
já ficado Olavo Ribeiro (Toyota Starlet). L90 a vitória foi de António Castro (VW do. José Meireles trocou de posição com
À terceira volta, José Meireles subiu para Golf GTI). Sérgio Pinto (Honda CIvic) foi o Nuno Figueiredo e Sérgio Pinto (Honda
segundo, por troca com Nuno Figueiredo. melhor da Categoria Especial. No Desafio Civic) chegou-se à traseira da Volvo T5
Sérgio Pinto era o primeiro da categoria Único FEUP 2, o vencedor foi Pedro Pinto Estate. Após duas voltas, Pedro Alves
Especial. António Castro (VW Golf GTI) (Fiat Punto). regressou à pista, mas voltou a rumar
era o melhor dos L90 e logo a seguir vi- Na segunda corrida, Pedro Alves (Citroën definitivamente às boxes.
nha Pedro Pinto (Fiat Punto), o melhor de Saxo) voltou a partir na frente e Nuno Barros controlava a corrida, cinco segun-
entre o Desafio FEUP 2. Figueiredo (Volvo 850 T5 Estate) era no- dos na frente de José Meireles, 10 segundos
Entretanto, o Safety Car entrou em pis- vamente surpreendido por José Meireles mais atrás vinha Nuno Figueiredo, com
Sérgio Pinto muito próximo da traseira.
A corrida chegava ao fim com o triunfo
de António Barros (L99), José Meireles em
segundo e melhor dos L99/2000. Sérgio
Pinto venceu a categoria Especial. Marco
Basílio triunfou nos L90/2000, Simplício
Taveira fez o mesmo nos L90/1300 e Tiago
Montes ganhou no Desafio Único FEUP 2.
Feitas as contas do campeonato, Pedro
Alves venceu os L99, o título que fal-
tava decidir. Recordando os restantes
campeões: Legends 90, António Castro/
Manuel Mota; Legends até 2000 cc, Pedro
Alves; Categoria especial, E. Passos;
FEUP3, Hélder Moura; FEUP2, Paulo
Ferraz/Pedro Carvalho; e Legends 1300,
Pedro Fonseca.

V/
VELOCIDADE

22 A L G A R V E C L A S S I C F E S T I V A L

CAMPEONATO
DE PORTUGAL
DE VELOCIDADE

CLÁSSICOS

O Autódromo Internacional
do Algarve recebeu a
derradeira jornada do

Campeonato de Portugal de
Velocidade Clássicos (CPVC),

onde ficaram definidos os
campeões em falta. Nos

Clássicos, Rui Costa venceu as
duas corridas e com isso foi
Campeão dos H75. Nos 1300,
os triunfos dividiram-se…

OS CAMPEÕES
QUE FALTAVAM

José Luís Abreu Escort depressa se colocaram na frente. tagem mínima de três décimas sobre veitar para se colocar entre ambos. Na
[email protected] Rui Costa foi para a dianteira da corrida Paulo Duarte. João Cruz (BMW 323i) ven- frente dos H71, Filipe Matias recuperou a
FOTOGRAFIA Nuno Organista e dos H75, seguido de Rómulo Mineiro, ceu o Grupo 1 e ganhou mais uns pontos liderança, passando Joaquim Soares. Mais
líder no Grupo 5. Um pouco atrás discu- preciosos a Pedro Serrador. João Carlos atrás, em 12º, rodava João Cruz (BMW 323i),
Foi num palco de excelência que tia-se a primazia nos H71, com Joaquim Vieira (VW Karmann Ghia) foi o melhor líder do Grupo 1.
terminou a época dos Clássicos Soares (Lotus Elan) na frente de Filipe dos H65 e também ele se tornou logo vir- Rui Costa venceu a corrida e o campeo-
em Portugal. O Autódromo Matias (Lotus Elan +2). Vítor Araújo tual vencedor da categoria. nato nos H75. Rómulo Mineiro foi o segun-
Internacional do Algarve rece- (Datsun 1200) era o quinto, mas a sua Na segunda corrida, Rui Costa arrancou do a cortar a meta e triunfou também no
beu as duas últimas corridas guerra era a dos 1300. novamente bem, colocou-se na frente da campeonato (Grupo 5).
do Campeonato de Portugal de Fernando Xavier (VW Sirocco), que é já o corrida e dos H75, Rómulo Mineiro repetiu Nos H71, Filipe Matias venceu com meio
Velocidade Clássicos (CPVC) e CPVC 1300, virtual campeão dos H81, ganhava luga- a dose no Grupo 5. segundo de vantagem sobre Joaquim
onde ficaram definidos os restantes ven- res até ao sexto posto, primeiro dos H81. Logo a seguir surgiam os protagonistas Soares, tornando-se logo campeão da
cedores das muitas categorias em com- A ‘reboque’ vinha Paulo Duarte (VW Golf habituais dos H71, Filipe Matias (Lotus categoria e vencedor da Taça 1600.
pita. Nos H75, e com a ausência de João GTI), um pouco mais atrás. Na frente da Elan) e Joaquim Soares (lotus Elan+2), João Cruz venceu em duas frentes no
Macedo e Silva e Rui Azevedo, pilotos corrida as posições consolidaram-se e que pouco depois trocavam de posições. Grupo 1, pois ganhou a corrida e o cam-
que estavam na frente do campeonato, Rui Costa foi o primeiro a ver a bandei- Os homens dos H81, Fernando Xavier peonato.
o triunfo nas duas corridas permitiu a ra de xadrez e venceu também os H75. e Paulo Duarte, entretinham-se numa Os restantes campeões são: João Vieira
Rui Costa ser o vencedor, vencendo em Rómulo Mineiro fez o mesmo no Grupo boa luta, com Xavier a levar a melhor e nos Históricos 65 e Fernando Xavier nos
duas corridas que não teve grande opo- 5 e pôde logo comemorar o título. Filipe Alexandre Guimarães (Lotus Elan) a apro- Históricos 1981.
sição. A primeira com quase 30 segundos Matias levou a melhor nos H71, mas as
de avanço e a segunda com 14. decisões ficaram para a segunda corrida.
Na primeira corrida os homens dos Ford Fernando Xavier ganhou os H81 pela van-

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O

CORRIDA 1

1º RUI COSTA FORD ESCORT RS 1600 H75 25:05.197S
+27.039S
2º RÓMULO MINEIRO FORD ESCORT RS 2000 GRUPO 5 +51.809S
+58.540S
3º FILIPE MATIAS LOTUS ELAN+2 H71
25:08.631S
4º JOAQUIM SOARES LOTUS ELAN 26R H71 +13.770S
+38.893S
CORRIDA 2 +50.884S
+1:54.036S
1º RUI COSTA FORD ESCORT RS 1600 H75

2º RÓMULO MINEIRO FORD ESCORT RS 2000 GRUPO 5

3º FILIPE MATIAS LOTUS ELAN+2 H71

4º JOAQUIM SOARES LOTUS ELAN 26R H71

5º ALEX.GUIMARÃES LOTUS ELAN GRUPO 5

>> autosport.pt

23

CAMPEONATO DE PORTUGAL DE VELOCIDADE CLÁSSICOS 1300 (CPVC1300)

TRIUNFOS
REPARTIDOS

Victor Araújo e
Carlos Santos
repartiram os

triunfos nas
duas corridas
dos Clássicos
1300, num fim de
semana marcado
por bons duelos

em pista. No
campeonato,
Carlos Santos
nos H75 e Carlos
Cruz nos H71
triunfaram na

competição

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O

CORRIDA 1

1º VICTOR ARAÚJO DATSUN 1200 1300 - H75 25:12.492S

2º CARLOS SANTOS DATSUN 1200 1300 - H75 +18.674S

3º LUÍS ALEGRIA DATSUN 1200 1300 - H75 +24.281S

CORRIDA 2

1º CARLOS SANTOS DATSUN 1200 1300 - H75 25:17.804S

2º LUÍS ALEGRIA DATSUN 1200 1300 - H75 +7.258S

3º FILIPE NOGUEIRA MORRIS MINI 1275 GT 1300 - H71 +30.822S

José Luís Abreu Carlos Cruz (Datsun 1200) era espectador Paulo Miguel teve problemas mecânicos últimas voltas a ‘passo de caracol’. Carlos
[email protected] atento, em quarto, e o melhor dos H71. Na com o suporte do motor de arranque e Santos venceu e foi também o primeiro
FOTOGRAFIA Nuno Organista sétima volta, Carlos Santos passou para Victor Araújo perdeu a liderança, pois o dos H75, Luís Alegria foi segundo. Filipe
segundo, por troca com Bruno Pires. A motor do Datsun passou a trabalhar em Nogueira venceu os H71, seguido de Carlos
Nãoforamcorridasmuitoequili- corrida terminou com o triunfo de Victor três cilindros, fazendo por isso as duas Cruz e Veloso Amaral (Clan Crusader).
bradas lá na frente, mas no meio Araújo nos H75 e de Carlos Cruz nos H71.
do pelotão existiram, como Na segunda corrida, Victor Araújo (Datsun
sempre, lutas bem aguerri- 1200) voltava a arrancar bem, mas des-
das. Na primeira corrida, Victor ta vez Bruno Pires (Datsun Deluxe) deu
Araújo (Datsun 1200) depres- muito trabalho ao líder. Contudo, teve
sa foi para a frente dos H75 e da corrida, que rumar às boxes com a caixa de ve-
com Bruno Pires (Datsun Deluxe), líder locidades encravada na segunda veloci-
dos H71, por perto. Luís Alegria (Datsun dade. Araújo ficou mais descansado na
1200) chegou-se à frente e à terceira volta frente. Carlos Santos e Luís Alegria luta-
já estava a meio segundo de Pires. Entre vam agora pela segunda posição. Nos H71,
avanços e recuos, Victor Araújo rodava só era Filipe Nogueira (Morris Mini 1275 GT)
na frente e o interesse da corrida estava quem liderava, um bom bocado na frente
na luta pelo segundo posto. Bruno Pires de Paulo Miguel (Datsun 1200 H75), com o
defendia-se dos ataques, Luís Alegria e principal adversário de Nogueira, Carlos
Carlos Santos travavam duelo animado. Cruz (Datsun 1200 H71, a surgir só depois.

GT/24
GT OPEN - BARCELONA

GT OPEN TERMINOU

MIGUEL RAMOSEMBARCELONA
PERDETÍTULONA‘NEGRA’
Inglório! Miguel Ramos e Fabrizio Crestani perderam o título Já António Coimbra e Luís Silva termi- A corrida foi ganha pelos homens da
da categoria Pro-Am para Valentin Pierburg e Tom Onslow- naram o campeonato na quinta posição Ombra Racing, os italianos Andrea Rizzoli
Cole, no desempate por número de vitórias. Para Lourenço dos Amadores. e Silver Damiano Fioravanti (Lamborghini
Beirão da Veiga o fim de semana de Barcelona espelhou a Na geral, o Campeão foi Mikkel Mac Huracan GT3), que terminaram 0.832s
época. Mais baixos do que altos... (Luzich Racing), com 10 pontos de avan- na frente dos congéneres da Imperiale
ço para Andrés Saravia e Fran Rueda Racing, Giovanni Venturini e Jeroen Mul
José Luís Abreu (RACE/BMW Team Teo Martín), com (Lamborghini Huracan GT3), isto depois
jabreu[email protected] Alessandro Pier Guidi, colega de equi- de um Safety Car perto do fim ter jun-
pa de Mac, a ser terceiro no campeonato tado todo o pelotão. Na BMW Team Teo
FOTOGRAFIA Oficiais depois de ter falhado o fim de semana Martín, as coisas não correram bem, já
de Paul Ricard. que Lourenço Beirão da Veiga e Juan Cruz
Desta feita o fiel da balança pen- segundo lugar, nas duas corridas, na ca- Mas vamos por partes... Álvarez (BMW M6 GT3) foram apenas 14º
deu para os adversários. As tegoria, o que aliado às posições alcan- classificados.
corridas são mesmo assim, çadas pelo homens da Daiko Lazarus TUDO EM ABERTO Na luta pelo campeonato na geral, e depois
por vezes ganha-se, outras Racing, levou a que empatassem em desta corrida, Mikkel Mac, que faz dupla
perde-se, mas perder assim número de pontos, 78, sendo que o de- Na primeira corrida, Fabrizio Crestani com Alessandro Pier Guidi no Ferrari 488
é ainda mais difícil. Miguel sempate se deu pelo número de triunfos e Miguel Ramos foram apenas tercei- GT3, foram sextos classificados, mas ti-
Ramos e Fabrizio Crestani chegaram em corridas, e essa margem foi favorá- ros classificados da categoria Pro-Am, nham o campeonato minimamente con-
a Barcelona oito pontos na frente de vel aos homens do Mercedes. Ramos e sendo que o triunfo foi para os seus di- trolado. Somavam nesta altura 112 pontos
Valentin Pierburg e Tom Onslow-Cole, Crestani foram mais regulares, pontua- retos perseguidores no campeonato, (Pier Guidi, 96). Entre eles, com os mes-
mas a dupla do Mercedes AMG GT3 nº ram em todas as corridas, enquanto os Valentin Pierburg e Tom Onslow-Cole. mos 104 pontos com que chegaram a
20 teve em Espanha a sua melhor pres- adversários não pontuaram em três. Este foi o primeiro sinal de que as coi- Barcelona, ficaram Andrés Saravia e Fran
tação do ano, somando um triunfo e um Perderam o título em cima da meta... sas iriam ser mais complicadas do que Rueda, que no segundo carro da BMW
se pensava. Os cinco segundos a mais Team Teo Martín foram apenas 12º. Neste
de handicap não ajudaram, mesmo que caso as coisas ficaram perfeitamente en-
Ramos tenha saído da primeira linha da caminhadas.
grelha, logo atrás dos seus adversários.

>> autosport.pt

25

MIGUEL RAMOS
“MORREMOS NA PRAIA”

Miguel Ramos e Fabrizio Crestani chegaram a Barcelona bem as contas e saímos um segundo atrás e com este deitar fora a pior pontuação e esses 2 pontos fizeram-
com esperanças fundadas em alcançar o título da detalhe perdemos. No total fizemos 80 pontos mas como nos perder o campeonato pois com o mesmo número de
Categoria Pro-Am, mas as coisas não correram a fomos a única equipa a pontuar sempre, tivemos de pontos, ganhou quem tinha mais vitórias…”, disse Ramos.
contento. No final da primeira corrida já a dupla do
Mercedes nº 20 tinha recuperado seis dos 10 pontos
de desvantagem e na segunda corrida um erro na troca
de pilotos da dupla da Daiko traçou o destino final:
“Morremos na praia. Depois de liderar o campeonato
desde a primeira corrida, deitámos tudo a perder em
Barcelona, onde não fomos competitivos face aos
Mercedes. Dou os parabéns ao Tom e ao Valentin, pois
também fizeram um grande campeonato. Nós falhámos
na gestão. Tínhamos 5s de vantagem de handicap e
não aproveitámos, por um erro de cronometrarem nas
boxes. O Valentim entrou ao mesmo tempo para a troca
de pilotos com 2s de vantagem, mas como nós tínhamos
menos handicap, se tudo corresse normalmente
sairíamos com 3s de avanço. Contudo, não nos correram

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O LOURENÇO BEIRÃO DA VEIGA
“ÉPOCA DESAPONTANTE”
1ª CORRIDA
Não foi feliz a derradeira ronda do GT Open para Lourenço Beirão da Veiga, que se
1º OMBRA RACING ANDREA RIZZOLI/SILVER DAMIANO FIORAVANTI LAMBORGHINI HURACAN GT3 1:11:26.099 despediu com mais duas corridas difíceis e discretas em Barcelona, isto depois de
grandes dificuldades de afinação do BMW M6 GT3 do Team Costa Campos Racing:
2º IMPERIALE RACING GIOVANNI VENTURINI/ JEROEN MUL LAMBORGHINI HURACAN GT3 +0.832 “Logo no sábado percebeu-se que não tínhamos aderência, o que não nos permitiu
atacar como desejaríamos. Foi um dia complicado, levámos o carro até ao final
3º SPS AUTOMOTIVE PERFORMANCE VALENTIN PIERBURG/TOM ONSLOW-COLE MERCEDES AMG GT3 +2.236 recuperando os lugares possíveis, mas com um andamento que não corresponde
ao que ambicionamos. Na segunda corrida, apesar de ligeiras melhorias no
9º DAIKO LAZARUS RACING FABRIZIO CRESTANI/MIGUEL RAMOS LAMBORGHINI HURACAN GT3 +9.027 carro, voltámos a sentir o mesmo problema e o meu turno de condução só durou
quatro voltas. Abalroaram-me, levando ao meu abandono. É um final de época
14º BMW TEAM TEO MARTÍN LOURENÇO BEIRÃO DA VEIGA/JUAN CRUZ ÁLVAREZ BMW M6 GT3 +11.743 desapontante, numa temporada em que tirando o pódio de Paul Ricard e a corrida
de Spa-Francorchamps, quase nada correu bem. Agora é tempo de analisar
24º SPORTS AND YOU LUÍS SILVA/ANTÓNIO COIMBRA BRONZE MERCEDES AMG GT3 +24.654 juntamente com a direção da equipa e tomar a melhor decisão para 2019, sempre
com a mentalidade vencedora que este projeto tem como pilar e garantir que os
2ª CORRIDA problemas deste ano não se podem repetir na próxima época”, disse o português,
que completou a temporada no 14º lugar do campeonato.
1º IMPERIALE RACING RICCARDO AGOSTINI/RIK BREUKERS LAMBORGHINI HURACAN GT3 1:00:48.297

2º LUZICH RACING ALESSANDRO PIER GUIDI/MIKKEL MAC FERRARI 488 GT3 +5.283

3º DRIVEX SCHOOL CHRISTIAN HAHN/LUCAS AUER MERCEDES AMG GT3 +21.772

4º BMW TEAM/TEO MARTÍN FRAN RUEDA/ANDRÉS SARAVIA BMW M6 GT3 +22.425

8º SPS AUTOMOTIVE PERFORMANCE VALENTIN PIERBURG/TOM ONSLOW-COLE MERCEDES AMG GT3 +34.548

11º DAIKO LAZARUS RACING FABRIZIO CRESTANI/ MIGUEL RAMOS LAMBORGHINI HURACAN GT3 +51.727

22º SPORTS AND YOU LUÍS SILVA/ANTÓNIO COIMBRA MERCEDES AMG GT3 +1:40.875

NT BMW TEAM TEO MARTÍN LOURENÇO BEIRÃO DA VEIGA/JUAN CRUZ ÁLVAREZ BMW M6 GT3

António Coimbra e Luís Silva termina- Pierguidi e Mikkel Mac, a não reagirem,
ram a corrida em quarto dos Amadores. pois o segundo lugar chegava e sobrava
para o título, sendo que no caso do cam-
LEI DE MURPHY peonato de equipas, para a Luzich Racing
vencer, era preciso quase uma hecatom-
Na segunda corrida, tudo correu pior, com be na Imperiale, o que não parecia nada
Ramos a qualificar-se bem lá para trás, poder suceder.
ainda que os seus adversários não tenham Mais atrás, os outros candidatos ao título,
feito muito melhor. Mas, no final, Valentin Fran Rueda e Andrés Saravia, no BMW M6
Pierburg e Tom Onslow-Cole somaram GT3 da BMW Team Teo Martín, eram ape-
os pontos que precisavam, pois Miguel nas quartos classificados, muito longe do
Ramos não conseguiu chegar-se e passar que precisavam para chegar ao título. A
Dominik Schwager, o que seria suficiente completar o pódio terminaram Christian
para assegurar o título. Foi pena, mas as Hahn e Lucas Auer, no Mercedes AMG GT3
corridas são mesmo assim. nº 36 da Drivex School.
Lá na frente, Mikkel Mac nem sequer Lourenço Beirão da Veiga ficou pelo ca-
deu muita luta aos homens da Imperiale minho a meio da corrida depois de um
Racing, Riccardo Agostini e Rik Breukers, adversário ter tentado uma ultrapassa-
com o Lamborghini Huracán GT3 verde a gem ‘suicida’, com os dois carros a bate-
passar para a frente a meio da corrida na rem e abandonarem. António Coimbra
sequência de uma manobra bem mus- e Luís Silva terminaram novamente em
culada, com os homens do Ferrari 488 quarto dos Amadores.
GT3 351 da Luzich Racing, Alessandro

26 TCR/
TCR EUROPE
AZCONA
TVÍETNUCLOE
EMCASA
A última ronda do TCR Europe teve lugar no Circuito da
Catalunha e coroou Mikel Azcona como vencedor do título de
uma competição onde não faltou emoção, toques e surpresas.
Francisco Abreu também esteve presente com a Sports & You
para concluir a participação internacional

Fábio Mendes teve dois Peugeot 308 TCR ao seu en- mitiu a Azcona começar o fim de semana TASSI AINDA SONHOU
[email protected] cargo, com o habitual Francisco Abreu da melhor forma, tendo sido o mais rápido
FOTOGRAFIA Oficiais e a novidade, Enrique Hernando Alonso, dos 31 carros em pista, seguido de Berthon A corrida 1 decorreu de forma perfei-
piloto espanhol que tem tido sucesso e Sutton. Abreu foi 18º, logo atrás de Josh ta para Tassi. O húngaro largou bem
OTCR Europe, competição que no CER e que fez em Barcelona a sua Files, numa sessão em que vários favo- e manteve a liderança durante toda a
veio substituir o ETCC, foi estreia internacional. ritos aos lugares cimeiros ficaram fora do corrida, ajudado por Files que serviu
um sucesso a todos os ní- A luta pelo título estava em aberto, top 10. Vernay e Borkovic foram quinto e de “tampão” a Borkovic, este último
veis, com muitos inscritos, embora Mikel Azcona estivesse em sexto, respetivamente. Na segunda ses- que passou Azcona no arranque.
um calendário interessante, posição privilegiada. O piloto espanhol são foi Tassi a ficar na frente, melhorando Borkovic lutou muito para passar Files
luta renhida até ao fim e al- liderava o campeonato com 19 pontos o registo obtido por Azcona no TL1, num e conseguiu-o perto do fim, quando
guma polémica. A competição que fi- de vantagem sobre Jean-Karl Vernay. treino com um ritmo superior ao anterior. o carro do britânico começou a ceder
cou ao cargo da WSC juntou todos os Duzan Borkovic era também um dos Tassi teve a companhia no top 3 de Julien (viria a desistir no final).
ingredientes para revitalizar o europeu pilotos que tentava levar o título para Briché (Peugeot) e Kris Richard (Hyundai). O sérvio passou para segundo, segui-
de turismos. casa, ocupando a terceira posição com Abreu conseguiu melhorar um pouco, do de Azcona, que pouco depois foi
A sétima e última ronda da competi- 134 pontos, menos 30 que o líder. Attila mas ficou-se pela 23ª posição. ultrapassado por Michelisz e Sutton,
ção teve casa cheia. Além dos habituais Tassi, na quarta posição, tinha ainda Na qualificação voltámos a ter um Tassi ficando à mercê de um espetacular
inscritos, tivemos novos nomes como uma ligeira hipótese, mas os 41 pon- muito forte, conquistando a pole para a Vernay, que recuperou do 13º até ao
Petr Fulin, o último campeão do ETCC tos de diferença eram já uma distân- corrida 1, seguido de Files, seu colega de sexto posto.
em 2017; Mike Halder (Honda), vindo do cia considerável, dado os 50 pontos equipa, com Azcona a fazer o terceiro me- O final da prova chegou rapidamen-
TCR Germany; Klim Gavrilov (VW Golf), em jogo. Também os lastros de com- lhor tempo, à frente de Borkovic, quarto. te e Tassi conquistou a vitória, com
um jovem russo de 18 anos em estreia pensação foram revistos e os Audi fi- O outro candidato ao título, Vernay, ficou Borkovic e Michelisz no pódio.
a nível internacional e que compete no caram com 60 kg a mais, tornando-se de fora do top 10 e comprometia assim as Com estes resultados, o título seria
TCR Russia; Nikola Miljković, outro jo- no carro mais pesado da grelha (1315 suas aspirações. Kris Richard (Hyundai) decidido na última corrida. Para Abreu
vem de 23 anos vindo da Sérvia (Cupra); kg). O Cupra TCR teve um aumento de era 10º e largaria assim da pole para a cor- foi uma corrida curta.
e Ashley Sutton( VW Golf), campeão peso, tal como o Hyundai e o VW Golf. rida 2 com grelha invertida. Abreu con- O piloto teve um bom arranque, mas
no BTCC em 2017 que tem apostado Do outro lado da balança o Subaru WRX tinuou a melhorar os seus registos, mas um toque furou o intercooler do seu
nos TCR. A juntar à já extensa lista ti- STI TCR, o Peugeot 308 TCR e o Honda tal não era suficiente para melhor que 19º. carro obrigando-o a uma inglória de-
vemos Norbert Michelisz (Hyundai) e Civic ficaram mais leves. sistência.
Nathanaël Berthon (Audi), dois pilo-
tos do WTCR. TASSI MAIS FORTE NA QUALIFICAÇÃO
A estrutura portuguesa Sports & You
A primeira sessão de treinos livres per-

>> autosport.pt

27

C/ CLASSIFICAÇÃO

CORRIDA 1 HONDA 12 VOLTAS
1 ATTILA TASSI
2 DUŠAN BORKOVIC HYUNDAI +3.422
3 NORBERT MICHELISZ
4 ASHLEY SUTTON HYUNDAI +3.899
5 MIKEL AZCONA
6 JEAN-KARL VERNAY VOLKSWAGEN +5.334
7 DÁNIEL NAGY
8 KRIS RICHARD CUPRA +6.093
9 JULIEN BRICHÉ
10 REECE BARR AUDI +6.666
CORRIDA 2
1 MIKE HALDER HYUNDAI +7.344
2 DÁNIEL NAGY
3 ASHLEY SUTTON HYUNDAI +8.016
4 NORBERT MICHELISZ
5 PETER TERTING PEUGEOT +9.356
6 JOSH FILES
7 JEAN-KARL VERNAY HYUNDAI +10.049
8 MIKEL AZCONA
9 STIAN PAULSEN HONDA 12 VOLTAS
10 REECE BARR
CAMPEONATO HYUNDAI +0.408
1 MIKEL AZCONA
2 JEAN-KARL VERNAY VOLKSWAGEN +1.518
3 DUŠAN BORKOVIC
4 ATTILA TASSI HYUNDAI +1.869
5 DÁNIEL NAGY
6 JOSH FILES HYUNDAI +6.484
7 KRIS RICHARD
8 MAXIME POTTY HONDA +6.742
9 STIAN PAULSEN
10 FRANCISCO MORA AUDI +6.870
21 FRANCISCO ABREU
CUPRA +7.292

CUPRA +13.916

HYUNDAI +14.236

CUPRA 181 PTS
AUDI 159 PTS
HYUNDAI 154 PTS
HONDA 153 PTS
HYUNDAI 138 PTS
HONDA 121 PTS
HYUNDAI 84 PTS
VOLKSWAGEN 76 PTS
CUPRA 62 PTS
HYUNDAI 44 PTS
PEUGEOT 14 PTS

AZCONA COM TÍTULO À VISTA te de que para ser uma ameaça, Vernay este circuito foi boa e tudo decorreu con- KCMG CAMPEÃ POR EQUIPAS
teria de recuperar ainda mais posições, forme planeado. Fizemos um bom arran-
A segunda corrida começava sem Richard. algo improvável. A corrida chegou ao fim, que (ndr.: na corrida 1), apesar de sairmos A estrutura cediada em Hong Kong levou
O piloto suíço viu o seu melhor tempo apa- Halder venceu a prova, com Nagy e Sutton na cauda do pelotão devido à penalização a melhor sobre a Target. As prestações
gado após a qualificação por exceder os no pódio e Azcona sagrou -se campeão em Monza, e recuperámos seis posições de Tassi, Files e Halder superaram as de
limites de pista, caindo para 10º. Richard do TCR Europe. Francisco Abreu fez uma quase de imediato. Logo de seguida, um Borkovic, Richard, Terting e Reece Barr
desabafou nas redes sociais de forma excelenterecuperaçãoe acabouem12ºe toque danificou o intercooler. Sem pressão neste fim de semana. A equipa italiana
menos própria, o que levou à exclusão perto dos pontos, que seriam um prémio no turbo, o carro não tinha rendimento e teve uma mão no título por equipas, mas
do piloto da Target. Peter Terting herdou mais que merecido para a sua prestação a nossa corrida acabou logo ali. [ndr.: Na as corridas menos conseguidas, a juntar
o primeiro lugar do suíço. nesta corrida. corrida 2] Mais uma vez arrancámos bem, a penalizações, impediram a estrutura
A corrida 2 começou com a desistência tendo conseguido boas ultrapassagens. transalpina de festejar.
de dois dos candidatos ao título na pri- MIKEL AZCONA UM JUSTO CAMPEÃO Não passou muito tempo até chegarmos
meira volta. Borkovic perdeu o controlo O jovem espanhol de 21 anos foi o grande ao 10ª lugar. Com a entrada do Safety Car FIM DE SEMANA
do carro numa luta na última chicane do destaque desta época. O piloto da equi- a corrida parou e o recomeço não nos foi
circuito e tocou violentamente em Tassi, pa PCR Sport Cupra foi sempre muito favorável. O reagrupamento dos pilotos COM VÁRIOS DESTAQUES
atirando os dois para fora de prova, o que inteligente na abordagem às corridas. levou os limites da condução para um pa-
escancarou as portas do título a Azcona, Conquistou apenas uma vitória este ano tamar mais agressivo e o objetivo passou Além da exclusão de Richard, outros
pois Vernay tinha largado de 12º, embora (Borkovic e Vernay conquistaram três e a ser terminar a corrida sem problemas nomes merecem destaque neste fim
iniciando uma boa recuperação. Na frente Tassi duas), mas fez da regularidade o técnicos ou incidentes em pista, pelo que de semana. Vernay voltou a estar ao
da corrida Mike Halder largou melhor que seu trunfo. Provou que o Cupra TCR ain- a minha condução passou a ser mais cau- seu nível e apenas a qualificação me-
Terting e ficou com a liderança, de onde da pode ser um carro competitivo e que telosa.” Vimos durante este ano um pouco nos conseguida o impediu de ser uma
nunca mais saiu, seguido de Daniel Nagy. num campeonato com tanto contacto, do que Abreu pode fazer. O simpático ma- ameaça mais séria. O francês fez uma
Ashley Sutton, um dos destaques do dia por vezes a inteligência e a regularidade deirense nem sempre teve a sorte do seu excelente época e mostrou que é um
anterior, conseguiu subir para a terceira são mais importantes. lado e num campeonato completamente dos melhores, tal como Tassi, um jovem
posição, enquanto Terting caiu para quinto, novo para ele, com uma máquina também com muita qualidade.
atrás de Michlelisz. Mas atrás Vernay che- UMA ÉPOCA DE APRENDIZAGEM em evolução, não seria justo pedir muito Borkovic teve um ano de altos e bai-
gou à traseira de Azcona e o espanhol não mais. Cada fim de semana foi uma des- xos, um pouco à semelhança de Files.
dificultou muito a tarefa do francês, cien- PARA ABREU coberta, tanto para ele como para a equi- Ashley Sutton mostrou um grande an-
Francisco Abreu teve um ano de 2018 pa. A ambição era maior, mas foi um ano damento, tal como Mike Halder, e po-
cheio de histórias para contar. O piloto e positivo e acima de tudo uma excelente derão ser novos nomes para a época
a Sports & You apresentou um projeto de base para um futuro muito mais risonho de 2019. Ambos mostraram potencial e
continuidade e este ano foi dado o primeiro que se perspetiva, quer para o piloto, quer qualidade. Surpreendente foi o ritmo de
passo para outros voos. Abreu fez o re- para a sua equipa. Stefano Comini que andou longe das lu-
sumo do fim de semana: “A adaptação a zes da ribalta e andamento que pode ter.
2018 acabou da melhor forma e 2019
promete!

N/28
NOTÍCIAS Sem muito por que lutar em ter-
mos de campeonato, exceção triunfo na quinta prova, com Hanson,
EUROPEAN LE MANS SERIES NO AIA feita às melhores classificações de apenas 19 anos, a tornar-se no mais
possíveis na prova do Autódromo jovem vencedor de sempre numa cor-
ESPETÁCULO Internacional do Algarve, Filipe rida do ELMS.
Albuquerque e Henrique Chaves que- Jean-Èric Vergne junta-se a Roman
EM PORTIMÃO rem brilhar em casa. Já a equipa Algarve Rusinov e Andrea Pizzitola no Oreca-
Pro Racing, a ‘jogar’ verdadeiramente Gibson e o trio franco-russo quer cer-
A ELMS está de regresso a Portugal para a corrida de em casa, pretende também obter um tamente terminar a época em grande.
encerramento da temporada, no Autódromo do Algarve, evento bom resultado, o que seria um lugar Os Oreca nº 24 da Racing Engineering e
no top 10.
que conta também com o TCR Portugal, Kia Picanto GT Cup e A sexta e última prova da ELMS 2018
Super 7 by Toyo Tires. Filipe Albuquerque, Henrique Chaves e a promete ser repleta de ação, já que ain-
da faltam decidir quatro dos seis títulos
equipa Algarve Pro Racing defendem a honra lusa… de 2018, incluindo as ‘coroas’ da LMP3
e LMGTE. Com 108 pilotos e 32 equipas
José Luís Abreu representando 25 nações, as 4 Horas de
[email protected] Portimão são um espetáculo imperdível
para os adeptos da endurance.
LEIA E ACOMPANHE TODAS Com os títulos da LMP2 decididos a
AS NOTÍCIAS EM AUTOSPORT.PT favor do Oreca nº 6 da G-Drive, supe-
riormente pilotado por Roman Rusinov
e Andrea Pizzitola, a batalha na última
corrida vai certamente contar com o
Ligier nº 22 da United Autosports Ligier,
com Filipe Albuquerque e o piloto bri-
tânico Phil Hanson empolgados pelo

TIAGO MONTEIRO
ESTÁ DE REGRESSO
AO WTCR

“Estou de volta!” Foi com esta frase que a fazer ‘rasgou-me’ por dentro, pelo que o conselho dos médicos – é o porquê de eu para o WTCR. Os restantes wildcards são
Tiago Monteiro anunciou o seu regresso à acho que Suzuka vai ser bem emocional. O não disputar a prova de Macau”, disse Tiago Filipe Clemente de Souza e Lam Kam Sam,
competição já na próxima prova do WTCR, facto de que voltarei no circuito ‘caseiro’ Monteiro. que vão guiar os Audi RS3 LMS da Champ
que se realiza no próximo fim de semana da Honda, o mesmo onde comecei em 2012, Em Macau, não ‘há’ Monteiro, mas ‘há’ Motorsport. Billy Lo Kai Fung marcará
em Suzuka. também é muito especial e uma ótima André Couto, que é um dos seis wildcard presença noutro Audi RS3 LMS, este da
“Tenho o prazer de anunciar que vou fazer maneira de retribuir a fé e o apoio que a TSRT Zuver Team, enquanto Rui Valente, um
o meu regresso tão esperado às corridas Honda me mostrou ao longo do meu período piloto macaense que tem disputado a CTM
na próxima prova do FIA WTCR, em Suzuka. de recuperação. Para já não defino metas. Macau Touring Car Cup, vai guiar o VW Golf
Estou muito contente por este regresso, Quero divertir-me, sentir-me confortável e da PCT-IXO Models Racing Team. Por fim,
ainda mais por ser no circuito de ‘casa’ da rodar no meu próprio ritmo antes de voltar Kevin Tse Wing Kin vai correr com um Audi
Honda. a tempo inteiro em 2019, e isso – junto com da Teamwork Motorsport.
Estou muito grato aos profissionais que me
ajudaram na recuperação, à minha família,
amigos e apoiantes, todos vocês foram
incríveis ao longo destes difíceis tempos.
Houve momentos em que a minha situação
parecia muito sombria, mas nunca perdi a
esperança de que este dia chegaria e isso
manteve-me determinado e a esforçar-me
mais do que nunca para voltar onde quero
estar. Chegar aos circuitos durante o ano
todo e ver outros fazer o que eu devia estar

>> autosport.pt

29

competição é liderada pelo Ligier-Nissan P/ P R O G R A M A
nº 15 da RLR MSport de John Farano, Rob
o nº 28 da IDEC Sport estão empatados dois carros, nº 25 da Algarve Pro Racing Garofall e Job Van Uitert. Esta equipa tem SEXTA-FEIRA 26 DE OUTUBRO TL
com 56 pontos, sendo este também um e o nº 31 da APR-Rebellion Racing, que 67,5 pontos, 14 na frente dos segundos 08:30 SUPER 7-1600 + 420R TL
bom duelo em perspetiva. Um pouco também corre com bandeira portuguesa classificados, o 360 Racing Ligier, de 10:20 KIA PICANTO GT CUP QUALIFICAÇÃO
mais atrás está o Oreca-Gibson nº 21 no AIA. Terrence Woodward e Ross Kaiser. O Ligier 10:55 SUPER 7-1600 TL1
da DragonSpeed, com 50 pontos. nº 3 da United Autosports está apenas um 11:35 ELMS QUALIFICAÇÃO
Para além de Filipe Albuquerque, os LMP3: TUDO POR DECIDIR ponto mais atrás, com 52.5 pontos. 14:35 SUPER 7-420R QUALIFICAÇÃO 1
adeptos locais terão este ano mais um EM PORTUGAL Com 18 carros na grelha, há muitos candi- 15:40 KIA PICANTO GT CUP QUALIFICAÇÃO 2
piloto para aplaudir, Henrique Chaves Na LMP3 há ainda cinco carros com chan- datos ao troféu final. Até aqui houve quatro 15:55 KIA PICANTO GT CUP TL1
(AVF de Adrian Valles) e ainda mais ces matemáticas de chegar ao título. A vencedores diferentes, o que sublinha a 17:00 TCR PORTUGAL TL1
competitividade da categoria. 17:35 TCR PORTUGAL
Nos LMGTE, pai e filho, Gianluca e Giorgio QUALIFICAÇÃO 1
Roda podem fazer história no ELMS no SÁBADO 27 DE OUTUBRO QUALIFICAÇÃO 2
final das 4 Horas de Portimão. Se os atuais 08:00 TCR PORTUGAL CORRIDA 1
líderes dos LMGTE garantirem pontos 08:20 TCR PORTUGAL TL2
suficientes para se tornarem campeões, 08:45 SUPER 7-1600 CORRIDA 1
serão o primeiro pai e filho a fazê-lo. Os 09:25 ELMS CORRIDA 1
italianos competirão no Porsche 911 nº 13:05 SUPER 7-420R QUALIFICAÇÃO LMGTE
88 da Proton Competition, ao lado de seu 13:45 TCR PORTUGAL QUALIFICAÇÃO-LMP3
compatriota Matteo Cairoli. Têm atual- 14:25 ELMS QUALIFICAÇÃO-LMP2
mente 80,5 pontos. O rival mais próximo 14:45 ELMS CORRIDA 1
é o vencedor do campeonato de 2017, 15:05 ELMS CORRIDA 2
o Ferrari nº 66 da JMW Motorsport, de 16:25 KIA PICANTO GT CUP CORRIDA 2
Liam Griffin, Alex MacDowall e Miguel 17:00 SUPER 7-1600
Molina, que somam 69 pontos, apenas 11,5 17:40 KIA PICANTO GT CUP CORRIDA 2
atrás do Porsche. O Ferrari da Spirit of the CORRIDA 2
Race de Duncan Cameron, Matt Griffin e DOMINGO 28 DE OUTUBRO CORRIDA
Aaron Scott está a apenas dois pontos do 08:00 SUPER 7 - 420R
Ferrari nº 66, com 67 pontos. As 4 Horas 11:15 TCR PORTUGAL
de Portimão têm lugar no domingo, 28 de 12:30 ELMS
outubro, num fim de semana que conta
ainda com o CPVT, TCR Portugal, o Super
7 by Toyo Tires e a Kia Picanto GT Cup.

RENATO PITA SEGUNDO RALLYSPIRIT ALTRONIX Entre as equipas presentes haverá, como tem sido
NO TOUR EUROPEAN COM MAIS DE100 EQUIPAS hábito, uma estrela internacional, que será anunciada
RALLY 2WD TROPHY em breve. Mas enquanto isso não acontece, pode
Pelo quarto ano consecutivo, o RallySpirit Altronix irá começar a sonhar com a passagem de carros lendários
Renato Pita e Alba Sanchez terminaram o Rallye Internacional reunir os fãs dos “rally-legends”, género de prova que, que, se sabe já, integrarão a lista de inscritos,
du Valais 2018 na quinta posição da sua classe e a cada ano, parece congregar mais adeptos sedentos reforçada, este ano, por muitas formações espanholas.
conquistaram o segundo lugar no Tour European Rally 2WD das emoções dos ralis e dos míticos carros da década Deste “museu vivo” fazem parte bólides míticos: Alpine-
Trophy 2018. de 70, 80, 90, e também mais modernos, num saudável Renault A110, Fiat 131 Abarth, Renault 5 Turbo, Talbot
Depois da vitória conseguida no ano passado, Renato Pita “conflito de gerações”. A prova portuguesa, organizada Sunbeam Lotus, Porsche 911, Ford Escort MK1 e MK2,
lamentou não ter conseguido o bi-campeonato, sendo pela Xikane, tem crescido a olhos vistos em quantidade Ford Sierra e Escort Cosworth, Lancia Delta Integrale
que desta feita teve ao lado da estreante Alba Sanchez: e qualidade de equipas participantes, disputando-se 16V, Toyota Celica GT-Four, Subaru Impreza, BMW M3
“Queríamos vencer, mas nem sempre é possível”, referiu este ano, novamente no norte, entre 1 e 3 de novembro, E30, Mitsubishi Galant VR-4, Citroën Saxo Kit Car e até
o piloto português, reconhecendo mérito ao vencedor da com dois dias efetivos de competição disputada ao um… Ford RS200! Mas também haverá máquinas mais
competição. cronómetro e 10 provas especiais para cumprir. No dia modernas como Skoda Fabia S2000, Porsche 997 GT3,
“Não consegui manter um ritmo que me permitisse lutar com 1, o ambiente começará a aquecer com a Cerimónia entre muitas outras. Entre 1 a 3 de novembro serão mais
o meu adversário direto, que rodou com um carro de categoria de Partida Simbólica, no fantástico cenário natural da de 100 equipas, que, com certeza, tornarão, mais uma
superior, mas no cômputo geral o balanço destes dois anos de marginal de Vila Nova de vez, a prova portuguesa inesquecível. FPM
Tour European Rally é extremamente positivo”, garantiu. Gaia, mas no dia 2 e 3
a competição será já a
“doer”. Na sexta-feira, as
equipas disputarão três
novas provas especiais,
na zona de Barcelos (uma
delas Super-Especial)
e, no sábado, o rali
regressará às origens,
com a realização de mais
sete seletivos troços
cronometrados (entre os
quais uma Super Especial
em Gaia), sempre em
pisos de asfalto.

TT/30
BAJA PORTALEGRE 500

32ªBAJAPORTALEGRE500

A GRANDE consecutiva, sendo que há mais bons TUDO POR DECIDIR NO CPTT
FESTA nomes a colorir o evento. Por exemplo,
Gregoire de Mevius nos carros e o filho Quando se pensava que as contas do
Realiza-se no próximo fim de semana a 32ª Baja Portalegre Ghislan nos SSV. Jutta Kleinschmidt título iam ficar muito perto de ficar
500, prova rainha do TT nacional e que conta, novamente, também regressa à Baja Portalegre, decididas na Baja TT Idanha-a-Nova,
agora num SSV. Hélder Oliveira, João pelo contrário, o leque de candidatos
com imensos motivos de interesse, entre os quais, Stéphane Ramos, Tiago Reis e Pedro Ferreira são aumentou e a imprevisibilidade é ago-
Peterhansel e Nani Roma, bem como Ricardo Porém à procura os quatro nomes em luta direta pelo tí- ra ainda maior.
tulo de Campeão Nacional de TT, en- Alejandro Martins venceu a última pro-
do quinto triunfo. Por fim a decisão do título do CPTT quanto no Mundial de T3 os olhos esta- va, mas não vai marcar presença em
rão sob José Campo e Santiago Navarro. Portalegre, já que um acidente no Rali
José Luís Abreu Quads e SSV, alguns deles com a pos- Já nas Motos, o Campeonato pode de- de Marrocos atirou-o para o hospital.
[email protected] sibilidade de se sagrarem Campeões cidir-se entre António Maio e Mário Em Idanha-a-Nova, João Ramos desis-
Nacionais ou Mundiais nas diversas Patrão, enquanto João Monteiro pode tiu no prólogo, e Hélder Oliveira também
Está à porta a Baja Portalegre categorias. Stéphane Peterhansel e colocar ponto final da corrida ao títu- viria a desistir perto do final do even-
500, uma prova que se afigu- Nani Roma, dois dos maiores nomes lo dos SSV. A presença de Stéphane to, devido a um toque, quando tinha o
ra fantástica, tantos e tão bons do TT mundial, participam na prova Peterhansel e Nani Roma é a cereja no quarto lugar mais ou menos controlado.
são os motivos de interesse à aos comandos de dois Mini da X-Raid topo do bolo da prova do ACP, e o mais Desta forma, o campeonato ficou ain-
sua volta. e o russo Vladimir Vasyliev ainda luta curioso da questão é que vamos poder da mais ao rubro e agora são quatro
São quase 400 inscritos de 24 para tentar garantir a segunda posição assistir a uma grande luta entre estes (seriam cinco sem o infortúnito de
nacionalidades, entre Carros, Motos, na Taça do Mundo. Ricardo Porém está e também Ricardo Porém, o vence- Alejandro Martins) os pilotos que po-
de regresso à procura da quinta vitória dor das últimas quatro edições da Baja dem ser campeões.
Portalegre. Se alguém se quiser juntar, São eles Hélder Oliveira (77 pontos),
o espetáculo agradece. Já conhecedor João Ramos (73), Tiago Reis (70) e Pedro
das exigências da prova aos comandos Ferreira (62).
de um SSV, Ruben Faria vai tentar re- Com a vitória entre os inscritos do CPTT
petir o triunfo conseguido no ano pas- a valer 25 pontos e o prólogo e cada um
sado aquando da estreia na categoria. dos quatro setores seletivos um pon-
Olhando agora para as duas rodas, Luís to cada, estão em jogo um máximo de
Oliveira, vencedor da edição de 2016, 30 pontos.
vai certamente tentar “vingar” o azar Posto isto, quem será o novo Campeão
do ano passado a 20 km do final e lutar, Nacional de Todo-o-Terreno? Uma coi-
uma vez mais, pelo triunfo. sa é certa, tendo em conta os candida-
tos, será uma estreia…

>> autosport.pt

31

PROGRAMA COMPLETO

>> 26 DE OUTUBRO (SEXTA-FEIRA)
07:25 – PARTIDA DA 1ª ETAPA MOTO (NERPOR)
07:50 – PARTIDA SSS1 (PRÓLOGO) MOTO (COUTADAS)
07:55 – CHEGADA SSS1 MOTO (COUTADAS)
10:00 – PARTIDA PARA A 2ª SECÇÃO AUTO (NERPOR)
10:30 – PARTIDA SSS1 AUTO (COUTADAS)
11:45 – CHEGADA 2ª SECÇÃO AUTO
12:00 – PARTIDA SS2 MOTO
12:55 – CHEGADA SS2 MOTO
14:40 – PARTIDA 3ª SECÇÃO AUTO
15:30 – PARTIDA SS2 AUTO
14:55 – CHEGADA 1ª ETAPA MOTO (NERPOR)
18:10 – CHEGADA 3ª SECÇÃO AUTO (NERPOR)

>> 27 DE OUTUBRO (SÁBADO)
06:20 – PARTIDA 4ª SECÇÃO AUTO (NERPOR)
07:45 – PARTIDA SS3 AUTO-PARTIDA PROMO & HOBBY
(MOTOS)
10:05 – PARTIDA DA 2ª ETAPA MOTO (NERPOR)
10:30 – PARTIDA SS3 MOTO-CHEGADA PROMO & HOBBY
(MOTOS)
11:30 – CHEGADA 4ª SECÇÃO AUTO (NERPOR)
13:10 – PARTIDA 5ª SECÇÃO AUTO (NERPOR)
14:00 – PARTIDA SS4 AUTO
14:40 – CHEGADA SS3 MOTO
15:10 – CHEGADA 2ª ETAPA MOTO (NERPOR)
16:10 – CHEGADA 5ª SECÇÃO AUTO (NERPOR)
NOTA: HORÁRIOS PODEM SER ALTERADOS
PARA LÁ DO FECHO DA EDIÇÃO

I/ I N S C R I T O S 655 EDUARDO MOTA PRT NUNO G. SOUSA PRT NISSAN PATHFINDER T2.2

656 LAURENTIU BARBU ROU MIHAI GAVRIL BAN ROU NISSAN NAVARA T2.2

657 HUBERT BRIDIER FRA JESSICA PIERRE FRA BMW X6 T1.2

658 NUNO FERREIRA PRT ANTÓNIO SARAIVA PRT MAZDA CX-5 PROTO T1.2

659 HUGO ARELLANO LUX FABIEN BIGARD LUX ISUZU DMAX T1.2

660 RONALD BASSO FRA ÉLODIE MASSÉ FRA MMP RALLY RAID T1.3



EVENTO FIA EVENTO NACIONAL

Nº PILOTO NAC CO-PILOTO NAC MARCA MODELO GR./CL. Nº PILOTO NAC CO-PILOTO NAC MARCA MODELO GR./CL.
T1.2
601 STÉPHANE PETERHANSEL FRA DAVID CASTERA FRA MINI JCW RALLY T1.1 701 MÁRIO DUARTE PRT JOSÉ MOTACO PRT TOYOTA RAV 4 T8
T1.2
602 RICARDO POREM PRT MANUEL POREM PRT FORD RANGER T1.2 702 JORGE CARDOSO PRT JOAQUIM NORTE PRT MAZDA CX5 T1/DTMazda
T1.1
603 VLADIMIR VASILYEV RUS ZHILTSOV KONSTANTIN RUS MINI COOPER T1.1 703 CÉSAR SEQUEIRA PRT FILIPA SEQUEIRA PRT NISSAN NAVARA T8
T1.2
604 NANI ROMA ESP ALEX HARO ESP MINI JCW RALLY T1.1 704 BRUNO RODRIGUES PRT RICARDO CLARO PRT MAZDA CX5 PROTO T1/DTMazda
T1.2
605 JOÃO RAMOS PRT VICTOR JESUS PRT TOYOTA HILUX T1.2 705 HUGO RAPOSO PRT JOEL LUTAS PRT NISSAN NAVARA T8
T1.2
606 BORIS GADASIN RUS DAN SHCHEMEL RUS G-FORCE BARS T3.1 706 SEBASTIÃO DOMINGUEZ PRT NUNO BATALHA PRT MITSUBISHI MONTERO T8
T3.1
607 NUNO MATOS PRT PEDRO MARCÃO PRT OPEL MOKKA PROTO T1.1 707 MÁRIO MENDES PRT JOÃO REIS PRT NISSAN TERRANO T8
T1.1
608 ANDREY N. RUS VLADIMIR N. RUS G-FORCE BARS T3.1 708 FRANCISCO BARRETO PRT SÉRGIO CERVEIRA PRT NISSAN NAVARA T8
T1.2
610 HELDER OLIVEIRA PRT PEDRO PIRES DE LIMA PRT MINI PACEMAN CATTIVA T1.2 710 LUÍS NAVARRO PRT PEDRO COLAÇO PRT MITSUBISHI PAJERO T8
T3.1
611 TIAGO REIS PRT CARDOSO VALTER PRT MITSUBSHI LANCER T1.3 711 FILIPE VIDEIRA PRT ANDRÉ COIMBRA PRT MAZDA CX5 PROTO T8/DTMazda
T1.2
612 PEDRO FERREIRA PRT HUGO MAGALHAES PRT VOLKSWAGEN AMAROCK T1.2 712 NUNO WHEELHOUSE REIS PRT JORGE ANTUNES PRT NISSAN D22 D22 T8
T1.4
613 JOSE LUIS CAMPO ESP RAFAEL TORNABELL ESP POLARIS RZR 1000 T1.1 713 RUI MARQUES PRT MIGUEL MARQUES PRT NISSAN NAVARA T8
T1.2
614 SANTIAGO NAVARRO ESP NN ESP YAMAHA YXZ 1000R T2.2 714 JOÃO PAULO SERRA PRT LUIS BENTO PRT NISSAN NAVARA T8
T2.2
615 MIGUEL CASACA PRT PEDRO TAVARES PRT NISSAN NAVARA T1.2 715 JOSÉ MENDES PRT CARLOS BEXIGA PRT MITSUBISHI L200 T1
T1.1
616 FERNANDO ALVAREZ ESP JUAN P. MONASTEROLO ESP VOLKSWAGEN AMAROCK T1.3 716 CLAUDIO CARAPETA PRT SERGIO INOCÊNCIO PRT BOWLER WILDCAT T8
T1.2
617 VINCENT GONZALEZ CHE LOÏC MINAUDIER CHE POLARIS RZR 1000 T1.3 717 JOÃO RATO PRT FÁBIO BELO PRT BOWLER WILDCAT T8
T3.2
618 ANDRE AMARAL PRT NELSON RAMOS PRT MERCEDES PROTO T2.2 718 MARKUS WALCHER GER TOBIAS HENSCHEL GER QT / BOWLER WILDCAT T1
T1.1
620 PEDRO DIAS SILVA PRT JOSÉ JANELA PRT MAZDA CX5 PROTO T1.1 720 JÚLIO MARTINS-MOURÃO PRT JORGE AMARAL PRT RENAULT MEGANE PROTO T8
T2.2
621 GRAHAM KNIGHT GBR DAVID WATSON GBR POLARIS RZR 1000 T2.2 721 MÁRIO RAPOSO PRT PEDRO CAÇÃO PRT NISSAN PICK UP T1
T1.1
622 WANG XIANG CHN CHAN KUH WOH CHN VOLKSWAGEN MITJET T1.1 722 MARIO PEDRO PRT JOÃO SANTOS PRT MAZDA BT 50 T8/DTMazda
T1.1
623 LINO CARAPETA PRT RUI ANTONIO PRT RANGE ROVER EVOQUE PROTO T1.4 723 FLORIANO ROXO PRT PEDRO CARRAPIÇO PRT MAZDA CX5 T1/DTMazda
T2.2
624 SERGIO VITORINO PRT LUIS RAMALHO PRT BMW X5 CC T1.2 724 AVELINO REIS PRT FILIPE MARTINS PRT MITSUBSHI PAJERO T8
T3.1
625 GREGOIRE DE MEVIUS BEL LEYH ANDRE BEL DUNBEE BUGGY T1.1 725 SÉRGIO MOURATO PRT BEATRIZ ALEXANDRE PRT NISSAN NAVARA T8
T1.2
626 LUIS RECUENCO ESP VICTOR ALLIJAS ESP TOYOTA HILUX T1.1 726 TADEUSZ RZEZUCHOWSKI POL WOJCIECH JERMAKOW POL DACIA DUSTER T1
T1.2
627 NUNO MADEIRA PRT MIGUEL COSTA PRT KIA SPORTAGE TT 727 SÉRGIO PALMINHA PRT RAFAEL LUTAS PRT ISUZU D-MAX T8

628 NUNO CORVO PRT ANTÓNIO MAGALHAES PRT NISSAN PATHFINDER 728 RICARDO NASCIMENTO PRT NUNO LAZARIM PRT BMW X5 T8

630 JOSE GONZÁLEZ ESP MARÍA HERNÁNDEZ ESP NISSAN PATHFINDER 729 FERNANDO RODRIGUES PRT TIAGO RODRIGUES PRT NISSAN NAVARA T8

631 FRANCISCO GIL PRT FILIPE RASTEIRO PRT MAZDA PROTO 730 MICAEL CASSIANO PRT FRANCISCO SALDANHA PRT NISSAN D22 T1

632 EDGAR CONDENSO PRT NUNO SILVA PRT TOYOTA HILUX 731 CARLOS FAUSTINO PRT RUI GOMES PRT MITSUBISHI PAJERO T8

633 YAN TAO CHN ARNAUD LEPILLIEZ FRA VOLKSWAGEN MITJET 732 JOSÉ LUÍS MARQUES PRT ANTÓNIO JOSÉ VEIGAS PRT NISSAN NAVARA T8

634 PETR HOZÁK CZE MAREK SÝKORA CZE HUMMER H3 RS 741 FILIPE MARQUES PRT ANGELO PAULO PRT LADA NIVA PROMO M

635 SEBASTIEN VINCENDEAU FRA STEPHANE DUPLE FRA PROPULSION ADDAX 742 CLÁUDIO MARQUES PRT SÓNIA M. CORREIA PRT NISSAN NPM PROTO PROMO M

636 BERTRAND VINCENDEAU FRA CEDRIC DUPLE FRA PROPULSION STEENBOK 743 FRAZER WILLIAMS GBR TIM STARKEY GBR SUZUKI JIMNY PROMO M

637 GEORGINO PEDROSO PRT CARLOS SILVA PRT ISUZU D-MAX 751 JOÃO MARTINS PRT MIGUEL PAIÃO PRT MITSUBISHI PAJERO EVOLUTION TNTT - T8

638 SÉRGIO BRITES PRT CESARIO SANTOS PRT BOWLER WILDCAT 752 LUIS RODRIGUES PRT HUGO RODRIGUES PRT NISSAN PICK UP D21 TNTT - T8

640 LUÍS DIAS PRT MÁRIO FEIO PRT NISSAN WB01 753 SIMÃO COMENDA PRT LUIS MIGUEL COITO PRT NISSAN NAVARA TNTT - T8

641 ANDERS SVENSSON SWE JOÃO CARVALHO PRT ISUZU D-MAX CREW CAB 754 MÁRIO CRISTINO PRT MAGNO BONIFÁCIO PRT TOYOTA RAV 4 TNTT - T0

642 ALEXANDRE FRANCO PRT RUI FRANCO PRT NISSAN NAVARA 756 CARLOS ALVES PRT CARLOS NABEIRO PRT PEUGEOT PROTO TNTT - T8

643 PAULO RUI FERREIRA PRT JORGE MONTEIRO PRT TOYOTA HILUX 757 DIOGO VIEIRA PRT PAULO CORREIA PRT SEAT PROTO TNTT - T8

644 JURGEN SCHROEDER DEU MAX SCHROEDER DEU NISSAN NAVARA 758 JOAQUIM CALADO PRT JOÃO CALADO PRT NISSAN TERRANO I TNTT - T8

645 TOMAS OUREDNICEK CZE DAVID KRIPAL CZE FORD RANGER 759 SERGIO CRUZ PRT CARLOS SANTOS PRT NISSAN NAVARA TNTT - T0

646 LAURENT POLETTI FRA DEBET CYRIL FRA MMP RALLY RAID 760 TIAGO C. SANTOS PRT ANTÓNIO DIAS PRT LAND-ROVER DEFENDER 90 TD5 TNTT - T0

647 BRUNO OLIVEIRA PRT PAULO MARQUES PRT NISSAN DOUBLE CAB (D22) 761 ISMAEL MARGARIDO PRT PRT DEI SPORT DCR TNTT - T8

648 PEDRO RUIVO PRT RICARDO BRITO PRT BMW SERIE 1 PROTO 762 JOSÉ MAIA PRT GUSTAVO GAUDÊNCIO PRT UMM ALTER PB UMM

649 MARCO PIANA FRA SÉBASTIEN DELAUNAY FRA POLARIS RZR 1000 763 JOAQUIM TEIXEIRA PRT JOÃO GOMES PRT UMM ALTER TURBO TNTT - T8

651 PÁL LÓNYAI HUN ZOLTÁN GARAMVÖLGYI HUN LPR PORSCHE MACAN 764 NUNO F. ALMEIDA PRT PEDRO RODRIGUES PRT UMM ALTER PB UMM

652 JESUS NAVARRO ESP RAQUEL S. DORADO ESP DAKAR MCRAE ENDURO 765 MIGUEL MOGO PRT FRANCISCO LUÍS PRT UMM ALTER TURBO PB UMM

653 ERIK WEVERS NLD ASHLEY GARCIA PER BORGWARD BX7 DKR 766 RICARDO LOPES PRT JOSE LOPES PRT OPEL PROTO TNTT - T8

654 SANTIAGO ZUBIZARRETA ESP MAIALEN G. OTEGUI ESP MITSUBISHI L200 767 JOSÉ LOPES VITAL PRT NN PRT BMW 1602 TNTT - T8

>>motosport.com.pt Alexandre Melo
[email protected]
M O T O G PJ A P Ã O
Entrámos para a última fase do cam-
MAGNÍFICOAos 25 anos Marc Márquez peonato de 2018 e já sabíamos que
salvo um cataclismo estava ‘canta-
escreveu mais uma página de ouro do’ mais um título de MotoGP para
na sua carreira e na própria história Marc Márquez. Só restava conhecer qual
do motociclismo de velocidade. O seria o palco da consagração do jovem
piloto da Honda conquistou o seu que na sua infância queria apenas ser
sétimo título mundial, quinto nos um piloto de motos tal e qual já o era
últimos seis anos em MotoGP. Uma Dani Pedrosa, figura que curiosamente
nos últimos seis anos foi seu colega de
7maravilhosa gestão por parte do equipa na formação oficial da Honda.
Quis o destino que tal como em 2016
espanhol que promete não ficar por tudo acontecesse no ‘dojo’ da equipa
aqui. Tudo foi ainda mais perfeito que representa, a Honda. Falamos do
por ter sido alcançado no Grande circuito de Motegi que é propriedade do
Prémio do Japão que teve como construtor da asa dourada. Uma simbiose
palco a pista de Motegi, que é perfeita debaixo do olhar do ‘big boss’,
propriedade da Honda Yoshishige Nomura. As semelhanças com
2016 não ficam por aqui, pois o momento
ACOMPANHE TODA A INFORMAÇÃO que tudo decidiu teve uma ligação direta
DIARIAMENTE EM MOTOSPORT.COM.PT a esse ano. Aí a Yamaha deu dois tiros
no pé com as quedas e consequentes
abandonos de Jorge Lorenzo e Valentino
Rossi que entregaram de bandeja o título

33

a Marc Márquez, na altura o terceiro na com os videojogos ou não estivéssemos de Cal Crutchlow, piloto da satélite LCR C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O
classe rainha. na terra deles, ficaram marcados pelo Honda. O britânico realizou uma corri-
Agora foi Andrea Dovizioso, segundo deslocamento do ombro direito que ra- da muito sólida e beneficiou da queda MOTOGP (HONDA) 42M36.438S
classificado do campeonato, que fez o pidamente foi ao seu sítio com a ajuda de Andrea Dovizioso para garantir esta 1º MARC MÁRQUEZ (HONDA) + 1.573S
mesmo ao sofrer uma queda a volta e do seu irmão e piloto de Moto2, Álex. posição. Álex Rins foi terceiro e deu tam- 2º CAL CRUTCHLOW (SUZUKI) + 1.720S
meia do fim da 15ª corrida do ano. Um Tudo porque na hora de felicitar o pen- bém ele à Suzuki uma alegria no evento 3º ÁLEX RINS (YAMAHA) + 6.413S
incidente que surgiu numa fase em que tacampeão do mundo de MotoGP, Scott caseiro para o construtor de Hamamatsu. 4º VALENTINO ROSSI (DUCATI) + 6.919S
o italiano estava muito pressionado e Redding exagerou um pouco e magoou Valentino Rossi foi quarto e mais uma 5º ÁLVARO BAUTISTA
pressionava o próprio Márquez na luta o seu colega de profissão. vez ‘salvou os móveis’ para a Yamaha,
pela vitória, que como em outras tantas Para a história fica o já referido quinto que não exibiu o nível apresentado em CAMPEONATO 296 PTS
vezes teve estes dois como principais título mundial na classe maior o que per- Buriram (Tailândia). 1º MARC MÁRQUEZ 194 PTS
protagonistas. mite igualar o pecúlio de outra figura Já Álvaro Bautista, com uma das melhores 2º ANDREA DOVIZIOSO 185 PTS
Na corrida em que garantiu mais um mítica do universo Honda, Mick Doohan. corridas dos últimos anos, foi o quinto 3º VALENTINO ROSSI 155 PTS
título nada melhor do que correr ao ‘es- À sua frente em números de títulos na classificado. O prémio deste resultado 4º MAVERICK VIÑALES 148 PTS
tilo Marc Márquez’. O piloto de Cervera classe rainha só estão os italianos Va- para o homem da Aspar Team foi a subida 5º CAL CRUTCHLOW
passou grande parte da contenda em lentino Rossi (7) e Giacomo Agostini (8). à equipa oficial da Ducati em MotoGP no
segundo e na roda do líder Dovizioso. Outro marco é o facto de piloto de 25 anos Grande Prémio da Austrália, onde tomará
Como já aconteceu muitas vezes, es- ser o mais jovem da história a garantir o lugar do lesionado Jorge Lorenzo, que tal
perou pacientemente e saltou para a sete títulos mundiais batendo um recorde como na Tailândia abandonou nos trei-
frente no momento em que achou ser que pertencia a Mike Hailwood. nos livres o Grande Prémio do Japão. Um
o melhor. Estávamos a quatro voltas da Porém, este conto de fadas não se ficou fim de semana negro para o conjunto de
bandeirada de xadrez. Foi embora e com por aqui para a Honda, uma vez que a Borgo Panigale que viu Andrea Dovizioso,
ele levou a chave deste campeonato onde marca nipónica garantiu ainda uma sa- depois da queda, terminar a corrida num
tal como em 2016 tudo ficou selado com borosa dobradinha com o segundo posto distante 18º posto.
um triunfo, neste caso o oitavo de 2018.
Tempo de iniciar os festejos que para
além da originalidade, fez uma parábola

34 M OTO 2 JAPÃO

>>motosport.com.pt

PÓDIO AMARGO primeiros, pelo que teve de conformar-se
com a quarta posição em pista.
Ficou mais difícil a conquista do título mundial de Moto2 para Miguel Oliveira. Nem mesmo Valeu já após a bandeirada de xadrez a
a desclassificação à ‘25ª hora’ do vencedor em pista, Fabio Quartararo, beneficiou o piloto desclassificação de Fabio Quartararo para
português. Isto porque apesar de ter subido a terceiro e com isso ter conquistado mais um o piloto de 23 anos subir ao terceiro posto
pódio, perdeu não sete, mas sim nove pontos para o seu grande rival e líder do campeonato, e com isso obter o 10º pódio do ano em 15
corridas já realizadas.
Francesco Bagnaia, que herdou uma vitória inesperada “Voltei a fazer uma excelente corrida. Parti
de nono e terminei em terceiro. Depois
Alexandre Melo desejado primeiro posto. Isto numa fase No Grande Prémio do Japão, em Motegi, do warm-up acreditei que podia ter um
[email protected] em que estão ainda em jogo 75 pontos. Miguel Oliveira deparou-se novamente ritmo de corrida mais elevado, mas tive
Como é natural nada está ainda perdido, com uma qualificação que não foi a mais de lutar muito com a moto durante todas
Atrês rondas do final da épo- pois a matemática não engana. No en- positiva, pois quedou-se pelo nono posto, as voltas para conseguir sair das curvas
ca está cada vez mais difícil a tanto o piloto luso tem uma missão her- enquanto Francesco Bagnaia amealhou com aderência. Felizmente não tive mui-
vida para Miguel Oliveira que cúlea pela frente. Até porque, nesta fase, a sexta pole position do ano. tas batalhas durante a corrida. Este foi o
persegue com todas as suas Francesco Bagnaia pode dar-se ao luxo Na corrida, Oliveira rapidamente ascen- resultado possível. Tenho que agradecer
forças um inédito título mundial de ser quarto no que resta do calendário, deu a quinto, mas depois faltou aquele à equipa todo o trabalho e empenho, mas
de Moto2. Pelo quinto evento mesmo que Miguel suba ao lugar mais ‘plus’ que habitualmente costuma exibir este é o preço a pagar por andar aqui com
consecutivo o piloto da Red Bull KTM Ajo alto do pódio nesses mesmos eventos, para ascender mais posições. O vice- uma moto nova. Estou feliz por ainda estar
viu o fosso aumentar para o líder do cam- algo que aconteceu em 2017, naqueles -campeão do mundo de Moto3 em 2015 na luta pelo campeonato, mas temos que
peonato, Francesco Bagnaia. Um cenário que foram os primeiros triunfos do luso demorou muito tempo a ultrapassar Xavi nos concentrar em vencer corridas e tirar
que está longe de ser o mais agradável na competitiva categoria intermédia do Vierge, que rodava em quarto, e quando tal o máximo partido daquilo que temos.
e que coloca Oliveira a 37 pontos do tão Mundial. aconteceu já estava muito longe dos três Vamos para Austrália bastante motiva-
dos. Vêm aí circuitos onde historicamente
somos fortes, o que nos dá muito ânimo
para encarar as últimas três provas do
campeonato”, disse o piloto que em 2019
fará a sua estreia em MotoGP.
Quanto a Francesco Bagnaia, numa cor-
rida onde foi visível que não arriscou nem

35

M OTO 3 JAPÃO Dalla Porta. O irmão mais novo de
Brad Binder obteve o primeiro pódio
À ANTIGA no Mundial, mas ficou com uma
grande ‘espinha encravada’. Para
A temporada de 2018 do Mundial três Grandes Prémios até ao final Lorenzo Dalla Porta foi o terceiro
de Moto3 está a ser muito da época. Os dois pilotos estão pódio nos últimos quatro Grandes
imprevisível. Isto porque, qual apenas separados por um magro Prémios e a segunda corrida
campeonato do passado, tudo está ponto ao fim de 15 corridas. Tudo consecutiva em que foi segundo.
a ser demasiado influenciado pelo porque Bezzecchi venceu em Motegi, Dennis Foggia e Jonh McPhee
elevado número de abandonos dos num triunfo que, no entanto, foi completaram o top cinco, numa
dois grandes candidatos ao título, bastante suado. Na derradeira volta corrida onde a KTM estragou a
Marco Bezzecchi e Jorge Martín. da contenda o italiano estava no festa à Honda, a correr em casa,
Se na Tailândia a rifa saiu a segundo posto à entrada da reta da pois para além do triunfo a marca
Bezzecchi, com uma queda nos meta e só em aceleração conseguiu austríaca colocou quatro motos no
metros finais da corrida, agora bater Darryn Binder, que se top cinco. Menção ainda para Fabio
foi Martín que somou o quarto preparava para vencer pela primeira di Giannantonio que disse adeus
abandono da campanha com vez em Moto3. ao título, uma vez que abandonou
uma queda a seis voltas do fim Uma vitória dramática, naquela que devido a queda. Um incidente que
e quando discutia as primeiras foi a terceira vez que o protegido obrigou mesmo o italiano a deslocar-
posições. de Valentino Rossi subiu ao lugar se a uma unidade hospitalar, onde
Cenário que abriu as portas para mais alto do pódio em 2018. Quanto chegou-se à conclusão que tal
que Marco Bezzecchi reduzisse a Darryn Binder, como se já não infortúnio não teve consequências
a desvantagem pontual para o bastasse ter perdido uma vitória que físicas. A presença no Grande Prémio
ainda líder do campeonato, Jorge parecia certa, nessa mesma reta da Austrália não está em risco.
Martín, agora que restam disputar final ainda foi superado por Lorenzo

C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O C/ C L A S S I F I C A Ç Ã O

MOTO2 MOTO3 (KTM) 39M35.653S
1º MARCO BEZZECCHI (HONDA) + 0.041S
1º FRANCESCO BAGNAIA (KALEX) 41M04.294S 2º LORENZO DALLA PORTA (KTM) + 0.042S
+ 6.227S 3º DARRYN BINDER (KTM) + 0.212S
2º LORENZO BALDASSARRI (KALEX) 4º DENNIS FOGGIA (KTM) + 0.251S
+ 11.553S 5º JOHN MCPHEE
3º MIGUEL OLIVEIRA (KTM) + 12.083S
+ 12.348S
4º ÁLEX MÁRQUEZ (KALEX) CAMPEONATO

5º BRAD BINDER (KTM) 1º JORGE MARTÍN 204 PTS

CAMPEONATO 3º MARCO BEZZECCHI 203 PTS

1º FRANCESCO BAGNAIA 279 PTS 3º FABIO DI GIANNANTONIO 175 PTS

2º MIGUEL OLIVEIRA 244 PTS 4º ENEA BASTIANINI 142 PTS

3º BRAD BINDER 167 PTS 5º LORENZO DALLA PORTA 131 PTS

4º LORENZO BALDASSARRI 148 PTS

5º ÁLEX MÁRQUEZ 137 PTS

um milímetro já a pensar nas contas do
título, viu uma vitória inesperada cair no
seu colo, naquele que foi o oitavo triunfo
em 2018. É de esperar que nos próximos
eventos o piloto da Sky VR46 mantenha
esta atitude mais passiva e onde abor-
dará cada curva de calculadora na mão.
Já o vencedor em pista, Fabio Quartararo,
enfrentou uma grande desilusão. O piloto
gaulês perdeu a segunda vitória do ano,
já havia vencido em Barcelona, pois o
pneu traseiro da sua Speed Up apresentou
uma pressão abaixo do limite mínimo. Um
desfecho inglório para o piloto de 19 anos
que realizou na Ásia uma das melhores
exibições da sua carreira.
Nota também para Lorenzo Baldassarri
que ao ser segundo somou o quinto pódio
da época. Um resultado especial, pois
Motegi marcou a 100ª corrida do italiano no
Mundial.ÁlexMárquezeBradBindercom-
pletaram o top cinco, tendo sido secunda-
dos por Augusto Fernández, espanhol que
ao ser sexto obteve até ao momento o seu
melhor resultado em Moto2.

>>motosport.com.pt

PEUGEOT Pedro Rocha dos Santos Django chegou a ter uma versão Sport
[email protected] com essa mesma cor que de momento
» DJANGO 125 não está disponível em Portugal.
AinspiraçãoclássicadaPeugeot No ensaio que realizámos tivemos por
MOBILIDADE EM ESTILO CLÁSSICO Django deriva, segundo a casualidade e coincidência de datas a
marca, de um modelo dos oportunidade de rodar num ambiente
O estilo vintage associado a um sentimento revivalista anos 50, a S55, precisamen- onde a Django se sentia especialmente
de “lifestyle” estão na moda e a Peugeot Django é um te a primeira scooter lançada enquadrada, o evento “Distinguished
excelente exemplo que vai ao encontro da crescente pela marca do “Leão”. Gentleman’s Ride”, onde a mesma foi
procura de modelos que invoquem um estilo passado As opções bicolores disponíveis no muito elogiada, quer pelo seu estilo
combinado com tecnologia atual mercado nacional reforçam o look vin- clássico quer pelo seu desempenho
tage da Django e fazem-nos lembrar nas ruas de Lisboa.
inclusivamente os esquemas cromáti- Se tivermos em conta o desafio que
cos utilizados nas antigas Mobylettes representam sempre as ruas da nossa
dos anos 60/70, onde o laranja e o capital, que colocam à prova a des-
creme marcaram toda uma época, treza de qualquer um entre carris de
assim como o azul céu que acabou elétricos, piso degradado e ruas de
por designar os ciclomotores da marca calçada, podemos afirmar que a prova
francesa como “les Bleus”. A Peugeot foi superada com especial distinção

37

pois, para além da nossa experiente experiência em condução de scooters,
“piloto de ensaio”, a Django realizou demonstrou uma enorme admiração
todo o percurso a dois, provando que pelo desempenho da Django para além
a sua ciclística está preparada para de se identificar totalmente com a
qualquer desafio. estética vintage do mesma.
Como já referimos, do ponto de vista Os acabamentos da Django são real-
estético a Django não deixa ninguém mente cuidados e fazem a diferença,
indiferente, chegando mesmo a ar- exprimindo o nível de atenção e a qua-
rancar todo o tipo de elogios e co- lidade com que a Peugeot desenhou
mentários: desde a pergunta de que todos os componentes do modelo.
modelo se tratava à parabenização Desde a decoração bicolor onde um
pela excelente “recuperação” do mo- frizo cromado separa as duas cores,
delo, supostamente antigo… ao lettering vintage utilizado na de-
De facto a Peugeot soube dotar a sua signação do modelo, às rodas com
Django de um charme especial e uma banda branca e a outros pormenores
estética vintage muito cativante as- como o desenho do banco bi-partido,
sociada a uma ciclística atual, de tal
forma que a nossa convidada para
testar o modelo, com largos anos de

38

>>motosport.com.pt

este por certo muito confortável para xando-se apenas em subidas mais asseguram uma travagem bastante que dá um toque de modernidade ao
condutor e passageiro, onde pegas acentuadas, o que permite utilizar a efetiva e segura com sistema combi- modelo e disponibiliza de forma clara
laterais de grande dimensão permitem Django em percursos sub-urbanos nado na manete esquerda. As luzes são toda a informação necessária.
ao pendura circular em total segurança e de cidade, podendo percorrer com LED, tanto nos faróis como nos piscas, A Peugeot Django, apesar do seu look
e conforto. As peseiras retráteis do alguma proteção aerodinâmica troços com uma intensidade surpreendente retro, mostrou estar à altura das exi-
pendura, integradas na carenagem de auto-estrada e depois atacar com no farol dianteiro. Os piscas têm um gências atuais em matéria de mo-
lateral da Django, são um pormenor desenvoltura e agilidade o trânsito avisador sonoro, um “Bip” algo incó- bilidade urbana, com consumos na
de belo efeito estético. O banco abre- sempre caótico das cidades. modo mas que ao mesmo tempo se ordem dos 3 litros/100 kms, sendo um
-se a partir da fechadura de ignição Do ponto de vista prático a Django tem agradece para que não nos esqueça- modelo estéticamente muito apelativo,
dando acesso ao compartimaneto de tudo o que numa utilização diária ne- mos de desligar os mesmos. de linhas clássicas e intemporais que,
bagagem. cessitamos. Espaço debaixo do banco O painel redondo de informação analó- com um preço abaixo dos 3.000 euros,
O motor da Django é um 125cc a 4 tem- suficiente para colocar um capacete gica monta no seu interior um pequeno resulta ser uma opção séria para quem
pos, com refrigeração a ar e injeção aberto e mais alguns acessórios; es- visor digital, de secção quadrada, ele- pretende adicionar algum estilo vin-
eletrónica, fabricado pela SYM, marca paço no painel dianteiro para coloca- mento de estética algo discutível mas tage à sua imagem pessoal.
que também é distribuída pela Moteo ção de pequenos objetos e possível
em Portugal. Tem cerca de 10 cv de po- ligação de acessórios eletrónicos na
tência e transmissão do tipo variador, tomada de 12V aí existente; e ainda
por sinal extremamente suave, mas um pequeno gancho retrátil, habitual
que não afeta em nada a agilidade nas scooters, para se poder pendurar
demonstrada pela Django, saindo nos uma mochila ou um eventual saco de
semáforos como se fosse uma GT e compras. Uma das tampas laterais dá
deixando para trás muitas outras. acesso ao tampão da gasolina, prova de
As suspensões mostraram-se à altura colocação do depósito de combustível
de uma utilização urbana intensiva: numa posição baixa e que contribui
firmes em curva e ao mesmo tempo a para o baixo centro de gravidade da
garantirem um nível de conforto muito Django, aumentando a estabilidade da
agradável, superando com nota alta scooter a baixa velocidade, muito útil
o mau estado habitual das ruas das sobretudo a circular entre os carros no
nossas cidades. trânsito citadino.
A velocidade máxima da Peugeot A Peugeot Django monta travões de
Django supera os 100 kms/h, quei- disco com ABS, à frente e atrás, que

39

FT/ F I C H A T É C N I C A V/ V E R S Õ E S D I S P O N Í V E I S E M P O R T U G A L

125 CC

CILINDRADA

10,1 CV

POTÊNCIA

8,5 L

DEPÓSITO

129 KG

PESO

2 999€

PREÇO BASE

MOTOR MONOCILÍNDRICO A 4 TEMPOS
COM 125CC, REFRIGERAÇÃO A AR, INJEÇÃO
ELECTRÓNICA ARRANQUE ELÉTRICO
TRANSMISSÃO POR VARIADOR POTÊNCIA
MÁXIMA DE 10,1 CV SUSPENSÃO DIANTEIRA
TELESCÓPICA CONVENCIONAL SUSPENSÃO
TRASEIRA MONO-AMORTECEDOR TRAVÃO
DIANTEIRO DE DISCO COM ABS TRAVÃO
TRASEIRO DE DISCO COM ABS PNEU
DIANTEIRO 120/70-12 PNEU TRASEIRO
120/70-12 PAINEL DE INFORMAÇÃO
ANALÓGICO/DIGITAL DIMENSÕES
COMPRIMENTO 1925MM LARGURA 710MM
ALTURA 1190MM ALTURA DO ASSENTO 770MM
DISTÂNCIA ENTRE EIXOS 1350MM

40

BAPRAIOLLLOA Guilherme Ribeiro
OHOMEM [email protected]
DA MASSA FOTOGRAFIA Fotos Arquivo
Herdeiro do conglomerado agroalimentar italiano Barilla,
Paolo Barilla nasceu a 20 de abril
poder-se-ia pensar, a avaliar pelos resultados na Fórmula 1, que de 1961 em Milão, filho de Pietro
Paolo Barilla seria o típico piloto pagante, como tantos outros Barilla, dono do gigante produ-
que “tomaram de assalto” a modalidade a partir da segunda tor de massas Barilla que havia
década de 80. No entanto, este italiano mostrou, por mérito sido fundado pelo seu bisavô em
próprio, não ser de todo desprovido de talento Parma, no longínquo ano de 1877.
Durante a infância de Paolo questões fa-
CONHEÇA ESTA E MUITAS miliares levaram Pietro a vender a com-
OUTRAS HISTÓRIAS EM AUTOSPORT.PT panhia a uma grande multinacional ame-
ricana, o que deixou a família Barilla ainda
mais abastada, já que o valor de mercado
representado pela empresa era enormís-
simo, sendo, à data, uma das maiores do
mundo. Desta forma, quando o jovem
Paolo se interessou pelo desporto auto-
móvel, não houve questões monetárias
a interporem-se entre ele e uma carrei-
ra no karting, modalidade em que desde
cedo mostrou algum talento e resultados.
Iniciou-se na modalidade em 1974/1975 e
venceu o seu primeiro título em 1976, no
Campeonato Italiano de 100cc.
Depois de uma carreira bem-sucedida
nos karts, Barilla decidiu prosseguir a sua
aventura nos monolugares e, em 1980,
estreou-se na Formula Fiat Abarth, ter-
minando o campeonato no 11º lugar, com
10 pontos e um pódio pelo meio. Uma es-
treia promissora que o levou a avançar de

>> autosport.pt

41

imediato para o Campeonato Italiano de e já piloto da Lancia no seu programa de tanto, a figura deste piloto italiano ade- ção deste campeonato, que juntava as
Fórmula 3 em 1981, correndo ao volante Endurance, mas a verdade é que a falta quava-se muito mais à dos “gentlemen rondas europeias do WSC/WEC a algu-
de um Martini Mk34-Alfa Romeo inscrito de conhecimento das pistas, aliado a um drivers” que tanto fizeram parte do Grande mas exclusivamente criadas para este
pelo conceituado Ferdinando Ravarotto carro claramente pouco competitivo, fez Circo até ao início da década de 70 do que efeito – partilhando o carro maioritaria-
(mais tarde inscrita como Team Del Potro). com que Barilla terminasse a época a zero, do típico piloto pagante que surgiu maio- mente com Giorgio Francia. Infelizmente,
E se alguns pensariam que a sua che- enquanto Nannini garantia oito pontos, ritariamente nos anos 80. Barilla queria o novo Lancia era muito rápido em qua-
gada a esta categoria, com apenas um muito graças a um pódio fabuloso obti- correr, mas não sonhava propriamente lificação, mas também bastante pouco
ano nos monolugares, seria prematura, do em Misano. com o fim último de chegar à Fórmula fiável em corrida, pelo que o melhor que
não tardou a ver-se que o jovem pilo- 1, e tendo a oportunidade de progredir, Barilla conseguiu foi um sexto lugar nos
to era rápido. Na sua terceira prova, em GLÓRIA NA ENDURANCE optou por uma mudança para os Sport- 1000 Km de Spa. No entanto, as boas indi-
Vallelunga, dominou as operações e con- No final de 1982 seria de esperar que Barilla Protótipos em 1983, assinando com a pe- cações levaram a Lancia a convidar Paolo
seguiu a sua primeira vitória, repetindo a usasse os seus contactos e a carteira bem quena Scuderia Mirabella para correr ao para correr em Le Mans com a equipa ofi-
dose em Enna-Pergusa. Apesar de algu- recheada para tentar um lugar numa equi- volante dos Lancia LC2 no Campeonato cial, juntamente com Nannini e a estrela
ma irregularidade, típica da sua juventude, pa de F2 bem mais competitiva. No en- Europeu de Endurance – foi a única edi- da Lancia no WRC, Jean-Claude Andruet,
Paolo Barilla terminou o campeonato num
fabuloso terceiro posto, a apenas 12 pon-
tos do campeão Eddy Bianchi. Pelo meio
foi ainda sexto no G.P. do Mónaco de F3,
o que atraiu decerto a atenção de alguns
diretores das equipas dos escalões su-
periores, sendo convidado pela Minardi
para disputar duas provas de Fórmula 2
ainda no decorrer de 1981.
Claro está que se pode dizer, com algu-
ma razão, que o dinheiro de Paolo Barilla
abria muitas portas, mas o dinheiro nun-
ca conduziu sozinho, e o que se viu nes-
ta fase da carreira do piloto foi uma dose
boa de talento. Em 1982 foi anunciado
como piloto da Minardi na F2, ao lado de
Alessandro Nannini, mas talvez esta subi-
da tenha acontecido demasiado cedo. Não
que Paolo fosse cilindrado por Nannini,
considerado como um dos maiores ta-
lentos italianos do início da época de 80

42

mas a equipa desistiu a meio da prova com trarem na luta pela vitória. A tripla Klaus do todas as pistas, conseguiu vencer as Hatch do ano anterior, o francês não era
problemas no turbo. Barilla regressou Ludwig/Paolo Barilla/”John Winter” con- 3h de Miami e obter pódios em Riverside ainda o mais rápido do pelotão, o carro es-
ainda à F2 para mais uma participação seguiu uma espetacular vitória na clássica e Lime Rock, entre outros resultados de tava também longe de ajudar e a marca
ocasional com a Minardi, sem sucesso. francesa, batendo o recorde de distância destaque. Contudo, quando tudo indicava de Arese nunca conseguiu lutar de igual
Porém, a rapidez evidenciada na então estabelecido! Decerto, esta prova que Paolo tinha encontrado o seu nicho para igual com a Ford e a BMW, deixando
Endurance levou Cesare Fiorio a contra- foi a coroa de glória da carreira de Barilla na Endurance, a vontade de chegar à F1 o campeonato antes do seu final.
tar Barilla para a equipa oficial da Lancia no automobilismo, e provou definitiva- falou, finalmente, mais alto. Barilla voltou a ter um ano bastante agita-
no WSC. Ao volante do novo LC2-84, no- mente que este se tratava de um piloto do em 1988, quando decidiu conjugar um
tou-se uma ligeira melhoria na fiabilidade consistente e capaz. Mesmo se o restante segundo ano na F3000 com uma carrei-
dos Lancia, mas estes não eram capazes campeonato não trouxe grandes alegrias ATÉ À FÓRMULA 1 ra na Endurance, quando foi convidado
de acompanhar em corrida o ritmo dos à Joest, Paolo correu ainda em duas pro- para competir no Campeonato Japonês
Porsche 956. Ainda assim, a época co- vas do campeonato Interserie – em Most Barilla tinha sido convidado a testar para
meçou bem, com um terceiro lugar em e Nürburgring– vencendo ambas.E ain- a Benetton em 1986, e começou a pensar
Monza e um quarto em Silverstone, antes da teve tempo de participar em rondas gradualmente na hipótese de, um dia, se
de Barilla/Baldi/Heyer se retirarem em ocasionais do Troféu Renault Alpine V6! juntar ao pelotão da categoria rainha. Para
Le Mans. A segunda metade da época não 1986 seria o ano mais atarefado para o tal, no final da época conseguiu um lugar
foi tão bem-sucedida, com muitas que- ainda jovem piloto italiano. Renovando na Sanremo Racing para experimentar
bras mecânicas à mistura, salvando-se com a Joest, Barilla conseguiu uma época um F3000, mas sem sucesso, já que não
apenas um segundo lugar em Kyalami, bem-sucedida no WSC, principalmente se qualificou. Ainda assim, em 1987 o piloto
depois de partir da pole-position junta- na sua segunda metade. Le Mans foi o investiu forte numa viragem para os mo-
mente com Bob Wollek. Entusiasmado ponto de viragem, mas desta vez “John nolugares, assinando pela Pavesi Racing
pelo sucesso, Barilla decidiu mudar-se Winter”/Ludwig/Barilla viram-se obri- para pilotar um Ralt RT21-Cosworth. Para
para a Porsche, conseguindo um lugar gados a abandonar com problemas de alguém que já havia demonstrado tan-
na equipa Joest Racing, cujo manager à motor. Mas, em seguida, um quinto lugar ta capacidade na endurance e até nos
data era… Domingos Piedade. Ao lado de em Brands Hach, um quarto lugar em Spa, primeiros anos nos monolugares, Paolo
uma gama variada de pilotos, o italiano e uma vitória em Fuji, juntamente com mostrou uma evidente falta de capaci-
não deixou a equipa ficar mal e esteve Piercarlo Ghinzani, coroaram uma época dade de adaptação e nunca conseguiu
sempre entre os melhores, mesmo se a muito competitiva na Europa. Por sua vez, andar sequer no meio do pelotão com
Joest não conseguia acompanhar o ritmo depois de se estrear no campeonato IMSA regularidade, salvando-se apenas um
dos Porsche oficiais na maior parte das nas 24h de Daytona, Barilla arranjou lugar sétimo lugar em Enna-Pergusa, batido
provas. No entanto, nas 24h de Le Mans, na Bayside Racing, de Bruce Leven, para claramente pelo seu colega de equipa,
problemas mecânicos dos carros de fá- competir naquele campeonato norte-a- Pierluigi Martini. Nesse ano, para fazer o
brica abriram espaço às numerosas equi- mericano,correndomaioritariamentecom gosto às provas de longa distância, Barilla
pas privadas equipadas com os Porsche a estrela francesa Bob Wollek. Barilla não o dedicou-se ao WTCC, correndo ao volan-
956B e 962C (como a Kremer) para en- deixou ficar mal e, mesmo desconhecen- te de um Alfa Romeo 75 oficial ao lado do
antigo piloto de F1 Jacques Laffite. Ainda a
recuperar do pavoroso acidente de Brands

>> autosport.pt

43

de Sport-Protótipos com a Toyota Team dos de relevo, falhando a qualificação por máximo que o italiano conseguiu foram Com um chassis menos conseguido e os
TOM’s. Começando pelos monolugares, duas vezes e desistindo devido a aciden- dois quintos lugares. A equipa veio a Le novos pneus Pirelli menos eficazes, tanto
foi uma época novamente abaixo das tes, como se estivesse a forçar a máquina Mans, mas terminou muito longe da frente em qualificação como em corrida, não era
expectativas. Barilla assinou pela Cobra além dos limites, ou mesmo dos seus li- e, no final da época, Barilla deu ainda uma de esperar outra coisa que não uma lon-
Motorsports, mas só correu na ronda mites de piloto. Mesmo assim, conseguiu “perninha” à Joest no WSC, conseguindo ga luta para conseguir algum resultado.
inaugural do campeonato, mudando- um excelente quarto lugar em Brands um pódio no Nürburgring. Foi um ano muito negativo para a equipa,
-se “de armas e bagagens” para a Spirit Hatch, após recuperar do fundo da grelha. Claro está que a cotação de Paolo Barilla que nunca conseguiu aproximar-se dos
TOM’s Racing. Conjugando assim ambos No final da época, conseguiu mesmo um na F3000 estava pelas “ruas da amar- pontos, e Barilla teve várias dificuldades
os campeonatos (e muitas milhas aéreas), lugar na Jordan Racing, mas não obteve gura”, por isso o italiano resolveu partir em qualificar-se para as provas, só em
Barilla esperava conseguir progredir nos melhores resultados. No Japão, o Toyota para o Japão, assinando novamente com a raros momentos colocando o Minardi na
monolugares, mas não conseguiu resulta- 88C estava longe de ser competitivo e o Toyota, e alinhando na F3000 local ao vo- grelha num lugar competitivo. Com seis
lante de um Lola T89/50-Mugen. Neste não-qualificações em 14 provas, e sem
campeonato ultracompetitivo, Barilla vol- performances evidentes em corrida, a
tou a demonstrar alguma falta de adapta- Minardi dispensou Barilla a duas provas
ção aos monolugares, conseguindo ape- do fim, substituindo-o pelo promissor
nas um segundo lugar como classificação Gianni Morbidelli.
de destaque. Já nos Protótipos, o novo
Toyota 89C-V era bem mais competitivo E DEPOIS DA F1?
e a dupla Barilla/Ogawa conseguiu andar
regularmente nos lugares da frente e até Tendo chegado ao topo da carreira, e como
vencer os 1000 Km de Fuji, mesmo se Le gentleman-driver que sempre fora, Barilla
Mans se saldou por novo abandono. No não pensou propriamente em continuar
entanto, foi graças ao conhecimento das a competir ao mais alto nível. Tinha ven-
pistas japonesas que Barilla conseguiu, cido Le Mans e corrido na Fórmula 1, es-
finalmente, chegar à F1. tava com 30 anos de idade e, enquanto
Pierluigi Martini tinha conseguido extrair ele se divertia na competição, o seu pai
tudo o que podia e não podia do Minardi havia comprado de novo o Barilla Group
M189-Cosworth ao longo da temporada em 1979, tornando a empresa ainda mais
de 1989, batendo regularmente o seu cole- forte, chegando mesmo a cobrir um terço
ga de equipa, o espanhol Luis Pérez-Sala. do mercado mesmo durante os anos de
No entanto, uma lesão no G.P. de Portugal, recessão no início da década de 90. Por
que se agravou em Espanha, obrigou o isso foi um homem com o sentimento
homem da Minardi a ausentar-se do G.P. de dever cumprido que se preparou para
do Japão. E quem estava no País do Sol abandonar as competições. Ainda assim,
Nascente? Barilla… que até conhecia bem em 1991, Barilla pensou em regressar ao
Giancarlo Minardi. Sabendo do seu conhe- WSC, com a Courage Competition, mas
cimento profundo do circuito de Suzuka, só fez uma prova e já não foi a Le Mans.
a Minardi contratou-o para aquele G.P. Pelo meio, disputou ainda quatro provas
e Barilla conseguiu um surpreendente no Campeonato Italiano de Turismos com
19º lugar, deixando no ar a promessa de um BMW M3, conseguindo dois pódios,
uma boa performance, que se esfumou mas no final de 1991 optou mesmo pelo
com uma embraiagem quebrada ainda adeus. Nos anos subsequentes, apareceria
na primeira volta. ocasionalmente em troféus monomarca
No entanto, a equipa tinha ficado satisfei- locais. Em 2002, 2004 e 2006 competiu nos
ta – e o valor dos patrocínios vinha mes- camiões no Dakar, com um oitavo lugar
mo a calhar – tendo trocado Pérez Sala no ano de estreia como melhor resultado,
por Barilla ao lado de Martini em 1990. aparecendo com alguma regularidade em
O italiano tinha finalmente conseguido eventos históricos nas últimas décadas.
cumprir um sonho, e a Minardi esperava Barilla dedicou-se inteiramente ao ne-
ter um carro pelo menos tão bom quan- gócio da família, juntamente com os seus
to o de 1989, apoiado pelos espetaculares dois irmãos, que detêm de momento 51%
pneus Pirelli, que permitiam à equipa bri- do grupo.
lhar nas qualificações e “sacar” resulta- Entre 1999 e 2000 Paolo foi CEO da em-
dos surpreendentes. Contudo, desde os presa, tornando-se vice-presidente a par-
primeiros testes se percebeu que, em- tir daí, posição que ainda mantém, sendo
bora longe de envergonhar a formação, também detentor de uma fortuna muito
Barilla estava longe do ritmo de Pierluigi considerável, que passa dos biliões de eu-
Martini, o que até não seria de esperar, ros. Embora se dedicasse de corpo e alma
já que o homem de Lugo di Romagna era à companhia, que cresceu em vários sen-
um dos melhores talentos italianos da sua tidos desde a reforma do seu pai, Barilla
época, embora nunca tivesse um carro nunca esqueceu o desporto motorizado
competitivo em mãos. Nas duas primei- e criou a Barilla Sports School, que pro-
ras rondas, com o carro do ano anterior, move o desporto entre os jovens italianos,
os Minardi nem se portaram mal, mas a e patrocinou diversos desportistas em
partir da introdução do M190, as perfor- diferentes modalidades, destacando-se
mances dos dois pilotos começaram a o apoio prestado a um certo Alessandro
piorar, e Barilla saiu-se nitidamente pior. Zanardi, quando este se mudou para os
EUA em 1996.

+44

NISSAN José Manuel Costa Toyota CH-R, segundo e terceiro modelos
[email protected] mais vendidos, sendo o quinto modelo
» QASHQAI 1.5 DIG-T mais vendido em Portugal?
Éverdade que a Nissan não inven- Antecipando as tendências e escutando os
GASOLINA PARA MANTER LIDERANÇA tou o segmento SUV, mas criou clientes, modificando o Qashqai consoante
os crossover com um carro que as tendências. Esta segunda geração do
Manter-se há quase 12 anos na liderança do segmento continua a dominar um segmento Qaqshqai vai manter-se à venda até 2020,
por si criado não tem sido tarefa fácil, mas a Nissan, com que cresce 21%, vendeu mais de data em que chegará a terceira geração
1 210 411 unidades nos primeiros do modelo, que está a ser preparada com
constantes melhorias no Qashqai, como este excelente oito meses de 2018, das quais 134 527 muito cuidado e, sobretudo, com a eletri-
motor a gasolina e um melhorado sistema de info foram Nissan Qashqai, sendo este C-SUV ficação como ponto assente.
o terceiro segmento que mais cresce na Enquanto esse momento não chega, a
entretenimento, continua a alimentar o líder que a tudo Europa. Nissan introduz este motor 1.3 litros a
parece resistir. Literalmente, a Nissan deu gasolina ao Ora como é que a Nissan conseguiu man- gasolina feito em parceria entre a Aliança
ter o Qashqai no topo do segmento quando Renault Nissan Mitsubishi e a Mercedes,
Qashqai para o manter no topo os rivais se multiplicaram centenas de prometendo melhor performance, meno-
vezes com produtos de grande qualida- res consumos e emissões e maior agra-
LEIA MAIS ENSAIOS E ACOMPANHE de, com apenas duas gerações e quatro dabilidade na condução.
TODAS AS NOVIDADES EM AUTOSPORT.PT remodelações, sendo líder de vendas e
de reputação? Como é que o Qashqai, em CAIXA CVT, FINALMENTE, DESAPARECE
Portugal, consegue vender 4 569 unidades
em nove meses, detendo 22,39% de quota A Nissan mandou pela janela a odiada
no segmento C-SUV, mais que a quota caixa CVT, trocando-a por uma moderna
de mercado junta do Peugeot 3008 e do unidade automática de dupla embraia-
gem, disponível para o modelo mais po-

>> autosport.pt/automais

45

tente, com 160 cv. Que, por enquanto, é Naturalmente que o motor de 160 cv tem ma evolução ou então já no novo carro a do por si e pelos meus pares – mas este
o motor mais potente da gama até que mais “salero” e com a caixa de dupla em- partir de 2020. Nissan Qashqai com o novo motor a ga-
na madrugada de 2019 a marca ofereça braiagem fica excelente. Dizia em conver- Como disse acima, as mudanças no Nissan solina trouxe para bem perto o crossover
o novo bloco 1.7 litros turbodiesel com sa com alguns companheiros de profissão Connect são importantes e já as expli- japonês. Consegue ser eficaz, divertido e
170 cv. Finalmente, a Nissan atualizou o que com uma diferença de preço entre o de quei todas num texto à parte que pode ler com o novo motor, mais económico e com
“Nissan Connect”, sistema de infor entre- 140 e o de 160 cv a situar-se em meros mil usando o QR Code que encontará nestas muito mais pulmão.
tenimento da casa japonesa que era, até euros, a Nissan arriscava-se a não vender páginas. Resumidamente, posso dizer-lhe O Nissan ganhou qualidades. Para já e
agora, o mais antigo face aos rivais. Uma o 140 cv em Portugal. Bom, vou rever essa que está muito melhor, tem muitas apli- até ao ensaio em estradas portuguesas
falha importante que, uma vez mais, não minha previsão, pois este motor 1.3 DIG-t cações e inovações e a funcionalidade e o daqui por mais algum tempo, o Qashqai
escapou aos homens da Nissan. com 140 cv é tão equilibrado e suave que aspeto melhoraram muito. Ou seja, o novo consegue fazer jogo igual com o Ateca. E
A impressão inicial sobre este motor é ex- eu pouparia os mil euros. Evidentemente Nissan Connect tem mais para oferecer por menos de 30 mil euros, este é, sempre,
celente! Face ao anterior 1.2 litros com 115 que se gosta de um carro espigadote, a do que anteriormente, mais mesmo que um automóvel apetecível.
cv, o bloco 1.3 DIG-T é muito mais suave, opção acabará por recair no de 160 cv. alguns rivais com aplicações criativas e
com impulso logo desde baixas rotações e excelentes, mas precisa, ainda, de alguns
com um fôlego enorme até chegarmos ao EXCELENTE COMPORTAMENTO retoques, para sonhar em conseguir ri-
limite de rotação. Não será preciso medir valizar com os sistemas da Seat, Skoda
nada, pois a sensação ao volante dei- O Qashqai continua a ser dos melhores ou Ford, para citar alguns dos melhores.
xou-me com a certeza que a aceleração no que ao comportamento diz respeito Estas alterações em termos de motor,
do Qashqai deixou de ser molengona, o e há muito que os jornalistas portugue- caixa e sistema de info entretenimento
carro salta para diante face à pressão do ses e europeus o encaram como um dos não mudaram absolutamente nada no
acelerador facilitando o andamento e, melhores em termos de comportamento Qashqai, seja no interior seja no exterior.
sobretudo, as ultrapassagens, algo que e conforto, tendo perdido algum terreno Desde há algum tempo que considero o
os engenheiros da Nissan fazem honra para alguns rivais nos últimos tempos. Seat Ateca como o melhor carro do seg-
de destacar. Provavelmente, será a próxima questão mento – correndo o risco de ser apupa-
a ser abordada pela Nissan numa próxi-

+

MERCEDES

» CLASSE C

RETOCADO

A Mercedes-Benz atualizou o seu Classe C. Uma melhoria
estética, tecnológica e mecânica quatro anos após o
lançamento da atual geração. As novidades em seguida

André Duarte Multibeam LED com tecnologia Ultra Range e duas elétricos do veículo e ajudam a reduzir as emissões. A
[email protected] novas cores de carroçaria (versões Limousine e Station): ofertaagasolina(modelosnãoAMG) baliza-seentreos
prata Mojave e verde esmeralda metalizados. 130e333cv.Este últimoníveldepotênciarepresenta o
OClasse C é uma proposta com grande história No interior sobressaem os novos volantes com uma topo e está disponível no 400, o único exclusivamente
para a marca alemã, que desde 1982 vendeu 9,5 renovada configuração de botões, dois dos quais toutch. com tração integral e motor V6. O topo são as propostas
milhões de unidades das versões Limousine Permitem aceder de forma mais simples e rápida ao painel AMG C 63S (510 cv), AMG C 63 (476 cv) e AMG C 43 (390
e Station e só no último ano comercializou de instrumentos (digital de 12,3” com personalização cv). À exceção dos AMG, de série está disponível uma
415.000 veículos das respetivas carroçarias, Classic, SporteProgressiveemopção),eaoecrãcentral caixa manual de 6 e em opção uma automática de 9
assumindo-se como o seu modelo mais vendi- de 7” (10.25” em opção). (esta de série nas versões 200 a gasolina e 220 diesel).
do a nível mundial. Em Portugal a família C representa 30
a 40% das vendas. Foi neste contexto que a marca retocou NOVOS MOTORES E CAIXA EQUIPAMENTO
a linhagem para garantir a prosperidade do seu futuro. Destaque para um completo sistema de câmaras e
Fomos conhecê-lo na apresentação nacional à imprensa. Na gama C há dois novos motores. A diesel temos um radar melhorados; sistema Distronic com assistente de
bloco de 4 cilindros que veio substituir o existente 2.2l. direção ativo; ajuste de velocidade automático consoante
EXTERIOR/INTERIOR 17% mais leve que o anterior, conta com sistema de inje- a rota; assistente à travagem de emergência de série.
ção direta, cárter em alumínio, pistões de aço e respeita A aplicação Mercedes Me avisa o condutor de batidas
O facelift ao novo Mercedes-Benz Classe C é um tra- a norma Euro 6d-TEMP. Uma motorização estreada no ou tentativa de roubo através de uma notificação no
balho mais profundo que aquele que pode aparentar Classe E e que futuramente irá também estar disponível telemóvel.
à primeira vista. A prová-lo estão os cerca de 50% de no Classe A. A oferta diesel varia entre os 122 e 245 cv.
novos componentes. O novo Classe C está disponível em O 220d (194 cv) e o 300d (245 cv) são os únicos que, PREÇOS
quatro carroçarias (Limousine, Station, Coupé e Cabrio) além de tração traseira, também estão disponíveis com Os preços de entrada em cada carroçaria são: Classe C
e três linhas de design exterior (série, Avantgard e AMG). tração integral. 160 Limousine (130 cv) 41.350€; Classe C 160 Station (130
No global, exterior e interiormente a base estética é a A gasolina a novidade é o 1.5l de 4 cilindros. Integra um cv) 42.850€; C 180 Coupé (156 cv) 46.250€; C 180 Cabrio
todos transversal. Linhas fluidas e elegantes que criam sistema elétrico de 48V e um motor de arranque/alter- (156 cv) 55.200€. Toda a informação sobre o novo Classe
harmonia visual. Destacam-se os redesenhados pá- nador de acionamento por correia (sistema EQ Boost) que C no nosso site Auto+: www.automais.autosport.pt.
ra-choques dianteiro e traseiro; os opcionais faróis auxiliam o motor no arranque e demais componentes

>> autosport.pt/automais

47

SUZUKI

» JIMNY

ELIXIR DA JUVENTUDE

O que poderei dizer de um jipe com tração integral com
redutoras, eixos rígidos, chassis de longarinas aparafusadas
à carroçaria, servido num mini-carro com um estilo
absolutamente delicioso? Tirou-me quase trinta anos de
cima pelo que o Jimny só pode ser um elixir da juventude!

José Manuel Costa longarinas aparafusado à carroçaria, com um espaço vazio com 85 litros, aparecendo depois da Suzuki ter decidido afastar-
[email protected] eixos rígidos, tração integral com caixa a bagageira, depois, quando rebatemos -se dos propulsores diesel. Tem caixa
de transferências com alavanca dentro os bancos e desfrutamos de 377 litros de de cinco velocidades e a opção por uma
Dizer que a anterior geração es- do habitáculo. Totalmente “old school”! capacidade, mais 53 litros que o anterior. automática de quatro velocidades e utiliza
tava envelhecida após 20 anos O Jimny é absolutamente delicioso no que O interior do Jimny é um regresso ao pas- uma direção de esferas recirculantes com
no mercado é redundante, mas toca ao estilo, recuperando a inspiração sado com os instrumentos encaixados em assistência elétrica.
mostra a capacidade da Suzuki das óticas e da grelha do original SJ10 de nichos, que rapidamente inverte caminho Pelas especificações do carro, percebe-se
em fazer carros que “caiem no 1970. O Jimny está mais curto 3 cm que o com o volante, os comandos da climati- que os 100 cv e a tonelada de peso, mais
goto” e que se transformam em anterior modelo – embora seja mais largo zação (sim, o Jimny tem ar condiciona- coisa menos grama, lutam bastante, e por
lendas perenes do mercado. Mesmo que 4,5 cm e mais alto 2 cm que o anterior. do) e o sistema de info entretenimento e isso as performances não são especiais:
seguindo no sentido contrário dos outros, Ora, evidentemente que assim o Suzuki respetivo ecrã, a voarem, diretamente do velocidade limitada aos 145 km/h e a
como sucede com o novo Jimny, um carro Jimny não é, nunca foi!, um campeão da Swift para o Jimny. aceleração 0-100 km/h não interessa
do século XXI com todas as características habitabilidade. Há espaço apenas sufi- Na casa das máquinas está o moderno para rigorosamente nada. As pequenas
de um carro do século passado. Sim caro ciente à frente e atrás dois lugares muito bloco com 1.5 litros a debitar 100 cv e 130 dimensões e a curta distância entre eixos
leitor, o Jimny é um carro com chassis de limitados. Não há uma bagageira, mas sim Nm de binário. Será o único motor do Jimny permitem um comportamento sensível,
mas facilmente controlável. As suspen-
sões são um regalo: absorvem tudo e mais
alguma coisa, buracos, lombas, tudo. Com
aquele desconforto delicioso que só um
jipe puro e duro oferece.
A Suzuki arranjou um percurso que
não era, propriamente, uma pera doce,
com subidas e descidas fortes, inclina-
ções laterais, enfim, tudo o que se pode
enfrentar andando em terreno desco-
nhecido. E, neste exercício, o Jimny foi,
simplesmente, perfeito, nunca colocando
uma roda fora do sítio ou numa situação
complicada. Simplesmente fabuloso! Ah!!!
e soube tão bem voltar a andar fora de
estrada com um jipe à séria, mesmo que
em mini dose.
Pena que os preços comecem nos 21
mil euros, porque se assim não fosse
já estava feita a encomenda. Obrigado
Suzuki por me levar de volta aos meus
já longínquos 20 anos com este Jimny!

E/ Dando cumprimento ao estabelecido no n° mais importantes provas de desporto au- leitores uma informação atual, rigorosa abordagem e de análise dos factos noti-
1 do artigo 17° da Lei 2/99, de 13 de Janeiro, tomóvel disputadas em território nacional e de qualidade, opinando sobre tudo o ciosos, com total abertura à interatividade
ESTATUTO Lei da Imprensa, publica-se o Estatuto e no estrangeiro, relata acontecimentos que se passa na área do automóvel e dos com a sua comunidade de leitores. 4. O
EDITORIAL Editorial da publicação periódica AutoSport: ligados à competição automóvel, bem como automobilistas, numa perspetiva plural, re- AutoSport pratica um jornalismo pautado
1. O AutoSport é um semanário dedicado temas que versam o automóvel como bem cusando o sensacionalismo e respeitando pela isenção, sem comprometimentos
ao automóvel e aos automobilistas, nas de consumo, tanto na área industrial como a esfera da privacidade dos cidadãos. 3. ou enfeudamentos, tendo apenas como
suas mais distintas vertentes: desporto e comercial. O AutoSport pauta as suas opções edito- pressuposto editorial facultar a melhor
competição, comércio, indústria, segurança 2. O AutoSport está comprometido com riais por critérios de atualidade, interesse informação e a melhor formação aos seus
e problemática rodoviária. O AutoSport o exercício de um jornalismo formativo e informativo e qualidade, procurando apre- leitores, seguindo sempre as mais elemen-
edita, semanalmente, conteúdos sobre as informativo e procura oferecer aos seus sentar aos seus leitores a mais completa tares normas deontológicas.

PROPRIEDADE FOLLOW MEDIA COMUNICAÇÃO UNIPESSOAL, LDA. – NIPC 510430880, RUA MANUEL INÁCIO Nº8B 2770-223 PAÇO DE ARCOS REDAÇÃO RUA MANUEL INÁCIO Nº8B 2770-223 PAÇO DE ARCOS GERÊNCIA PEDRO CORRÊA MENDES
[email protected] DIRETOR PEDRO CORRÊA MENDES [email protected] DIRETOR-EXECUTIVO JOSÉ LUÍS ABREU [email protected] COLABORADORES ANDRÉ DUARTE, ALEXANDRE MELO,
FILIPE PINTO MESQUITA, FÁBIO MENDES, GUILHERME RIBEIRO, JORGE GIRÃO, JOSÉ MANUEL COSTA, JOÃO F. FARIA, JOÃO PICADO, MARTIN HOLMES, NUNO BRANCO E RODRIGO FERNANDES FOTOGRAFIA AIFA/JORGE CUNHA, ANDRÉ LAVADINHO, ZOOM
MOTORSPORT/ANTÓNIO SILVA DESIGNER GRÁFICA ANA SILVA [email protected] IMPRESSÃO SOGAPAL, S. A.,SOC. GRÁFICA DA PAIÃ, S. A. DISTRIBUIÇÃO VASP – DISTRIBUIDORA DE PUBLICAÇÕES, S. A., TIRAGEM 15 000 EXEMPLARES
REGISTO NA ERC 105448 DEPÓSITO LEGAL Nº 68970/73 – COPYRIGHT© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR. EMVIRTUDE DO DISPOSTO NO ARTIGO 68 Nº2, I) E J), ARTIGO 75º Nº2, M) DO CÓDIGO DO
DIRETOR DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ARTIGOS 10º E 10º BIS DA CONV. DE BERNA, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS A REPRODUÇÃO, A DISTRIBUIÇÃO, A COMUNICAÇÃO PÚBLICA OU A COLOCAÇÃO À DISPOSIÇÃO, DA TOTALIDADE
OU PARTE DOS CONTÉUDOS DESTA PUBLICAÇÃO, COM FINS COMERCIAIS DIRETOS OU INDIRETOS, EM QUALQUER SUPORTE E POR QUAISQUER MEIOS TÉCNICOS, SEM A AUTORIZAÇÃO DA FOLLOWMEDIA COMUNICAÇÃO, UNIPESSOAL LDA.
A FOLLOWMEDIA NÃO É RESPONSÁVEL PELO CONTÉUDO DOS ANÚNCIOS. EDIÇÃO ESCRITA AO ABRIGO DO NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO. CONTACTO [email protected]


Click to View FlipBook Version
Previous Book
Ausgabe 219 - MTSV I - TSV Rantrum I - 20.10.2018 - Virtuelle Zeitung
Next Book
Leslie_Glazier_Branding_Book_v6_proof11